Fixação de um osso em que sua cabeça e colo estão inclinados excessivamente para trás.
TECIDO CONJUNTIVO especializado, principal constituinte do ESQUELETO. O componente celular básico (principle) do osso é constituído por OSTEOBLASTOS, OSTEÓCITOS e OSTEOCLASTOS, enquanto COLÁGENOS FIBRILARES e cristais de hidroxiapatita formam a MATRIZ ÓSSEA.
Condição em que o ÚTERO se encontra voltado para trás, em direção à coluna vertebral. O útero se encontra mais comumente na vertical ou na posição de anteversão. Apesar do útero invertido ser, sem sintomas, uma variante do posicionamento normal, algumas vezes está associado com dor, desconforto e outras complicações da gravidez.
Parte da pelve que compreende o encaixe pélvico onde a cabeça do FÊMUR se junta para formar a ARTICULAÇÃO DO QUADRIL (articulação acetabulofemoral).
Um dos três ossos que compõem o osso da coxa da cintura pélvica. Em tetrápodes, que é a parte da pélvis, que projecta para trás no lado ventral, e em primatas, que suporta o peso do animal sentado.
Conjunto dos ossos que constituem cada metade da cintura pélvica em VERTEBRADOS, formados pela fusão do ÍLEO, ÍSQUIO e OSSO PÚBICO.
Osso em humanos e primatas que se estende da ARTICULAÇÃO DO OMBRO até a ARTICULAÇÃO DO COTOVELO.
Processo patológico mecânico que pode levar a falhas no quadril. É causado por anormalidades do ACETÁBULO e/ou FÊMUR combinadas com movimento intenso do quadril que levam a colisões repetitivas que danificam as estruturas de tecido mole.
Ligação que é formada pela articulação da cabeça do FÊMUR e o ACETÁBULO da PELVE.
Deslocamento do fêmur em relação à posição normal da ARTICULAÇÃO DO QUADRIL.
Luxação congênita do quadril que geralmente inclui a subluxação da cabeça do fêmur, displasia acetabular e luxação completa da cabeça do fêmur do acetábulo verdadeiro. Essa afecção ocorre em aproximadamente 1 a cada 1000 nascimentos vivos e é mais comum no gênero feminino que no masculino.
Renovação contínua da MATRIZ ÓSSEA e mineral, envolvendo 1) aumento na REABSORÇÃO ÓSSEA (atividade osteoclástica) e 2) OSTEOGÊNESE (atividade osteoblástica). O processo de remodelação óssea ocorre no esqueleto adulto em focos discretos. O processo assegura a integridade mecânica do esqueleto ao longo da vida, desempenhando um papel importante na HOMEOSTASE do cálcio. Desequilíbrios na regulação dos dois eventos contrastantes da remodelação óssea (reabsorção óssea e formação óssea) resulta em muitas das doenças ósseas metabólicas como a OSTEOPOROSE.
Doenças das raizes cervicais (primeiras raizes torácicas), tronco nervoso, medula e componentes nervosos periféricos do PLEXO BRAQUIAL. As manifestações clínicas incluem dor regional, PARESTESIA, FRAQUEZA MUSCULAR e diminuição da sensação (HIPESTESIA) na extremidade superior. Estes transtornos podem estar associados com trauma (incluindo TRAUMATISMOS DO NASCIMENTO), SÍNDROME DO DESFILADEIRO TORÁCICO, NEOPLASIAS, NEURITE, RADIOTERAPIA e outras afecções.
Corte cirúrgico de um osso. (Dorland, 28a ed)
Torção ou rotação anormal de uma parte ou membro do corpo em seus eixos.
Métodos para proceder medidas tridimensionais e análise de movimento usando radiografias estereoscópicas.
Quantidade de mineral por centímetro quadrado de OSSO. Esta é a definição usada na prática clínica. A densidade óssea real deveria ser expressa em gramas por mililitro. É mais frequentemente medida por ABSORCIOMETRIA DE RAIOS X ou TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA POR RAIOS X. A densidade óssea é um prognosticador importante para a OSTEOPOROSE.
Trauma anóxico ou mecânico, provocado no recém-nascido durante o trabalho de parto ou nascimento.
Trabalhos que contêm artigos de informação em assuntos em todo campo de conhecimento, normalmente organizado em ordem alfabética, ou um trabalho semelhante limitado a um campo especial ou assunto.
A concavidade anterior da curvatura das espinhas lombar e cervical vistas de lado. O termo normalmente refere-se a um aumento anormal da curvatura (dorso em sela, dorso escavado, curvatura para trás). Ela não inclui a lordose como a postura normal de procriação de certos animais (POSTURA, COMPORTAMENTO SEXUAL ANIMAL).
Inchaço envolvendo a DERME profunda, tecidos subcutâneo, ou submucoso, representando um EDEMA localizado. O angioedema frequentemente ocorre na face, lábios, língua e laringe.
Sintoma, não uma doença, do pescoço torcido. Na maioria das vezes, a cabeça é lançada levemente para um lado e o queixo rota-se para o outro. As contrações musculares involuntárias na região do pescoço de pacientes com torcicolo podem ser devido a defeitos congênitos, neurológicos, trauma, inflamação, tumores ou outros fatores.
Uma das duas saliências carnudas sobre a secção posterior inferior do tronco ou do QUADRIL em seres humanos e primatas, em que estes se sentam, consistindo de MÚSCULOS glúteos e gordura.
Postura ou atitude devido à co-contração de músculos agonista e antagonista em uma região do corpo. Frequentemente afeta grandes músculos axiais do tronco e dos cíngulos dos membros. As afecções caracterizadas por episódios persistentes ou recidivantes de distonia como manifestação primária da doença são chamadas por DISTÚRBIOS DISTÔNICOS (Tradução livre do original: Adams et al., Principles of Neurology, 6th ed, p77).
Coluna vertebral ou espinal.

