Especialmente a vulnerabilidade das garotas à Aids preocupa e faz parte das ações de enfrentamento da epidemia no Brasil. No mais recente Boletim Nacional de DST/Aids, elas foram destacadas como o público que teve crescimento no número de casos em relação às demais populações, que tem apresentado decréscimo. Segundo o relatório, a inversão se deu a partir de 1998 e é esta a única faixa etária em que há mais ocorrências entre mulheres do que em homens: oito casos em meninos para cada dez em meninas. Em ambos os sexos, dos 13 aos 24 anos, a contaminação está atribuída à categoria de exposição sexual, sendo 74% no sexo masculino e 94% no sexo feminino. Órgãos como Unaids- e Unesco reconhecem que o adolescente se encontra em posição vulnerável e que é necessário a implantação nas escolas de programas de educação sexual que favoreçam o acesso integral a informações ...
Especialmente a vulnerabilidade das garotas à aids preocupa e faz parte das ações de enfrentamento da epidemia no Brasil. No mais recente Boletim Nacional de DST/aids, elas foram destacadas como o público que teve crescimento no número de casos em relação às demais populações, que têm apresentado decréscimo. Segundo o relatório, a inversão se deu a partir de 1998 e é esta a única faixa etária em que há mais ocorrências entre mulheres do que em homens: oito casos em meninos para cada dez em meninas. Em ambos os sexos, dos 13 aos 24 anos, a contaminação está atribuída à categoria de exposição sexual, sendo 74% no sexo masculino e 94% no sexo feminino. Órgãos como Unaids e Unesco, da Organização das Nações Unidas, reconhecem que o adolescente se encontra em posição vulnerável e que é necessário a implantação nas escolas de programas de educação sexual que favoreçam o acesso integral a informações ...
A proposta do que deve ser ensinado no ensino fundamental do país a partir de 2019, aprovada nesta sexta (15) pelo Conselho Nacional de Educação, ignora elementos que podem segurar o abandono da escola: a educação sexual e de gênero. O ensino religioso foi incluído.. A base define que cabe aos sistemas e redes de ensino, assim como às escolas, trazer educação sexual e de gênero se quiserem e "de maneira transversal". Trocando em miúdos: não há uma orientação para incorporação desses temas e, se eles não forem tratados na sala de aula, tudo bem.. A questão é que falar sobre gênero e educação sexual é justamente uma das formas que podem ajudar a resolver um problema crônico da nossa educação: o alto índice de abandono da escola. Hoje, uma em cada duas crianças que começam a estudar no país não termina o ensino médio. Isso significa 50% de perda.. Mas por que os alunos deixam a escola?. Há várias respostas. Um dos motivos é a gravidez. No Brasil, esse é um ...
Pesquisa do IBOPE Inteligência realizada para o Católicas pelo Direito de Decidir com o objetivo de levantar a opinião dos brasileiros sobre a abordagem de assuntos relacionados à Educação Sexual e à igualdade de gênero nas escolas.. Para 42% dos entrevistados na pesquisa, os(as) alunos(as) de escolas públicas deveriam receber aulas de educação sexual a partir dos treze anos ou mais, 36% preferem a partir dos dez anos e outros 10% antes dos dez anos. Apenas 9% dos brasileiros disseram que os(as) alunos(as) de escolas públicas não deveriam receber aulas de educação sexual. Somam 3% os que não sabem ou se abstêm de responder.. Considerando os diferentes segmentos sóciodemográficos, nota-se que quase a totalidade dos(as) brasileiros(as) com grau de escolaridade Médio (92%) e Superior (91%) afirmam que os alunos deveriam receber aulas de educação sexual. Entre os respondentes que estudaram até a 4ª série do ensino Fundamental, 79% são da mesma opinião.. O estudo testou o ...
A educação sexual se faz no dia-a-dia, desde o nascimento até a morte. Existem dois tipos: a informal e a formal. Na informal, são os pais e pessoas de referencia do cotidiano da criança e do adolescente que atuam transmitindo seus valores e crenças. Já na educação sexual formal (ou dirigida) atuam os profissionais de saúde e educação, numa temática específica, contribuindo para o pleno desenvolvimento do sujeito e acesso aos seus direitos sexuais e reprodutivos. Nessa aula, entenda a diferença de papéis e como é importante inserir o trabalho de educação sexual no ensino fundamental II. ...
