Testes sorológicos para sífilis.
Doença contagiosa venérea causada pela espiroqueta TREPONEMA PALLIDUM.
A sífilis adquirida no útero e manifestada por qualquer uma de várias características: malformações ósseas e dentárias (dentes de Hutchinson) e por uma sífilis mucocutânea ativa ao nascimento ou logo após. Alterações oculares e neurológicas também podem ocorrer.
Procedimentos diagnósticos envolvendo reações de imunoglobulina.
As lesões cutâneas originárias da infecção por Treponema pallidum. Durante o estágio primário, um ou mais cancros aparecem 18 a 21 dias após a infecção. Se não tratada, os estágios subsequentes da doença aparecem como sifílides. Essas erupções são roséolas maculares superficiais, não destrutivas, exantemáticas e transitórias que podem se tornar em erupções maculopapulares, polimorfo papulares, escamosas, pustulares ou pigmentares.
Agente causador da sífilis venérea e não venérea, assim como de bouba.
Sífilis latente é definida como a infecção assintomática por *Treponema pallidum* que persiste por mais de um ano, dividida em early e late latent syphilis, dependendo do tempo desde a infecção inicial.
Imunoensaio utilizando um anticorpo ligado a uma enzima marcada, tal como peroxidase de raiz-forte (ou rábano silvestre). Enquanto a enzima ou o anticorpo estiverem ligados a um substrato imunoadsorvente, ambos retêm sua atividade biológica; a mudança na atividade enzimática como resultado da reação enzima-anticorpo-antígeno é proporcional à concentração do antígeno e pode ser medida por espectrofotometria ou a olho nu. Muitas variações do método têm sido desenvolvidas.
Anticorpos, em particular IGE, que se ligam ao tecido da mesma espécie de modo que os ANTÍGENOS induzem a liberação de HISTAMINA e outros agentes vasoativos. A HIPERSENSIBILIDADE é a manifestação clínica.
Imunoglobulinas produzidas em resposta a ANTÍGENOS DE BACTÉRIAS.
Infecções do sistema nervoso central causadas por TREPONEMA PALLIDUM que se apresenta com uma variedade de síndromes clínicas. A fase inicial da infecção normalmente causa uma reação meníngea leve ou assintomática. A forma meningovascular pode se apresentar agudamente como INFARTO ENCEFÁLICO. A infecção pode também permanecer subclínica por vários anos. As síndromes tardias incluem paresia geral, TABES DORSAL, sífilis das meninges, ATROFIA ÓPTICA sifilítica e sífilis espinhal. Paresia geral é caracterizada por DEMÊNCIA progressiva, DISARTRIA, TREMOR, MIOCLONIA, CONVULSÕES e pupilas de Argyll-Robertson. (Tradução livre do original: Adams et al., Principles of Neurology, 6th ed, pp717-9)
Medidas de classificação binária para avaliar resultados de exames. Sensibilidade ou taxa de recall é a proporção de verdadeiros positivos. Especificidade é a probabilidade do teste determinar corretamente a ausência de uma afecção. (Tradução livre do original: Last, Dictionary of Epidemiology, 2d ed)
Manifestações cardiovasculares da SÍFILIS, uma infecção por TREPONEMA PALLIDUM. Nos estágios tardios da sífilis, às vezes 20 a 30 anos após a infecção inicial, os danos são frequentemente observados nos vasos sanguíneos, incluindo AORTA e VÁLVULA AÓRTICA. Entre os sinais clínicos estão aortite sifilítica, insuficiência aórtica ou ANEURISMA aórtico.
Substâncias elaboradas pelas bactérias, que apresentam atividade antigênica.
Infecção sistêmica não venérea que ocorre nos trópicos causada pelo TREPONEMA PALLIDUM da subespécie pertenue.
Classe de imunoglobulinas que possui CADEIAS MU DE IMUNOGLOBULINA. A IgM pode fixar o COMPLEMENTO. A designação IgM foi escolhida porque essa imunoglobulina possui alto peso molecular e foi originalmente chamada de macroglobulina.
Imunoglobulinas produzidas em uma resposta a ANTÍGENOS DE HELMINTOS.
Testes sensíveis para medir certos antígenos, anticorpos ou vírus, usando suas habilidades de aglutinar certos eritrócitos.
Qualquer parte ou derivado de um helminto que induz uma reação imune. Os antígenos de helmintos mais frequentemente encontrados são os do schistosomos.
Qualquer parte ou derivado de qualquer protozoário que induz imunidade; os antígenos da malária (Plasmodium) e do tripanossoma são atualmente os mais frequentemente encontrados.
Principal classe de isotipos da imunoglobulina no soro normal humano. Há várias subclasses de isotipos de IgG, por exemplo, IgG1, IgG2A e IgG2B.
Imunoglobulinas produzidas em uma resposta a ANTÍGENOS DE PROTOZOÁRIOS.
Testes dependentes na aglomeração de células, micro-organismos ou partículas quando misturados com antissoro específico.
Sorodiagnóstico da sífilis por emprego do antígeno Treponema pallidum obtido da orquite da sífilis do coelho. Os treponemas são mantidos vivos por algumas horas em um meio especial. Quando o soro sifilítico e o complemento são adicionados e incubados, os treponemas são imobilizados, ou seja, param de se mover.
Estudos que determinam a efetividade ou o valor dos processos, pessoal e equipamento, ou o material na condução destes estudos. Para medicamentos e dispositivos estão disponíveis os ENSAIOS CLÍNICOS COMO ASSUNTO, AVALIAÇÃO DE MEDICAMENTOS e AVALIAÇÃO PRÉ-CLÍNICA DE MEDICAMENTOS.
Doença infecciosa causada por uma espiroqueta, a BORRELIA BURGDORFERI, que é transmitida principalmente pelos carrapatos Ixodes dammini (ver IXODES) e I. pacificus nos Estados Unidos e Ixodes ricinis (ver IXODES) na Europa. É uma doença com manifestações cutâneas precoces e tardias com o envolvimento do sistema nervoso, o coração, os olhos e as articulações em várias combinações. A doença fora outrora conhecida como artrite de Lyme e foi descoberta pela primeira vez em Old Lyme, Connecticut.
Bactérias (gênero BORRELIA) helicoidais, Gram-negativas, agentes etiológicos da DOENÇA DE LYME. O grupo é composto por muitas espécies que incluem Borrelia afzelii, Borrellia garinii e a própria BORRELIA BURGDORFERI. Estas espiroquetas são geralmente transmitidas por várias espécies de carrapatos ixodídeos.
Substâncias utilizados para tratar infecções de bactérias do gênero TREPONEMA. Isto inclui a SÍFILIS e BOUBA.
Testes sorológicos baseados na inativação do complemento pelo complexo antígeno-anticorpo (estágio 1). A ligação do complemento livre pode ser visualizada pela adição de um segundo sistema antígeno-anticorpo, tal como o de células vermelhas e anticorpos apropriados contra células vermelhas (hemolisina) que requerem complemento para seu término (estágio 2). A ausência de lise das células vermelhas indica que uma reação antígeno-anticorpo específica ocorreu no estágio 1. Se ocorre lise das células vermelhas, o complemento livre está presente, indicando que não ocorreu a reação antígeno-anticorpo no estágio 1.
Ocorrências da gravidez e INFECÇÃO. A infecção pode preceder ou seguir a FERTILIZAÇÃO.
Ensaio sorológico que detecta anticorpos de Treponema pallidum, o agente etiológico da sífilis. Após diluição do soro do paciente para remoção de anticorpos não específicos, o soro é misturado a uma lâmina de vidro com filtrado de Nichol de Treponema pallidum. Ocorre uma reação antígeno-anticorpo se o teste é positivo, e os anticorpos ligados são detectados com anticorpos fluoresceinados de gama globulina anti-humana.
A lesão primária da sífilis, uma pápula endurecida, erodida e indolor que ocorre no local de entrada da infecção.
Doença em cavalos e jumentos causada pelo Trypanosoma equiperdum. A doença ocorre na África, nas Américas e na Ásia.
Reações sorológicas em que um antissoro [desenvolvido] contra um antígeno reage com um antígeno não idêntico mas estreitamente relacionado com ele.
Conjuntos de reagentes preparados comercialmente, com dispositivos acessórios, contendo os principais componentes (e literatura) necessários para realizar um ou mais testes ou os procedimentos diagnósticos especificados. Podem ser para uso laboratorial ou individual.
Proteínas preparadas através da tecnologia de DNA recombinante.
As doenças devido a ou propagadas por contato sexual.
Doença crônica causada por LEISHMANIA DONOVANI e transmitida pela picada de várias espécies de flebótomos do gênero Phlebotomus e Lutzomyia. Ela é frequentemente caracterizada por febre, calafrios, vômitos, anemia, hepatoesplenomegalia, leucopenia, hipergamaglobulinemia, emagrecimento e uma coloração acinzentada da pele. A doença é classificada em três tipos principais de acordo com a distribuição geográfica: indiana, mediterrânea (infantil) e africana.
Hemoflagelado parasita do subgênero Leishmania leishmania que infecta o homem e animais causando LEISHMANIOSE VISCERAL. Infecções em humanos são praticamente restritas a crianças. Este parasita é comumente visto em cães, outros Canidae, e porcos-espinhos, sendo os humanos considerados hospedeiros acidentais. A transmissão ocorre por mosquitos-pólvora Phlebotomus.
Doença contagiosa de cavalos que pode ser transmitida a humanos. Causada por BURKHOLDERIA MALLEI e caracteriza-se por ulceração da mucosa respiratória e erupção de nódulos na pele.
Atração ou relação sexual entre homens.
Resultados positivos em pacientes que não têm as características para as quais o teste é feito. Classificação de pessoas saudáveis como doentes quando examinadas para a detecção de doenças.
Antibiótico semissintético preparado por combinação da penicilina G com PROCAÍNA.
Método imunológico usado para detectar ou quantificar substâncias imunorreativas. Inicialmente a substância é identificada pela sua imobilização através de blotting em uma membrana, e então, rotulando-a com anticorpos marcados.
Imunoglobulinas produzidas em resposta a ANTÍGENOS DE FUNGOS.
A forma adquirida de infecção por Toxoplasma gondii em animais e no homem.
Imunoglobulinas produzidas em resposta a ANTÍGENOS VIRAIS.
Doença infecciosa aguda caracterizada por uma invasão primária do trato urogenital. O agente etiológico, NEISSERIA GONORRHOEAE, foi isolado por Neisser em 1879.
Infecções com nematódeos do gênero GNATHOSTOMA, superfamília THELAZIOIDEA. A gnatostomíase é uma zoonose transmitida por ingestão de carne bovina ou de peixe malcozida ou crua.
Doença hepática causada por infecções com trematódeos parasitas do gênero FASCIOLA, como a FASCÍOLA HEPÁTICA.
Doenças do cão doméstico (Canis familiaris). Este termo não inclui doenças de cães selvagens, LOBOS, RAPOSAS e outros Canidae, para os quais o termo CARNÍVOROS é utilizado.
Espécie de trematódeos da família Opisthorchidae. Muitas autoridades consideram que este gênero pertence a Opisthorchis. É comum na China e outros países asiáticos. Caramujos e peixes são os hospedeiros intermediários.
Teste para antígeno tecidual utilizando um método direto, por conjugação de anticorpo e pigmento fluorescente (TÉCNICA DIRETA DE FLUORESCÊNCIA PARA ANTICORPO) ou um método indireto, pela formação do complexo antígeno-anticorpo que é então ligado a uma fluoresceína conjugada a um anticorpo anti-imunoglobulina (TÉCNICA INDIRETA DE FLUORESCÊNCIA PARA ANTICORPO). O tecido é então examinado por microscopia de fluorescência.
Estudo de parasitas e DOENÇAS PARASITÁRIAS.
A infecção por helmintos dos pulmões causada por Echinococcus granulosus e por Echinococcus multiocularis.
Incluem o espectro das infecções pelo vírus da imunodeficiência humana que vão desde o estado soropositivo assintomático, passando pelo complexo relação-AIDS até a síndrome de imunodeficiência adquirida (AIDS).
Pedaços estreitos de material impregnado ou coberto por uma substância usada para produzir uma reação química. As tiras são usadas na detecção, mensuração, produção etc de outras substâncias. (Dorland, 28a ed)
Infecção das vias biliares pelo trematódeo hepático OPISTORCHIS SINENSES, a qual pode levar à inflamação da árvore biliar, proliferação do epitélio biliar, fibrose portal progressiva, e às vezes carcinoma das vias biliares; a extensão para dentro do parênquima hepático pode levar a alterações gordurosas e cirrose. (Dorland, 28a ed)
As infecções causadas por bactérias do gênero LEPTOSPIRA.
Gênero de trematódeos hepáticos da família Fasciolidae. Duas espécies deste gênero são F. hepatica e F. gigantica. Os parasitas são encontrados no fígado, vesícula biliar e ductos associados de mamíferos e ocasionalmente do homem. F. gigantica ocorre raramente no homem.
Passivo de aglutinação passiva em que o antígeno é adsorvido a partículas de látex que então se agrupam na presença de anticorpo específico para o antígeno adsorvido. (Stedman, 25a ed)
Substâncias de origem fúngica, que apresentam atividade antigênica.
Infecções do encéfalo, medula espinal e meninges causadas por parasitas.
Espécie de tênia (gênero TAENIA) que infecta os suínos. Os homens a adquirem pela ingestão de porco defumado ou mal-cozido.
Regiões únicas ou múltiplas de PUS devido à infecção por qualquer protozoário ameboide (AMEBÍASE). A forma vulgar é causada pela ingestão de ENTAMOEBA HISTOLYTICA.
ESTUDOS EPIDEMIOLÓGICOS baseados na detecção, por meio de testes sorológicos, de alterações típicas no nível sérico de ANTICORPOS específicos. Além de casos clinicamente manifestos, infecções subclínicas latentes e condições de portadores podem ser detectadas.
Prática de entregar-se a relações sexuais por dinheiro.
Técnica que utiliza anticorpos para identificar ou quantificar uma substância. Geralmente a substância a ser investigada atua como antígeno tanto para a produção de anticorpos como para a mensuração do anticorpo pela substância teste.
Técnicas imunológicas baseadas no uso de: 1) conjugados enzima-anticorpo, 2) conjugados enzima-antígeno, 3) anticorpo antienzima seguido por suas enzimas homólogas ou 4) complexos enzima-antienzima. Essas técnicas são utilizadas histologicamente para visualizar ou marcar amostras de tecido.
Gênero de protozoários parasitas, transportados por carrapatos, que infesta hemácias de mamíferos, incluindo humanos. Há diversas espécies reconhecidas e sua distribuição é mundial.
Ciência médica voltada para a prevenção, diagnóstico, e o tratamento de doenças em animais.
Técnicas utilizadas para cumprir procedimentos clínicos investigativos no diagnóstico e terapia de doenças.
Imunoeletroforese na qual ocorre imunoprecipitação quando o antígeno do catodo migra em um campo elétrico através de um meio de difusão apropriado, contra uma corrente de migração de anticorpo do anodo, como resultado do fluxo endosmótico.
Espécie de bactéria Gram-negativa parasítica em CAVALOS e BURROS causando MORMO, que pode ser transmitido a humanos.
Gênero de bactérias Gram-negativas, helicoidais, anaeróbicas, do qual várias espécies causam FEBRE RECORRENTE no homem e em animais.
Pessoas que se engajam em comportamento sexual como ocupação em troca de recompensas econômicas ou outras considerações extrínsecas.
Gênero de protozoários parasitas da subclasse COCCÍDIOS. Suas espécies são parasitas de cães, gado, bodes e carneiros, entre outros. N. caninum, espécie que infecta principalmente cães, é intracelular em células neurais e de outros tecidos do corpo, multiplica-se por endodiogenia, não possui vacúolo parasitóforo e possui numerosas roptrias. É conhecida por causar lesões em vários tecidos, especialmente no cérebro e medula espinhal, assim como aborto em fêmeas prenhas.
Estado durante o qual os mamíferos fêmeas carregam seus filhotes em desenvolvimento (EMBRIÃO ou FETO) no útero (antes de nascer) começando da FERTILIZAÇÃO ao NASCIMENTO.
Inflamação do periósteo. A afecção é geralmente crônica e é marcada por dor à palpação e intumescimento do osso, além de uma dor espontânea contínua indistinta. A periostite aguda é devida à infecção, e é caracterizada por supuração difusa, dor severa e sintomas constitucionais, normalmente resultando em necrose. (Dorland, 28a ed)
Forma larvar de diversas tênias do gênero Taenia.
Doença transmitida por carrapatos e caracterizada por FEBRE, CEFALEIA, mialgias, ANOREXIA e ocasionalmente erupção. É causada por várias espécies de bactérias que podem produzir doenças em CÃES, BOVINOS, OVINOS, CABRAS, CAVALOS e humanos. As principais espécies causadoras de doenças em humanos são as EHRLICHIA CHAFFEENSIS, ANAPLASMA PHAGOCYTOPHILUM e a Ehrlichia ewingii.
Infecção com parasita protozoário TRYPANOSOMA CRUZI, uma forma de TRYPANOSSOMOSE endêmica nas Américas Central e do Sul. Foi denominada pelo médico brasileiro Carlos Chagas, que descobriu o parasita. A infecção pelo parasita (somente com resultado sorológico positivo) se diferencia das manifestações clínicas que se desenvolvem após alguns anos, como destruição dos GÂNGLIOS PARASSIMPÁTICOS, CARDIOMIOPATIA CHAGÁSICA e disfunção do ESOFÂGO ou CÓLON.
A infecção por nematódeos do gênero TOXOCARA, normalmente encontrados em gatos silvícolas ou domesticados e em cachorros e raposas, com exceção da larva, que pode produzir a larva migrans visceral ou ocular no homem.
As infecções por bactérias do gênero TREPONEMA.
Lesão na superfície da pele ou superfície mucosa, produzida pela "lamaceira" de tecido necrótico inflamatório.
Propriedade dos anticorpos que os capacita a reagir com alguns EPITOPOS e não com outros. A especificidade é dependente da composição química, de forças físicas e da estrutura molecular no sítio de ligação.
Testes de precipitação que ocorrem em um pequeno espectro da razão antígeno-anticorpo, devido, principalmente a peculiaridades do anticorpo (no sistema, referido como precipitina pela função que exerce). (Tradução livre do original: Stedman, 26th ed)
Doença em homens e em animais que se assemelha ao MORMO. É causada por BURKHOLDERIA PSEUDOMALLEI e pode variar entre uma infecção dormente até uma afecção que cause abscessos múltiplos, pneumonia e bacteremia.
Número total de casos de uma dada doença em uma população especificada num tempo designado. É diferenciada de INCIDÊNCIA, que se refere ao número de casos novos em uma população em um dado tempo.
Pré-natal inclui a prevenção, a promoção da saúde e o tratamento dos problemas que possam ocorrer durante o período gestacional e após o parto. A adesão das mulheres ao pré-natal está relacionada com a qualidade da assistência prestada pelo serviço e pelos profissionais de saúde, fator essencial para redução dos elevados índices de mortalidade materna e perinatal. (Assistência Pré-Natal - Ministério da Saúde, 2000)
NEUROSSÍFILIS parenquimatosa caracteriza-se por degeneração lenta e progressiva das colunas e raizes posteriores e gânglios da coluna vertebral. A afecção tende a se apresentar 15 a 20 anos após a infecção inicial e caracterizada por dores com sensação de leveza nas extremidades inferiores, INCONTINÊNCIA URINÁRIA, ATAXIA, prejuízo da propriocepção e da sensação vibratória, marcha anormal (v. TRANSTORNOS NEUROLÓGICOS DA MARCHA), ATROFIA ÓPTICA, pupilas de Argyll-Robertson, hipotonia, hiper-reflexia e degeneração atrófica das articulações (articulação de Charcot, ver ARTROPATIA NEUROGENICA). (Tradução livre do original : Adams et al., Principles of Neurology, 6th ed, p726)
Espécie de helminto comumente chamado de trematódeo hepático de carneiros. Ocorre nas passagens biliares, fígado e vesícula biliar durante diversos estágios de desenvolvimento. Caramujos e vegetação aquática são os hospedeiros intermediários. Ocasionalmente visto no homem, é mais comum em carneiros e gado.
Gênero de espiroquetas helicais aeróbios, com algumas espécies patogênicas, outras de vida livre ou saprofíticas.
Grupo de doenças de mamíferos transmitida por carrapatos que incluem ZOONOSES em humanos. São causadas por protozoários do gênero BABESIA que parasitam os eritrócitos, causando hemólise. Nos EUA, o hospedeiro natural do organismo é o camundongo e a transmissão é pelo carrapato dos cervos IXODES SCAPULARIS.
Espécie de bactéria Gram-negativa que é o agente causador de ERLIQUIOSE humana. Este organismo foi inicialmente descoberto em Fort Chaffee, no Arkansas, quando amostras sanguíneas de pacientes suspeitos de erliquiose humana foram estudadas.
Gênero de nematoides parasitas que ocorre em mamíferos incluindo o homem. A infestação de humanos ocorre pela penetração de larvas pela pele ou pela ingestão de peixe mal cozido.
Período de tempo a partir de 1401 até 1500 da era comum.
A infecção de animais, além de peixe e humanos, por um dos estágios de desenvolvimento da Diphyllobothrium. Esse estágio tem sido referido recentemente como plerocercoide, porém o nome espargano tem persistido. Assim sendo, a infecção de peixe ou outros animais com a larva plerocercoide é a esparganose. Mamíferos que se alimentam de peixe, inclusive o homem, são os hospedeiros definitivos.
Espécie de bactérias específicas, parte do GRUPO BORRELIA BURGDORFERI, cujo nome vulgar é Espiroqueta Causadora da Doença de Lyme.
Gênero de OOMICETOS destrutivos, parasitas de raizes, da família Pythiaceae, ordem Peronosporales, comumente encontradas em solos cultivados em todo o mundo. A diferenciação dos zoósporos ocorre em uma vesícula.
Tentativa de identificação de pessoas portadoras de uma doença ou agravo não evidente por meio de testes, exames, questionários ou outros procedimentos de aplicação rápida. O rastreamento classifica as pessoas em negativas ou positivas; estas (casos suspeitos) são encaminhadas para confirmação clínica de diagnóstico ou tratamento. (Tradução livre do original: Last, 2001)
Proteínas encontradas em quaisquer espécies de protozoários.
Infecção do encéfalo, medula espinal ou estruturas perimeningeanas com formas larvais do gênero TAENIA (principalmente T. solim em humanos). As lesões formadas pelo organismo são conhecidas como cisticercos. A infecção pode ser subaguda ou crônica e a gravidade dos sintomas depende da gravidade da resposta imune do hospedeiro e do local das várias lesões. Os ATAQUES representam a manifestação clínica mais frequente, embora déficits neurológicos focais possam ocorrer. (Tradução livre do original: Joynt, Clinical Neurology, 1998, Ch27, pp46-50)
Sorotipo de SALMONELLA ENTERICA que é agente etiológico de FEBRE PARATIFOIDE na Ásia, África e sul da Europa.
Desculpe, mas "Alabama" não é um termo associado à medicina ou saúde. Alabama refere-se a um dos estados dos EUA localizado no sul do país.
Infecção causada pela infestação da forma larvária de Tênias do gênero Echinococcus. Fígado, pulmões e rins são as áreas mais comuns de infestação.
Proteínas isoladas da membrana externa de bactérias Gram-negativas.
Doença infecciosa da pele causada pelo Treponema carateum que ocorre somente no hemisfério ocidental. A idade de início é entre 10 e 20 anos de idade. Esta afecção é caracterizada por mudanças marcantes na cor da pele e acredita-se que seja transmitida pelo contato direto pessoa a pessoa.
Atividades sexuais dos humanos.
Período de recuperação que segue uma doença.
Gênero de trematódeos pulmonares (família Troglotrematidae) que infecta humanos e animais. Este gênero é composto por várias espécies, uma delas é o PARAGONIMUS WESTERMANI (trematódeo pulmonar comum no homem).
Espécie de protozoário parasita que causa ENTAMEBÍASE e DISENTERIA AMEBIANA. Suas características incluem único núcleo contendo pequeno cariossomo central e cromatina periférica de granulação fina e regular.
Gênero fúngico mitospórico. P. brasiliensis (anteriormente Blastomyces brasiliensis) é o agente etiológico de PARACOCCIDIOIDOMICOSE.
Doenças dos cavalos domésticos e selvagens da espécie Equus caballus.
Gênero de bactérias Gram-negativas aeróbias que causam BRUCELOSE. Suas células são cocobacilos sem motilidade, são parasitas de animais, e patógenos. A bactéria é transmissível a humanos pelo contato com produtos lácteos infectados ou tecido infectado.
Gênero de grandes tênias ou solitárias.
Técnica de fluorescência para anticorpo, geralmente utilizada para detectar anticorpos e complexos imunológicos em tecidos e micro-organismos em pacientes com doenças infecciosas. A técnica envolve a formação de um complexo antígeno-anticorpo que é ligado a uma fluoresceína conjugada a um anticorpo anti-imunoglobina.
Infecção por CYSTICERCUS, a forma larvar de várias vermes cestoides do gênero Taenia (geralmente T. solium em humanos). Em humanos penetram a parede intestinal e invadem o tecido subcutâneo, cérebro, olhos, músculo, coração, fígado, pulmões e peritônio. O comprometimento cerebral resulta em NEUROCISTICERCOSE.
Micose que afeta pele, mucosas, nódulos linfáticos e órgãos internos. É causada pelo Paracoccidioides brasiliensis. Também é denominada de granuloma paracoccidioidiano. As semelhanças entre as lesões superficiais causadas por P. brasiliensis e Blastomyces brasiliensis (BLASTOMYCES) pode levar a erro diagnóstico.
Atração ou relação sexual entre membros do mesmo SEXO.
Agente da tripanossomíase sul-americana ou DOENÇA DE CHAGAS. Seus hospedeiros vertebrados são o homem e vários animais domésticos e selvagens. Insetos de diversos gêneros são os vetores.
A infecção por amebas do gênero ENTAMOEBA. A infecção por E. histolytica causa DISENTERIA AMEBIANA e ABSCESSO HEPÁTICO AMEBIANO.
Infeção por TRICHINELLA. É causada pela ingestão de carne crua ou mal cozida que estiver infectada com larvas de vermes nematoides do gênero TRICHINELLA. Todos os membros do gênero TRICHINELLA podem afetar humanos, além da TRICHINELLA SPIRALIS, o agente etiológico tradicional. É distribuído em boa parte do mundo e é reemergente em algumas partes como um dano à saúde pública e um problema de segurança alimentar.
Proteínas encontradas em qualquer espécie de bactéria.
Gênero de protozoários parasitas de aves e mamíferos. T. gondii é um dos animais patogênicos infecciosos mais comuns como parasitas do homem.
Gênero de TÊNIAS muito pequenas da família Taeniidae. A forma adulta é encontrada em vários CARNÍVOROS, mas não em humanos. Em humanos, a forma larval é observada em certas circunstâncias epidemiológicas.
Representa de 15-20 por cento das imunoglobulinas séricas humanas. É um polímero formado por 4 cadeias em humanos ou dímeros nos demais mamíferos. A IMUNOGLOBULINA A SECRETORA (IgA) é a principal imunoglobulina presente nas secreções.
Infecção sistêmica aguda febril causada por SALMONELLA TYPHI, um sorotipo da SALMONELLA ENTERICA.
As doenças bacterianas transmitidas ou propagadas pela atividade sexual.
A infecção por protozoários encontrada em animais e no homem. Ela é causada por vários gêneros diferentes de COCCIDIA.
Organização constituinte do UNITED STATES DEPT. OF HEALTH AND HUMAN SERVICES que se ocupada da proteção e melhoria da saúde da nação americana (EUA).
Pequenos organismos cocoides a elipsoidais, frequentemente pleomórficos, que ocorrem no citoplasma de LINFÓCITOS circulantes. São agentes etiológicos das doenças transmitidas por carrapatos para humanos, CÃES, GADO, OVELHAS, CABRAS e CAVALOS.
Infecção simultânea de um organismo hospedeiro por dois ou mais patógenos. Em virologia, co-infecção se refere mais frequentemente à infecção simultânea de uma única célula por dois ou mais vírus diferentes.
Identificação por transferência de mancha (em um gel) contendo proteínas ou peptídeos (separados eletroforeticamente) para tiras de uma membrana de nitrocelulose, seguida por marcação com sondas de anticorpos.
Autoanticorpos dirigidos contra EPÍTOPOS recém-formados e produzidos à medida que a cascata do COMPLEMENTO é ativada e as proteínas envolvidas alteram suas conformações.
Infecções causadas por bactérias do gênero BRUCELLA envolvendo principalmente o SISTEMA FAGOCITÁRIO MONONUCLEAR. Esta afecção é caracterizada por febre, fraqueza, mal-estar e perda de peso.
Espécie de bactérias Gram-negativas aeróbias que causam MELIOIDOSE. Foi isolada do solo e da água em regiões tropicais, particularmente no sudeste asiático.
Eritema giriforme profundo que se segue à picada de um carrapato ixodídeo. É uma manifestação de primeiro estágio da DOENÇA DE LYME. O sítio da picada é caraterizado por uma pápula vermelha que se expande perifericamente como um aro não escamoso e palpável que clareia no centro. Esta afecção é frequentemente associada a sintomas sistêmicos tais como calafrios, febre, cefaleia, mal estar, náusea, vômitos, fadiga, lombalgia e rigidez de nuca.
País que se estende da Ásia central ao Oceano Pacífico.
Grupo de antibióticos que contêm o ácido 6-aminopenicilânico, tendo uma cadeia lateral ligada ao grupo 6-amino. O núcleo da molécula de penicilina é o principal requisito estrutural para sua atividade biológica. A estrutura de suas cadeias laterais determina muitas das características antibacterianas e farmacológicas. (Tradução livre do original: Goodman and Gilman's The Pharmacological Basis of Therapeutics, 8th ed, p1065)
Gênero de micro-organismos da ordem SPIROCHAETALES, muitos dos quais são patogênicos e parasitas dos seres humanos e outros animais.