A retroversão óssea é um termo usado em anatomia e medicina para descrever a orientação invertida ou a rotação posterior de um osso ou estrutura óssea em relação à sua posição normal. Embora este termo possa ser aplicado a qualquer osso, é mais comumente usado em referência à retroversão da articulação sacroilíaca (ASI) e do colo do útero.

Na articulação sacroilíaca, a retroversão óssea ocorre quando o ílio gira posteriormente em relação ao sacro, resultando em uma maior exposição da superfície articular sacral no forame ciático maior. Isto pode comprimir os nervos e vasos sanguíneos que passam pelo forame ciático maior, levando a sintomas como dor, entumecimento ou fraqueza nos membros inferiores.

No colo do útero, a retroversão óssea refere-se à inversão posterior da posição normal do útero em relação ao sacro. Normalmente, o útero está antevertido, com sua extremidade superior (fundus) inclinada para a frente em direção à bexiga urinária. No entanto, em casos de retroversão óssea, o útero gira e se move para trás em relação ao sacro, o que pode resultar em sintomas como pressão pélvica, dor durante as relações sexuais ou problemas urinários.

A retroversão óssea é frequentemente associada a outras condições, como displasia sacroilíaca, hipermobilidade sacroilíaca, endometriose e gravidez ectópica. O tratamento depende da causa subjacente e pode incluir fisioterapia, medicamentos para aliviar a dor ou, em casos graves, cirurgia.

Em anatomia e medicina, "ossos" referem-se aos tecidos vivos e firmes, especializados em fornecer suporte estrutural e formar o esqueleto do corpo humano. Os ossos são classificados como tecido conjuntivo altamente especializado e são compostos principalmente por matriz mineral (cristais de fosfato de cálcio e carbonato de cálcio) e matriz orgânica (colágeno, proteoglicanos, lipídios e glicoproteínas).

Existem diferentes tipos de ossos no corpo humano, incluindo:

1. Ossos longos: esses ossos têm uma forma alongada e cilíndrica, como os ossos dos braços (úmero), pernas (fêmur e tíbia) e dedos. Eles são compostos por uma diáfise (corpo principal do osso) e epífises (extremidades do osso).

2. Ossos curtos: esses ossos têm formato cubóide ou irregular, como os ossos das mãos (carpais), punhos e vértebras. Eles são compactos e densos, com pouco tecido esponjoso em seu interior.

3. Ossos planos: esses ossos têm forma achatada e larga, como os ossos do crânio (frontal, parietal, temporal e occipital), esterno e costelas. Eles são relativamente finos e contêm muitos poros para permitir a passagem de vasos sanguíneos e nervos.

4. Ossos irregulares: esses ossos têm formato complexo e não se encaixam em nenhuma das categorias anteriores, como os ossos do crânio (etmoide e esfenoide), sacro e coxígeo.

Os ossos desempenham várias funções importantes no corpo humano, incluindo:

* Fornecer suporte estrutural aos órgãos e tecidos moles do corpo;
* Proteger órgãos vitais, como o cérebro, coração e pulmões;
* Fornecer pontos de inserção para músculos e tendões, permitindo que os músculos se movam e funcionem adequadamente;
* Armazenar minerais importantes, como cálcio e fósforo;
* Produzirem células sanguíneas, especialmente no caso dos ossos do crânio e da medula óssea.

