Proteína de Pseudomonas, Bordetella ou Alcaligenes que funciona como unidade de transferência de elétrons associada à cadeia citocromo. A proteína tem peso molecular de aproximadamente 16 kDa, contém um átomo de cobre, é intensamente azul e possui uma banda de emissão de fluorescência em 308nm.
Espécie de bactérias em bastonete, gram-negativas e aeróbias, comumente isoladas de amostras clínicas (feridas, queimaduras e infecções do trato urinário). Também é amplamente distribuída no solo e na água. P. aeruginosa é um dos principais agentes de infecção hospitalar.
Gênero de bactérias Gram-negativas, aeróbias e com motilidade que ocorrem na água e no solo. Algumas são habitantes comuns do trato intestinal de vertebrados. Estas bactérias ocasionalmente causam infecções oportunistas em humanos.
Oligoelemento de metal pesado com símbolo atômico Cu, número atômico 29 e peso atômico 63,55.
Proteína vegetal que contém cobre e que é um elo importante na cadeia de transporte de elétrons em plantas durante a conversão fotossintética de energia solar através da fotofosforilação de ligações químicas em energia potencial.
Proteínas que tem um ou mais íons metálicos firmemente ligados formando parte da sua estrutura. (Dorland, 28a ed)
Processo pelo qual os ELÉTRONS são transportados de um substrato reduzido para o OXIGÊNIO molecular. (Tradução livre do original: Bennington, Saunders Dictionary and Encyclopedia of Laboratory Medicine and Technology, 1984, p270)
Grupo de enzimas que oxidam diversas substâncias nitrogenadas para dar nitrito. EC 1.
Reação química em que um elétron é transferido de uma molécula para outra. A molécula doadora do elétron é o agente de redução ou redutor; a molécula aceitadora do elétron é o agente de oxidação ou oxidante. Os agentes redutores e oxidantes funcionam como pares conjugados de oxidação-redução ou pares redox (tradução livre do original: Lehninger, Principles of Biochemistry, 1982, p471).

"Azurina" não é um termo médico comumente usado. No entanto, "azul de metileno" é um composto químico que tem sido às vezes usado em medicina como um antisséptico tópico, laxante e para tratar a intoxicação por cianeto. O termo "azurina" também pode se referir a uma proteína presente em alguns organismos, como algas e bactérias, que desempenha um papel na fotossíntese. Não há nenhuma ligação direta entre esses dois usos do termo "azurina" e não há uma definição médica específica para "azurina".

"Pseudomonas aeruginosa" é um tipo de bactéria gram-negativa, aeróbia e móvel que é encontrada em ambientes aquáticos e do solo. É conhecida por causar infecções nos seres humanos, especialmente em indivíduos com sistemas imunológicos debilitados ou em pacientes hospitalizados. A bactéria produz uma variedade de virulências, como exotoxinas e enzimas, que contribuem para sua capacidade de causar doenças. As infecções por Pseudomonas aeruginosa podem variar de infecções nos tecidos moles e no trato respiratório a infecções osteoarticulares e sanguíneas graves. A bactéria também é notável por sua resistência a muitos antibióticos comuns, o que pode dificultar o tratamento das infecções que ela causa.

Alcaligenes é um gênero de bactérias gram-negativas, aeróbicas e não fermentativas que são encontradas em ambientes aquáticos e do solo. Essas bactérias têm a capacidade de crescer em condições altamente alcalinas, o que é refletido no seu nome genérico. Alcaligenes é frequentemente associado à decomposição de matéria orgânica e pode ser encontrado na água do solo, nas plantas e nos animais de sangue quente, incluindo humanos. Embora algumas espécies possam causar infecções ocasionalmente em humanos, a maioria deles é considerada inócuo e não causa doenças.

Cobre ( Cu ) é um metal pesado essencial que atua como um cofator em diversas enzimas e proteínas importantes no organismo humano. É necessário para a formação de hemoglobina, melanina, neuropeptídeos e outros compostos. O cobre também desempenha um papel importante na manutenção da integridade dos tecidos conjuntivos, na neurotransmissão e no metabolismo do ferro. No entanto, altas concentrações de cobre podem ser tóxicas e estão associadas a várias condições patológicas, como doença de Wilson e intoxicação por cobre. A deficiência de cobre também pode causar anemia, neutropenia, ósteoporose e outros distúrbios. É importante manter níveis adequados de cobre no organismo para manter a saúde geral.

