Ruminants are a group of hooved mammals that are known for their ability to chew cud, which involves regurgitating and rechewing previously swallowed food. This is made possible by a specialized stomach with multiple compartments, including the rumen, where fermentation of plant material occurs with the help of microorganisms.

The process of ruminating allows these animals to extract maximum nutrients from their fibrous diet, which consists mainly of plant materials such as grasses, leaves, and shrubs. Examples of ruminants include cattle, deer, sheep, goats, giraffes, and antelopes.

In a medical or veterinary context, the term "ruminant" is often used to describe these animals and their unique digestive system, as well as any related health conditions or diseases that may affect them.

Na medicina, "cabras" não é um termo usado para descrever uma condição médica ou um procedimento. Se você se referir a "cabras" como em animais da família Bovidae e gênero Capra, então eles podem estar relacionados com algumas áreas da medicina, por exemplo:

1. Doenças infecciosas: As cabras podem ser hospedeiras de vários patógenos que também podem infectar humanos, como a bactéria que causa a febre Q.
2. Alergias: A proteína caseína encontrada no leite de cabra pode causar alergias em algumas pessoas.
3. Medicina veterinária: Os médicos veterinários podem tratar doenças e condições em cabras como parte de sua prática.

No entanto, sem um contexto mais claro, é difícil fornecer uma definição médica específica para "cabras".

A expressão "Doenças das Cabras" não é um termo médico formalmente definido. No entanto, às vezes é usado informalmente para se referir a uma série de doenças infecciosas que podem ser transmitidas da cabra para o ser humano. Estas incluem:

1. Brucelose: também conhecida como febre de Malta ou febre ondulante, é causada pela bactéria Brucella melitensis e pode ser transmitida ao homem através do consumo de leite ou queijo não pasteurizados ou por contato direto com animais infectados.

2. Q Fever: uma infecção bacteriana causada por Coxiella burnetii, que pode ser encontrada no leite, urina e fezes das cabras. A transmissão para o homem geralmente ocorre através da inalação de pó contaminado com os agentes patogénicos secos.

3. Ornitose: uma doença causada pela bactéria Chlamydia psittaci, que pode ser encontrada em aves, incluindo cabras. A transmissão para o homem geralmente ocorre através da inalação de pó contaminado com fezes de aves infectadas.

4. Tularemia: uma infecção bacteriana causada por Francisella tularensis, que pode ser transmitida ao homem pelo contato direto com animais infectados, incluindo cabras, ou através da ingestão de água ou alimentos contaminados.

5. Rickettsia: uma doença causada pela bactéria Rickettsia rickettsii, que pode ser transmitida ao homem pelo bicho-de-pé, um parasita que se encontra em cabras e outros animais.

É importante notar que essas doenças podem ser graves e até mesmo fatais se não forem tratadas adequadamente. Portanto, é crucial tomar medidas preventivas, como a vacinação, o uso de equipamentos de proteção individual e a adoção de boas práticas de higiene, especialmente em ambientes onde haja contato com animais ou suas fezes.

As doenças dos ovinos referem-se a um vasto espectro de condições médicas que podem afetar o gado caprino e ovino. Estas doenças podem ser classificadas em diversos grupos, dependendo da causa subjacente, incluindo:

1. Doenças infecciosas: São causadas por agentes infecciosos, como vírus, bactérias, fungos e parasitas. Exemplos incluem a pneumonia enzootica (causada pelo Mycoplasma ovipneumoniae), a clamídia (causada pela Clamydophila abortus) e a infestação por vermes gastrointestinais (como Haemonchus contortus).

2. Doenças não infecciosas: São condições que não são transmitidas por agentes infecciosos, mas sim causadas por fatores genéticos, ambientais ou traumáticos. Exemplos incluem a displasia da articulação do ombro (uma condição genética), a hipocalcemia (baixo nível de cálcio no sangue) e as lesões por esmagamento em corredores estreitos ou durante o transporte.

3. Doenças nutricionais: São doenças relacionadas à alimentação, como a deficiência de vitaminas ou minerais, intoxicação por plantas tóxicas ou excesso de certos nutrientes. Exemplos incluem a deficiência de cobre, a intoxicação por glicólise (causada pelo consumo excessivo de grãos verdes) e a acidose ruminal (causada pela alimentação com dietas altamente fermentáveis).

4. Doenças parassitárias: São causadas por infestações parasitárias, como ácaros, piolhos, moscas e vermes. Exemplos incluem a sarna (causada pelo Psoroptes ovis), a pediculose (infestação por piolhos) e a infestação por larvas de mosca.

5. Doenças infecciosas: São causadas por bactérias, vírus, fungos ou protozoários. Exemplos incluem a pneumonia (causada por bactérias como Pasteurella multocida), a diarreia (causada por rotavírus) e a mastite (infecção da glândula mamária).

6. Doenças neoplásicas: São causadas pelo crescimento anormal de tecidos, como tumores benignos ou malignos. Exemplos incluem o carcinoma espinocelular (um tipo de câncer da pele) e a leucemia (uma doença dos glóbulos brancos).

7. Doenças genéticas: São causadas por defeitos no DNA, que podem ser herdados ou adquiridos durante a vida do animal. Exemplos incluem a anemia falciforme (uma doença sanguínea) e a distrofia muscular de Duchenne (uma doença dos músculos).

8. Doenças metabólicas: São causadas por alterações no metabolismo, que podem ser herdadas ou adquiridas durante a vida do animal. Exemplos incluem o diabetes (alteração na regulação do açúcar no sangue) e a gota (acumulação de ácido úrico nos tecidos).

9. Doenças traumáticas: São causadas por ferimentos ou lesões físicas, como fraturas, luxações ou queimaduras. Exemplos incluem o trauma craniano (lesão na cabeça) e a queimadura térmica (queimadura causada pelo calor).

10. Doenças idiopáticas: São doenças de causa desconhecida, que não podem ser atribuídas a nenhuma das categorias anteriores. Exemplos incluem o lupus eritematoso sistêmico (doença autoimune) e a esclerose múltipla (doença neurológica).

Os ovinos são um grupo de animais pertencentes à família Bovidae e ao gênero Ovis, que inclui espécies domesticadas como a ovelha-doméstica (Ovis aries) e suas contrapartes selvagens, como as bodes-selvagens. Eles são conhecidos por sua capacidade de produzir lã, carne e couro de alta qualidade. Os ovinos são ruminantes, o que significa que eles têm um estômago especializado em quatro partes que permite que eles processem a celulose presente em plantas fibrosas. Eles também são caracterizados por suas chifres curvos e pelagem lanosa.

Artiodactyla é uma ordem de mamíferos ungulados, que inclui animais com cascos parciais ou completos. Eles são caracterizados por ter um número par de dígitos em cada membro, geralmente os dedos 2º e 5º, o que os diferencia dos perissodáctilos (como cavalos e rinocerontes), que têm um número ímpar de dígitos.

Existem cerca de 300 espécies de artiodactylos, incluindo animais terrestres como vacas, ovelhas, cabras, antílopes, gnus e porcos, bem como animais aquáticos como baleias, golfinhos e focas.

Apesar da grande diversidade de formas e hábitats, os artiodactylos compartilham algumas características anatômicas e fisiológicas comuns, como a presença de um estômago dividido em várias câmaras (como o caso dos ruminantes) e uma complexa série de glândulas salivares que auxiliam na digestão de material vegetal.

Além disso, muitos artiodactylos têm um sistema social bem desenvolvido, com hierarquias claras e comportamentos de acasalamento complexos. Alguns deles também são conhecidos por sua capacidade de migrar longas distâncias em busca de alimentos e água.

Bovinos são animais da família Bovidae, ordem Artiodactyla. O termo geralmente se refere a vacas, touros, bois e bisontes. Eles são caracterizados por terem um corpo grande e robusto, com chifres ou cornos em seus crânios e ungulados divididos em dois dedos (hipsodontes). Além disso, os bovinos machos geralmente têm barbas.

Existem muitas espécies diferentes de bovinos, incluindo zebu, gado doméstico, búfalos-africanos e búfalos-asiáticos. Muitas dessas espécies são criadas para a produção de carne, leite, couro e trabalho.

É importante notar que os bovinos são herbívoros, com uma dieta baseada em gramíneas e outras plantas fibrosas. Eles têm um sistema digestivo especializado, chamado de ruminação, que lhes permite digerir alimentos difíceis de se decompor.

A "Peste dos Pequenos Ruminantes" (PPR) é uma doença viral altamente contagiosa e geralmente fatal que afeta principalmente ovinos e caprinos, causada por um vírus da família Paramyxoviridae, gênero Morbillivirus, o mesmo gênero do vírus da raiva. O agente etiológico é o Vírus da Peste dos Pequenos Ruminantes (VPPR).