... Pornô é educação sexual? O quanto que vemos em filmes pornográficos tem a ver com o sexo na vida real? Dá para aprender algo sobre sexo no pornô? No vídeo de hoje, Edson Castro faz uma pequena reflexão sobre sexo, pornô e educação sexual. Confira.. Curtiu esse vídeo? Você também vai gostar desses ...
PROCEDIMENTOS PARA A PREVENÇÃO DO ABUSO SEXUAL. A prevenção contra este tipo de atos é muito importante e fundamental. Uma boa prevenção pode evitar a consumação de um ato que vai marcar profundamente o desenvolvimento da criança e adolescente e dá origem a danos completamente irreparáveis (ANDREOLI, 1998). A educação sexual deve ser integrada na educação cujo objetivo é a pessoa, o respeito, e certamente não separada de tudo isto e reduzida apenas a uma educação sobre a anatomia, por um lado, e a funcionalidade do órgão por outro. Os programas de prevenção do abuso sexual de menores a implementar nas escolas devem inserir-se nos programas de educação sexual ou nos programas de promoção para a saúde.. O conteúdo foi estruturado de acordo com as três modalidades de prevenção de maus-tratos sugeridas pela Organização Mundial de Saúde (OMS) das Nações Unidas: primária, secundária e terciária. A prevenção primária tem por objetivo por eliminar ou reduzir ...
Observem, a UNESCO até aceita a participação de lideranças religiosas na elaboração de um programa de educação sexual, entretanto, enfatiza a necessidade de modi ficar normas sociais e práticas nocivas que não se alinham com os direitos humanos e aumentam a vulnerabilidade e o risco, especialmente para meninas e mulheres jovens. Se um colégio de matiz católica, por exemplo, entende que não é adequado falar sobre masturbação para uma criança de 5 anos, isso pode ser considerado uma prática nociva que não se alinha aos direitos humanos, logo precisa ser mudada. A criança precisa ser informada segundo o documento que pode tocar em suas íntimas, que isto dá prazer e não traz nenhuma consequência negativa. ...
formulação de programas de educação sexual nos aparelhos de Saúde, Assistência e Educação a fim de orientar e informar adolescentes e jovens sobre a importância do consentimento nas relações sexuais, o respeito na esfera afetiva, como também a importância da prevenção com métodos contra-ceptivos para ISTs, HIV e gestações indesejadas ...
Para tanto, precisamos renovar as nossas abordagens discursivas. Tratar de pautas delicadas como a descriminalização do aborto e a inclusão de um programa de educação sexual nas escolas munindo-se de um referencial discursivo acadêmico ou com enfoque exclusivo do direito individual é pouco dialógico pois não supera as diversas orientações de cunho moral e conservadoras presentes no cotidiano das populações periféricas. O que dificulta a adesão ao PSOL por parte do campo popular por discordarem destas pautas. Nossa tarefa é portanto pedagógica e de disputa, pela conscientização da população do quanto estas políticas públicas serão importantes para o coletivo no que diz respeito a promoção de saúde pública:a) descriminalização e acesso a aborto seguro pelo SUS com acompanhamento psicológico e social para proteger a vida de milhões de mulheres, principalmente negras e periféricas, que hoje morrem devido a complicações por recorrer a procedimentos de aborto ...
Educação sexual é o ensino sobre a anatomia, a psicologia e aspectos comportamentais relacionados à reprodução humana. Costuma ter, como principal público alvo, os adolescentes, visando à construção de uma vida sexual saudável e a prevenir problemas como a gravidez indesejada, as doenças sexualmente transmissíveis, abuso sexual. "A discussão acerca da sexualidade no contexto da educação envolve a prática de projetos abrangentes que visam oferecer espaços para reflexões emancipatórias relacionadas aos fenômenos afetivos e sexuais. Do caráter informativo até a problematização da sexualidade e do gênero, a educação sexual é disciplina em evidência na contemporaneidade por sua necessidade histórica, política, social e humana". As discussões sobre a inclusão de temáticas relativas à sexualidade humana no currículo das escolas de ensino fundamental e médio vem se intensificando desde a década de 1970. Acredita-se que isso se deu provavelmente em função das ...
