O Quinto Relatório de Avaliação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, também conhecido abreviadamente como 5º Relatório do IPCC (a partir da sigla do Painel em inglês, IPCC), é a mais recente atualização das atividades do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, compilando e sintetizando os estudos de milhares de cientistas de todo o mundo sobre o aquecimento global. O IPCC é o resultado de uma cooperação entre a Organização Meteorológica Mundial e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. A publicação do 5º Relatório do IPCC foi muito esperada em vista de sua solidez científica, sua abrangência e sua influência na tomada de decisões futuras pelos governos do mundo. A versão final apareceu em 2014. O novo relatório confirmou com ainda maior certeza que o homem é o responsável pelo atual aquecimento do planeta, e alertou que os perigos da inação se tornaram mais graves. O 5º Relatório analisou dados que não constaram ...
O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, mais conhecido pelo acrônimo IPCC (da sua denominação em inglês Intergovernmental Panel on Climate Change) é uma organização científico-política criada em 1988 no âmbito das Nações Unidas (ONU) pela iniciativa do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) e da Organização Meteorológica Mundial (OMM). Tem como objetivo principal sintetizar e divulgar o conhecimento mais avançado sobre as mudanças climáticas que hoje afetam o mundo, especificamente, o aquecimento global, apontando suas causas, efeitos e riscos para a humanidade e o meio ambiente, e sugerindo maneiras de combater os problemas. O IPCC não produz pesquisa original, mas reúne e resume o conhecimento produzido por cientistas de alto nível independentes e ligados a organizações e governos. É um consenso que o IPCC representa a maior autoridade mundial a respeito do aquecimento global, e tem sido a principal base para o estabelecimento de ...
Política de Alterações Climáticas Sumário Falha de Mercado: externalidade negativa: bem livre o ar. O princípio do poluidor pagador (PPP) Que tipo de instrumentos? Alterações climáticas devem-se a quê? Quais são os gases que provocam efeito de estufa? O que é o efeito de estufa? Actividade humana Que alterações climáticas e suas consequências? Incerteza Política de Alterações Climáticas: uma política internacional conduzida sob o auspício das Nações Unidas através da Convenção sobre Alterações Climáticas (UNFCCC - United Nations Framework for the Convention on Climate Change Policy). Breve história do processo da Política de Alterações Climáticas. O protocolo de Quioto O que é? Quais os objectivos que visa? Que instrumentos preconiza? Países parceiros com responsabilidades diferentes? Qual o papel da UE neste processo? Adelaide Duarte PE/FEUC
... : Confronting Impending Disasters is a comprehensive analysis of climate change impacts on Bangladesh, followed by a review of measures for confronting the manifested threats of climate change on the people and environment of Bangladesh. Using an integrative approach, the authors blend their own work on indigenous adjustments to climatic hazards in Bangladesh with an analysis of the role of modern engineering intervention and disaster management policies in alleviating these hazards. There is also an emphasis on the environment and people of coastal Bangladesh who are at risk of inundation due to global warming-induced sea level rise. Thus, in addition to analyzing main climatic disasters at some length-tropical cyclones (hurricanes), floods, droughts, and sea level rise-key topics of human dimensions of climate change include climate change victims, climate refugees, climate justice, public policies on climate change, and a sample of adaptation measures for living with the
05/02/2013 POR PANAKUI Aos seis anos eu a comi. Em um campo, debaixo de uma grande árvore, a vi pela primeira vez. Uma fruta do tamanh ...
Saiu o resultado final da avaliação trienal dos programas de pós-graduação do Brasil, realizado pela CAPES (leia notícia no portal da CAPES). O Programa de Pós-Graduação em Ciências Climáticas da UFRN apresentou recurso, e manteve o Conceito 4. O programa iniciou em 2010, oferecendo o Curso de Doutorado em Ciências Climáticas. Em 2012 foi autorizado o início do Curso de Mestrado, em Ciências Climáticas, modalidade acadêmica. O resultado fez justiça ao desenvolvimento do programa, que vem evoluindo dentro das metas e objetivos traçados. Neste ano, e até este momento, foram defendidas as primeira 5 (cinco) Teses de Doutorado: ...
