Antiandrogênio com aproximadamente a mesma potência que a ciproterona em espécies caninas e roedoras.
Compostos que inibem ou antagonizam a biossíntese ou as ações dos androgênios.
Compostos que interagem com RECEPTORES ANDROGÊNICOS nos tecidos alvos para haver efeitos similares àqueles da TESTOSTERONA. Dependendo dos tecidos alvos, os efeitos androgênicos podem ser na DIFERENCIAÇÃO SEXUAL, órgãos reprodutivos masculinos, ESPERMATOGÊNESE, CARACTERES SEXUAIS masculinos secundários, LIBIDO, desenvolvimento de massa muscular, força e potência.
Órgãos reprodutores masculinos. São divididos em órgãos externos (PÊNIS, ESCROTO e URETRA) e órgãos internos (TESTÍCULO, EPIDÍDIMO, VASO DEFERENTE, VESÍCULAS SEMINAIS, DUCTOS EJACULATÓRIOS, PRÓSTATA e GLÂNDULAS BULBOURETRAIS).
Esteroide androgênico potente e produto principal secretado pelas CÉLULAS DE LEYDIG do TESTÍCULO. Sua produção é estimulada por HORMÔNIO LUTEINIZANTE da HIPÓFISE. Por sua vez, a testosterona exerce controle de retroalimentação na secreção do LH e FSH da hipófise. Dependendo dos tecidos, a testosterona pode ser convertida a DIIDROTESTOSTERONA ou ESTRADIOL.
Metabólito androgênico potente da TESTOSTERONA. É produzida pela ação da enzima 3-OXO-5-ALFA-ESTEROIDE 4-DESIDROGENASE.
Compostos que se ligam a RECEPTORES ANDROGÊNICOS e inibem sua ativação.
Proteínas, geralmente encontradas no CITOPLASMA, que se ligam especificamente a ANDRÓGENOS e medeiam suas ações celulares. O complexo formado pelo andrógeno e o receptor migra para o NÚCLEO CELULAR, onde induz a transcrição de segmentos específicos de DNA.
Remoção cirúrgica de um ou ambos os testículos.
Período após o ESTRO, durante o qual os fenômenos do estro diminuem nestes animais, em que não ocorre gravidez ou pseudogravidez.
Anilidas are organic compounds that contain an amine group (-NH2, -NHR, or -NR2) bonded to a benzene ring, often used in pharmaceuticals, dyes, and agricultural chemicals, with some being highly toxic or carcinogenic.
Hormônio sintético utilizada na terapia de reposição de andrógeno e como ANTINEOPLÁSICOS HORMONAIS.
São os antineoplásicos usados para tratar tumores sensíveis a hormônios. Os tumores sensíveis a hormônios podem ser dependentes de hormônios, responsivos a hormônios, ou ambos. Um tumor dependente de hormônio regride com a remoção do estímulo hormonal, seja por cirurgia ou através do bloqueio farmacológico. Já os tumores responsivos a hormônios podem regredir quando são administradas quantidades farmacológicas de hormônios, mesmo que sinais anteriores de sensibilidade aos hormônios não tenham sido observados. Os principais cânceres responsivos a hormônios incluem carcinomas de mama, próstata, e de endométrio; de linfoma; e certas leucemias. (Tradução livre do original: AMA Drug Evaluations Annual 1994, p2079)
Glândula que (nos machos) circunda o colo da BEXIGA e da URETRA. Secreta uma substância que liquefaz o sêmen coagulado. Está situada na cavidade pélvica (atrás da parte inferior da SÍNFISE PÚBICA, acima da camada profunda do ligamento triangular) e está assentada sobre o RETO.
Família de grandes carnívoros terrestres que possuem longas pernas, pelos defensivos ásperos e um rabo denso. É composta por hienas e lobos - da - terra.
Compostos de tosil referem-se a sais ou ésteres derivados do ácido p-toluenossulfônico, caracterizados por apresentarem o grupo funcional tosilato (-O-SO2-C6H4-CH3).
Estado causado pela secreção excessiva de ANDROGÊNIOS pelo CÓRTEX SUPRARRENAL, OVÁRIOS ou TESTÍCULOS. O significado clínico em homens é desprezível. As manifestações comuns em mulheres são HIRSUTISMO e VIRILISMO, como é observado em pacientes com SÍNDROME DO OVÁRIO POLICÍSTICO e HIPERFUNÇÃO ADRENOCORTICAL.
Herbicida seletivo pré- e pós-emergente.
Tumores ou câncer de PRÓSTATA.
Subtipo de enzima do complexo do citocromo P450 que possui especificidade para pequenas moléculas heteroaromáticas planares, como CAFEÍNA e ACETAMINOFEN.
Defeito embrionário, em que um ou ambos os TESTÍCULOS não conseguem descer do ABDOME superior para o ESCROTO. A descida do testículo é essencial para a ESPERMATOGÊNESE normal que requer temperatura mais baixa que a TEMPERATURA CORPORAL. O criptorquidismo pode ser subclassificado pela localização dos testículos que não desceram suficientemente.

