Espécie de bactérias espirais, anaeróbicas, anteriormente classificadas como Serpulina hyodysenteriae e Treponema hyodysenteriae (e por pouco tempo, Serpula hyodysenteriae). Este organismo é o agente da disenteria suína.
Gênero de bactérias espirais da família Brachyspiraceae.
As infecções por bactérias da ordem SPIROCHAETALES.
Ordem de bactérias delgadas, onduladas e helicalmente enroladas, com uma ou mais voltas completas na hélice.
Inflamação aguda do intestino, associada com DIARREIA infecciosa de várias etiologias, geralmente adquiridas por ingestão de alimentos contaminados com TOXINAS BIOLÓGICAS (de BACTÉRIAS ou outros micro-organismos). Caracteriza-se inicialmente por FEZES líquidas e depois, por fezes com muco sanguinolento. Frequentemente está associada com DOR ABDOMINAL, FEBRE E DESIDRATAÇÃO.
Doenças dos suínos domésticos e do javali selvagem do gênero Sus.
Infecções com bactérias da família Desulfovibrionaceae.
As infecções por bactérias do gênero TREPONEMA.
As infecções causadas por bactérias que se coram de rosa (negativa) quando tratadas pelo método de coloração do gram.
Gênero de bactérias Gram-negativas, intracelulares obrigatórias, causadoras de enterite proliferativa em animais (especialmente porcos, veados, cavalos e coelhos).
Gênero de micro-organismos da ordem SPIROCHAETALES, muitos dos quais são patogênicos e parasitas dos seres humanos e outros animais.
Qualquer animal da família Suidae, compreendendo mamíferos onívoros, robustos, de pernas curtas, pele espessa (geralmente coberta com cerdas grossas), focinho longo e móvel, e cauda pequena. Compreendem os gêneros Babyrousa, Phacochoerus (javalis africanos) e o Sus, que abrange o porco doméstico (ver SUS SCROFA)
Família de bactérias espirais da ordem SPIROCHAETALES.
Antibacteriano que tem sido utilizado na prática veterinária para tratar disenteria e enterite suína, além de promover crescimento. Entretanto, seu uso foi proibido na Gran Bretanha após relatos de carcinogênese e mutagenicidade.
Gênero de bacilos espirais e flexíveis que são encontrados na lama contendo sulfeto de hidrogênio, em esgotos e água poluída. Nenhuma das espécies já referidas deste gênero são patogênicas.
Processos patológicos em qualquer segmento do INTESTINO desde o DUODENO ao RETO.
Bolsa cega (ou área em fundo-de-saco) do INTESTINO GROSSO, localizada abaixo da entrada do INTESTINO DELGADO. Apresenta uma extensão em forma de verme, o APÊNDICE vermiforme.

'Brachyspira hyodysenteriae' é uma bactéria Gram-negativa, anaeróbia ou microaerofílica, que é a causa mais comum da doença diarreica em suínos conhecida como disenteria hemorrágica porcina (PHD). Essa doença leva a diarréia aquosa profusa, sangramento e muco em fezes de suínos, resultando em perda de peso e desempenho, e à morte em casos graves. A bactéria é comumente encontrada no intestino grosso posterior dos porcos infectados e é transmitida através do contato direto ou indireto com fezes contaminadas. O controle da PHD inclui medidas de manejo, como a quarentena de animais infectados, o isolamento de animais saudáveis ​​e o limite do acesso ao transporte e à equipe, bem como o uso de antibióticos para tratar os animais infectados.

Brachyspira é um gênero de bactérias gram-negativas, anaeróbicas ou microaerofílicas, associdas a doenças entéricas em suínos e aves. Essas bactérias possuem flagelos que lhes permitem se movimentar, e podem causar doenças como diarréia, desnutrição e retardo de crescimento em animais infectados. Algumas espécies de Brachyspira também podem infectar humanos, embora isso seja relativamente incomum. O tratamento geralmente inclui antibióticos e medidas de controle para prevenir a propagação da infecção.

