Substâncias que impedem a fibrinólise ou a lise de um coágulo sanguíneo ou trombo. Várias antiplasminas endógenas são conhecidas. Estes substâncias são usadas para controlar hemorragia maciça e também em outros distúrbios da coagulação.
Antifibrinolítico que atua inibindo ativadores de plasminogênio que apresentam propriedades fibrinolíticas.
Antifibrinolítico hemostático utilizado em hemorragia grave.
Derivados amínicos dos ácidos caproicos. Estão incluídos sob este descritor uma grande variedade de formas ácidas, sais, ésteres e amidas que contêm a estrutura amínica do ácido caproico.
Polipeptídeo de cadeia única, derivado de tecidos bovinos, constituído por 58 resíduos de aminoácidos. É inibidor de enzimas proteolíticas, entre elas, QUIMIOTRIPSINA, CALICREÍNA, PLASMINA e TRIPSINA. É usada no tratamento de HEMORRAGIA associada com elevadas concentrações plasmáticas de plasmina. Também é usada para reduzir perda de sangue e necessidade de transfusão em pacientes com alto risco de perda importante de sangue durante e depois de cirurgia cardíaca com CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA. (Tradução livre do original: Reynolds JEF(Ed): Martindale: The Extra Pharmacopoeia (electronic version). Micromedex, Inc, Englewood, CO, 1995)
Perda de sangue durante um procedimento cirúrgico.
A introdução de sangue total ou componente de sangue diretamente dentro da corrente sanguínea. (Dorland, 28a ed)
Metalocarboxipeptidase que remove a lisina e a arginina C-terminais das proteínas e dos peptídeos biologicamente ativos regulando, desta maneira, suas atividades. É uma enzima relacionada ao zinco e que não demonstra nenhuma preferência por lisina em relação a arginina. A pró-carboxipeptidase U é ativada, no plasma humano, pela trombina ou plasmina durante a coagulação para formar a carboxipeptidase U instável.
Natural dissolução enzimática da FIBRINA.
Hemorragia seguida a qualquer procedimento cirúrgico. Pode ser imediata ou tardia e não se restringe ao ferimento cirúrgico.
Carboxipeptidase dependente de ZINCO encontrada principalmente no SISTEMA DIGESTÓRIO. A enzima cataliza a clivagem preferencial de um C-terminal peptidil-L-lisina ou arginina. Foi classificada anteriormente como EC 3.4.2.2 e EC 3.4.12.3.
Agentes que agem interrompendo o fluxo sanguíneo. Os hemostáticos absorvíveis interrompem o sangramento formando um coágulo artificial ou provendo uma matriz mecânica que facilita a coagulação, quando aplicados diretamente à superfície da hemorragia. Estes agentes funcionam mais em nível capilar, não sendo efetivos para estancar uma hemorragia arterial ou venosa (sob pressão intravascular significante).
Glicoproteína de superfície celular das células endoteliais que se liga à trombina e serve como um cofator na ativação da proteína C e regulação da coagulação sanguínea.
Processo de interação dos FATORES DE COAGULAÇÃO SANGUÍNEA que resulta em um coágulo insolúvel da FIBRINA .
Membro da superfamília das serpinas encontrada no plasma que inibe a lise de coágulos de fibrina que são induzidos pelo ativador de plasminogênio. É uma glicoproteína de aproximadamente 70.000 Da de peso molecular que migra na região alfa 2 na imunoeletroforese. É o principal inativador de plasmina no sangue, formando rapidamente um complexo muito estável com a plasmina (FIBRINOLISINA).
Controle do sangramento durante ou após procedimentos cirúrgicos.
Enzimas que agem na extremidade C-terminal livre de um polipeptídeo para liberar um único resíduo de aminoácido.
Processo que estanca espontaneamente o fluxo de SANGUE de vasos que conduzem sangue sob pressão. É realizado pela contração dos vasos, adesão e agregação dos elementos sanguíneos formados (p. ex., AGREGAÇÃO ERITROCÍTICA) e o processo de COAGULAÇÃO SANGUÍNEA.
Desvio do fluxo sanguíneo da entrada do átrio direito diretamente para a aorta (ou artéria femoral) através de um oxigenador, desviando desse modo o coração e os pulmões.
Compostos exógenos ou endógenos que inibem SERINA ENDOPEPTIDASES.