Flutamide é um fármaco antiandrógeno, geralmente usado no tratamento do câncer de próstata avançado. Ele funciona impedindo a ligação da testosterona e outros andrógenos a seus receptores celulares, inibindo assim os efeitos dos andrógenos sobre o crescimento e a proliferação das células cancerosas da próstata. Flutamide geralmente é usado em combinação com outros medicamentos, como a agonista de LHRH (hormônio liberador de hormona luteinizante), no tratamento do câncer de próstata avançado e metastático.

Os efeitos colaterais comuns associados ao uso de flutamide incluem náuseas, vômitos, diarreia, dor de cabeça, erupções cutâneas, diminuição da libido e disfunção erétil. Além disso, o tratamento com flutamida pode causar aumento do risco de desenvolver problemas hepáticos, portanto, é importante que os pacientes sejam monitorados regularmente para detectar quaisquer sinais de dano hepático.

Antagonistas de androgênios são compostos químicos que bloqueiam a ação dos androgênios, hormônios sexuais masculinos, como a testosterona e o dihidrotestosterona (DHT). Eles fazem isso por meio da inibição da ligação dos andrógenos às suas respectivas proteínas alvo, como os receptores de androgênios.

Existem dois tipos principais de antagonistas de androgênios: competitivos e não competitivos. Os antagonistas competitivos se ligam ao receptor de andrógenios no lugar da testosterona ou DHT, impedindo assim a ativação do receptor e a expressão dos genes alvo. Já os antagonistas não competitivos se ligam a outros locais do receptor, causando alterações conformacionais que também impedem a ativação do receptor.

Os antagonistas de androgênios são usados clinicamente no tratamento de diversas condições, como o câncer de próstata avançado e a hiperplasia benigna da próstata. Eles também podem ser usados no tratamento de acne grave e hirsutismo feminino, uma vez que a excessiva atividade androgênica pode contribuir para essas condições.

Alguns exemplos de antagonistas de androgênios incluem o flutamide, o bicalutamida e o nilutamide, que são usados no tratamento do câncer de próstata; e o acitretina e o spironolactona, que são usados no tratamento da acne e do hirsutismo feminino.

Androgênio é um termo usado em medicina e biologia para se referir a hormônios esteroides sexuais que estimulam ou controlam o desenvolvimento e manutenção das características masculinas. O mais conhecido e importante androgênio é a testosterona, que é produzida principalmente nos testículos de homens, mas também em menores quantidades nas ovários e glândulas suprarrenais de mulheres.

Os androgênios desempenham um papel crucial no desenvolvimento dos órgãos reprodutivos masculinos durante a embriogênese e na puberdade, incluindo o crescimento do pênis, escroto e testículos, bem como a mudança da voz, crescimento de pelos faciais e corporais, e aumento da massa muscular. Além disso, os androgênios também desempenham um papel importante na libido, função sexual e saúde óssea em homens e mulheres.

Em certas condições médicas, como o câncer de próstata avançado ou a hiperplasia prostática benigna, os androgênios podem ser bloqueados ou reduzidos para aliviar os sintomas e controlar a doença. No entanto, é importante notar que um nível adequado de androgênios é necessário para manter a saúde e o bem-estar em ambos os sexos.

