Referências. 1. Kraybill EN. Ethical issues in the care of extremely low birth weight infants. Semin Perinatol 1998; 22:207-15.. 2. Jones KL; Goldsmith JR, Ginsberg HG, McGettigan. Ethical decisions in the delivery room. Clin Perinatol 1996; 23:529-50.. 3. Munro M, Yu VYH, Partridge JC, Martinez AM. Antenatal counselling, resuscitation practices and attitudes among Australian neonatologists towards life support in extreme prematurity. Aust N Z J Obstet Gynaecol 2001; 43:275-80.. 4. Stevenson DK, Goldworth A. Ethical dilemmas in the delivery room. Semin Perinatol 1998, 22:198-206.. ...
Em dezembro do ano passado, o hospital Sepaco, na Vila Mariana (zona sul de SP), criou quartos com banheira onde a gestante pode ter seu bebê da forma mais natural, várias grávidas procuraram a unidade e planejavam ter seus bebês lá. O Maternar chegou a divulgar a inauguração, que foi comemorada por gestantes e ativistas do parto humanizado.. A surpresa foi que as que procuraram atendimento nesta semana foram informadas que as salas com banqueta, bola de pilates, banheira, estão temporariamente fechadas. Os espaços foram inaugurados no início de dezembro.. A poucos dias de ter seu filho, Daiane Oliveira Sinzato, 21, estava com tudo planejado para ter seu bebê no novo quarto. "Estou com 39 semanas e seis dias. Liguei lá e me informaram que está fechado sem previsão de quando vão reabrir", lamenta.. Segundo ela, a alternativa agora será um hospital que a taxa de cesárea é alta (em torno de 90%) e que não conta com uma sala de parto normal. Daiane diz que esse é o único, além ...
Começo a ficar muito preocupado. Um país sem oposição forte corteja com o obscurantismo. Sem pluralidade, não se sabe o que ocorre efetivamente nos escaninhos do Estado e nas esferas políticas. Todos governos absolutos trouxeram para seu interior a oposição, sem que se soubesse o que ocorria. Tudo se negocia em salas fechadas. O governismo que toma conta do país é, assim, preocupante" ...
O objetivo do projeto de conclusão de estágio, foi o de tornar a sala mais atrativa para as crianças, motivando os pequenos a perder o medo de frequentar a UBS
Boa noite! Acho que se vc sente que seu marido não aguentará a cena ou não te dará a assistência necessária, melhor não deixar assistir mesmo. Porque acredite, ficamos muito frágeis na hora e o nosso acompanhante se torna responsável por nós ali na sala de parto! Meu marido assistiu o parto do nosso primeiro filho e a experiência não foi nada boa, por isso em outras gestações, não vou deixar ele assistir, vou levar uma doula comigo (aqui no ES a maioria dos hospitais só permite um acompanhante). Vou deixar aqui o relato do que aconteceu que me chateia até hoje, 5 meses depois... Bem, passei a gravidez inteira falando com ele sobre parto humanizado, sobre o momento do nascimento do bebê, que fazia questão de amamentar na sala de parto, de dar o primeiro banho no bebê e de que ele não tivesse intervenções. Acontece que na hora do nascimento ele esqueceu tudo, eu estava cansada do parto, sem voz, e foi perguntado a ele se permitia levar o bebê pra dar banho e fazer ...
Enquanto isso, o líquido foi clareando, o que deixou enfermeira e médica menos preocupadas e nos deu algumas horas a mais. Quando a médica retornou no fim da tarde, eu tinha pouco mais de 7cm de dilatação. "Olha, suas contrações estão ótimas. Só que o canal está impedindo ela de descer. Ele está muito rígido." Nessas alturas do campeonato eu já pensava: "Se tiver de fazer cesárea agora, pelo menos vou saber que tentei até o fim". Mas ela propôs: "se você quiser realmente fazer o parto normal, sugiro uma analgesia". Seria uma dose pequena, pra durar só uma hora e agir só sobre o relaxamento do canal. Topei na hora. Tudo pelo parto normal. "Você quer uma cadeira de rodas ou prefere ir andando até a sala de parto?" Andando, claro. Sala de parto. Nem acreditei. Pra mim, faltavam séculos pra eu chegar nesse estágio, mesmo já sendo quase 19h. "Com a analgesia, acho que esse canal amolece e ela nasce em 1h". Uma hora. Meu Deus. Como fiquei feliz. E ouvi a médica dizer pra ...
Eu supus que era apenas um código, uma brincadeira com a puta. Fiquei observando-a, não era a mulher mais bonita que eu já havia visto, mas tinha uma liberdade fulminante. Sua longa saia amarela brilhava no meio daquelas luzes coloridas dentro do cabaré. Resolvi me aproximar, acreditei ser minha chance com uma puta, já que não me animava com uma puta velha. E perguntei: - Ei, puta! Cobra quanto? Ela me encarou e disse: - Não cobro não. Sem entender muito, dei de costas e comecei a sair. Ela me chamou: - Ei! Eu disse que não cobro, não que não faço. ...