O VPPR é um vírus com envelope, pleomórfico e fragil, contendo um genoma de RNA simples e não segmentado. A transmissão da doença geralmente ocorre por contato direto entre animais infectados, através do contato com secreções nasal, ocular ou respiratórias, leite materno ou material contaminado, como alimentos e água.

A Peste dos Pequenos Ruminantes é endêmica em grande parte da África, Oriente Médio e Ásia Meridional e Ocidental, causando sérios impactos na saúde e no bem-estar dos animais, além de prejuízos econômicos significativos para os pequenos produtores e a indústria pecuária em geral.

Os sintomas clínicos da doença incluem febre alta, tosse, diarreia, vômitos, conjuntivite, pneumonia e lesões na pele e mucosas. Em estágios avançados, a doença pode causar debilidade severa, desidratação e morte em até 90% dos casos não tratados. Não há tratamento específico para a Peste dos Pequenos Ruminantes, mas os sintomas podem ser aliviados com suporte clínico e medidas de manejo adequadas. A prevenção e o controle da doença geralmente envolvem vacinação, monitoramento e rastreamento de animais, quarentena e biosegurança em operações pecuárias.

O rúmen é a primeira das quatro divisões do estômago dos ruminantes, como vacas, ovelhas e gado. É um grande compartimento em forma de saco onde a vegetação ingerida é armazenada e parcialmente digerida por meio da fermentação bacteriana antes de ser regurgitada e mastigada novamente, um processo conhecido como ruminação. O rúmen contém uma grande variedade de microorganismos que ajudam na quebra do material vegetal, produzindo ácidos graxos voláteis que servem como fonte de energia para o animal.

A "Peste dos Pequenos Ruminantes" (PPR) é uma doença viral altamente contagiosa e geralmente fatal que afeta principalmente os pequenos ruminantes, como ovelhas e cabras. A doença é causada pelo vírus Peste dos Pequenos Ruminantes (PPRV), da família Paramyxoviridae e do gênero Morbillivirus, que inclui outros vírus conhecidos, como o do sarampo humano.

Os sinais clínicos da PPR incluem febre alta, secreção nasal e ocular, tosse severa, diarreia e letargia. A doença geralmente é disseminada através do contato direto com animais infectados ou por meio de materiais contaminados, como roupas, alimentos e água. Em alguns casos, a PPR também pode ser transmitida por aréos, especialmente em ambientes fechados ou sobrepopulados.

A PPR é endêmica em muitas partes da África, Oriente Médio e Ásia Meridional e Ocidental, causando graves impactos econômicos para os pequenos produtores agrícolas e pastoris. A doença não é considerada uma ameaça direta à saúde humana, mas pode ter consequências sociais e econômicas significativas em regiões onde a pobreza e a dependência da pecuária de pequenos ruminantes são altas.

Atualmente, não há tratamento específico para a PPR, mas os sintomas podem ser aliviados com suporte nutricional e terapêutico. A prevenção é baseada em medidas de biossegurança, vacinação e controle de movimentação de animais. Uma vacina contra a PPR foi desenvolvida e está disponível em alguns países, mas ainda não é universalmente acessível ou utilizada. A Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) e a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) estão trabalhando em colaboração com os países afetados para controlar e erradicar a doença.

Na medicina, "cervos" é um termo que se refere especificamente a estruturas do pescoço relacionadas à coluna vertebral. Em particular, os cervos são os ossos do pescoço (vértebras cervicais) que se articulam com a base do crânio e suportam a cabeça.

Existem sete vértebras cervicais no total, numeradas de C1 a C7, cada uma delas com suas próprias características e funções específicas. A primeira vértebra cervical, conhecida como Atlas (C1), é única porque não tem corpo vertebral e serve para alongar o pescoço e permitir que a cabeça se mova em diferentes direções. A segunda vértebra cervical, conhecida como Áxis (C2), possui um processo odontóide que se projeta para frente a partir do corpo vertebral, permitindo que o Atlas gire em torno dele e facilite o movimento da cabeça.

Lesões ou problemas nos cervos podem causar dor no pescoço, rigidez, dormência ou fraqueza nos braços e mãos, além de outros sintomas neurológicos. Algumas condições comuns que afetam os cervos incluem o estreitamento do canal espinal (estenose espinhal cervical), a herniação dos discos intervertebrais, a artrose e as fraturas das vértebras cervicais.

Bovine diseases refer to a range of medical conditions that affect cattle, including but not limited to:

1. Bovine Tuberculosis: A chronic, infectious disease caused by the bacterium Mycobacterium bovis. It primarily affects the respiratory system and can be transmitted to humans through consumption of contaminated milk or meat.
2. Bovine Spongiform Encephalopathy (BSE): Also known as "mad cow disease," it is a progressive neurological disorder of cattle that results from infection with an agent called a prion. It can be transmitted to humans who consume contaminated beef products, leading to a variant of Creutzfeldt-Jakob disease.
3. Bovine Johne's Disease: A chronic, infectious disease caused by the bacterium Mycobacterium avium subspecies paratuberculosis. It affects the intestinal tract and can lead to severe diarrhea, weight loss, and death.
4. Bovine Respiratory Disease Complex (BRDC): A group of respiratory diseases caused by a variety of viral and bacterial pathogens, as well as management and environmental factors. It is one of the most common and costly diseases affecting the cattle industry.
5. Bovine Viral Diarrhea (BVD): A viral disease that can cause a range of symptoms, including diarrhea, fever, respiratory distress, and reproductive problems. It can also lead to immunosuppression, making animals more susceptible to other infections.
6. Infectious Bovine Rhinotracheitis (IBR): A viral disease that primarily affects the respiratory system, causing symptoms such as fever, nasal discharge, and coughing. It can also lead to reproductive problems, including abortions and stillbirths.
7. Digital Dermatitis: A bacterial skin infection that affects the feet of cattle, causing lameness and decreased productivity. It is a major welfare concern in the cattle industry.
8. Salmonella Infections: Cattle can serve as reservoirs for Salmonella bacteria, which can cause severe gastrointestinal illness in humans. Proper hygiene and biosecurity measures are essential to prevent the spread of Salmonella from animals to humans.

A blue tongue (BT) é uma doença viral que afeta os ruminantes domésticos e selvagens, especialmente ovelhas e gado. A doença é causada pelo vírus da blue tongue (BTV), um orbivírus que pertence à família Reoviridae. Existem 27 serotipos conhecidos de BTV, o que dificulta a prevenção e o controle da doença.

Os sintomas clínicos da blue tongue variam em gravidade e podem incluir febre, salivação excessiva, lábios inchados, língua azul ou avermelhada (da onde vem o nome da doença), dificuldade em respirar, lesões na pele e nas membranas mucosas, diarréia e baixo rendimento reprodutivo. Em casos graves, a blue tongue pode causar morte em animais infectados.

A transmissão do vírus da blue tongue geralmente ocorre por meio de mosquitos hematófagos (que se alimentam de sangue) dos géneros Culicoides. Estes insetos transmitem a doença enquanto se alimentam do sangue de animais infectados e, em seguida, picam outros animais sadios, transmitindo assim o vírus. Além disso, a blue tongue também pode ser transmitida por meio de contato direto com fluidos corporais ou tecidos de animais infectados, bem como através do transporte de ovos de mosquitos em artigos infestados, como equipamento agrícola e veículos.

A prevenção e o controle da blue tongue geralmente envolvem a vacinação dos animais susceptíveis, o uso de repelentes para mosquitos e a adoção de medidas de manejo que minimize a exposição dos animais ao vetor do vírus. Em alguns casos, as autoridades reguladoras podem implementar restrições à movimentação de animais em áreas onde a doença é endémica para minimizar o risco de disseminação.

Em termos médicos, um "estômago de ruminante" refere-se ao complexo sistema digestivo dos animais ruminantes, que inclui quatro compartimentos especializados do estômago: o rumen, retículo, omaso e abomaso. Esses animais, como vacas, ovelhas e cabras, são capazes de fermentar material vegetal ingerido por meio da ação de microorganismos presentes nesses compartimentos. Esse processo de fermentação permite que eles obtenham nutrientes de alimentos fibrosos que seriam difíceis de serem digeridos por outros animais. O alimento é regurgitado e mastigado novamente (ruminação) para facilitar ainda mais a digestão. Portanto, o "estômago de ruminante" é um termo usado para descrever essa adaptação única e complexa do sistema digestivo desses animais.

