Fibrose Retroperitoneal: Afecção lentamente progressiva de etiologia desconhecida, caracterizada pela deposição de tecido fibroso no espaço retroperitoneal, compreendendo o ureter, grandes vasos, ducto biliar e outras estruturas. Quando associada com aneurisma aórtico abdominal, pode ser chamada periaortite crônica ou fibrose perianeurismal inflamatória.Espaço Retroperitoneal: Área que ocupa a região mais posterior da CAVIDADE ABDOMINAL. Esta área limita-se lateralmente pelas bordas dos músculos quadrados lombares e se estende do DIAFRAGMA à borda da PELVE verdadeira, continuando então como espaço extraperitoneal pélvico.Neoplasias RetroperitoneaisObstrução Ureteral: Bloqueio em qualquer parte do URETER causando obstrução do fluxo urinário do rim para a BEXIGA URINÁRIA. A obstrução pode ser congênita, adquirida, unilateral, bilateral, completa, parcial, aguda ou crônica. Dependendo do grau e duração da obstrução, as características clínicas variam vastamente, como a HIDRONEFROSE e a nefropatia obstrutiva.Obstrução Duodenal: Obstrução da passagem dos conteúdos da luz do DUODENO. A obstrução duodenal pode ser parcial ou completa e ser causada por fatores intrínsecos ou extrínsecos. A obstrução simples está associada com a diminuição ou interrupção do fluxo do conteúdo luminal. A obstrução oclusiva está associada com a diminuição do fluxo sanguíneo no duodeno junto à obstrução do fluxo do conteúdo luminal.Aortite: Inflamação da parede da AORTA.Pergolida: Agonista de dopamina de longa ação que é utilizada para tratar a DOENÇA DE PARKINSON e HIPERPROLACTINEMIA, mas descartada de alguns mercados devido a potencial para DOENÇAS DAS VALVAS CARDÍACAS.Hidronefrose: Alargamento anormal ou edema de um RIM, devido à dilatação dos CÁLICES RENAIS e PELVE RENAL. Frequentemente está associada com a obstrução do URETER ou com nefropatias crônicas que impedem a drenagem normal da urina na BEXIGA URINÁRIA.Fibrose: Qualquer afecção em que os tecidos conjuntivos fibrosos invadem qualquer órgão, normalmente como consequência de inflamação ou outra lesão.Paniculite Peritoneal: INFLAMAÇÃO da camada subjacente ao TECIDO ADIPOSO (panículo) do PERITÔNIO, geralmente do MESENTÉRIO ou do OMENTO. Há várias formas com diversos nomes e frequentemente são caracterizadas pela infiltração de LINFÓCITOS e NEUTRÓFILOS, NECROSE gordurosa e FIBROSE.Tomografia Computadorizada por Raios X: Tomografia utilizando transmissão por raio x e um computador de algoritmo para reconstruir a imagem.Sialadenite: INFLAMAÇÃO do tecido salivar (GLÂNDULAS SALIVARES), geralmente devida a INFECÇÃO ou lesões.Pancreatite: INFLAMAÇÃO do PÂNCREAS. A pancreatite é classificada como aguda, a menos que haja uma tomografia computadorizada ou achados de colangiopancreatografia endoscópica retrógrada que indiquem PANCREATITE CRÔNICA (Simpósio Internacional de Pancreatite Aguda, Atlanta, 1992). As duas formas mais comuns de pancreatite aguda são PANCREATITE ALCOÓLICA e pancreatite por cálculo biliar.Fibrose Cística: Doença genética, autossômica e recessiva das GLÂNDULAS EXÓCRINAS. Causadora por mutações no gene que codifica o REGULADOR DE CONDUTÂNCIA TRANSMEMBRANA EM FIBROSE CÍSTICA, expresso em vários órgãos, inclusive PULMÃO, PÂNCREAS, Sistema Biliar e GLÂNDULAS SUDORÍPARAS. A fibrose cística é caracterizada por disfunção secretória epitelial associada com obstrução ductal, resultando em OBSTRUÇÃO DAS VIAS RESPIRATÓRIAS, INFECÇÕES RESPIRATÓRIAS crônicas, Insuficiência Pancreática, má digestão, depleção de sal e EXAUSTÃO POR CALOR.Prednisolona: Glucocorticoide com as propriedades gerais dos corticosteroides. É a droga de escolha para todas as afecções nas quais a terapia corticosteroide sistêmica é indicada, exceto nos estados de deficiência adrenal.Tireoidite: Doenças inflamatórias da GLÂNDULA TIREOIDE. A tireoidite pode ser classificada em aguda (TIREOIDITE SUPURATIVA), subaguda (granulomatosa e linfocítica), fibrosa crônica (de Riedel), linfocítica crônica (DOENÇA DE HASHIMOTO), transitória (TIREOIDITE PÓS-PARTO) e outros subtipos de TIREOIDITE AUTOIMUNE.Ureter: Um (do par) dos tubos (de paredes espessas), que transporta urina da PELVE RENAL à BEXIGA URINÁRIA.Doenças Autoimunes: Transtornos caracterizados pela produção de anticorpos que reagem com tecidos do hospedeiro ou com células efetoras imunes autorreativas aos peptídeos endógenos.Metisergida: Derivado do ergot que é um congênere da DIETILAMIDA DO ÁCIDO LISÉRGICO. Antagoniza os efeitos da serotonina nos vasos sanguíneos e na musculatura lisa gastrointestinal, mas tem poucas propriedades dos outros alcaloides do ergot. A metisergida é utilizada profilaticamente na enxaqueca e outras dores de cabeça vasculares e para antagonizar a serotonina na síndrome carcinoide.Pericardite: Inflamação do PERICÁRDIO que pode ter várias origens, como infecção, neoplasia, processo autoimune, lesões, ou induzida por fármacos. Geralmente a pericardite leva ao DERRAME PERICÁRDICO ou PERICARDITE CONSTRITIVA.Colangite Esclerosante: Doença inflamatória crônica do TRATO BILIAR. Caracteriza-se por fibrose e endurecimento dos sistemas ductal biliar intra e extra-hepáticos, acarretando o estreitamento do ducto biliar, COLESTASIA e consequente cirrose biliar.