Spirochaetales é um ordem de bactérias gram-negativas helicoidais com flagelos internos que lhes permitem se mover em ambientes viscosos. Existem três famílias principais nesta ordem: Spirochaetaceae, Leptospiraceae e Brachyspiraceae. Algumas espécies de Spirochaetales são conhecidas por causar infecções em humanos e animais.

Infecções por Spirochaetales incluem:

1. Doença de Lyme - é causada pela bactéria Borrelia burgdorferi e é geralmente transmitida através da picada de carrapatos infectados. Os sintomas podem incluir eritema migratório (manchas vermelhas na pele), febre, dor de cabeça, fadiga e dores articulares. Em estágios avançados, a doença pode afetar o sistema nervoso causando meningite e neuropatia periférica.

2. Leptospirose - é uma infecção bacteriana aguda que afeta humanos e animais. É geralmente transmitida através do contato com urina ou tecido de animais infectados, especialmente ratos. Os sintomas podem incluir febre alta, dor de cabeça, dores musculares, náuseas, vômitos e diarreia. Em casos graves, a leptospirose pode causar insuficiência renal e hepática, hemorragias e morte.

3. Doença de Treponema pallidum - é uma infecção bacteriana que é a causa da sífilis em humanos. A bactéria é geralmente transmitida por contato sexual com uma pessoa infectada. Os sintomas podem incluir chancros indolores na pele, febre, erupções cutâneas, inflamação dos gânglios linfáticos e doença ocular e neurológica em estágios avançados.

4. Doenças periodontais - as bactérias do gênero Porphyromonas são associadas a doenças periodontais, como gingivite e periodontite. Essas infecções podem causar inflamação e dor na boca, perda de dentes e outros problemas de saúde bucal.

5. Doenças entéricas - as bactérias do gênero Bacteroides estão associadas a diversas doenças entéricas, como diarreia, disenteria e infecções abdominais. Essas infecções podem causar sintomas graves, como desidratação, choque séptico e morte em casos graves.

Em resumo, as bactérias do filo Bacteroidetes são associadas a uma variedade de doenças humanas e animais, incluindo infecções bacterianas agudas e crônicas, doenças entéricas, doenças periodontais e outras condições. A pesquisa contínua é necessária para entender melhor a ecologia e patogênese dessas bactérias e desenvolver novos tratamentos e estratégias de prevenção para essas doenças.

Spirochaetales é uma ordem de bactérias gram-negativas helicoidais com flagelos internos que lhes permitem se mover em um movimento ondulante característico. Essas bactérias são frequentemente encontradas em ambientes aquáticos e alguns membros da ordem são patógenos humanos importantes, incluindo a sífilis causada por Treponema pallidum e a febre recurrente causada por Borrelia spp. A ordem Spirochaetales pertence à classe Spirochaetes e contém várias famílias, incluindo Spirochaetaceae, Brachyspiraceae, Borellidae, Leptospiraceae e Treponemataceae. Os membros da ordem variam em tamanho e forma, mas geralmente possuem um ou dois flagelos que se estendem desde ambos os extremos dos organismos e passam por canais no interior da bactéria, chamados de endoflagelos. Esses flagelos são responsáveis pelo movimento ondulante das bactérias, permitindo-lhes se mover em superfícies sólidas ou líquidos. Algumas espécies de Spirochaetales também possuem uma camada externa resistente chamada cápsula, que pode ajudar na proteção contra o sistema imune do hospedeiro. Essas bactérias podem ser difíceis de cultivar em meios de cultura tradicionais e geralmente requerem meios especiais ou técnicas de cultivo avançadas para crescer em laboratório.