A doutrina da Igreja, a este respeito, baseia-se no princípio da fecundidade responsável e generosa, no quadro do ideal cristão da castidade, que desafia os cristãos a viverem a sua sexualidade como experiência de amor generoso, no quadro da família, potenciada com a graça própria do sacramento do matrimónio. » e mais à frente: «...São mandamentos diferentes na Lei de Deus: guardarás castidade é um mandamento, que é desafio para a vivência da própria sexualidade; ..........Em termos religiosos ou simplesmente culturais, não haverá verdadeira educação sexual se não abrir para a perspectiva da castidade, concebida como vivência generosa e responsável da própria sexualidade. » a solução que a igreja dá para a educação sexual é a não sexualidade ...
comportamentos de risco, reconhecer os benefícios dos comportamentos adequados e suscitar comportamentos de prevenção. A educação para a saúde tem, pois, como objectivos centrais a informação e a consciencialização de cada pessoa acerca da sua própria saúde e a aquisição de competências que a habilitem para uma progressiva auto- -responsabilização. A educação sexual foi integrada por lei na educação para a saúde precisamente por obedecer ao mesmo conceito de abordagem com vista à promoção da saúde física, psicológica e social. Mais recentemente, o Governo, através do despacho n.º 25 995/2005 (2.ª série), de 16 de Dezembro, determinou a obrigatoriedade de as escolas incluírem no seu projecto educativo a área da educação para a saúde, combinando a transversalidade disciplinar com inclusão temática na área curricular não disciplinar. Na sequência e reconhecendo que a educação sexual é uma das dimensões da educação para a saúde, a Assembleia da ...
Aids, Câncer de colo de útero e hepatite são algumas das doenças que jovens despreparados para o sexo podem contrair por falta de informação.. Preparar a criança e o jovem para a vida sexual adulta não é o incentivo do sexo. E ensinar como cuidar do próprio corpo, prevenir sobre a violência sexual e informar questões do publico gay é fundamental para a educação sexual desses jovens.. Postos de saúde também podem auxiliar ja que distribuem gratuitamente camisinha, anticoncepcionais e material informativo.. Pais e escola são indispensáveis para a educação sexual desses jovens e palestras informativas, Internet e um bate papo descontraído ajudarão a educar e nao incentivarão a sacanagem. ...
Há uma educação sexual que é eminentemente biológica, que eu costumo chamar de educação sexual veterinária, zoológica, que se centra apenas no como da sexualidade, e que basicamente a mensagem destes programas é que os jovens se deixem levar pelos seus desejos, que façam o que queiram, quando o quiserem, com tal de que o façam com preservativos".. De Irala assinalou que "evidentemente, isto é o que defendem as grandes organizações internacionais, e estão inclusive tentando praticamente obrigar a que diferentes países adotem este enfoque da educação sexual".. Entretanto, disse, "há outro enfoque da educação sexual", o qual "chamamos educação afetivo-sexual, que concebe a sexualidade como uma boa notícia, mas que concebe que o lugar apropriado para a sexualidade é um lugar onde haja uma garantia total de amor maduro e que é mais uma preparação para amar".. O enfoque de educação sexual que considera "veterinária", "está empapado da ideologia de gênero, dos lobbies ...
Que muitos dos professores envolvidos nessas sessões de formação vivam em paz com eles próprios. Com os seus valores, os seus afectos, com a forma como vivem o amor, a vida. E, se calhar, muitos deles não vivem assim, reduzem as aulas de educação sexual ao ensino da fisiologia sexual e dos métodos contraceptivos. E já não é mau. Porque eu fico assustado quando vejo o número de alunos, génios iluminados que entraram para aqui [Faculdade de Medicina] com 19 e não conseguem identificar a altura certa de uma ovulação. E isto é educação sexual igual a zero. Dir-me-à que educação sexual não é só isto. Mas, sem isto, não há educação sexual. Podemos falar sobre os afectos, a ternura, a fidelidade, o crescimento a dois, mas de que educação sexual estamos a falar se uma mulher não sabe identificar a ovulação? ...