Em termos médicos, a genitália masculina refere-se ao conjunto de órgãos reprodutivos e sexuais que constituem o sistema reprodutivo masculino. A genitália masculina inclui:

1. Pênis: É o órgão externo responsável pela micção (excreção de urina) e atua como um conduto para a ejaculação do sêmen durante o ato sexual. O pênis é composto por tecidos eréteis que se enchem de sangue, permitindo que ele aumente de tamanho e endureça durante a excitação sexual.

2. Escroto: É a bolsa de pele localizada abaixo do pênis, que abriga os testículos (órgãos responsáveis pela produção de esperma e hormônios sexuais masculinos). O escroto regula a temperatura dos testículos, mantendo-os ligeiramente aquecidos em relação à temperatura corporal interna.

3. Testículos: São os órgãos responsáveis pela produção de esperma e hormônios sexuais masculinos, como a testosterona. Cada testículo contém centenas de túbulos seminíferos, onde ocorre a formação dos espermatozoides.

4. Glândulas Accessórias: Incluem as glândulas bulbouretrais (glândulas de Cowper), próstata e vesículas seminais. Essas glândulas produzem líquidos que, juntamente com o esperma dos testículos, formam o sêmen. A glândula prostática é particularmente importante, pois produz um fluido alcalino que neutraliza a acidez da uretra e do meio ambiente vaginal, protegendo assim os espermatozoides durante a ejaculação.

5. Conceito de Genitália Masculina Interna: Além dos órgãos genitais externos mencionados acima, existem também órgãos genitais internos que desempenham um papel importante no sistema reprodutivo masculino. Esses órgãos incluem os epidídimos, dutos deferentes e vesículas seminais. O epidídimo é um longo tubo enrolado onde os espermatozoides são armazenados e amadurecem após sua produção nos túbulos seminíferos dos testículos. Os dutos deferentes conectam o epidídimo à uretra, transportando os espermatozoides durante a ejaculação. As vesículas seminais são glândulas que se localizam acima e atrás da bexiga urinária e secretam um líquido alcalino rico em proteínas que é misturado com o esperma para formar o sêmen.

Em resumo, a genitália masculina inclui os órgãos externos (pênis, escroto e testículos) e internos (epidídimos, dutos deferentes e vesículas seminais) que desempenham um papel fundamental no sistema reprodutivo masculino. Esses órgãos trabalham em conjunto para produzirem, armazenarem e transportarem os espermatozoides até a fêmea durante o ato sexual, além de secretar fluidos que compõem o sêmen necessário à reprodução.

Testosterona é uma hormona esteroide androgênica produzida principalmente no corpo de homens nos testículos, mas também em pequenas quantidades nas ovários e glândulas suprarrenais das mulheres. É considerada a hormona sexual mais importante em homens e desempenha um papel crucial no desenvolvimento dos órgãos reprodutivos masculinos e secundárias sexuais, como crescimento de barba, voz profunda e massa muscular aumentada.

A testosterona também tem funções importantes na regulação do desejo sexual, produção de esperma, densidade óssea, distribuição de gordura corporal, humor e estado de alerta mental. Em mulheres, a testosterona contribui para o libido, estado de humor, força muscular e densidade óssea.

A produção de testosterona é controlada pelo eixo hipotálamo-hipófise-gonadal. O hipotálamo libera hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH), que estimula a glândula pituitária a libertar hormônio luteinizante (LH) e hormônio folículo-estimulante (FSH). O LH atua sobre os testículos para produzir e libertar testosterona. Os níveis de testosterona são mantidos em equilíbrio por um mecanismo de retroalimentação negativa, no qual a elevada concentração de testosterona no sangue suprime a libertação do GnRH e LH.

Os baixos níveis de testosterona podem causar sintomas como diminuição da libido, disfunção erétil, osteoporose, depressão e alterações na massa muscular e gordura corporal em homens. Em mulheres, os baixos níveis de testosterona podem causar sintomas como diminuição do libido, disfunção sexual e osteoporose. Os altos níveis de testosterona em mulheres podem causar hirsutismo, acne e alterações menstruais.

Dihidrotestosterona (DHT) é uma androgeno hormonal que é produzido a partir de testosterona pela ação da enzima 5-alfa-redutase. Embora a DHT seja sexualmente inativa, ela desempenha um papel importante no desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos.