A disenteria é uma forma grave de gastroenterite, ou inflamação do revestimento do intestino delgado e grossoso, que se caracteriza por diarreia aquosa com muco e sangue nas fezes. É frequentemente causada por infecções bacterianas, como Shigella e Salmonella, mas também pode ser resultado de infecções parasitárias ou víricas. A disenteria geralmente causa desidratação, febre, crampos abdominais intensos e frequentes necessidades de defecar. Em casos graves, a disenteria pode levar a complicações como desnutrição, choque séptico ou morte, especialmente em crianças e idosos. O tratamento geralmente inclui reidratação, antibióticos e medidas de controle de infecção para prevenir a propagação da doença.

As doenças dos suínos se referem a um vasto espectro de afecções que podem ser encontradas em porcos, incluindo doenças infecciosas, não infecciosas e parasitárias. Algumas das doenças mais comuns e impactantes economicamente nos suínos incluem:

1. Peste Suína Clássica (PSC): É uma doença viral altamente contagiosa que afeta os porcos de todas as idades, causando febre alta, letargia, falta de apetite, sinais respiratórios e cutâneos, e pode resultar em morte em 5-10 dias após a infecção. Não há tratamento ou vacina disponível para uso geral.
2. Peste Porcina Africana (PPA): É uma doença viral hemorrágica que afeta os porcos de todas as idades, causando febre alta, letargia, sangramentos na pele e mucosas, diarreia sanguinolenta e morte em 2-10 dias após a infecção. Não há tratamento ou vacina disponível para uso geral.
3. Circovirus Porcino do Tipo 2 (CVP2): É uma doença viral que causa problemas respiratórios e cardiovasculares em porcos jovens, resultando em morte fetal, mortalidade neonatal e redução de crescimento. Não há tratamento disponível, mas existem vacinas para controlar a doença.
4. Leptospirose: É uma doença bacteriana que pode ser transmitida por animais selvagens, causando problemas renais e abortos em suínas grávidas. Pode ser tratada com antibióticos.
5. Triquinose: É uma infecção parasitária causada pelo consumo de carne contaminada com larvas de vermes Trichinella, resultando em doenças musculares e gastrointestinais. Pode ser tratada com antibióticos.
6. Salmonelose: É uma infecção bacteriana que pode causar diarreia, febre e vômitos em suínos e humanos. Pode ser tratada com antibióticos.
7. Estafilocócico: É uma infecção bacteriana que pode causar problemas respiratórios, pele e tecido mole em suínos. Pode ser tratada com antibióticos.
8. Mycoplasma: É uma infecção bacteriana que causa problemas respiratórios em suínos. Pode ser tratada com antibióticos.
9. Infecções virais respiratórias (PIRV): São várias infecções virais que causam problemas respiratórios em suínos, como influenza e parainfluenza. Não há tratamento disponível, mas existem vacinas para controlar a doença.
10. Infecções por Streptococcus: São infecções bacterianas que causam problemas respiratórios, pele e tecido mole em suínos. Pode ser tratada com antibióticos.

Desulfovibrionaceae é uma família de bactérias gram-negativas, anaeróbias facultativas ou estritamente anaeróbicas, que são encontradas principalmente em ambientes aquáticos e sedimentares. Algumas espécies desse grupo bacteriano são conhecidas por serem patogênicas em humanos e animais, causando infecções, especialmente em indivíduos imunocomprometidos.

As infecções por Desulfovibrionaceae geralmente ocorrem em indivíduos com sistemas imunológicos debilitados, como aqueles com doenças hematológicas, neoplasias malignas ou aqueles que estão sendo tratados com terapia imunossupressora. As infecções mais comuns incluem bacteremia, endocardite infecciosa, infecção intra-abdominal, meningite e abscessos.

O diagnóstico de infecções por Desulfovibrionaceae geralmente requer a cultura do microrganismo em meios especiais anaeróbicos ou microaerofílicos, seguida da identificação da bactéria com base em características fenotípicas e genéticas. O tratamento geralmente consiste na administração de antibióticos adequados, como metronidazol ou cefalosporinas de terceira geração, por um período prolongado devido à resistência natural dessas bactérias a muitos antibióticos.