Ração animal é um termo genérico usado para descrever a alimentação suministrada a animais domésticos ou de criação, como cães, gatos, gados, aves e outros. Essa dieta pode ser composta por ração comercial processada, que é balanceada e contém nutrientes essenciais em quantidades adequadas, ou alimentos integrais, como grãos, verduras, frutas e carnes, escolhidos de acordo com as necessidades nutricionais específicas da espécie e idade do animal. Algumas rações animais também podem conter aditivos e suplementos, como vitaminas, minerais e conservantes, para promover a saúde e o crescimento adequados dos animais. É importante fornecer uma ração de alta qualidade e adequada às necessidades nutricionais do animal, a fim de manter sua saúde e bem-estar ao longo da vida.

A Peste Bovina, também conhecida como doença de Rinderpest, é uma doença viral altamente contagiosa e grave que afeta principalmente bovinos, incluindo vacas, bois, bisontes e bufalos. Em casos raros, pode também infectar outros animais como antílopes, girafas e camelos. O vírus responsável pela doença pertence à família Paramyxoviridae e gênero Morbillivirus, o mesmo do vírus da catapora humana (sarampo).

A peste bovina é caracterizada por sintomas graves, como febre alta, secreção nasal e ocular, tosse, diarreia e erupções cutâneas. A doença pode causar morte em até 90% dos animais infectados dentro de uma semana após a exposição ao vírus. Além disso, a peste bovina tem um grande impacto socioeconômico nas regiões afetadas, pois pode levar ao colapso da produção de leite e carne, bem como à perda de animais de tração e fonte de renda para os agricultores.

A transmissão da peste bovina ocorre principalmente por meio do contato direto entre animais infectados e suscetíveis, mas também pode ser transmitida por meio de alimentos contaminados, como leite ou carne de animais infectados, e por contato com objetos contaminados, como roupas ou equipamentos.

A doença foi erradicada globalmente em 2011 graças a esforços internacionais de vacinação e monitoramento, tornando-se a primeira doença animal a ser erradicada da face da Terra. No entanto, é importante manter medidas de biossegurança e monitoramento para prevenir a reintrodução do vírus em áreas onde a doença foi previamente endêmica.

A definição médica de "Bluetongue Virus" refere-se a um vírus da família Reoviridae, gênero Orbivirus, que é o agente etiológico da doença conhecida como febre catral da língua azul (Bluetongue disease). Essa doença afeta principalmente os ruminantes domésticos e selvagens, especialmente ovelhas e cervídeos. O vírus é transmitido por mosquitos e blackflies durante a sua alimentação no sangue de animais infectados. A infecção pode causar sintomas graves em ovinos, como inflamação da língua e bochechas, ulcerações na boca e na região coronariana dos cascos, febre alta, dificuldade respiratória e morte em casos graves. Em bovinos, a infecção é geralmente assintomática ou causa sintomas leves. O controle da doença inclui medidas de prevenção, como o uso de vacinas e a redução do número de mosquitos e blackflies em áreas endêmicas.

Lentivírus é um tipo de vírus que pertence à família Retroviridae. Os lentivírus causam infecções persistentes e progressivas, geralmente associadas a doenças debilitantes ou potencialmente fatais. Eles têm uma longa latência clínica, o que significa que podem levar anos para se manifestarem após a infecção inicial.

As infecções por lentivírus humanos incluem a infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV), que é a causa do síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). O HIV se transmite através de contato com fluidos corporais infectados, como sangue, sêmen, vaginal e leite materno.

Outros exemplos de infecções por lentivírus incluem a doença de Visna/Maedi em ovinos, a encefalopatia caprina em caprinos e a pneumonia em gatos felinos. Essas infecções também causam doenças graves e progressivas em seus hospedeiros respectivos.

Os lentivírus têm uma capacidade única de se integrar ao DNA dos hospedeiros, o que permite que eles estabeleçam infecções persistentes e evadam as respostas imunológicas do hospedeiro. Isso torna os lentivírus particularmente perigosos e difíceis de controlar. No entanto, a pesquisa continua avançando no desenvolvimento de terapias antirretrovirais e vacinas para prevenir e tratar infecções por lentivírus em humanos e animais.

Na medicina, "Bison" não é um termo usado para designar uma condição médica ou um procedimento. Bisons são animais pertencentes à família Bovidae e ao gênero *Bison*, que inclui duas espécies: o bisonte-americano (*Bison bison*) e o bisonte-europeu (*Bison bonasus*).

No entanto, em contextos relacionados a saúde pública ou zoonoses, pode haver referências a doenças que podem afetar bisões. Por exemplo, a brucelose é uma doença bacteriana que pode afetar bisões e outros animais domésticos e selvagens. A infecção por *Mycobacterium bovis*, uma bactéria relacionada à tuberculose, também pode ser encontrada em bisões.

Caso precise de informações sobre a definição médica de um termo específico ou condição médica, por favor, forneça-a para que possamos lhe fornecer uma resposta mais precisa e adequada.

A digestão é um processo complexo e essencial no corpo humano que descompõe os alimentos que consumimos em moléculas menores, permitindo que elas sejam absorvidas e utilizadas pelas células do nosso organismo. Essa desconstrução ocorre graças a uma série de reações químicas e mecânicas que ocorrem principalmente no trato gastrointestinal, mas também em outras partes do corpo.

O processo começa na boca, onde os dentes mastigam o alimento em pedaços menores, facilitando assim a ação dos enzimas digestivas. A saliva, produzida pelas glândulas salivares, contém uma enzima chamada amilase, que começa a desdobrar os carboidratos complexos em moléculas simples de açúcar.

Após engolido, o alimento passa pelo esôfago e entra no estômago, onde é misturado com sucos gastricos ricos em enzimas, como a pepsina, responsável por quebrar as proteínas em peptídeos menores. Além disso, o ácido clorídrico presente no estômago ajuda a matar micróbios indesejados e desdobrar algumas vitaminas.

Em seguida, o alimento parcialmente digerido move-se para o intestino delgado, onde os nutrientes são absorvidos pela parede do intestino e passam para a corrente sanguínea ou sistema linfático. Neste local, outras enzimas secretadas pelo pâncreas e pelos intestinos desempenham um papel fundamental na quebra dos carboidratos, proteínas e lipídios em unidades ainda menores, permitindo assim sua absorção.

No intestino grosso, as bactérias residentes auxiliam no processo de digestão, especialmente na fermentação de fibra dietética não digerida, produzindo gases e ácidos graxos de cadeia curta que podem ser utilizados como fonte de energia. O material residual não absorvido é eliminado através da defecação.

Em resumo, a digestão é um processo complexo envolvendo vários órgãos e enzimas que trabalham em conjunto para desdobrar macromoléculas alimentares em unidades menores, facilitando sua absorção e utilização como fonte de energia e materiais de construção para o organismo.

A Peste Bovina é uma doença infecciosa e contagiosa causada pelo vírus da peste bovina (RPV), pertencente à família *Familia Flaviviridae*, gênero *Pestivirus*. A doença afeta principalmente bovinos, mas também pode infectar outros animais domésticos e selvagens, como ovinos, caprinos e suínos.

O vírus da peste bovina é transmitido por contato direto entre animais infectados, através de fluidos corporais como saliva, sangue, leite e secreções nasais, além de contato com material contaminado, como roupas, equipamentos e veículos. A doença é caracterizada por febre alta, erupção cutânea, diarreia, pneumonia e queda na produção de leite em bovinos. Em casos graves, pode ocorrer morte dos animais infectados.

A Peste Bovina é uma doença de notificação obrigatória à Organização Mundial da Saúde Animal (OIE) e sua erradicação mundial foi declarada em 2011. No entanto, é importante manter as medidas de biossegurança e vacinação para prevenir a reintrodução do vírus em populações animais livres da doença.

Animais domésticos são espécies de animais que vivem em estreita associação com humanos e são tipicamente mantidos em casa como companhia, lazer ou propósitos terapêuticos. Esses animais geralmente passam por um processo de domesticação, no qual as suas características comportamentais e físicas são moldadas ao longo do tempo para se adaptar aos ambientes humanos.

Existem diferentes categorias de animais domésticos, incluindo mamíferos (como cães, gatos, coelhos e hamsters), aves (como canários e periquitos) e répteis (como tartarugas e cobras). Cada espécie tem necessidades específicas de alojamento, alimentação, exercício e cuidados de saúde que devem ser atendidas para garantir o bem-estar do animal.

É importante ressaltar que a posse de animais domésticos exige responsabilidade e compromisso por parte dos proprietários, incluindo a provisão de cuidados adequados, atenção à saúde e prevenção de doenças. Além disso, é fundamental respeitar as leis e regulamentos locais relacionados à posse e manuseio de animais domésticos.

