Enzima que catalisa a interconversão de uma cetona e grupo hidroxila no C-20 da cortisona, e outros 17,20,21-tri-hidroxi esteroides. EC 1.1.1.53.
Glucocorticoide que ocorre na natureza. Tem sido usado na terapia de reposição para a insuficiência adrenal e como agente anti-inflamatório. A própria cortisona é inativa. É convertida no fígado ao metabólito ativo HIDROCORTISONA.
Erros no processamento metabólico de ESTEROIDES, resultado de mutações genéticas congênitas que são herdadas ou adquiridas no útero.
Grupo de compostos que forma o núcleo da família de esteroides estrogênicos.
Família de esteroides da qual os andrógenos são derivados.
Afecções congênitas em indivíduos com cariótipo feminino, em que o desenvolvimento do sexo gonadal ou anatômico é atípico.
Catalisam reversivelmente a oxidação de um grupo hidroxila dos carboidratos para formar um cetoaçúcar, aldeído ou lactona. Qualquer aceptor, exceto o oxigênio molecular, é permitido. Inclui EC 1.1.1., EC 1.1.2 e 1.1.99.
Hidroxiesteroide desidrogenases que catalisam a conversão reversível de cortisol para o metabólito inativo CORTISONA. As enzimas desta classe podem utilizar como cofatores o NAD ou NADP.
11 beta-hidroxiesteroide-desidrogenase de baixa afinidade que se encontra em vários tecidos, os mais notáveis são FÍGADO, PULMÃO, TECIDO ADIPOSO, tecido vascular, OVÁRIO e SISTEMA NERVOSO CENTRAL. A enzima atua reversivelmente e pode usar NAD ou NADP como co-fatores.
Oxidorredutases que são específicas para a redução de NITRATOS.
Enzimas da classe das oxidorredutases que catalisam a desidrogenação de hidroxiesteroides. EC 1.1.-.
Enzimas que catalisam a redução reversível do grupo alfa-carboxila de 3-hidroxi-3-metilglutaril-coenzima A originando ÁCIDO MEVALÔNICO.
Principal glucocorticoide secretado pelo CÓRTEX SUPRARRENAL. Seu equivalente sintético é usado tanto como injeção ou topicamente no tratamento de inflamação, alergia, doenças do colágeno, asma, deficiência adrenocortical, choque e alguns estados neoplásicos.
Ribonucleotide reductases are enzymes that catalyze the rate-limiting step in DNA synthesis and repair, reducing ribonucleotides to deoxyribonucleotides by removing hydroxyl groups from their sugar moieties.
11 beta-hidroxiesteroide-desidrogenase (dependente de NAD) de alta afinidade que atua unidirecionalmente para catalisar a desidrogenação do CORTISOL em CORTISONA. É encontrada predominantemente em tecidos alvo minerolocorticoides, como RIM, COLO, GLÂNDULAS SUDORÍPARAS e PLACENTA. A ausência desta enzima leva a uma forma fatal de hipertensão infantil denominada SÍNDROME DE EXCESSO APARENTE DE MINEROLOCORTICOIDES.
FLAVOPROTEÍNA oxidorredutase que ocorre como uma enzima solúvel e como uma enzima ligada a membrana devido ao PROCESSAMENTO ALTERNATIVO de um único RNAm. A forma solúvel está presente, principalmente nos ERITRÓCITOS e está envolvido na redução da METEMOGLOBINA. A forma da enzima ligada a membrana é encontrada, principalmente no RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO e na membrana mitocondrial externa, onde participa da insaturação dos ÁCIDOS GRAXOS, biossíntese do COLESTEROL e metabolismo da droga. A deficiência desta enzima pode resultar em METEMOGLOBINEMIA.
Grupo de enzimas que oxidam diversas substâncias nitrogenadas para dar nitrito. EC 1.
Catalisa a oxidação da GLUTATIONA a GLUTATIONA DISSULFETO na presença de NADP+. Ausência da enzima [na corrente sanguínea] está associada com anemia hemolítica. Anteriormente classificada como EC 1.6.4.2.
Enzima que utiliza NADH ou NADPH para reduzir FLAVINAS. Está envolvida em vários processos biológicos que necessitam da redução das flavinas para suas funções, como a bioluminescência bacteriana. Anteriormente classificada como EC 1.6.8.1 e EC 1.5.1.29.
Enzima FLAVOPROTEÍNA que catalisa a oxidação de TIORREDOXINAS a dissulfato de tiorredoxina na presença de NADP+. Anteriormente foi classificada como EC 1.6.4.5.
Flavoproteína que catalisa a redução de mono-oxigenases dependentes de heme-tiolato, e é parte do sistema de hidroxilação microssomal. EC 1.6.2.4.
Enzima que catalisa (em presença de NADP) a transformação (oxidação-redução) da FERREDOXINA em ADRENODOXINA. EC 1.18.1.2., anteriormente classificada como EC 1.6.7.1 e EC 1.6.99.4.
Classe de todas as enzimas que catalisam reações de oxidorredução. O substrato que é oxidado é considerado doador de hidrogênio. O nome sistemático é baseado na oxidorredutase doador:receptor. O nome recomendado é desidrogenase, onde for possível. Como alternativa, redutase pode ser usado. O termo oxidase é usado apenas nos casos em que o O2 é o receptor.
Redutases do citocromo são enzimas que catalisam a transferência de elétrons de pares de hidrogênio ou outras fontes de elétrons para o citocromo, desempenhando um papel fundamental em processos redox celulares, como a respiração e a fotossíntese.
Gênero de ervas ou arbustos leguminosos cujas raizes produzem ÁCIDO GLICIRRETÍNICO e seus derivados, como o CARBENOXOLONA.
Trabalhos que contêm artigos de informação em assuntos em todo campo de conhecimento, normalmente organizado em ordem alfabética, ou um trabalho semelhante limitado a um campo especial ou assunto.
Agente derivado da raiz do alcaçuz. É utilizada no tratamento de úlceras no trato digestório, especialmente no estômago. Efeitos colaterais antidiuréticos são frequentes, mas por outro lado, a droga apresenta baixa toxicidade.
Infusão de folhas de CAMELLIA SINENSIS (anteriormente chamada Thea sinensis) como uma bebida (o familiar chá asiático) que contém CATEQUINA (especialmente epigalocatequina) e CAFEÍNA.
Ácido oleanólico da GLYCYRRHIZA que possui algumas propriedades antialérgicas, antibacterianas e antivirais. É utilizado topicamente em inflamações alérgicas ou infecciosas da pele e oralmente por seus efeitos de aldosterona na regulação eletrolítica.