Uma das principais considerações apontadas no 5º Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (do inglês, Intergovernamental Panel on Climate Change) ressalta as incertezas nas avaliações das projeções climáticas futuras com base em modelos numéricos. Grande parte dessa incerteza é decorrente da cobertura insuficiente dos dados instrumentais e sua distribuição espacial desigual. Além disso, a maior parcela das séries de dados observacionais, especialmente nos países em desenvolvimento, é esparsa e não cobre todo o século XX, tornando difícil uma avaliação acurada por modelos climáticos globais e regionais, afetando, assim, a robustez dos cenários climáticos futuros produzidos e impactando o potencial de adaptação da sociedade.. Mudanças climáticas. De fato, os países em desenvolvimento são, particularmente, mais vulneráveis às mudanças climáticas. Dentre muitos fatores envolvidos, as mudanças climáticas afetam suas matrizes ...
A Assembleia Municipal de Évora (AME) consciente do papel que lhe cabe na promoção do debate de todas as questões com relevância para a nossa comunidade, para além das questões estritamente locais, deliberou em Setembro de 2007 promover um "Dia Municipal sobre as Alterações Climáticas e o Aquecimento Global".. Na sequência dessa deliberação a AME vai realizar uma Assembleia Municipal extraordinária e temática, em conjugação com a Câmara Municipal de Évora e os Conselhos Municipais de Segurança, do Ambiente, da Educação e da Juventude, no Palácio de D. Manuel, no próximo sábado, das 9h30m às 13h, numa sessão que será aberta à participação de toda a população e que contará com a presença, como convidada especial, de uma especialista de renome internacional: Betinna Menne - Coordenadora ao nível da OMS/Europa do programa "Global Change" e participante do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC), laureado em 2007 com o Prémio Nobel da Paz, ...
A Agência Internacional de Energia, que NÃO É UMA ONG AMBIENTALISTA, informa que as temidas mudanças climáticas são inevitáveis. Com as atuais tendências ao consumo de combustíveis fósseis e o consequente aumento dos níveis de concentração de CO na atmosfera, a Agência fala num aumento de temperatura entre 3 (Folha de São Paulo) e 6 graus Celsius (New Scientist).. Até agora, o Painel Intergovernamental Sobre Mudanças Climáticas afirmava que uma elevação entre 1 e 5 graus Celsius seria suficiente para causar sérios impactos no meio ambiente. A possibilidade de um aumento de 6 graus não era sequer considerada. E já não se fala mais em "até 2100", mas em 2030.. O relatório de 2008 da Agência Internacional de Energia (www.iea.org) sobre as fontes e usos de energia no mundo será divulgado no dia 12.11.2008, em Londres, mas algumas informações nele contidas já começam a ser publicadas aqui e ali. "Mesmo que toda a nova geração de energia de 2009 a 2020 for livre de ...
O pesquisador Ulisses Confalonieri, do Programa de Mudanças Ambientais Globais e Saúde da Ensp, que integra o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), fala das pesquisas que estão sendo realizadas. Há alguns anos, pesquisadores da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) se debruçam sobre o tema relacionando o aumento da temperatura média ao surgimento e ao aumento de casos de doenças, como leptospirose e dengue, e problemas de insegurança alimentar, resultantes de eventos meteorológicos extremos. A preocupação da Escola com o tema também se reflete na consolidação do programa de Pós-Graduação em Saúde Pública e Meio Ambiente, na realização de centros de estudos e sessões científicas há vários anos. O pesquisador Ulisses Confalonieri, do Programa de Mudanças Ambientais Globais e Saúde da Ensp, que integra o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU (IPCC), fala das pesquisas que estão sendo realizadas. Quais as ...
Interessante entrevista com José Marengo, do Inpe, único autor brasileiro do sumário para formuladores de políticas do relatório do painel sobre impactos das alterações do clima, afirma que países não têm mais tempo e precisam se adaptar às mudanças (foto:Eduardo Cesar)Acesse: http://agencia.fapesp.br/18866 José Marengo
Um relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) publicado nesta quinta-feira (08/08) foca a conexão entre o uso da terra e seus efeitos sobre a mudança climática.. O relatório destaca como, em uma espécie de círculo vicioso, solos e florestas doentes agravam as mudanças climáticas, que, por sua vez, causam impactos negativos na saúde das florestas e do solo.. As conclusões do IPCC são resultado de dois anos de trabalho de 103 peritos de 52 países, que participaram voluntariamente do estudo. Antes do seu lançamento, o relatório foi discutido com os governos no início de agosto em Genebra, na Suíça, e aprovado por consenso por todos os países que participam do IPCC.. O relatório aponta que, se o aquecimento global ultrapassar o limite de 2ºC estabelecido pelo Acordo de Paris, provavelmente as terras férteis se transformarão em desertos, as infraestruturas vão se desmoronar com o degelo do permafrost, e a seca e os fenômenos meteorológicos ...