Educação sexual e sexualidade: Quo vadis? Mostra do Ensino Superior, Secundário e Profissional de Almada - Maio 2011 Raul Santos
E assim voltamos, como sempre, ao problema base do sistema que actualmente entope a eficiência da escola pública. E, como sempre, não é demais repetir uma possível solução. Aquela em que os alunos, os encarregados de educação e as escolas tenham liberdade de escolha. Nomeadamente, liberdade das escolas para incluir (ou não) a Educação Sexual nos planos curriculares, dos alunos e encarregados de educação para escolher uma escola em que ela seja (ou não) leccionada. Resultado: umas escolas teriam oferta de Educação Sexual, outras não; os pais e alunos que considerassem necessária essa oferta optariam pelas primeiras, os restantes pelas segundas. Este é o mesmo princípio que se aplicaria a toda uma série de questões inerentes à escola pública, baseado em algo que me parece fundamental: liberdade. ...
O presidente da Comissão de Educação do Episcopado da Argentina e arcebispo da cidade de La Plata, Héctor Aguer, provocou polêmica no país ao criticar a iniciativa dos Ministérios da Educação e da Saúde de elaborar e distribuir um manual sobre educação sexual para os professores de toda a rede de ensino. (O manual) tem inspiração neomarxista, disse o arcebispo, em um documento divulgado pela imprensa argentina, porque interpreta a sexualidade segundo a dialética do poder.
Norman Wells, que pertence à caridade "Family Education Trust", disse que o governo permitiu "a remoção sistemática de qualquer factor moderador que funcionava como desincentivo aos menores para o sexo.". O mesmo afirmou que não há evidência de que o fácil acesso aos contraceptivos reduz a gravidez juvenil. Pior que isso, esse facto acrescentou pressão [social] às jovens ao normalizar o sexo entre menores.. O Sr Wells atacou também o compromisso do governo com as políticas de confidencialidade que "mantiveram os pais totalmente ignorantes da actividade sexual dos seus filhos.". "Os problemas associados com a gravidez juvenil nunca irão ser solucionados enquanto o governo persistir com a sua fé nos contraceptivos e educação sexual" ele afirmou. "O que nós temos que fazer é caminhar para longe de uma cultura que reduziu o sexo para uma actividade recreativa." ...
A Educação Sexual para Adolescentes é uma Ferramenta de Orientação e Autoconhecimento e Estabelece uma Relação entre Explorar a Sexualidade com Saúde!
No Brasil a Educação Sexual está muito ligada à epidemia da SIDA, onde a lei nº 1.892, de 20 de novembro de 1991 dispõe sobre a inclusão, no programa da disciplina Ciências Físicas e Biológicas, de informações e orientações científicas sobre a Síndrome de Insuficiência Imunológica Adquirida-AIDS (sic), nas Escolas de 1º e 2º graus situadas no Estado do Rio de Janeiro. Em seu artigo 1º, inciso 1º, estabelece que constarão obrigatoriamente as informações do programa de "Ciências" da 8ª série do 1º grau, da 1ª série do 2º grau, e no inciso 2º, veiculadas as citadas informações e orientações através de palestras e conferências mensais proferidas por professores de Ciências ou médicos especialistas na matéria. E em seu artigo 2º, indica que cabe às Secretarias de Estado de Educação e de Saúde, em conjunto ou isoladamente, a divulgação das palestras e conferências através de cartazes ilustrativos em todas as escolas localizadas no território do ...
A minha mãe ainda hoje me conta que quando lhe mandaram uma autorização para casa a perguntar se eu podia assistir a uma aula de educação sexual eu implorei para que ela não me deixasse. E porquê? A minha explicação - segundo que ela diz, porque eu já não me recordo - foi que nessas aulas os meninos gozavam com tudo e para isso preferia tirar as minha dúvidas com ela. E sempre assim foi! Acho que, em primeiro lugar, essa educação tem que vir de casa. As crianças devem sentir-se suficientemente à vontade com os pais para tirarem todo o tipo de dúvidas com os mesmos. No entanto, claro, quando tal não acontece a escola fica com o papel principal. E por isso é que, tal como disseste, é tão importante pôr de lado este tabu ...