Os lentivírus ovinos e caprinos pertencem à família Retroviridae e ao gênero Lentivirus. Eles são vírus que infectam principalmente ovelhas e cabras, causando doenças crônicas e progressivas. Existem quatro principais espécies deste lentivírus que infectam ovinos e caprinos: o vírus da imunodeficiência caprina (CAEV), o vírus da pneumonia intersticial ovina (OPPV ou OAEV), o vírus da artrite-encefalite ovina (OAE) e o vírus da dermatite contagiosa ovina (OCDV). Esses vírus são responsáveis por uma variedade de sintomas clínicos, incluindo debilidade, diarreia, pneumonia, artrite e lesões cutâneas. Eles geralmente se transmitem por meio do leite materno, contato direto com fluidos corporais infectados ou por meio de transmissão vertical durante a gravidez. Os lentivírus ovinos-caprinos têm um longo período de incubação e podem levar meses ou anos para causar sintomas clínicos após a infecção inicial. Atualmente, não existe cura para as infecções por esses vírus, e o controle da doença geralmente é alcançado por meio de medidas de manejo e prevenção, como testar e isolar animais infectados, reduzir a densidade de população e implementar programas de vacinação.

Os fenômenos fisiológicos da nutrição animal referem-se a um conjunto complexo de processos biológicos que ocorrem em animais para garantir sua ingestão, digestão, absorção, metabolismo e excreção adequados de nutrientes. Esses fenômenos incluem:

1. Ingestão: É o ato de ingerir alimentos sólidos ou líquidos pela boca. Animais possuem diferentes mecanismos para a captura e ingestão de alimentos, como a mordida em mamíferos, sucção em bebês humanos, filtração em peixes-bagre e pré-digestão em ruminantes.
2. Digestão: É o processo mecânico e químico que descompõe os alimentos ingeridos em moléculas menores, facilitando a absorção dos nutrientes no intestino delgado. A digestão mecânica é realizada pelo movimento peristáltico do trato gastrointestinal e pela mastigação nos mamíferos. Já a digestão química é catalisada por enzimas específicas secretadas pelas glândulas salivares, estômago, pâncreas e intestino delgado.
3. Absorção: É o processo pelo qual as moléculas de nutrientes são transportadas do lúmen intestinal para a corrente sanguínea ou linfa. A absorção é facilitada por meio de transportadores específicos presentes nas células epiteliais do intestino delgado, como enterócitos e células caliciformes.
4. Metabolismo: É o conjunto de reações químicas que ocorrem nas células dos tecidos e órgãos para sintetizar, degradar e transformar os nutrientes em outras moléculas necessárias às funções vitais do organismo. O metabolismo inclui processos anabólicos (síntese) e catabólicos (degradação).
5. Excreção: É o processo pelo qual as substâncias resultantes do metabolismo ou aquelas que não são necessárias ao organismo são eliminadas. A excreção é realizada principalmente pelos rins, mas também pode ser feita por outros órgãos, como a pele, pulmões e fígado.

A regulação do metabolismo é controlada por hormônios, neurotransmissores e fatores genéticos, que atuam em sinergia para garantir o equilíbrio homeostático do organismo. Dentre os principais hormônios envolvidos no controle do metabolismo estão a insulina, glucagon, leptina, grelina e cortisol.

Haemonchus é um gênero de nematóides parasitas que pertence à família Trichostrongylidae. A espécie mais comum e clinicamente significativa é Haemonchus contortus, popularmente conhecida como verme-do-estômago-de-ovelha ou verme-barbado. Esses parasitas têm preferência por infectar o sistema digestivo de ruminantes, como ovelhas, cabras e bovinos, causando haemonchose ou enterite hemorrágica.

Os adultos machos e fêmeas vivem na lumen do estômago abomasal, onde as fêmeas depositam milhares de ovos diariamente. As larvas emergem dos ovos, passam por estágios larvais no ambiente externo e, em seguida, são ingeridas pelo hospedeiro ao se alimentar do pasto contaminado. Após a ingestão, as larvas penetram na mucosa abomasal, completam sua maturação e se fixam no revestimento do estômago, onde se reproduzem e continuam o ciclo de infecção.

A haemonchose é uma infestação grave que pode causar anemia, diarreia, perda de peso e, em casos graves, morte do hospedeiro. O controle da infestação geralmente inclui o uso de anti-helmínticos, rotação de pastagens e melhorias na manejo dos rebanhos.

"Animais Selvagens" é um termo geralmente usado para se referir a animais que não são domesticados e vivem livremente em seu habitat natural, sem a influência ou controle humanos. Esses animais podem ter hábitos e comportamentos totalmente adaptados ao meio ambiente em que vivem e podem ser encontrados em diversos ecossistemas, como florestas, savanas, desertos, oceanos e outros.

Em contraste, "animais domésticos" são aqueles que foram domesticados ao longo do tempo e são mantidos ou criados sob o controle humano para fins específicos, como companhia, trabalho, lazer ou produção de alimentos.

A definição médica de "animais selvagens" pode variar dependendo do contexto clínico ou de pesquisa, mas geralmente se refere a animais que não estão acostumados com a interação humana regular e podem apresentar comportamentos imprevisíveis ou agressivos quando confrontados com humanos. Isso pode ser importante em situações como o manejo de vida selvagem ferida, a prevenção de doenças zoonóticas (doenças transmitidas entre animais e humanos) e a pesquisa médica ou veterinária.

'Mycoplasma agalactiae' é uma espécie de bactéria do gênero Mycoplasma, que pertence ao grupo de micoplasmas moléculares. Essas bactérias são extremamente pequenas e não possuem parede celular, o que as torna resistentes a muitos antibióticos comuns.

'Mycoplasma agalactiae' é conhecida por causar doenças em animais, especialmente em caprinos e ovinos. A infecção por essa bactéria pode resultar em uma variedade de sintomas clínicos, incluindo mastite (inflamação da glândula mamária), artrite (inflamação das articulações) e conjuntivite (inflamação da membrana que recobre o olho). Em casos graves, a infecção pode levar à morte do animal.

Além disso, 'Mycoplasma agalactiae' também é considerada um patógeno zoonótico potencial, o que significa que pode se transmitir de animais para humanos e causar doenças em indivíduos imunocomprometidos ou em contato direto com animais infectados. No entanto, é raro que essa bactéria cause doenças em humanos.

'Mycobacterium avium' subespécie 'paratuberculosis' (M. após.) é um tipo específico de micobactéria que causa a doença known as paratuberculose, também conhecida como Doença de Johne. A paratuberculose é uma infecção intestinal crónica que ocorre principalmente em ruminantes, como vacas, cabras e ovelhas, mas também pode afetar outros animais, incluindo humanos, embora isso seja relativamente raro.

A bactéria M. após. é geralmente ingerida através do consumo de água ou alimentos contaminados com fezes de animais infectados. Uma vez dentro do hospedeiro, a bactéria invade as células do sistema imunológico e se multiplica lentamente no tecido intestinal, causando inflamação e danos ao revestimento do intestino delgado. Isto pode levar a diarreia crónica, perda de peso e, em estágios avançados, morte.

A paratuberculose é uma preocupação importante para a indústria da pecuária, pois pode causar significativa morbidade e mortalidade em rebanhos infectados, além de ter impactos económicos negativos. Embora não seja considerada uma zoonose comum, existem preocupações de que a M. após. possa estar relacionada com a doença de Crohn, uma doença inflamatória intestinal crónica em humanos, mas isso ainda é objeto de investigação e debate.

O omaso, também conhecido como librito ou terceiro estômago, é um dos quatro compartimentos do estômago dos ruminantes, como vacas, ovelhas e cabras. É a parte mais volumosa do estômago e é responsável por armazenar e fermentar a comida parcialmente digerida, chamada de bolus ou massa pastosa, que é regurgitada do rumen para ser mastigada novamente.

No omaso, acometido por microorganismos, ocorre a fermentação dos carboidratos complexos presentes na dieta dos ruminantes, gerando ácidos graxos voláteis, gás e energia, que são aproveitados pelo animal. Após a fermentação, o conteúdo do omaso é novamente regurgitado e mastigado no processo chamado de ruminação, antes de passar para os outros compartimentos estomacais para a completa digestão e absorção dos nutrientes.

Orthobunyavirus é um género de vírus da família Peribunyaviridae que inclui várias espécies virais que podem infectar humanos e animais. Estes vírus têm um genoma segmentado de ARN monocatenário de sentido negativo e são transmitidos principalmente por artrópodes, como mosquitos e carrapatos. Alguns exemplos de doenças causadas por Orthobunyaviruses incluem a febre do Nilo Ocidental, a febre da La Crosse e a doença de Oropouche. Os sintomas variam dependendo da espécie viral específica, mas geralmente incluem febre, erupções cutâneas, dores de cabeça e musculares, e fadiga. Em casos graves, estes vírus podem causar encefalite ou meningite.