Filho, há 26 anos atrás o sorriso e a felicidade era a minha marca. Nasceria aquele que daria vida à minha vida. Relembro cada segundo, daquela Terça-feira, 02 de Agosto... Havia acabado de chegar de São Paulo... Levei sua mãe na Maternidade, e aguardando a dilatação, fui buscar sua malinha... Quando retornei, ela já havia entrado na sala de parto... Inexperiente, apreensivo, nervoso... Não sei bem explicar meu sentimento. Só sei que andava de um lado pro outro no corredor (diante do berçário)... Estávamos todos lá: Vô Urbano, Vó Ruth / Vô Pedro, Vó Orilda, tia Elaine, tio Neco, sua madrinha Anita... Enfim, aguardávamos a sua chegada! Eis que de repente o Dr. José Fernando Martinez (pediatra) abriu a cortininha do berçário e te segurando pelos pés, apresentou o novo membro da família: VOCÊ!!! Filho, dizem que homem não chora? GRANDE MENTIRA! Choramos todos!!! Choramos de alegria, de emoção... A mesma alegria tive, mas dessa vez já mais experiente, com a chegada de ...
Na hora que eu dei entrada no hospital, a mulher foi, deu o toque e escutou o coração dos dois lados. Escutou dos dois e falou que os dois estavam bem. Aí, ela mandou eu tomar banho e ir para a sala de parto. E na hora que eu tava no parto, só chegaram com um no outro dia ainda, porque o menino ficou no berçário. Aí no outro dia apareceram com um e eu faleu: cadê o outro? Eu vim para a maternidade para ganhar dois e eu estou aqui com a ultrassom, e eu escutei o coração dos dois lá embaixo, e ela [a enfermeira] falou que os dois estava (sic) bem. E como é que vocês aparecem aqui com uma criança só?", contou ...
O parto já foi uma história. A bolsa estourou no meio da madrugada. Meu (naquela época) marido não sabe dirigir e quis chamar um táxi, mas eu disse que não precisava. "Dá para levar". E lá fui eu para a maternidade, dirigindo em meio as contrações... chegamos bem. Entrei na sala de parto, seis horas da manhã, e quarenta minutos depois estava com meu bebê nos braços, mamando de primeira... foi no dia 21 de março de 2006 ...
Nasceu minha filha amada dia 26 de fevereiro as 6:59 pesando 3045 e 46,5 cm de pura gostosura. não consigo descrever a felicidade que senti quando ouvi o chorinho mais lindo do mundo foi muita emoção. Meu médico me ligou no dia 24 avisando que minha cesária seria as 6 horas da manhã e que deveria estar no hospital as 4:30 da manhã, não preciso nem dizer que na noite anterior ao parto não dormi, cheguei no hospital com meu marido e minha mãe e logo fomos fazer a baixa, fui para sala de pré parto e não preciso dizer que meu coração estava na boca, troquei de roupa e me colocaram soro e meu marido entrou para esperar comigo, logo meu médico e o anestesista chegaram e me levaram para sala de parto, meu Deus que medo me deu mas estava muito feliz, na sala para ser anestesiada o marido não pode entrar eu nesta hora senti medo hehehe mas era da anestesia, mas deu tudo certo em pouco tempo ja não sentia minhas pernas e meu marido entrou sentou ao meu lado e ficou dizendo o tempo todo ...
Logo que Isaac nasceu, alí na sala de parto mesmo, quando a pediatra o apresentou pra mim, minha primeira reação foi cheirá-lo. Simples, cheirei, não beijei ou cantei. Dei uma boa analisada olfativa. Farejei se estava tudo bem ...
O Parto Cesárea é feito via abdominal, com o uso de anestesia.. Analgesia é uso de medicamentos para dor.. A anestesia peridural não tira a sensibilidade da mulher aos movimentos, é mais fraca e tem efeito mais rápido (mas pode ter a dose renovada quando o efeito diminui) do que a raquidiana (mais rápida e eficaz) que por sua vez paralisa temporariamente abaixo da cintura e é mais utilizada no parto cesárea.. Medo de agulha??? Já passei por uma cesariana e digo: foi tranquila!! A agulha do catéter do soro (que vai na mão) é muito mais calibrosa do que a da coluna. A diferença maior é que a medicação dá uma "ardidinha" quando entra. Mas a picada mesmo, sussa!. A enfermeira obstetra Raquel falou sobre as salas de parto e a diferença quando a equipe médica tem uma enfermeira obstetra (além da do hospital), o que eu desconhecia: Sabiam que o bebê é levado rapidamente da sala de parto para os exames e o berçário porque a enfermeira do hospital tem que acompanhar mais sei lá ...
E quando aquele menininho nasceu, nasceu também o pai. Na mesma hora. E ele nem sabia... Estava na sala de parto, registrando tudo, se emocionando, achando que testemunhava apenas o nascimento do seu filho, e nem se deu conta de que um pai também nascia naquele momento. Mas a mãe percebeu! Percebeu na hora em que aquele garoto crescido, com um brilho diferente nos olhos, hesitou entre continuar acompanhando os procedimentos finais da cesárea junto à mãe, ou seguir o seu pequeno bebê em direção ao berçário. E ele optou, com o aval silencioso da mãe, por ir junto à cria ...