A 5α-reductase é uma enzima que catalisa a conversão da hormona esteroide testosterona em diidrotestosterona (DHT), um androgênio mais potente. Existem dois tipos principais de isoenzimas de 5α-reductase: tipo 1 e tipo 2, cada uma com diferentes padrões de expressão tecidual e resposta a diferentes inibidores.

A atuação da 5α-reductase desempenha um papel importante no desenvolvimento sexual normal, especialmente na diferenciação dos tecidos genitais masculinos durante o desenvolvimento fetal e pré-natal. No entanto, a atividade excessiva dessa enzima também tem sido implicada em várias condições clínicas, como a hiperplasia prostática benigna (HPB) e a calvície androgênica hereditária (CAH).

A cortisona é um hormônio esteroide produzido pela glândula suprarrenal. Não é diretamente influenciada pela atividade da 5α-reductase, pois a cortisona não é convertida em DHT. No entanto, a cortisona pode ser convertida em outros metabólitos ativos, como o cortisol, que podem desempenhar um papel na regulação do equilíbrio hormonal e no metabolismo dos tecidos.

Em resumo, a 5α-reductase é uma enzima importante que catalisa a conversão da testosterona em DHT, mas não desempenha um papel direto na regulação do metabolismo ou ação da cortisona.

A cortisona é um hormônio glucocorticoide natural produzido pela glândula suprarrenal. Ele tem propriedades anti-inflamatórias e imunossupressoras, o que significa que ajuda a reduzir inflamação e afeta o funcionamento do sistema imune.

A cortisona atua na regulação da resposta imune do corpo, suprimindo as reações alérgicas e inflamatórias. Além disso, ela também desempenha um papel importante na maneira como o corpo utiliza a glicose, proteínas e gorduras, e afeta o crescimento e desenvolvimento dos tecidos corporais.

A cortisona é frequentemente usada em medicina para tratar uma variedade de condições, incluindo doenças autoimunes, asma, artrite reumatoide, dermatite, psoríase e outras condições inflamatórias. Ela pode ser administrada por via oral, inalatória ou injetável, dependendo da condição a ser tratada.

No entanto, o uso prolongado de cortisona pode causar efeitos colaterais graves, como aumento de peso, pressão alta, diabetes, osteoporose, glaucoma, cataratas e baixa resistência a infecções. Portanto, seu uso deve ser cuidadosamente monitorado e ajustado conforme necessário.

Erros inatos do metabolismo de esteroides (IIMSE) se referem a um grupo heterogêneo de doenças genéticas causadas por anormalidades no metabolismo de esteroides, que são moléculas lipídicas com funções hormonais importantes. Essas doenças resultam de deficiências em enzimas ou proteínas transportadoras específicas necessárias para a síntese, modificação ou degradação dos esteroides.

Os IIMSE podem afetar diferentes sistemas endócrinos, incluindo o sistema suprarrenal, gonadal e sobre-renal. A apresentação clínica varia amplamente dependendo do tipo de déficit enzimático ou transportador e da gravidade da deficiência. Alguns dos sinais e sintomas comuns incluem:

* Desenvolvimento sexual anormal
* Insuficiência adrenal, resultando em hipoglicemia, desidratação, acidose metabólica, pressão arterial baixa e vulnerabilidade a infecções
* Atraso no crescimento e desenvolvimento
* Problemas hepáticos, incluindo icterícia e aumento dos níveis de enzimas hepáticas
* Anormalidades esqueléticas
* Problemas cardiovasculares, como hipertensão arterial ou anormalidades no ritmo cardíaco
* Problemas neurológicos, incluindo convulsões e atraso no desenvolvimento neurológico

O diagnóstico dos IIMSE geralmente requer uma combinação de exames clínicos, história familiar detalhada, avaliação hormonal e estudos genéticos. O tratamento é específico para cada tipo de déficit enzimático ou transportador e pode incluir substituição hormonal, dieta especial e outras medidas de suporte. A previsão depende da gravidade do déficit e da resposta ao tratamento.