Em suma, as infecções por Desulfovibrionaceae são infecções raras, mas potencialmente graves, causadas por bactérias gram-negativas anaeróbicas que são frequentemente encontradas em ambientes aquáticos e sedimentares. O diagnóstico e o tratamento precoces são fundamentais para garantir uma boa evolução clínica do paciente.

As infecções por Treponema referem-se a um grupo de doenças causadas pela bactéria espiral Gram-negativa, chamada Treponema. Existem quatro principais doenças causadas por diferentes subespecies de Treponema:

1. Treponema pallidum ssp. pallidum causa a sífilis, uma doença sexualmente transmissível que pode resultar em diversos sintomas e complicações sistêmicas graves se não for tratada adequadamente. A sífilis tem quatro estágios: primário, secundário, latente e terciário. Cada etapa é caracterizada por diferentes sinais e sintomas.

2. Treponema pallidum ssp. endemicum causa a bejel ou pian bois, uma doença que afeta principalmente crianças em comunidades fechadas em regiões áridas e semi-áridas. A bejel é geralmente transmitida por contato direto com lesões na pele ou mucosas infectadas. Os sintomas incluem chancros genitais, úlceras na pele e mucosas, inflamação dos gânglios linfáticos e problemas ósseos.

3. Treponema pallidum ssp. pertenue causa o pian ou frambésia, uma doença tropical que afeta principalmente a pele e os tecidos moles. O pian é geralmente transmitido por contato direto com lesões na pele ou mucosas infectadas. Os sintomas incluem chancros genitais, úlceras na pele e mucosas, inflamação dos gânglios linfáticos e formação de nódulos subcutâneos (goma).

4. Treponema carateum causa o pinta, uma doença tropical que afeta principalmente a pele. O pinta é transmitido por contato direto com lesões na pele ou mucosas infectadas e geralmente ocorre em áreas de clima quente e úmido. Os sintomas incluem manchas vermelhas e escamosas na pele, que podem se tornar pálidas ou hiperpigmentadas ao longo do tempo.

O tratamento para as infecções por Treponema depende do tipo de infecção e pode incluir antibióticos, como a penicilina, administrados por via intramuscular ou oral. É importante procurar atendimento médico imediatamente se suspeitar de uma infecção por Treponema, pois o tratamento precoce pode ajudar a prevenir complicações graves e a transmissão da doença para outras pessoas. Além disso, é recomendável que as pessoas sejam testadas regularmente para detectar infecções sexualmente transmissíveis (ISTs), incluindo as causadas por Treponema, e adotem práticas sexuais seguras para reduzir o risco de infecção.

As infecções por bactérias gram-negativas referem-se a infecções causadas por espécies de bactérias que não retêm o cristal violeta durante o processo de coloração de Gram, o que resulta em uma coloração rosa ou vermelha. Essas bactérias possuem uma membrana externa rica em lipopolissacarídeos (LPS), que pode desencadear uma resposta inflamatória excessiva e prejudicial no hospedeiro. Algumas bactérias gram-negativas comumente associadas a infecções clínicas importantes incluem *Escherichia coli*, *Klebsiella pneumoniae*, *Pseudomonas aeruginosa*, *Acinetobacter baumannii* e *Enterobacter spp.* Essas infecções podem ocorrer em diferentes locais do corpo, como no sangue (bacteremia), trato respiratório, sistema urinário e tecidos moles. O tratamento dessas infecções pode ser desafiador devido à resistência a antibióticos emergente nesses microrganismos.