Antifibrinolíticos são medicamentos que interferem no processo de fibrinólise, impedindo a dissolução da fibrina e promovendo a formação e manutenção do coágulo sanguíneo. Eles funcionam inibindo a atividade da enzima plasmina, que é responsável pela degradação da fibrina nos coágulos sanguíneos.

Alguns exemplos comuns de antifibrinolíticos incluem o ácido tranexâmico e a aminocapróica. Estes medicamentos são frequentemente usados no tratamento de hemorragias, especialmente aquelas associadas à fibrinólise excessiva, como no caso de pacientes com deficiência congênita de inhibidores da plasmina ou após cirurgias cardiovasculares e odontológicas.

No entanto, é importante ressaltar que o uso de antifibrinolíticos pode aumentar o risco de trombose e outros eventos adversos relacionados à coagulação sanguínea. Portanto, seu uso deve ser cuidadosamente avaliado e monitorado por um profissional de saúde qualificado.

O Ácido Aminocaproico é um fármaco antifibrinolítico, o que significa que ele interfere no processo de fibrinólise, impedindo a dissolução da fibrina e promovendo assim a formação de coágulos sanguíneos. Ele funciona inibindo a atividade da enzima plasmina, que é responsável pela dissolução dos coágulos sanguíneos.

A formulação química do Ácido Aminocaproico é o ácido ε-aminocapróico, um aminoácido sintético com a fórmula C6H13NO2. Ele está disponível em forma de sais, como o cloreto de ácido ε-aminocapróico, que é frequentemente usado em aplicações clínicas.

O Ácido Aminocaproico é usado no tratamento de doenças hemorrágicas associadas à fibrinólise excessiva, como a hematuria (sangramento na urina) causada por disfunção renal, o sangramento menstrual excessivo e a hemorragia após cirurgias, especialmente cirurgias dentárias e de próstata. Ele também pode ser usado em casos de coagulopatia induzida por fibrinólise durante a terapia trombolítica (tratamento com fibrinolíticos) para dissolver coágulos sanguíneos em pacientes com infarto do miocárdio ou trombose venosa profunda.

Embora o Ácido Aminocaproico seja geralmente seguro e bem tolerado, ele pode causar efeitos colaterais, como náuseas, vômitos, diarréia, dor de cabeça, sonolência e reações alérgicas. Em casos raros, ele pode levar ao aumento do risco de trombose e infarte do miocárdio. Portanto, seu uso deve ser monitorado cuidadosamente, especialmente em pacientes com histórico de doença cardiovascular ou trombótica.

O ácido tranexâmico é um medicamento antifibrinolítico, o que significa que ele ajuda a prevenir a dissolução dos coágulos sanguíneos. Ele funciona inibindo a atividade da plasmina, uma enzima que descompõe os coágulos sanguíneos.

Este medicamento é frequentemente usado no tratamento de sangramentos excessivos (hemorragias) em indivíduos com distúrbios hemorrágicos hereditários, como a doença de von Willebrand e a deficiência de fator XI. Além disso, o ácido tranexâmico também pode ser usado em cirurgias que têm um risco elevado de sangramento, como a cirurgia cardiovascular e ortopédica.

Embora o ácido tranexâmico seja geralmente seguro quando utilizado conforme prescrito, ele pode causar efeitos colaterais, como náuseas, vômitos, diarréia, cefaleias e tonturas. Em casos raros, ele pode também levar a complicações mais graves, como convulsões, coagulação anormal do sangue e problemas renais.