'Éstranho' não é um termo médico. No entanto, em um contexto médico, 'estrano' geralmente se refere a algo que é incomum ou anormal em relação à função corporal, estrutura ou resultados de testes. Por exemplo, um nível estranho de uma enzima no sangue pode indicar um problema de saúde subjacente. Além disso, sintomas estranhos podem ser um sinal de uma doença rara ou mal diagnosticada. Em resumo, 'estrano' é geralmente usado em medicina para descrever algo que é incomum ou fora do que é esperado normalmente.

Androstanos é um termo usado em medicina e bioquímica para se referir a um esteroide que consiste em quatro anéis de carbono arranjados em uma configuração específica, conhecida como estrutura de periciclo. É um componente importante dos hormônios sexuais masculinos, incluindo a testosterona e o dihidrotestosterona (DHT).

A testosterona é um androgênio que desempenha um papel fundamental no desenvolvimento e manutenção das características sexuais secundárias masculinas, como o crescimento de pelos faciais e corporais, a mudança da voz e o aumento da massa muscular. O DHT é um metabólito mais potente da testosterona que também desempenha um papel importante no desenvolvimento dos órgãos reprodutores masculinos durante a embriogênese.

Androstanos pode ser encontrado em várias formas, incluindo compostos com diferentes grupos funcionais e esterificação de diferentes graus. A análise de androstanos em fluidos corporais, como urina e sangue, pode fornecer informações importantes sobre a produção e o metabolismo dos hormônios sexuais masculinos e pode ser útil no diagnóstico e monitoramento de várias condições clínicas.

Os Transtornos do Desenvolvimento Sexual 46, XX são condições raras que ocorrem em indivíduos assignados ao sexo feminino no nascimento, mas que apresentam características sexuales atípicas. Essas pessoas têm um cromossomo X normal de ambos os pais (portanto, 46, XX), o que geralmente leva ao desenvolvimento como mulher.

No entanto, em indivíduos com Transtornos do Desenvolvimento Sexual 46, XX, um ou mais genes anormais em um dos cromossomos X podem causar desarmonias no desenvolvimento sexual, resultando em características sexuais masculinizadas. Isso pode incluir características como genitália alongada e hipertrófica, aumento do crescimento de pelos faciais e corporais, aumento da massa muscular e ausência ou underdevelopment dos seios.

Essas condições podem ser causadas por vários fatores genéticos e hormonais, incluindo a exposição pré-natal a andrógenos (hormônios sexuais masculinos). Em alguns casos, a causa exata pode não ser clara.

Os Transtornos do Desenvolvimento Sexual 46, XX podem ser acompanhados de outras condições, como problemas de crescimento, deficiências intelectuais e neurológicas, e anomalias congénitas. O diagnóstico geralmente é feito com base em exames físicos, análises genéticas e avaliações hormonais. O tratamento pode incluir terapia hormonal e cirúrgica, bem como apoio psicológico e social.

Desidrogenases de carboidratos são um tipo específico de enzimas desidrogenases que catalisam a perda de hidrogénio a partir de carboidratos, geralmente em reações envolvendo o sistema NAD/NADP como aceitador de elétrons. Estas enzimas desempenham um papel crucial em vários processos metabólicos, incluindo a glicólise, o ciclo do pentose e a via dos pentoses fosfato. Ao remover hidrogénio dos carboidratos, as desidrogenases de carboidratos ajudam a gerar energia na forma de ATP e também participam na síntese de outras moléculas importantes no organismo.

11-Beta-Hidroxiesteroide Desidrogenases (11-βHSD) são um grupo de enzimas que catalisam a interconversão de glucocorticoides e mineralocorticoides no organismo. Existem duas isoformas principais desta enzima: 11-βHSD1 e 11-βHSD2.

A isoforma 11-βHSD1 é expressa principalmente no fígado, tecido adiposo e cérebro, e catalisa a conversão de cortisona em cortisol no corpo humano. Cortisol é o principal glucocorticoide no organismo humano e desempenha um papel importante na regulação do metabolismo de carboidratos, proteínas e lipídios, além de regular a resposta inflamatória e imune.

A isoforma 11-βHSD2, por outro lado, é expressa principalmente no rim, intestino e placenta, e catalisa a conversão de cortisol em cortisona. Isso ajuda a proteger os receptores mineralocorticoides da ativação excessiva por cortisol, garantindo assim que a aldosterona, o principal mineralocorticoide no organismo humano, possa desempenhar suas funções normais, como a regulação do equilíbrio de água e eletrólitos.

Dysregulation de 11-βHSD pode levar a diversas condições clínicas, incluindo síndrome metabólica, diabetes, hipertensão e doenças mentais. Portanto, uma melhor compreensão da regulação e função desta enzima é importante para o desenvolvimento de novas estratégias terapêuticas para essas condições.

A 11-beta-Hidroxiesteroide Desidrogenase Tipo 1 (11β-HSD1) é uma enzima que ocorre naturalmente no corpo humano e está envolvida no metabolismo dos hormônios esteroides. Ela é encontrada principalmente nas células do fígado, rim, tecido adiposo e cérebro.