Retroversão uterina é uma condição em que o útero está invertido ou inclinado para trás, em vez de sua posição normal, inclinado para a frente sobre a bexiga. Normalmente, o útero se encontra na cavidade pélvica e está inclinado em direção à bexiga. No entanto, em casos de retroversão uterina, ele se move para trás em direção ao canal anal.

Embora a retroversão uterina possa ser assintomática em muitas mulheres, algumas podem experimentar sintomas como dispareunia (dor durante o sexo), dor pélvica crônica, menstruação dolorosa ou irregular e problemas de concepção. No entanto, é importante observar que a retroversão uterina em si não causa infertilidade, mas pode tornar mais difícil a concepção se houver outros fatores subjacentes que afetam a fertilidade.

A maioria das vezes, a retroversão uterina é uma variação normal da anatomia pélvica e não requer tratamento. No entanto, em casos raros em que as mulheres apresentam sintomas significativos, o tratamento pode incluir fisioterapia para fortalecer os músculos do assoalho pélvico, terapia hormonal para ajudar a regular as menstruações ou cirurgia para corrigir a posição do útero.

O acetábulo é a cavidade côncava e oval na extremidade posterior do os coxal (osso do quadril) onde se articula com a cabeça do fêmur, formando a articulação da anca. Também conhecida como cavidade cotilóide, o acetábulo tem forma de cálice e é recoberto por cartilagem articular, permitindo o movimento suave entre as duas superfícies ósseas. A integridade estrutural do acetábulo é crucial para a estabilidade e mobilidade saudáveis da articulação da anca.

O ísquio refere-se a uma bacia óssea que forma parte do esqueleto pélvico. Ele é composto por três partes: o corpo do ísquio, a ala do ísquio e o ramo do ísquio. O ísquio é um osso par, localizado na parte inferior e posterior da pelve, lateral à abertura pélvica.

O corpo do ísquio é a parte central e maior do osso, enquanto a ala do ísquio é uma extensão lateral que se conecta ao sacro e ao coxo. O ramo do ísquio é uma longa projeção inferior que termina em duas extremidades: o tubérculo do ísquio, onde se inserem músculos importantes como o músculo bíceps femoral, e a espinha do ísquio, que forma parte do canal pélvico e protege os nervos e vasos sanguíneos que passam pela região.

O ísquio desempenha um papel importante na estabilidade da pelve e na locomoção, pois fornece uma superfície de inserção para músculos importantes envolvidos no movimento das pernas, como os músculos flexores da coxa e dos quadris. Além disso, o ísquio também é um local importante de fixação para ligamentos e outras estruturas que mantêm a pelve unida e estabilizada.

Os ossos pélvicos, também conhecidos como o esqueleto pélvico, são um conjunto de três ossos que se articulam entre si para formar a base da coluna vertebral e suportar os órgãos abdominais e pélvicos. Eles desempenham um papel fundamental na proteção dos órgãos internos, fornecendo inserções para músculos importantes e fornecendo uma articulação estável entre o tronco e as extremidades inferiores.

O esqueleto pélvico é composto por dois ossos ilíacos, um sacro e um cóccix. Cada osso ilíaco se conecta à coluna vertebral no nível da quinta vértebra lombar (L5) e se estende lateralmente para formar a parte superior e posterior do anel pélvico. O sacro, que é formado pela fusão de cinco vértebras sacrais, se articula com os ossos ilíacos na parte traseira do anel pélvico. O cóccix, também conhecido como osso triangular ou osso do rabo, é formado pela fusão de quatro vértebras coccígeas e fecha a parte inferior do anel pélvico.

A articulação entre o sacro e os ossos ilíacos é chamada de articulação sacroilíaca e é uma articulação sinovial facilitada por ligamentos fortes. A articulação entre os dois ossos ilíacos é chamada de sínfise púbica e é uma articulação cartilaginosa fibrosa reforçada por um disco interpúbico e ligamentos robustos.

O esqueleto pélvico desempenha um papel importante na locomoção, pois fornece um local de inserção para músculos importantes, como o glúteo máximo, o glúteo médio e o glúteo mínimo, que ajudam na extensão, abdução e rotação lateral da coxa. Além disso, os músculos adutores, que se inserem nos ossos púbicos, ajudam na adução e rotação medial da coxa.

Em mulheres grávidas, as alterações no esqueleto pélvico são comuns para facilitar o parto. Essas alterações incluem a relaxação dos ligamentos pélvicos e uma maior mobilidade da articulação sacroilíaca, o que pode resultar em dor pélvica e lombar após o parto.