Como qualquer medicamento, o ácido tranexâmico deve ser usado somente sob orientação médica e as doses devem ser rigorosamente seguidas para minimizar os riscos associados ao seu uso.

Aminocaproato é um composto orgânico que pertence à classe dos aminoácidos sintéticos. É frequentemente utilizado em medicina como um agente anti-sangramento, pois tem a capacidade de inibir a enzima plasmática chamada plasmina, que desempenha um papel importante na dissolução dos coágulos sanguíneos.

Os ésteres do aminocaproato, como o éster etil de aminocaproato, são frequentemente usados clinicamente em vez do próprio aminocaproato. Estes ésteres são conhecidos como agentes de epsionização, pois podem reduzir a taxa de formação de coágulos sanguíneos e aumentar o tempo de coagulação sanguínea.

Além disso, os aminocaproatos também são usados em alguns produtos cosméticos como um agente quelante, ou seja, uma molécula que pode formar ligações com íons metálicos, o que pode ajudar a manter a estabilidade do produto.

Em resumo, os aminocaproatos são compostos orgânicos sintéticos usados em medicina como agentes anti-sangramento e em cosméticos como agentes quelantes.

Aprotinina é uma inibidora da protease, um tipo de medicamento que interfere na atividade de enzimas chamadas proteases. É derivado do pulmão bovino e é usado clinicamente como um agente hemostático (para ajudar a controlar o sangramento) em situações cirúrgicas de alto risco, como cirurgia cardiovascular e transplante de órgãos. Também tem sido usado no tratamento de pancreatite aguda grave. A aprotinina funciona inibindo vários tipos de proteases, incluindo tripsina, quimotripsina e plasminogênio, o que pode ajudar a reduzir a atividade de enzimas que podem contribuir para o sangramento e danos teciduais. No entanto, seu uso clínico tem sido associado a alguns riscos graves, como insuficiência renal aguda e reações alérgicas, portanto, é frequentemente considerado um tratamento de último recurso.

Perda sanguínea cirúrgica refere-se à perda de sangue que ocorre durante um procedimento cirúrgico. Pode variar em volume, desde pequenas quantidades até volumes significativos que podem levar a hipovolemia e choque hipovolêmico. A perda sanguínea cirúrgica pode ser causada por vários fatores, incluindo lesões vasculares, coagulopatias, uso de anticoagulantes ou trombocitopenia. O manejo da perda sanguínea cirúrgica inclui a prevenção, a monitorização adequada do volume sanguíneo e a reposição do sangue e dos componentes sanguíneos, se necessário, para manter a estabilidade hemodinâmica e garantir uma boa oxigenação dos tecidos.

Em termos médicos, uma transfusão de sangue é um procedimento em que se infunde sangue ou algum dos seus componentes (como glóbulos vermelhos, plaquetas ou plasma) a um indivíduo por via venosa. A transfusão de sangue pode ser necessária em diversas situações clínicas, como hemorragias agudas graves, anemia severa, transtornos hematológicos, doenças oncológicas e outras condições que possam comprometer a produção ou função dos componentes sanguíneos.

Antes de realizar uma transfusão de sangue, é necessário realizar um typing (grupo sanguíneo) e crossmatch (compatibilização) do sangue do doador e do receptor para minimizar os riscos de reações adversas, como a reação transfusional aguda imediata (TRALI), a hemólise e outras complicações. Além disso, é importante monitorar o paciente durante e após a transfusão para detectar quaisquer sinais de reações adversas e tomar as medidas necessárias para tratá-las.

Embora a transfusão de sangue seja um procedimento seguro quando realizado corretamente, existem riscos associados à sua prática, como a transmissão de doenças infecciosas (como HIV, hepatite B e C), reações alérgicas e outras complicações. Por isso, é fundamental que as transfusões sejam realizadas por profissionais treinados e em instalações adequadas, seguindo rigorosamente os protocolos de segurança estabelecidos.