A função principal da 11β-HSD1 é converter o cortisona, um hormônio inativo, em cortisol, que é a forma ativa do hormônio. Cortisol desempenha um papel importante na regulação do metabolismo, resposta ao estresse, sistema imunológico e outras funções corporais importantes.

No entanto, um nível excessivo de atividade da 11β-HSD1 pode resultar em níveis elevados de cortisol no corpo, o que pode contribuir para a resistência à insulina, diabetes do tipo 2, obesidade e outras condições de saúde. Portanto, a regulação adequada da atividade da 11β-HSD1 é importante para manter a homeostase hormonal e a saúde geral do corpo.

Nitrato redutases são enzimas que catalisam a redução do nitrato (NO3-) ao nitrito (NO2-). Essa reação desempenha um papel importante em processos biológicos, como o ciclo de azoto e a produção de óxido nítrico (NO), um importante mediador na regulação de diversas funções fisiológicas em organismos vivos. A reação catalisada por nitrato redutases pode ser representada da seguinte forma:

NO3- + 2H+ + e- -> NO2-

Existem diferentes tipos de nitrato redutases, como a nitrato redutase respiratória e a nitrato redutase assimilatória, que diferem em suas funções e localizações celulares. A nitrato redutase respiratória é encontrada no interior da membrana mitocondrial e participa do processo de geração de energia na forma de ATP, reduzindo o nitrato a nitrito como um meio alternativo para a oxidação de substratos eletrônicos durante a respiração anaeróbia. Já a nitrato redutase assimilatória é encontrada no citoplasma e participa do processo de fixação de azoto, reduzindo o nitrato a nitrito como um passo inicial na biosíntese de aminoácidos essenciais.

A atividade da nitrato redutase é regulada em resposta a diferentes estímulos ambientais e fisiológicos, como a disponibilidade de oxigênio, nutrientes e sinais hormonais. A disfunção ou alteração na expressão dessa enzima tem sido associada a diversas doenças, incluindo as doenças cardiovasculares, o câncer e a diabetes.

Hidroxiesteroides desidrogenases (HSDs) são um grupo de enzimas que desempenham um papel crucial no metabolismo dos hormônios esteroides no corpo humano. Eles catalisam a conversão de hidroxiesteróides em seus respectivos ketosteróides, ou vice-versa, por meio da adição ou remoção de um grupo hidroxila (-OH) em uma posição específica do esqueleto de carbono dos hormônios esteroides.

Existem várias classes de HSDs, cada uma das quais é responsável pela oxirredução de diferentes hormônios esteroides. Algumas dessas classes incluem:

1. 3-hidroxiesteroide desidrogenases (3-HSDs): catalisam a conversão de pregnenolona em progesterona e de 17-hidroxi-pregnenolona em 17-hidroxi-progesterona.
2. 11-beta-hidroxiesteroide desidrogenases (11-beta-HSDs): catalisam a conversão de 11-desidroxi-cortisol em cortisol e de 11-desidroxi-corticosterona em corticosterona.
3. 17-hidroxiesteroide desidrogenases (17-HSDs): catalisam a conversão de androstenediona em testosterona e de estrona em estradiol.

As HSDs são expressas em diferentes tecidos do corpo, incluindo o fígado, rins, glândulas suprarrenais e óvulos, e desempenham um papel importante na regulação da síntese e degradação dos hormônios esteroides. Alterações no funcionamento das HSDs podem levar a distúrbios endócrinos e metabólicos, como o síndrome de Cushing e a diabetes.

Hidroximetilglutaril-CoA (HMG-CoA) redutase é uma enzima importante envolvida no processo de síntese do colesterol no corpo. Ela catalisa a redução da HMG-CoA em mevalonato, que é um precursor metabólico crucial na biossíntese do colesterol e outros compostos isoprenoides.

Existem duas formas principais de HMG-CoA redutase encontradas em humanos: HMG-CoA reductase 1 (HMGCR1) e HMG-CoA reductase 2 (HMGCR2). A HMGCR1 é a isoforma majoritária e é expressa principalmente no fígado, enquanto a HMGCR2 é expressa em tecidos periféricos, como o cérebro.

A atividade da HMG-CoA redutase é fortemente regulada por mecanismos de feedback negativo, o que significa que quando os níveis de colesterol no corpo estiverem altos, a produção de HMG-CoA redutase será reduzida para manter um equilíbrio homeostático. Inibidores da HMG-CoA redutase, como a estatina, são frequentemente usados em terapêutica clínica para reduzir os níveis de colesterol sérico e prevenir doenças cardiovasculares.

A hidrocortisona é um glucocorticoide sintético, um tipo de corticosteroide, usado como tratamento anti-inflamatório e imunossupressor. É frequentemente empregada no alívio de sintomas associados a diversas condições, incluindo alergias, asma, artrite reumatoide, dermatites, psoríase, doenças inflamatórias intestinais e outras afecções que envolvem inflamação ou resposta imune exagerada.

A hidrocortisona atua inibindo a liberação de substâncias no corpo que causam inflamação, como prostaglandinas e leucotrienos. Além disso, suprime o sistema imunológico, prevenindo ou reduzindo reações do corpo a agentes estranhos, como vírus e bactérias.