A DHT é particularmente importante durante o desenvolvimento fetal, onde ela desempenha um papel crucial no desenvolvimento dos órgãos genitais masculinos. Em adultos, a DHT é responsável pelo crescimento e manutenção da barba e do cabelo corporal, além de contribuir para o desenvolvimento da massa muscular e da densidade óssea.

No entanto, um excesso de DHT pode levar a problemas de saúde, como a calvície masculina e a hiperplasia prostática benigna (HPB). A DHT também tem sido associada ao câncer de próstata, embora sua relação exata com a doença ainda não seja completamente compreendida.

Em resumo, a dihidrotestosterona é um androgeno importante que desempenha um papel crucial no desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos, mas um excesso de DHT pode levar a problemas de saúde.

Los antagonistas de receptores de andrógenos (AR) son medicamentos que bloquean la acción de la hormona andrógeno (como la testosterona) en el cuerpo. Se unen a los receptores de andrógenos y evitan que los andrógenos se unan a ellos, impidiendo así la activación de los genes controlados por estos receptores.

Este tipo de medicamento se utiliza principalmente en el tratamiento del cáncer de próstata avanzado, ya que el crecimiento y diseminación de este tipo de cáncer dependen de la acción de los andrógenos. Al bloquear la acción de estas hormonas, se puede ralentizar o incluso detener el crecimiento del cáncer.

Algunos ejemplos comunes de antagonistas de receptores de andrógenos incluyen la flutamida, la bicalutamida y la nilutamida. Estos medicamentos se administran por vía oral y suelen utilizarse en combinación con otros tratamientos, como la terapia de privación de andrógenos o la cirugía.

Es importante tener en cuenta que los antagonistas de receptores de andrógenos pueden causar efectos secundarios, como disminución de la libido, impotencia, aumento de peso y cansancio. Por lo tanto, es importante que los pacientes estén bajo la supervisión cuidadosa de un médico durante el tratamiento con estos medicamentos.

Receptores androgénicos referem-se a proteínas específicas localizadas na membrana celular ou no citoplasma das células que se ligam a hormônios androgénicos, tais como a testosterona e di-hidrotestosterona (DHT). Essa ligação desencadeia uma cascata de eventos que resultam em alterações na expressão gênica e no metabolismo celular. Eles desempenham um papel crucial no desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos, como a barba, o crescimento do bigode, a voz profunda e a musculatura esquelética aumentada. Além disso, os receptores androgénicos estão envolvidos no processo de diferenciação sexual durante o desenvolvimento fetal. Distúrbios na atividade desses receptores podem levar a diversas condições clínicas, como a hiperplasia prostática benigna e o câncer de próstata no homem adulto.

Orquiectomia é um termo médico que se refere à remoção cirúrgica de um ou ambos os testículos. Pode ser realizada por várias razões, incluindo o tratamento de câncer de testículo, terapia hormonal para o câncer de próstata avançado, tratamento da disforia de gênero em pessoas transgêneros, ou como parte de uma cirurgia de redesignação sexual. Existem diferentes tipos de orquiectomia, dependendo do número de testículos a serem removidos e do método cirúrgico utilizado. A orquiectomia simples envolve a remoção de um ou ambos os testículos através de uma pequena incisão no escroto. Já na orquiectomia radical, além da remoção do testículo, também é retirada a glandula epididymis e parte do cordão espermático. Após a cirurgia, o paciente pode precisar de terapia de reposição hormonal para manter os níveis normais de testosterona no corpo.

Desculpe por o mal-entendido, "metestro" não é um termo médico geralmente reconhecido. No entanto, parece que você possa estar se referindo a "metaestrus", que é um termo usado em reprodutiva e fisiologia comparada para descrever o estágio final do ciclo estral em algumas espécies de mamíferos.

Durante a metaestrus, o revestimento uterino começa a se desintegrar, preparando-se para o próximo ciclo ou gravidez. Não há sinais claros de comportamento de procura de parceiro neste estágio, e as fêmeas geralmente rejeitam a aproximação dos machos.

Se desejar uma definição médica para um termo diferente, por favor, me informe!

Em medicina, "anilidas" se referem a um grupo de compostos orgânicos que contêm o grupo funcional anilida (-NH-C6H5). Eles são derivados do ácido benzóico ou de fenilamina por substituição do grupo hidroxila (-OH) ou amino (-NH2) com um grupo amidante, respectivamente.