... Acompanhamento para frango com pepino modelo bde acompanhamento para o emprego internet vox em montes claros acompanhantes desejo. Nicole castro apartadox massagens figueira da foz acompanhantes tranny em lisboa massagens eroticas a homens. Creme de massagens corporal relaxante meetic site como é mensagem de um amor proibido acompanhamentos com couve coração. Acompanhamento englih site acompanhantes ss chat para jovens portugal mulher encontro lisboa
caro jorge soares, esse argumento do "desde quando se fala de educação sexual nas aulas de história" também foi demagogicamente usado pela jornalista da sic e no meu ponto de vista, é completamente errado. A questão aqui não e a professora estar a falar de sexo , porque desde que o faça com um contexto e de forma apropriada À idade dos alunos em questão, a meu ver, tal facto só pode ser positivo! a questão aqui é a senhora ser completamente desequilibrada, e nesse caso, tanto me dá que fale de orgias como da revolução industrial. ou melhor, qualquer num dos casos me choca. ...
O objetivo principal da educação sexual é preparar os adolescentes para a vida sexual de forma segura, chamando-os à responsabilidade de cuidar de seu próprio corpo para que não ocorram situações futuras indesejadas, como a contração de uma doença ou uma gravidez precoce e indesejada. Infelizmente o ser humano tende a acreditar que o perigo sempre está ao lado de outras pessoas e que nada irá acontecer com ele mesmo, o que o coloca vulnerável a tais situações ...
A Califórnia implementou um currículo progressista de educação sexual, sem o conhecimento ou consentimento dos pais. Leia mais na Gazeta do Povo!
Jane Fonda comemora 80 anos no dia 21 de dezembro. Porém, no último sábado, 9, ela realizou uma festa adiantada por uma boa causa: arrecadar fundos para a "Georgia Campaign for Adolescent Power and Potential", ONG criada pela atriz em 1995 para promover educação sexual e prevenir a gravidez na adolescência ...
Segundo o Instituto Datafolha, 54% da população apoia a educação sexual e 62% apoia a abordagem política em sala de aula no Brasil.
Jane Fonda realizou uma festa adiantada para arrecadar fundos para a Georgia Campaign for Adolescent Power and Potential, ONG que promove educação sexual.
A UNESCO elaborou um guia para a educação sexual. Ainda não tive oportunidade de o ler por isso por agora deixo só os links respectivos e a notícia. Logo tentarei fazer um update a este post, com um resumo, se conseguir ter tempo para ler o pdf todo (nem que seja na diagonal ...
A Ilha dos Amores é um projecto de educação sexual com workshops, experiências e uma boutique erótica com uma visão hedonista do mundo e sempre com uma atitude sex-positive.
Rick Fitzgibbons (LifeSiteNews) - Um renomado psiquiatra que trabalha com vítimas de abuso sexual cometido por padres e com padres abusadores condenou fortemente o novo projeto de educação sexual do Vaticano como abusivo e
A psicóloga Regiane Silva propõe a aplicação de um projeto de orientação sexual no ensino médio. Ela argumenta que estudar anatomia dos órgão produtores é fundamental para formar cidadãos consciêntes. Compreenda suas propostas educacionais.
João César das Neves (JCN) tem pela Associação para o Planeamento Familiar (APF) o horror que Maomé nutre pelo toucinho e pelas aulas de educação sexual a aversão dos talibãs pelos infiéis. Não reconhece a acção meritória da APF na prevenção de gravidezes indesejadas e de doenças sexualmente transmissíveis.Por muito que sofra JCN a reprodução humana faz-se pelo método tradicional e está de tal modo popularizado que não é fácil substituí-lo pela inseminação artificial, como se tornou prática corrente na veterinária.Na sua homilia de hoje «Uma questão de educação», no DN, JCN apelida a APF de "guardiã nacional da ortodoxia erótica" e, mais uma vez se bate, por caminhos ínvios, contra a educação sexual nas escolas. Nem a tragédia da SIDA o demove dos seus conceitos fundamentalistas.A defesa da família, como única entidade idónea para ministrar a educação sexual, é um álibi para a banir da escola. Para JCN a sexualidade é um erro da natureza que aliou ...