Este medicamento pode ser administrado por via oral, injetável, inalatória ou tópica (cremes, unguentos ou loções). A escolha do método de administração depende da condição clínica a ser tratada. É importante que o uso da hidrocortisona seja feito sob orientação médica, visto que seu uso prolongado ou em doses elevadas pode levar a efeitos colaterais graves, como pressão arterial alta, diabetes, osteoporose, cataratas, glaucoma e baixa resistência a infecções.

Ribonucleotide Reductases (RNRs) são enzimas essenciais para a replicação e reparo do DNA em todos os domínios da vida. Eles catalisam a conversão de ribonucleotídeos em desoxirribonucleotídeos, fornecendo os precursores necessários para a síntese de DNA.

Existem dois tipos principais de RNRs: classe I e classe II. A classe I é encontrada em eucariotos e muitas bactérias, enquanto a classe II é encontrada em archaea e algumas bactérias. Cada tipo utiliza mecanismos catalíticos diferentes para realizar a redução de ribonucleotídeos.

A classe I de RNRs é dividida em três subclasses (Ia, Ib, e Id) com base em suas sequências de aminoácidos e mecanismos catalíticos distintos. A subclasse Ia é a forma mais comum e está presente em mamíferos. Ela utiliza um radical tiol para iniciar a reação de redução, que requer a geração prévia de um radical proteico altamente reactivo.

A classe II de RNRs é menos compreendida do que a classe I, mas sabe-se que ela utiliza um mecanismo diferente para realizar a redução de ribonucleotídeos. Ela requer a presença de metais de transição, como cobalto ou manganês, em seu centro ativo e não requer a formação de radicais proteicos.

As Ribonucleotide Reductases desempenham um papel fundamental no controle da proliferação celular e na resposta ao estresse oxidativo. Portanto, elas são alvo terapêutico promissor em doenças como câncer, onde a replicação e proliferação celulares desreguladas são comuns.

A 11-beta-Hidroxiesteroide Desidrogenase do tipo 2 (11β-HSD2) é uma enzima que desempenha um papel importante no metabolismo dos hormônios esteroides. Ela está presente principalmente nas células tubulares renais e nos glândulas suprarrenais.

A função principal da 11β-HSD2 é converter o cortisol, um hormônio glicocorticoide produzido pela glândula suprarrenal, em cortisone, uma forma inativa do hormônio. Isso é importante porque o cortisol pode aumentar a reabsorção de sódio e água nos rins, o que pode levar a um aumento na pressão arterial se não for convertido em cortisone.

A deficiência da 11β-HSD2 pode resultar em uma condição chamada síndrome de hiperaldosteronismo hiporreninêmico, que é caracterizada por um aumento na pressão arterial e um baixo nível de potássio no sangue. Essa condição geralmente é tratada com medicamentos que bloqueiam os efeitos da aldosterona, um hormônio mineralocorticoide produzido pela glândula suprarrenal que também aumenta a reabsorção de sódio e água nos rins.

Nitrito redutases são enzimas que catalisam a redução de nitritos (íons de nitroso-grupo, NO2-) em compostos orgânicos ou inorgânicos. Essas enzimas desempenham um papel importante na biologia dos organismos vivos, especialmente em processos relacionados à regulação da pressão arterial e à defesa contra espécies reativas de oxigênio (ROS).

Existem diferentes tipos de nitrito redutases, incluindo as formas dependentes e independentes de molibdênio. As nitrito redutases dependentes de molibdênio são encontradas em mamíferos e desempenham um papel importante na regulação da pressão arterial ao converter o nitrito em óxido nítrico (NO), um potente vasodilatador. As nitrito redutases independentes de molibdênio são encontradas em bactérias e podem desempenhar um papel na defesa contra ROS, bem como no metabolismo do nitrito.

A reação catalisada pelas nitrito redutases geralmente envolve a transferência de elétrons do substrato doador para o nitrito, resultando na formação de óxido nítrico ou outros compostos orgânicos ou inorgânicos reduzidos. A atividade dessas enzimas é regulada por vários fatores, incluindo a disponibilidade de substratos e o ambiente redox celular.

Em resumo, as nitrito redutases são enzimas que catalisam a redução de nitritos em compostos orgânicos ou inorgânicos e desempenham um papel importante em processos biológicos relacionados à regulação da pressão arterial, defesa contra ROS e metabolismo do nitrito.

Glutationa redutase é uma enzima importante que desempenha um papel crucial na manutenção do equilíbrio redox e na detoxificação celular. Ela catalisa a redução da glutationa oxidada (GSSG) de volta à sua forma ativa e reduzida (GSH), que atua como um antioxidante importante no corpo. A reação catalisada pela glutationa redutase é essencial para proteger as células contra o dano oxidativo e manter a homeostase redox.

A glutationa redutase é encontrada em grande variedade de tecidos e órgãos, incluindo fígado, rim, pulmão e coração. Ela desempenha um papel particularmente importante no fígado, onde é responsável por neutralizar as toxinas e proteger o tecido hepático contra o dano oxidativo.

A deficiência de glutationa redutase pode estar associada a várias condições clínicas, como doenças neurológicas, cardiovasculares e pulmonares, além de aumentar a suscetibilidade ao dano oxidativo e à inflamação. Portanto, a manutenção dos níveis adequados de glutationa redutase é essencial para a saúde geral e o bem-estar.