Antílopes são um grupo diversificado de mamíferos artiodáctilos da família Bovidae, que inclui cerca de 90 gêneros e mais de 300 espécies. Eles estão distribuídos principalmente nas regiões tropicais e subtropicais da África, Ásia e América do Sul.

Os antílopes variam em tamanho, desde pequenos como o Royal Antelope, que mede cerca de 25 cm de altura e pesa menos de 3 kg, até grandes como o Eland, que pode atingir uma altura de 180 cm no garrote e pesar até 900 kg.

Eles são herbívoros, com dietas variadas que incluem gramíneas, folhas, brotos, frutos e sementes. Alguns antílopes têm adaptações especiais para se alimentar, como os girafas, que têm pescoços longos para alcançar as folhas das árvores mais altas.

Os antílopes são conhecidos por sua agilidade e velocidade, com algumas espécies capazes de alcançar velocidades de até 80-90 km/h. Eles também têm hábitos gregários e vivem em grupos familiares ou manadas, dependendo da espécie.

Algumas das espécies de antílopes estão ameaçadas de extinção devido à perda de habitat, caça excessiva e outras atividades humanas. A conservação dos habitats naturais e a proteção legal são essenciais para garantir a sobrevivência destes fascinantes animais.

"Ehrlichia ruminantium" é um patógeno bacteriano intracelular gram-negativo que pertence ao gênero Ehrlichia e à família Anaplasmataceae. Essa bactéria é a causadora da doença conhecida como "Ehrlichiose bovina" ou "Febre da Costa Leste dos EUA em ruminantes", que afeta principalmente bovinos e caprinos. Ela é transmitida por carrapatos do gênero Amblyomma, especialmente o carrapato Amblyomma hebraeum na África do Sul. A infecção pode resultar em anemia grave, aborto e morte em ruminantes susceptíveis. Os sintomas clínicos incluem febre alta, letargia, falta de apetite, icterícia e aumento dos níveis de enzimas hepáticas. O diagnóstico geralmente é confirmado por detecção direta da bactéria em sangue periférico ou por sorologia séria. O tratamento recomendado é a administração de antibióticos, como tetraciclinas ou fluorquinolonas, durante um período prolongado. A prevenção inclui o controle dos carrapatos e a vacinação dos animais em regiões endêmicas.

Ceratopogonidae é uma família de insectos dipteros nematóceros, também conhecidos como "mosquitos pique-espinha" ou "midges pique-espinha". A maioria das espécies são muito pequenas, geralmente com menos de 3 mm de comprimento. Estes insectos são conhecidos por sua picada dolorosa, causada pelo seu aparelho bucal adaptado para perfurar a pele e se alimentar do sangue dos vertebrados.

Os membros desta família incluem espécies que podem ser vectores de várias doenças, como a febre do Vale do Rift, a filariose e a leishmaniose. No entanto, muitas outras espécies não são vectores de doenças e têm importância ecológica como polinizadores e fontes de alimento para outros animais.

A identificação e classificação desta família baseiam-se em características morfológicas, como a forma e disposição dos espinhos nas asas, a estrutura das antenas e a morfologia genital. A distribuição global de Ceratopogonidae inclui todos os continentes, exceto a Antártida.

Paratuberculose é uma doença infecciosa intestinal crónica em animais ruminantes, particularmente bovinos, ovinos e caprinos. É causada pela bactéria Mycobacterium avium subespécie paratuberculose (MAP). A doença afeta o intestino delgado, resultando em diarreia crónica, perda de peso e, finalmente, morte. Embora a paratuberculose não seja considerada uma zoonose, houve algumas evidências sugerindo uma possível ligação com a doença de Crohn em humanos. No entanto, esta associação ainda é objeto de debate e investigação na comunidade científica.

Estrongiloidose é uma infecção parasítica causada por nematelminhos do gênero Strongyloides (principalmente Strongyloides stercoralis em humanos). A infecção ocorre quando as larvas penetram na pele, geralmente através da contaminação do solo com fezes de pessoas infectadas.

A strongiloidose pode ser assintomática ou causar sintomas leves a moderadamente graves, dependendo do número de vermes e da localização da infecção no corpo. Os sintomas mais comuns incluem diarreia, dor abdominal, náuseas, vômitos e perda de apetite. Em casos graves, especialmente em pessoas com sistema imunológico enfraquecido, a infecção pode disseminar-se para outros órgãos, causando complicações potencialmente fatais, como pneumonia e sepse.

O tratamento da strongiloidose geralmente consiste na administração de medicamentos anthelminthics, como ivermectina ou albendazol, que matam os vermes. A higiene pessoal e ambiental adequadas são importantes para prevenir a propagação da infecção.

O abomaso é o quarto e último compartimento do estômago dos ruminantes, seguindo o rumen, retículo e oomas. É chamado de "verdadeiro estômago" porque sua função é semelhante à do estômago dos animais não-ruminantes, produzindo suco gástrico para digerir alimentos. O abomaso é responsável pela secreção de enzimas proteolíticas e ácido clorídrico, que desdobram as proteínas e mantêm o pH ágil. Em humanos e outros animais monogástricos, este compartimento equivale ao estômago simples.

Os fenômenos fisiológicos do sistema digestório referem-se às funções normais e reguladas do órgão responsável pela digestão e absorção de nutrientes. Isso inclui:

1. Ingestão: o ato de ingerir ou engolir alimentos, normalmente por meio da boca.
2. Digestão: o processo de quebra mecânica e química dos alimentos em partículas menores para que possam ser absorvidas. Isso inclui a mastigação na boca, o movimento peristáltico no estômago e intestino delgado, e as ações enzimáticas do suco pancreático, da bile e dos sucos intestinais.
3. Absorção: o processo de passagem dos nutrientes digeridos pelas membranas das vênulas do intestino delgado para a circulação sistêmica.
4. Motilidade: os movimentos involuntários do trato gastrointestinal que ajudam a mover o conteúdo através do sistema digestório.
5. Secreção: a produção e liberação de fluidos, como sucos digestivos, no trato gastrointestinal para facilitar a digestão e absorção.
6. Excreção: a remoção dos resíduos não digeridos do corpo, normalmente por meio da defecação.
7. Regulação hormonal e neural: o controle dos processos digestivos por meio de hormônios liberados no sistema digestório e impulsos nervosos do sistema nervoso entérico e simpático-parassimpático.

A palavra "camelos" não tem uma definição médica específica. Em geral, refere-se aos animais da espécie Camelidae, que inclui camelos verdadeiros (com um ou dois gôndolas) e várias espécies de vicunha e guanaco da América do Sul.

No entanto, o termo "camelo" também pode ser usado em um contexto médico para se referir a um fenômeno conhecido como "síndrome do camelo", que é uma condição rara em que um cateter venoso central é deslocado ou migra para fora da veia e intobra o tecido circundante, geralmente no tórax. Isso pode resultar em drenagem anormal de líquidos corporais e infecções graves.

Em suma, embora a palavra "camelos" não tenha uma definição médica específica, ela pode ser usada em um contexto médico para se referir à migração anormal de um cateter venoso central e à condição associada conhecida como síndrome do camelo.

As proteínas da gravidez, também conhecidas como gonadotropinas coriónicas humanas (hCG), são hormônios gerados durante a gravidez. Eles são produzidos após a fertilização, quando o embrião se fixa à parede uterina. A hCG é composta por duas subunidades: alfa e beta. A subunidade alfa é semelhante ou idêntica a outras hormonas, enquanto a subunidade beta é única para a hCG.

A presença de níveis elevados de proteínas da gravidez (hCG) pode ser detectada em um teste de gravidez urinário ou sanguíneo, geralmente entre 10 e 14 dias após a concepção. Os níveis de hCG dobram a cada 2 a 3 dias nas primeiras 8 a 11 semanas de gravidez e então começam a diminuir gradualmente.

As proteínas da gravidez desempenham um papel importante na manutenção da gravidez, pois mantêm a produção de progesterona pelo corpo lúteo do ovário, o que é essencial para manter o revestimento uterino e suportar o desenvolvimento do feto. Além disso, os níveis anormais de hCG podem ser um indicador de problemas de gravidez, como gravidez ectópica ou aborto espontâneo.

A definição médica de "Visna-Maedi Virus" refere-se a um retrovírus que afeta principalmente ovelhas, causando pneumonia lentamente progressiva e degeneração do sistema nervoso central. Também é conhecido como vírus da ovelha do tipo lentivírus (OvLV). A infecção por Visna-Maedi geralmente ocorre através do contato com secreções respiratórias infectadas ou leite materno e pode levar meses ou anos para se manifestar clinicamente. O vírus é capaz de estabelecer infecções persistentes e latentes, tornando-o difícil de controlar em rebanhos de ovelhas. Atualmente, não há cura ou vacina disponível para a doença Visna-Maedi em ovelhas.