Depois de nove meses imaginando um bebê, ele chega! A alegria se completa quando o pediatra se vira para os pais, ainda na sala de parto e diz: está tudo ótimo, ele é normalíssimo. Do lado de fora, avós, familiares e alguns amigos mais próximos, colam os rostos no vidro do berçário, esperando a chegada…
2 minutos Disseminar conhecimentos atualizados relativos ao cuidado do neonato ao nascer, no transporte e na estabilização imediata após a reanimação, tem como objetivo reduzir a mortalidade associada à asfixia perinatal. Neste sentido, o curso Reanimação de Recém Nascido , 34 Semanas em Sala de Parto faz parte do Programa de Reanimação Neonatal da Sociedade Brasileira de Pediatria. Objetivos O curso tem como objetivo capacitar médicos, enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, fisioterapeutas e outros profissionais da área da saúde que atendem ao neonato na sala de parto e/ou Continue lendo→. ...
Neste sábado, 01/04, a Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN em parceria com a Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Norte (SOPERN) realiza o I Curso de Reanimação Neonatal. O público alvo será formado pelos Membros Ligantes da LAPED UFRN que já se encontram na condição de Doutorandos. O Curso terá como instrutores, a Professoras Nivia Arrais e Elza Seabra . O Objetivo do Curso será preparar os Ligantes para atuarem na sala de parto na forma de plantão. Desta forma, neste ano de 2017, além dos Plantões na UTI NEO e no Sandra Celeste, a LAPED UFRN oferece mais um campo de estágio para os seu ligantes: Plantões na Sala de Parto da Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC). ...
Neste sábado, 01/04, a Liga Acadêmica de Pediatria da UFRN - LAPED UFRN em parceria com a Sociedade de Pediatria do Rio Grande do Norte (SOPERN) realiza o I Curso de Reanimação Neonatal. O público alvo será formado pelos Membros Ligantes da LAPED UFRN que já se encontram na condição de Doutorandos. O Curso terá como instrutores, a Professoras Nivia Arrais e Elza Seabra . O Objetivo do Curso será preparar os Ligantes para atuarem na sala de parto na forma de plantão. Desta forma, neste ano de 2017, além dos Plantões na UTI NEO e no Sandra Celeste, a LAPED UFRN oferece mais um campo de estágio para os seu ligantes: Plantões na Sala de Parto da Maternidade Escola Januário Cicco (MEJC). ...
Como são as fotos do Parto? Fotografando um parto. Fotografo de parto. Fotografia documental de parto. O parto. Fotos de parto. O papel do fotógrafo na sala de parto. A maternidade.
Xico,não conhecia seu blog,mas agora que conheci virei fã!Tenha força e muita fé,Deus nunca nos abandona!Olha como a vida é...:Meu sonho sempre foi ser mãe.Engravidei ano passado e aos dois meses de gestação sangrei muito e descobri que tinha placenta baixa.Por recomendações médicas fiz repouso ABSOLUTO até o quarto mês!Foi então que fui diagnosticada com preeclampsia(pressão MUITO alta).Passei o resto da gestação internada!Meu filho nasceu prematuro de sete meses e ficou na UTI quase 1 mês.O mais triste foi entrar na sala de parto com a previsão que eu poderia morrer!Passei o momento mais esperado da minha vida,de repouso,tomando remédios pesados que me fizeram ficar MUITO inchada(usei pantufa número 43 pq NENHUM sapato ou sandalia entravam nos meus pés!) e tendo a consciência que poderia morrer sem ter vivido a maternidade!Graças a Deus,o parto foi um sucesso,meu filho foi um guerreiro e saiu da UTI com muita saúde e hoje é lindo menino de quatro meses!Sei que não ...
Acolhimento em todo o ciclo de vida. Um modelo de parto e nascimento que contribua para uma sociedade mais pacífica, em que não sejamos submetidos à violência logo ao nascer. Essa é a proposta que vêm norteando uma série de ações da SMS-RJ para a qualificação da assistência ao parto e ao nascimento, seguindo a perspectiva da humanização e da integralidade do cuidado. Nesta trajetória, inúmeras reformas estruturais foram realizadas em maternidades municipais. Processos de trabalho foram reorientados, com a inclusão de um enfermeiro obstetra na assistência aos partos de baixo risco e o estímulo ao contato imediato entre mãe e bebê, com o início da amamentação ainda na sala de parto. O direito da gestante a um acompanhante de sua escolha hoje é garantido em todas as maternidades municipais. Tudo para garantir o direito de nascer sem violência.. Esse cuidado, que deve seguir ao longo de todo o ciclo de vida, é essencial no atendimento às vítimas das situações de ...