Flavin Mononucleótido (FMN) Redutase é uma enzima que catalisa a redução do Flavin Mononucleótido (FMN) a sua forma reduzida, o FMNH2 (dihidrato), usando NADH ou NADPH como cofatores. A reação geralmente é escrita da seguinte maneira:

FMN + NAD(P)H + H+ → FMNH2 + NAD(P)+

Esta enzima desempenha um papel importante em vários processos metabólicos, incluindo a síntese de tetrapirrolos, como a porfirina e a clorofila, e o metabolismo de drogas e xenobióticos. A FMN Redutase pertence à classe das oxidorredutases, que utilizam NAD ou NADP como cofatores.

A Thioredoxin Dissulfeto Redutase (abreviada como TDR ou TR) é uma enzima que desempenha um papel crucial no sistema de redução-oxidação (redox) da célula. Ela catalisa a redução de proteínas com grupos sulfídricos (-SH) oxidados em suas cadeias laterais de cisteína, convertendo-os em dissulfetos (-S-S-). Este processo é essencial para manter o equilíbrio redox e regular a atividade de diversas proteínas dentro da célula.

A TDR usa NADPH como doador de elétrons, transferindo esses elétrons para a tiorredoxina, que por sua vez reduz as proteínas alvo. O sistema tiorredoxina-TDR desempenha um papel fundamental em diversos processos celulares, incluindo a resposta ao estresse oxidativo, o metabolismo, a transcrição genética e a apoptose (morte celular programada).

A disfunção da TDR tem sido associada a várias doenças, como câncer, diabetes, doenças neurodegenerativas e doenças cardiovasculares. Portanto, o estudo da TDR e seu sistema redox é de grande interesse para a pesquisa biomédica e a compreensão dos mecanismos moleculares envolvidos nessas patologias.

A NADPH-ferri-hemoproteína redutase é uma enzima que catalisa a redução do ferri-hemoproteína (um tipo de proteína com um grupo hemo) usando NADPH (nicotinamida adenina dinucleótido fosfato reduzido) como um agente redutor. Essa reação desempenha um papel importante no metabolismo celular, especialmente na detoxificação de certos compostos tóxicos e no sistema de defesa antioxidante da célula. A enzima é também conhecida como NADPH-ferrimyoglobina redutase, NADPH-ferricitocromo b5 redutase, e NADPH-hemoproteína reductase.

Ferredoxina-NADP Redutase, também conhecida como FNR ou Ferredoxina:NADP+ oxidorreductase, é uma enzima que catalisa a transferência de elétrons da ferredoxina reduzida para o NADP+, resultando em NADPH e ferredoxina oxidada. Esta reação desempenha um papel fundamental no metabolismo energético e redox de muitos organismos, especialmente aqueles que vivem em ambientes anaeróbicos ou microaerofílicos.

A Ferredoxina-NADP Redutase é composta por uma única cadeia polipeptídica e possui um centro de ferro-enxofre [2Fe-2S] que participa da transferência de elétrons. A enzima desempenha um papel crucial em vários processos metabólicos, incluindo a fixação de nitrogênio, fotossíntese e resposta ao estresse oxidativo.

Em organismos fotossintéticos, a Ferredoxina-NADP Redutase desempenha um papel fundamental na transferência de elétrons da fotossistema I para o NADP+, gerando NADPH que é usado na fixação de carbono. Em organismos não fotossintéticos, a enzima participa da redução do NADP+ durante a respiração anaeróbica e também pode desempenhar um papel na proteção contra o estresse oxidativo, transferindo elétrons do glutationa reduzido para o oxigênio molecular, prevenindo assim a formação de espécies reativas de oxigênio.

De acordo com a definição do National Center for Biotechnology Information (NCBI), oxirredutases são um tipo específico de enzimas que catalisam reações de oxirredução, onde um átomo ou grupo de átomos é reduzido enquanto outro é oxidado. Essas enzimas desempenham um papel crucial em muitos processos metabólicos, incluindo a geração de energia celular e a síntese de moléculas complexas.

As oxirredutases são classificadas no sistema de classificação de enzimas EC sob a categoria EC 1, que inclui as enzimas que atuam sobre grupos funcionais contendo átomos de hidrogênio ou eletrões transferíveis. Dentro dessa categoria, as oxirredutases são subdivididas em várias classes com base no tipo de grupo funcional que elas atacam e o mecanismo pelo qual a transferência de elétrons ocorre.

Exemplos de reações catalisadas por oxirredutases incluem a oxidação de álcoois a aldeídos ou cetonas, a redução de grupos carbonila em cetonas e aldeídos, e a transferência de elétrons entre moléculas diferentes. Essas enzimas geralmente contêm grupos prostéticos que atuam como doadores ou receptores de elétrons, como flavinas, hemos, nicotinamidas e ferrodoxinas.

Em resumo, as oxirredutases são um grupo importante de enzimas que catalisam reações de oxirredução em uma variedade de contextos metabólicos, desempenhando um papel fundamental na geração e transferência de energia nas células vivas.