A definição médica de "carneiro doméstico" refere-se a uma espécie domesticada do gênero Ovis, que inclui ovelhas criadas para fins agrícolas, como a produção de lã, carne e leite. Eles são animais ruminantes com um par de chifres curvos e uma pelagem lanosa que varia em cor e textura dependendo da raça. Os carneiros domésticos são frequentemente usados em sistemas de pastoreio rotacional para controlar a vegetação e podem ser encontrados em todo o mundo em diferentes climas e habitats. Além disso, eles também desempenham um papel cultural e simbólico importante em muitas sociedades ao longo da história.

A "CAEV" ou "Vírus da Artrite-Encefalite Caprina" é um tipo de vírus da família Retroviridae, gênero Lentivirus, que infecta principalmente caprinos (cabras) e, em menor extensão, ovinos (ovelhas). O nome "artrite-encefalite" refere-se aos dois principais sintomas clínicos associados à infecção por esse vírus: artrite (inflamação das articulações) e encefalite (inflamação do cérebro).

A infecção por CAEV pode causar uma variedade de sintomas em caprinos, incluindo:

1. Artrite: inflamação dolorosa das articulações, que pode levar a coxalgia (claudicação) e dificuldades na movimentação.
2. Encefalite: inflamação do cérebro, que pode causar sintomas neurológicos como descoordenação motora, tremores, convulsões e, em casos graves, paralisia.
3. Pneumonia: infecção pulmonar que pode levar a dificuldades respiratórias.
4. Mastite: inflamação da glândula mamária, que pode causar problemas na produção de leite e reduzir a saúde geral do animal.
5. Enterite: inflamação do intestino delgado, que pode levar a diarreia e desidratação.

A CAEV é transmitida principalmente por meio da leiteira, ou seja, através do leite materno de animais infectados. Também pode ser transmitida por contato direto com fluidos corporais infectados, como sangue e sêmen, além de transmissão vertical (da mãe para o filhote durante a gestação).

Atualmente, não existe tratamento específico para a infecção por CAEV. A prevenção é essencial para controlar a disseminação da doença, incluindo a realização de testes diagnósticos regulares, a implementação de medidas de biossegurança e o isolamento de animais infectados.

De acordo com a definição médica, leite é o fluido secretado pelas glândulas mamárias das mamíferas, incluindo as mulheres, para alimentar seus filhotes. O leite contém gordura, proteínas, lactose (um tipo de açúcar), vitaminas e minerais, que variam em composição dependendo da espécie do animal e da idade do filhote. Em humanos, o leite materno é considerado o padrão de ouro para a alimentação infantil, fornecendo nutrientes essenciais e promovendo benefícios imunológicos e de desenvolvimento ao bebê. Além do leite materno, outros tipos de leites, como o leite de vaca e de cabra, são frequentemente processados e consumidos como alimento e ingrediente em várias culturas ao redor do mundo.

A definição médica para o 'Vírus da Febre do Vale do Rift' (VFR) é a seguinte: O vírus da febre do Vale do Rift é um agente infeccioso pertencente à família Bunyaviridae, gênero Phlebovirus. É o causador da febre do Vale do Rift, uma doença que afeta principalmente os ruminantes domésticos (como ovelhas, cabras e gado) e é transmitida por mosquitos infectados. A doença também pode se espalhar para humanos através do contato direto com animais infectados ou seus fluidos corporais. Em humanos, a febre do Vale do Rift geralmente causa sintomas semelhantes à gripe, como febre, dor de cabeça, dores musculares e articulares, mas em alguns casos graves pode causar complicações oculares, encefalite ou morte. O vírus é endêmico em partes da África, Ásia e Oriente Médio, sendo mais frequentes os surtos durante as estações chuvosas. A prevenção inclui medidas de controle de mosquitos, vacinação de animais e proteção contra a exposição a fluidos corporais de animais infectados.

As infecções por nematoides, também conhecidas como infecções por vermes redondos ou helmintíases, referem-se a um grupo de doenças causadas pela infestação de parasitas nematóides (vermes redondos) em seres humanos. Esses parasitas podem infectar o corpo humano através da ingestão de alimentos ou água contaminados, contato com solo contaminado ou por meio de insetos vetores.

Existem diferentes tipos de nematoides que podem causar infecções em humanos, incluindo:

1. Ascaridíase: Causada pelo nematóide Ascaris lumbricoides, é a infestação intestinal mais comum em todo o mundo. Os sintomas podem incluir dor abdominal, diarreia, náuseas e tosse se as larvas migram para os pulmões.

2. Ancilostomose: Causada pelos nematoides Ancylostoma duodenale e Necator americanus, essa infecção ocorre quando as larvas penetram na pele, especialmente em condições úmidas e quentes. Os sintomas podem incluir diarreia, perda de peso, anemia e dermatite cutânea.

3. Enterobiose: Causada pelo nematóide Enterobius vermicularis (o oxiuro), essa infecção é mais comum em crianças. Os sintomas geralmente incluem prurido anal, especialmente durante a noite, e insônia.

4. Tricuríase: Causada pelo nematóide Trichuris trichiura (o tricúride), essa infecção é frequentemente encontrada em climas quentes e úmidos. Os sintomas podem incluir diarreia, dor abdominal, desnutrição e anemia.

5. Strongiloidíase: Causada pelo nematóide Strongyloides stercoralis, essa infecção pode ser adquirida por contato com solo contaminado ou por auto-infecção em pessoas imunossuprimidas. Os sintomas podem variar de leves a graves e incluir diarreia, dor abdominal, erupções cutâneas e complicações potencialmente fatais, como sepse disseminada e choque.

6. Toxocariose: Causada pela infecção por larvas de nematoides do gênero Toxocara (Toxocara canis e Toxocara cati), essa infecção é adquirida ao ingerir ovos presentes no solo ou em alimentos contaminados. Os sintomas podem incluir febre, tosse, dor abdominal e problemas oculares.

7. Filariose: Causada pela infecção por nematoides do gênero Wuchereria bancrofti, Brugia malayi e Brugia timori, essa infecção é adquirida através de picadas de mosquitos infectados. Os sintomas podem incluir inchaço dos tecidos moles (linfadenite), dor abdominal e problemas renais.

A prevenção das infecções por nematoides inclui a higiene pessoal, como lavar as mãos regularmente, cozinhar bem os alimentos, especialmente carne e vegetais crus, evitar contato com solo ou água contaminados e usar repelentes de insetos para prevenir picadas de mosquitos. Além disso, o tratamento adequado das infecções por nematoides pode ser alcançado com medicamentos antiparasitários específicos, como albendazol, mebendazol e ivermectina.

A doença da fronteira (BD) é uma doença viral zoonótica causada pelo vírus da doença da fronteira (BVDV), que pertence ao gênero Pestivírus da família Flaviviridae. Embora os bovinos sejam os hospedeiros primários, outras espécies, como ovinos e caprinos, podem ser infectadas. Existem dois biotipos do BVDV: o biotipo cíclico (BVDV-1) e o biotipo não cíclico (BVDV-2), que causam doenças clínicas indistinguíveis.

A infecção por BVDV geralmente é assintomática em animais imunocompetentes, mas pode resultar em sintomas graves em animais jovens e imunossuprimidos. Os sinais clínicos podem incluir febre, diarreia, diminuição do apetite, descarga nasal e ocular, lesões na pele e nas mucosas, aborto espontâneo e morte em casos graves. Além disso, a infecção por BVDV pode predispor os animais à infecção por outros patógenos, como bacterianos e virais.

A transmissão do vírus ocorre principalmente por meio de contato direto com secreções ou excreções infectadas, mas também pode ocorrer por meio de contato indireto com objetos contaminados, alimentos e água. A infecção inicial geralmente ocorre por via oral, seguida pela disseminação sistêmica do vírus.

O diagnóstico da BD pode ser feito por meio de vários métodos laboratoriais, como testes de soro para detecção de anticorpos contra o BVDV ou testes de PCR para detectar o próprio vírus no sangue, tecidos ou secreções. O tratamento da BD geralmente é sintomático e de suporte, pois não existe um tratamento específico para a infecção por BVDV. A prevenção e o controle da doença geralmente envolvem medidas de biossegurança, como vacinação, isolamento de animais infectados e controle rigoroso dos movimentos de animais.

Trichostrongyloidea é um superfamília de nemátodes parasitas, ou seja, vermes redondos que pertencem à classe Secernentea e ao filo Nematoda. Estes parasitos gastrointestinais afetam principalmente os mamíferos, incluindo ruminantes (como ovelhas, cabras e bovinos), suínos, cavalos e roedores, bem como alguns humanos em áreas onde há condições sanitárias precárias.