As instituições sociais em sua maioria afastam o homem da educação e cuidados com a criança. É a escola que embora faça a reunião de pais, não questiona a presença apenas de mulheres na maioria destes encontros, embora muitas delas trabalhem fora. Nas maternidades, a entrada do pai na sala de parto nas maternidades públicas, precisou ser normatizada (cidade do Rio de Janeiro e Estado de São Paulo) para que o homem, como qualquer outro acompanhante à escolha da mulher, possa presenciar o nascimento de seu filho. Os homens não são convidados a participar do pré-natal durante a gestação. Nos postos de saúde, não há fotos de homens com bebês, expressando a expectativa de que aquele seja um espaço exclusivamente feminino. Os homens são mantidos à distância pela atenção prestada à gestação e ao nascimento da criança. As relações de trabalho também dificultam a participação do pai, pois não se aceita que homem falte ao trabalho porque o filho ficou doente, havendo ...
A dona de casa Cleidiane Silva dos Santos, que estava grávida de gêmeos, reclama do suposto sumiço de um dos bebês após o parto, que ocorreu no dia 24 de junho deste ano, na Maternidade Santa Helena, anexo ao Hospital São José, no município de Ilhéus no sul da Bahia.. Ela conta ter passado mal na hora do parto, que foi cesárea, ter ficado sonolenta e não ter visto quando os bebês teriam nascido. O filho de Cleidiane, Laercio Antony, nasceu no dia 24 de junho. Porém, a outra criança, que se chamaria Bryan Antony, sumiu. A dona de casa conta que horas antes do parto ela foi avaliada por uma enfermeira, que disse estar tudo bem com os dois bebês.. "Ela falou bem assim: os dois está (sic) bem, porque ela já tinha olhado no negócio [ultrassonografia] que eram dois gêmeos. Ela falou tá bem (sic). Aí ela mandou tomar um banho e ela mandou ir para a sala de parto", disse Cleidiane Santos. Cleidiane disse que a última ultrassonografia da gravidez dela foi feita no dia 3 de junho, ...
No primeiro momento, é realizada palestra sobre gravidez e os tipos de parto, onde é apresentado às gestantes os benefícios do parto normal tanto para mãe, quanto para o bebê. Elas aproveitam para tirar dúvidas corriqueiras sobre a gestação, e as enfermeiras aproveitam para desconstruir mitos e preconceitos. Após a parte teórica, as visitantes são convidadas a conhecer as instalações do Hospital, para que saibam exatamente os procedimentos pelos quais vão passar durante o parto. A visita é iniciada pela sala de pré-parto, em seguida são apresentados os alojamentos conjuntos, e finalizada na sala de parto. ...
O acesso venoso via cateterização de vasos umbilicais, é essencial no cuidado do recém-nascido pré-termo e um procedimento invasivo, que requer técnica, material e pessoal especializado. É frequentemente realizado para acesso à corrente sanguínea, em manobras de reanimação na sala de parto e/ou nas duas primeiras semanas de vida, para infusão de líquidos ou drogas, monitorizações, intervenções cardíacas, exsanguineotransfusão e coleta de sangue para análises laboratoriais. Embora possa ser considerado como a principal escolha de acesso vascular nas salas de parto e no período neonatal imediato, envolve riscos para recém nascidos ...
Liberaram a suíte de parto. Coloquei uma camisola de hospital e fui caminhando pra lá. Tive uma contração no meio do caminho e fiquei de cócoras, para lidar melhor com ela. Duas enfermeiras vieram até mim e eu disse para elas esperarem, pois eu estava passando por uma contração. Uma delas falou para a outra, com tom de desespero "chame o médico, ela está passando mal!". Eu pensei: "nossa, sou uma alienígena. Ter contrações é algo anormal nesta maternidade". Cheguei na sala de parto ainda com a ideia fixa da anestesia. Só me concentrava nisso. Parei de me concentrar nas dores e tentar relaxar. Eu só pensava na anestesia e implorava pela chegada do anestesista, que demorava muito. Até que ele chegou e vi, nele, a esperança para extinguir minha dor; ou, pelo menos, reduzi-la significativamente. Tomei a analgesia e consegui dormir por 10 minutos. Acordei e minha doula sugeriu que voltássemos a fazer posições para a minha bebê girar, porque, em pouco tempo, eu voltaria a sentir ...
No último dia da Caravana do Serão (20/09), o município visitado foi Bom Conselho, Agreste de Pernambuco. O médico fiscal, Otávio Valença, esteve no Hospital Monsenhor Alfredo Dâmaso, onde encontrou deficiências. Tanto na sala vermelha quanto na sala de parto não existe material de reanimação, afirmou. O hospital, que atende cerca de 200 pacientes por dia…
Por volta das 23h, fomos para a sala de parto (centro cirúrgico). No caminho, a moça que me levava na maca soltou a pérola: ah, você quer normal? Muitas querem, mas poucas conseguem. Que bom que aquilo não me abalou. Hoje, sei que se passaram mais umas 2 horas para a Alice nascer. Naqueles instantes não saberia precisar tempo, ele estava suspenso. Existiam apenas contrações e a vontade de ter minha filha comigo. Dra. Rachel transformou-se em um parteira, me guiando nessa fase final. Rafaela continuava com suas palavras de incentivo e o Tibério, mais uma vez, era só emoção, que eu sentia apenas de olhar para ele. Em um momento, a obstetra, talvez já preocupada com o passar do tempo, pediu às enfermeiras que colocassem um sorinho (com ocitocina) em mim. Elas tentaram umas três vezes sem êxito e, nesse intervalo, fiz tanta força que o processo acelerou. Dra. Rachel brincou: tudo bem, Lina, já entendi, você quer um parto natural, não vamos mais colocar nada, agora é com você. ...