Publicação ajudará a garantir a participação qualificada das comunidades indígenas no debate internacional sobre o clima. Acaba de ser publicada uma cartilha sobre mudanças climáticas que traz uma ótica diferente sobre o tema. Produzida por 29 alunos do Centro Amazônico de Formação Indígena (CAFI), a cartilha busca traduzir a complexidade do tema para leitores que vivem no contexto das aldeias amazônicas.. O trabalho é resultado de um curso sobre Mudanças Climáticas oferecido pelo Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM) em parceria com o CAFI. "A intenção é munir as comunidades indígenas com informações técnicas e científicas, mas com linguagem acessível, o que não é muito comum em documentos sobre o tema", explica André Nahur (IPAM), um dos responsáveis pela capacitação dos autores.. Segundo ele, tudo foi feito com a participação direta dos estudantes do CAFI. Os textos e as ilustrações trazem o tema das mudanças climáticas para o dia a dia das ...
O programa de pós-graduação é coordenado pelo professor Francisco Alexandre da Costa e terá 16 alunos em sua primeira turma de doutorado, sendo apenas dois oriundos da UFRN. O vice-coordenador, Paulo Sérgio Lúcio, destacou que a demanda vem principalmente de cursos da área de ciências exatas e explicou que grande parte dos participantes é da Paraíba e Alagoas, onde há cursos de graduação em Meteorologia. "Criar um curso desses na UFRN é algo que deveremos analisar nos próximos quatro anos, dependendo desse doutorado", explica ...
O Plano Intermunicipal de Adaptação às Alterações Climáticas de Viseu Dão-Lafões (PIAAC-VDL) abrange os 14 concelhos da sub-região de Viseu Dão-Lafões e tem como objetivo promover a integração da adaptação às alterações climáticas no planeamento intermunicipal e municipal e, dessa forma, criar uma cultura de adaptação transversal aos vários setores e atores sub-regionais, reforçando a resiliência territorial.. O PIAAC-VDL é por isso um instrumento fundamental para preparar a comunidade de Viseu Dão Lafões, bem como os seus atores estratégicos - públicos e privados -, para o caminho adaptativo que é necessário iniciar, começando pela adaptação à variabilidade climática de curto prazo e aos eventos extremos que já afetam este território com consequências relevantes, com vista a reduzir a vulnerabilidade às mudanças climáticas a longo prazo... O PIAAC- VDL foi acompanhado por um plano de comunicação que, através de diversos meios e ações de ...
Os debates sobre as mudanças climáticas são globais, mas quem enfrenta os impactos de um mundo mais aquecido, com enchentes, secas e ondas de calor, são as cidades. Será que não é hora de aumentar o papel e as responsabilidades das prefeituras no debate sobre o clima? A coordenadora executiva do Fundo Verde da UFRJ,Suzana Kahn, defende que sim.. Suzana é uma das cientistas do IPCC, o Painel Intergovernamental de Mudanças do Clima, órgão da ONU que sintetiza e divulga os resultados de estudos científicos sobre o aquecimento global. Ela esteve na última reunião do IPCC no começo do mês, que elegeu o sul-coreano Hoesung Lee como novo presidente do painel. Em entrevista a ÉPOCA, Suzana falou sobre o novo presidente e os desafios do IPCC, e também sobre as expectativas para a Conferência do Clima de Paris, no final do ano, que poderá fechar um acordo de combate às mudanças climáticas. Ela disse acreditar que os países deverão assinar um acordo, apesar de deixar alguns pontos ...