Isso quer dizer que a educação sexual não seja importante? Absolutamente, não. A Igreja reconhece a importância de que "as crianças e os adolescentes (...) sejam formados numa educação sexual positiva e prudente, à medida que vão crescendo" [3]. O que acontece na Alemanha - e, de igual forma, em todo o Ocidente -, porém, é um desrespeito ao princípio da subsidiariedade. "A educação sexual, direito e dever fundamental dos pais, deve atuar-se sempre sob a sua solícita guia, quer em casa quer nos centros educativos escolhidos e controlados por eles" [4], ensina o Papa João Paulo II. Ou seja, a sociedade e o Estado devem colaborar, na medida do possível, com a educação dos pais, e não o contrário. São "os pais, que transmitiram a vida aos filhos, (...) seus primeiros e principais educadores", e este direito-dever não só é essencial, mas também insubstituível e inalienável [5 ...
Claudia Ramos de Souza Bonfim é Pós-Doutoranda em Educação - Faculdade de Educação - Universidade Estadual de Campinas (FE - UNICAMP), no Grupo de Estudos HISTEDBr. Doutora em Educação, na área de História, Filosofia e Educação pela UNICAMP. Pesquisadora do Grupo de Pesquisas Paideia - Faculdade de Educação - UNICAMP - Autora dos livros: Educação Sexual e Formação de Professores: da educação sexual que temos à educação que queremos (Editora UFPB, 2010) e do livro: Desnudando a Educação Sexual; (Editora Papirus, 2012). É Coordenadora-Tutora-Pesquisadora Responsável no Programa de Educação Tutorial do Ministério da Educação do Grupo de Estudos e Pesquisas em Educação e Sexualidade - GEPES PET MEC FDB da Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco. É professora universitária atuando como docente titular da disciplina de Metodologia da Pesquisa Científica na Faculdade de Ensino Superior Dom Bosco (PR) nos cursos de Pedagogia, Administração e Direito (Metodologia da ...
É por isso que lançamos este "alerta vermelho": a "educação sexual" nas escolas - Lei 60/2009 de 6 de Agosto / Portaria n.º 196-A/2010 de 9 de Abril - está a contaminar a qualidade das relações pais-filhos, mediante uma intromissão estatal ditatorial ...
Não vou me alongar sobre o deputado preferido da esquerda, porque a máquina de destruir reputações deles não dorme então apenas cita-lo já é motivo de uma enxurrada de falácias como "Ad hominem"-(Ataque pessoal), "Espantalho"(desvirtuar um argumento para torná-lo mais fácil de atacar) ,etc. Então entendam que estou usando o fato como gancho para trazer esse assunto a luz do dia.. Novamente. Esqueçam Bolsonaro e foquem no tema. Honestidade é uma virtude muito importante que é ensinada pela família assim como a educação sexual deveria ser.. As denúncias dos pais de alunos com idade de 5 a 10 anos são bem frequentes nos últimos anos, e o MEC negou todas. Então resolvi olhar o que o realmente o MEC quis dizer sobre a nota: "É PAPEL DA ESCOLA PROMOVER CONHECIMENTO SOBRE SEXUALIDADE". Neste link do portal do professor, no próprio site do MEC podemos ver o conteúdo programático sobre educação sexual para crianças do ensino fundamental:. No texto a seguir, a professora ...
Lamentavelmente a sociedade, secularizada, está confundindo educação sexual, com liberação sexual. As escolas estão dando aulas de anatomia sexual e ensinando aos jovens que não pode haver "tabus", de -origem religiosa-, sobre o comportamento sexual. O resultado é que os nossos jovens estão aprendendo, perigosamente, - que tudo é válido - em termos de vivência sexual, e que nada deve ser proibido. A consequência disso são as milhões de adolescentes grávidas, aos 13,14,15 anos, sem a mínima condição de constituir uma família e educar seu filho. Por causa desta imensa irresponsabilidade dos nossos "mestres", cresce o número de casais de namorados que vivem a sexualidade como se fossem casais compromissados definitivamente. A verdadeira educação sexual consiste em ensinar aos jovens o lugar exato e maravilhoso da vida sexual; isto é, no casamento, e somente no casamento, onde o seu fruto, o filho, pode ser acolhido adequadamente num lar. Cabe aos pais ensinar aos filhos a ...
