Os sacos anais, também conhecidos como divertículos sacros ou divertículos da última porção do intestino grosso, são pequenas bolsinhas ou protrusões que se desenvolvem na parede do reto, próximo à abertura anal. Eles ocorrem quando as pressões internas aumentam e forçam a formação de protuberâncias através das fraquezas naturais na parede do intestino.

Embora os sacos anais sejam frequentemente assintomáticos, em alguns casos eles podem causar complicações, como infecções e inflamação (diverticulite), obstrução intestinal, sangramento ou perfuração do saco anal. Os sintomas mais comuns incluem dor abdominal, náuseas, vômitos, febre, constipação ou diarreia, e alterações no ritmo intestinal.

O tratamento dos sacos anais depende da gravidade dos sintomas e das complicações associadas. Em casos leves, a mudança na dieta e o uso de medicamentos podem aliviar os sintomas. No entanto, em casos graves ou recorrentes, a cirurgia pode ser necessária para remover os sacos anais e prevenir complicações futuras.

Neoplasia das glândulas anais refere-se a um crescimento anormal e desregulado de células nas glândulas localizadas na região anal. Essas glândulas, conhecidas como glândulas anorrectais, são responsáveis pela produção de muco lubrificante para facilitar a passagem de fezes. A neoplasia geralmente é causada por mutações genéticas que levam ao crescimento descontrolado das células.

Existem dois principais tipos de neoplasias das glândulas anais: adenomas e carcinomas.

1. Adenoma: É um tumor benigno que se desenvolve a partir das células glandulares. Embora não seja canceroso, o adenoma pode crescer e bloquear o canal anal, causando sintomas desagradáveis, como dificuldade para defecar ou sangramento rectal. Em alguns casos, um adenoma pode evoluir para um carcinoma.
2. Carcinoma: É um câncer que se origina nas células glandulares das glândulas anais. O tipo mais comum é o adenocarcinoma, que se desenvolve a partir de células do revestimento interno da glândula. Os sintomas do carcinoma podem incluir sangramento rectal, dor no reto ou no abdômen, prurido anal e alterações no hábito intestinal.

O tratamento para as neoplasias das glândulas anais depende do tipo, tamanho e extensão da lesão. O tratamento pode incluir cirurgia, radioterapia ou quimioterapia, dependendo da situação individual de cada paciente. É importante consultar um médico especialista em doenças do reto e do intestino para avaliar o melhor curso de ação.

As glândulas perianais, também conhecidas como glândulas anais, são pequenas glândulas localizadas em torno do ânus, a abertura terminal do trato digestivo onde as fezes são excretadas. Existem duas glândulas principais, chamadas de glândulas anais ou glândulas de Skene, e várias glândulas menores, conhecidas como glândulas circum-anais ou glândulas de Morgagni.

As glândulas anais desembocam no canal anal através de pequenos poros e secretam um fluido mucoso que lubrifica a região e ajuda nas funções de defecação. As glândulas circum-anais estão localizadas mais profundamente na parede do ânus e também secretam um fluido, mas com uma função menos clara.

Em alguns casos, as glândulas perianais podem se infectar ou desenvolver cistos ou abscessos, o que pode causar sintomas como dor, inchaço e dificuldade em defecar. Em casos graves, essas complicações podem requerer tratamento cirúrgico.

As glândulas apócrinas são um tipo de glândula exocrina que secreta substâncias, como lipídios e proteínas, através de ductos no revestimento epitelial da pele ou das mucosas. A característica distintiva das glândulas apócrinas é que, durante o processo de secreção, as células secretoras retém parcialmente o seu núcleo e outros organelos.

As glândulas apócrinas são encontradas em diversas partes do corpo humano, como nas axilas, genitais e autredores dos olhos (glândulas de Meibomian). Elas desempenham um papel importante na formação de odor corporal, pois as suas secreções podem ser quebradas down por bacterias na pele, resultando em compostos voláteis com cheiro. Além disso, as glândulas apócrinas também estão envolvidas no processo de lubrificação da pele e das mucosas.