Os nemátodes Trichostrongyloidea possuem um éspiculo longo e ovoides nos machos, enquanto as fêmeas apresentam uma vagina simples ou dupla. Os membros deste superfamília incluem gêneros como Haemonchus, Ostertagia, Nematodirus, Trichostrongylus e Cooperia, entre outros.

A infecção por esses parasitas ocorre quando os indivíduos ingerem ovos ou larvas presentes no solo contaminado com fezes de animais infectados. As larvas então se desenvolvem e migram pelo trato digestivo, causando danos ao tecido e afetando a absorção de nutrientes. Os sintomas clínicos mais comuns incluem diarreia, perda de peso, anorexia e, em casos graves, anemia e morte.

O controle da infecção por Trichostrongyloidea inclui a administração de anti-helmínticos, manejo adequado do pastoreio, rotação de pastagens e melhorias nas práticas sanitárias relacionadas à disposição de fezes.

O nitrogênio é um elemento químico que tem o símbolo "N" e número atômico 7. É um gás incolor, inodoro e insípido que representa aproximadamente 78% do volume do ar que respiramos.

Na medicina, o nitrogênio é mais conhecido por sua forma de óxido de nitrogênio (NO), um gás volátil que atua como vasodilatador e tem sido usado no tratamento de diversas condições cardiovasculares, como angina de peito, hipertensão arterial e insuficiência cardíaca congestiva.

Além disso, o nitrogênio também é utilizado na forma de gelo seco (dióxido de carbono sólido) para a conservação de tecidos e órgãos para transplante, bem como no tratamento de lesões e inflamações.

É importante ressaltar que o nitrogênio líquido, um refrigerante extremamente frio (-196°C), também é utilizado em diversas aplicações médicas, como na crioterapia para destruir tecidos anormais ou no congelamento rápido de amostras biológicas para pesquisa.

Alphaherpesvirinae é uma subfamília de vírus da família Herpesviridae, que inclui os gêneros Simplexvirus (que inclui o vírus do herpes simples tipo 1 e 2), Varicellovirus (que inclui o vírus da varicela-zoster) e Mardivirus. Esses vírus são caracterizados por sua capacidade de estabelecer infecções latentes nos gânglios nervosos dos animais infectados, podendo causar doenças que variam desde erupções cutâneas leves até encefalites graves. A infecção por esses vírus geralmente ocorre na infância e pode permanecer latente ao longo da vida, sendo reativada em situações de estresse ou imunossupressão.

Na medicina de animais, "gado" geralmente se refere a animais domésticos ou de criação que são criados para o consumo humano, como carne, leite e ovos, ou para o trabalho. Isso inclui animais como vacas, bois, touros, biscoitos, ovelhas, cabras, porcos, cavalos e aves de corte, como frangos e perus. Em outras palavras, gado são animais que são mantidos em fazendas ou granjas para fins agrícolas ou industriais. A saúde e o bem-estar dos animais de gado são importantes não apenas para a produção sustentável de alimentos e fibras, mas também para evitar a disseminação de doenças zoonóticas que podem afetar os seres humanos. Portanto, o cuidado adequado dos animais de gado inclui a prevenção e o controle de doenças, a nutrição adequada, a gestão da água e dos resíduos e o manejo humano.

A "criação de animais domésticos" refere-se à criação e reprodução controlada de animais mantidos em ambientes domésticos ou agrícolas, geralmente com o objetivo de obter produtos ou benefícios, como carne, leite, ovos, pele, lã, trabalho ou companhia. Isso pode envolver a criação seletiva, a reprodução cruzada e outras técnicas para produzir animais com características desejáveis, como resistência a doenças, crescimento rápido ou temperamento dócil. A criação de animais domésticos também pode incluir a prestação de cuidados adequados, como alimentação, abrigo e atendimento veterinário, para garantir o bem-estar dos animais.

Hidropericárdio é um termo médico que se refere à acumulação anormal de líquido seroso no saco pericárdico, a membrana que envolve e protege o coração. Normalmente, existem pequenas quantidades de líquido nesta região para facilitar o movimento do coração dentro da cavidade torácica durante os ciclos cardíacos. No entanto, quando há um excesso de líquido neste espaço, pode ocorrer compressão do miocárdio (músculo cardíaco), resultando em diversos sintomas e complicações, dependendo da gravidade do caso.

A causa mais comum do hidropericárdio é a inflamação do pericárdio, conhecida como pericardite. Essa inflamação pode ser resultado de infecções virais, bacterianas ou fúngicas, doenças autoimunes, traumatismos, cirurgias cardíacas ou outras condições médicas subjacentes. Em alguns casos, a causa exata do hidropericárdio pode ser desconhecida, o que é chamado de idiopático.

Os sintomas do hidropericárdio variam conforme a quantidade de líquido acumulada no saco pericárdico. Em estágios iniciais, os indivíduos podem experimentar dor torácica, falta de ar, tosse seca e desconforto geral no peito. À medida que a condição progressa e o líquido continua a se acumular, os sintomas podem piorar, incluindo dificuldade para respirar, batimentos cardíacos irregulares ou rápidos (taquicardia), inflamação abdominal e, em casos graves, choque cardiogênico, que é uma condição potencialmente letal em que o coração é incapaz de fornecer sangue suficiente para os órgãos vitais.

O diagnóstico do hidropericárdio geralmente é feito por meio de exames imagiológicos, como radiografias de tórax e ecocardiogramas, que podem ajudar a detectar a presença de líquido no saco pericárdico. Análises de sangue e outros testes diagnósticos também podem ser realizados para determinar a causa subjacente do hidropericárdio.

O tratamento do hidropericárdio geralmente consiste em drenar o líquido acumulado no saco pericárdico por meio de uma procedimento cirúrgico conhecido como toracocentese ou pericardiocentese. Além disso, o tratamento da causa subjacente do hidropericárdio é essencial para prevenir recorrências. Em casos graves, a colocação de um catéter no saco pericárdico pode ser necessária para permitir o drenagem contínua do líquido.

Em resumo, o hidropericárdio é uma condição que ocorre quando se acumula líquido no saco pericárdio, o revestimento do coração. Pode ser causado por vários fatores, incluindo infecções, traumas e outras condições médicas subjacentes. O diagnóstico geralmente é feito por meio de exames imagiológicos e o tratamento geralmente consiste em drenar o líquido acumulado e tratar a causa subjacente do hidropericárdio.

Bunyaviridae é uma família de vírus que inclui um grande número de agentes causadores de doenças em humanos e animais. As infecções por Bunyaviridae podem apresentar uma variedade de sintomas clínicos, dependendo do gênero específico de vírus envolvido. Alguns dos sintomas comuns incluem febre, dor de cabeça, dores musculares, fadiga, tosse e erupções cutâneas. Em casos graves, essas infecções podem resultar em complicações potencialmente fatais, como pneumonia, encefalite ou insuficiência renal.

Existem quatro gêneros principais de Bunyaviridae que são conhecidos por causarem doenças em humanos: Orthobunyavirus, Hantavirus, Nairovirus e Phlebovirus. Cada gênero é associado a diferentes tipos de doenças e transmissores.

Orthobunyavirus inclui vírus como o California encephalitis virus e o La Crosse encephalitis virus, que são transmitidos por mosquitos e podem causar meningite ou encefalite em humanos.

Hantavirus é conhecido por causar a febre hemorrágica viral e a síndrome pulmonar por hantavírus (SPH), que são transmitidas por roedores e podem ser graves ou fatais em alguns casos.

Nairovirus inclui o vírus da Crimeia-Congo, que é transmitido por carrapatos e pode causar febre hemorrágica grave em humanos.

Phlebovirus inclui o vírus da febre do vale do Rift (FVR) e o vírus da síndrome gripal do Mediterrâneo oriental (MEGS), que são transmitidos por mosquitos e podem causar sintomas semelhantes à gripe em humanos.

A prevenção das infecções por esses vírus geralmente inclui a proteção contra picadas de mosquitos e carrapatos, o controle de roedores e a vacinação, quando disponível.

Biureto é um composto orgânico com a fórmula química NH₂-C(O)-NH-C(O)-NH₂. É um sólido incolor e inodoro que forma cristais hexagonais. Biureto é um subproduto da produção industrial de ureia, um fertilizante comum.

Na bioquímica clínica, a reação de biureto é uma análise qualitativa utilizada para detectar a presença de certos compostos contendo grupos peptídicos, como proteínas e peptídeos. A reação envolve a formação de um complexo colorido azul-violeta quando o biureto é aquecido com soluções que contenham ions metálicos, como cobre (II) ou níquel (II), em meio alcalino.