Antes da conferência internacional sobre as alterações climáticas em Nairobi e no dia internacional de ação contra as alterações climáticas, as alterações climáticas ... e nós, o que fazemos?. O 4 de novembro é a data escolhida pelas organizações não-governamentais para que os cidadãos estão se mobilizando em todo o globo. Esta data precede a conferência de dois dias Internacional sobre a cúpula do clima das Nações Unidas em Nairobi (Quénia) a partir do 6 17 novembro.. O Climate Action Network - França e organizações parceiras decidiram lançar um apelo que, no sábado, 4 novembro em toda a França, associativo e acções cívicas são iniciadas para exigir medidas eficazes contra a mudança climática.. Hoje é importante para expressar nossas preocupações sobre o aquecimento global e para ter os tomadores de decisão a urgência da adopção de medidas fortes.. Com o apoio de: A Alternativa, os Verdes, a LCR, amigos em vez de Rungis, Rede Verde, Movimento ...
Além do aumento do calor, estudo aponta que chuvas na região podem diminuir até 40%; o que dificultaria a existência de espécies de plantas e animais.. Por Peter Moon , Agência Fapesp , São Paulo. O Pantanal, a maior planície alagada do mundo, corre o risco de, em 2100, ver as suas temperaturas médias anuais elevadas em até 7 °C. Tamanho aumento de temperatura implicaria uma redução sensível no regime de chuvas da região, principalmente no inverno. Tais mudanças climáticas teriam impacto sobre a evaporação da região e a própria existência do Pantanal como o conhecemos.. Essas projeções foram estimadas a partir da aplicação ao Pantanal dos modelos climáticos globais do 5º Relatório de Avaliação (AR5) do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), de 2014. O trabalho "Climate Change Scenarios in the Pantanal", publicado no livro Dynamics of the Pantanal Wetland in South America, é de autoria da equipe do hidrologista e meteorologista José Antonio ...
As mudanças climáticas estão fazendo as maçãs ficarem mais doces, porém menos crocantes, demonstrou um estudo publicado nesta quinta-feira (15).Ao analisar dados reunidos entre 1970 e 2010 em dois pomare
As atuais emissões de gases de efeito estufa podem levar a um aquecimento global de 3 graus Celsius (ºC), o dobro do que foi estabelecido em acordo, diz a especialista Thelma Krug. Para ela, o limite para o aquecimento é "quanto mais baixo melhor".. Thelma é vice-presidente do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), organização científica criada no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU). A instituição reúne, de hoje (28) a 1º de fevereiro, na Universidade do Algarve, em Portugal, cerca de 260 especialistas em alterações climáticas, numa reunião técnica para a elaboração do sexto relatório de avaliação. No IPCC há três grupos de trabalho e em Faro está reunido o grupo 2, que analisa os impactos das alterações climáticas nos ecossistemas e nas atividades humanas.. Especialista na área de ambiente e florestas, Telma lembrou o relatório do IPCC de outubro de 2018, que alertava para grandes alterações climáticas ...
A mudança climática afeta as grandes empresas que são forçadas a paralisar suas atividades por falta de recursos, prejudicando milhares de famílias
A falta de ação sobre a mudança climática agora recairá sobre todos nós no futuro", disse o diretor-geral da OIT, Guy Ryder em seu discurso na Conferência Mundial do Trabalho que reuniu os Estados-membros da agência em sua sede em Genebra, Suíça.. Ryder destacou os desafios e oportunidades apresentadas para uma transição para uma economia mais verde, e abriu a conferência deste ano que teve como foco as alterações climáticas, à frente da conferência mundial das Nações Unidas sobre a questão que ocorrerá em dezembro, em Paris.. "Nós estamos começando a testemunhar muito claramente como os efeitos das mudança climáticas balançam as empresas e os mercados de trabalho", disse ele. "Mas agora sabemos que há muito potencial para fazer mais e ter melhores trabalhos se trabalharmos em direção de um desenvolvimento sustentável, por isso esse debate é sobre oportunidade também." ...
Emissões relacionadas ao excedente alimentar aumentou 300%.. Reduzir o desperdício de alimentos em todo o mundo ajudaria a conter as emissões de gases de efeito estufa, diminuindo parte dos impactos da mudança climática, como os eventos climáticos mais extremos e a elevação do nível dos mares, disseram cientistas nesta quinta-feira (7).. Até 14% das emissões geradas pela agricultura em 2050 poderiam ser evitadas administrando melhor o uso e a distribuição dos alimentos, de acordo com um novo estudo do Instituto Potsdam de Pesquisa de Impacto Climático (PIK, na sigla em inglês).. "A agricultura é um grande indutor da mudança climática, tendo representado mais de 20% o das emissões globais totais de gases de efeito estufa em 2010", disse o co-autor Prajal Pradhan.. "Evitar a perda e o desperdício de alimentos, portanto, evitaria emissões de gases de efeito estufa desnecessárias e ajudaria a mitigar a mudança climática".. Entre 30 e 40% de toda a comida produzida no planeta ...