Carboxypeptidase U, também conhecida como carboxipeptidase B2 ou thrombin-activatable fibrinolysis inhibitor (TAFI), é uma enzima presente no plasma sanguíneo humano. Ela desempenha um papel importante na regulação da fibrinólise, o processo pelo qual os coágulos sanguíneos são dissolvidos.

A carboxipeptidase U remove resíduos de arginina ou lisina dos extremos C-terminais das proteínas, incluindo a fibrina, que é um componente chave dos coágulos sanguíneos. A remoção desses resíduos pode diminuir a taxa de degradação da fibrina pela enzima plasmática chamada plasminogênio ativador tecidual (tPA), prolongando assim a vida do coágulo sanguíneo.

A ativação da carboxipeptidase U ocorre através da proteólise por trombina ou plasmina, e sua inibição é mediada pela alfa-2-antiplasmina. A variação nos níveis de atividade da carboxipeptidase U pode estar relacionada a diferentes condições clínicas, como trombose e câncer.

Fibrinólise é o processo pelo qual um coágulo sanguíneo se dissolve. É catalisado por enzimas chamadas plasminogénio ativador, que convertem a proteína fibrina em fragmentos menores. Esses fragmentos são então removidos do corpo, restaurando o fluxo sanguíneo normal. A fibrinólise é uma parte importante da cascata de coagulação e é essencial para a manutenção da homeostase hemostática. O desequilíbrio na fibrinólise pode resultar em doenças, como trombose ou hemorragia.

Hemorragia pós-operatória, também conhecida como sangramento pós-operatório, refere-se a uma complicação cirúrgica em que ocorre um fluxo contínuo ou acumulação de sangue em excesso no local da operação ou no corpo após uma cirurgia. Pode variar em gravidade, desde pequenas quantidades de sangramento que podem ser absorvidas pelo corpo, até hemorragias significativas que podem causar choque hipovolêmico e outras complicações potencialmente perigosas para a vida.

A hemorragia pós-operatória pode resultar de vários fatores, incluindo problemas técnicos durante a cirurgia, disfunção ou lesão dos vasos sanguíneos próximos ao local operatório, coagulopatias (desordens de coagulação sanguínea), uso de medicamentos que afetam a hemostase (capacidade do sangue de coagular) ou outras condições médicas subjacentes.

O tratamento da hemorragia pós-operatória depende da sua gravidade e pode incluir medidas conservadoras, como repouso relativo, compressão no local operatório, administração de fluidos intravenosos ou transfusões sanguíneas. Em casos graves, podem ser necessários procedimentos adicionais, como reintervenções cirúrgicas, embolização de vasos sanguíneos ou terapia de reposição da hemostase.

Carboxypeptidase B é uma enzima exopeptidase que corta especificamente aminoácidos do terminal carboxilo (C-terminal) de proteínas e peptídeos, removendo preferencialmente residuos de lisina ou arginina. Também é conhecida como carboxipeptidase B2 ou enzima convertase de angiotensina.

Esta enzima desempenha um papel importante em vários processos fisiológicos, incluindo a regulação da pressão arterial e a digestão de proteínas. Em particular, é responsável pela conversão do angiotensinogênio em angiotensina I, que é subsequentemente convertida em angiotensina II pela enzima convertase de angiotensina (ECA). A angiotensina II é um potente vasoconstritor e promove a retenção de sódio e água nos rins, aumentando assim a pressão arterial.

A carboxipeptidase B é produzida como um zimogênio inativo, que é ativado por outras proteases. É uma enzima dependente de zinco e sua atividade pode ser influenciada pela presença de íons metálicos e outros fatores ambientais.