*  Pesquisa: Injuria ou Lesao Renal Aguda | MedicinaNET

Exemplificando, a fibrose retroperitoneal constitui uma causa de obstrução urinária que pode ser prontamente detectada por ... porque os pacientes com fibrose retroperitoneal não apresentam hidronefrose.13 Doença renal intrínseca Após excluir a ...... ... A fáscia é inervada e composta por material denso e fibroso que cria um espaço anatômico formado pelos grupos musculares. O ...
medicinanet.com.br/pesquisas/injuria_ou_lesao_renal_aguda.htm

*  Modelo experimental de influência dos vasa vasorum na estrutura da parede de aorta abdominal em suínos

A aorta abdominal foi abordada por incisão retro peritoneal, o tecido Peri - aórtico contento os vasa vasorum e tecido ... Neste grupo de 08 semanas observa - se hiperplasia endotelial focal, fibrose subendotelial e desestruturação da camada media e ... fibrose subendotelial e hiperplasia intimal que progride ao longo das 8 semanas. Estes resultados tem implicações práticas para ... neovascularização e a degeneração da camada media assim como a presença de hiperplasia e fibrose subendotelial. Resultado: Em ...
lume.ufrgs.br/handle/10183/87174

*  Hepatoesplenomegalia - ppt carregar

... fibrose retroperitoneal e mediastinica Complicações: litíase vesicular, adenocarcinoma do ducto biliar 30 Síndrome de Budd- ... Inflamação, fibrose obliterativa, dilatação dos ductos intra ou extra-hepáticos, de etiologia desconhecida Diagnóstico por CPRE ... 42 Cistos Lesões de parede fina, fracamente celular e fibrosa preenchidas por líquido claro Cistos hepáticos simples (+ comuns ... 22 Cirrose Lesão crónica do fígado caracterizada por fibrose extensa, desorganização da arquitectura lobular e vascular e ...
slideplayer.com.br/slide/394799/