Redutases do citocromo são enzimas que participam na transferência de elétrons e/ou prótons durante a respiração celular e outros processos metabólicos. Eles desempenham um papel fundamental no transporte de elétrons entre diferentes moléculas, geralmente atuando como agentes reductores ao transferirem elétrons de uma molécula doadora (reduzida) para uma molécula aceitadora (oxidada).

Existem vários tipos de redutases de citocromo, incluindo as NADH-citocromo b5 reductases e as citocromo c reductases. A primeira é responsável pela transferência de elétrons do NADH para o citocromo b5, enquanto a segunda participa da cadeia transportadora de elétrons mitocondrial, onde ajuda a transferir elétrons do ubiquinol (coenzima Q) para o citocromo c durante a fosforilação oxidativa.

As redutases de citocromo são essenciais para a geração de energia nas células, pois desempenham um papel fundamental no processo de produção de ATP (adenosina trifosfato) através da fosforilação oxidativa. Além disso, também estão envolvidas em outros processos metabólicos, como a síntese de colesterol e a detoxificação de substâncias nocivas no fígado.

Glycyrrhiza é o gênero botânico que inclui a regaliz verdadeira e outras espécies relacionadas. A planta é nativa do Mediterrâneo, Ásia e partes da Europa. A raiz da Glycyrrhiza glabra, conhecida como regaliz, tem sido usada na medicina tradicional por seus supostos benefícios para a saúde, como anti-inflamatório, expectorante e suavizante da garganta.

No entanto, é importante notar que o consumo excessivo de regaliz pode causar efeitos colaterais graves, especialmente em indivíduos com pressão arterial alta ou doença renal. A substância ativa na regaliz, glicirrízina, pode causar retenção de sódio e perda de potássio, levando a um aumento na pressão arterial e ritmo cardíaco. Portanto, é recomendável consumir regaliz com moderação e consultar um profissional de saúde antes de usar como medicamento.

'Enciclopedias as a Subject' não é uma definição médica em si, mas sim um tema ou assunto relacionado ao campo das enciclopédias e referências gerais. No entanto, em um sentido mais amplo, podemos dizer que esta área se concentra no estudo e catalogação de conhecimento geral contido em diferentes enciclopédias, cobrindo uma variedade de tópicos, incluindo ciências médicas e saúde.

Uma definição médica relevante para este assunto seria 'Medical Encyclopedias', que se referem a enciclopédias especializadas no campo da medicina e saúde. Essas obras de referência contêm artigos detalhados sobre diferentes aspectos da medicina, como doenças, procedimentos diagnósticos, tratamentos, termos médicos, anatomia humana, história da medicina, e biografias de profissionais médicos importantes. Algumas enciclopédias médicas são direcionadas a um público especializado, como médicos e estudantes de medicina, enquanto outras são destinadas ao grande público leigo interessado em conhecimentos sobre saúde e cuidados médicos.

Exemplos notáveis de enciclopédias médicas incluem a 'Encyclopedia of Medical Devices and Instrumentation', 'The Merck Manual of Diagnosis and Therapy', ' tabulae anatomicae' de Vesalius, e a 'Gray's Anatomy'. Essas obras desempenharam um papel importante no avanço do conhecimento médico, fornecendo uma base sólida para o estudo e prática da medicina.

Carbenoxolona é uma substância derivada do sisal, um tipo de agave. É usada em medicina como um anti-inflamatório e também para proteger e ajudar na cicatrização de úlceras gástricas e duodenais. Atua como um supressor da secreção ácida do estômago e tem propriedades anti-oxidantes. Além disso, a carbenoxolona também é utilizada em dermatologia para o tratamento de feridas e ulcerações cutâneas devido à sua capacidade de estimular a síntese de colágeno e cicatrização de tecido. No entanto, seu uso clínico tem diminuído devido ao desenvolvimento de fármacos mais eficazes e seguros para o tratamento de úlceras gástricas.

Sim, posso certainly provide a medical definition of "tea."

Tea, in a medical context, often refers to certain types of herbal teas that are used for their potential medicinal properties. For example, chamomile tea is sometimes used to help promote sleep and relaxation, while peppermint tea may be recommended for digestive issues. Some studies have also suggested that green tea may have various health benefits, such as potentially reducing the risk of certain types of cancer and heart disease.

However, it's important to note that many of these purported health benefits are still being researched, and more evidence is needed before strong conclusions can be drawn. Additionally, some herbal teas can interact with medications or have potential side effects, so it's always a good idea to talk to a healthcare provider before starting to consume them regularly for medicinal purposes.

O ácido glicirretínico é um composto fenólico encontrado na régua-da-goldoni (Glycyrrhiza glabra), uma planta da qual se extrai a liquirita, usada historicamente como edulcorante e em medicina tradicional. O ácido glicirretínico é o principal ingrediente ativo responsável pelos efeitos farmacológicos da régua-da-goldoni.

Ele tem propriedades anti-inflamatórias, antivirais e expectorantes. Além disso, o ácido glicirretínico é conhecido por inibir a enzima 11β-hidroxiesteroide desidrogenase (11β-HSD), que converte o cortisol inativo em sua forma ativa, o cortisona. Isso pode resultar em um aumento nos níveis de cortisol no corpo, levando a efeitos secundários como hipertensão arterial, hipocalemia (baixos níveis de potássio no sangue) e edema (inchaço).