Treponema é um gênero de bactérias helicoidais gram-negativas, móveis e anaeróbicas facultativas. Essas bactérias possuem flagelos internos que lhes permitem se movimentar em ambientes viscosos. O gênero Treponema inclui várias espécies que são patogênicas para os seres humanos, incluindo a Treponema pallidum, que é a causa da sífilis, uma doença sexualmente transmissível grave e potencialmente fatal. Outras espécies de Treponema estão associadas à doenças periodontais e outras infecções bucais. É importante notar que as bactérias do gênero Treponema são sensíveis a condições ambientais, como temperatura, pH e atividade oxidativa-reduzida, o que pode influenciar sua capacidade de causar doenças.

"Suíno" é um termo que se refere a animais da família Suidae, que inclui porcos e javalis. No entanto, em um contexto médico, "suíno" geralmente se refere à infecção ou contaminação com o vírus Nipah (VND), também conhecido como febre suína. O vírus Nipah é um zoonose, o que significa que pode ser transmitido entre animais e humanos. Os porcos são considerados hospedeiros intermediários importantes para a transmissão do vírus Nipah de morcegos frugívoros infectados a humanos. A infecção por VND em humanos geralmente causa sintomas graves, como febre alta, cefaleia intensa, vômitos e desconforto abdominal. Em casos graves, o VND pode causar encefalite e respiração complicada, podendo ser fatal em alguns indivíduos. É importante notar que a infecção por VND em humanos é rara e geralmente ocorre em áreas onde há contato próximo com animais infectados ou seus fluidos corporais.

Spirochaetaceae é uma família de bactérias gram-negativas helicoidais com flagelos internos que lhes permitem se mover em ambientes viscosos. Essas bactérias são conhecidas por causar várias doenças humanas, incluindo a sífilis e a febre recurrente. A família Spirochaetaceae pertence à ordem Spirochaetales e inclui gêneros como Spirochaeta, Treponema e Borrelia. Essas bactérias são frequentemente encontradas em ambientes aquáticos e podem ser transmitidas para humanos através de contato com animais infectados ou por meio de vetores, como piolhos e carrapatos. É importante notar que a compreensão da taxonomia bacteriana continua em evolução, e algumas espécies anteriormente classificadas nesta família podem agora ser classificadas em outras famílias dentro da ordem Spirochaetales.

Carbadox é um fármaco anti-inflamatório e antibiótico utilizado em medicina veterinária, especialmente no tratamento de doenças intestinais em suínos. É um composto heterocíclico que contém nitrogênio e carbono, e pertence à classe dos nitrofuranos.

A ação antibiótica do Carbadox é devido à sua capacidade de inibir a síntese de ácidos nucléicos bacterianos, o que impede a multiplicação das bactérias. Além disso, possui propriedades anti-inflamatórias e analgésicas, o que o torna útil no tratamento de doenças inflamatórias intestinais em suínos.

No entanto, é importante ressaltar que o uso de Carbadox em animais destinados ao consumo humano tem sido objeto de preocupação devido à possibilidade de formação de residuos cancerígenos no tecido muscular dos animais tratados. Por isso, nos Estados Unidos, por exemplo, o uso do Carbadox em suínos destinados ao abate foi proibido em 2019.

Espirais ou bacilos em forma de espiral encontrados principalmente em ambientes aquáticos e alguns deles causam doenças infecciosas em humanos e animais. As espécies patogênicas mais conhecidas são a Treponema pallidum (causadora da sífilis), Borrelia burgdorferi (agente etiológico da doença de Lyme) e Leptospira interrogans (associada à leptospirose). Esses organismos geralmente possuem flagelos internos que lhes permitem se movimentar, chamados de endoflagelos. Sua morfologia única e habitat específico ajudam na sua identificação e diagnóstico laboratorial.

Enteropatia é um termo geral usado em medicina para se referir a doenças ou condições que afetam o revestimento interno do intestino delgado. O intestino delgado desempenha um papel crucial na absorção de nutrientes, água e eletrólitos dos alimentos parcialmente digeridos que passamos pela digestão. Portanto, qualquer coisa que afete negativamente o revestimento interno do intestino delgado pode resultar em problemas de absorção e, consequentemente, causar sintomas como diarreia, desnutrição, perda de peso e deficiências nutricionais.

