Gênero de vírus da família TOMBUSVIRIDAE encontrado principalmente em regiões temperadas. São descritas algumas espécies que infectam leguminosas (FABACEAE) de áreas tropicais. A maioria dos vírus é impregnada no solo, mas alguns são transmitidos pelo fungo Olpidium radicale e outros, por besouros. A espécie tipo é o vírus do mosqueado do cravo.
Gênero de plantas (família GERANIACEAE) em que também se usa o nome vulgar 'gerânio' para o gênero GERANIUM.
Gênero de plantas da família MALVACEAE, cujos membros contêm ÁCIDO CÍTRICO, MALATOS, ANTOCIANINAS, FLAVONOIDES, GLICOSÍDEOS, FIBRA ALIMENTAR e LIGNANOS. A espécie Hibiscus sabdariffa pe um constituinte comum em CHÁS DE ERVAS. A espécie Hibiscus cannabinus é fonte de fibras têxteis (TÊXTEIS).
Vírus parasitas de plantas superiores a bactérias.
Gênero de vírus de plantas que infecta ANGIOSPERMAS. A transmissão ocorre mecanicamente e pelo solo, sendo que uma espécie é transmitida por vetor fúngico. Seu representante é o Virus da Atrofia do Tomateiro.
Enzima que catalisa a extensão dirigida por RNA molde, de um terminal 3' de uma fita de RNA, um nucleotídeo de cada vez, e pode iniciar uma cadeia de novo.
Ácido ribonucleico que constitui o material genético de vírus.
Descrições de sequências específicas de aminoácidos, carboidratos ou nucleotídeos que apareceram na literatura publicada e/ou são depositadas e mantidas por bancos de dados como o GENBANK, European Molecular Biology Laboratory (EMBL), National Biomedical Research Foundation (NBRF) ou outros repositórios de sequências.
Sequência de PURINAS e PIRIMIDINAS em ácidos nucleicos e polinucleotídeos. É chamada também de sequência nucleotídica.

Carlovirus é um gênero de vírus da família *Picornaviridae*, que inclui vários patógenos humanos e animais. O nome "Carlovirus" vem do carilagem, uma estrutura encontrada no interior dos virions (partículas virais) deste gênero.

Os vírus Carlovirus têm um genoma de ARN simples de sentido positivo e são relativamente pequenos, com diâmetros de aproximadamente 27-30 nanômetros. Eles infectam uma variedade de hospedeiros, incluindo humanos, bovinos, ovinos, caprinos e aves.

Alguns exemplos de vírus Carlovirus que infectam humanos incluem o vírus do sarampo (MeV) e o vírus da parotidite epidémica (EPV), também conhecido como paperas. Estes vírus podem causar doenças graves, especialmente em crianças e indivíduos imunocomprometidos.

O sarampo é uma infecção altamente contagiosa que se manifesta por febre alta, tosse, corrimento nasal e erupções cutâneas. A parotidite epidémica é uma infecção do sistema respiratório superior que causa inflamação da glândula parótida, resultando em um aumento doloroso dos lados da face.

A prevenção destas doenças pode ser alcançada por meio de vacinação e medidas de controle de infecções, como isolamento de pacientes infectados e higiene rigorosa das mãos.

De acordo com a terminologia médica, "Pelargonium" não se refere a um termo médico específico. É geralmente referido no campo da botânica e horticultura como um género de plantas que pertencem à família Geraniaceae. Apenas quando mencionado em contextos clínicos ou farmacológicos, alguns dos seus membros podem ser discutidos por causa de suas propriedades medicinais tradicionais ou fitoterápicas.

Por exemplo, *Pelargonium sidoides* é às vezes usado em suplementos e remédios caseiros para alívio de sintomas do resfriado comum e problemas respiratórios leves. No entanto, é crucial observar que a eficácia e segurança desse e outros *Pelargonium* ainda precisam ser aprovados pela pesquisa clínica rigorosa e regulamentação governamental para fins médicos. Portanto, recomenda-se consultar um profissional médico antes de usar qualquer suplemento ou terapia à base de plantas.

De acordo com a literatura médica, Hibiscus (do gênero Hibiscus) refere-se a um grupo de plantas com flores da família Malvaceae, que inclui cerca de 200 espécies. Essas plantas são nativas principalmente dos trópicos e subtrópicos, mas podem ser encontradas em climas temperados em todo o mundo.

Algumas espécies de Hibiscus, como a Hibiscus sabdariffa, têm propriedades medicinais tradicionais e são usadas em diferentes partes do mundo para tratar diversas condições de saúde. Por exemplo, extratos de Hibiscus sabdariffa são frequentemente utilizados como um diurético, hipotensor, e antioxidante. Além disso, estudos demonstraram que o consumo de chá feito com essas flores pode ajudar a reduzir a pressão arterial em indivíduos com hipertensão leve a moderada.

É importante ressaltar que embora as propriedades medicinais do Hibiscus sejam promissoras, é necessário mais pesquisa para confirmar sua eficácia e segurança em diferentes populações e condições de saúde. Além disso, o uso de suplementos ou chás à base de plantas deve ser discutido com um profissional de saúde antes de ser incorporado a uma rotina diária, especialmente para pessoas que estão tomando medicamentos ou têm condições de saúde subjacentes.

Vírus de plantas se referem a agentes infecciosos submicroscópicos que infectam as células vegetais e causam doenças em plantas. Eles consistem em um genoma de ácido nucléico (DNA ou RNA) coberto por uma camada de proteína chamada capside. Alguns vírus de plantas também possuem uma membrana lipídica adicional, chamada envelope.