O úmero é um osso longo que forma a parte superior do braço na anatomia humana. Ele se articula com a escápula no ombro e com o rádio e a ulna no cotovelo. O úmero tem três faces (anterior, posterior e lateral) e três extremidades (superior, inferior e medial). A extremidade superior do úmero é formada pela cabeça do úmero, que se encaixa na glenóide da escápula para formar a articulação do ombro. A parte longa do úmero é chamada de corpo do úmero e tem duas fossas (supraespinhosa e infraspinhosa) e três sulcos (intertubercular, intermuscular anterior e intermuscular posterior). A extremidade inferior do úmero se divide em dois processos (epicôndilo lateral e epicôndilo medial) e duas fossas (supratroclear e infratroclear), que servem como origem ou inserção para vários músculos do braço e antebraço.

Impingement femoroacetabular (FAI) é uma condição ortopédica na qual o pôsterior da cabeça do fêmur e o colo entram em contato ou se choquem com o labrum e a superfície acetabular da articulação da anca. Isso pode resultar em dor na virilha, rigidez e limitação do movimento articular. Existem três tipos principais de FAI: "tipo de câimbra", no qual a cabeça femoral é alongada e o colo fêmur é direcionado para dentro e superiormente, causando contato com o labrum; "tipo de pino", no qual a cabeça femoral tem um excesso de osso que se projeta além do limite normal da articulação, também chamado de "bump cam"; e "mista", que apresenta características de ambos os tipos acima mencionados. O FAI é frequentemente associado à artrose precoce da anca.

A articulação do quadril, também conhecida como articulação coxofemoral, é a junção entre o osso ilíaco (parte do osso pélvico) e o fêmur (osso da coxa). Essa articulação permite a maior amplitude de movimento entre todas as articulações do corpo humano.

A articulação do quadril é uma articulação sinovial, que possui uma cavidade fechada revestida por membrana sinovial e lubrificada por líquido sinovial. Ela é formada por duas superfícies articulares: a cabeça do fêmur e o acetábulo (cavidade do osso ilíaco). A cabeça do fêmur é recoberta por cartilagem articular e se encaixa na cavidade do acetábulo, que também é coberta por cartilagem.

A estabilidade da articulação do quadril é garantida por meio de ligamentos fortes, músculos e a forma anatômica das superfícies articulares. Os principais ligamentos que reforçam essa articulação são o ligamento iliofemoral (ou de Bigelow), o ligamento pubofemoral e o ligamento ischiofemoral.

A movimentação da articulação do quadril inclui flexão, extensão, abdução, adução, rotação interna e externa. Esses movimentos são essenciais para a locomoção humana, como andar, correr, sentar e levantar objetos.

Uma luxação do quadril é uma condição ortopédica em que a bola da articulação do quadril (a cabeça do fémur) se desloca da sua cavidade natural na parte superior do osso do quadril (acetábulo). Isto geralmente ocorre devido a um trauma ou lesão significativa no quadril, como resultado de uma queda, acidente de carro ou outra forma de impacto físico violento. A luxação do quadril pode causar dor intensa, inabilidade para se movimentar o membro inferior e, em alguns casos, danos aos tecidos moles circundantes, como nervos, vasos sanguíneos e músculos. Em casos graves, a luxação do quadril pode resultar em complicações como artrose ou necrose avascular da cabeça do fémur se não for tratada adequadamente e rapidamente.

A "Luxação Congênita de Quadril" é uma condição médica na qual a articulação do quadril de um bebê ou criança pequena está deslocada ou fora do lugar à nascença ou se desenvolve durante os primeiros meses de vida. Isto ocorre quando o socket (cotilede) da articulação do quadril, que normalmente cobre e segura a extremidade superior do fêmur (a cabeça femoral), está subdesenvolvido ou mal formado, resultando em uma articulação instável.

Esta condição geralmente afeta um ou ambos os quadris e pode ser associada a outras anomalias congênitas, como displasia ectópica do ânus, espinha bífida e problemas cardíacos congênitos. Os sinais e sintomas da luxação congênita de quadril podem incluir assimetria na forma e comprimento das coxas, dificuldade em movimentar a perna ou coxa afetada, diminuição da amplitude de movimento no quadril e, em casos graves, problemas de desenvolvimento na marcha.

O tratamento geralmente inclui fisioterapia, dispositivos ortopédicos (como suportes ou correições) e, em alguns casos, cirurgia para corrigir a luxação e promover o desenvolvimento normal da articulação do quadril. O prognóstico depende da gravidade da condição e do tratamento precoce e adequado.