As gestantes de baixo risco do município de São Luiz, na região sul do Estado, passam a contar com uma sala de parto normal completa, com equipamentos necessários para atender tanto a mãe quanto ao recém-nascido no Hospital Francisco Ricardo de Macedo. A entrega aconteceu durante a ação itinerante, da Secretaria de Estado da Saúde (Sesau), no último dia 5 de junho. As pacientes terão à disposição cama PPP (pré-parto, parto e purpúreo), berço aquecido, foco, balança, aspirador de secreção, entre outros itens. As melhorias fazem parte das sugestões do Departamento Estadual de Vigilância Sanitária. Foram entregues no mesmo dia, a Central de Material Esterilizado, o setor de emergência, a sala de procedimentos e as seis enfermarias de internação, com 12 leitos efetivos.. Entre as equipes de profissionais envolvidas no trabalho de parto normal, estão médicos clínico-geral, técnico de enfermagem e enfermeiros. "A sala entregue é exclusivamente para partos normais para ...
A equipe médica, guiada pelo doutor José Negrón, foi incrivelmente sincronizada e profissional, ajudando, de forma silenciosa com nossos psicológicos. Quando, na sala de parto, vi a Zoe surgir ao som de The Beatles, o mundo se deteve. Houve um silêncio porque o choro era agonizante pela espera. E chorou. Gravei um pouco porque tudo era muito intenso, eu queria acompanhar tudo. O mundo se fez lágrimas... Mas por pouco tempo, é muita informação para mim, pois há máquinas, pediatras, médicos, anestesistas e um outro médico que indicava ao ouvido de Katy o que ocorreria com ela, um passo a passo. Ainda viria Mateo, que saiu dentro de sua bolsa. Não Havia tempo para tristeza, uma médica me tirou da sala para acompanhar a Zoe até a sala de neonatal. Fecharam a porta e disseram que tudo estava sob controle. Controle? Sua esposa com um talho na barriga, sua filha prematura e um natimorto e me pedem calma? E me tranquilizei... Não sei de onde... Depois de uma hora vi a Zoe na sala de ...
Voltei para a sala de pré-parto e fiz algumas forças de cócoras. Começou a doer bastante durante as contrações e a Dra. Cláudia me examinou e constatou que eu estava com 7 cm de dilatação (+ ou - umas 23:15). Perguntou se eu queria tomar analgesia e não quis, pois as dores estavam suportáveis e tenho pânico de injeção, agulhas, enfim, rsrsrs. Voltei para a bola de pilates, a Doula me fez massagem nas costas e depois de alguns minutos falei para a Dra. que estava com vontade de ir ao banheiro (entendem? rsrsrsrs) e ela me levou de volta à maca. Eram 23:50 e ela me disse que tinha que fazer força, pois o neném estava querendo nascer! Fiz algumas forças na sala de pré-parto e fomos para a sala de parto (não sei como cheguei lá, não lembro mesmo, mas cheguei, rs). Tomei uma anestesia local e dei um grito (foi de susto mesmo, rsrsrs). Comecei a fazer força e lembro que tive uma contração bem forte, fiz força, respirei, fiz outra, respirei e quando a enfermeira falou para que ...
Chegando la as contrações já estavam mais fortes, fiquei super preocupada porque as enfermeiras não escutam muito o que agente fala e eu tinha medo de chegar la e elas quererem me fazer cesárea, ficava toda hora perguntando se a Natalia ou a Dra tinham chegado, fizeram o exame de toque e eu estava com 7 dedos de dilatação. Enfim me informaram que a Dra e a Natalia já estavam na sala de parto me esperando, é engraçado como fiquei com medo de tudo, queria ir andando para sala mas fiquei com medo de desmaiar no caminho então fui de cadeira de rodas mesmo. Cheguei à sala e encontrei a Natalia e a Dra ai fiquei com medo porque meu marido tava na recepção fazendo o registro e não chegava logo. A essa altura já era 23:00hs meu marido chegou e eu estava com muita dor, o ambiente é bem tranqüilizante, pouca luz, musica, incenso mas mesmo assim tava com muita dor, sentei na bola, deitei, levantei, andei e dor. Até que a Natalia falou se eu queria entrar na banheira, não tive duvidas, ...
Se você tem um fusca e coloca nele quatro rodas de uma Mercedes, o fusca continuará sendo um fusca, mesmo com pneus de Mercedes. Assim, nenhum leite de vaca (LV) deixará de ser leite de vaca, mesmo modificado em suas proteínas, ou acrescido de ingredientes do leite materno (LM).. O LM se adapta ao bebê desde o seu nascimento (LM de mães de prematuros tem composição diferente do LM de crianças de termo), mudando sua composição no decorrer da mamada, modificando-se durante as 24 horas e oferecendo ao lactente, em cada fase da vida, tudo o que um leite pode oferecer de melhor, enquanto ele mamar.. Em sua composição (cerca de 250 ingredientes diferentes), o LM traz praticamente tudo o que o bebê precisa desde o seu nascimento, de forma completa até o 6º mês, ainda como alimento principal até 1 ano de idade, sendo o melhor alimento complementar até o DESMAME NATURAL.. LEITE MATERNO: Desde a sala de parto, exclusivo e em livre-demanda até o 6º mês, estendido até 2 anos ou ...