Plastocianina é uma pequena proteína transportadora de elétrons encontrada em cloroplastos e cianobactérias. Ela desempenha um papel crucial no processo de fotossíntese, atuando como um intermediário na transferência de elétrons entre dois complexos proteicos chamados fotossistema I e citocromo b6f.

A plastocianina contém um único átomo de cobre em seu centro ativo, o que permite que ele seja reduzido ou oxidado durante a transferência de elétrons. Quando oxidada, a plastocianina assume uma cor azul-esverdeada e, quando reduzida, adquire uma coloração amarelo-esverdeada.

A estrutura da plastocianina é altamente conservada em diferentes espécies, o que sugere sua importância evolutiva na fotossíntese. Além disso, a eficiência da transferência de elétrons entre a plastocianina e outras proteínas envolvidas no processo é muito alta, tornando-a uma peça-chave na catena de transporte de elétrons fotossintética.

Metaloproteínas são proteínas que contêm um ou mais ions metálicos essenciais em sua estrutura. Estes íons metálicos estão frequentemente ligados a grupos funcionais da cadeia lateral de aminoácidos, como por exemplo, o grupo sulfidrilo (-SH) da cisteína ou o grupo carboxilato (-COO-) do ácido glutâmico ou aspartílico. A ligação entre o íon metálico e a proteína é geralmente estável, mas pode ser dinâmica e reversível em alguns casos.

As metaloproteínas desempenham uma variedade de funções importantes em organismos vivos, incluindo catalisar reações enzimáticas, transportar moléculas e gases, armazenar íons metálicos, e participar de processos de sinalização celular. Exemplos de metaloproteínas incluem a hemoglobina (que contém ferro e transporta oxigênio no sangue), a citocromo c oxidase (que contém cobre e ferro e participa da respiração celular), e as matrix metalloproteinases (MMPs) (que são enzimas que degradam proteínas da matriz extracelular e contêm zinco).

As metaloproteínas podem ser classificadas com base no tipo de íon metálico presente, como por exemplo, ferroproteínas (que contêm ferro), cobreproteínas (que contêm cobre), zincoproteínas (que contêm zinco), e assim por diante. Além disso, as metaloproteínas também podem ser classificadas com base na sua função biológica específica, como enzimas, transportadores, armazenadores ou sensores de íons metálicos.

O Transporte de Elétrons é um processo bioquímico fundamental em que os elétrons são passados por uma cadeia de proteínas transportadoras, geralmente localizadas na membrana celular. Esse processo ocorre em grande parte dos organismos vivos e desempenha um papel central em diversos processos metabólicos, incluindo a respiração celular e a fotossíntese.

Na respiração celular, por exemplo, os elétrons são transferidos de moléculas redutoras, como a NADH e a FADH2, para o oxigênio molecular, que atua como um aceitador final de elétrons. Através desse processo, energia é liberada e capturada pelos gradientes de prótons que se formam através da membrana, o qual posteriormente será convertido em ATP (adenosina trifosfato), a molécula de energia universal nos organismos vivos.

Em resumo, o Transporte de Elétrons refere-se à transferência controlada e sequencial de elétrons entre moléculas, desempenhando um papel fundamental em diversos processos metabólicos e na geração de energia nas células.

Nitrito redutases são enzimas que catalisam a redução de nitritos (íons de nitroso-grupo, NO2-) em compostos orgânicos ou inorgânicos. Essas enzimas desempenham um papel importante na biologia dos organismos vivos, especialmente em processos relacionados à regulação da pressão arterial e à defesa contra espécies reativas de oxigênio (ROS).

Existem diferentes tipos de nitrito redutases, incluindo as formas dependentes e independentes de molibdênio. As nitrito redutases dependentes de molibdênio são encontradas em mamíferos e desempenham um papel importante na regulação da pressão arterial ao converter o nitrito em óxido nítrico (NO), um potente vasodilatador. As nitrito redutases independentes de molibdênio são encontradas em bactérias e podem desempenhar um papel na defesa contra ROS, bem como no metabolismo do nitrito.

A reação catalisada pelas nitrito redutases geralmente envolve a transferência de elétrons do substrato doador para o nitrito, resultando na formação de óxido nítrico ou outros compostos orgânicos ou inorgânicos reduzidos. A atividade dessas enzimas é regulada por vários fatores, incluindo a disponibilidade de substratos e o ambiente redox celular.

Em resumo, as nitrito redutases são enzimas que catalisam a redução de nitritos em compostos orgânicos ou inorgânicos e desempenham um papel importante em processos biológicos relacionados à regulação da pressão arterial, defesa contra ROS e metabolismo do nitrito.