Em condições patológicas, a atividade da carboxipeptidase B pode estar alterada, o que pode contribuir para doenças como hipertensão arterial e doenças cardiovasculares. Além disso, a atividade anormal dessa enzima tem sido associada à progressão de doenças neurológicas, como doença de Alzheimer e doença de Parkinson.

Hemostáticos são substâncias ou medicamentos que ajudam a deter o sangramento ou a coagulação do sangue. Eles funcionam promovendo a agregação das plaquetas e estimulando a formação de um tampão para fechar a ferida. Alguns hemostáticos naturais incluem vitamina K, cálcio e proteínas do sangue. Existem também hemostáticos sintéticos disponíveis, como pastilhas, esponjas ou gel que podem ser aplicados diretamente na ferida para ajudar a parar o sangramento. É importante notar que alguns hemostáticos podem ter efeitos colaterais e devem ser usados com cuidado, especialmente em pessoas com problemas de coagulação sanguínea ou que estão tomando anticoagulantes.

A trombomodulina é uma proteína que se encontra na superfície das células endoteliais do corpo humano. Ela desempenha um papel crucial no sistema de coagulação sanguínea, auxiliando a regular a formação de coágulos e prevenindo a formação de coágulos excessivos ou inadequados.

A trombomodulina atua ao se ligar à trombina, uma enzima que converte o fibrinogênio em fibrina durante a formação de um coágulo sanguíneo. A ligação da trombina à trombomodulina altera a atividade da trombina, fazendo com que ela ative o fator V e o proteínase activado do plasminogênio (PAP), ao invés de converter o fibrinogênio em fibrina. Isso resulta na ativação da via de controle da trombina, o que desencadeia uma cascata de reações que inibem a formação de coágulos e promovem a dissolução deles.

Além disso, a trombomodulina também ativa a proteína C, uma enzima que desempenha um papel importante na regulação da coagulação sanguínea. A activação da proteína C leva à inativação dos fatores Va e VIIIa, o que diminui a formação de coágulos.

Em resumo, a trombomodulina é uma proteína importante no sistema de coagulação sanguínea, auxiliando a regular a formação de coágulos e prevenindo a formação de coágulos excessivos ou inadequados.

A coagulação sanguínea, também conhecida como hemostase, é um processo complexo e fundamental envolvendo a conversão do líquido sangue em um gel sólido (chamado coágulo) para interromper o fluxo sanguíneo e promover a cicatrização de uma lesão vascular. Isso é essencial para prevenir hemorragias excessivas e manter a integridade do sistema circulatório. A coagulação sanguínea é regulada por uma delicada balance entre os sistemas de coagulação e fibrinólise, que promovem a formação e dissolução dos coágulos, respectivamente.

O processo de coagulação sanguínea pode ser dividido em três fases principais:

1. Iniciação: Quando ocorre uma lesão vascular, os fatores de coagulação são ativados e começam a converter a protrombina (fator II) em trombina (fator IIa), que por sua vez converte o fibrinogênio (um solúvel glicoproteína plasmática) em fibrina (uma insolúvel proteína de rede).
2. Amplificação: A ativação da trombina leva a um ciclo de reações que amplifica a formação do coágulo, envolvendo a ativação adicional de vários fatores de coagulação e a conversão do fator V em seu estado ativo (fator Va).
3. Propagação: A trombina e o fator Va ativam o complexo protrombinase, que consiste no fator Xa e na membrana fosfolipídica, levando à rápida geração de mais trombina e, consequentemente, à formação de uma rede tridimensional de fibrina.

A coagulação sanguínea é controlada por mecanismos intrínsecos e extrínsecos. O caminho intrínseco é iniciado pela exposição da superfície das células endoteliais lesadas, o que leva à ativação do fator XII (Hageman). O caminho extrínseco é desencadeado pela liberação de fator tissular (FT) após a lesão vascular. O FT se liga ao fator VII e ativa-o, levando à formação do complexo FT/VIIa, que ativa o fator X e inicia a cascata de coagulação.