Na medicina, o termo "sorodiagnóstico da sífilis" refere-se a um tipo específico de teste sorológico usado para ajudar no diagnóstico da sífilis, uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum.

Existem dois tipos principais de testes sorológicos para a sífilis: testes não treponêmicos e testes treponêmicos. O sorodiagnóstico da sífilis geralmente se refere a um tipo específico de teste treponêmico, chamado teste de reagina venérea (VDRL) ou teste de cardiolipina.

Estes testes detectam a presença de anticorpos produzidos em resposta à infecção por Treponema pallidum. No entanto, é importante notar que os anticorpos detectados por esses testes também podem ser produzidos em resposta a outras infecções ou condições, portanto, resultados positivos devem ser confirmados com um teste treponêmico adicional, como o teste de fluorescência treponêmica (FTA-ABS) ou o teste de microhemaglutinação treponêmica (MHA-TP).

O sorodiagnóstico da sífilis é um método importante para o diagnóstico e rastreamento da sífilis, mas deve ser interpretado com cuidado e em conjunto com outras informações clínicas e laboratoriais.

A sífilis é uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum. É geralmente transmitida por contato sexual com uma lesão ou úlcera na pele ou membranas mucosas de alguém infectado. A sífilis pode também ser transmitida de uma mulher grávida para o feto durante a gravidez ou no parto, causando sífilis congénita.

A sífilis ocorre em quatro estágios: primário, secundário, latente e terciário. Cada etapa tem sintomas diferentes. No estágio primário, geralmente aparece uma úlcera indolor em qualquer parte do corpo que entrou em contato com a bactéria, normalmente entre 10 a 90 dias após a exposição. O estágio secundário geralmente começa entre 1 a 6 meses após a exposição e pode incluir erupções cutâneas, febre, mal-estar, inflamação dos gânglios linfáticos e outros sintomas. O estágio latente é a fase assintomática da doença, que pode durar anos. No estágio terciário, a sífilis pode causar sérios problemas de saúde, como danos ao cérebro, coração e outros órgãos.

A sífilis é geralmente tratada com antibióticos, especialmente penicilina. O tratamento precoce pode curar a doença e prevenir complicações graves. No entanto, o tratamento pode não reverter danos já causados pela sífilis em estágios avançados. É importante realizar testes de detecção e tratamento precoces para controlar a disseminação da doença e prevenir complicações graves.

A sífilis congênita é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada pela bactéria Treponema pallidum que é transmitida da mãe infectada para o feto durante a gravidez ou no parto. É considerada uma doença rara nos países desenvolvidos, mas ainda é um problema de saúde pública em algumas regiões do mundo.

A sífilis congênita pode causar sérios danos ao feto, dependendo da idade gestacional em que a infecção ocorreu. Os sintomas podem variar muito e podem incluir:

* Anormalidades esqueléticas e faciais, como nariz achatado ou maxilar superior alongado;
* Danos nos olhos, como catarata congênita ou glaucoma;
* Problemas auditivos, como surdez;
* Desenvolvimento neurológico anormal, como paralisia cerebral ou atraso mental;
* Dentes pequenos e com forma irregular (dentes de Hutchinson);
* Erupções cutâneas em forma de rosácea;
* Baixo peso ao nascer;
* Falta de crescimento adequado.

A sífilis congênita pode ser prevenida com o tratamento adequado da sífilis na mãe antes ou durante a gravidez. O tratamento geralmente consiste em antibióticos, como a penicilina, que podem matar a bactéria que causa a doença. É importante que as mulheres grávidas sejam testadas para sífilis no início da gravidez e recebam tratamento imediato se forem diagnosticadas com a doença. Além disso, é recomendável que as mulheres grávidas em áreas de alto risco sejam testadas novamente para sífilis no terceiro trimestre da gravidez e no parto.

Os testes sorológicos são exames laboratoriais que detectam a presença de anticorpos específicos em um indivíduo, os quais são produzidos em resposta a uma infecção prévia por um agente infeccioso, como vírus ou bactérias. Esses testes são frequentemente usados para diagnosticar doenças infecciosas, especialmente aquelas causadas por agentes que podem permanecer no organismo por um longo período de tempo, como o HIV, hepatite B e C, e toxoplasmose.

Os testes sorológicos geralmente envolvem a detecção de anticorpos IgG e/ou IgM, que são produzidos em diferentes fases da infecção. Os anticorpos IgM são geralmente detectados nas primeiras semanas após a infecção e desaparecem ao longo do tempo, enquanto os anticorpos IgG podem persistir no sangue por meses ou anos, indicando uma infecção passada.

É importante notar que alguns testes sorológicos podem apresentar resultados falso-positivos em indivíduos não infectados, especialmente em situações em que houver exposição a antígenos semelhantes presentes em vacinas ou outras infecções. Por isso, é essencial que os resultados dos testes sorológicos sejam interpretados com cuidado e considerando o contexto clínico do paciente.

A sífilis cutânea é uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum que se manifesta clinicamente na pele. A apresentação clínica varia dependendo da fase da doença.

Na primeira fase, conhecida como sífilis primária, geralmente ocorre uma úlcera indolor (chancro) em torno de 3 a 90 dias após a exposição ao patógeno. O chancro é caracteristicamente firme, indurado e com bordas bem definidas, frequentemente acompanhado de inflamação local dos gânglios linfáticos.

Na segunda fase, conhecida como sífilis secundária, que ocorre de 4 a 10 semanas após a primeira fase, podem haver diversas lesões cutâneas disseminadas por todo o corpo, incluindo manchas vermelhas planas e papulosas, condilomas planos e erupções em padrão de "rosácea". Também podem ocorrer sintomas sistêmicos como febre, mal-estar, perda de peso, dores articulares e linfadenopatia generalizada.

A sífilis terciária é a fase mais tardia da infecção, que pode ocorrer anos ou décadas após a infecção inicial. Nesta fase, podem haver complicações graves, como danos a órgãos internos e sistema nervoso central (sífilis neurosifilítica). As lesões cutâneas nesta fase podem ser nodulares e destruir tecidos profundos, causando cicatrizes.

A sífilis é geralmente diagnosticada por meio de exames sorológicos específicos, como o teste VDRL ou teste RPR, além de exames confirmatórios, como o teste FTA-ABS ou TPPA. O tratamento precoce com antibióticos, geralmente penicilina, pode prevenir as complicações graves da sífilis e reduzir a transmissão da doença.

Treponema pallidum é a bactéria espiral em forma que causa sífilis, uma doença sexualmente transmissível grave. É um membro da família de bactérias chamadas Spirochaetaceae e é extremamente frágil e difícil de cultivar em laboratório. Isso dificulta o desenvolvimento de vacinas eficazes contra a sífilis. A bactéria pode infectar vários órgãos e tecidos, incluindo o cérebro, causando sérios problemas de saúde se não for tratada adequadamente. É transmitida por contato sexual direto com uma lesão ou úlcera na pele ou membranas mucosas de alguém infectado.

A sífilis latente é uma fase da infecção por sífilis em que a pessoa infectada não apresenta sintomas clínicos evidentes, mas a bactéria Treponema pallidum ainda pode ser detectada em exames laboratoriais. Geralmente, essa fase ocorre após a fase primária e secundária da sífilis e pode durar muitos anos se não for tratada. Existem dois estágios de sífilis latente:

1. Sífilis Latente Primitiva (Early Latent Syphilis): Essa é a fase inicial da sífilis latente, geralmente ocorrendo dentro dos primeiros 2 anos após a infecção inicial. Neste estágio, as pessoas geralmente não apresentam sinais ou sintomas evidentes da doença, mas podem transmiti-la a outras pessoas por contato sexual.

2. Sífilis Latente Tardia (Late Latent Syphilis): Essa é a fase avançada da sífilis latente, geralmente ocorrendo mais de 2 anos após a infecção inicial. Neste estágio, as pessoas continuam sem sintomas evidentes, mas há um risco maior de complicações sistêmicas e danos a órgãos internos, especialmente ao sistema nervoso central (neurosífilis).

O diagnóstico da sífilis latente geralmente é confirmado por meio de exames laboratoriais, como testes sorológicos para detecção de anticorpos contra a bactéria Treponema pallidum. O tratamento precoce e adequado pode prevenir as complicações graves da sífilis e reduzir o risco de transmissão para outras pessoas.

Elisa (Ensaios de Imunoabsorção Enzimática) é um método sensível e específico para detectar e quantificar substâncias presentes em uma amostra, geralmente proteínas, hormônios, anticorpos ou antigênios. O princípio básico do ELISA envolve a ligação específica de um anticorpo a sua respectiva antigénio, marcada com uma enzima.

Existem diferentes formatos para realizar um ELISA, mas o mais comum é o ELISA "sandwich", no qual uma placa de microtitulação é previamente coberta com um anticorpo específico (anticorpo capturador) que se liga ao antigénio presente na amostra. Após a incubação e lavagem, uma segunda camada de anticorpos específicos, marcados com enzimas, é adicionada à placa. Depois de mais incubação e lavagem, um substrato para a enzima é adicionado, que reage com a enzima produzindo um sinal colorido ou fluorescente proporcional à quantidade do antigénio presente na amostra. A intensidade do sinal é então medida e comparada com uma curva de calibração para determinar a concentração da substância alvo.

Os ELISAs são amplamente utilizados em pesquisas biomédicas, diagnóstico clínico e controle de qualidade em indústrias farmacêuticas e alimentares, graças à sua sensibilidade, especificidade, simplicidade e baixo custo.

Reagina é um termo usado em medicina que se refere a aglutininas produzidas em resposta a certos antígenos bacterianos, especialmente aqueles encontrados em estreptococos do grupo A. Essas reaginas são geralmente IgG ou IgM e podem ser detectadas no soro de um indivíduo que teve uma infecção recente por estreptococos do grupo A. É importante notar que a presença dessas reaginas pode indicar uma infecção atual ou recente, mas também pode persistir em níveis baixos por meses ou até anos após a infecção ter passado. Portanto, o teste para reaginas sozinho não é suficiente para diagnosticar uma infecção aguda e deve ser interpretado junto com outras informações clínicas.

Anticorpos antibacterianos são proteínas produzidas pelo sistema imunológico em resposta à presença de uma bactéria estrangeira no corpo. Eles são específicos para determinados antígenos presentes na superfície da bactéria invasora e desempenham um papel crucial na defesa do organismo contra infecções bacterianas.

Os anticorpos antibacterianos se ligam a esses antígenos, marcando assim a bactéria para ser destruída por outras células do sistema imunológico, como macrófagos e neutrófilos. Além disso, os anticorpos também podem neutralizar diretamente as toxinas bacterianas, impedindo que causem danos ao corpo.

Existem diferentes tipos de anticorpos antibacterianos, incluindo IgG, IgM e IgA, cada um com funções específicas no combate à infecção bacteriana. A produção desses anticorpos é estimulada por vacinas ou por infecções naturais, proporcionando imunidade adquirida contra determinadas bactérias.

A Neurosyphilis é uma complicação tardia da sífilis, uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum. Quando a infecção por sífilis não é tratada adequadamente, ela pode disseminar-se e afetar o sistema nervoso central, levando ao desenvolvimento da neurosyphilis.

Existem quatro estágios clínicos principais de neurosyphilis:

1. Sífilis asymptomática do sistema nervoso central (SANS): É a forma mais comum e geralmente ocorre dentro dos primeiros dois anos após a infecção inicial por sífilis. Neste estágio, a bactéria pode ser detectada em fluidos cerebrospinais, mas os indivíduos geralmente não apresentam sintomas.

2. Meningovasculite: Este estágio é caracterizado por inflamação dos vasos sanguíneos no cérebro e na medula espinhal, o que pode levar a dificuldades cognitivas, alterações de personalidade, convulsões, dor de cabeça, rigidez do pescoço, problemas de visão e audição, e outros sintomas neurológicos.

3. Tabes dorsalis: É um estágio avançado de neurosyphilis que ocorre geralmente entre 10 a 20 anos após a infecção inicial. Neste estágio, os indivíduos podem experimentar perda de reflexos, dores articulares e musculares, ataxia (perda de coordenação), alterações na visão e audição, problemas urinários, e outros sintomas neurológicos.

4. Demência paretica: É o estágio final de neurosyphilis, geralmente ocorrendo décadas após a infecção inicial. Neste estágio, os indivíduos podem experimentar demência, delirium, alucinações, e outros sintomas psiquiátricos graves.

O diagnóstico de neurosyphilis geralmente é baseado em exames laboratoriais, incluindo testes sorológicos para sífilis e análises do líquor cerebrospinal (LCR). O tratamento geralmente consiste em antibióticos, como a penicilina, administrados por via intravenosa. Embora o tratamento possa parar a progressão da doença, os danos neurológicos irreversíveis podem persistir.

Sensibilidade e especificidade são conceitos importantes no campo do teste diagnóstico em medicina.

A sensibilidade de um teste refere-se à probabilidade de que o teste dê um resultado positivo quando a doença está realmente presente. Em outras palavras, é a capacidade do teste em identificar corretamente as pessoas doentes. Um teste com alta sensibilidade produzirá poucos falso-negativos.

A especificidade de um teste refere-se à probabilidade de que o teste dê um resultado negativo quando a doença está realmente ausente. Em outras palavras, é a capacidade do teste em identificar corretamente as pessoas saudáveis. Um teste com alta especificidade produzirá poucos falso-positivos.

Em resumo, a sensibilidade de um teste diz-nos quantos casos verdadeiros de doença ele detecta e a especificidade diz-nos quantos casos verdadeiros de saúde ele detecta. Ambas as medidas são importantes para avaliar a precisão de um teste diagnóstico.

A sífilis cardiovascular é uma complicação tardia da sífilis, uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum. Essa complicação ocorre geralmente entre 10 a 30 anos após a infecção inicial e afeta o sistema cardiovascular.

A sífilis cardiovascular se manifesta principalmente por doença arterial inflamatória, que pode levar ao desenvolvimento de aneurismas (dilatações excessivas) nas artérias ascendentes do coração e aórtica, o que pode resultar em insuficiência cardíaca congestiva ou dissecação da aorta. Outros sinais e sintomas podem incluir dor no peito, falta de ar, tosse seca e fadiga.

O diagnóstico geralmente é confirmado por meio de exames laboratoriais, como sorologia (testes séricos para detecção de anticorpos contra a bactéria da sífilis) e imagens médicas, como ecocardiograma, tomografia computadorizada ou ressonância magnética. O tratamento da sífilis cardiovascular geralmente consiste em antibióticos de alto espectro, como a penicilina, administrados por via intravenosa, juntamente com o controle dos sintomas e complicações associadas. A detecção precoce e o tratamento adequado da sífilis podem prevenir a ocorrência de complicações tardias, como a sífilis cardiovascular.

Antígenos bacterianos se referem a substâncias presentes em superfícies de bactérias que podem ser reconhecidas pelo sistema imunológico do hospedeiro como estrangeiras e desencadear uma resposta imune. Esses antígenos são geralmente proteínas, polissacarídeos ou lipopolissacarídeos que estão presentes na membrana externa ou no capsular das bactérias.

Existem diferentes tipos de antígenos bacterianos, incluindo:

1. Antígenos somáticos: São encontrados na superfície da célula bacteriana e podem desencadear a produção de anticorpos que irão neutralizar a bactéria ou marcá-la para destruição por células imunes.
2. Antígenos fimbriais: São proteínas encontradas nas fimbrias (pelos) das bactérias gram-negativas e podem desencadear uma resposta imune específica.
3. Antígenos flagelares: São proteínas presentes nos flagelos das bactérias e também podem induzir a produção de anticorpos específicos.
4. Antígenos endóxicos: São substâncias liberadas durante a decomposição bacteriana, como peptidoglicanos e lipopolissacarídeos (LPS), que podem induzir uma resposta imune inflamatória.

A resposta imune a antígenos bacterianos pode variar dependendo do tipo de bactéria, da localização da infecção e da saúde geral do hospedeiro. Em alguns casos, essas respostas imunes podem ser benéficas, auxiliando no combate à infecção bacteriana. No entanto, em outras situações, as respostas imunológicas excessivas ou inadequadas a antígenos bacterianos podem causar doenças graves e danos teciduais.

A palavra "bouba" não é um termo médico ou anatômico amplamente reconhecido em inglês ou em qualquer outro idioma. Parece ser uma palavra sem sentido, às vezes usada em estudos psicológicos e de linguagem para investigar conceitos como a formação de categorias mentais de formas e sons. Em alguns destes estudos, os participantes associam mais frequentemente o som "bouba" a um objeto arredondado e suave do que a um objeto angular e agudo. No entanto, não há uma definição médica específica para "bouba".

Imunoglobulina M (IgM) é um tipo de anticorpo que faz parte do sistema imune do corpo humano. Ela é a primeira linha de defesa contra as infecções e desempenha um papel crucial na resposta imune inicial. A IgM é produzida pelas células B (linfócitos B) durante o estágio inicial da resposta imune adaptativa.

As moléculas de IgM são formadas por quatro cadeias polipeptídicas: duas cadeias pesadas de tipo µ e duas cadeias leves (kappa ou lambda). Elas se organizam em pentâmeros (cinco unidades de IgM) ou hexâmeros (seis unidades de IgM), o que confere à IgM uma alta avidez por antígenos. Isso significa que a IgM é muito eficaz em se ligar a um grande número de patógenos, como bactérias e vírus.

A IgM também ativa o sistema do complemento, uma cascata enzimática que ajuda a destruir microorganismos invasores. Além disso, a IgM é um importante marcador na diagnose de infecções agudas e no monitoramento da resposta imune a vacinas e terapias imunológicas. No entanto, os níveis séricos de IgM diminuem com o tempo, sendo substituídos por outros tipos de anticorpos, como a Imunoglobulina G (IgG), que oferecem proteção mais duradoura contra infecções específicas.

Desculpe, mas a expressão "anticorpos anti-helmínticos" não é uma definição médica estabelecida. A palavra "helmíntico" refere-se a vermes parasitas que infectam humanos e animais. Já "anticorpos" são proteínas produzidas pelo sistema imune em resposta a substâncias estrangeiras, como vírus, bactérias ou toxinas.

Portanto, os anticorpos podem ser produzidos em resposta a infestações por helmíntos, mas não são chamados de "anticorpos anti-helmínticos". Em vez disso, eles seriam simplesmente chamados de "anticorpos contra helmíntos" ou "anticorpos específicos para determinado verme parasita".

Em resumo, a definição médica seria: anticorpos produzidos em resposta a infestações por helmíntos (vermes parasitas).

Os Testes de Hemaglutinação (THA) são um tipo de exame sorológico utilizado para detectar e medir a presença de anticorpos ou antígenos em amostras biológicas, geralmente sangue. Eles são baseados no princípio da hemaglutinação, que ocorre quando as hemáglutininas (proteínas presentes na superfície de alguns vírus e bactérias) se combinam com os anticorpos específicos presentes nos glóbulos vermelhos (hemácias) do paciente, levando à aglutinação ou clusterização dos glóbulos vermelhos.

Nesses testes, uma amostra de soro sanguíneo é diluída e misturada com hemácias tratadas previamente com um reagente específico, como antígenos virais ou bacterianos. Se o paciente tiver desenvolvido anticorpos contra esses agentes infecciosos, haverá uma reação entre os anticorpos presentes no soro e os antígenos adicionados, resultando em hemaglutinação visível. A intensidade da aglutinação é diretamente proporcional à quantidade de anticorpos presentes na amostra, o que permite a quantificação do título de anticorpos no soro do paciente.

THA são amplamente utilizados em diagnóstico e monitoramento de diversas infecções, incluindo gripe (influenza), hepatites virais, febre tifóide, sífilis, e outras doenças infecciosas. Além disso, esses testes também são úteis em programas de vacinação, pois podem avaliar a resposta imune do indivíduo à vacinação e determinar se houve produção de anticorpos suficientes para proteger contra a infecção.