Climate change, crop diversification and the role of women farmers Women farmers around the world are taking the lead in putting crop and varietal conservation and diversification strategies into practice as a way to strengthen local climate change adaptation capacities. Access the full report.
Para satisfazer a gula de poucos e matar a fome de muitos, destrói-se a vida no Planeta" J.E.D. Alves (12/08/2019) [EcoDebate] O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), da ONU, publicou o relatório "Climate Change and Land", no dia 08 de agosto de 2019, onde aborda a relação entre o uso da terra e seus efeitos sobre a mudança climática. O relatório, que não apresentou escassez de notícias ruins, foi resultado de. ...
A produção de alimentos é responsável por 8% a 10% de todas as emissões de gases do efeito estufa geradas pelo ser humano. Portanto, a nossa dieta tem um impacto nas mudanças climáticas do planeta. De acordo com um relatório especial sobre mudanças climáticas do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), criado por 107 especialistas de 52 países, uma dieta baseada em vegetais pode ajudar a conservar o planeta, especialmente por que a prática da pecuária necessita de muita terra e muita água. Porém, o consumo de carne por pessoa nunca foi tão alto na história da humanidade. É por isso que, reduzindo o consumo de carnes na nossa dieta, podemos evitar o esgotamento da água doce e aumento do desmatamento para obter terras, o que levaria à desertificação, degradação do solo, ondas de calor, secas, incêndios florestais e mudanças nos padrões dos rios no futuro.. ...
Thelma é vice-presidente do Painel Intergovernamental sobre Alterações Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), organização científica criada no âmbito da Organização das Nações Unidas (ONU). A instituição reúne, de hoje (28) a 1º de fevereiro, na Universidade do Algarve, em Portugal, cerca de 260 especialistas em alterações climáticas, numa reunião técnica para a elaboração do sexto relatório de avaliação. No IPCC há três grupos de trabalho e em Faro está reunido o grupo 2, que analisa os impactos das alterações climáticas nos ecossistemas e nas atividades humanas. ...
Clique na imagem para ver o vídeo No final do século, as temperaturas da água do mar podem vir a aumentar entre 2 e 4 ºC, de acordo com as previsões mais pessimistas do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC). Quais seriam as consequências para peixes e mariscos com alto valor comercial? Fonte: Euronews
No final do século, as temperaturas da água do mar podem vir a aumentar entre 2 e 4 ºC, de acordo com as previsões mais pessimistas do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas…
Por Marina DallAnese 397, 398, 399, 400! Nas últimas semanas observamos uma verdadeira contagem "progressiva" da concentração de gás carbônico (CO2) na atmosfera, pois finalmente atingimos os fatídicos 400ppm. Para esclarecer: partes por milhão (ppm) é uma unidade de medida de concentração que, neste contexto, significa que a cada 1 milhão de moléculas na atmosfera, 400 são de dióxido de carbono (CO2). Informação esclarecida, agora a pergunta: qual a importância desse fato? Em 2007, o IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas, na sigla em inglês) publicou seu quarto relatório sobre as mudanças climáticas globais. Neste documento havia a descrição de cenários futuros possíveis em consequência da elevação da concentração de gases de efeito estufa na atmosfera. Foi determinado que um aumento de 2°C na temperatura média da Terra já ocasionaria mudanças no clima global, como degelo de áreas congeladas e aumento do nível dos oceanos, mas que estas ...
De todas as grandes regiões do mundo, a Europa é a que mais tem se empenhado pela implementação de políticas destinadas a combater as mudanças climáticas causadas pela ação humana.. No entanto, a pedra angular da abordagem europeia- um sistema de comercialização, com jurisdição sobre o continente inteiro, de direitos de emissão de gases que provocam o efeito estufa que causam as mudanças climáticas, está em apuros. Essa experiência sugere uma estratégia melhor para a Europa e o resto do mundo.. A história básica das mudanças climáticas causadas pelo homem estão se tornando mais claras para o público mundial. Vários gases, entre eles o dióxido de carbono, o metano e o óxido nitroso, aquecem o planeta, à medida que crescem suas concentrações na atmosfera.. Com o crescimento da economia mundial, também aumentam as emissões desses gases, acelerando o ritmo das mudanças climáticas causadas pelo homem.. O principal "gás estufa" é o dióxido de carbono.. A maioria ...