Os jovens de 13 a 15 anos estão se protegendo menos na hora do sexo, conclui uma pesquisa divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) na semana passada. Nos últimos três anos houve uma pequena queda do número de estudantes dessa faixa etária que já tinham feito sexo. Em contrapartida, foi detectado um aumento preocupante dos que não usaram camisinha em sua última relação sexual.. Em 2012, 29% já tinham experimentado o sexo e 75% usaram preservativo em sua última relação sexual. Em 2015, 28% já tinham feito sexo, mas apenas 66% se protegeram. Ou seja, um terço dos jovens se expôs aos riscos do sexo sem proteção, como gravidez precoce e doenças transmitidas pelo sexo (DSTs), incluindo a aids, causada pelo vírus HIV. A terceira edição da Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (Pense) entrevistou 102.301 alunos do 9o ano do ensino fundamental de escolas públicas e privadas de todo o país, uma amostra de um universo de mais de 2,6 milhões de alunos ...
Se considerarmos as dificuldades e angústias que está vivenciam os adolescentes nos dias de hoje, há realmente que se preocupar com a sexualidade infantil, ou seja, com a sexualidade das crianças que, inevitavelmente, se tornará adolescente. Ou deixaremos para nos preocupar quando a fase da adolescência chegar? É claro que, como diz o velho ditado, "prevenir é melhor que remediar", é importante prevenir sim, mas temos que encarar a questão da sexualidade não apenas como uma necessidade de prevenção na área da saúde, mas como um direito de todos ...
A formação de professores é uma das áreas mais importantes para o sucesso dessa estratégia. Uma necessidade premente, demonstrado, nomeadamente, pelo crescente número de pedidos que a Associação para o Planeamento da Família (APF) tem vindo a receber para formação ou apoio a projectos de educação sexual nas escolas, inclusivamente nos estabelecimentos do 1º ciclo do ensino básico, embora nestes com menos frequência. A formação de formadores tem sido uma das principais apostas da instituição, tanto como meio de suprir a carência de formadores disponíveis como forma de aumentar a qualidade da resposta. Paralelamente a estas acções, também as escolas superiores de Educação e as universidades têm vindo a ser solicitadas no sentido de incluirem temas de educação sexual e Formação pessoal e Social nos curriculos dos diversos cursos, quer no que respeita à formação inicial, quer à formação contínua. ESEs como a de Setúbal ou do Porto, entre outras, começaram ...
Este talvez seja o momento propício para que a Escola avance com a formação dos alunos em educação sexual e reprodutiva.. Não se pode desligar o resultado do referendo do dia 11 desta temática. O seu resultado talvez permita quebrar alguns tabus que ainda resistem e que têm impedido o seu funcionamento como disciplina ou área temática de uma disciplina. O melhor caminho para evitar a gravidez indesejada é um pleno conhecimento do funcionamento do corpo e dos métodos de contracepção.Em simultâneo há que informar sobre doenças sexualmente transmissíveis e outras doenças associadas à actividade sexual.. Não posso esquecer que muitos dos que apelaram ao Não no referendo são os mesmos que se têm mostrado contra a instituição da Educação Sexual nas escolas, pretendendo que ela seja Moral Sexual.. Espero que haja coragem para avançar com as medidas que urgem. Trata-se de um caso de saúde pública. ...