Antígenos de helmintos se referem a substâncias antigênicas presentes em vermes parasitas (helmintos) que podem desencadear uma resposta imune em hospedeiros vertebrados, incluindo humanos. Esses antígenos são frequentemente proteínas ou glicoproteínas complexas localizadas na superfície do parasita ou dentro de sua estrutura. Eles desempenham um papel crucial no reconhecimento e interação entre o parasita e o sistema imune do hospedeiro, podendo induzir respostas imunes tanto específicas quanto não específicas.

A compreensão dos antígenos de helmintos é importante para o desenvolvimento de vacinas, diagnósticos e terapias contra infecções parasitárias. Alguns exemplos de helmintos que possuem antígenos bem estudados incluem Ascaris lumbricoides, Schistosoma mansoni, e Trichuris trichiura.

A resposta imune a esses antígenos pode variar dependendo do tipo de helminta e da localização dos antígenos no parasita. Alguns antígenos podem induzir uma resposta Th2, que é caracterizada por um aumento na produção de citocinas como IL-4, IL-5 e IL-13, enquanto outros podem induzir uma resposta Th1, com a produção de IFN-γ. Além disso, alguns antígenos de helmintos também podem desencadear uma resposta imune regulatória, que pode contribuir para a manutenção da tolerância ao parasita e à modulação da resposta inflamatória no local da infecção.

Em suma, os antígenos de helmintos são substâncias presentes em vermes parasitas que desencadeiam uma resposta imune específica ou não específica no hospedeiro. A compreensão dos mecanismos envolvidos na interação entre esses antígenos e o sistema imune pode ajudar no desenvolvimento de estratégias terapêuticas e profiláticas contra as infecções por helmintos.

Antígenos de protozoários se referem a moléculas presentes em organismos protozoários que podem ser reconhecidas pelo sistema imune do hospedeiro como estrangeiras, desencadear uma resposta imune e induzir a produção de anticorpos. Eles são frequentemente utilizados em diagnósticos laboratoriais para identificar infecções por protozoários, como *Plasmodium* spp (agente da malária), *Toxoplasma gondii*, *Leishmania spp*, e *Trypanosoma cruzi* (agente da Doença de Chagas).

Os antígenos podem ser encontrados em diferentes estágios do ciclo de vida dos protozoários, como no sangue ou tecidos do hospedeiro. A detecção desses antígenos pode ser feita por meio de diversas técnicas laboratoriais, como imunofluorescência, ELISA (Enzyme-linked Immunosorbent Assay) e Western blotting.

A identificação dos antígenos específicos pode ajudar no diagnóstico diferencial de doenças causadas por protozoários, bem como na monitoração da resposta terapêutica e no controle das infecções.

Imunoglobulina G (IgG) é o tipo mais comum de anticorpo encontrado no sangue humano. É produzida pelos sistemas imune inato e adaptativo em resposta a proteínas estrangeiras, como vírus, bactérias e toxinas. A IgG é particularmente importante na proteção contra infecções bacterianas e virais porque pode neutralizar toxinas, ativar o sistema do complemento e facilitar a fagocitose de micróbios por células imunes. Ela também desempenha um papel crucial na resposta imune secundária, fornecendo proteção contra reinfecções. A IgG é a única classe de anticorpos que pode atravessar a barreira placentária, fornecendo imunidade passiva ao feto.

Anticorpos antiprotozoários são um tipo de proteínas produzidas pelo sistema imunológico em resposta a uma infecção por protozoários, organismos unicelulares que podem causar doenças em humanos e outros animais. Esses anticorpos são específicos para determinados antígenos presentes na superfície ou no interior dos protozoários, o que permite que o sistema imunológico identifique e neutralize os patógenos.

A produção de anticorpos antiprotozoários é uma parte importante da resposta imune adaptativa, que permite ao organismo desenvolver memória imune contra infecções protozoárias específicas. Isso significa que, em caso de reinfecção, o sistema imunológico pode montar uma resposta mais rápida e eficaz para combater a infecção.

Alguns exemplos de protozoários que podem desencadear a produção de anticorpos antiprotozoários incluem Plasmodium spp., os agentes causadores da malária; Toxoplasma gondii, responsável pela toxoplasmose; e Leishmania spp., que causa leishmaniose. A detecção de anticorpos antiprotozoários em amostras clínicas pode ser útil no diagnóstico e monitoramento de infecções protozoárias, além de ajudar a avaliar a eficácia da terapêutica empregada.

Los tests de aglutinación son un tipo de prueba serológica que detecta la presencia de antígenos o anticuerpos en una muestra de sangre u otro líquido biológico. La prueba consiste en mezclar la muestra con un reactivo específico, como un suero serológico que contiene anticuerpos marcados, y observando si ocurre la aglutinación (agrupamiento) de las partículas.

En los tests de aglutinación para detectar antígenos, se agrega la muestra de sangre o líquido biológico a un reactivo que contiene anticuerpos específicos contra el antígeno buscado. Si el antígeno está presente en la muestra, se unirá a los anticuerpos y formará complejos de aglutinación visibles.

Por otro lado, en los tests de aglutinación para detectar anticuerpos, se agrega la muestra de sangre o líquido biológico a un reactivo que contiene el antígeno específico. Si el paciente tiene anticuerpos contra ese antígeno en su sistema, se unirán al antígeno y formarán complejos de aglutinación visibles.

Los tests de aglutinación son relativamente simples y económicos, lo que los hace útiles en una variedad de contextos clínicos y de investigación. Sin embargo, también tienen algunas limitaciones, como la posibilidad de resultados falsos positivos o falsos negativos, dependiendo de varios factores, como la calidad de la muestra, la especificidad de los reactivos utilizados y las condiciones de la prueba.

O Teste de Imobilização do Treponema (TIF, na sigla em inglês) é um método de diagnóstico laboratorial para a detecção da sífilis, uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum.

Neste teste, uma amostra de soro ou líquido cefalorraquidiano é coletada do paciente e misturada com o Treponema pallidum vivo. Se o paciente tiver anticorpos contra a bactéria na sua sangue, eles se ligarão ao Treponema pallidum presente no teste, imobilizando-o. Em seguida, um reactivo específico é adicionado à amostra e, se houver imobilização do Treponema, uma reação será observada, indicando a presença de anticorpos contra a sífilis.

É importante ressaltar que o TIF pode apresentar falso-negativo em estágios iniciais da infecção e também em pacientes com imunidade diminuída. Por isso, outros métodos de diagnóstico, como a detecção de antígenos ou ácidos nucléicos do Treponema pallidum, podem ser utilizados em conjunto para confirmar o diagnóstico de sífilis.

'Estudos de Avaliação como Assunto' (em inglês, 'Studies of Reviews as Topic') é uma categoria da classificação médica MeSH (Medical Subject Headings) usada para descrever e organizar artigos e outras publicações científicas em bases de dados biomédicas, como a PubMed.

Esta categoria inclui estudos que avaliam as revisões sistemáticas da literatura científica, com o objetivo de sintetizar e avaliar evidências sobre um tópico específico em saúde ou ciências biomédicas. A avaliação dos estudos de revisão pode incluir a análise da qualidade metodológica, da validade interna e externa, do nível de evidência e da relevância clínica das conclusões apresentadas nas revisões sistemáticas.

Dessa forma, os 'Estudos de Avaliação como Assunto' desempenham um papel importante na identificação e síntese de conhecimento confiável e atualizado sobre questões clínicas e científicas importantes, ajudando a orientar as decisões de saúde e a direção da pesquisa futura.

A doença de Lyme é uma infecção causada pela bactéria Borrelia burgdorferi, transmitida pelo morcego-da-floresta infectado (Ixodes scapularis ou Ixodes pacificus) através de uma picada de carrapato. A doença recebeu o seu nome em 1975, quando um aumento de casos foi relatado na cidade de Lyme, Connecticut, nos EUA. No entanto, a doença também é encontrada na Europa e na Ásia.

Os sintomas iniciais da doença de Lyme geralmente incluem uma erupção cutânea em forma de alvo (eritema migrante), que pode aparecer de 3 a 30 dias após a picada do carrapato. A erupção é frequentemente, mas nem sempre presente e desaparece sozinha em alguns casos. Outros sintomas iniciais podem incluir fadiga, dor de cabeça, rigidez no pescoço, dores musculares e articulares, febre e ganglios inchados.

Se não tratada, a infecção pode disseminar-se para outras partes do corpo, causando sintomas mais graves, como inflamação do cérebro e da medula espinal (meningite), paralisia facial (paralisia de Bell) e problemas cardíacos. Em estágios tardios, a infecção pode resultar em dor e inflamação nas articulações, particularmente nas grandes articulações, como as do joelho.

O diagnóstico da doença de Lyme geralmente é baseado nos sintomas clínicos, história de exposição a carrapatos infectados e resultados de testes laboratoriais. O tratamento precoce com antibióticos, como a doxiciclina, geralmente é eficaz em combater a infecção e prevenir complicações graves. No entanto, o tratamento pode ser mais longo e complexo em estágios tardios da doença.

A prevenção da doença de Lyme inclui medidas para evitar a exposição a carrapatos infectados, como usar roupas protectoras, repelentes de insetos e verificar o corpo e os animais domésticos por carrapatos após passar tempo em áreas propensas a carrapatos. A vacinação contra a doença de Lyme não está disponível em muitos países, incluindo Portugal.

O Grupo Borrelia Burgdorferi é um complexo de espécies bacterianas gram-negativas, helicoidais e flageladas que causam a doença de Lyme, uma infecção transmitida por carrapatos. A espécie tipo é Borrelia burgdorferi sensu stricto, identificada pela primeira vez em 1982 por Willy Burgdorfer. Outras espécies importantes neste grupo incluem Borrelia afzelii e Borrelia garinii, que também estão associadas à doença de Lyme. Essas bactérias são transmitidas ao homem através da picada de carrapatos infectados, especialmente Ixodes spp., e podem causar uma variedade de sintomas clínicos, como eritema migrans, febre, dores de cabeça, rigidez na nuca, fadiga e, em estágios posteriores, artralgias e miocardite. O diagnóstico geralmente é baseado em sinais clínicos, história de exposição a carrapatos e exames laboratoriais específicos, como sorologia e detecção direta da DNA bacteriano por PCR. O tratamento recomendado é antibioticoterapia adequada, geralmente com doxiciclina ou ceftriaxona, dependendo da fase da doença e da gravidade dos sintomas.

Antitreponémicos são antibióticos usados especificamente para tratar infecções causadas por spiroquetes, um tipo de bactéria em forma de espiral, incluindo a doença de Lyme e sífilis. O mais comum antitreponêmico é a penicilina, que é geralmente eficaz contra essas infecções quando administrada corretamente. Outros antitreponémicos incluem a ceftriaxona, doxiciclina e azitromicina. Eles funcionam inibindo a síntese de proteínas bacterianas, o que leva à morte das bactérias. É importante notar que o tratamento precoce é crucial para evitar complicações graves associadas às infecções causadas por spiroquetes.

Os Testes de Fixação de Complemento (CH50 e AH50) são exames laboratoriais utilizados para avaliar o funcionamento do sistema do complemento, um importante componente do sistema imune inato. O sistema do complemento é uma cascata enzimática formada por cerca de 30 proteínas plasmáticas e membranares que atuam cooperativamente para neutralizar e eliminar patógenos invasores, tais como bactérias e vírus, além de promover a resposta inflamatória.

Existem dois tipos principais de testes de fixação de complemento: o CH50 (Total) e o AH50 (Clássico e Alternativo). Ambos os testes medem a capacidade do soro do paciente em fixar e ativar as proteínas do sistema do complemento.

1. Teste CH50 (Total): Este teste avalia o funcionamento geral do sistema do complemento, mais especificamente da via clássica. É realizado adicionando uma fonte de antígenos (por exemplo, soro rico em anticorpos) e o complemento inato ao soro do paciente. Em seguida, é medido quanto complemento foi consumido ou ativado após a interação com os antígenos. Se o nível de complemento fixado for menor do que o esperado, isso pode indicar um déficit na via clássica do sistema do complemento.
2. Teste AH50 (Clássico e Alternativo): Este teste avalia as vias clássica e alternativa do sistema do complemento. A via clássica é iniciada pela interação de anticorpos com antígenos, enquanto a via alternativa pode ser ativada diretamente por polissacarídeos bacterianos ou por complexos antígeno-anticorpo. O teste AH50 é realizado adicionando uma fonte de antígenos (por exemplo, zimossacarídeos) e o complemento inato ao soro do paciente. Em seguida, é medido quanto complemento foi consumido ou ativado após a interação com os antígenos. Se o nível de complemento fixado for menor do que o esperado, isso pode indicar um déficit nas vias clássica e/ou alternativa do sistema do complemento.

Em resumo, os testes para avaliar o funcionamento do sistema do complemento envolvem a medição da quantidade de complemento ativado ou consumido após a interação com antígenos específicos. Esses testes podem ajudar a diagnosticar déficits no sistema do complemento e orientar o tratamento adequado para pacientes com distúrbios relacionados ao complemento.

Complicações Infecciosas na Gravidez referem-se a infecções que ocorrem durante a gravidez, podendo afetar negativamente a saúde da mãe e do feto. Estas infecções podem ser causadas por diferentes agentes infecciosos, como bactérias, vírus, parasitas ou fungos. Algumas dessas complicações incluem:

1. Infecção urinária: É uma das infecções bacterianas mais comuns durante a gravidez, podendo causar parto prematuro e baixo peso ao nascer se não for tratada adequadamente.
2. Infecção do trato respiratório: As infecções do trato respiratório, como pneumonia, podem ser graves durante a gravidez, especialmente no terceiro trimestre, aumentando o risco de parto prematuro e outras complicações.
3. Infecção da pele e tecidos moles: As infecções da pele e tecidos moles, como celulite e abscessos, podem ser mais graves durante a gravidez devido às alterações no sistema imunológico da mulher.
4. Infecção sexualmente transmissível (IST): As ISTs, como clamídia, gonorreia e sífilis, podem causar complicações graves durante a gravidez, aumentando o risco de parto prematuro, baixo peso ao nascer, aborto espontâneo e infeção congênita no bebê.
5. Infecção viral: Algumas infecções virais, como a rubéola, citomegalovírus (CMV), varicela-zoster e HIV, podem causar sérias complicações durante a gravidez, aumentando o risco de malformações congênitas no bebê.
6. Toxoplasmose: É uma infecção parasitária que pode ser adquirida através do contato com fezes de gatos ou ingestão de carne crua ou mal cozida. A toxoplasmose pode causar complicações graves durante a gravidez, aumentando o risco de malformações congênitas no bebê.
7. Listeriose: É uma infecção bacteriana que pode ser adquirida através do consumo de alimentos contaminados, como queijo mau cozido ou carne mal passada. A listeriose pode causar complicações graves durante a gravidez, aumentando o risco de parto prematuro e morte fetal.

A prevenção e o tratamento precoces das infecções durante a gravidez são fundamentais para minimizar os riscos de complicações maternas e fetais. As mulheres grávidas devem evitar exposições desnecessárias a patógenos, manter boas práticas de higiene e consultar um profissional de saúde imediatamente em caso de sintomas suspeitos de infecção.

O Teste de Absorção do Anticorpo Treponêmico Fluorescente (FTA-ABS) é um exame sorológico usado para diagnosticar infecções por *Treponema pallidum*, a bactéria que causa a sífilis. É considerado um dos testes mais específicos e sensíveis para a detecção de infecções por sífilis.

No exame FTA-ABS, uma amostra de soro (fluido corporal rico em anticorpos) é coletada do paciente e é exposta a células infectadas com *Treponema pallidum*. Se o paciente tiver anticorpos contra a bactéria, eles se ligarão às células infectadas. Em seguida, um anticorpo marcado fluorescentemente é adicionado à amostra. Se os anticorpos do paciente estiverem presentes e ligados às células infectadas, o anticorpo marcado fluorescentemente se ligará a eles, tornando-os visíveis sob um microscópio especial equipado com luz ultravioleta.

O teste de absorção é uma etapa adicional que ajuda a diferenciar a sífilis de outras infecções treponêmicas, como a pinta e a frambésia. Nesta etapa, a amostra de soro do paciente é previamente tratada com antígenos de outras bactérias treponêmicas. Se o paciente tiver anticorpos específicos para *Treponema pallidum*, eles permanecerão na amostra e serão detectados no exame FTA-ABS, enquanto os anticorpos cruzados contra outras bactérias treponêmicas serão removidos.

Em resumo, o Teste de Absorção do Anticorpo Treponêmico Fluorescente (FTA-ABS) é um exame laboratorial utilizado para diagnosticar a sífilis, uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria *Treponema pallidum*. A etapa de absorção ajuda a diferenciar a sífilis de outras infecções treponêmicas e aumenta a especificidade do exame.

Em termos médicos, "cancro" é sinônimo de "câncer" e refere-se a um grupo de doenças caracterizadas por um crescimento celular descontrolado e invasivo que pode se espalhar para outras partes do corpo. As células cancerosas podem causar danos aos tecidos saudáveis, interferindo em suas funções normais e, às vezes, levando a tumores malignos. Existem diversos tipos de câncer, cada um deles afetando diferentes partes do corpo e apresentando diferentes sinais e sintomas. O tratamento varia conforme o tipo e estágio do câncer, mas geralmente inclui cirurgia, radioterapia, quimioterapia ou terapias dirigidas aos alvos moleculares específicos da doença.

Em medicina, reações cruzadas referem-se a uma resposta adversa que ocorre quando um indivíduo é exposto a um agente (por exemplo, um fármaco, alérgeno ou antígeno) e sua resposta imune também é desencadeada por outros agentes semelhantes em estrutura ou composição química. Isto ocorre porque os sistemas imunológicos dos indivíduos não conseguem distinguir entre esses agentes e produzem respostas imunes inapropriadas e exageradas.

As reações cruzadas são particularmente relevantes no contexto de alergias, onde a exposição a um alérgeno específico pode desencadear sintomas alérgicos em resposta a outros alérgenos semelhantes. Por exemplo, uma pessoa alérgica a determinado tipo de pólen pode experimentar sintomas alérgicos ao ser exposta a um tipo diferente de pólen com uma estrutura similar.

As reações cruzadas também podem ocorrer em relação a certos medicamentos, especialmente antibióticos e analgésicos. Nesses casos, a exposição a um fármaco pode desencadear uma reação alérgica a outros fármacos com estruturas químicas semelhantes.

Em resumo, as reações cruzadas são uma resposta imune inadequada e exagerada que ocorre quando um indivíduo é exposto a agentes semelhantes em estrutura ou composição química, levando a sintomas adversos e desconfortáveis.

Um kit de reagentes para diagnóstico é um conjunto de substâncias químicas e/ou biológicas padronizadas, projetadas especificamente para serem usadas em métodos de diagnóstico in vitro. Esses kits geralmente contêm todas as reações necessárias para executar um determinado teste diagnóstico, incluindo reagentes, materiais de consumo e instruções detalhadas para o seu uso adequado. Eles são amplamente utilizados em laboratórios clínicos e de pesquisa para detectar, identificar e quantificar diversos biomarcadores, tais como proteínas, antígenos, antibódies, DNA, RNA e outras moléculas presentes em amostras clínicas, como sangue, urina ou tecidos. A padronização dos reagentes garante a repetibilidade e a comparabilidade dos resultados obtidos, independentemente do local em que o teste é realizado, tornando-os essenciais para a prática clínica moderna e para a pesquisa biomédica.

Proteínas recombinantes são proteínas produzidas por meio de tecnologia de DNA recombinante, que permite a inserção de um gene de interesse (codificando para uma proteína desejada) em um vetor de expressão, geralmente um plasmídeo ou vírus, que pode ser introduzido em um organismo hospedeiro adequado, como bactérias, leveduras ou células de mamíferos. O organismo hospedeiro produz então a proteína desejada, que pode ser purificada para uso em pesquisas biomédicas, diagnóstico ou terapêutica.

Este método permite a produção de grandes quantidades de proteínas humanas e de outros organismos em culturas celulares, oferecendo uma alternativa à extração de proteínas naturais de fontes limitadas ou difíceis de obter. Além disso, as proteínas recombinantes podem ser produzidas com sequências específicas e modificadas geneticamente para fins de pesquisa ou aplicação clínica, como a introdução de marcadores fluorescentes ou etiquetas de purificação.

As proteínas recombinantes desempenham um papel importante no desenvolvimento de vacinas, terapias de substituição de enzimas e fármacos biológicos, entre outras aplicações. No entanto, é importante notar que as propriedades estruturais e funcionais das proteínas recombinantes podem diferir das suas contrapartes naturais, o que deve ser levado em consideração no design e na interpretação dos experimentos.

Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), também conhecidas como Infeções Sexualmente Transmitidas (ISTs), se referem a um grupo de infecções causadas por patógenos, como vírus, bactérias, parasitas e fungos, que são transmitidos principalmente por contato sexual, incluindo relações vaginais, anais ou orais. Algumas dessas doenças podem ser transmitidas através de outros meios, como compartilhamento de agulhas contaminadas ou durante a gravidez, parto e amamentação.

Exemplos comuns de DSTs incluem clamídia, gonorreia, sífilis, hepatite B, herpes genital, HIV/AIDS, vírus do papiloma humano (VPH) e tricomoníase. Muitas dessas infecções podem não apresentar sintomas imediatos ou graves, mas, se não tratadas, podem causar complicações significativas, como infertilidade, câncer e outras doenças crônicas. A prevenção inclui práticas sexuais seguras, vacinação, testes regulares e tratamento oportuno para indivíduos infectados e seus parceiros.

La doença visceral da leishmaniose, também conhecida como kala-azar, é uma infecção causada pelo protozoário Leishmania donovani. É a forma mais grave de leishmaniose e afeta principalmente o sistema reticuloendotelial, particularmente o baço, fígado e medula óssea. A doença é geralmente adquirida através da picada de flebotomíneos infectados (mosquitos de areia) durante a noite.

Os sintomas mais comuns incluem febre persistente, aumento do tamanho do baço e fígado, perda de peso, anemia, diminuição da contagem de glóbulos brancos e plaquetas, e, em casos graves, insuficiência orgânica. A leishmaniose visceral é frequentemente fatal se não for tratada.

O diagnóstico geralmente requer a detecção de parasitos em amostras de tecido ou sangue, e o tratamento geralmente consiste em medicamentos antiprotozoários, como pentavalente de antimônio, anfotericina B, miltefosina e lipossomal anfotericina B. A prevenção inclui a proteção contra picadas de mosquitos de areia, especialmente durante as horas noturnas, e o controle do vetor através do uso de insecticidas e outras medidas de controle de vetores.

"Leishmania infantum" é um parasita protozoário que pertence ao gênero "Leishmania" e causa a doença conhecida como leishmaniose visceral (LV), também chamada de calazar ou doença de Kala-azar. A LV é uma doença grave e potencialmente fatal que afeta o sistema reticuloendotelial, particularmente o fígado, baço e medula óssea.

A transmissão da "Leishmania infantum" ocorre através da picada de flebotomíneos infectados, também conhecidos como mosquitos de areia. Esses insetos são hematófagos e transmitem o parasita ao hospedeiro durante a sua alimentação sanguínea. Após a infecção, os parasitas se multiplicam no local da picada e podem disseminar-se para outros órgãos do corpo.

Os sintomas da LV geralmente incluem febre prolongada, aumento do tamanho do fígado e baço, anemia, perda de peso e fraqueza generalizada. Em casos graves, a infecção pode levar a complicações como hemorragias, insuficiência hepática ou renal, e morte.

A LV é endêmica em regiões do Mediterrâneo, Oriente Médio, África, América do Sul e Central, e Ásia Meridional. O diagnóstico da doença geralmente requer a detecção de anticorpos ou antígenos específicos no sangue ou tecidos do paciente, além de exames microscópicos ou técnicas de PCR para detectar o parasita. O tratamento da LV geralmente requer a administração de medicamentos antiparasitários específicos, como pentavalentes de antimônio, anfotericina B ou miltefosina.

'Mormo' não é um termo médico geralmente reconhecido em medicina moderna. Originalmente, "Mormo" vem do grego antigo e era um espírito ou demônio que assustava as crianças na mitologia grega. Em alguns contextos históricos ou literários mais antigos, o termo pode ser encontrado em referência a fenômenos assustadores ou estranhos, mas atualmente, não há uma definição médica específica associada a "Mormo".

De acordo com a American Psychological Association (APA), homossexualidade masculina é uma orientação sexual em que um indivíduo macho sente atração emocional, romântica e/ou sexual predominante ou exclusivamente por outros indivíduos do mesmo sexo. É importante notar que a orientação sexual, incluindo a homossexualidade masculina, é uma parte natural da diversidade humana e não deve ser considerada uma desordem mental ou patologia. A APA encoraja o entendimento e aceitação da diversidade sexual e a promoção do bem-estar e direitos humanos para todos os indivíduos, independentemente de sua orientação sexual.