Oxirredução, em termos bioquímicos e redox, refere-se a um tipo específico de reação química envolvendo o ganho (redutor) ou perda (oxidante) de elétrons por moléculas ou átomos. Neste processo, uma espécie química, o agente oxirredutor, é simultaneamente oxidada e reduzida. A parte que ganha elétrons sofre redução, enquanto a parte que perde elétrons sofre oxidação.

Em um contexto médico, o processo de oxirredução desempenha um papel fundamental em diversas funções corporais, incluindo o metabolismo energético e a resposta imune. Por exemplo, durante a respiração celular, as moléculas de glicose são oxidadas para produzir energia na forma de ATP (adenosina trifosfato), enquanto as moléculas aceitadoras de elétrons, como o oxigênio, são reduzidas.

Além disso, processos redox também estão envolvidos em reações que desintoxicam o corpo, como no caso da neutralização de radicais livres e outras espécies reativas de oxigênio (ROS). Nesses casos, antioxidantes presentes no organismo, tais como vitaminas C e E, doam elétrons para neutralizar esses agentes oxidantes prejudiciais.

Em resumo, a oxirredução é um conceito fundamental em bioquímica e fisiologia, com implicações importantes na compreensão de diversos processos metabólicos e mecanismos de defesa do corpo humano.

... é um gênero de peixes donzela da família Pomacentridae encontrados na região Centro-Leste do Pacífico. Azurina eupalama ... Azurina hirundo «Fish Identification». www.fishbase.in. Consultado em 10 de agosto de 2020 Portal dos peixes (!Esboços sobre ...
A Donzela de Galápagos (Azurina eupalama) é uma espécie de peixe da família Pomacentridae. Endêmica das ilhas Galápagos. Allen ... G., Robertson, R., Rivera, R.,Edgar, G., Merlen, G., Zapata, F. & Barraza, E. (2010). Azurina eupalama (em inglês). IUCN 2013. ...
... como a azurina; citocromos. Estas proteínas complementam a actividade de transporte electrónico da nicotinamida adenina ...
Consultado em 7 de maio de 2021 Adams, Jake (6 de maio de 2021). «Some Damselfish Favorites Reclassified as Azurina & ... Abudefduf Acanthochromis Altrichthys Amblyglyphidodon Amblypomacentrus Amphiprion Azurina Amphiprion Cheiloprion Chromis ... Abudefduf Amphiprion Azurina Chromis Dascyllus Hemiglyphidodon Hypsypops Microspathodon Neopomacentrus Pomacentrus Pomachromis ...
Consultado em 6 de outubro de 2022 Adams, Jake (6 de maio de 2021). «Some Damselfish Favorites Reclassified as Azurina & ...
Consultado em 2 de outubro de 2022 Adams, Jake (6 de maio de 2021). «Some Damselfish Favorites Reclassified as Azurina & ... principalmente a donzelas do gênero Chromis e Azurina. Os machos são muito protetores com os ovos no período de reprodução, ...
... azurina - Descrita por Zikán em 1942, de exemplar proveniente do Brasil (Amazonas). «Satyrinae» (em inglês ...
Acanthochromis Azurina Chromis Dascyllus [http://mayatan.web.fc2.com/BUNRUI/Pomacentridae.htm «Pomacentridae�A�������ȃ}�K�W ...
... nas quais se incluem proteínas de transferência eletrônica como as da família da azurina, e enzimas como a superóxido dismutase ...
Azurina é um gênero de peixes donzela da família Pomacentridae encontrados na região Centro-Leste do Pacífico. Azurina eupalama ... Azurina hirundo «Fish Identification». www.fishbase.in. Consultado em 10 de agosto de 2020 Portal dos peixes (!Esboços sobre ...
Azurina [D12.776.097.100] Azurina * Proteínas da Membrana Bacteriana Externa [D12.776.097.120] Proteínas da Membrana Bacteriana ...
Azurina - Conceito preferido Identificador do conceito. M0002095. Nota de escopo. Proteína de Pseudomonas, Bordetella ou ... azurina. Nota de escopo:. Proteína bacteriana de Psuedomonas, Bordetella o Alaligenes que opera como unidad de transferencia de ...
... é invasivo e a azurina vidali é endémica da ilha e não pode ser colhida. Lembrei-me logo da minha amiga Manuela Rosa que, se ...

No FAQ disponível com os "azurina"