O relatório 2019 Greening the Blue (Limpando o ceú, na tradução livre), mostra que o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) continua a reduzir suas emissões de carbono em 3% ao ano desde 2010.. O relatório também aponta que o PNUMA está alinhado com as recomendações do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) - particularmente em relação à taxa de mitigação de 45%, necessária para manter o aumento da temperatura global abaixo de 1,5 °C até 2030.. Shoa Ehsani, Oficial de Sustentabilidade e Neutralidade Climática do PNUMA, afirma que o Programa pratica o que prega.. "É importante que o PNUMA, como principal agência ambiental da ONU, cumpra as metas climáticas de acordo com a recomendação do IPCC, particularmente porque o PNUMA aconselha e incentiva os Estados-Membros e outras entidades a trabalharem diligentemente para atingir nossos objetivos climáticos globais", relatou a oficial. ...
Utilice esta versión para imprimir , Enviar por email , Comunicar-se com. Publicado originalmente em inglês em nosso site em 2 de Abril de 2009. Uma conferência de cientistas e acadêmicos que se reuniu em Copenhagen entre 8 e 10 de março emitiu advertências preocupantes sobre o rápido ritmo das mudanças climáticas e, em particular, sobre a crescente ameaça da elevação do nível do mar. Em uma declaração foi anunciado que observações recentes confirmam que, em virtude das elevadas taxas das emissões observadas, o pior cenário dos casos do IPCC [Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas] está se realizando. A conferência foi convocada para avaliar os desenvolvimentos científicos desde o último IPCC resumir o estado da ciência climática, em 2007.. A elevação do nível do mar está entre as ameaças mais graves associados à mudança climática. Com o aumento dos mares vem a crescente vulnerabilidade a tempestades extremas e a diminuição da disponibilidade ...
O climatologista e coordenador do INCT para Mudanças Climáticas, Carlos Nobre, apresentou o panorama dos riscos das mudanças climáticas para o Brasil, a convite do Cemaden, dentro da programação da Série de Debates "Ciência, Riscos e Desastres". Enfatizou a importância da percepção de riscos e concluiu que estamos numa corrida contra o tempo para as ações de mitigação e minimização dos riscos e impactos, resultantes do aquecimento global.. Discutir sobre as ferramentas da avaliação da análise de riscos das mudanças climáticas no Brasil, seus impactos e limites da adaptação - bem como a análise da percepção e consciência desses riscos pela sociedade - foram os tópicos destacados na palestra do coordenador do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia para Mudanças Climáticas, climatologista Carlos Nobre, realizada no Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais (Cemaden), do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, ...
Novo relatório das Nações Unidas sobre o uso da terra e as alterações do clima defende que o alto consumo de carne e laticínios no Ocidente sustenta o aquecimento global. Foto: Amisom/Omar Abdisalan. Carbono. De acordo com a pesquisa do Painel Intergovernamental da ONU sobre Mudança Climática, Ipcc, se a terra for usada de forma mais eficiente poderá reservar mais carbono emitido pelos seres humanos.. O estudo destaca que "a terra já está sob crescente pressão humana e a mudança climática aumenta essas pressões". Ao mesmo tempo, para se conseguir manter o aquecimento global abaixo dos 2º C deve haver uma redução das emissões de gases de efeito estufa em todos os setores, incluindo terra e alimentação.. Nesta pesquisa trabalharam 107 cientistas, sendo a primeira vez em que o órgão da ONU envolveu vários autores de países em desenvolvimento, 53%.. O documento destaca que uma mudança para uma dieta baseada em vegetais pode ajudar a combater a mudança climática, e além ...
Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades Água e Clima As lições da crise na região Sudeste Mudanças Climáticas: Efeitos Sobre a Vida e Impactos nas Grandes Cidades A água
Chuvas intensas mais frequentes no Sul do país, secas cada vez mais severas no Nordeste, tempestades inesperadas no Sudeste. Perceptíveis em todo o planeta, as mudanças climáticas afetam também o território nacional, de norte a sul. "Os habitantes das cidades que não foram planejadas para enfrentar tais fenômenos sofrem os efeitos destas mudanças, principalmente nas áreas periféricas", ressalta Luiz Antonio Bressani, professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, associado da ABMS e um dos painelistas na sessão de abertura da VII Conferência sobre Estabilidade de Encostas (COBRAE), que acontecerá em Florianópolis no mês de novembro. "O cenário futuro pressupõe intervenções estruturais e não-estruturais de grande vulto para que as cidades se adaptem às mudanças climáticas e possam conviver com elas sem que maiores danos (desastres) aconteçam". Leia a íntegra do editorial assinado por Luiz Bressani a convite da Diretoria da ABMS.. "As cidades brasileiras ...
As mudanças climáticas colocaram na ordem do dia a discussão sobre o futuro da humanidade, trazendo à tona a crise ambiental que o mundo enfrenta. Em decorrência disto o tema ganha, cada vez mais, importância no cenário nacional e internacional. Tanto assim que a Conferência de Copenhague das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas se realizou com a presença de 119 chefes de estado e ...
The problem, however, is that according to several studies the main factor supporting individual adaptation is ones actual negative experience with climate change. And according to a 2012 AXA study carried out in 13 different countries among over 13,000 people "only" 30 percent of those polled faced a climate change impact in their personal comfort. Since the large majority of people have never suffered a direct impact of climate change it seems that the majority of people will not engage in adaptive behavior change until they suffer one day. This is so even considering that people are well informed. Nine out of 10 polled believe the climate has changed significantly in the past 20 years, and 3 in 4 believe that climate change has been scientifically proven. This also suggests that the sole production and dissemination of information about expected climate change risks and impacts do not significantly affect the motivation to change individual behavior and adapt ...
Por ONU Brasil Novo relatório divulgado na última terça-feira (27) pela ONU Meio Ambiente mostra que as emissões globais de dióxido de carbono (CO2) aumentaram novamente em 2017 após um hiato de três anos, destacando o imperativo dos países em cumprir o histórico Acordo de Paris para manter o aquecimento global abaixo de 2 °C em relação aos níveis pré-industriais.. O relatório é divulgado a poucos dias da importante conferência sobre mudança climática da ONU, conhecida como COP 24, que ocorrerá em Katowice, na Polônia, com a agência pedindo que as nações tripliquem seus esforços para reduzir as emissões nocivas.. O documento da ONU Meio Ambiente vem pouco depois do relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) sobre o aquecimento global, divulgado em outubro, que alertou que as emissões precisam parar de subir agora, a fim de manter aumentos de temperatura abaixo de 1,5 °C e reduzir os riscos para o bem-estar do planeta e da ...
Várias são as espécies da Terra que dentro de 20 a 30 anos estarão extintas, se não se tomarem medidas para travar a subida das temperaturas. É este o alerta dado pelo Painel Intergovernamental para as Alterações Climáticas, reforçado, hoje, pela World Wild Found (WWF) em parceria com a Earth Hour. Mais, o nível do mar poderá subir um metro até 2100, segundo os últimos estudos apresentados no Congresso sobre Alterações Climáticas em Copenhaga. Dez espécies animais estão em risco de extinção: albatroz, urso polar, orangotango,tigre, canguru, pinguim, tartaruga, baleias e golfinhos, elefantes e os recifes de coral ...
Sinopse: Retrata as consequências do consumo da carne principalmente em relação ao ambiente, apontando a pecuária como o principal responsável pelas Alterações Climáticas, até mesmo mais responsável pela devastação ambiental do que todos os meios de transporte do planeta juntos, segundo dados do IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas). Também aborda questões sócio-político-económicas como a questão alimentar e surpreende quando prova que a pecuária é responsável directa pela fome no planeta. Assista e surpreenda-se com o que somos capazes de prevenir apenas transformando nossos hábitos alimentares, mesmo que não completamente ...
Marcos Choque é um índio Aymara de 67 anos que parece feliz com a vida na vila de Khapi, nos Andes bolivianos, mas o humor dele parece mudar quando se fala da montanha Illimani, logo acima da aldeia ...