Uma reação falsa-positiva, em termos de testes diagnósticos ou de detecção, refere-se a um resultado em que o teste indica a presença de uma certa condição ou substância quando, na realidade, a pessoa ou o objeto testado não a possui. Isto pode ocorrer devido a vários fatores, como por exemplo:

1. Interferência de outras substâncias no teste;
2. Problemas técnicos no processamento do teste;
3. Erros de interpretação dos resultados;
4. Baixa especificidade do teste, o que significa que ele pode detectar a presença de outras substâncias além daquela que está sendo investigada.

Reações falsas-positivas podem levar a diagnósticos ou tratamentos incorretos, causando assim estresse desnecessário, custos adicionais e possíveis riscos à saúde dos indivíduos. Por isso, é essencial que os resultados de testes sejam sempre interpretados com cuidado, levando em consideração a história clínica do paciente, outros exames diagnósticos e a opinião de profissionais de saúde qualificados.

De acordo com a [MedlinePlus, um serviço da Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos](https://medlineplus.gov/portuguese/druginfo/meds/a601245-br000793.html), Penicilina G Procaína é um antibiótico usado para tratar várias infecções bacterianas, incluindo infecções do ouvido médio, garganta, pele, pulmões (pneumonia) e sepse (infecção generalizada do sangue).

A Penicilina G Procaína é uma forma de penicilina de ação prolongada, o que significa que ela é administrada por injeção intramuscular e mantém níveis terapêuticos no corpo durante um período mais longo do que a Penicilina G regular. Isso permite que a medicação seja administrada menos frequentemente, geralmente uma vez a cada 12 ou 24 horas.

A Penicilina G Procaína é prescrita com cautela para pacientes alérgicos à penicilina, pois eles podem ter reações alérgicas graves à medicação. Além disso, a medicação pode interagir com outros medicamentos, como anticoagulantes e probenecid, portanto, é importante informar ao médico todos os medicamentos que está tomando antes de receber uma prescrição para Penicilina G Procaína.

Como qualquer medicamento, a Penicilina G Procaína pode causar efeitos colaterais, como dor ou inflamação no local da injeção, erupções cutâneas, diarreia e reações alérgicas graves. Se você experimentar sintomas graves ou persistentes, informe imediatamente seu médico.

Immunoblotting, também conhecido como Western blotting, é um método amplamente utilizado em bioquímica e biologia molecular para detectar especificamente proteínas em uma mistura complexa. Este processo combina a electroforese em gel de poliacrilamida (PAGE) para separar as proteínas com base no seu tamanho molecular, seguido da transferência das proteínas separadas para uma membrana sólida, como nitrocelulose ou PVDF (polivinilidina difluorada). Em seguida, a membrana é incubada com anticorpos específicos que se ligam à proteína-alvo, permitindo sua detecção.

O processo geralmente envolve quatro etapas principais: (1) preparação da amostra e separação das proteínas por electroforese em gel de poliacrilamida; (2) transferência das proteínas da gel para a membrana sólida; (3) detecção da proteína-alvo usando anticorpos específicos; e (4) visualização do sinal de detecção, geralmente por meio de um método de quimioluminescência ou colorimetria.

Immunoblotting é uma técnica sensível e específica que permite a detecção de proteínas em diferentes estados funcionais, como modificações pós-traducionais ou interações com outras moléculas. É frequentemente usado em pesquisas biológicas para verificar a expressão e modificações de proteínas em diferentes condições experimentais, como durante a resposta celular a estímulos ou no contexto de doenças.

Anticorpos antifúngicos são um tipo específico de proteínas produzidas pelo sistema imunológico em resposta à presença de fungos ou leveduras invasores no corpo. Esses anticorpos são produzidos quando as células do sistema imunológico, como os linfócitos B, entram em contato com antígenos presentes na parede celular dos fungos. Eles servem como uma forma de defesa imune, marcando os patógenos para serem destruídos por outras células do sistema imunológico.

Existem diferentes tipos de anticorpos antifúngicos, dependendo da classe a que pertencem e do local onde são produzidos. Alguns deles podem neutralizar diretamente os fungos, impedindo-os de se multiplicar ou causar danos às células do hospedeiro. Outros podem atuar como opsoninas, aumentando a capacidade dos fagócitos de internalizarem e destruírem os patógenos.

A presença de anticorpos antifúngicos no sangue ou outros fluidos corporais pode ser utilizada como um indicador da infecção por fungos, especialmente em pacientes imunocomprometidos, que apresentam maior risco de desenvolver doenças fúngicas invasivas. No entanto, é importante notar que a detecção desses anticorpos não é específica de uma única espécie de fungo, o que pode dificultar o diagnóstico diferencial entre as diferentes infecções fúngicas.

Toxoplasmosis é uma doença infecciosa causada pelo protozoário intracelular Toxoplasma gondii. É uma zoonose, o que significa que pode ser transmitida de animais para humanos. Os gatos e outros felinos são os hospedeiros definitivos do parasita, enquanto os humanos e outros animais servem como hospedeiros intermediários.

A infecção em pessoas saudáveis geralmente é assintomática ou causa sintomas leves, parecidos com os da gripe, como febre, dores de cabeça, fadiga e inflamação dos gânglios linfáticos. No entanto, a toxoplasmosis pode ser grave ou potencialmente fatal em pessoas com sistemas imunológicos enfraquecidos, como aquelas com HIV/AIDS, transplante de órgãos ou câncer, e também em bebês nascidos de mães infectadas durante a gravidez.

A infecção geralmente ocorre através do consumo de alimentos ou água contaminados com ovos de Toxoplasma, que podem ser encontrados em carne mal cozinhada, especialmente de porco, cordeiro e aves de caça; na ingestão acidental de materiais fecais de gatos infectados ao manipular a terra ou jardins contaminados ou quando se limpa a caixa de areia de um gato; ou através da transmissão vertical, quando uma mulher grávida é infectada e transmite a infecção para o feto através da placenta.

A toxoplasmosis pode ser diagnosticada por meio de exames sanguíneos que detectam anticorpos contra o parasita ou por detecção direta do parasita em amostras clínicas, como líquido cefalorraquidiano ou tecido. O tratamento geralmente é recomendado para mulheres grávidas e pessoas com sistema imunológico comprometido. Os medicamentos antiparasitários, como a sulfadiazina e o pirimetamina, são frequentemente usados em combinação com um antibiótico, como a espiramicina, para tratar a infecção aguda. O tratamento preventivo pode ser considerado durante a gravidez para reduzir o risco de transmissão ao feto.

A prevenção da toxoplasmosis inclui práticas adequadas de higiene alimentar, como lavar bem as frutas e verduras, cozinhar bem a carne, especialmente a carne de porco, cordeiro e aves de caça, e evitar o consumo de leite ou queijo não pasteurizados. Além disso, é recomendável usar luvas ao manipular a terra ou jardins e quando se limpa a caixa de areia de um gato, especialmente se a pessoa está grávida ou tem sistema imunológico comprometido. É importante evitar o contato com fezes de gatos infectados e manter as unhas dos gatos curtas para reduzir o risco de infecção.

Anticorpos antivirais são proteínas produzidas pelo sistema imunológico em resposta a uma infecção viral. Eles são específicos para um determinado tipo de vírus e sua função principal é neutralizar ou marcar o vírus para que outras células do sistema imunológico possam destruí-lo.

Os anticorpos se ligam a proteínas presentes na superfície do vírus, chamadas de antígenos, formando um complexo imune. Isso pode impedir que o vírus infecte outras células, pois a ligação do anticorpo ao antígeno muda a forma do vírus, tornando-o incapaz de se ligar e entrar nas células alvo. Além disso, os complexos imunes formados por anticorpos e vírus podem ser reconhecidos e destruídos por outras células do sistema imunológico, como macrófagos e neutrófilos.

A produção de anticorpos antivirais é uma parte importante da resposta imune adaptativa, o que significa que o corpo é capaz de "aprender" a se defender contra infecções virais específicas e produzir uma resposta imune mais rápida e forte em infecções futuras. A memória imunológica é desenvolvida durante a primeira exposição a um vírus, resultando na produção de células B de memória que podem rapidamente se diferenciar em plasmablastos e plasma celular produtores de anticorpos quando o indivíduo é re-exposto ao mesmo vírus.

Em resumo, os anticorpos antivirais são proteínas produzidas pelo sistema imunológico em resposta a infecções virais, que se ligam a antígenos virais e neutralizam ou marcam o vírus para destruição por outras células do sistema imunológico. A produção de anticorpos antivirais é uma parte importante da resposta imune adaptativa, fornecendo proteção duradoura contra infecções virais específicas.

Gonorreia é uma infecção sexualmente transmissível (IST) causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae. Essa bactéria pode infectar várias partes do corpo, incluindo o pênis, a garganta, os olhos e o reto. No entanto, é mais comumente encontrada na uretra (canal que transporta a urina para fora do corpo) em homens e no colo do útero e no canal cervical em mulheres.

Os sintomas da gonorreia podem variar consideravelmente, dependendo da localização da infecção. Em muitos casos, as pessoas infectadas não apresentam sintomas ou os sintomas são leves e passam despercebidos. Quando presentes, os sintomas geralmente surgem de 2 a 10 dias após a exposição à bactéria.

Em homens, os sintomas podem incluir:

- Dor ou ardor ao urinar
- Secreção uretral amarela, branca ou verde-amarelada
- Dor ou inchaço nos testículos (em casos graves)

Em mulheres, os sintomas podem incluir:

- Dor ou ardor ao urinar
- Secreção vaginal anormal (que pode ser amarela, verde ou espessa)
- Sangramento entre períodos menstruais ou sangramento abundante durante a menstruação
- Dor no abdômen inferior ou no baixo ventre

Em ambos os sexos, a gonorreia também pode causar infecções na garganta (faringite) e no reto (proctite), que geralmente não apresentam sintomas ou podem causar dor, coceira e secreção.

A gonorreia é geralmente tratada com antibióticos, como ceftriaxona ou ciprofloxacina. No entanto, o aumento da resistência a antibióticos tem tornado o tratamento mais desafiador em alguns casos. Além disso, as pessoas infectadas com gonorreia também podem estar infectadas com outras doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), como clamídia ou HIV, e devem ser testadas e tratadas adequadamente para essas infecções.

A prevenção da gonorreia inclui o uso consistente e correto do preservativo durante as relações sexuais, a limitação do número de parceiros sexuais e o rastreamento e tratamento adequados das pessoas infectadas e de seus parceiros.

Gnatostomíase é uma infecção parasitária causada pelo nematóide Gnatostoma spinigerum e outras espécies relacionadas. A infecção ocorre geralmente após a ingestão de larvas imaturos presentes em carne mal cozida ou peixe, especialmente no Sudeste Asiático. Os sintomas podem incluir dermatite cutânea pruriginosa e eritematosa, lesões subcutâneas migratórias e, em casos graves, complicações sistêmicas como miocardite, meningite e encefalite. O diagnóstico geralmente é confirmado pela detecção de larvas no tecido afetado ou por meio de exames sorológicos. O tratamento recomendado é a administração de anthelminthícos, como albendazol ou tiverpram, embora a eficácia possa ser variada. A prevenção inclui a evitação de comer carne mal cozida ou peixe cru ou mal cozido, especialmente em regiões endêmicas.

Fasciolíase é uma infecção parasitária causada por tremátodes (vermes planos) da espécie Fasciola hepatica ou Fasciola gigantica, que são comumente encontrados em ovinos e bovinos. Os humanos podem se infectar ao ingerirem vegetais contaminados com metacercárias (estágio infectante do parasita), geralmente presentes em águas poluídas ou vegetais crus cultivados em solo encharcado ou pantanoso.

A fasciolíase aguda geralmente ocorre dentro dos primeiros 2-3 meses após a infecção e é caracterizada por sintomas sistêmicos, como febre, calafrios, dor abdominal, diarreia, náuseas e vômitos. A fase crônica da doença pode ocorrer de 3 a 12 meses após a infecção e é geralmente associada a sintomas hepáticos, como dor no quadrante superior direito do abdômen, icterícia e distúrbios na função hepática. Em casos graves, a fasciolíase pode causar complicações, como peritonite, coleperitónio ou pancreatite.

O diagnóstico da fasciolíase geralmente é baseado em exames laboratoriais, como testes sorológicos e detecção de ovos ou larvas do parasita em fezes ou bile. O tratamento recomendado para a fasciolíase inclui medicamentos antiparasitários, como triclabendazol ou nitazoxanida, dependendo da gravidade da infecção e das características do parasita. A prevenção da fasciolíase envolve medidas de higiene adequadas, como cozinhar bem os vegetais e a carne, evitar consumir água contaminada e implementar programas de controle de parasitas em animais domésticos e na natureza.

'Doenças do Cão' não é um termo médico específico. No entanto, os cães, assim como os seres humanos, podem desenvolver uma variedade de condições e doenças ao longo de suas vidas. Algumas das doenças comuns em cães incluem:

1. Doença Periodontal: É uma infecção dos tecidos que sustentam os dentes, incluindo as gengivas, o ligamento periodontal e o osso alveolar. A acumulação de placa e cálculo pode levar à inflamação e, finalmente, à perda dos dentes se não for tratada.

2. Artrite: A artrose é uma forma comum de artrite em cães, especialmente em cães idosos. Afeta as articulações e pode causar dor, rigidez e diminuição da mobilidade.

3. Doença Cardíaca: Os cães podem desenvolver vários tipos de doenças cardíacas, incluindo doenças valvares, doenças miocárdicas e doenças congênitas. Essas condições podem levar a sintomas como falta de ar, tosse e diminuição da energia.

4. Câncer: Os cães podem desenvolver vários tipos de câncer, incluindo câncer de mama, câncer de pele e linfoma. O câncer é uma das principais causas de morte em cães mais velhos.

5. Diabetes: Os cães podem desenvolver diabetes do tipo 1 ou diabetes do tipo 2. A diabetes pode causar sintomas como aumento da micção, aumento da ingestão de água e perda de peso.

6. Doença Renal: A doença renal crônica é comum em cães mais velhos e pode levar a sintomas como aumento da micção, aumento da ingestão de água e vômitos.

7. Doenças Infecciosas: Os cães podem adquirir várias doenças infecciosas, incluindo parvovirose, moquillo e pneumonia. Essas condições podem causar sintomas graves, como vômitos, diarreia e febre.

8. Doença Hepática: Os cães podem desenvolver vários tipos de doenças hepáticas, incluindo hepatite e doença hepática crônica. Essas condições podem causar sintomas como aumento da micção, aumento da ingestão de água e icterícia.

9. Disfunção Tiroideana: Os cães podem desenvolver hipotireoidismo ou hipertireoidismo. Essas condições podem causar sintomas como aumento ou perda de peso, intolerância ao frio ou calor e letargia.

10. Doenças Oculares: Os cães podem desenvolver várias doenças oculares, incluindo glaucoma, catarata e distiquíase. Essas condições podem causar sintomas como dor ocular, fotofobia e visão reduzida.

Clonorchis sinensis, comumente conhecido como verme ou doupa de fígado chinês, é um parasita tremátodo que infecta o fígado e a vesícula biliar de humanos e outros animais. Ele pertence ao filo Platyhelminthes, classe Trematoda, família Heterophyidae.

A infecção humana por C. sinensis geralmente ocorre através do consumo de peixes ou crustáceos de água doce crus ou mal cozidos que contenham metacercários (estágio larval) do parasita. Após a ingestão, as larvas são libertadas no trato digestivo e migram para o fígado através da parede intestinal. No fígado, elas se desenvolvem em vermes adultos e residem na vesícula biliar e no ducto hepático comum, onde se alimentam de fluidos corporais e tecidos.

A infecção crónica por C. sinensis pode causar diversos sintomas, incluindo fadiga, perda de apetite, náuseas, vômitos, dor abdominal e icterícia (coloração amarela da pele e olhos). Além disso, a infecção crónica pode levar ao desenvolvimento de doenças graves, como cirrose hepática, câncer de fígado ou colecistite.

O tratamento para a infecção por C. sinensis geralmente consiste na administração de medicamentos anthelminthics, como praziquantel ou albendazol, que podem ajudar a eliminar o parasita do corpo. Além disso, é importante evitar a exposição ao parasita através da adoção de medidas adequadas de higiene alimentar, como cozinhar bem os peixes e crustáceos antes do consumo.

Imunofluorescência é uma técnica de laboratório utilizada em patologia clínica e investigação biomédica para detectar e localizar antígenos (substâncias que induzem a produção de anticorpos) em tecidos ou células. A técnica consiste em utilizar um anticorpo marcado com um fluoróforo, uma molécula fluorescente, que se une especificamente ao antígeno em questão. Quando a amostra é examinada sob um microscópio de fluorescência, as áreas onde ocorre a ligação do anticorpo ao antígeno irradiam uma luz característica da molécula fluorescente, permitindo assim a visualização e localização do antígeno no tecido ou célula.

Existem diferentes tipos de imunofluorescência, como a imunofluorescência direta (DFI) e a imunofluorescência indireta (IFA). Na DFI, o anticorpo marcado com fluoróforo se liga diretamente ao antígeno alvo. Já na IFA, um anticorpo não marcado é usado para primeiro se ligar ao antígeno, e em seguida um segundo anticorpo marcado com fluoróforo se une ao primeiro anticorpo, amplificando assim a sinalização.

A imunofluorescência é uma técnica sensível e específica que pode ser usada em diversas áreas da medicina, como na diagnose de doenças autoimunes, infecções e neoplasias, bem como no estudo da expressão de proteínas e outros antígenos em tecidos e células.

Parasitologia é a área da biologia e medicina que se dedica ao estudo dos parasitos - organismos que vivem sobre ou dentro de outros organismos, chamados hospedeiros, obtendo benefício às custas do hospedeiro. Isso inclui a sua classificação, morfologia, ciclo vital, fisiologia, patogenicidade, epidemiologia e controle de doenças associadas a parasitas. A parasitologia tem uma importante aplicação na saúde pública, pois muitos parasitos causam doenças em humanos e animais. Alguns exemplos de doenças parasitárias incluem malária, leishmaniose, toxoplasmose, e giardíase.

A equinococose pulmonar é uma infecção parasitária causada pelo estadiamento larval da Echinococcus granulosus ou Echinococcus multilocularis nos pulmões. A infecção ocorre geralmente após a ingestão de ovos do parasita excretados em fezes de cães ou outros animais caninos.

Após a ingestão, as larvas são libertadas no intestino e migram para outros órgãos, como o fígado e os pulmões, onde se desenvolvem em quistes. Esses quistes podem crescer lentamente ao longo de anos, causando sintomas quando atingem um tamanho suficiente para comprimir estruturas adjacentes ou se romperem.

Os sintomas da equinococose pulmonar podem incluir tosse crônica, dor no peito, falta de ar e hemoptise (expectoração de sangue). O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames de imagem, como radiografias ou tomografias computadorizadas, que mostram a presença dos quistes nos pulmões. O tratamento pode incluir cirurgia para remover os quistes e terapia medicamentosa com drogas antiparasitárias, como albendazol ou mebendazol, para prevenir a disseminação do parasita.

A infecção por VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana) é uma doença infecto-contagiosa causada pelo vírus do HIV. O vírus destrói os glóbulos brancos chamados linfócitos CD4, que são uma parte importante do sistema imunológico do corpo e ajudam a proteger contra infecções e doenças. Se o HIV não for tratado, pode levar ao desenvolvimento do SIDA (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida), que é a fase avançada da infecção por VIH.

A infecção por VIH pode ser transmitida por contato com sangue, fluidos corporais infectados, incluindo sêmen, fluido vaginal, líquido pré-ejaculatório, leite materno e fluidos rectais, durante relações sexuais desprotegidas, compartilhamento de agulhas contaminadas ou de outras formas de exposição a sangue infectado.

Os sintomas iniciais da infecção por VIH podem incluir febre, garganta inflamada, dores de cabeça, erupções cutâneas e fadiga. No entanto, muitas pessoas infectadas pelo vírus não apresentam sintomas iniciais ou os sintomas desaparecem após algumas semanas. A infecção por VIH pode ser diagnosticada por meio de testes de sangue que detectam a presença de anticorpos contra o vírus ou do próprio vírus em um exame de sangue.

Embora não exista cura para a infecção por VIH, os medicamentos antirretrovirais podem controlar a replicação do vírus e ajudar a prevenir a progressão da doença para o SIDA. Com o tratamento adequado, as pessoas infectadas pelo VIH podem viver uma vida longa e saudável. Além disso, a prevenção é fundamental para reduzir a transmissão do vírus, incluindo o uso de preservativos, a realização de testes regulares de VIH e a adoção de outras práticas sexuais seguras.

As "Fitas Reagentes" são dispositivos diagnósticos portáteis e descartáveis utilizados para detectar a presença ou ausência de determinadas substâncias químicas, como drogas ilícitas, em amostras de urina, saliva ou sangue. Elas consistem em uma faixa de material absorvente alongada com duas linhas indicadoras: uma linha de teste e uma linha de controle.

A amostra é adicionada na extremidade da fita, onde ela se combina com os reagentes químicos presentes no material absorvente. Se a substância alvo estiver presente na amostra, haverá uma reação química que produzirá um resultado visível, geralmente em forma de mancha ou linha, na linha de teste. A linha de controle serve como um indicador de que o volume mínimo de amostra foi aplicado corretamente e que o dispositivo está funcionando adequadamente.

É importante ressaltar que as fitas reagentes fornecem apenas resultados preliminares e não podem ser utilizadas como prova definitiva de uso ou exposição à substância alvo. Todos os resultados positivos devem ser confirmados por métodos analíticos mais precisos, geralmente realizados em laboratórios especializados.

Clonorquíase é uma infecção parasitária causada pelo tremátodo Clonorchis sinensis, também conhecido como verme de fígado chinês. Este parasita é transmitido ao ser humano através da ingestão de crustáceos d'água doce infectados, como camarões e caranguejos. Após a ingestão, os larvas do parasita migram para o fígado, onde se desenvolvem em adultos e podem causar inflamação, fibrose e danos nos tecidos hepáticos.

Os sintomas da clonorquíase podem incluir:

* Dor abdominal
* Náusea e vômitos
* Perda de apetite
* Fadiga
* Perda de peso
* Icterícia (coloração amarela da pele e olhos)

Em casos graves, a infecção pode levar ao desenvolvimento de doenças hepáticas crónicas, como cirrose e câncer de fígado. O diagnóstico geralmente é confirmado pela deteção de ovos do parasita nas fezes ou no fluido biliar. O tratamento geralmente consiste na administração de medicamentos antiparasitários, como praziquantel ou albendazol.

A leptospirose é uma doença infecciosa aguda causada pela bactéria Leptospira. Essa bactéria pode ser encontrada em ambientes aquáticos e húmidos contaminados com urina de animais infectados, especialmente ratos. Os humanos podem adquirir a infecção através do contato direto com solo ou água contaminados, ou por meio da exposição a urina de animais infectados. A leptospirose pode causar uma variedade de sintomas, que variam de leves a graves, incluindo febre alta, dores de cabeça, náuseas, vômitos, dor abdominal, erupções cutâneas e problemas renais. Em casos graves, a leptospirose pode causar insuficiência renal ou hepática, hemorragias internas e morte. O diagnóstico geralmente é confirmado por meio de exames de sangue ou urina que detectam a presença da bactéria ou de anticorpos contra ela. O tratamento geralmente consiste em antibióticos, especialmente penicilinas e doxiciclina, e cuidados de suporte para os sintomas mais graves. A prevenção inclui a vacinação de animais domésticos e o controle de roedores, bem como o uso de equipamentos de proteção individual, como luvas e botas, durante atividades que possam expor indivíduos à bactéria.

"Fasciola" é um género de tremátodes planares (vermes achatados) que pertencem à classe Trematoda. Estes parasitas são mais conhecidos por causarem uma doença chamada fascilolose em humanos e outros animais, particularmente ovinos e bovinos. A espécie mais comum é a Fasciola hepatica, também conhecida como "verme-do-fígado".

A infecção ocorre quando os indivíduos ingerem vegetação contaminada com metacercários (estágio de vida do parasita) presentes em água ou solo sujo. Os metacercários libertam-se no trato digestivo, perfuram a parede intestinal e migram para o fígado, onde se desenvolvem em adultos. Estes adultos vivem nos conductos biliares, põem ovos que são excretados pelas fezes e contaminam o ambiente novamente.

Os sintomas da fascilolose podem incluir dor abdominal, diarreia, náuseas, vômitos, perda de peso e icterícia (coloração amarela da pele e olhos). Em casos graves, a infecção pode causar danos hepáticos significativos. O diagnóstico geralmente é confirmado pela deteção dos ovos do parasita em fezes ou por meio de exames serológicos que detectam anticorpos contra a Fasciola no sangue.

O tratamento da fascilolose geralmente consiste na administração de medicamentos anthelminthícos, como o triclabendazol ou o bitossazol, que são eficazes em matar os adultos e as larvas do parasita. A prevenção inclui a melhoria da qualidade da água potável, a desinfecção de vegetais antes do consumo e a administração profilática de medicamentos anthelminthícos em animais domésticos e gado.