Sorocaba e Biah Rodrigues dançaram na sala de parto. O casal mostrou animação até mesmo minutos antes do pequeno Theo vir ao mundo. Em meio as contrações, a Miss Distrito Federal 2018 exibiu passos ritmados e desceu até o chão. Este ato, na verdade, é muito benéfico para o bebê, porque ajuda a aumen...
Está prevista para a próxima segunda feira (25) a inauguração do Centro Cirúrgico e da ala da Fisioterapia do Hospital Geral de Aurelino Leal. A Solenidade terá inicio às 18 horas e vai contar com a presença do Secretário de Assuntos Institucionais do Estado da Bahia, Josias Gomes, o deputado estadual, Rosemberg Pinto (PT) o Superintendente da CAR, Jeandro Pinheiro além de vereadores, lideranças políticas, comunitária e o povo em geral. Na oportunidade será assinado o convênio para construção de 32 banheiros destinados aos moradores do Bairro Bela Vista. As obras de reforma da unidade hospitalar foi uma iniciativa da prefeita municipal, Elizângela Ramos de Andrade Garcia que através de uma campanha que envolveu a comunidade local, empresários de Ubaitaba e autoridades do governo da Bahia vem promovendo uma ampla reforma no Hospital Municipal. O Centro Cirúrgico a ser inaugurado possui sala de parto, pré-parto, expurgo, esterilização e berçário. Já o setor de ...
Muita gente confunde parto humanizado com parto natural.. O parto humanizado preconiza o respeito à fisiologia do parto e à mulher. A mulher não recebe intervenções desnecessárias e/ou desavisadas e/ou sem consentimento (p ex. ocitocina sintética, episiotomia, exame do toque, tricotomia). A mulher tem direito a uma acompanhante, a não ser exposta a um número grande de pessoas na sala de parto, a diminuição da luz e outras coisas.. O parto natural, diferente do parto humanizado, é um tipo de parto. Como o próprio nome diz, é natural, sem anestesia e na posição que a mulher bem entender.. Maiores informações no site do Rehuna. Já ouviu falar em violência obstétrica? Não?! Então, assista o vídeo e entenda porque a humanização do parto é importante no empoderamento da mulher.. Quando Bento estava com 41 semanas e fui fazer uma ultra na Perinatal só para checar se estava tudo ok, a médica que me examinou disse para eu marcar uma cesárea porque com 41 semanas havia muitas ...
Os funcionários do Serviço Materno-Infantil do Hospital Padre Albino participaram de treinamento de atendimento de urgência para recém-nascidos (RN) na sala de parto durante o mês de junho.. Os participantes vivenciaram simulação realística no atendimento de emergência ao RN realizado pelas enfermeiras do Serviço, Tânia Cruz e Ludmila Ferreira da Cruz, expondo sobre os cuidados contínuos e de complexidade adequada ao nível de risco do neonato. "O profissional de saúde envolvido neste processo corresponde ao ser facilitador ou não; por isso a importância da equipe bem treinada, evitando o surgimento de erros e complicações", pontuaram as enfermeiras.. A capacitação faz parte de um plano anual de treinamentos da instituição, que prioriza as necessidades de cada setor. "O profissional de enfermagem, seja em qual for sua ocupação, deve buscar mais conhecimentos, rever as práticas que são executadas visando o ser humano e suas necessidades", afirmou a enfermeira coordenadora ...
A verdade é que nem sempre (e acho que posso dizer quase nunca) é fácil. Amamentação não é algo automático. É um aprendizado da mãe e do bebê e pode sim ser muito difícil. Até mesmo pra mim que sou pediatra e sei exatamente todas as dificuldades que as mães passam foi difícil. Quando minha filha nasceu, ainda na sala de parto me deram ela para amamentar. Lá estava eu, de madrugada, exausta do trabalho de parto e veio alguém e apertou meu peito como se fosse um sachê de catchup, enfiou na boca da minha filha, diminuiu as luzes da sala e foi embora me deixando ali com aquele ser pequenino que nem sequer abria a boca direito. Parecia um momento mágico… até chegar a hora das próximas mamadas. Em menos de 24h, a magia se transformou em tortura. Os mamilos fissurados doíam muito na hora das mamadas e, nos intervalos, o simples contato com o sutiã, a água do chuveiro ou a toalha de banho era um desespero. Ao chegar em casa após a alta, um novo problema. O leite começou a ...