Em termos médicos, a remodelação óssea refere-se ao processo contínuo e natural de renovação e reparação do tecido ósseo que ocorre ao longo da vida de um indivíduo. Este processo é mediado por duas populações celulares chaves: os osteoclastos, responsáveis pela resorção ou quebra do tecido ósseo velho ou danificado; e os osteoblastos, que são responsáveis pela formação de novo tecido ósseo.

A remodelação óssea desempenha um papel crucial na manutenção da integridade estrutural do esqueleto, permitindo que o corpo se adapte a diferentes demandas mecânicas e metabólicas ao longo do tempo. No entanto, com a idade ou em condições patológicas, como a osteoporose, este processo pode ficar desequilibrado, resultando em uma perda excessiva de tecido ósseo e aumento do risco de fraturas.

Em resumo, a remodelação óssea é um mecanismo complexo e fundamental para a saúde óssea, envolvendo o equilíbrio entre a resorção e formação ósseas contínuas.

Brachial plexopathy, ou neuropathias do plexo braquial, refere-se a um grupo de condições que afetam o plexo braquial, uma rede complexa de nervos que fornece movimento e sensação para o membro superior. O plexo braquial é formado por nervos que se originam na medula espinhal na região do pescoço e descem pelo tórax até o membro superior.

A causa mais comum de brachial plexopathy é trauma, como lesões por acidentes de trânsito ou esforços excessivos durante o nascimento (paralisia do braço do bebê). Outras causas incluem compressão nervosa, inflamação, infecções, tumores e doenças sistêmicas como diabetes.

Os sintomas de brachial plexopathy podem variar dependendo da gravidade e localização da lesão. Eles podem incluir fraqueza ou paralisia dos músculos do braço, ombro ou mão, diminuição ou perda de sensibilidade na região do membro superior afetado, dor neuropática (que pode ser descrita como ardente, pulsátil ou elétrica) e formigueiro. Em casos graves, a plexopatia braquial pode causar atrofia muscular e perda funcional do membro superior.

O diagnóstico de brachial plexopathy geralmente é baseado em exames físicos, história clínica do paciente e estudos imagiológicos como ressonância magnética (RM) ou tomografia computadorizada (TC). Também podem ser realizados estudos eletromiográficos (EMG) e testes de condução nervosa (TCN) para avaliar a função dos nervos afetados. O tratamento depende da causa subjacente e pode incluir fisioterapia, medicamentos para alívio da dor e cirurgia em casos graves ou quando há compressão nervosa.

Osteotomia é um termo médico que se refere a um procedimento cirúrgico em que é feita uma corte ou separação intencional em um osso. Essa técnica é usada para corrigir deformidades ósseas, alinhar os ossos de forma adequada e realinhar articulações deslocadas ou com problemas de alinhamento. A osteotomia pode ser realizada em diferentes partes do esqueleto, dependendo da necessidade clínica e do objetivo terapêutico.

Existem vários tipos de osteotomias, incluindo:

1. Osteotomia de corte simples: Neste procedimento, um único corte é feito no osso, permitindo que uma pequena porção do osso seja movida ou realinhada.
2. Osteotomia em forma de "V" ou em "Y": Nestes casos, mais de um corte é realizado no osso, formando uma configuração em "V" ou "Y". Isso permite que uma maior porção do osso seja movida ou ajustada, proporcionando maior correção da deformidade.
3. Osteotomia rotacional: Neste procedimento, o corte no osso é feito em forma de anel, permitindo que uma parte do osso seja girada e realinhada em sua posição original ou em uma nova posição desejável.

Após a realização da osteotomia, geralmente são utilizados dispositivos de fixação óssea, como placas e parafusos, para manter a nova posição do osso enquanto se recupera e se consolida. A osteotomia pode ser realizada em diversas regiões do esqueleto, incluindo o joelho, quadril, tornozelo, pé, punho, pulso e maxilar superior. O objetivo é tratar condições ortopédicas ou traumatológicas, como artrose, displasia do quadril, deformidades adquiridas ou congênitas, fraturas complexas e pseudartroses.

A torção (do latim "torsio", do grego "helix") refere-se ao ato ou efeito de retorcer ou retorcer um objeto sobre o seu próprio eixo. Em anatomia, a torção refere-se à torsão ou rotação de uma estrutura anatômica naturalmente em relação a outra.

Uma "anormalidade torcional" geralmente se refere a uma condição em que alguma estrutura anatômica tem uma rotação ou torsão excessiva ou inadequada em relação à sua posição normal. Isso pode ocorrer durante o desenvolvimento fetal e resultar em diferentes padrões de malformações congênitas, dependendo da estrutura afetada.