Los tests de fijación del látex, también conocidos como pruebas de fijación del látex o reacción al látex, son un tipo de examen diagnóstico utilizado en medicina, específicamente en el campo de la patología. Estos exámenes se basan en la capacidad del suero sanguíneo de producir una reacción visible cuando entra en contacto con proteínas extrañas o antígenos presentes en células u organismos, como bacterias o virus.

En los tests de fijación del látex, se mezcla una muestra de suero sanguíneo con partículas de látex sensibilizadas con anticuerpos específicos contra un antígeno dado. Si el suero contiene anticuerpos contra ese antíteno, se producirá una aglutinación o unión entre las partículas de látex y los anticuerpos, formando una masa visible que indica la presencia de una reacción positiva.

Estos tests son particularmente útiles en el diagnóstico de diversas enfermedades infecciosas, como meningitis causada por Neisseria meningitidis, infecciones por Streptococcus pneumoniae y otros tipos de bacterias. Además, también se utilizan en la detección de anticuerpos contra ciertos antígenos tumorales, lo que puede ayudar en el diagnóstico y seguimiento del cáncer.

A pesar de su utilidad, los tests de fijación del látex tienen algunas limitaciones, como la posibilidad de resultados falsos positivos o negativos, dependiendo de diversos factores, como la calidad de las muestras o la presencia de interferencias en el suero. Por lo tanto, es importante interpretar los resultados de estas pruebas junto con otros datos clínicos y de laboratorio para asegurar un diagnóstico preciso y confiable.

Antígenos fúngicos se referem a substâncias extraídas de fungos que podem ser reconhecidas pelo sistema imune como estrangeiras, desencadear uma resposta imune e produzir uma reação imune mensurável. Eles são frequentemente utilizados em testes diagnósticos para identificar infecções fúngicas específicas.

Existem diferentes tipos de antígenos fúngicos, dependendo do tipo de fungo em questão. Alguns exemplos incluem:

1. Antígeno galactomanano (AGM): um polissacarídeo extraído do Aspergillus fumigatus, que é frequentemente usado no diagnóstico de aspergilose invasiva.
2. Antígeno 1,3-β-D-glucano (BDG): um polissacarídeo presente em vários fungos patogênicos, incluindo Candida, Aspergillus e Pneumocystis jirovecii, que pode ser usado no diagnóstico de infecções fúngicas invasivas.
3. Antígenos proteicos: alguns fungos produzem proteínas específicas que podem ser detectadas em soro ou outros fluidos corporais, como a proteína de 65 kDa do Histoplasma capsulatum e a proteína de 37 kDa da Coccidioides immitis.

A detecção de antígenos fúngicos pode ser feita por meio de várias técnicas laboratoriais, como ELISA (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay), lateral flow assays e testes de imunodifusão. A interpretação dos resultados desses testes deve levar em consideração a possibilidade de falsos positivos e falsos negativos, bem como a necessidade de confirmação laboratorial adicional por meio de cultura ou outros métodos diagnósticos.

As infecções parasitárias do sistema nervoso central (IPSNC) referem-se a infestações por parasitas que invadem o sistema nervoso central (SNC), incluindo o cérebro e medula espinhal. Essas infecções podem ser causadas por vários tipos de parasitas, como protozoários (como Toxoplasma gondii, Plasmodium spp., Naegleria fowleri) e helmintos (como cisticercose, echinococcoses).

A infecção pode ocorrer através da disseminação hematogênica ou por contiguidade a partir de outras localizações no corpo. Os sinais e sintomas clínicos variam dependendo do tipo de parasita, mas podem incluir: cefaleia, náuseas, vômitos, convulsões, alterações mentais, fraqueza muscular, rigidez da nuca, fadiga e, em casos graves, coma. O diagnóstico geralmente requer a detecção do parasita ou de seus produtos metabólicos no líquor cerebrospinal (CSF) ou tecidos do SNC. O tratamento depende do tipo específico de parasita e pode incluir medicamentos antiparasitários, corticosteroides e outras terapias de suporte. A prevenção é geralmente feita através da higiene pessoal e ambiental adequada, controle de vetores e vacinação, quando disponível.

"Taenia solium" é um parasita tapeworm que afeta o sistema gastrointestinal humano. A infecção por este parasita ocorre quando um indivíduo ingere ovos de T. solium presentes em fezes humanas ou alimentos contaminados. Após a ingestão, os ovos eclodem no intestino delgado, liberando oncosferas que se fixam na mucosa intestinal e migram para outros tecidos corporais, principalmente músculos e cérebro, causando uma doença chamada cisticercose.

A infecção por T. solium geralmente é assintomática no hospedeiro definitivo (humano), mas os sintomas podem incluir náusea, vômitos, diarreia ou constipação leves e perda de apetite. No entanto, a cisticercose pode causar sintomas graves, como convulsões, cefaleias, alterações visuais e neurológicas, dependendo do local e da extensão da infestação.

A prevenção da infecção por T. solium inclui a prática de higiene adequada, especialmente o lavado das mãos antes de comer ou preparar alimentos, a cozinha completa dos porcos e a inspeção adequada dos alimentos para detectar quaisquer sinais de contaminação fecal. O tratamento da infecção por T. solium geralmente inclui medicamentos anthelminthics, como niclosamida ou praziquantel, bem como medidas de suporte para gerenciar os sintomas associados à cisticercose.

Um abscesso hepático amebiano é uma complicação infecciosa do fígado causada pela invasão e multiplicação da espécie de protozoário Entamoeba histolytica. Essas amebas podem se originar a partir de uma infecção intestinal amebiana invasiva que se espalha para o fígado através do sangue.

Os abscessos hepáticos amebianos geralmente se apresentam como massas únicas ou múltiplas, com pus, no fígado. Eles podem causar sintomas como dor abdominal no quadrante superior direito, febre, suores noturnos, perda de apetite e perda de peso. Em casos graves, os abscessos hepáticos amebianos podem se romper e causar peritonite, uma infecção grave do revestimento do abdômen.

O diagnóstico geralmente é feito com exames de imagem, como ultrassom ou tomografia computadorizada, e a confirmação da presença de E. histolytica pode ser feita por meio de análises de sangue ou amostras de líquido do abscesso. O tratamento geralmente consiste em medicamentos antibióticos específicos para matar as amebas, como metronidazol ou tinidazol, e possivelmente drenagem cirúrgica do abscesso se estiver causando complicações graves.

Os estudos soroepidemiológicos são um tipo específico de pesquisa epidemiológica que envolve a análise de amostras de soro, ou fluidos corporais similares, para avaliar a prevalência e distribuição de anticorpos ou outros marcadores biológicos relacionados a doenças infecciosas em populações específicas.

Esses estudos podem fornecer informações valiosas sobre a exposição à doença, a imunidade adquirida naturalmente e a propagação de doenças infecciosas em uma comunidade ou população. Além disso, os dados coletados nesses estudos podem ser usados para avaliar a eficácia de vacinas e outras intervenções de saúde pública, bem como para informar as políticas de saúde pública e a tomada de decisões clínicas.

Os estudos soroepidemiológicos geralmente envolvem a coleta de amostras de sangue ou outros fluidos corporais de indivíduos em uma população específica, seguida pela análise laboratorial das amostras para detectar a presença de anticorpos ou outros marcadores biológicos relacionados à doença em estudo. Esses dados são então analisados em conjunto com informações demográficas e clínicas sobre os participantes do estudo para avaliar a prevalência e distribuição da doença em questão.

Em resumo, os estudos soroepidemiológicos são uma ferramenta importante na vigilância de saúde pública e pesquisa clínica, fornecendo informações valiosas sobre a prevalência e distribuição de doenças infecciosas em populações específicas.

De acordo com a medicina, prostituição é geralmente definida como o ato de participar ou se engajar em atos sexuais comerciais por dinheiro ou outras formas de compensação. Essas atividades sexuais podem incluir relações sexuais completas, mas também podem incluir outros atos sexualmente sugestivos, como striptease ou masturbação. A pessoa que oferece esses serviços é chamada de prostituta (se feminina) ou prostituto (se masculino), e a pessoa que paga por esses serviços é chamada de cliente.

A prostituição é uma atividade ilegal em muitos lugares, mas em algumas jurisdições, é legal ou tolerada sob certas condições. A prática da prostituição pode estar associada a questões de saúde pública, como a propagação de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs), e também pode levantar preocupações éticas e sociais em relação à exploração e às desigualdades de gênero. Além disso, a prostituição pode estar associada a outras formas de criminalidade, como o tráfico de pessoas e a exploração sexual de crianças.

Um imunoensaio é um método de laboratório utilizado para detectar e quantificar substâncias específicas, chamadas analitos, em amostras biológicas como sangue ou urina. Ele funciona através da interação entre um anticorpo ou antígeno marcado, que se liga especificamente ao analito alvo, e uma sonda de detecção que permite a visualização do complexo formado.

Existem diferentes tipos de imunoensaios, como ELISA (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay), Western blot, quimioluminescência e imunofluorescência, entre outros. Cada um desses métodos tem suas próprias vantagens e desvantagens, dependendo do tipo de analito a ser detectado e da sensibilidade e especificidade desejadas.

Os imunoensaios são amplamente utilizados em diagnóstico clínico, pesquisa biomédica e controle de qualidade de alimentos e drogas, por exemplo, para detectar marcadores de doenças infecciosas, alergias, drogas ilícitas, hormônios, proteínas e outras substâncias presentes em amostras biológicas.

As técnicas imunoenzimáticas são métodos de análise laboratorial que utilizam reações antígeno-anticorpo para detectar e quantificar substâncias específicas em amostras biológicas. Nestes métodos, enzimas são usadas como marcadores para identificar a presença de um antígeno ou anticorpo alvo. A interação entre o antígeno e o anticorpo é seguida por uma reação enzimática que gera um sinal detectável, como mudança de cor ou produção de luz, o que permite a medição da quantidade do antígeno ou anticorpo presente na amostra.

Existem vários tipos de técnicas imunoenzimáticas, incluindo ELISA (Enzyme-Linked Immunosorbent Assay), Western blotting e immunofluorescência. Estes métodos são amplamente utilizados em diagnóstico clínico, pesquisa biomédica e controle de qualidade alimentar e ambiental para detectar uma variedade de substâncias, como proteínas, hormônios, drogas, vírus e bactérias.

Babesia é um protozoário, um tipo de parasita unicelular, que infecta glóbulos vermelhos (hemácias) em mamíferos, incluindo humanos. A infecção por Babesia é chamada de babesiose ou piroplasmose. Existem mais de 100 espécies de Babesia que podem infectar vários animais selvagens e domésticos, mas as duas espécies mais comuns que causam doença em humanos são Babesia microti e Babesia divergens.

A infecção por Babesia geralmente ocorre através da picada de carrapatos infectados, especialmente os do gênero Ixodes. Em áreas endêmicas, as pessoas podem adquirir a infecção por contato com animais selvagens ou domésticos que servem como hospedeiros reservatórios. Após a infecção, os parasitos Babesia se multiplicam nos glóbulos vermelhos e podem causar uma variedade de sintomas, dependendo da espécie do parasita e da saúde geral do hospedeiro.

Os sintomas da babesiose podem incluir febre, dor de cabeça, fadiga, suores noturnos, dores musculares e articulares, náuseas, vômitos e icterícia (coloração amarela da pele e olhos). Em casos graves, a infecção pode causar anemia hemolítica grave, insuficiência orgânica e, em alguns casos, morte. O diagnóstico geralmente é confirmado por exames de sangue que detectam a presença do parasita ou seus antígenos.

O tratamento da babesiose geralmente consiste na administração de antibióticos, como azitromicina ou clindamicina, combinados com quinina ou atovaquona. Em casos graves, o tratamento pode exigir hospitalização e transfusões de sangue. A prevenção da babesiose inclui a proteção contra picadas de carrapatos, a eliminação de carrapatos de animais domésticos e a evitação do contato com animais selvagens que possam hospedar o parasita.

A Medicina Veterinária é a ciência e a prática relacionadas à prevenção, diagnóstico e tratamento de doenças, lesões e condições físicas anormais em animais. Também inclui a promoção da saúde e o bem-estar dos animais, além de fornecer cuidados de saúde preventivos e educação para os proprietários de animais e a comunidade em geral. A Medicina Veterinária abrange uma ampla gama de espécies, desde animais de companhia, como cães e gatos, até animais de produção, como gado, suínos e aves, bem como cavalos e outros animais selvagens e exóticos. Os profissionais de Medicina Veterinária trabalham em diversos ambientes, tais como clínicas e hospitais veterinários, zoológicos, centros de pesquisa, organizações governamentais e semipúblicas, indústrias farmacêuticas e de biotecnologia, além de atuar em programas de saúde pública e de controle de doenças.

As técnicas de laboratório clínico são métodos sistemáticos e normalizados utilizados para realizar análises em amostras biológicas, como sangue, urina e tecidos, a fim de fornecer informações diagnósticas, pronósticas ou terapêuticas sobre o estado de saúde de um indivíduo. Essas técnicas envolvem uma variedade de procedimentos, como química clínica, hematologia, microbiologia, imunologia, citogenética e bioquímica, entre outros. Algumas das técnicas laboratoriais comuns incluem:

1. Testes bioquímicos: Análise de níveis de substâncias químicas no sangue ou outras fluidos corporais, como glicose, colesterol, eletrólitos e enzimas.
2. Hematologia: Contagem e avaliação das características dos glóbulos vermelhos, glóbulos brancos e plaquetas no sangue.
3. Microbiologia: Identificação e sensibilidade a antibióticos de bactérias, fungos e parasitos presentes em amostras clínicas.
4. Imunologia: Determinação da presença e quantidade de anticorpos ou antígenos específicos no sangue ou outros fluidos corporais.
5. Citogenética: Análise do cariótipo das células, isto é, o número e a aparência dos cromossomos, para detectar anomalias genéticas.
6. Testes moleculares: Identificação de DNA ou RNA específicos usando técnicas como PCR (reação em cadeia da polimerase) ou sequenciamento de genes.

As técnicas de laboratório clínico são essenciais para o diagnóstico, tratamento e monitoramento de doenças, fornecendo informações precisas sobre a saúde dos pacientes e orientando as decisões clínicas.

Contraimunoeletroforese (CIE) é um procedimento de laboratório utilizado para a detecção e quantificação de imunocomplexos. É essencialmente uma variação da técnica de imunoeletroforese, na qual uma amostra contendo antígenos é colocada em um gel e então uma corrente elétrica é aplicada. Os anticorpos marcados são então introduzidos no outro extremo do gel.

Quando a corrente elétrica é aplicada, os antígenos migram para o ânodo (catodo) e os anticorpos marcados migram para o cátodo (ânodo). Quando os antígenos e anticorpos se encontram no meio do gel, eles formam imunocomplexos. Esses imunocomplexos são então detectados e quantificados por diferentes métodos, dependendo da marcação utilizada nos anticorpos.

A CIE é uma técnica útil na pesquisa de imunologia e medicina diagnóstica, especialmente na detecção de autoanticorpos e complexos imunes em doenças como lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatoide e outras doenças autoimunes.

Burkholderia mallei é um tipo de bactéria gram-negativa, aeróbia e flagelada que causa a doença conhecida como Morelha ou Glanders. Essa bactéria é altamente patogênica para humanos e animais, especialmente cavalos, burros e mulas. A transmissão entre humanos é rara, mas pode ocorrer através do contato direto com animais infectados ou de materiais contaminados.

A Morelha é uma doença ocupacional que afeta principalmente pessoas que trabalham em contato próximo com animais infectados, como veterinários, profissionais de zoonoses e trabalhadores agrícolas. A infecção pode ocorrer por inalação de partículas contaminadas ou por contato direto com lesões na pele.

A doença apresenta sintomas variados, dependendo da localização da infecção. Os sintomas mais comuns incluem febre alta, tosse, dificuldade para respirar, inflamação dos gânglios linfáticos e úlceras na pele. Em casos graves, a infecção pode disseminar-se pelo corpo, levando a complicações como pneumonia, meningite ou sepse.

O tratamento da Morelha geralmente requer antibioticoterapia prolongada com medicamentos como ceftazidima, meropenem ou cotrimoxazol. A prevenção é essencial e inclui a vacinação de animais suscetíveis, o controle da doença em populações animais e a adoção de medidas de higiene adequadas para evitar a exposição humana à bactéria.

'Borrelia' é um gênero de bactérias que causam doenças transmitidas por carrapatos. Essas bactérias são espirais em forma e móveis, o que as fazem ser classificadas como espiroquetas. Elas são gram-negativas, o que significa que eles não retêm o corante crystal violet usado no processo de coloração de Gram.

Existem várias espécies de 'Borrelia' que podem infectar humanos e causar diferentes doenças. A mais conhecida é a 'Borrelia burgdorferi', que causa a Doença de Lyme, uma infecção sistêmica que pode afetar o sistema nervoso, articulações, pele e outros órgãos. Outras espécies de 'Borrelia' podem causar doenças como a Febre Recorrente, transmitida pela picada de carrapato-do-coelho e a Doença de Bourbon, transmitida por carrapatos da espécie 'Amblyomma americanum'.

O diagnóstico e tratamento precoces das infecções causadas por 'Borrelia' são importantes para prevenir complicações e danos a longo prazo à saúde. O tratamento geralmente consiste em antibióticos, como a doxiciclina ou ceftriaxona, administrados por via oral ou intravenosa, dependendo da gravidade da infecção e dos sintomas clínicos.

No contexto médico, "profissionais do sexo" geralmente se refere a pessoas que recebem pagamento em troca de serviços sexuais. Este termo é muitas vezes usado em estudos de saúde sexual e reprodutiva, pesquisas sobre doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e programas de redução de danos relacionados ao trabalho sexual.

É importante notar que a atividade dos profissionais do sexo é criminalizada ou marginalizada em muitas jurisdições, o que pode dificultar o acesso à assistência sanitária e à prevenção de DSTs. Alguns programas de saúde pública buscam abordagens harm reductionistas, fornecendo recursos e educação para promover a saúde e reduzir os riscos associados ao trabalho sexual.

De acordo com a Mayo Clinic, Neospora é uma doença parasitária que pode afetar animais, especialmente gado e cães. O parasita responsável pela doença pertence ao género Neospora caninum. Embora os seres humanos possam entrar em contacto com o parasita, a doença não é considerada uma zoonose importante, o que significa que raramente é transmitida dos animais aos seres humanos.

A Neosporose pode causar diversos problemas de saúde em animais, incluindo avortamentos espontâneos em vacas grávidas e paralisia nos cães jovens. A doença é geralmente transmitida por via oral, através do consumo de água ou alimentos contaminados com os oocistos (estágios infectivos) do parasita.

Embora a Neosporose não seja considerada uma doença humana importante, casos raros de infecção em seres humanos têm sido relatados, particularmente em pessoas com sistemas imunitários debilitados. No entanto, é importante notar que a maioria das infecções em seres humanos não causa sintomas graves e podem passar despercebidas.

Em resumo, Neospora é uma doença parasitária que afeta principalmente animais, como gado e cães, sendo raramente transmitida aos seres humanos. A maioria das infecções em seres humanos não causa sintomas graves, mas casos raros de doença grave têm sido relatados em pessoas com sistemas imunitários debilitados.

Gestação, ou gravidez, é o processo fisiológico que ocorre quando um óvulo fertilizado se fixa na parede uterina e se desenvolve em um feto, resultando no nascimento de um bebê. A gravidez geralmente dura cerca de 40 semanas a partir do primeiro dia da última menstruação e é dividida em três trimestres, cada um com aproximadamente 13 a 14 semanas.

Durante a gravidez, o corpo da mulher sofre uma série de alterações fisiológicas para suportar o desenvolvimento do feto. Algumas das mudanças mais notáveis incluem:

* Aumento do volume sanguíneo e fluxo sanguíneo para fornecer oxigênio e nutrientes ao feto em desenvolvimento;
* Crescimento do útero, que pode aumentar de tamanho em até 500 vezes durante a gravidez;
* Alterações na estrutura e função dos seios para prepará-los para a amamentação;
* Alterações no metabolismo e no sistema imunológico para proteger o feto e garantir seu crescimento adequado.

A gravidez é geralmente confirmada por meio de exames médicos, como um teste de gravidez em urina ou sangue, que detecta a presença da hormona gonadotrofina coriônica humana (hCG). Outros exames, como ultrassom e amniocentese, podem ser realizados para monitorar o desenvolvimento do feto e detectar possíveis anomalias ou problemas de saúde.

A gravidez é um processo complexo e delicado que requer cuidados especiais para garantir a saúde da mãe e do bebê. É recomendável que as mulheres grávidas procuram atendimento médico regular durante a gravidez e sigam um estilo de vida saudável, incluindo uma dieta equilibrada, exercícios regulares e evitando comportamentos de risco, como fumar, beber álcool ou usar drogas ilícitas.

Periostite é uma condição médica que afeta o periósteo, a membrana que reveste os ossos. Ela é caracterizada por inflamação e dor na região afetada. A periostite costal, por exemplo, é uma inflamação do periósteo das costelas e geralmente é causada por esforços repetitivos ou sobrecarga, como no caso de atletas que praticam corrida ou exercícios de impacto. Os sintomas podem incluir dor na região do tórax, especialmente ao inspirar profundamente ou tossir, e melhoramento com o repouso. O tratamento geralmente inclui descanso, fisioterapia e medicamentos anti-inflamatórios.

Cysticercus é a forma larval do tênia (também conhecido como solitária ou verme solitário), um tipo de verme planador que pode infectar humanos e outros animais. A infestação por esses parasitas ocorre mais comumente através da ingestão de alimentos ou água contaminados com ovos do tênia, geralmente provenientes de fezes de humanos ou animais infectados.

Após a ingestão, os ovos eclodem no trato digestivo, libertando oncosferas (larvas) que penetram na mucosa intestinal e migram para outros tecidos e órgãos, como músculos, cérebro e olhos. Nesses locais, as larvas se desenvolvem em cisticercos, formando vesículas cheias de líquido contendo a cabeça do parasita (escólex) e segmentos imaturos (proglotis).

Em humanos, a infestação por cisticercos pode causar uma doença chamada cisticercose. Os sintomas variam conforme o local da infecção e podem incluir convulsões, inflamação cerebral, dor de cabeça, problemas visuais, debilidade muscular ou lesões cutâneas. O tratamento geralmente consiste em medicamentos antiparasitários, combinados com outros procedimentos médicos e cirúrgicos, dependendo da localização e gravidade da infecção.

L'ehrlichiose è una malattia infettiva causata da batteri appartenenti al genere Ehrlichia, che sono trasmessi all'uomo attraverso la puntura di zecche infette. Esistono diverse specie di Ehrlichia che possono causare questa malattia, tra cui Ehrlichia chaffeensis e Ehrlichia ewingii.

I sintomi dell'ehrlichiose possono variare, ma spesso includono febbre alta, brividi, mal di testa, dolori muscolari e articolari, stanchezza e perdita di appetito. Alcune persone possono anche sviluppare eruzioni cutanee o gonfiore dei linfonodi. In casi più gravi, la malattia può causare complicazioni come danni ai tessuti polmonari, renali o epatici, e in rari casi può essere fatale.

La diagnosi di ehrlichiose si basa sui sintomi del paziente, sull'esposizione a zecche infette e sui risultati dei test di laboratorio, come il rilevamento dell'agente patogeno nel sangue o la presenza di anticorpi contro l'Ehrlichia. Il trattamento prevede generalmente l'uso di antibiotici, come la doxiciclina, per uccidere i batteri e alleviare i sintomi.

Per prevenire l'ehrlichiose, è importante prendere precauzioni quando si trascorre del tempo all'aperto in aree dove sono presenti zecche infette. Ciò può includere l'uso di repellenti per insetti, l'indossare abiti protettivi e controllare il corpo per zecche dopo essere stati all'aperto. Rimuovere rapidamente le zecche che si attaccano alla pelle può anche aiutare a prevenire la trasmissione dell'infezione.

A doença de Chagas é uma infecção tropical causada pelo protozoário Trypanosoma cruzi, transmitida principalmente pela fezes das baratas-da-palha (Triatoma infestans) quando entram em contato com mucosas ou feridas na pele, geralmente através de picadas ou excrementos desses insetos. Também pode ser transmitida por transfusão sanguínea, consumo de alimentos contaminados, placenta durante o parto e relações sexuais.

A doença de Chagas apresenta duas fases: aguda e crônica. A fase aguda geralmente é assintomática ou pode causar sintomas leves, como febre, inflamação nos locais de inoculação, dor abdominal, diarréia e vômitos. Após alguns meses ou anos, a infecção pode evoluir para a fase crônica, que pode ser classificada em indeterminada (sem sintomas ou alterações nos exames), cardíaca (com danos ao músculo cardíaco e risco de morte devido à insuficiência cardíaca congestiva, arritmias e outras complicações) ou digestiva (com comprometimento do esôfago ou cólon, causando dificuldade para engolir ou constipação).