O PS parte convicto para mais uma etapa da discussão e votação, na especialidade, do seu projecto de lei e das alterações propostas pela oposição. Permitir que a Educação Sexual seja opcional seria um retrocesso face à lei de 1999, consideram os socialistas que, por isso, não vão ceder às pretensões do PSD e do CDS, que reclamam para os encarregados de educação o direito de escolher se os alunos frequentam essas aulas. A distribuição de preservativos aos alunos do ensino secundário (que apenas o CDS-PP quer ver eliminada) é outro ponto em que o PS não vai ceder. Aliás, já foi encontrada nova formulação para esse artigo do projecto, que agora reúne o consenso da bancada. A diferença face à proposta inicial é que o acesso dos jovens aos contraceptivos não vai ser tão fácil e a distribuição deverá ser articulada com as unidades de saúde - apurou a Renascença junto dos socialistas. » (Rádio Renascença, 20-05-2009) ...
O modo com que as adolescentes conversam sobre sexualidade na escola, na família, e absorvem informação adequada sobre todos os riscos envolvidos, é fundamental para determinar a saúde reprodutiva no futuro. De acordo com a doutora Silvana Chedid, especialista em Reprodução Humana, um bom número de mulheres enfrenta problemas para engravidar por conta de descuidos cometidos na adolescência que podiam ter sido evitados."Jovens que não têm acesso a informação adequada sobre métodos anticoncepcionais e formas de evitar infecções causadas por doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) enfrentam mais problemas para engravidar. Uma das principais sequelas dessas doenças é o entupimento das trompas", diz a médica. Segundo Silvana Chedid, em geral, o jovem ainda não se dá conta de que sua conduta sexual enquanto está namorando ou "ficando" com alguém pode comprometer seus relacionamentos na fase adulta e, inclusive, dificultar a formação de uma família. "Por mais que as novas ...
O parlamento aprovou hoje projetos de resolução do PS e BE que recomendam ao Governo o alargamento ao ensino universitário e politécnico dos gabinetes de apoio nas áreas da educação para a saúde e sexual.
Hoje estive a assistir ao debate (?) aqui e agora na SIC sobre a educação sexual.. É vergonhosa a forma tacanha e acanhada como se trata o sexo e a sexualidade em pleno século XXI. A educação sexual é um processo. E a mim apetece-me dizer: Ai é? E depois?. Para alguns poderá parecer estranho (ou vá lá, absurdo!) o que vou dizer. Mas concordo plenamente com a posição defendida pelo Pe Vasco Pinto de Magalhães. Antes de se educar (para a) sexual(mente) é preciso educar a sociedade.. No nossa sociedade tudo é imediato, tudo é momentâneo, primeiro aje-se e depois pensasse, primeiro vai-se para a cama e depois perguntasse o nome. E não me venham dizer que isto é um delírio, porque não o é.. Quanto ao Sr. Dr(outor) Daniel Sampaio, quantas vezes é que ele sai do gabinete de onde trabalha? Acusar seja quem for de leviandade quando diz que nas relações que se estabelecem actualmente se queimam etapas é, no mínimo, irreal. Para ele e para outros não crentes bastaria irem ...
Torna-se inadiável, e quão urgente, neste momento, que esta visão espiritual da sexualidade seja levada às gerações mais novas, na tarefa de proporcionar uma correta educação para a vida sexual. A educação sexual que os jovens tem recebido nas escolas, na qual somente o corpo físico é abordado, os têm levado à entrega completa aos impulsos fisiológicos, os atirando em viciações e processos obsessivos lamentáveis. Conforme nos adverte Joanna de Ângelis, em seu livro "Adolescência e Vida", "quando se pretende transferir para a Escola a responsabilidade da educação sexual, corre-se o risco, que deverá ser calculado, de o assunto ser apresentado com leveza, irresponsabilidade e perturbação do próprio educador, que vive conflitivamente o desafio, sem que o haja solucionado nele próprio"(1997, pg.21). Certamente existem professores os quais trabalham o tema com dignidade e honradez - embora ignorem os fatores espirituais - , mas, infelizmente, estes constituem exceção. O ...
O projecto de nova legislação perspectiva igualmente o incremento da "capacidade de protecção face a todas as formas de exploração e de abuso sexuais, o respeito pela diferença entre as pessoas e pelas diferentes orientações sexuais, a valorização de uma sexualidade responsável e informada, a promoção da igualdade de géneros e o reconhecimento da importância de participação no processo educativo de encarregados de educação, alunos, professores e técnicos de saúde ...