Algumas anilidas têm propriedades medicinais e são usadas como anti-inflamatórios não esteroides (AINEs), analgésicos e antipiréticos. Por exemplo, a acetaminofena (também conhecida como paracetamol ou APAP) é uma anilida amplamente usada para aliviar dor leve a moderada e reduzir febre. Outras anilidas, como a fenacetina, foram retiradas do mercado devido a preocupações com seus efeitos adversos, particularmente o risco de danos renais e aumento do risco de câncer.

Como qualquer medicamento, as anilidas devem ser usadas sob orientação médica e com cuidado, pois podem causar efeitos colaterais indesejáveis se não forem utilizadas corretamente.

Metiltestosterona é um esteroide anabolizante sintético, derivado do hormônio sexual masculino testosterona. É clinicamente usado para tratar condições como o déficit de testosterona e certos tipos de anemia. Também foi historicamente usado em alguns contextos para promover a ganho de massa muscular e força, mas seu uso nesses cenários é considerado ilegal e perigoso sem a supervisão médica adequada.

A metiltestosterona tem propriedades androgênicas e anabolizantes, o que significa que pode afetar o desenvolvimento e manutenção de características sexuais masculinas, além de promover o crescimento muscular e a síntese de proteínas. No entanto, seu uso em doses altas ou prolongadas pode levar a efeitos colaterais graves, como danos hepáticos, alterações no perfil lipídico sanguíneo, aumento da pressão arterial e outros problemas de saúde. Portanto, seu uso deve ser estritamente monitorado e controlado por um profissional médico qualificado.

Antineoplasic hormones, also known as hormonal therapies or endocrine therapies, are a type of cancer treatment that works by altering the body's hormonal signals to slow or stop the growth and spread of certain types of cancer cells. These therapies are primarily used to treat cancers that are sensitive to hormones, such as breast and prostate cancer.

Hormonal therapies work by targeting specific hormone receptors found on cancer cells. By blocking or interfering with the action of these hormones, the growth and multiplication of cancer cells is slowed down or stopped. Some common examples of antineoplastic hormones include:

* Aromatase inhibitors (such as letrozole, anastrozole, and exemestane) used to treat breast cancer in postmenopausal women by blocking the production of estrogen.
* Selective estrogen receptor modulators (such as tamoxifen and raloxifene) used to treat breast cancer in both pre- and postmenopausal women by binding to estrogen receptors and preventing estrogen from attaching to them.
* Luteinizing hormone-releasing hormone agonists (such as leuprolide, goserelin, and triptorelin) used to treat prostate cancer by reducing the production of testosterone, a hormone that promotes the growth of prostate cancer cells.
* Antiandrogens (such as bicalutamide, flutamide, and enzalutamide) used to treat prostate cancer by blocking the action of androgens, such as testosterone, on cancer cells.

It's important to note that not all cancers are sensitive to hormonal therapies, and these treatments may not be effective for everyone. Additionally, hormonal therapies can have side effects, including hot flashes, mood changes, and bone density loss, among others. Patients should discuss the potential benefits and risks of antineoplastic hormones with their healthcare provider before starting treatment.

A próstata é uma glândula exclusiva do sistema reprodutor masculino. Ela está localizada abaixo da bexiga e à volta do uretra, o canal que conduz a urina para fora do corpo. A próstata tem aproximadamente o tamanho de uma noz e seu principal papel é produzir um fluido alcalino leitoso que, em conjunto com espermatozoides provenientes dos testículos e outros líquidos secretados por glândulas accessórias, forma o semen.

Este líquido nutre e protege os espermatozoides, facilitando sua sobrevivência e mobilidade fora do corpo durante a ejaculação. Além disso, a próstata age como um esfincter na uretra, podendo se contrair e relaxar para controlar o fluxo de urina ou semen.

Devido à sua localização e funções, problemas na próstata podem resultar em sintomas urinários ou sexuales desagradáveis ou anormais, como dificuldade em urinar, fluxo urinário fraco, necessidade frequente de urinar, sangue na urina ou no esperma, dor ou desconforto pélvico, disfunção erétil e outros. Algumas condições comuns que afetam a próstata incluem hiperplasia benigna da próstata (HBP), prostatite (inflamação da próstata) e câncer de próstata.