A dissolução do coágulo é mediada pela plasmina, uma protease sérica que cliva a fibrina em fragmentos solúveis menores. A ativação da plasmina é regulada por activadores e inibidores de plasminogênio, como o uroquinase (uPA) e o PAI-1 (inibidor do activador do plasminogênio tipo 1), respectivamente.

A coagulação sanguínea desempenha um papel crucial na hemostasia e em várias condições patológicas, como trombose e hemorragia. O equilíbrio entre a formação do coágulo e a sua dissolução é essencial para manter a homeostase.

A alpha-2 antiplasmin (α2AP) é uma proteína plasmática que desempenha um papel crucial na regulação da coagulação sanguínea. Ela é produzida pelo fígado e é a principal inibidora da plasmina, a enzima responsável pela dissolução de coágulos sanguíneos. A α2AP se liga à plasmina e à suas precursoras, o plasminogênio ativado (agGlu Pls) e a plasmina ativa (Pls), impedindo-as de desintegrar os fatores da coagulação e outras proteínas. Dessa forma, a α2AP ajuda a manter o equilíbrio entre a formação e a dissolução dos coágulos sanguíneos, evitando hemorragias excessivas ou tromboses.

A hemostasia cirúrgica refere-se ao processo de interromper o sangramento durante ou após uma cirurgia. Isso pode ser alcançado por meios fisiológicos, como a contração dos vasos sanguíneos e a formação de coágulos sanguíneos, bem como por meios artificiais, como ligaduras, clipagem, laser, eletrrocauterização ou outros métodos de cauterização. A hemostasia cirúrgica é uma parte crucial da prática cirúrgica, pois a perda excessiva de sangue pode levar a complicações graves, como choque hipovolêmico e insuficiência orgânica múltipla. Além disso, a hemostasia inadequada pode resultar em hemorragia pós-operatória, que pode ser perigosa ou fatal. Portanto, é fundamental que os cirurgiões tenham um conhecimento profundo dos princípios e técnicas de hemostasia cirúrgica para garantir a segurança do paciente durante e após a cirurgia.

Carboxypeptidases são enzimas que catalisam a remoção do último resíduo de aminoácido, que contém um grupo carboxila, de um peptídeo ou proteína. Existem dois tipos principais de carboxipeptidases: A e B. Carboxipeptidase A remove hidrofobos resíduos de aminoácidos, enquanto a carboxipeptidase B remove resíduos básicos de lisina ou arginina. Estas enzimas desempenham um papel importante na digestão e processamento de proteínas em organismos vivos. Eles são classificados como exopeptidases, uma classe de enzimas que clivam grupos peptídicos no início ou no final de uma cadeia polipeptídica. Carboxypeptidases são encontradas em diversas espécies, incluindo humanos, e podem ser sintetizados por células animais, vegetais e microbianas.

Hemostasis é um processo fisiológico complexo que ocorre no corpo para impedir a perda excessiva de sangue após uma lesão vascular. Consiste em uma cascata de eventos que envolvem vasoconstrição, formação de trombina e ativação de plaquetas, resultando na formação de um trombo para preencher a lacuna da lesão e impedir o sangramento adicional. Posteriormente, ocorre a fase de dissolução do trombo, ou fibrinolise, restaurando a permeabilidade vascular. A hemostasia é essencial para manter a integridade do sistema circulatório e promover a cicatrização adequada das feridas.

Em termos médicos, "Ponte Cardiopulmonar" (ou Circulatória Cardiopulmonar por sua sigla em inglês, CCP) refere-se a um procedimento de suporte à vida que é usado quando o coração e os pulmões de uma pessoa falham. Neste processo, um dispositivo mecânico assume as funções do coração e dos pulmões para manter a circulação sanguínea e a oxigenação dos tecidos enquanto se tentam corrigir os problemas subjacentes que levaram ao colapso cardiopulmonar.