Por exemplo, no sistema musculoesquelético, a anormalidade torcional pode causar alterações na forma e função dos ossos, músculos, ligamentos e outras estruturas envolvidas. Isso pode resultar em problemas como displasia do quadril, escoliose, dor articular e outros sintomas.

No sistema gastrointestinal, a anormalidade torcional pode causar volvulus, uma condição em que o intestino se torsiona sobre si mesmo, podendo levar a obstrução intestinal, isquemia e necrose.

Em resumo, "anormalidade torcional" é um termo médico geral usado para descrever uma condição em que alguma estrutura anatômica tem uma rotação ou torsão excessiva ou inadequada em relação à sua posição normal.

Radioestreometria analítica (RSA) é uma técnica de medição precisa que utiliza radiação para avaliar a posição e a orientação dos implantes ortopédicos no corpo humano. A técnica consiste em fixar marcadores radiopacos ao longo da superfície do implante antes da cirurgia, e depois se obtém uma série de radiógraphias (radiografias) do local imediato e distante da operação. Em seguida, são realizadas medições precisas das posições dos marcadores em relação aos eixos anatômicos do osso, o que permite avaliar a estabilidade, a migração e a orientação do implante ao longo do tempo. A RSA é frequentemente utilizada em pesquisas clínicas e estudos para avaliar a fixação dos implantes ortopédicos e para melhorar o design e a colocação dos implantes, com o objetivo de obter resultados cirúrgicos mais previsíveis e seguros.

Densidade óssea refere-se à quantidade de tecido mineral ósseo presente em um determinado volume de ossos. É essencialmente uma medida da rigidez e robustez dos ossos, sendo expressa em unidades de gramas por centímetro cúbico (g/cm³). A densidade óssea varia naturalmente entre indivíduos e é influenciada por diversos fatores, como idade, sexo, genética, dieta e nível de atividade física.

A medição da densidade óssea pode ser útil no diagnóstico e acompanhamento de condições ósseas, especialmente na osteoporose, uma doença que causa osso frágil e aumenta o risco de fraturas. A densidade óssea diminui naturalmente com a idade, mas em pessoas com osteoporose, essa perda é acelerada e mais severa, resultando em ossos mais propensos a fraturar-se mesmo com pequenos traumatismos.

Existem vários métodos para medir a densidade óssea, sendo os mais comuns a absorciometria de raios X de energia dupla (DXA) e a tomografia computadorizada quantitativa (QCT). Estas técnicas permitem avaliar a densidade em diferentes partes do esqueleto, geralmente na coluna vertebral, quadril ou punho. A interpretação dos resultados leva em consideração os valores de referência para cada idade, sexo e etnia, facilitando assim a identificação de indivíduos com risco aumentado de osteoporose e fraturas ósseas.

Traumatismos do nascimento, também conhecidos como traumas perinatais ou lesões no parto, referem-se a feridas ou danos físicos que um bebê pode sofrer durante o processo de nascimento. Esses traumatismos podem ser causados por vários fatores, incluindo dificuldades no parto, uso de ferramentas obstétricas (como forceps ou ventosa) e partos pré-termo ou prolongados.

Alguns exemplos comuns de traumatismos do nascimento incluem:

1. Hematomas subdurais ou epidurais: Acumulação de sangue entre as membranas que recobrem o cérebro (hematoma subdural) ou entre o crânio e a membrana externa do cérebro (hematoma epidural). Esses hematomas podem ser causados por traumas na cabeça durante o parto.

2. Fraturas de crânio: As fraturas no crânio geralmente ocorrem em bebês prematuros ou com peso baixo ao nascer, devido ao crânio ainda flexível e menos protegido. Elas podem ser causadas por pressão excessiva durante o parto ou por uso de ferramentas obstétricas.

3. Lesões nos nervos faciais: Traumatismos no rosto ou na cabeça podem resultar em lesões nos nervos faciais, levando a paralisia facial temporária ou permanente em um lado do rosto do bebê.

4. Luxação da articulação da clavícula: A clavícula pode ser fraturada ou luxada (deslocada) durante o parto, especialmente em bebês de grande tamanho ou nos casos de partos difíceis.

5. Lesões nos tecidos moles: Traumas no processo de nascimento podem causar lesões nos órgãos internos do bebê, como hemorragias cerebrais, hemorragias retinianas ou contusões pulmonares.

A maioria das lesões relacionadas ao parto são tratáveis e geralmente desaparecem com o tempo. No entanto, em alguns casos, os danos podem ser graves e causar problemas de desenvolvimento ou deficiências permanentes. É importante que as mães recebam cuidados adequados durante a gravidez e o parto para minimizar o risco de lesões relacionadas ao nascimento. Se houver suspeita de lesão no bebê, é crucial procurar atendimento médico imediato.