Hyaenidae é a família taxonômica que inclui quatro espécies de hienas: a hiena-listrada (Hyaena hyaena), a hiena-corticeira (Proteles cristata), e as duas espécies do gênero Crocuta, a hiena-marrom e a hiena-branca-do-cabo ou hiena-manchada (Crocuta crocuta). Esses animais são encontrados principalmente na África e em pequenas partes da Ásia.

As hienas são carnívoros altamente adaptáveis, conhecidas por sua habilidade única de esmagar ossos com seus poderosos músculos mandibulares e dentes. Elas são também notórias por seu comportamento social complexo e hierárquico, especialmente as espécies do gênero Crocuta.

A família Hyaenidae está relacionada a outras famílias de carnívoros, como os Canidae (que inclui cães, lobos, e chacais) e os Felidae (que inclui gatos). No entanto, as hienas têm uma série de adaptações únicas que as distinguem dos outros carnívoros, incluindo sua capacidade de digerir grandes quantidades de tecido conectivo e ossos.

Los compuestos de tosil son sales o ésteres del ácido p-toluenosulfónico, también conocido como ácido toluenosulfónico. El grupo funcional tosilo (-SO2C6H4CH3) se deriva del ácido toluenosulfónico y se utiliza a menudo en química orgánica como un grupo saliente, lo que significa que es un grupo que puede ser reemplazado relativamente fácilmente por otro grupo en una reacción química. Los compuestos de tosil son útiles en la síntesis orgánica porque el grupo tosilo es estable y se puede insertar en moléculas orgánicas mediante reacciones relativamente simples. Después, este grupo tosilo se puede quitar o reemplazar con otro grupo, lo que permite una amplia gama de transformaciones químicas útiles.

Hiperandrogenismo é um termo médico usado para descrever uma condição em que há níveis excessivos de andrógenos, hormônios sexuais masculinos, no corpo. Embora as mulheres também produzam esses hormônios, níveis elevados podem causar sintomas e anormalidades físicas, como excesso de crescimento de pelos faciais ou corporais (hirsutismo), acne grave, calvície feminina e alterações menstruais.

Este distúrbio hormonal pode ser causado por diversas condições médicas, incluindo o síndrome dos ovários policísticos (SOP), tumores na glândula pituitária ou nos ovários que produzem excesso de andrógenos, e uso de esteróides anabólicos. Em alguns casos, a causa pode ser desconhecida, o que é chamado de hiperandrogenismo idiopático.

O diagnóstico geralmente é baseado em exames clínicos, história médica e exames laboratoriais para medir os níveis hormonais no sangue. O tratamento depende da causa subjacente e pode incluir medicamentos para controlar os níveis de andrógenos, terapias hormonais ou outras opções específicas para cada caso.

Linuron é um tipo de pesticida que pertence à classe química dos carbamatos. É usado principalmente no controle de pragas em culturas como a soja, o trigo e a batata. O linuron funciona inibindo a acetilcolinesterase, uma enzima importante no sistema nervoso dos insectos, levando assim à paralisia e morte das pragas.

Embora o linuron seja considerado relativamente seguro para os humanos quando usado corretamente, a exposição excessiva pode causar sintomas tais como náuseas, vômitos, sudorese, tremores e dificuldades respiratórias. Além disso, estudos recentes sugerem que o linuron pode ter efeitos adversos sobre a saúde reprodutiva e endócrina em animais e seres humanos, embora sejam necessários mais estudos para confirmar essas descobertas.

Como qualquer outro pesticida, o linuron deve ser manipulado com cuidado e as instruções do fabricante devem ser seguidas rigorosamente para minimizar a exposição e garantir um uso seguro e eficaz.

Neoplasia da próstata refere-se ao crescimento anormal e desregulado de tecido na glândula prostática, que pode ser benigno (non-canceroso) ou maligno (canceroso). Existem vários tipos de neoplasias da próstata, sendo as mais comuns:

1. Hiperplasia Prostática Benigna (HPB): É um crescimento benigno das células prostáticas, geralmente observado em homens acima dos 50 anos. A glândula prostática aumenta de tamanho e pode comprimir a uretra, causando sintomas urinários obstrucionistas.