A doença de Chagas é endêmica em países da América Latina, mas casos importados ocorrem em outras regiões devido à migração. O tratamento na fase aguda geralmente inclui medicamentos como benznidazol ou nifurtimox para eliminar o parasito. Na fase crônica, o tratamento se concentra em gerenciar os sintomas e complicações, especialmente no caso da forma cardíaca ou digestiva da doença. A prevenção inclui o controle dos vetores, a higiene pessoal e ambiental, a doação de sangue e órgãos segura e a educação sobre os riscos e sinais da doença.

Toxocariasis é uma infecção parasitaria causada por larvas de nemátodos do gênero Toxocara, comumente T. canis (do cão) e T. cati (do gato). A infecção ocorre quando as larvas eclodem dos ovos ingeridos, principalmente por via oral-oral ou pela ingestão de vegetais contaminados, e migram para diferentes tecidos corporais, como fígado, pulmões e olhos. Embora a maioria das infecções seja assintomática, sintomas como febre, tosse, dor abdominal e erupção cutânea podem ocorrer. A forma grave da doença, conhecida como toxocarose visceral ou oftalmológica, pode causar complicações graves, especialmente em crianças. O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames sorológicos e a prevenção inclui medidas de higiene adequadas, como lavagem das mãos após o contato com animais domésticos ou solo contaminado, além do tratamento adequado dos animais infectados.

As infecções por Treponema referem-se a um grupo de doenças causadas pela bactéria espiral Gram-negativa, chamada Treponema. Existem quatro principais doenças causadas por diferentes subespecies de Treponema:

1. Treponema pallidum ssp. pallidum causa a sífilis, uma doença sexualmente transmissível que pode resultar em diversos sintomas e complicações sistêmicas graves se não for tratada adequadamente. A sífilis tem quatro estágios: primário, secundário, latente e terciário. Cada etapa é caracterizada por diferentes sinais e sintomas.

2. Treponema pallidum ssp. endemicum causa a bejel ou pian bois, uma doença que afeta principalmente crianças em comunidades fechadas em regiões áridas e semi-áridas. A bejel é geralmente transmitida por contato direto com lesões na pele ou mucosas infectadas. Os sintomas incluem chancros genitais, úlceras na pele e mucosas, inflamação dos gânglios linfáticos e problemas ósseos.

3. Treponema pallidum ssp. pertenue causa o pian ou frambésia, uma doença tropical que afeta principalmente a pele e os tecidos moles. O pian é geralmente transmitido por contato direto com lesões na pele ou mucosas infectadas. Os sintomas incluem chancros genitais, úlceras na pele e mucosas, inflamação dos gânglios linfáticos e formação de nódulos subcutâneos (goma).

4. Treponema carateum causa o pinta, uma doença tropical que afeta principalmente a pele. O pinta é transmitido por contato direto com lesões na pele ou mucosas infectadas e geralmente ocorre em áreas de clima quente e úmido. Os sintomas incluem manchas vermelhas e escamosas na pele, que podem se tornar pálidas ou hiperpigmentadas ao longo do tempo.

O tratamento para as infecções por Treponema depende do tipo de infecção e pode incluir antibióticos, como a penicilina, administrados por via intramuscular ou oral. É importante procurar atendimento médico imediatamente se suspeitar de uma infecção por Treponema, pois o tratamento precoce pode ajudar a prevenir complicações graves e a transmissão da doença para outras pessoas. Além disso, é recomendável que as pessoas sejam testadas regularmente para detectar infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), incluindo as causadas por Treponema, e adotem práticas sexuais seguras para reduzir o risco de infecção.

Uma úlcera é uma lesão aberta na pele ou em uma mucosa (membrana que reveste as superfícies internas dos órgãos tubulares) geralmente causada por necrose (morte de tecido) devido a exposição contínua a um fator danoso, como ácidos gástricos, enzimas digestivas, bactérias ou pressão. As úlceras podem ocorrer em diferentes partes do corpo, mas as mais comuns são as úlceras pépticas (gástrica e duodenal) e as úlceras de décubito (pressão). A úlcera gástrica afeta a mucosa do estômago, enquanto a úlcera duodenal ocorre no duodeno, o primeiro segmento do intestino delgado. As úlceras pépticas são frequentemente causadas por uma infecção bacteriana por Helicobacter pylori e/ou uso prolongado de anti-inflamatórios não esteroides (AINEs). As úlceras de décubito geralmente ocorrem em indivíduos com mobilidade reduzida, como idosos ou pessoas com deficiência, devido à pressão constante sobre a pele, especialmente em áreas sobre os ossos, como sacro e calcanhar. O tratamento das úlceras inclui medicação para neutralizar ou reduzir a produção de ácido gástrico, antibióticos para tratar infecções bacterianas e cuidados especiais com a ferida, como limpeza e curativos.

A especificidade dos anticorpos é um conceito na imunologia que se refere à capacidade de um anticorpo de se ligar a um antígeno específico e distinto. Isso significa que um anticorpo específico só se vinculará e reconhecerá uma determinada estrutura molecular, ou epítopo, em um antígeno. Essa interação é altamente sélectiva e dependente da conformação, o que permite que o sistema imune identifique e distingua entre diferentes patógenos e substâncias estrangeiras.

Quando um anticorpo se une a um antígeno com especificidade, isso geralmente desencadeará uma resposta imune adaptativa, que pode incluir a ativação de células imunes e a destruição do patógeno ou substância estrangeira. A especificidade dos anticorpos é crucial para garantir que o sistema imune responda adequadamente às ameaças reais, enquanto minimiza as respostas imunes desnecessárias e prejudiciais aos autoantígenos do próprio corpo.

Em resumo, a especificidade dos anticorpos refere-se à capacidade de um anticorpo de se ligar a um antígeno específico com alta precisão e selectividade, desempenhando um papel fundamental na resposta imune adaptativa.

Los tests de floculación son pruebas de laboratorio que se utilizan para evaluar la capacidad de un líquido, como una muestra de agua o suero sanguíneo, para formar flóculos (agregados visibles de partículas) cuando se le añade un reactivo químico. Este tipo de pruebas se utiliza a menudo en el análisis de aguas residuales e industriales para medir la cantidad de sustancias en suspensión, como partículas sólidas o fibrilares, presentes en una muestra.

En medicina, los tests de floculación se utilizan principalmente en el diagnóstico y seguimiento de enfermedades renales y hepáticas. Por ejemplo, la prueba de floculación del suero de Creactividad (CS) mide la cantidad de proteínas anormales en el suero sanguíneo que pueden indicar la presencia de una enfermedad hepática o renal. Otra prueba común es la prueba de floculación del sedimento urinario, que se utiliza para detectar la presencia de proteínas y otros componentes anormales en la orina, lo que puede indicar una enfermedad renal o una infección del tracto urinario.

En general, los tests de floculación implican mezclar una muestra con un reactivo químico y observar si se forma un flóculo. La velocidad y la cantidad de flóculos formados pueden utilizarse para determinar la concentración de las sustancias en suspensión o las proteínas anormales presentes en la muestra.

Melioidose é uma infecção bacteriana rara causada pela bactéria saprofítica environmental *Burkholderia pseudomallei*. A infecção é geralmente adquirida por exposição a solo ou água contaminados em regiões tropicais e subtropicais, particularmente no Sudeste Asiático e norte da Austrália.

A melioidose pode apresentar-se de forma assintomática ou manifestar-se com sintomas variados, dependendo do sistema orgânico afetado. Os sintomas iniciais podem incluir febre, dor de cabeça, dor muscular e articulares, tosse seca e falta de ar. Em casos graves, a infecção pode disseminar-se para órgãos internos, causando pneumonia, abscessos hepáticos ou splênicos, septicemia e outras complicações potencialmente fatais.

O diagnóstico de melioidose geralmente requer a detecção da bactéria em amostras clínicas, como sangue, esputo ou líquido ascítico, por meio de cultura bacteriana ou técnicas moleculares. O tratamento geralmente consiste em antibioticoterapia prolongada com eritromicina ou ceftazidima, seguida de trimetoprim-sulfametoxazol para prevenir recorrências. A vacinação contra a melioidose ainda não está disponível comercialmente.

Em medicina e saúde pública, prevalência é um termo usado para descrever a proporção total de indivíduos em uma população que experimentam ou apresentam um determinado estado de saúde, doença ou exposição em um momento ou período específico. É calculada dividindo o número de casos existentes (incidentes e pré-existentes) por toda a população em estudo durante o mesmo período.

A prevalência pode ser expressa como uma proporção (uma fração entre 0 e 1) ou em termos percentuais (multiplicada por 100). Ela fornece informações sobre a magnitude da doença ou exposição na população, incluindo tanto os casos novos quanto os que já existiam antes do início do período de estudo.

Existem dois tipos principais de prevalência:

1. Prevalência de ponta: representa a proporção de indivíduos com o estado de saúde, doença ou exposição em um único ponto no tempo. É calculada dividindo o número de casos existentes nesse momento pelo tamanho total da população no mesmo instante.

2. Prevalência periódica: representa a proporção média de indivíduos com o estado de saúde, doença ou exposição durante um determinado período (como um mês, ano ou vários anos). É calculada dividindo a soma dos casos existentes em cada ponto no tempo pelo produto do tamanho total da população e o número de intervalos de tempo no período estudado.

A prevalência é útil para planejar recursos e serviços de saúde, identificar grupos de risco e avaliar os impactos das intervenções em saúde pública. No entanto, ela pode ser influenciada por fatores como a duração da doença ou exposição, taxas de mortalidade associadas e migração populacional, o que deve ser levado em consideração ao interpretar os resultados.

'Cuidado pré-natal' refere-se aos cuidados e atenções médicas fornecidos para mulheres grávidas, com o objetivo de monitorar a saúde da mãe e do feto durante a gravidez. Esses cuidados geralmente incluem consultas regulares com um profissional de saúde, como um obstetra ou uma enfermeira obstetriz, para verificar o bem-estar da mãe e detectar quaisquer complicações potenciais o mais cedo possível.

Os cuidados pré-natais geralmente incluem exames físicos regulares, monitoramento do peso e pressão arterial da mãe, testes de laboratório para verificar a saúde da mãe e do feto, e ultrassom para acompanhar o crescimento e desenvolvimento do feto. Além disso, os profissionais de saúde podem fornecer orientações sobre nutrição, exercícios, medidas de segurança e outras práticas saudáveis durante a gravidez.

O cuidado pré-natal é importante para garantir a saúde da mãe e do bebê durante a gravidez e o parto, e pode ajudar a identificar e gerenciar quaisquer complicações potenciais o mais cedo possível. Receber cuidados pré-natais regulares também está associado a melhores resultados de saúde para a mãe e o bebê, incluindo um risco reduzido de baixo peso ao nascer, parto prematuro e outras complicações relacionadas à gravidez.

"Tabes dorsalis" é um termo médico que se refere à neurosífilis terciária, uma complicação tardia da sífilis, uma infecção sexualmente transmissível causada pela bactéria Treponema pallidum. Nesta fase avançada da doença, a infecção disseminou-se pelo corpo e afeta o sistema nervoso central.

Na tabes dorsalis, os tecidos dos nervos espinhais da medula espinal, particularmente as vias sensoriais, sofrem danos progressivos e irreversíveis. Isto pode resultar em sintomas como:

1. Perda de reflexos profundos
2. Dor neuropática, que pode ser descrita como queimante, arranhando ou choque elétrico
3. Ataxia, ou perda de coordenação muscular, levando a problemas com a marcha e o equilíbrio
4. Incontinência urinária ou fecal
5. Perda da sensação de dor, temperatura e vibração
6. Problemas de visão, como arreflexia pupilar e atrofia óptica
7. Problemas auditivos, como surdez
8. Mudanças na personalidade e no comportamento
9. Demência em estágios avançados

A tabes dorsalis é uma doença rara devido ao tratamento antibiótico precoce da sífilis. No entanto, sem o tratamento adequado, a sífilis pode progressar para esta fase tardia e causar danos irreversíveis ao sistema nervoso.

Fasciola hepatica, comumente conhecida como duas-folhas ou tremátodo do fígado, é um parasita planador que pertence ao filo Platyhelminthes e à classe Trematoda. Originários de ambientes aquáticos de água doce, esses parasitas têm ciclos de vida complexos envolvendo hospedeiros intermediários (como moluscos) e definitivos (como mamíferos herbívoros e humanos).

A infestação por Fasciola hepatica, conhecida como fascilose, geralmente ocorre quando os indivíduos ingerem vegetais contaminados com metacercários (estágios infectantes do parasita). Após a ingestão, as larvas são libertadas no trato digestivo e migram através da parede intestinal para o fígado, onde se desenvolvem em adultos. Os adultos residem nas vias biliares, causando danos mecânicos e inflamação, resultando em sintomas como dor abdominal, diarreia, náuseas e icterícia. Em casos graves, a infestação pode levar a complicações como fibrose hepática ou insuficiência hepática.

Embora a fascilose seja mais comum em animais, os humanos também podem ser infectados ao consumir vegetais crus ou mal cozidos contaminados com metacercários. A doença é prevalente em áreas onde a higiene e as condições sanitárias são deficientes, aumentando o risco de exposição ao parasita.

Leptospira é um gênero de bactérias helicoidais gram-negativas que são aeróbicas facultativas e possuem flagelos polares. Essas bactérias são conhecidas por causarem uma doença infecciosa em humanos e animais chamada leptospirose. A Leptospira pode ser encontrada em ambientes aquáticos e húmidos, e animais infectados podem excretar a bactéria através da urina, contaminando o meio ambiente. As pessoas geralmente se infectam ao entrarem em contato com água ou solo contaminados. Os sintomas da leptospirose podem variar de leves a graves e incluir febre, dores de cabeça, náuseas, vômitos, dor muscular e erupções cutâneas. Em casos graves, a doença pode causar insuficiência renal ou hepática, pulmonar ou cardíaca, e até mesmo a morte. A prevenção da leptospirose inclui medidas de controle ambiental, como a descontaminação de águas residuais e a vacinação de animais domésticos e de granja em regiões endêmicas.

Babesíase é uma doença infecciosa causada por protozoários do gênero Babesia, que se multiplicam dentro dos glóbulos vermelhos das hemátreas de mamíferos. A espécie mais comum que infecta humanos é a Babesia microti, transmitida principalmente através de picadas de carrapatos do gênero Ixodes.

A infecção pode ocorrer como resultado de transfusões sanguíneas contaminadas ou transplante de órgãos provenientes de doadores infectados. A babesíase é mais comumente encontrada em áreas onde há alta incidência de carrapatos, especialmente no nordeste e meio-oeste dos Estados Unidos.

Os sintomas da babesíase geralmente aparecem após um período de incubação de 1 a 6 semanas e podem incluir febre alta, dor de cabeça, fadiga, suores noturnos, dores musculares e articulares, náuseas, vômitos e falta de ar. Em casos graves, a infecção pode causar anemia hemolítica, insuficiência renal, disfunção hepática e, em alguns casos, pode ser fatal, especialmente em pessoas com sistema imunológico enfraquecido ou outras condições de saúde subjacentes.

O diagnóstico da babesíase geralmente é feito através de exames de sangue que detectam a presença do parasita no sangue. O tratamento geralmente consiste em uma combinação de medicamentos antiprotozoários, como clindamicina e quinina ou atovaquona e azitromicina, dependendo da gravidade da infecção. Em casos graves, o tratamento pode incluir transfusões de sangue para controlar a anemia hemolítica. A prevenção é essencialmente a proteção contra picadas de carrapatos e o uso de repelentes adequados.

Ehrlichia chaffeensis é uma espécie de bactéria gram-negativa que pertence ao gênero Ehrlichia e à família Anaplasmataceae. Essa bactéria é o agente etiológico da doença de febre das montanhas rochosas, uma doença transmitida por carrapatos que afeta principalmente os glóbulos brancos chamados monócitos.

Ehrlichia chaffeensis é geralmente transmitida ao ser humano através da picada de carrapatos do gênero Amblyomma, especialmente o Amblyomma americanum (carrapato-da-língua-de-vaca). Após a infecção, a bactéria invade e se multiplica dentro dos monócitos, causando uma variedade de sintomas como febre alta, dores de cabeça, dor muscular e articulares, náuseas e fraqueza. Em casos graves, a infecção pode levar a complicações como insuficiência orgânica e morte.

O diagnóstico da doença causada por Ehrlichia chaffeensis geralmente é feito com base em exames de sangue que detectam a presença de anticorpos contra a bactéria ou diretamente a bactéria em amostras de sangue. O tratamento geralmente consiste na administração de antibióticos, como doxiciclina, por um período de 2 a 3 semanas. A prevenção da infecção é feita através da proteção contra picadas de carrapatos, como o uso de repelentes e roupas protetoras, e a remoção imediata dos carrapatos que se fixaram na pele.

Gnathostoma é um gênero de nematóides parasitas pertencente à família Gnathostomatidae. Esses vermes podem infectar vários animais, incluindo humanos, e são mais comumente encontrados em regiões da Ásia Oriental e do Sudeste Asiático.

A infecção por gnathostoma ocorre quando a pessoa ingere alimentos ou água contaminados com larvas do verme, normalmente presentes em carne de peixe ou anfíbios mal cozinhados ou crustáceos. Após a ingestão, as larvas se movem para o tecido subcutâneo e outros órgãos, causando uma infecção chamada gnathostomose.

Os sintomas da gnathostomose podem variar dependendo do local da infecção e incluir: dermatite cutânea pruriginosa (coceira), erupções cutâneas, febre, dor abdominal, diarréia e outros sintomas sistêmicos. Em casos graves, a migração das larvas pode causar complicações como miocardite, meningite e encefalite.

O diagnóstico de gnathostomose é feito com base em exames clínicos, história de exposição a alimentos ou água contaminados e resultados de exames laboratoriais, como testes sorológicos e biopsias cutâneas. O tratamento geralmente consiste na administração de medicamentos anthelminthícos, como albendazol ou praziquantel, para matar as larvas do verme. A prevenção da infecção por gnathostoma inclui a prática de boas práticas higiênicas e a cozinha adequada dos alimentos, especialmente peixe e outros animais aquáticos.

Desculpe, a sua pergunta é um pouco confusa. Se estiveres a procura da definição médica de uma condição ou doença relacionada com o século XV, poderia fornecer-nos mais detalhes ou contexto?

No entanto, se estiveres à procura de informação sobre a história geral da medicina durante o século XV, posso dizer que este foi um período marcado por avanços significativos no conhecimento médico e na prática clínica.

Algumas das descobertas e desenvolvimentos importantes neste período incluem:

* A publicação da "Cirurgia" de Guy de Chauliac em 1363, que se tornou um manual de referência para cirurgiões durante séculos.
* O trabalho de Ibn Sina (Avicena) no século X, que continuou a influenciar a prática médica europeia no século XV.
* O uso crescente da anatomia humana em estudos médicos, graças em parte às obras de Mondino de Liuzzi e outros anatomistas italianos.
* A descoberta da América em 1492, que abriu novas rotas comerciais e permitiu a difusão de conhecimentos médicos entre diferentes culturas.
* O início do Renascimento, que trouxe um renovado interesse pelo estudo da natureza humana e do mundo natural, incluindo o corpo humano.

Espero que isto ajude a esclarecer sua pergunta. Se tiver alguma dúvida adicional, por favor não hesite em perguntar.

Esparganose é uma infestação parasitaria rara causada pelo verme espargano (Spirometra mansoni ou Spirometra erinaceieuropaei), um tipo de tênnia. O ciclo de vida complexo do espargano envolve vários hospedeiros, incluindo pequenos anfíbios, répteis e mamíferos, bem como humanos. A infestação humana geralmente ocorre após a ingestão de água ou alimentos contaminados com larvas do verme, chamadas coracídios.

Os sintomas da esparganose podem variar dependendo do estágio e local da infestação. Em muitos casos, as pessoas infectadas podem não apresentar sintomas ou experimentar sintomas leves, como dor abdominal, diarréia, vômitos e náuseas. No entanto, em casos graves, o verme pode migrar para outros órgãos, como olhos, cérebro ou pulmões, causando sintomas mais graves, como convulsões, problemas de visão, dificuldade para andar ou falar e, em alguns casos, morte.

O diagnóstico de esparganose pode ser desafiador, pois os sintomas podem ser inespecíficos e semelhantes a outras doenças. O diagnóstico definitivo geralmente requer a detecção do verme ou de seus ovos em amostras de tecido ou fezes.

O tratamento da esparganose geralmente consiste na administração de medicamentos anthelminthics, como praziquantel ou niclosamida, que podem ajudar a matar o verme e prevenir a disseminação da infestação. Em casos graves, pode ser necessário cirurgia para remover o verme ou reparar danos a órgãos vitais. A prevenção da esparganose geralmente envolve medidas de higiene adequadas, como lavagem regular das mãos e cozinhar bem a carne antes de consumi-la.

'Borrelia burgdorferi' é uma bactéria do gênero Borrelia, responsável por causar a Doença de Lyme, uma infecção transmitida pelo mosquito da garrapata-de-cervo-americana. Essa bactéria é espiralada e gram-negativa, o que significa que ela possui um revestimento externo rígido e um interior pálido quando teñida com coloração Gram. A Borrelia burgdorferi pode ser tratada com antibióticos, especialmente quando diagnosticada e tratada precocemente. Os sintomas da Doença de Lyme podem incluir erupções cutâneas, febre, dor de cabeça, rigidez na nuca, fadiga e dores articulares. Em estágios mais avançados, a infecção pode causar problemas cardíacos, neurológicos e articulares graves se não for tratada adequadamente.

De acordo com a definição médica, "Pythium" refere-se a um género de fungos aquáticos e saprófitos pertencentes à divisão Oomycota. Embora sejam frequentemente referidos como fungos verdadeiros (por exemplo, em artigos populares), os membros do género Pythium não são realmente fungos, mas sim organismos relacionados a algas marrons e diatomáceas.

Os membros do género Pythium são conhecidos por causarem uma variedade de doenças em plantas, animais e humanos. Em seres humanos, as infecções por Pythium geralmente ocorrem em indivíduos com sistemas imunológicos debilitados ou quando há exposição a ambientes aquáticos contaminados. As infecções por Pythium podem causar diversas condições clínicas, incluindo queratinose folicular (inflamação da pele), queratite (inflamação do olho) e outras infecções oculares, e raramente, sepse disseminada.

Apesar de serem frequentemente encontrados em ambientes aquáticos, alguns membros do género Pythium também podem sobreviver em ambientes terrestres úmidos e podres. Eles produzem esporos que podem ser facilmente dispersos pelo ar ou pelo contato com a água, o solo ou outros objetos contaminados.

Os programas de rastreamento são iniciativas de saúde pública que visam identificar indivíduos em risco ou com doenças em estágios iniciais, a fim de oferecer tratamento o mais precoce possível e melhorar os resultados clínicos. Esses programas geralmente envolvem exames regulares ou testes para determinadas doenças em pessoas assintomáticas, mas que podem estar em risco devido a fatores como idade, histórico familiar ou estilo de vida. Alguns exemplos de programas de rastreamento incluem o rastreamento do câncer de mama (mamografia), câncer de colo do útero (Pap teste), câncer de próstata (antígeno prostático específico) e diabetes (exame de glicose em sangue). O objetivo geral desses programas é reduzir a morbidade e mortalidade associadas às doenças, além de serem fundamentais para a promoção da saúde e prevenção de doenças.

Proteínas de protozoários se referem a proteínas específicas que são expressas por organismos do reino Protista, geralmente os membros do filo Sarcomastigophora, que inclui protozoários unicelulares como o Trypanosoma e a Plasmodium. Estas proteínas desempenham funções vitais no metabolismo, crescimento, reprodução e sobrevivência dos protozoários. Algumas proteínas de protozoários são conhecidas por estar envolvidas em processos patogênicos, como a evasão do sistema imune do hospedeiro, obtenção de nutrientes e resistência a drogas.

Um exemplo bem conhecido é a proteína de superfície variável (VSG) encontrada em Trypanosoma brucei, o agente causador da Doença do Sono Africana. A VSG desempenha um papel crucial na evasão do sistema imune do hospedeiro, pois os protozoários podem alterar a composição da proteína de superfície, tornando-se "invisíveis" ao sistema imune. Outro exemplo é a hemoglobina de Plasmodium falciparum, o agente causador da Malária, que desempenha um papel importante no metabolismo do oxigênio e no ciclo de vida do parasita.

A compreensão das proteínas de protozoários é crucial para o desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas e diagnósticas para as doenças causadas por esses organismos.

A neurocisticercose é uma infecção parasitária do sistema nervoso central (SNC) causada pela larva do tênia solium, um verme plano que afeta o intestino humano. Quando pessoas ingerem ovos do tênia solium presentes em fezes contaminadas, as larvas podem se alojar no cérebro e no tecido muscular, levando ao desenvolvimento da neurocisticercose.