Aumento médio de temperatura superior a 2°C até 2050 abre caminho para a redução do potencial de irrigação, aumento da aridez do solo e pragas e
Uma manifestação da gravidade do atual problema ecológico é a mudança climática que o mundo todo está vivenciando. Segundo o relatório AR4, publicado em 29 de junho de 2007 pelo Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, sigla em inglês), estabelecido pelo Programa das Nações Unidas para o Meio-ambiente (PNUMA) e pela Organização Meteorológica Mundial (OMM), "O aquecimento do sistema climático é inequívoco, como é agora evidente pelas observações do aumento das temperaturas médias do ar e do oceano, de derretimento generalizado de neve e gelo, e de uma elevação do nível do mar". Os dez anos mais quentes registrados desde 1990 ocorreram a partir de 1997, e calcula-se que, no mundo todo, aproximadamente 150 mil pessoas morrem a cada ano por causa do impacto do aquecimento climático na saúde humana. Segundo o Greenpeace, a extensão mundial de terras afetadas pela seca no mundo duplicou entre 1970 e o início da década de 2000. ...
Estudo inédito no Brasil reúne diretrizes para que os efeitos dos eventos extremos do clima sejam minimizados, com economia para o poder público e maior qualidade de vida para as populações. De um lado tempestades nos centros urbanos, de outro secas prolongadas nas regiões dos reservatórios de água. Alguns dos principais efeitos das mudanças climáticas estão sendo cada vez mais sentidos pelas populações do mundo inteiro, inclusive no Brasil, da mesma forma que esses eventos extremos do clima têm causado enormes estragos e perdas. E preparar a sociedade para esses efeitos exige grandes investimentos. Diante dessa situação, governos e entidades da sociedade civil têm se mobilizado para colocar em prática estratégias de adaptação a essa realidade, garantindo maior resiliência da sociedade aos seus impactos e redução de custos. Uma dessas estratégias é a Adaptação com Base em Ecossistemas (AbE), que embora já esteja melhor consolidada na Europa, ainda precisa ser mais ...
Embora às mudanças climáticas soe para muitos como algo que ocorrerá em um futuro longínquo, eventos climáticos extremos e seus impactos são evidentes no Brasil e no mundo, tomando como exemplo a grande seca que atingiu o Sudeste do Brasil em 2014 e como os setores público e privado estão respondendo. Notícias nos grandes jornais, por exemplo, ressaltam a redução do volume do Sistema Cantareira, que opera atualmente com menos de 10% da sua capacidade, a utilização do volume morto do reservatório como resposta do governo, e como empresas necessitaram reduzir ou até interromper sua produção, como a empresa química Rhodia que desativou quatro unidades de produção na planta de Paulínia, pois o rio de onde a empresa coleta água está secando.. Será que já não é hora das empresas se atentarem às mudanças climáticas? Pensando nisso a GIZ, agencia de cooperação alemã, tratou o tema no projeto "Construção de capacidade: Reponsabilidade Social Empresarial em Mudanças ...
Com o objetivo de debater as conclusões do Quinto Relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC) e os efeitos diretos dos eventos climáticos extremos sobre a população e a economia do Brasil, o seminário contará com a participação de especialistas de diferentes órgãos e instituições de pesquisa. Já estão confirmadas as presenças dos professores Suzana Kahn Ribeiro e Marcos Freitas, da Coppe/UFRJ; Maria Assunção Faus da Silva Dias, do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (IAG/USP); Paulo Artaxo, do Instituto de Física da USP; Gilvan Sampaio, do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe); Vicente Andreu Guillo, diretor-presidente da Agência Nacional de Águas (ANA); e José Carlos de Miranda Farias, diretor de Estudos de Energia Elétrica da Empresa de Pesquisa Energética (EPE). O diretor da Coppe/UFRJ, Luiz Pinguelli Rosa, fará a abertura e será o mediador do debate que encerrará o ...
O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, anunciou nesta quarta-feira que o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês) passará por uma revisão independente, feita por academias internacionais de ciência. Ligado à ONU, o IPCC é um órgão composto por representantes de 130 países que prove avaliações regulares sobre as mudanças climáticas.
O IPCC - Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas - aponta uma série de dados alarmantes sobre o aquecimento global, que resultam de uma pesquisa iniciada há mais de um ano. As alterações climáticas, se não forem controladas, aumentarão a probabilidade de graves efeitos, generalizados e irreversíveis, para as pessoas e os ecossistemas.