Embora o ácido glicirretínico tenha algumas propriedades benéficas, seu uso deve ser evitado ou limitado em pessoas com pressão alta, doenças cardiovasculares, insuficiência renal e outras condições médicas pré-existentes. É sempre recomendável consultar um profissional de saúde antes de consumir qualquer suplemento ou medicamento à base de régua-da-goldoni ou ácido glicirretínico.

... ou cortisona redutase é uma enzima NADPH-dependente com grau elevado de expressão em ... Nestes tecidos, HSD11B1 reduz a cortisona para a hormona activa cortisol, que activa os receptores de glicocorticoides. É ...
A última categoria é a cortisona, que é produzida por ambos os sexos e tem efeito analgésico e anti-inflamatório. São ... Em indivíduos do sexo masculino, a 5-redutase está presente em quase todas as estruturas androgênicas dependentes, enquanto a ... através da enzima 5-alfa-redutase, um potente androgênio, além de sua conversão a deidroepiandrosterona (DHEA) e a ...
11β-hidroxiesteroide desidrogenase tipo 1 ou cortisona redutase é uma enzima NADPH-dependente com grau elevado de expressão em ... Nestes tecidos, HSD11B1 reduz a cortisona para a hormona activa cortisol, que activa os receptores de glicocorticoides. É ...
Drogas: Únicos: Cortisona; Anisomicina; Nonoxinol. Grupo de ação: Corticosteróides; Antibióticos; Espermicidas. Inorgânicos (D1 ... Efeitos do inibidor lovastatina de hidroximetilglutaril coa redutase nos níveis de lipídio da membrana eritrocítica. ...
Inibidores de redutase HMG-CoA: Prevê-se que os inibidores de redutase HMG-CoA altamente dependentes da CYP3A4 para o ... Níveis elevados de cortisol (ou cortisona) também podem ocorrer devido à administração de certos medicamentos, como hormônios ... Os inibidores de HMG-CoA redutase lovastatina e sinvastatina são altamente dependentes da CYP3A4 para o metabolismo14. Assim, o ... Como as concentrações aumentadas dos inibidores de redutase HMG-CoA podem causar miopatia50, incluindo rabdomiólise51, a ...
METILENOTETRAIDROFOLATO REDUTASE, Muta o C677T. Sem Descrição IgE RAST (F271) - Alimentos - Anis. Sem Descrição IgE ESPEC FICO ... Cortisona. Uso: avalia o da fun o adrenal. O cortisol o principal horm nio glicocortic ide produzido pela c rtex adrenal humana ... redutase... HISTONA - Anticorpos. Uso: diagn stico de lupus induzido por drogas. Anticorpos anti-histona foram detectados em 18 ...
METILENOTETRAIDROFOLATO REDUTASE, Muta o C677T. Sem Descrição IgE RAST (F271) - Alimentos - Anis. Sem Descrição IgE ESPEC FICO ... Cortisona. Uso: avalia o da fun o adrenal. O cortisol o principal horm nio glicocortic ide produzido pela c rtex adrenal humana ... redutase... HISTONA - Anticorpos. Uso: diagn stico de lupus induzido por drogas. Anticorpos anti-histona foram detectados em 18 ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Diacetil Redutase use Acetoína Desidrogenase Diacetildapsona use Acedapsona Diacetilmorfina use Heroína Diacilgliceróis use ... delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
Hidroxiesteroide-deshidrogenasas que catalizan la conversión reversible del CORTISOL en el metabolito inactivo CORTISONA. Las ... 3-Oxoacil-(Proteína Carreadora de Acil) Redutase [D08.811.682.047.820.196] 3-Oxoacil-(Proteína Carreadora de Acil) Redutase ... Hidroxiesteroide desidrogenases que catalisam a conversão reversível de cortisol para o metabólito inativo CORTISONA. As ... Hidroxiesteroide desidrogenases que catalisam a conversão reversível de cortisol para o metabólito inativo CORTISONA. As ...
Inibidores de redutase HMG-CoA: Prevê-se que os inibidores de redutase HMG-CoA altamente dependentes da CYP3A4 para o ... Níveis elevados de cortisol (ou cortisona) também podem ocorrer devido à administração de certos medicamentos, como hormônios ... Os inibidores de HMG-CoA redutase lovastatina e sinvastatina são altamente dependentes da CYP3A4 para o metabolismo15. Assim, o ... Como as concentrações aumentadas dos inibidores de redutase HMG-CoA podem causar miopatia52, incluindo rabdomiólise53, a ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
delta-Cortisona use Prednisona delta-Cristalinas delta-Globina use Globinas delta delta-Globinas use Globinas delta ...
  • Nestes tecidos, HSD11B1 reduz a cortisona para a hormona activa cortisol, que activa os receptores de glicocorticoides. (wikipedia.org)
  • Hidroxiesteroide-deshidrogenasas que catalizan la conversión reversible del CORTISOL en el metabolito inactivo CORTISONA. (bvsalud.org)
  • Hidroxiesteroide desidrogenases que catalisam a conversão reversível de cortisol para o metabólito inativo CORTISONA. (bvsalud.org)

No imagens disponível com os "cortisona redutase"