No atendimento do prematuro na sala de parto, a necessidade de ventila o com press o positiva e de manobras avan adas de reanima o, definidas como intuba o e/ou massagem card aca e/ou uso de medica o, bastante frequente, em especial naqueles de muito baixo peso. A elevada necessidade de ajuda para se iniciar a respira o efetiva, ou seja, efetuar a transi o para o ambiente extrauterino e de reanima o propriamente dita nos neonatos pr -termo se deve, de modo geral, sua imaturidade global sob o aspecto anat mico e fisiol gico. Assim, tais pacientes t m propens o perda de calor por apresentarem pele fina, pouco queratinizada, com escasso tecido adiposo subcut neo e peso relativamente baixo em rela o grande superf cie corporal, existindo ainda a perda de calor central do sistema venoso a partir do seio cavernoso, localizado logo abaixo da fontanela bregm tica n o ossificada. A respira o logo ap s o nascimento pouco efetiva, uma vez que h imaturidade estrutural dos pulm es, do sistema surfactante, da ...
Eu me troquei, coloquei a camisolinha horrível de hospital, com a bunda de fora e subimos pra sala de pré-parto...marido já avisou minha mãe, que mora em outra cidade, que eu estava no hospital e outras pessoas importantes tb! Nisso as contrações estavam beirando o insuportável...mas me mantive forte!! A enfermeira me trouxe a bola de pilates e fiquei em cima, rebolando, mas as contrações estavam muito fortes e pedi pro marido me ajudar a deitar na cama de novo...levantei e tinha sangue no lençol que cobria a bola...marido perguntou pra enfermeira se era normal e ela disse que sim...quando deitei, senti escorrer algo pela minha perna, falei pro marido que achava que a bolsa tinha estourado, ele foi olhar, mas era sangue...nisso a médica voltou, fez toque de novo e viu que eu estava com 8 de dilatação já e me perguntou se eu queria analgesia...era uma coisa que nunca fui contra, então falei que sim e fomos pra sala de parto. Eu não me lembro muito bem dessa parte, já tinha ...
Eu me troquei, coloquei a camisolinha horrível de hospital, com a bunda de fora e subimos pra sala de pré-parto...marido já avisou minha mãe, que mora em outra cidade, que eu estava no hospital e outras pessoas importantes tb! Nisso as contrações estavam beirando o insuportável...mas me mantive forte!! A enfermeira me trouxe a bola de pilates e fiquei em cima, rebolando, mas as contrações estavam muito fortes e pedi pro marido me ajudar a deitar na cama de novo...levantei e tinha sangue no lençol que cobria a bola...marido perguntou pra enfermeira se era normal e ela disse que sim...quando deitei, senti escorrer algo pela minha perna, falei pro marido que achava que a bolsa tinha estourado, ele foi olhar, mas era sangue...nisso a médica voltou, fez toque de novo e viu que eu estava com 8 de dilatação já e me perguntou se eu queria analgesia...era uma coisa que nunca fui contra, então falei que sim e fomos pra sala de parto. Eu não me lembro muito bem dessa parte, já tinha ...
Vânia estava indignada com o que acabara de presenciar na sala de parto. Em vez de receber o bebê das mãos do obstetra, o viu ser entregue para a mãe logo após o nascimento. Como médica tradicional que era (e ariana que é), achou aquilo "uma falta de respeito".. Foi contar a história para a amiga Renata Garcia, também médica, que respondeu com uma bronca: "O bebê é da mãe, não seu".. Essa bela e nada romântica resposta foi um dos primeiros sinais que Vânia recebeu sobre o que era a humanização na medicina. "Depois disso comecei a ser muito aberta a ouvir o novo e mudar minha prática. Fazia todo sentido a criança estar com a mãe naquele momento. Aprendi que sou uma coadjuvante no parto e levei isso para toda a minha carreira".. Nascida e criada em Belém, ela cursou medicina na Universidade Estadual do Pará e só se mudou para São Paulo para cursar sua residência na Santa Casa de Misericórdia. Decidiu fazer Pediatria e Neonatologia nos dois anos de duração do curso e ...
Anos oitenta e a moda era ter uma filmadora do Paraguai. Sempre tinha um amigo ou um vizinho contrabandista disposto a trazer aquela muambazinha por um preço módico. Ela tinha vergonha, mas eu desejava eternizar aquele momento. Irrompi na sala de parto com câmera no ombro e chorei enquanto filmava o parto do meu primeiro filho. Todo mundo que chegava lá em casa era obrigado a assistir o filme. Perdi a conta das cópias que fiz do parto e distribui entre amigos, parentes e parentes dos amigos. E sempre que podia explicava as vantagens do parto natural sobre a cesária. Meu filho e minha esposa eram meu orgulho ...
Chegando na sala de parto, as médicas já a colocaram naquela maca própria para mulheres em trabalho de parto. Segundo a médica, o bebê nasceria em uns 20 mins. A japonesa, por sua vez, não satisfeita, continuou insistindo para que eu pedisse a epidural para a médica. Fiz minha parte, mas a médica recusou, dizendo…
Luzinete conta que o setor de internamento fechado ainda na primeira gestão do ex-prefeito Paulo Tadeu, não voltou a funcionar por questões burocráticas que levam tempo para serem resolvidas. A sala de parto, também fechada em seu primeiro ano de mandato, sequer equipamentos tem. Todos desapareceram. "Em relação a isso, todas as equipes estão trabalhando juntamente com a secretária de saúde Valéria Queiroga, e com o Prefeito Guiga, para em Março estar inaugurando a Unidade Mista já com o internamento funcionando", disse. ...