Os sinais e sintomas da neurocisticercose dependem do local e do número de lesões no cérebro. Eles podem incluir: convulsões, alterações cognitivas, problemas de memória, dificuldade para falar ou engolir, fraqueza muscular, tontura, problemas de visão, aumento da pressão intracraniana e, em casos graves, coma.

O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames de imagem, como a ressonância magnética nuclear (RMN) ou tomografia computadorizada (TC), que podem revelar lesões características no cérebro. Também podem ser usados outros métodos diagnósticos, como análises sorológicas e exames de líquor cerebrospinal.

O tratamento da neurocisticercose pode incluir medicamentos antiparasitários, como albendazol ou praziquantel, para matar as larvas do tênia solium. Os sintomas associados à infecção, como convulsões e inflamação cerebral, podem ser controlados com medicamentos específicos. Em alguns casos, pode ser necessária a cirurgia para remover lesões grandes ou causar complicações graves.

A prevenção da neurocisticercose envolve medidas de higiene e saneamento básico, como o tratamento adequado das fezes humanas, a educação sobre práticas alimentares seguras e a melhoria do acesso à água potável. Também é importante diagnosticar e tratar as infecções por tênias em humanos para interromper o ciclo de transmissão da doença.

Salmonella Paratyphi C é um tipo específico de bactéria do gênero Salmonella que pode causar doenças em humanos. Essa bactéria é gram-negativa, flagelada e anaeróbica facultativa, o que significa que ela possui flagelos para movimento e pode crescer com ou sem oxigênio.

A Salmonella Paratyphi C é conhecida por causar uma forma de salmonela não-tifoide, o que significa que ela geralmente causa sintomas menos graves do que a Salmonella typhi, que é responsável pela febre tifóide. No entanto, a infecção com Salmonella Paratyphi C pode ainda resultar em sintomas como febre, diarréia, vômitos, dor abdominal e dores musculares. Em casos mais graves, a bactéria pode disseminar-se para outras partes do corpo e causar complicações, especialmente em pessoas com sistemas imunológicos fracos.

A Salmonella Paratyphi C é geralmente transmitida através da ingestão de alimentos ou água contaminados com a bactéria. Os sintomas geralmente começam a aparecer entre 1 e 3 dias após a exposição e podem durar de uma a duas semanas. O tratamento geralmente consiste em antibióticos para combater a infecção, juntamente com medidas de reidratação e cuidados de suporte.

Na medicina, "Alabama" não é usado como um termo ou definição médica. É simplesmente o nome do 22º estado dos Estados Unidos, localizado no sudeste do país. Se você quisera se referir a alguma condição de saúde ou doença associada ao Estado do Alabama, então poderia ser algo específico, como "síndrome de Alabama", que é uma doença extremamente rara e geneticamente determinada que afeta o desenvolvimento dos vasos sanguíneos.

Equinococose é uma infecção zoonótica causada pelo parasita cestóide Echinococcus spp. Existem dois tipos principais de equinococose que afetam os seres humanos: Equinococose Cística (CE) e Equinococose Alveolar (EA). A CE é geralmente causada pelo Echinococcus granulosus e a EA pelo Echinococcus multilocularis.

Na CE, os ovos do parasita são ingeridos por acidente, geralmente ao longo da cadeia alimentar, quando humanos consomem vegetais ou água contaminados com fezes de animais infectados (como cães e gatos). Isso resulta no desenvolvimento de vesículas cheias de líquido (cisticercos) nos órgãos internos, principalmente no fígado. A infecção pode ser assintomática por anos, mas à medida que as vesículas crescem, podem causar sintomas como dor abdominal, náusea, vômito e perda de peso.

A EA é menos comum do que a CE, mas geralmente mais grave. É transmitida pela ingestão de ovos de Echinococcus multilocularis presentes em alimentos ou água contaminados com fezes de animais predadores infectados (como raposas e coiotes). A infecção resulta no desenvolvimento de lesões alveolares infiltrativas nos órgãos internos, principalmente no fígado. Essas lesões podem crescer lentamente ao longo dos anos, causando sintomas como dor abdominal, perda de peso e icterícia. A EA pode ser fatal se não for tratada adequadamente.

O diagnóstico de equinococose geralmente é feito por meio de exames de imagem, como ultrassom, tomografia computadorizada ou ressonância magnética, e confirmação laboratorial por meio de testes sorológicos ou biopsia. O tratamento geralmente inclui a administração de medicamentos antiparasitários, como albendazol ou mebendazol, e possivelmente cirurgia para remover as lesões. A prevenção da infecção por equinococose envolve medidas higiênicas básicas, como lavar as mãos regularmente, cozinhar bem a carne e evitar o contato com fezes de animais selvagens ou domésticos infectados.

As proteínas da membrana bacteriana externa (EMBPs, do inglês External Membrane Proteins) são um grupo diversificado de proteínas que se localizam na membrana externa de bactérias gram-negativas. Eles desempenham funções importantes em processos como a adesão à superfície, transporte de nutrientes, resistência a antibióticos e patogenicidade.

A membrana externa das bactérias gram-negativas é composta principalmente por lipopolissacarídeos (LPS) e proteínas. As EMBPs estão inseridas na camada de LPS e se associam à superfície da membrana externa por meio de interações com a lipid A do LPS ou outras proteínas.

Existem diferentes tipos de EMBPs, incluindo proteínas de ligação a fibrilas (FBPs), proteínas de transporte de nutrientes e proteínas envolvidas na biogênese da membrana externa. Algumas EMBPs também estão envolvidas no sistema de secreção tipo II, que é responsável pelo processamento e secretão de proteínas para fora da célula bacteriana.

As EMBPs desempenham um papel importante na patogenicidade das bactérias gram-negativas, pois muitas delas estão envolvidas em interações com as células hospedeiras e no processo de invasão dos tecidos. Além disso, algumas EMBPs podem ser alvos terapêuticos promissores para o desenvolvimento de novos antibióticos, uma vez que eles desempenham funções essenciais na sobrevivência e virulência das bactérias.

Em termos médicos, o comportamento sexual refere-se à forma como indivíduos se envolvem em atividades sexuais e expressam sua sexualidade. Isto pode incluir uma variedade de aspectos, tais como:

1. Atividades sexuais consensuais entre adultos, incluindo relações heterossexuais e homossexuais.
2. Práticas sexuais específicas, como o sexo vaginal, oral ou anal.
3. Uso de contracepção e prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs).
4. O papel da sexualidade na formação de relacionamentos interpessoais e no desenvolvimento emocional.
5. A expressão da sexualidade através de pensamentos, fantasias, desejos e atitudes.
6. Considerações éticas e legais relacionadas à atividade sexual, tais como consentimento informado e idade de consentimento.

É importante notar que o comportamento sexual saudável é aquela que é segura, consensual, gratificante e respeitadora dos limites e desejos de cada indivíduo envolvido. Além disso, a orientação sexual e a identidade de gênero são considerados aspectos importantes do comportamento sexual e da saúde sexual geral.

A convalescença é o processo de recuperação após uma doença grave ou operação cirúrgica, durante o qual um indivíduo pode experimentar fraqueza, fadiga e outros sintomas. Neste período, o corpo se repara e restaura a sua função normal, o que pode levar algum tempo, dependendo da gravidade da condição ou procedimento. É importante durante este tempo dar ao corpo o descanso e os cuidados necessários para facilitar uma recuperação adequada.

Classe: Reino: Helminthes (vermes)
Fili: Platyhelminthes (tremátodes)
Classe: Turbellaria (planários)
Ordem: Echinostomatida
Família: Paragonimidae
Gênero: Paragonimus

Paragonimus é um gênero de vermes planos parasitas pertencentes à família Paragonimidae. A espécie mais conhecida e clinicamente importante é Paragonimus westermani, que causa a doença conhecida como paragonimíase pulmonar ou doença do leão-d'água. Esses vermes parasitam os pulmões de humanos e outros mamíferos, levando a sintomas respiratórios e gastrointestinais.

Os indivíduos infectados geralmente apresentam tosse crônica com expectoração de sangue (hemoptise), dor no peito e falta de ar. A infecção ocorre quando as pessoas consomem carne de crustáceos, como camarões ou lagostins, que estejam infectados com metacercárias (estágio larval) do verme. Após a ingestão, as larvas são libertadas no trato gastrointestinal e migram através dos tecidos corporais até atingirem os pulmões, onde se desenvolvem em adultos e produzem ovos.

A paragonimíase é uma doença negligenciada que ocorre principalmente em regiões de baixa renda, especialmente no Sudeste Asiático, África Ocidental e América Central. A prevenção inclui a educação sobre a importância de cozinhar adequadamente os crustáceos antes do consumo e evitar o contato com águas contaminadas onde os crustáceos infectados possam habitar.

Entamoeba histolytica é um protozoário patogénico que causa amebíase, uma infecção intestinal que pode variar desde a ausência de sintomas até à dissenteria amébica séptica e invasiva. A Entamoeba histolytica existe em duas formas: a forma vegetativa (trofozoíto) e a forma resistente (quisto). O trofozoíto é a forma alimentadora e móvel, enquanto o quisto é a forma infecciosa que é passada nas fezes. A infecção geralmente ocorre através da ingestão de quistos presentes em alimentos ou água contaminados. Após a ingestão, os quistos são libertados no intestino delgado, onde se transformam em trofozoítos e podem causar lesões tissulares invasivas, especialmente no cólon. Os sintomas mais comuns incluem diarreia aquosa ou sangrenta, cólicas abdominais, flatulência e febre. Em casos graves, a infecção pode disseminar-se para outros órgãos, como o fígado, causando abscessos amébicos. A Entamoeba histolytica deve ser diagnosticada por meio de exames laboratoriais especializados, como a observação microscópica dos quistos ou trofozoítos em fezes ou a detecção do DNA do parasita por técnicas moleculares. O tratamento geralmente consiste na administração de medicamentos antiparasitários, como metronidazol ou tinidazol, seguidos de um agente luminal, como diloxanida ou iodoquinol, para eliminar os quistos residuais.

Clinical Definition:

"Paracoccidioides" refers to a genus of dimorphic fungi that are the causative agents of paracoccidioidomycosis, also known as South American blastomycosis. This disease is a systemic mycosis endemic to Latin America, particularly in rural areas of Brazil, Colombia, Venezuela, and other countries in Central and South America.

The fungus exists in two distinct forms: the infectious propagule, a mold form that grows in the soil, and the parasitic phase, which is a yeast-like form found in human and animal hosts. The infection typically occurs through inhalation of airborne conidia, which then transform into the yeast form within the host's lungs, leading to pulmonary manifestations such as granulomatous inflammation, nodules, cavities, and fibrosis.

Paracoccidioides brasiliensis and Paracoccidioides lutzii are the two species currently recognized in this genus. The diagnosis of paracoccidioidomycosis is based on clinical presentation, radiological findings, and laboratory tests such as direct examination, culture, histopathology, and serological methods. Treatment usually involves antifungal therapy with agents such as sulfonamides, azoles, or amphotericin B, depending on the severity of the disease and the immune status of the patient.

-- For more detailed information, please consult a medical professional or refer to reputable medical resources. --

As "Doenças dos Cavalos" referem-se a um vasto espectro de condições médicas que podem afetar equinos. Isso inclui, mas não está limitado a:

1. Doenças infecciosas: Estes incluem vírus, bactérias, fungos e parasitas que podem causar diversas doenças como gripe equina, rinopneumonia, estrongiloidose, anquilostomose, etc.

2. Doenças degenerativas: Condições que resultam no deterioramento progressivo dos tecidos ou órgãos, tais como artrose e outras formas de osteoartrite.

3. Doenças metabólicas: Distúrbios do sistema endócrino ou do metabolismo, incluindo diabetes mellitus equina, Cushing's disease (hiperadrenocorticismo), e deficiência de vitamina E/SE.

4. Doenças cardiovasculares: Condições que afetam o coração e os vasos sanguíneos, como insuficiência cardíaca congestiva e endocardite bacteriana.

5. Doenças respiratórias: Problemas relacionados com as vias respiratórias superiores ou inferiores, tais como pneumonia, bronquite e enfisema.

6. Doenças neurológicas: Condições que afetam o sistema nervoso central ou periférico, incluindo encefalose, miopatia por excesso de vitamina E e laminitis.

7. Doenças reprodutivas: Distúrbios que ocorrem durante a reprodução, como endometrite, metritis e displasia uterina.

8. Doenças da pele: Problemas que afetam a pele e os anexos dérmicos, tais como dermatofitose (tiinha), pedilha e sarna.

9. Doenças gastrointestinais: Condições que afetam o trato digestivo, incluindo colite, diarreia e obstrução intestinal.

10. Doenças osteoarticulares: Problemas relacionados com os ossos, articulações ou tecidos moles adjacentes, como osteoartrite, osteocondrite desssecante e laminitis.

Esta lista não é exaustiva e existem muitas outras doenças que podem afetar os cavalos. Além disso, alguns destes problemas de saúde podem ser causados por fatores genéticos, ambientais ou de manejo.

Brucella é um gênero de bactérias gram-negativas, aeróbicas e facultativamente anaeróbicas que causam a doença conhecida como brucelose ou febre de Malta em humanos e animais. Essas bactérias são pequenas, não formadoras de esporos e imóveis, com uma forma bastonada ou cocobacilar.

Existem várias espécies de Brucella que podem infectar diferentes hospedeiros animais e, em alguns casos, também causar doenças em humanos. Algumas das principais espécies incluem:

1. B. abortus: principalmente afeta bovinos, mas pode também infectar outros animais e humanos, causando abortos e outras complicações reprodutivas.
2. B. melitensis: mais comum em ovinos e caprinos, sendo responsável por febre ondulante e outros sintomas sistêmicos em humanos.
3. B. suis: infecta principalmente porcos, mas também pode ser transmitida a humanos através do contato com animais ou consumo de alimentos contaminados, causando sintomas como febre, dor articular e muscular.
4. B. canis: afeta cães e outros canídeos, podendo ser transmitida a humanos através do contato com animais infectados ou sua urina, causando sintomas semelhantes aos da brucelose clássica.

A transmissão de Brucella para humanos geralmente ocorre por meio do consumo de alimentos contaminados, como leite não pasteurizado ou carne mal cozida, ou por contato direto com animais infectados, especialmente durante a manipulação de tecidos reprodutivos ou abortados. A doença pode ser tratada com antibióticos, mas o tratamento é frequentemente longo e complicado, podendo resultar em sequelas persistentes. Prevenção é essencial para controlar a disseminação da brucelose, incluindo medidas de higiene adequadas, vacinação de animais e inspeção rigorosa dos alimentos.

"Taenia" é um género de vermes planos da classe Cestoda, também conhecidos como solitárias ou tênias. Estes parasitas intestinais podem infectar humanos e outros animais, incluindo bovinos e suínos. A espécie mais comum que afeta os seres humanos é a Taenia saginata (tênia do gado) e a Taenia solium (tênia do porco).

A infecção humana ocorre quando uma pessoa ingere carne crua ou mal cozida contaminada com larvas de Tênia, presentes em tecidos musculares de animais infectados. Uma vez no intestino delgado humano, as larvas evoluem para a forma adulta e podem viver por anos, alimentando-se dos nutrientes do hospedeiro.

Os sintomas da infecção por Tênia incluem diarréia, náuseas, perda de peso e, em casos graves, bloqueio intestinal. Alguns indivíduos podem não apresentar sintomas, especialmente se a infecção for leve. O diagnóstico geralmente é confirmado pela detecção de ovos ou segmentos do verme nas fezes.

A prevenção da tênia inclui a cuidadosa cozina das carnes bovinas e suínas, evitando o consumo de carne crua ou mal cozida, especialmente em áreas onde a infecção é endémica. Além disso, a melhoria da higiene pessoal e ambiental pode ajudar a reduzir o risco de infecção.

A Técnica Indireta de Fluorescência para Anticorpos (IFA, do inglês Indirect Fluorescent Antibody technique) é um método amplamente utilizado em laboratórios de patologia clínica e imunologia para a detecção qualitativa e quantitativa de anticorpos específicos presentes no soro sanguíneo ou outros fluidos biológicos. Essa técnica é baseada na capacidade dos anticorpos de se ligarem a determinantes antigênicos localizados em células ou partículas, como bactérias ou vírus, seguida da detecção dessa ligação por meio do uso de um marcador fluorescente.

O processo geralmente consiste nos seguintes passos:

1. Preparação dos antígenos: As células ou partículas que contêm os antígenos específicos são fixadas e permeadas em lâminas de microscopia, geralmente por meio de técnicas como a imersão em metanol ou o uso de detergentes suaves.
2. Incubação com o soro do paciente: O soro sanguíneo ou outro fluido biológico do paciente é diluído e colocado sobre as lâminas contendo os antígenos fixados, permitindo que os anticorpos presentes no soro se ligem aos antígenos correspondentes.
3. Adição de um conjugado secundário: Após a incubação e lavagem para remover anticorpos não ligados, uma solução contendo um anticorpo secundário marcado com um fluoróforo (como o FITC - Fluoresceína Isotiocianatada) é adicionada. Esse anticorpo secundário se liga aos anticorpos primários (do paciente) que estão ligados aos antígenos, atuando como um marcador para detectar a presença dos anticorpos específicos.
4. Leitura e análise: As lâminas são examinadas sob um microscópio de fluorescência, permitindo a visualização das áreas em que os anticorpos primários se ligaram aos antígenos, demonstrando assim a presença ou ausência dos anticorpos específicos.

A imunofluorescência indireta é uma técnica sensível e específica que pode ser usada para detectar anticorpos contra uma variedade de patógenos, incluindo bactérias, vírus, fungos e parasitas. Além disso, essa técnica também pode ser aplicada em estudos de imunopatologia, como na detecção de autoanticorpos em doenças autoimunes ou no diagnóstico de neoplasias.

Cisticercose é uma infecção parasitaria causada pela larva (cisticerco) do tênias (Taenia solium), um verme plano que afeta o sistema nervoso central e tecidos musculares. A infecção ocorre quando a pessoa ingere ovos de T. solium presentes em fezes humanas, geralmente por meio da contaminação de alimentos ou água. Os sintomas podem variar dependendo da localização e extensão da infecção, mas geralmente incluem convulsões, dores de cabeça, alterações na visão, debilidade muscular e problemas neurológicos. O diagnóstico é feito por meio de exames de imagem, como tomografia computadorizada ou ressonância magnética, e testes sorológicos. O tratamento geralmente consiste em medicamentos antiparasitários e cuidados de suporte, dependendo da gravidade da infecção. A prevenção inclui a melhoria da higiene pessoal e alimentar, especialmente em áreas onde a doença é endêmica.

Paracoccidioidomicose, também conhecida como doença de Lutz-Splendore-Almeida ou paracoccidioidomicose sul-americana, é uma micose sistêmica causada pela funga Paracoccidioides brasiliensis. É endémica nas regiões tropicais e subtropicais da América Latina, particularmente no Brasil, Colômbia, Venezuela, Argentina e Centro-Americanos países.

A infecção geralmente ocorre após a inalação de conidiósporos presentes no solo, que se transformam em células yeast no pulmão do hospedeiro. A doença pode afetar múltiplos órgãos, incluindo pulmões, pele, mucosa oral, sistema linfático e sistema nervoso central.

Os sintomas variam dependendo da extensão da infecção e podem incluir tosse crônica, febre, suores noturnos, fadiga, perda de peso, dificuldade em engolir, linfonodomegalia e lesões cutâneas e mucosas. A paracoccidioidomicose pode ser diagnosticada por meio da observação microscópica dos fungos em amostras clínicas ou por cultura de tecidos infectados.

O tratamento geralmente consiste na administração de antifúngicos, como itraconazol, sulconazol ou anfotericina B, dependendo da gravidade da doença e da localização dos sítios de infecção. O prognóstico geralmente é bom com o tratamento adequado, mas a doença pode recorrer em alguns casos.

De acordo com a American Psychiatric Association (APA), a homossexualidade é uma orientação sexual em que uma pessoa experimenta atracção romântica, afectiva e/ou sexual predominantemente para pessoas do mesmo sexo. A APA removeu a homossexualidade da lista de transtornos mentais em 1973, reconhecendo que é uma variante natural da orientação sexual humana. É importante notar que a orientação sexual, incluindo a homossexualidade, não é considerada algo que necessita ser "curado" ou alterado.

Tripanossoma cruzi é um parasita protozoário flagelado que causa a doença de Chagas, também conhecida como tripanossomiase americana. A espécie é endêmica nas Américas, particularmente em países latino-americanos. O ciclo de vida do parasita envolve dois hospedeiros: um hospedeiro vertebrado (geralmente humanos e outros mamíferos) e um invertebrado (insetos hematófagos, como a triatominae ou barbeiro-americano).

A infecção ocorre geralmente através da exposição às fezes dos insetos infectados, que entram em contato com a pele ou mucosa do hospedeiro vertebrado após a picada do inseto. O parasita pode também ser transmitido por transfusão de sangue contaminado, consumo de alimentos contaminados, exposição ocupacional (como no caso de trabalhadores da saúde), durante a gravidez (da mãe para o feto) e, em raros casos, por transplante de órgão.

A doença de Chagas apresenta duas fases: aguda e crônica. Na fase aguda, os sintomas podem ser leves ou inexistentes, mas o parasita pode ser detectado no sangue. Após alguns meses ou anos, a infecção pode evoluir para a fase crônica, que pode apresentar sintomas graves, como insuficiência cardíaca e/ou digestiva. O tratamento precoce com medicamentos específicos, como benznidazol ou nifurtimox, pode ser eficaz em eliminar o parasita e prevenir a progressão da doença. No entanto, o diagnóstico e o tratamento precoces são desafiadores, especialmente em áreas endêmicas com recursos limitados de saúde pública.

A entamebíase é uma infecção intestinal causada pela bactéria Entamoeba histolytica. Essa infecção pode variar em gravidade, desde casos assintomáticos até formas graves que podem causar diarreia aquosa profusa, cólicas abdominais, náuseas, vômitos e febre. Em casos mais sérios, a infecção pode disseminar-se para outras partes do corpo, como o fígado, causando abscessos amebianos.

A transmissão da entamebíase geralmente ocorre através da ingestão de alimentos ou água contaminados com fezes infectadas. Os sinais e sintomas da doença podem demorar até duas a quatro semanas para se manifestarem após a exposição ao parasita.

O diagnóstico da entamebíase geralmente é confirmado por meio de exames laboratoriais, como o exame microscópico de fezes ou um teste de antígeno imunológico. O tratamento geralmente consiste em medicamentos anti-amebianos, como metronidazol ou tinidazol, seguidos por um agente luminal, como iodoquinol ou diloxanida, para eliminar os parasitas residuais do intestino. É importante lembrar que a prevenção da infecção é fundamental e pode ser alcançada através de medidas adequadas de saneamento básico, como o tratamento de água e esgoto, lavagem cuidadosa das mãos e cozinha adequada dos alimentos.

A triquinelose é uma infecção parasitária causada pelo consumo de carne contaminada com larvas da espécie Trichinella spiralis ou outros membros do gênero Trichinella. Essas larvas se localizam no tecido muscular dos animais infectados, particularmente porcos, ursos e javalis.

Após a ingestão, as larvas são libertadas no trato gastrointestinal, onde se transformam em vermes adultos capazes de se reproduzirem. As fêmeas adultas produzem novas larvas que penetram na parede intestinal e migram para o tecido muscular, causando sintomas como dor abdominal, diarréia, vômitos, febre e inchaço dos tecidos moles. Em casos graves, a triquinelose pode levar a complicações cardíacas, neurológicas e respiratórias, podendo ser fatal se não for tratada adequadamente.

O diagnóstico geralmente é confirmado por meio de exames laboratoriais, como a biópsia muscular ou o teste de soro para detectar anticorpos contra o parasita. O tratamento geralmente consiste na administração de medicamentos anthelminthícos, como albendazol ou mebendazol, para matar os vermes adultos e as larvas jovens. Além disso, a terapia de suporte pode ser necessária para gerenciar os sintomas associados à infecção. A prevenção da triquinelose inclui a adoção de medidas adequadas de higiene alimentar, como a cozinha completa da carne de animais selvagens e domésticos antes do consumo.

Proteínas de bactéria se referem a diferentes tipos de proteínas produzidas e encontradas em organismos bacterianos. Essas proteínas desempenham um papel crucial no crescimento, desenvolvimento e sobrevivência das bactérias. Elas estão envolvidas em uma variedade de funções, incluindo:

1. Estruturais: As proteínas estruturais ajudam a dar forma e suporte à célula bacteriana. Exemplos disso incluem a proteína flagelar, que é responsável pelo movimento das bactérias, e a proteína de parede celular, que fornece rigidez e proteção à célula.

2. Enzimáticas: As enzimas são proteínas que catalisam reações químicas importantes para o metabolismo bacteriano. Por exemplo, as enzimas digestivas ajudam nas rotinas de quebra e síntese de moléculas orgânicas necessárias ao crescimento da bactéria.