Neoplasias das glândulas sudoríparas referem-se a um crescimento anormal e desregulado de células nas glândulas sudoríparas, que podem resultar em tumores benignos ou malignos. Existem dois tipos principais de glândulas sudoríparas no corpo humano: as glândulas eccrinas, que são mais abundantes e produzem um suor aquoso e salino; e as glândulas apócrinas, que estão presentes principalmente em áreas como as axilas e a região genital e secretam um suor oleoso e com odor.

Neoplasias das glândulas sudoríparas eccrinas geralmente são benignas e manifestam-se como tumores solitários, móveis e de crescimento lento. No entanto, em casos raros, podem evoluir para um câncer de glândula sudorípara eccrina maligno (carcinoma eccrino).

Neoplasias das glândulas sudoríparas apócrinas são menos comuns e geralmente manifestam-se como tumores sólidos, bem circunscritos e de crescimento lento. No entanto, também podem evoluir para um câncer de glândula sudorípara apócrina maligno (carcinoma hidradenocítico ou adenocarcinoma hidradenoide).

Os sintomas associados às neoplasias das glândulas sudoríparas dependem do local, tamanho e tipo de tumor. Tumores benignos geralmente não causam sintomas além da massa palpável. No entanto, tumores malignos podem invadir tecidos adjacentes e metastatizar para outras partes do corpo, resultando em dor, inflamação, ulceração e outros sinais de invasão local ou disseminação à distância. O diagnóstico geralmente é feito por meio de biópsia do tumor e análise histopatológica. O tratamento geralmente consiste em excisão cirúrgica do tumor, com radioterapia e quimioterapia adicionais para tumores malignos.

'Doenças do Cão' não é um termo médico específico. No entanto, os cães, assim como os seres humanos, podem desenvolver uma variedade de condições e doenças ao longo de suas vidas. Algumas das doenças comuns em cães incluem:

1. Doença Periodontal: É uma infecção dos tecidos que sustentam os dentes, incluindo as gengivas, o ligamento periodontal e o osso alveolar. A acumulação de placa e cálculo pode levar à inflamação e, finalmente, à perda dos dentes se não for tratada.

2. Artrite: A artrose é uma forma comum de artrite em cães, especialmente em cães idosos. Afeta as articulações e pode causar dor, rigidez e diminuição da mobilidade.

3. Doença Cardíaca: Os cães podem desenvolver vários tipos de doenças cardíacas, incluindo doenças valvares, doenças miocárdicas e doenças congênitas. Essas condições podem levar a sintomas como falta de ar, tosse e diminuição da energia.

4. Câncer: Os cães podem desenvolver vários tipos de câncer, incluindo câncer de mama, câncer de pele e linfoma. O câncer é uma das principais causas de morte em cães mais velhos.

5. Diabetes: Os cães podem desenvolver diabetes do tipo 1 ou diabetes do tipo 2. A diabetes pode causar sintomas como aumento da micção, aumento da ingestão de água e perda de peso.

6. Doença Renal: A doença renal crônica é comum em cães mais velhos e pode levar a sintomas como aumento da micção, aumento da ingestão de água e vômitos.

7. Doenças Infecciosas: Os cães podem adquirir várias doenças infecciosas, incluindo parvovirose, moquillo e pneumonia. Essas condições podem causar sintomas graves, como vômitos, diarreia e febre.

8. Doença Hepática: Os cães podem desenvolver vários tipos de doenças hepáticas, incluindo hepatite e doença hepática crônica. Essas condições podem causar sintomas como aumento da micção, aumento da ingestão de água e icterícia.

9. Disfunção Tiroideana: Os cães podem desenvolver hipotireoidismo ou hipertireoidismo. Essas condições podem causar sintomas como aumento ou perda de peso, intolerância ao frio ou calor e letargia.

10. Doenças Oculares: Os cães podem desenvolver várias doenças oculares, incluindo glaucoma, catarata e distiquíase. Essas condições podem causar sintomas como dor ocular, fotofobia e visão reduzida.