A ponte cardiopulmonar pode ser realizada por meio de duas técnicas principais: a circulatória de membrana extracorpórea (ECMO) e a ventilação pulmonar mecânica (MPV). A ECMO envolve o uso de uma bomba e um oxigenador para circular o sangue fora do corpo, onde é oxigenado e descarregado de dióxido de carbono, antes de ser reintroduzido no corpo. Já a MPV utiliza um ventilador mecânico para auxiliar ou substituir a respiração da pessoa, fornecendo oxigênio e removendo o dióxido de carbono dos pulmões.

A ponte cardiopulmonar é geralmente usada em situações de emergência, como paradas cardiorrespiratórias ou insuficiência respiratória aguda grave, enquanto se procuram e tratam as causas subjacentes do colapso cardiopulmonar. Embora a ponte cardiopulmonar possa ser uma técnica vital para salvar vidas em situações críticas, ela também pode estar associada a complicações, como hemorragias, infecções e danos teciduais, especialmente se usada por longos períodos de tempo. Portanto, o objetivo principal da ponte cardiopulmonar é manter a estabilidade do paciente enquanto se procuram e implementam tratamentos definitivos para as condições subjacentes.

Inibidores de serina protease (SPI) são compostos que bloqueiam a atividade de enzimas conhecidas como serina proteases. Estas enzimas desempenham um papel importante em uma variedade de processos biológicos, incluindo a coagulação sanguínea, inflamação e resposta imune. No entanto, um desequilíbrio na atividade das serina proteases pode levar ao desenvolvimento de doenças, como trombose, câncer e infecções.

Os inibidores de serina protease são frequentemente usados em terapêutica para tratar ou prevenir essas condições. Eles funcionam unindo-se às serina proteases e impedindo que elas se liguem e clivem seus substratos. Existem muitos tipos diferentes de inibidores de serina protease, cada um com sua própria especificidade para diferentes enzimas.

Alguns exemplos de inibidores de serina protease incluem antitrombina III, que inibe a trombina e outras proteases da coagulação sanguínea; aprotinina, que inibe uma ampla gama de serina proteases; e camostat, que é usado no tratamento de pancreatite aguda.

Em resumo, os inibidores de serina protease são compostos que bloqueiam a atividade de enzimas chamadas serina proteases, desempenhando um papel importante em vários processos biológicos e podendo ser usados no tratamento de doenças associadas a um desequilíbrio na atividade dessas enzimas.