'Enciclopedias as a Subject' não é uma definição médica em si, mas sim um tema ou assunto relacionado ao campo das enciclopédias e referências gerais. No entanto, em um sentido mais amplo, podemos dizer que esta área se concentra no estudo e catalogação de conhecimento geral contido em diferentes enciclopédias, cobrindo uma variedade de tópicos, incluindo ciências médicas e saúde.

Uma definição médica relevante para este assunto seria 'Medical Encyclopedias', que se referem a enciclopédias especializadas no campo da medicina e saúde. Essas obras de referência contêm artigos detalhados sobre diferentes aspectos da medicina, como doenças, procedimentos diagnósticos, tratamentos, termos médicos, anatomia humana, história da medicina, e biografias de profissionais médicos importantes. Algumas enciclopédias médicas são direcionadas a um público especializado, como médicos e estudantes de medicina, enquanto outras são destinadas ao grande público leigo interessado em conhecimentos sobre saúde e cuidados médicos.

Exemplos notáveis de enciclopédias médicas incluem a 'Encyclopedia of Medical Devices and Instrumentation', 'The Merck Manual of Diagnosis and Therapy', ' tabulae anatomicae' de Vesalius, e a 'Gray's Anatomy'. Essas obras desempenharam um papel importante no avanço do conhecimento médico, fornecendo uma base sólida para o estudo e prática da medicina.

Lordose é uma curvatura fisiológica natural na coluna vertebral, em que as vértebras convexas se curvam para trás. A lordose mais proeminente ocorre na região cervical (coluna cervical) e lumbar (coluna lombar). Essa curvatura ajuda a distribuir as forças de compressão sobre a coluna vertebral, mantendo-a alinhada e estabilizada. No entanto, um aumento excessivo ou diminuição da lordose pode resultar em desconforto ou dor na região, o que pode ser sinal de alguma condição de saúde subjacente.

Angioedema é um tipo de inflamação em que ocorre a acumulação de líquido em tecidos abaixo da pele, mucosas e membranas mucosas. Isso geralmente resulta em inchaço visível, especialmente ao redor dos olhos e boca, mas também pode ocorrer em outras partes do corpo, como as mãos, pés e genitais. Em alguns casos, o angioedema pode ser acompanhado de sintomas como coceira, náuseas, vômitos e dificuldade para respirar se os tecidos da garganta ou língua estiverem inchados.

Existem dois tipos principais de angioedema: alérgico e não alérgico. O angioedema alérgico é desencadeado por uma reação alérgica a um alimento, medicamento ou outro fator desencadetador, enquanto o angioedema não alérgico pode ser causado por vários fatores, como deficiência hereditária de uma enzima chamada C1 esterase inhibidor.

Em alguns casos, o angioedema pode ser grave e potencialmente perigoso se os sintomas interferirem na respiração ou circulation do paciente. Em tais situações, é importante procurar atendimento médico imediato. O tratamento para o angioedema depende da causa subjacente e pode incluir medicamentos como antihistamínicos, corticosteroides ou epinefrina, entre outros.

Torcicollo, também conhecido como "torticollis" em inglês, é um termo médico que se refere à torção ou inclinação anormal do pescoço. Essa condição geralmente faz com que a cabeça fique grudada para um lado e a barbela apontada para o outro, dando ao pescoço uma aparência torta ou twistada. Existem vários tipos de torcicolo, incluindo:

1. Torcicollo congênito: é presente desde o nascimento e geralmente é causado por uma posição anormal do feto no útero ou por um músculo do pescoço encurtado ou ferido durante o parto.
2. Torcicollo adquirido: desenvolve-se após o nascimento e pode ser causado por vários fatores, como lesões, infecções, tumores ou distúrbios neurológicos.
3. Torcicollo espasmódico: é um tipo de torcicolo muscular que causa dor e rigidez no pescoço, geralmente em decorrência de esforços excessivos, posições desconfortáveis ou estresse emocional.

O tratamento do torcicollo depende do tipo e da causa subjacente. Pode incluir fisioterapia, exercícios, medicamentos, terapia manual ou cirurgia, se for necessário. Em casos graves ou em crianças pequenas, o torcicolo pode resultar em problemas de desenvolvimento e deve ser tratado o mais rapidamente possível para prevenir complicações permanentes.