3. Regulatórias: As proteínas reguladoras controlam a expressão gênica, ou seja, elas desempenham um papel fundamental na ativação e desativação dos genes bacterianos, o que permite à célula se adaptar a diferentes condições ambientais.

4. De defesa: Algumas proteínas bacterianas estão envolvidas em mecanismos de defesa contra agentes externos, como antibióticos e outros compostos químicos. Essas proteínas podem funcionar alterando a permeabilidade da membrana celular ou inativando diretamente o agente nocivo.

5. Toxinas: Algumas bactérias produzem proteínas tóxicas que podem causar doenças em humanos, animais e plantas. Exemplos disso incluem a toxina botulínica produzida pela bactéria Clostridium botulinum e a toxina diftérica produzida pela bactéria Corynebacterium diphtheriae.

6. Adesivas: As proteínas adesivas permitem que as bactérias se fixem em superfícies, como tecidos humanos ou dispositivos médicos, o que pode levar ao desenvolvimento de infecções.

7. Enzimáticas: Algumas proteínas bacterianas atuam como enzimas, catalisando reações químicas importantes para o metabolismo da bactéria.

8. Estruturais: As proteínas estruturais desempenham um papel importante na manutenção da integridade e forma da célula bacteriana.

De acordo com a maioria dos recursos médicos confiáveis, incluindo o MeSH (Medical Subject Headings) da Biblioteca Nacional de Medicina dos EUA, 'Toxoplasma' é definido como um gênero de protozoário apicomplexado que inclui a espécie Toxoplasma gondii, um parasita intracelular obrigatório que pode infectar quase todos os vertebrados homeotermos. O ser humano pode ser infectado por ingestão de ovos presentes em fezes de gatos ou por ingestão de carne contaminada crua ou mal cozida. A infecção por Toxoplasma gondii é frequentemente assintomática em indivíduos imunocompetentes, mas pode causar grave doença em fetos e pessoas com sistema imune comprometido.

"Echinococcus" é um género de tremátodes da família Taeniidae que inclui várias espécies parasitas, sendo as mais relevantes em termos clínicos o *Echinococcus granulosus* e o *Echinococcus multilocularis*. Estes vermes causam infecções nos humanos através da ingestão de ovos presentes em fezes de animais infectados, geralmente cães ou outros canídeos.

No caso do *Echinococcus granulosus*, a infecção humana pode resultar na formação de quistes hidatídicos, geralmente nos pulmões e no fígado, mas que podem também ocorrer em outros órgãos. Estes quistes crescem lentamente ao longo de vários anos e raramente causam sintomas durante as primeiras fases da doença. No entanto, se os quistes forem grandes o suficiente, podem comprimir tecidos adjacentes e causar dor, tosse, falta de ar ou outros sintomas dependendo da localização do quiste.

No caso do *Echinococcus multilocularis*, a infecção humana pode resultar em uma forma mais agressiva de echinococcoses, conhecida como equinococcoses alveolar, que se manifesta clinicamente como um tumor maligno do fígado. A doença progressa lentamente ao longo de vários anos e pode resultar em complicações graves, incluindo insuficiência hepática e morte, se não for tratada adequadamente.

O diagnóstico de echinococcoses baseia-se geralmente em exames de imagem, como ultrassonografia ou tomografia computadorizada, bem como em testes sorológicos para detectar anticorpos contra o parasita. O tratamento pode incluir cirurgia para remover os quistes hidatídicos, medicamentos antiparasitários para matar o parasita e terapia de suporte para tratar as complicações da doença. A prevenção da infecção baseia-se em medidas higiénicas básicas, como lavar as mãos regularmente, cozinhar bem a carne e evitar o contato com animais selvagens ou domésticos infectados.

Imunoglobulina A (IgA) é um tipo de anticorpo que desempenha um papel importante no sistema imune. Ela é encontrada principalmente na membrana mucosa que reveste as superfícies internas do corpo, como nos intestinos, pulmões e olhos. A IgA pode existir em duas formas: monomérica (uma única unidade) ou policlonal (várias unidades ligadas).

Existem dois subtipos principais de IgA: IgA1 e IgA2, sendo a primeira mais comum. A IgA desempenha um papel crucial na proteção contra infecções respiratórias e gastrointestinais, impedindo que os patógenos se adiram às mucosas e inibindo sua capacidade de invadir o organismo. Além disso, a IgA também pode neutralizar toxinas e enzimas produzidas por microrganismos.

Quando o sistema imunológico é ativado em resposta a uma infecção ou outro estressor, as células B produzem e secretam IgA no sangue e nas secreções corporais, como saliva, suor, lágrimas, leite materno e fluidos respiratórios. A IgA é o segundo anticorpo mais abundante no corpo humano, sendo superada apenas pela imunoglobulina G (IgG).

Em resumo, a Imunoglobulina A é um tipo de anticorpo que desempenha um papel crucial na proteção das membranas mucosas contra infecções e outros estressores.

A febre tifoide é uma infecção bacteriana sistêmica causada pelo serotype selvagem da bactéria Salmonella enterica, serovar Typhi. Essa doença geralmente se transmite através da ingestão de alimentos ou água contaminados com fezes de pessoas infectadas. Os sintomas clássicos incluem febre progressiva e persistente (febre tifóide), constipação ou diarreia, dores abdominais, fraqueza, falta de apetite e mal-estar geral. Além disso, pode ocorrer confusão mental leve à moderada (chamada de "estado delirante tifóide") em alguns casos graves. A febre tifoide é tratada com antibióticos adequados para eliminar a bactéria e prevenir complicações, como peritonite, hemorragia intestinal e insuficiência respiratória. Também é recomendável o isolamento das pessoas infectadas para evitar a propagação da doença. A vacinação pode ajudar a prevenir a infecção em indivíduos saudáveis e em áreas onde a febre tifoide é comum.

Doenças Bacterianas Sexualmente Transmissíveis (DBST) são infecções causadas por bactérias que geralmente são transmitidas por meio de contato sexual, incluindo relações vaginais, anais ou orais. Algumas dessas doenças também podem ser transmitidas por via materno-fetal, durante a gravidez, parto ou amamentação.

Existem vários tipos de DBST, incluindo:

1. Gonorreia - causada pela bactéria Neisseria gonorrhoeae
2. Clamídia - causada pela bactéria Chlamydia trachomatis
3. Sífilis - causada pela bactéria Treponema pallidum
4. Doença inflamatória pélvica (PID) - geralmente é uma complicação de infecções por gonorreia e clamídia
5. Uretrite não gonocócica (NGU) - geralmente causada por outras bactérias, além da Neisseria gonorrhoeae

Os sintomas de DBST podem variar dependendo do tipo de infecção e do indivíduo afetado. Alguns indivíduos podem ser assintomáticos, enquanto outros podem experimentar sintomas como dor ou ardência ao urinar, secreções anormais, úlceras genitais, inflamação dos gânglios linfáticos e, em casos graves, complicações que afetam outros órgãos, como a artrose e a meningite.

O tratamento de DBST geralmente consiste na administração de antibióticos específicos para combater as bactérias causadoras da infecção. É importante que o tratamento seja iniciado o mais breve possível, pois a demora pode resultar em complicações graves e disseminação da infecção. Além disso, é recomendável que os parceiros sexuais do indivíduo afetado também sejam testados e tratados, caso necessário, para prevenir a reinfeição e a propagação da infecção.

A coccidiose é uma infecção intestinal causada por protozoários da ordem Coccidia. Esses protozoários parasitam o tecido epitelial do intestino, provocando diarreia, desidratação, perda de peso e, em casos graves, morte. A coccidiose é frequentemente encontrada em animais, mas também pode infectar humanos, especialmente crianças em países em desenvolvimento ou pessoas com sistemas imunológicos debilitados. O tratamento geralmente consiste na administração de medicamentos antiprotozoários específicos.

O Serviço de Saúde Pública dos Estados Unidos (USPHS), é uma agência do Departamento de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos (HHS). Foi fundado em 1798, tornando-se uma das agências federais mais antigas do governo dos EUA. O USPHS é composto por aproximadamente 6.000 profissionais de saúde, incluindo médicos, enfermeiros, dentistas, farmacêuticos, pesquisadores e outros especialistas em saúde pública.

A missão do USPHS é proteger, promover e aprimorar a saúde e a segurança dos americanos através da prevenção de doenças, lesões e disfunções; promoção de estilos de vida saudáveis; garantia de alimentos e medicamentos seguros; e preparação e resposta a emergências de saúde pública.

O USPHS opera através de oito órgãos operacionais: os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), a Administração de Alimentos e Fármacos (FDA), o Serviço Nacional de Saúde Indígena (IHS), o Serviço de Saúde dos EUA (USHS), os Institutos Nacionais de Saúde (NIH), a Administração de Recursos e Serviços de Saúde (HRSA), a Administração de Substâncias e Drogas (DEA) e o Centro Nacional de Estatísticas de Saúde (NCHS).

Além disso, os oficiais comissionados do USPHS desempenham um papel importante em várias agências governamentais, incluindo o Departamento de Defesa, o Serviço de Imigração e Naturalização, a Administração de Veteranos e outras agências federais, estaduais e locais. Eles fornecem conhecimento especializado em saúde pública e serviços médicos para apoiar as missões dessas organizações.

Ehrlichia é um gênero de bactérias gram-negativas intracelulares obrigatórias que pertence à família Anaplasmataceae. Essas bactérias são transmitidas principalmente por carrapatos e podem causar diversas doenças em humanos e animais, incluindo a ehrlichiose humana granulocítica (EHG), a ehrlichiose canina e a anaplasmoses animal e humana.

As bactérias Ehrlichia infectam os glóbulos brancos do sangue, particularmente os granulócitos e monócitos, e se multiplicam dentro de vacúolos especializados chamados "corpúsculos de inclusão". A infecção pode resultar em sintomas como febre, náuseas, vômitos, diarréia, dores de cabeça, dor muscular e articulações, erupções cutâneas e, em casos graves, insuficiência orgânica.

O diagnóstico da infecção por Ehrlichia geralmente é confirmado por meio de exames laboratoriais, como a detecção direta da bactéria no sangue ou a identificação serológica do anticorpo específico contra a bactéria. O tratamento geralmente consiste em antibióticos, como a doxiciclina, que são eficazes contra as bactérias Ehrlichia. A prevenção da infecção por Ehrlichia inclui o uso de repelentes contra carrapatos e a realização de exames regulares para detectar a presença de infecções por bactérias transmitidas por carrapatos.

Coinfección é um termo usado em medicina para descrever a presença simultânea de duas ou mais infecções virais, bacterianas ou por outros patógenos em um único indivíduo. Isto pode ocorrer quando uma pessoa é infectada por dois diferentes tipos de agentes infecciosos ao mesmo tempo, ou se infecta com um segundo agente enquanto ainda está sendo afetada pela primeira infecção. A coinfecção pode resultar em sintomas mais graves e complicações mais severas do que uma única infecção, especialmente em pessoas com sistemas imunológicos debilitados. Também é possível que a presença de um patógeno afete a capacidade do hospedeiro em combater outras infecções, levando a uma maior gravidade da coinfecção.

Western blotting é uma técnica amplamente utilizada em laboratórios de biologia molecular e bioquímica para detectar e identificar proteínas específicas em amostras biológicas, como tecidos ou líquidos corporais. O método consiste em separar as proteínas por tamanho usando electroforese em gel de poliacrilamida (PAGE), transferindo essas proteínas para uma membrana de nitrocelulose ou PVDF, e, em seguida, detectando a proteína alvo com um anticorpo específico marcado, geralmente com enzimas ou fluorescência.

A técnica começa com a preparação da amostra de proteínas, que pode ser extraída por diferentes métodos dependendo do tipo de tecido ou líquido corporal. Em seguida, as proteínas são separadas por tamanho usando electroforese em gel de poliacrilamida (PAGE), onde as proteínas migram através do campo elétrico e se separam com base em seu peso molecular. Após a electroforese, a proteína é transferida da gel para uma membrana de nitrocelulose ou PVDF por difusão, onde as proteínas ficam fixadas à membrana.

Em seguida, a membrana é bloqueada com leite em pó ou albumina séricas para evitar a ligação não específica do anticorpo. Após o bloqueio, a membrana é incubada com um anticorpo primário que se liga especificamente à proteína alvo. Depois de lavar a membrana para remover os anticópos não ligados, uma segunda etapa de detecção é realizada com um anticorpo secundário marcado, geralmente com enzimas como peroxidase ou fosfatase alcalina, que reage com substratos químicos para gerar sinais visíveis, como manchas coloridas ou fluorescentes.

A intensidade da mancha é proporcional à quantidade de proteína presente na membrana e pode ser quantificada por densitometria. Além disso, a detecção de proteínas pode ser realizada com métodos mais sensíveis, como o Western blotting quimioluminescente, que gera sinais luminosos detectáveis por radiografia ou câmera CCD.

O Western blotting é uma técnica amplamente utilizada em pesquisas biológicas e clínicas para a detecção e quantificação de proteínas específicas em amostras complexas, como tecidos, células ou fluidos corporais. Além disso, o Western blotting pode ser usado para estudar as modificações póst-traducionais das proteínas, como a fosforilação e a ubiquitinação, que desempenham papéis importantes na regulação da atividade enzimática e no controle do ciclo celular.

Em resumo, o Western blotting é uma técnica poderosa para a detecção e quantificação de proteínas específicas em amostras complexas. A técnica envolve a separação de proteínas por electroforese em gel, a transferência das proteínas para uma membrana de nitrocelulose ou PVDF, a detecção e quantificação das proteínas com anticorpos específicos e um substrato enzimático. O Western blotting é amplamente utilizado em pesquisas biológicas e clínicas para estudar a expressão e modificações póst-traducionais de proteínas em diferentes condições fisiológicas e patológicas.

Em termos médicos, imunoconglutininas referem-se a um tipo específico de anticorpos que são produzidos pelo sistema imune em resposta a determinados estímulos. Eles fazem parte da classe dos anticorpos IgG e desempenham um papel importante no processo de conglutinação, que é a agregação de complexos de antígeno-anticorpo com proteínas do complemento.

As imunoconglutininas são frequentemente detectadas em indivíduos com doenças hematológicas, como leucemia e linfoma, bem como em alguns casos de infecções bacterianas ou víricas agudas. No entanto, é importante notar que a presença de imunoconglutininas não é específica de qualquer doença em particular e sua detecção deve ser interpretada em conjunto com outros exames diagnósticos para chegar a uma conclusão clínica precisa.

Brucellose é uma doença infecciosa bacteriana que pode ser transmitida a humanos através do consumo de alimentos contaminados, principalmente leite e queijo não pasteurizados, ou por contato direto com animais infectados, como gado bovino, ovinos e caprinos. A bactéria responsável pela brucelose é da espécie Brucella, existindo várias espécies que podem causar a doença em humanos, sendo as principais B. abortus (origem bovina), B. melitensis (origem ovina e caprina) e B. suis (origem suína).

A brucelose é geralmente caracterizada por sintomas sistêmicos inespecíficos, como febre, cansaço, dores musculares e articulares, sudorese noturna e perda de peso. Em alguns casos, podem ocorrer complicações, como endocardite, artrites sépticas ou abcessos hepáticos e esplênicos. O diagnóstico geralmente é confirmado por meio de exames laboratoriais, como hemoculturas ou testes sorológicos.

O tratamento da brucelose geralmente consiste na administração de antibióticos, como a doxiciclina e rifampicina, durante um período prolongado, geralmente de seis semanas ou mais. Em casos graves ou complicados, podem ser necessários outros antibióticos ou intervenções cirúrgicas. A prevenção da brucelose inclui a pasteurização do leite e derivados, o controle da infecção em animais domésticos e a vacinação de gado em áreas de risco.

Burkholderia pseudomallei é uma bactéria gram-negativa, aeróbica e flagelada que causa a doença melioidose. Essa bactéria é encontrada no solo e na água contaminados em regiões tropicais e subtropicais, especialmente no Sudeste Asiático e no Norte da Austrália. A infecção ocorre geralmente através de inalação, ingestão ou contato direto com a pele lesada com partículas contaminadas do solo ou água. Os sintomas podem variar desde uma infecção respiratória leve até formas graves que afetam diversos órgãos e sistemas, incluindo pulmões, pele, sistema linfático e sangue. O tratamento geralmente inclui antibióticos de longo prazo, como eritromicina ou ceftazidima, seguidos por trimetoprim-sulfametoxazol para prevenir recorrências. A melioidose pode ser fatal se não for tratada adequadamente e tem um alto índice de mortalidade em pessoas com sistemas imunológicos debilitados.

'Eritema Migrans Crônico' não é um termo médico amplamente reconhecido ou utilizado em literatura médica confiável. No entanto, Eritema Migrans é um sintoma bem estabelecido e bem conhecido na medicina, geralmente associado à infecção por Borrelia burgdorferi, a bactéria que causa a doença de Lyme.

Eritema Migrans (EM) é descrito como uma mancha vermelha na pele que gradualmente se expande ao redor do local da picada de carrapato infectado. A mancha geralmente é aquecida, dolorosa e não pica. Em alguns casos, o EM pode persistir por mais de alguns meses, sendo então chamado de Eritema Migrans Persistente (EMP) ou Eritema Migrans Crônico, embora esses termos ainda não sejam universalmente aceitos na comunidade médica.

Portanto, é importante consultar fontes médicas confiáveis e/ou um profissional de saúde para obter informações precisas e atualizadas sobre este assunto.

A palavra "China" em si não tem uma definição médica, pois é um termo geopolítico usado para se referir a um país localizado na Ásia Oriental. No entanto, podemos discutir algumas condições de saúde e doenças que são frequentemente associadas à China ou à população chinesa devido a diferentes fatores, como estilo de vida, dieta, exposição ambiental e genética. Algumas delas incluem:

1. Doença de Hepatite B: A hepatite B é um vírus que infecta o fígado e pode causar inflamação aguda e crônica. A China tem uma alta prevalência da infecção por hepatite B, com cerca de 93 milhões de pessoas infectadas. Isso se deve em parte à transmissão perinatal e horizontal durante a infância.

2. Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC): A DPOC, incluindo bronquite crónica e enfisema, é uma doença pulmonar progressiva que dificulta a respiração. O tabagismo é um fator de risco significativo para a DPOC, e como a China tem a maior população de fumantes do mundo, a prevalência da DPOC também é alta no país.

3. Câncer: A China tem altas taxas de câncer, especialmente câncer de pulmão, estômago e fígado, que são atribuídos a fatores como tabagismo, dieta, infecções crónicas e exposição ambiental.

4. Doença Cardiovascular: A doença cardiovascular é uma causa importante de morte na China, com doenças cerebrovasculares e doenças coronárias sendo as principais causas. Fatores de risco como tabagismo, hipertensão, diabetes e dislipidemia contribuem para a alta taxa de doença cardiovascular no país.

5. Hepatite B: A hepatite B é uma infecção viral que afeta o fígado e é prevalente na China. A infecção crónica pode levar a complicações como cirrose e câncer de fígado.

6. Doença Mental: A doença mental, incluindo depressão e ansiedade, é uma preocupação crescente na China devido ao rápido crescimento económico, mudanças sociais e estressores ambientais.

7. Doenças Infecciosas: A China tem um grande número de doenças infecciosas, incluindo tuberculose, hepatite B e C, HIV/SIDA e doenças transmitidas por alimentos e água. O país também é suscetível a surtos e pandemias, como o surgimento da síndrome respiratória aguda grave (SRAG) em 2003.

As penicilinas são um tipo de antibiótico derivado da Penicillium, um gênero de fungos. Elas funcionam inibindo a síntese da parede celular bacteriana, o que leva à lise (destruição) dos microorganismos sensíveis a esse fármaco.

Existem diferentes tipos de penicilinas, incluindo a penicilina G, penicilina V, penicilina procaina e penicilina benzatina, entre outras. Cada um deles tem propriedades farmacológicas específicas e é usado para tratar diferentes tipos de infecções bacterianas.

Embora as penicilinas sejam eficazes contra muitas bactérias, algumas cepas resistem a seu efeito. A resistência à penicilina é um problema crescente em todo o mundo e torna-se cada vez mais difícil tratar infecções causadas por bactérias resistentes a esse antibiótico.

Treponema é um gênero de bactérias helicoidais gram-negativas, móveis e anaeróbicas facultativas. Essas bactérias possuem flagelos internos que lhes permitem se movimentar em ambientes viscosos. O gênero Treponema inclui várias espécies que são patogênicas para os seres humanos, incluindo a Treponema pallidum, que é a causa da sífilis, uma doença sexualmente transmissível grave e potencialmente fatal. Outras espécies de Treponema estão associadas à doenças periodontais e outras infecções bucais. É importante notar que as bactérias do gênero Treponema são sensíveis a condições ambientais, como temperatura, pH e atividade oxidativa-reduzida, o que pode influenciar sua capacidade de causar doenças.

1880 - Soro diagnóstico da febre tifóide (estudo sobre o valor semiológico da reacção de Widal) tese de licenciatura, Lisboa. ... sífilis, febre de Malta e varíola. Foi membro de múltiplas sociedade científicas, sendo eleito presidente da Sociedade de ...
Sorodiagnóstico da Sífilis. Gestante com VDRL 1:1, tratada adequadamente em gestação anterior, precisa tratar novamente?. Se ... SOF Arquivada) Qual o profissional habilitado e a estrutura necessária para realizar os testes rápidos de HIV, sífilis e ... aps-repo.bvs.br/aps/qual-o-profissional-habilitado-e-a-estrutura-necessaria-para-realizar-os-testes-rapidos-de-hiv-sifilis-e- ...
1880 - Soro diagnóstico da febre tifóide (estudo sobre o valor semiológico da reacção de Widal) tese de licenciatura, Lisboa. ... sífilis, febre de Malta e varíola. Foi membro de múltiplas sociedade científicas, sendo eleito presidente da Sociedade de ...
Sorodiagnóstico da Sífilis Núcleos * Núcleo de Telessaúde Mato Grosso do Sul Assunto principal. * Sorodiagnóstico da Sífilis 1 ...
Sorodiagnóstico da Sífilis [E05.200.812.735.850] Sorodiagnóstico da Sífilis * TÉCNICAS E EQUIPAMENTOS ANALÍTICOS, DIAGNÓSTICOS ...
Reação de Wassermann use Sorodiagnóstico da Sífilis Reação do Ácido Periódico de Schiff ...
Reação de Wassermann use Sorodiagnóstico da Sífilis Reação do Ácido Periódico de Schiff ...
Reação de Wassermann use Sorodiagnóstico da Sífilis Reação do Ácido Periódico de Schiff ...
Reação de Wassermann use Sorodiagnóstico da Sífilis Reação do Ácido Periódico de Schiff ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis. Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
HIV, Síndrome de Imunodeficiência Adquirida, Fármacos Anti-HIV, Infecções Oportunistas Relacionadas com a AIDS, Sorodiagnóstico ... Sífilis, Transmissão Vertical de Doenças Infecciosas, HIV, Puberdade Precoce, Serviços de Diagnóstico, Terapêutica, Sexualidade ...
Se, porém, o aspecto sorológico for especificamente sobre sorodiagnóstico, usar /diagnóstico e não /imunologia. ... sífilis congênita). ...
... toxoplasmose e sífilis, respectivamente. Relativo à história alimentar, um estudo que avaliou o perfil alimentar de indivíduos ... Sorodiagnóstico; AIDS; Zinco; Estresse oxidativo; Estado nutricional. INTRODUÇÃO. Conforme dados do Ministério da Saúde, desde ...
Sorodiagnóstico da Sífilis - Conceito preferido Identificador do conceito. M0020968. Nota de escopo. Testes sorológicos para ... Sorodiagnóstico da Sífilis Reação de Wassermann - Relacionado, mas não mais amplo ou mais específico Identificador do conceito ... serodiagnóstico de la sífilis. Termo(s) alternativo(s). diagnóstico serológico de la sífilis reacción de Wassermann test de ... Testes sorológicos para sífilis.. Qualificadores permitidos:. AE efeitos adversos. CL classificação. EC economia. ES ética. HI ...
Sífilis Author * Núcleo de Telessaúde Mato Grosso do Sul Assunto principal. * Sorodiagnóstico da Sífilis 1 ...
Reação de Wassermann use Sorodiagnóstico da Sífilis Reação do Ácido Periódico de Schiff ...
Reação de Wassermann use Sorodiagnóstico da Sífilis Reação do Ácido Periódico de Schiff ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis. Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Teste de Kahn use Sorodiagnóstico da Sífilis Teste de Kolmogorov-Smirnov use Estatísticas não Paramétricas ...
Sífilis/diagnóstico , Sorodiagnóstico da Sífilis ...
Além disso, é proposto o aconselhamento continuado para pessoas que aguardam os resultados de exames de HIV, sífilis, hepatites ... Palavras-chave: Aconselhamento, revelação, teoria psicanalítica, sorodiagnóstico do HIV.. Este estudo tem por propósito ...

No FAQ disponível com os "sorodiagnóstico da sífilis"