ANTIFIBRINOLÍTICOS NA PROFILAXIA DO SANGRAMENTO PÓS-PERFUSÃO.I. APROTININA Arquivado em 2 de junho de 2007, no Wayback Machine ... B01 Medicamentos antitrombóticos B02 Anti-hemorrágicos B02A - Antifibrinolíticos B02B - Vitamina K e outros hemostáticos B03 ... antifibrinolíticos; Transfusão autóloga - Existem dois tipos: 1)- O paciente retira seu próprio sangue alguns dias antes da ... antifibrinolíticos ajudam a reduzir hemorragias agudas Hemostatos biológicos como tampões de colágeno e celulose; Colas e ...
... à administração de fármacos antifibrinolíticos. «Fibrinolysis - primary or secondary: MedlinePlus Medical Encyclopedia». ...
Antifibrinolíticos, EC 3.4). ...
Antifibrinolíticos, Medicamentos essenciais da Organização Mundial da Saúde). ...
ANTIFIBRINOLÍTICOS NA PROFILAXIA DO SANGRAMENTO PÓS-PERFUSÃO.I. APROTININA Arquivado em 2 de junho de 2007, no Wayback Machine ... B01 Medicamentos antitrombóticos B02 Anti-hemorrágicos B02A - Antifibrinolíticos B02B - Vitamina K e outros hemostáticos B03 ... antifibrinolíticos; Transfusão autóloga - Existem dois tipos: 1)- O paciente retira seu próprio sangue alguns dias antes da ... antifibrinolíticos ajudam a reduzir hemorragias agudas Hemostatos biológicos como tampões de colágeno e celulose; Colas e ...
Antifibrinolíticos tais como o ácido ε-amino caproico (Eaca - Ypsilon ® - Nikko do Brasil, RJ) e o ácido tranexâmico (Amica - ... Antifibrinolíticos: A combinação entre a terapia sistêmica de reposição de fatores de coagulação e os agentes ... Pré-cirúrgico: Nesses casos há a indicação do uso de antifibrinolíticos via oral com início, pelo menos, 24 horas antes do ... Os antifibrinolíticos devem ser utilizados nos tratamentos periodontais, conforme descrito anteriormente, tanto na forma ...
Antifibrinolíticos (1) Tipo de estudo * Etiology_studies (2) * Risk_factors_studies (2) ...
Antifibrinolíticos *Ácido trenaxâmico. *Ácido epson aminio caproico (EACA). Para o angioedema causado pelo inibidor da enzima ...
Os antifibrinolíticos podem ser utilizados para evitar a desintegração do coágulo (1). ...
Os antifibrinolíticos podem ser utilizados para evitar a desintegração do coágulo (1). ...
A melhor forma de entrar em contato com a SBA é através deste link: https://www.sbahq.org/contato/. Preencha o formulário de contato, escolha o assunto "Academia SBA" e retornaremos seu contato em até 72h. Equipe SBA. ...
Antifibrinolíticos [D27.505.954.502.270.463.091] Antifibrinolíticos Agentes de Reversão Anticoagulante - Conceito preferido ...
Antifibrinolíticos/uso terapêutico, Anti-Inflamatórios/análise, Avaliação da Tecnologia Biomédica ...
Antifibrinolíticos e outros agentes Também pode-se tentar agentes antifibrinolíticos, mas seu uso para a reversão do ...
Antifibrinolíticos Termo(s) alternativo(s). Agente Antifibrinolítico Agentes Antifibrinolíticos Antifibrinolisina ... antifibrinolíticos. Termo(s) alternativo(s). agente antifibrinolítico agentes antifibrinolíticos antifibrinolisina ... Antifibrinolíticos - Conceito preferido Identificador do conceito. M0001393. Nota de escopo. Substâncias que impedem a ... Agentes Antifibrinolíticos. Antifibrinolisina. Antifibrinolisinas. Antifibrinolítico. Antiplasmina. Antiplasminas. Inibidor da ...
Como a compressão de gaze embebida em antifibrinolíticos, bolinhas de algodão embebidas em ácido tricloroacético a 10%, cimento ... com indicação da reposição dos fatores de coagulação e da associação dos antifibrinolíticos. ... sangramentos causados por raspagem podem ser controlados localmente com compressão de gaze embebida em antifibrinolíticos, ...
Minimização da HMI com antifibrinolíticos: ácido tranexâmico (alternativa à terapêutica hormonal). *Tratar patologias ...
Medicamentos antifibrinolíticos (medicamentos que ajudam a parar a quebra natural dos coágulos sanguíneos e a uma recuperação ...
Portanto, antifibrinolíticos não devem ser utilizados por aproximadamente 6 a 12 horas após a administração de Feiba. ... Não há estudos adequados e controlados do uso combinado ou sequencial de Feiba e fator VIIa ou antifibrinolíticos sendo ... A possibilidade de eventos tromboembólicos deve ser considerada quando antifibrinolíticos sistêmicos, tais como o ácido ... Deve ser considerada a possibilidade de eventos trombóticos quando antifibrinolíticos sistêmicos, assim como ácidos tranexâmico ...
NOME DO PRODUTO UNIDADE QUANTIDADE ADICIONAR A MINHA PRÉVIA ...

No FAQ disponível com os "antifibrinolíticos"