Existem muitos tipos diferentes de enteropatias, incluindo:

1. Doença celíaca: uma doença autoimune em que o consumo de glúten leva ao dano da mucosa intestinal.
2. Intolerância à lactose: a incapacidade de digerir açúcares presentes na maioria dos produtos lácteos.
3. Doença inflamatória intestinal (DII): um grupo de condições que causam inflamação no revestimento do intestino, incluindo a doença de Crohn e a colite ulcerativa.
4. Síndrome do intestino irritável (SII): um transtorno funcional do intestino que causa sintomas como dor abdominal, flatulência e alterações no hábito intestinal.
5. Infecções entéricas: infecções causadas por bactérias, vírus ou parasitas que afetam o intestino delgado.
6. Enteropatias associadas à isquemia: condições em que a diminuição do fluxo sanguíneo para o intestino delgado causa dano ao revestimento interno.
7. Tumores e neoplasias gastrointestinais: crescimentos anormais no revestimento do intestino delgado que podem causar sangramento, obstrução ou perforação.

O tratamento para essas condições varia de acordo com a causa subjacente e pode incluir medicações, dieta alterada, terapias comportamentais e, em alguns casos, cirurgia.

O ceco é a primeira porção do intestino delgado, situada entre o íleo e o cólon. Sua função principal é a absorção de água, eletrólitos e vitaminas. Além disso, o ceco abriga uma grande população de bactérias que desempenham um papel importante na digestão e no sistema imunológico. O apêndice é uma pequena extensão do ceco.

Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira hyodysenteriae Brachyspira innocens use Brachyspira Brachyura use Braquiúros Braço Braço Artificial use Membros ...
Serpula hyodysenteriae use Brachyspira hyodysenteriae Serpula innocens use Brachyspira Serpulina use Brachyspira ...
Diagnosis of Brachyspira pilosicoli, Brachyspira hyodysenteriae and Brachyspira intermedia in hens and laying hens in the ... Diagnosis of Brachyspira pilosicoli, Brachyspira hyodysenteriae and Brachyspira intermedia in hens and laying hens in the ... Diagnosis of Brachyspira pilosicoli, Brachyspira hyodysenteriae and Brachyspira intermedia in hens and laying hens in the ... Brachyspira hyodysenteriae e Brachyspira intermedia em aves de postura e matrizes de corte na região oeste do Paraná através do ...
Brachyspira [B03.440.425.410.220] Brachyspira * Brachyspira hyodysenteriae [B03.440.425.410.220.100] Brachyspira hyodysenteriae ... Brachyspira Termo(s) alternativo(s):. Brachyspira innocens. Serpula innocens. Serpulina. Serpulina innocens. Treponema innocens ... Brachyspira - Conceito preferido Identificador do conceito. M0026414. Nota de escopo. Gênero de bactérias espirais da família ... Brachyspira innocens Serpula innocens Serpulina Serpulina innocens Nota de escopo:. Género de bacterias espiriladas de la ...
Anteriormente Treponema hyodysenteriae e Serpulina hyodysenteriae é uma bactéria patogênica que coloniza o intestino grosso de ... A disenteria suína é facilmente disseminada pela via fecal-oral devido à capacidade de B. hyodysenteriae de sobreviver várias ... Kit de teste de detecção de Brachyspira hyodysenteriae usando qPCR. ... Introdução:Deteção de Brachyspira hyodysenteriae usando qPCR. Brachyspira yodysenteriae (anteriormente Treponema hyodysenteriae ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...
Brachyspira. Serpulina hyodysenteriae. Brachyspira hyodysenteriae. Streptococcus milleri (grupo). Streptococcus milleri (Grupo) ...

No FAQ disponível com os "brachyspira hyodysenteriae"