2. Carcinoma Prostático: É o câncer da próstata, um tipo de neoplasia maligna que se origina das células glandulares prostáticas. Pode ser asintomático nas primeiras etapas e frequentemente é detectado através do exame de Antígeno Prostático Específico (APE) e biopsia da próstata. O carcinoma prostático é uma das principais causas de morte por câncer em homens, especialmente em idosos.

Existem outros tipos raros de neoplasias da próstata, como sarcomas e tumores neuroendócrinos, que representam menos de 1% dos casos. O tratamento e o prognóstico variam dependendo do tipo e estadiode neoplasia, assim como da idade e condição geral do paciente.

Citocromo P-450 CYP1A2 é uma enzima do citocromo P450 que se localiza no retículo endoplasmático rugoso de células hepáticas e extrahepáticas. Ela desempenha um papel importante na biotransformação de xenobióticos, incluindo fármacos, toxinas ambientais e compostos dietéticos.

A enzima CYP1A2 é capaz de metabolizar uma variedade de substratos, incluindo alguns medicamentos como a teofilina, paracetamol e clomipramina. Além disso, ela também está envolvida no metabolismo de certas toxinas ambientais, como o benzopireno, um composto presente no tabaco fumado e em gases de escape de veículos a motor.

A atividade da enzima CYP1A2 pode ser induzida por certos fatores, como a exposição ao tabaco fumado, dieta rica em Brassica (como brócolis e couves), e alguns medicamentos. Além disso, variações genéticas podem influenciar a atividade da enzima CYP1A2, o que pode levar a diferentes respostas individuais a determinados fármacos metabolizados por essa enzima.

Em resumo, Citocromo P-450 CYP1A2 é uma enzima importante no metabolismo de xenobióticos e variações genéticas ou ambientais podem influenciar sua atividade, o que pode ter implicações clínicas relevantes.

Criptorquidismo é um termo médico que se refere à condição em que um ou ambos os testículos de um menino não descem do abdômen para o escroto de forma natural durante o desenvolvimento fetal ou nos primeiros meses de vida. Normalmente, os testículos descem do abdômen para o saco escrotal antes do nascimento ou durante os primeiros três a doze meses de vida. No criptorquidismo, os testículos podem ficar no abdômen, no canal inguinal ou na região superior do escroto.

Esta condição afeta aproximadamente 3-5% dos meninos recém-nascidos e é considerada clinicamente relevante se os testículos não descerem até a idade de seis meses. O criptorquidismo pode ser associado a complicações como infertilidade, aumento do risco de desenvolver câncer testicular e problemas de saúde mental relacionados à baixa autoestima e dificuldades na interação social.

Existem várias causas possíveis de criptorquidismo, incluindo fatores genéticos, hormonais e ambientais. Além disso, certas condições médicas, como hydrocele, hernia inguinal e problemas no desenvolvimento dos órgãos reprodutores, podem também contribuir para o criptorquidismo. O tratamento geralmente consiste em uma cirurgia corretaiva, chamada orquidopexia, na qual o testículo é fixado no escroto para permitir que funcione normalmente e reduza o risco de complicações.