*  Sistema endócrino pablo - Portugues

Estimula a fibrose perivascular e cardíaca, tornando o coração menos distendível.  Causa hipertrofia cardíaca.  Aumenta o ... Glandulas Supra-Renais Glândulas Supra Renais A glândula supra renal se localiza na região retro peritoneal. É vascularizada ...
https://pt.slideshare.net/vagnerpiresreis/sistema-endcrino-pablo

*  Radiologia nota 10 é aqui Desde 2010: Pelve

A veia cava inferior assume uma posição retroperitoneal à direita da aorta, uma vez que sobe a partir do abdômen para o tórax. ... O ureter é uma estrutura retroperitoneal. À medida que desce para a pelve está localizado anteriormente ao músculo psoas. O ... Esta parte do cólon é também retroperitoneal e deriva o seu suprimento de sangue do ramo cólica esquerda da artéria mesentérica ... Este músculo é localizado em uma posição retroperitoneal e é considerado um dos músculos da parede posterior do músculo ...
radiologianota10.blogspot.com/2011/07/pelve.html

*  Fibrose retroperitoneal

... 'Fibrose retroperitoneal' ou 'Doença de Ormond' é uma doença caracterizada pela presença de inflamação e fibrose dos tecido s contidos na cavidade retroperitoneal, mais especificamente ao redor da aorta abdominal e artérias ilíacas, evolvendo também estruturas vizinhas, como por exemplo, os ureter es. 1 O termo "'doença de Ormond'" é em homenagem ao urologista John Kelso Ormond que descreveu a doença em 1948. 2 Sinais e sintomas Diagnóstico Causas Tratamento. Sinais e sintomas. As principais manifestações clínicas da fibrose retroperitoneal são:. 3 4 Dor lombar ou abdominal, piorando com a progressão da doença Anorexia Perda de peso Indisposição Obstrução do ureter com formação de hidronefrose e oligúria, podendo evoluir para doença renal crônica e perda da função dos rins Febre Dores nos testículo s Hematúria Claudicação Edema nas pernas. Diagnóstico. O diagnóstico da fibrose ...
https://pt.wikipedia.org/wiki/Fibrose_retroperitoneal

*  Miofibroblasto

'Miofibroblasto' e uma célula que esta entre um fibroblasto e uma celula de músculo liso em diferenciação. Perda do fenótipo contrátil ou aquisição do "fenótipo sintético" de uma célula muscular lisa. Epitelial a mesenquimal transdiferenciação de uma célula epitelial. Miofibroblastos usualmente cora-se para o filamento intermediário vimentina, o qual é um marcador mesenquimal geral, e para alfa actina de musculo liso. De forma interessante, podem ser positivos para outros marcadores de musculo liso como a desmina outro tipo de filamento intermediário apenas em determinados tecidos e essa heterogeneidade pode existir para todos os marcadores de musculo liso exceto a uns poucos marcadores positivos apenas para musculatura lisa contrátil como a metavinculina e esmotelina. Alguns miofibroblastos exceto os que possuem forma estrelada podem também ser positivos para GFAP. Aqui eles não agem apenas como regulador da forma das criptas e vilosidades, mas também agem como nichos de células tronco nas criptas ...
https://pt.wikipedia.org/wiki/Miofibroblasto


hiperplasia


  • Foram analisados o processo inflamatório, neovascularização e a degeneração da camada media assim como a presença de hiperplasia e fibrose subendotelial. (ufrgs.br)
  • No grupo de 04 semanas o processo inflamatório e a neovascularização envolvia apenas o 1/3 externo da média e não se observava hiperplasia endotelial ou fibrose subendotelial evidentes. (ufrgs.br)
  • Neste grupo de 08 semanas observa - se hiperplasia endotelial focal, fibrose subendotelial e desestruturação da camada media e duplicação da lamina elástica interna.Conclusão : em nosso estudo, confirmamos que a isquemia da parede vascular secundária a interrupção do fluxo pelos VV mesmo sem lesão da adventícia gerou uma desestruturação da camada média , neovascularização acentuada, fibrose subendotelial e hiperplasia intimal que progride ao longo das 8 semanas. (ufrgs.br)