Os vírus de plantas são transmitidos entre as plantas através de vários meios, incluindo contato direto entre as plantas, insetos vetores (como afídeos e pulgões), sementes infectadas, solo contaminado e equipamentos agrícolas contaminados.

Uma vez dentro da célula vegetal, o vírus usa a maquinaria celular para se replicar e produz novos virions (partículas virais). Isso geralmente resulta em danos às células hospedeiras e pode causar sintomas visíveis de doença nas plantas, como manchas foliares, decaimento, amarelamento, necrose e morte celular.

Existem centenas de diferentes tipos de vírus de plantas que podem infectar uma variedade de hospedeiros vegetais, desde árvores a culturas agrícolas importantes. Alguns exemplos de doenças causadas por vírus de plantas incluem a mosaico do tabaco, a mancha anular da batata e o amarelecimento letal dos cítricos. O controle das doenças causadas por vírus de plantas geralmente envolve a prevenção da infecção através de práticas agrícolas cuidadosas, como a seleção de sementes livres de vírus, o uso de barreiras físicas para impedir a propagação do vírus e o controle de vetores insetos.

Tombusvirus é um gênero de vírus da família Virgaviridae que infecta plantas. Os tombusvíruses têm um genoma de ARN monocatenário e simétrico, com comprimento de aproximadamente 4,7-4,8 kb. O capsídeo é alongado, flexuoso e filamentoso, com cerca de 300 nm de comprimento e 18 nm de diâmetro.

O gênero Tombusvirus inclui várias espécies que infectam diferentes hospedeiros, como plantas ornamentais, vegetais e culturas agrícolas importantes, como a batata-doce e o alho. O vírus é transmitido por contato entre as plantas ou por insetos vectores, como os áfidos.

A infecção por tombusvirus pode causar sintomas variados nas plantas hospedeiras, como manchas foliares, mosaicos, anéis concêntricos e necrose. Em alguns casos, a infecção pode levar à redução do crescimento e da produtividade das plantas.

Atualmente, não há tratamento específico para as infecções por tombusvirus em plantas. A prevenção é a melhor estratégia para controlar a disseminação do vírus, incluindo a prática de higiene adequada, a seleção de cultivares resistentes e o controle dos vectores.

RNA replicase é um tipo de enzima que é responsável pela síntese de uma molécula de RNA usando outra molécula de RNA como modelo. Essa enzima desempenha um papel fundamental em alguns vírus, como o caso dos bacteriófagos Qβ e MS2, que possuem genomas de RNA e dependem da replicase viral para produzir cópias de seu material genético.

A atividade da RNA replicase geralmente requer a presença de outras moléculas, como proteínas auxiliares ou fatores de transcrição, para que ocorra a síntese do novo RNA. Além disso, a RNA replicase pode ser capaz de realizar diferentes funções, dependendo do tipo de vírus em questão. Em alguns casos, essa enzima é responsável pela replicação do genoma viral, enquanto em outros ela também participa da tradução dos mRNA virais para a produção de proteínas.

A RNA replicase desempenha um papel crucial no ciclo de vida dos vírus de RNA e é um alvo importante para o desenvolvimento de antivirais, pois sua inibição pode interromper a replicação do genoma viral e, consequentemente, impedir a propagação da infecção.

RNA viral se refere a um tipo de vírus que utiliza ácido ribonucleico (RNA) como material genético em vez de DNA. Existem diferentes tipos de vírus RNA, incluindo vírus com genoma de RNA de fita simples ou dupla e alguns deles precisam de um hospedeiro celular para completar o seu ciclo reprodutivo. Alguns exemplos de doenças causadas por vírus RNA incluem a gripe, coronavírus (SARS-CoV-2, que causa a COVID-19), dengue, hepatite C e sarampo.

"Dados de sequência molecular" referem-se a informações sobre a ordem ou seqüência dos constituintes moleculares em uma molécula biológica específica, particularmente ácidos nucléicos (como DNA ou RNA) e proteínas. Esses dados são obtidos através de técnicas experimentais, como sequenciamento de DNA ou proteínas, e fornecem informações fundamentais sobre a estrutura, função e evolução das moléculas biológicas. A análise desses dados pode revelar padrões e características importantes, tais como genes, sítios de ligação regulatórios, domínios proteicos e motivos estruturais, que podem ser usados para fins de pesquisa científica, diagnóstico clínico ou desenvolvimento de biotecnologia.

Uma "sequência de bases" é um termo usado em genética e biologia molecular para se referir à ordem específica dos nucleotides (adenina, timina, guanina e citosina) que formam o DNA. Essa sequência contém informação genética hereditária que determina as características de um organismo vivo. Ela pode ser representada como uma cadeia linear de letras A, T, G e C, onde cada letra corresponde a um nucleotide específico (A para adenina, T para timina, G para guanina e C para citosina). A sequência de bases é crucial para a expressão gênica, pois codifica as instruções para a síntese de proteínas.

Vírus do Mosqueado do Cravo use Carmovirus Vírus do Nanismo Amarelo da Cevada use Luteovirus ...
Carmovirus - Conceito preferido Identificador do conceito. M0028586. Nota de escopo. Gênero de vírus da família TOMBUSVIRIDAE ...
Vírus do Mosqueado do Cravo use Carmovirus Vírus do Nanismo Amarelo da Cevada use Luteovirus ...
Vírus do Mosqueado do Cravo use Carmovirus Vírus do Nanismo Amarelo da Cevada use Luteovirus ...

No FAQ disponível com os "carmovirus"