... é um fármaco utilizado como antiandrógeno, indicado no tratamento de carcinoma prostático metastático, do estágio D2 ... Flutamida: Revisão de suas propriedades farmacológicas e físico-químicas.». Consultado em 18 de abril de 2009 Portal da ...
Com antiandrógenos como acetato de ciproterona, espironolactona ou flutamida. Outra opção inclui anticoncepcionais orais ...
... como flutamida, bicalutamida, enzalutamida e apalutamida. Cole, H. H. (1975). «Studies on Reproduction with Emphasis on ...
Outras drogas com efeitos anti-androgênicos incluem flutamida, e espironolactona, as quais podem conferir alguma melhora ao ...
Antiandrógenos são medicamentos como flutamida, bicalutamida, nilutamida, e acetato de ciproterona que diretamente bloqueiam as ...
Antineoplástico Flucloxacilina Antimicrobiana Flutamida: Antineoplásica Sais de ouro: Agente imunossupressor Halotano: ... Amoxicilina-clavulanato Flucloxacilina Eritromicina Diclofenaco Cotrimoxazol Isoniazida Dissulfiram Ibuprofeno Flutamida ...
Antineoplástico Flucloxacilina Antimicrobiana Flutamida: Antineoplásica Sais de ouro: Agente imunossupressor Halotano: ... Amoxicilina-clavulanato Flucloxacilina Eritromicina Diclofenaco Cotrimoxazol Isoniazida Dissulfiram Ibuprofeno Flutamida ...
Flutamida é um fármaco utilizado como antiandrógeno, indicado no tratamento de carcinoma prostático metastático, do estágio D2 ... Flutamida: Revisão de suas propriedades farmacológicas e físico-químicas.». Consultado em 18 de abril de 2009 Portal da ...
Nomes de medicamentos: genérico e comercial - Aprenda sobre causas, sintomas, diagnóstico e tratamento nos Manuais MSD - Versão Saúde para a Família.
Inclusive fizeram uso do medicamento flutamida para ela, mesmo sem o nosso consentimento - a gente não autorizou. E ali ela ...
Flutamida, Metotrexato e Tamoxifeno.. Remédios para próstata ou retenção urinária. Doxazosina e Terazosina. ...
Outros substratos de 1A2: aminofilina, cafeína, clozapina, duloxetina, estradiol, estrogênios, flutamida, fluvoxamina, ...
Andrade diz que, no seu prontuário, consta que foi administrada a flutamida, uma medicação usada em pacientes com câncer de ...
O MedicinaNET é o maior portal médico em português. Reúne recursos indispensáveis e conteúdos de ponta contextualizados à realidade brasileira, sendo a melhor ferramenta de consulta para tomada de decisões rápidas e eficazes.. ...
O MP também investiga o uso de medicações sem eficácia comprovada, como flutamida, etanercepte, heparina inalatória e ...
Em comparação com o anti-andrógeno (AA), não-esteróides estrutura (Flutamida, Nilutamide, Bikalutamid) acima de esteróides AA, ...
Niftolida use Flutamida Nifuratel Nifurazolidona use Furazolidona Nifurtimox Nigela use Nigella Nigela-Bastarda use Nigella ...
Niftolida use Flutamida Nifuratel Nifurazolidona use Furazolidona Nifurtimox Nigela use Nigella Nigela dos Trigais use ...
Descritores em Ciências da Saúde
Nomes de medicamentos: genérico e comercial - Aprenda sobre causas, sintomas, diagnóstico e tratamento nos Manuais MSD - Versão Saúde para a Família.
Flutamida. Folicusan. Fomblim HC25. Fomblim HCR. Formol. Fosfato de Sódio Dibásico. Fucogel. Furosemide ...
Flutamida (substância ativa) é utilizado no tratamento do câncer de próstata.. A flutamida (substância ativa) é um ... A terapia com flutamida (substância ativa) comprimidos foi iniciada em um prazo de um dia da administração do LHRH (a maioria ... A flutamida (substância ativa) não apresentou potencial mutagênico na prova de Ames, na prova de reparação do DNA, no ensaio de ... A flutamida (substância ativa) é rapidamente metabolizada; uma hora após a administração da dose, somente 2,5% estão sob a ...
A recomendação contra o uso da flutamida para o hirsutismo é mais forte do que a recomendação de 2008. ...
Flutamida, Hidroxiuréia, Imatinive, Letrozol, Megestrol, Melfalano, Mercaptopurina, Metrotexato, Mitotano, Nilotinibe, ...
  • Flutamida é um fármaco utilizado como antiandrógeno, indicado no tratamento de carcinoma prostático metastático, do estágio D2. (wikipedia.org)
  • O tratamento com flutamida (substância ativa) não deve ser iniciado em pacientes com níveis séricos de transaminase excedendo duas a três vezes o limite superior de normalidade. (drconsulta.com)
  • Se o paciente apresentar evidências de lesão hepática ou icterícia, com ausência de metástases hepáticas (confirmada por biópsia) ou níveis de transaminase, excedendo duas a três vezes o limite superior de normalidade, mesmo em casos clinicamente assintomáticos, o tratamento com flutamida (substância ativa) deverá ser suspenso. (drconsulta.com)