Na medicina, as nádegas, também conhecidas como glúteos ou glúteos, referem-se a duas massas musculares grandes e alongadas localizadas na região posterior do corpo humano, abaixo da coluna vertebral. Eles são responsáveis por movimentos importantes, como estender e rotacionar o quadril. Além disso, as nádegas servem como uma área de proteção para os órgãos pélvicos e também desempenham um papel importante na postura e no equilíbrio do corpo. O tecido adiposo (gordura) acumulado nas nádegas pode variar consideravelmente entre indivíduos e gêneros.

Distonia é um transtorno do movimento caracterizado por contrações musculares contorcidas e repetitivas que podem afetar um único músculo ou todo um grupo de músculos. Essas contrações podem ocorrer em qualquer parte do corpo, resultando em movimentos involuntários e repetitivos ou posturas anormais. Em alguns casos, a distonia pode causar espasmos dolorosos.

Existem vários tipos de distonia, incluindo:

* Distonia focal: Afecta um único grupo muscular. Os exemplos mais comuns são o blefarospasmo (contracções dos músculos em volta dos olhos) e o espasmo do pescoço (torção involuntária do pescoço).
* Distonia segmentar: Afecta dois ou mais grupos musculares adjacentes. Um exemplo é a distonia laringeia, que afeta os músculos da voz e da garganta.
* Distonia multifocal: Afecta dois ou mais grupos musculares não adjacentes.
* Distonia generalizada: Afecta todo o corpo ou grandes partes dele.

A causa exata da distonia é desconhecida, mas acredita-se que possa ser resultado de uma combinação de fatores genéticos e ambientais. Em alguns casos, a distonia pode ser causada por lesões no cérebro ou por certos medicamentos.

O tratamento da distonia depende do tipo e da gravidade dos sintomas. Os tratamentos podem incluir fisioterapia, terapia ocupacional, medicamentos para ajudar a relajar os músculos ou injeções de toxina botulínica para reduzir as contrações musculares. Em casos graves, a cirurgia pode ser considerada.

A coluna vertebral, também conhecida como coluna vertebral ou eixo axial, é uma estrutura complexa e fundamental no corpo humano. Ela se estende desde a base do crânio até a pelve e desempenha um papel crucial na proteção da medula espinhal, no suporte do tronco e cabeça, e na permissão do movimento corporal.

A coluna vertebral é composta por 33 vértebras em humanos não desenvolvidos, embora essa contagem diminua para 24 a 26 no adulto devido à fusão de algumas vértebras durante o crescimento e desenvolvimento. Essas vértebras são organizadas em cinco regiões distintas: cervical (7 vértebras), torácica (12 vértebras), lombar (5 vértebras), sacro (5 vértebras fundidas) e cóccix (4 vértebras fundidas).

Cada vértebra possui uma estrutura comum, composta por um corpo vertebral anterior, um arco neural posterior e quatro processos: dois processos transversos, um processo espinhoso e quatro pequenos processos articulares (superiores e inferiores). O corpo vertebral fornece suporte estrutural e protege a medula espinal, enquanto o arco neural forma o canal vertebral, que abriga e protege a medula espinhal. Os processos transversos e articulares facilitam os movimentos e as conexões com outros músculos e ligamentos da coluna.

A coluna vertebral apresenta três curvaturas fisiológicas naturais, que desempenham um papel importante na distribuição das forças e no equilíbrio do corpo: lordose cervical (concavidade anterior) e lordose lombar (concavidade posterior), e cifose torácica (concavidade posterior) e cifose sacrococcígea (concavidade anterior).

A coluna vertebral é responsável por várias funções importantes, incluindo a proteção da medula espinal, o suporte estrutural do corpo, a facilitação dos movimentos e a absorção de choques. Além disso, os forâmenes intervertebrais permitem que nervos raquidianos saiam da coluna para irrigar diferentes partes do corpo.

Osteoporose é um distúrbio na densidade óssea que pode causar perda de força das vértebras, comprometendo a integridade ... retroversão (descaimento para trás) da pélvis e cifose torácica. O achatamento da região lombar resulta em alterações ...
Retroversão Óssea - Conceito preferido Identificador do conceito. M0555324. Nota de escopo. Fixação de um osso em que sua ...
Osteoporose é um distúrbio na densidade óssea que pode causar perda de força das vértebras, comprometendo a integridade ... retroversão (descaimento para trás) da pélvis e cifose torácica. O achatamento da região lombar resulta em alterações ...
Doença óssea de Köhler. A doença óssea de Köhler é causada por um fornecimento de sangue insuficiente para o osso navicular do ... A pélvis fica em retroversão com os membros inferiores fletidos sobre o abdômen, quadris em abdução e rotação externa, flexão ...

No FAQ disponível com os "retroversão óssea"

No imagens disponível com os "retroversão óssea"