Por Mariana Kotscho, jornalista e apresentadora. Hoje vou falar de um tema que parece não ser muito agradável, mas é necessário e faz parte da vida de todos os pais e mães: o xixi e o coco dos filhos.. Aliás desde o momento do nascimento uma das primeiras perguntas na sala de parto é: já fez xixi? Daí a gente tem que aprender a limpar direito, menina de um jeito, menino de outro, e mais tarde ainda tem a fase do desfralde.. Uma curiosidade é que já a partir do quinto mês de gestação, o feto passa a fazer xixi dentro do útero da mãe. É nessa época em que o aparelho urinário do bebê se desenvolve por completo.. Daí primeiro cocô do bebê tem até nome: mecônio que é um cocô bem escuro, que depois vai mudando…alguns bebês já sofrem com prisão de ventre, isso varia muito de uma criança pra outra.. Eu quero deixar como dica hoje , os livros dos especialistas que participaram do programa Papo de Mãe sobre xixi e cocô: tem o "Dúvidas de Mãe", da psicopedagoga Larissa ...
A presença ou não do homem na sala de parto, é outra questão que surge e que depende do desejo e disponibilidade do futuro papai. Há homens que não se sentem à vontade para assistir o parto, pois além de revivenciarem a reatualização da angústia do próprio nascimento, teriam que suportar a culpa e responsabilidade, que muitas vezes surgem, ao se depararem com o que a parceira está vivenciando fisicamente. Outros assumem a tarefa sem dificuldade, funcionando como suporte emocional da mulher e de acolhimento ao bebê nesta sua vinda ao mundo aéreo ...
Eu era uma grávida chorosa. Chorava por tudo e por nada. Quando dava fé, estava a chorar e não percebia porquê. Passava aquela publicidade da Dodot e vinha-me a lágrima ao olho, um video sobre recém-nascidos no facebook, outra lágrima no olho. Quando soube que era uma menina, chorei, chorei, chorei de tanta felicidade, como nunca chorei a vida toda seja pelo que fosse. Sentia-me realizada. Tudo o que eu sempre quis estava a desenvolver-se e só dependia de mim para que corresse bem. Da minha alimentação, do meu descanso, do meu exercício físico, do meu estado de espírito... Até ao momento que me disseram: "Vai ser agora que ela vai nascer, vai ter de fazer tudo aquilo que aprendeu nas aulas de preparação para o parto", eu só dormia. Só tinha vontade de dormir. Hoje penso "Caramba! Mas eu serei normal? As águas rebentaram e eu só queria ir ao IKEA comprar umas coisas que me faltavam; Estava na sala de parto e só perguntei à enfermeira se podia dormir um bocado" Acho que, se ...
Fomos para o hospital e não tinha quarto vago, esperei umas duas horas para chegar aos 4 cm e mais ou menos meia noite tomei uma analgesia. Não posso dizer que não foi difícil a decisão de sair de casa, de abandonar o parto dos meus sonhos, de tomar a analgesia... mas eu sei que eu cheguei no meu limite e não tenho vergonha de admitir que naquela hora, a dor foi mais forte e falou mais alto. Não dava mais para me concentrar em nada, eu estava acabada! Depois da analgesia eu deitei, descansei bastante, dormi um pouquinho e acordei pronta pra outra! Em 5 horas cheguei nos 10 cm... quando estava com 8 mais ou menos o efeito da analgesia estava bem fraco e quando vieram os puxos eu já estava sentindo tudo, as dores das contrações e tudo mais! O anestesista insistiu várias vezes para fazer o reforço e até quando eu estava na sala de parto (fui pra lá na horinha de você nascer nascer!) tive que explicar que eu queria sentir a dor, queria sentir tudo, não precisava de mais analgesia... ...
Fomos para a sala de parto, me mudaram de maca, fiquei em uma que tinha dois ferrinhos perto da minha perna e quando eu os puxava a maca deslizava e eu ficava na posição certinha. Bom, a doutora perguntou se eu ligava pra ela ouvir música, disse que tudo bem, já que eu adoro MPB e era exatamente o que ela estava ouvindo... Ela me explicou que se eu gritasse, a força iria toda no grito e não iria adiantar nada, sentiria dor a toa, fiz força duas vezes e ela me falou que estava vendo a Rafaela, chamaram o Rafael, me lembro que ele chegou chorando e me disse pra eu ficar tranquila que ele estava ali, e isso realmente me deixou tranquila, fiz força mais uma vez e a Rafaela nasceu, exatamente às 17:02, senti um alívio misturado com euforia, sei lá, mas quando a dra. Colocou a Rafaela em cima de mim, eu só conseguia pensar, Meu Deus, nasceu :D. Ela ficou em cima de mim até a doutora tirar a placenta, outro alívio, dessa vez eu não fiquei nem um pouco curiosa para ver o que havia saído ...