A reação de biureto é uma técnica sensível e específica para a detecção de proteínas e peptídeos hidrolisados, mas não detecta proteínas integrais ou polímeros de peptídeos. É frequentemente usada em análises bioquímicas clínicas como um teste de confirmação para a presença de proteínas em amostras biológicas, especialmente quando outros métodos de detecção, como o teste de Bradford ou o teste de Biureto direto, não são conclusivos.

Em resumo, a definição médica de 'Biureto' refere-se tanto ao composto orgânico NH₂-C(O)-NH-C(O)-NH₂ quanto à reação bioquímica utilizada para detectar a presença de certos compostos contendo grupos peptídicos, como proteínas e peptídeos.

'Mannheimia haemolytica' é um tipo de bactéria gram-negativa que pertence ao gênero Mannheimia e à família Pasteurellaceae. Essas bactérias são comumente encontradas como parte da flora normal do trato respiratório superior de ruminantes saudáveis, como bovinos, ovinos e caprinos. No entanto, em condições desfavoráveis, tais como estresse, doença ou má nutrição, essas bactérias podem causar infecções graves, especialmente no sistema respiratório.

A 'Mannheimia haemolytica' é conhecida por causar pneumonia enzootica em bovinos, uma doença respiratória comum em gado jovem que pode resultar em significativa morbidade e mortalidade. A bactéria produz uma variedade de fatores virulentos, incluindo hemolisinas e proteases, que contribuem para a patogenicidade e danificam os tecidos pulmonares.

A doença geralmente ocorre em condições desfavoráveis, como mudanças climáticas repentinas, transporte, manuseio ou outros fatores estressantes que podem suprimir o sistema imunológico dos animais e permitir que as bactérias causem infecção. O tratamento geralmente consiste em antibióticos adequadamente selecionados, baseados em testes de sensibilidade à droga, e medidas de manejo para minimizar o estresse e outros fatores desencadeantes.

A medicina veterinária, também conhecida como zootecnia ou patologia animal, é a especialidade médica que abrange o estudo, diagnóstico, tratamento e prevenção de doenças, distúrbios e condições que afetam os animais não humanos. As "doenças dos animais" referem-se a qualquer condição médica que afete espécies animais, desde pequenos mamíferos domésticos, como coelhos e hamsters, a aves de criação, gado leiteiro, bovinos, suínos, ovinos, caprinos, equinos e outros animais de produção. As doenças dos animais podem ser classificadas em diferentes categorias, dependendo da causa subjacente, incluindo:

1. Doenças infecciosas ou contagiosas: causadas por patógenos como bactérias, vírus, fungos e parasitas. Exemplos incluem a pneumonia em bovinos causada pela bacteria Pasteurella multocida, a gripe aviária causada pelo virus influenza A e a toxoplasmose em gatos causada pelo protozoário Toxoplasma gondii.

2. Doenças genéticas ou hereditárias: resultantes de defeitos ou mutações em genes que podem ser transmitidos de geração em geração. Exemplos incluem a displasia da hanche em cães, a distrofia muscular em gatos e a anemia falciforme em equinos.

3. Doenças nutricionais: resultantes de desequilíbrios ou deficiências na dieta dos animais. Exemplos incluem a hipocalcemia em vacas leiteiras devido à deficiência de cálcio, a pelagra em porcos devido à deficiência de vitamina B3 e a raquitismo em filhotes de cães devido à deficiência de vitamina D.

4. Doenças traumáticas: resultantes de ferimentos ou lesões físicas. Exemplos incluem fraturas ósseas, luxações articulares e cortes ou perfurações na pele.

5. Doenças neoplásicas ou cancerígenas: resultantes do crescimento anormal e descontrolado de células. Exemplos incluem o carcinoma mamário em gatos, o linfoma em bovinos e o melanoma em cães.

6. Doenças imunológicas ou autoimunes: resultantes de disfunções no sistema imune que atacam os próprios tecidos do corpo. Exemplos incluem a anemia hemolítica em cães, a miastenia gravis em gatos e o lupus eritematoso sistêmico em equinos.

7. Doenças idiopáticas ou de causa desconhecida: não podem ser atribuídas a nenhuma das categorias anteriores. Exemplos incluem a epilepsia, a síndrome do pânico e a fibromialgia.

A classificação das doenças em diferentes grupos é útil para fins diagnósticos, terapêuticos e epidemiológicos. Permite identificar as causas subjacentes das patologias, estabelecer os tratamentos adequados e monitorar a prevalência e o impacto das enfermidades na população. Além disso, facilita a comunicação entre os profissionais da saúde, os pacientes e os cuidadores, promovendo uma abordagem integrada e multidisciplinar ao tratamento das doenças.

'Especificidade da Espécie' (em inglês, "Species Specificity") é um conceito utilizado em biologia e medicina que se refere à interação ou relacionamento exclusivo ou preferencial de uma determinada molécula, célula, tecido, microorganismo ou patógeno com a espécie à qual pertence. Isso significa que essa entidade tem um efeito maior ou seletivamente mais ativo em sua própria espécie do que em outras espécies.

Em termos médicos, especificidade da espécie é particularmente relevante no campo da imunologia, farmacologia e microbiologia. Por exemplo, um tratamento ou vacina pode ser específico para uma determinada espécie de patógeno, como o vírus da gripe humana, e ter menos eficácia em outras espécies de vírus. Além disso, certos medicamentos podem ser metabolizados ou processados de forma diferente em humanos do que em animais, devido à especificidade da espécie dos enzimas envolvidos no metabolismo desses fármacos.

Em resumo, a especificidade da espécie é um princípio importante na biologia e medicina, uma vez que ajuda a compreender como diferentes entidades interagem com as diversas espécies vivas, o que pode influenciar no desenvolvimento de estratégias terapêuticas e profilaxia de doenças.

Na medicina, a definição de " Ácidos Graxos Voláteis" (AGVs) refere-se a um grupo específico de ácidos graxos que são caracterizados por terem cadeias de carbono relativamente curtas e um ponto de ebulição baixo, o que os torna voláteis. Eles são produzidos durante o processo de decomposição do tecido adiposo (gordura) no corpo humano, particularmente em condições de falta de oxigênio, como na gangrena ou infecção grave.

Os AGVs mais comuns incluem ácido butírico, ácido valérico, ácido caproico e ácido caprílico, que têm cadeias de carbono de quatro a dez átomos de carbono, respectivamente. Eles podem causar um odor característico e desagradável na ferida ou no tecido circundante. Além disso, os AGVs também podem ter efeitos tóxicos sobre o corpo humano, especialmente se eles forem absorvidos em grandes quantidades.

Em resumo, os Ácidos Graxos Voláteis são um grupo de ácidos graxos com cadeias curtas que são produzidos durante a decomposição do tecido adiposo e podem causar um odor desagradável e possuir efeitos tóxicos sobre o corpo humano.

Morbillivirus infections refer to a group of viral illnesses that are caused by members of the Morbillivirus genus, which is part of the Paramyxoviridae family. The most well-known morbillivirus is the measles virus, which causes measles in humans.

Measles is a highly contagious viral disease that primarily affects the respiratory system and can lead to serious complications such as pneumonia, encephalitis, and even death, particularly in young children and adults with weakened immune systems. The virus is spread through coughing and sneezing and can remain airborne for up to two hours after an infected person has left the area.

Other examples of morbillivirus infections include:

1. Canine distemper: a viral disease that affects dogs, wolves, foxes, and other members of the canid family. It can cause respiratory, gastrointestinal, and neurological symptoms and can be fatal.
2. Phocine distemper: a viral disease that affects seals and other marine mammals. It can cause respiratory, gastrointestinal, and reproductive symptoms and can lead to mass mortality events in seal populations.
3. Rinderpest: a viral disease that primarily affects cattle, buffalo, and other cloven-hoofed animals. It was eradicated in 2011 through a global vaccination campaign.
4. Peste des petits ruminants (PPR): a viral disease that affects sheep, goats, and other small ruminants. It is endemic in many parts of Africa, Asia, and the Middle East and can cause significant economic losses.

Prevention of morbillivirus infections primarily involves vaccination. Measles vaccines are highly effective and have led to a significant reduction in measles cases worldwide. Similarly, vaccines are available for canine distemper, rinderpest, and PPR, and their use has contributed to the control or eradication of these diseases in many parts of the world.

Filogenia é um termo da biologia que se refere à história evolutiva e relacionamento evolucionário entre diferentes grupos de organismos. É a disciplina científica que estuda as origens e desenvolvimento dos grupos taxonômicos, incluindo espécies, gêneros e outras categorias hierárquicas de classificação biológica. A filogenia é baseada em evidências fósseis, anatomia comparada, biologia molecular e outros dados que ajudam a inferir as relações entre diferentes grupos de organismos. O objetivo da filogenia é construir árvores filogenéticas, que são diagramas que representam as relações evolutivas entre diferentes espécies ou outros táxons. Essas árvores podem ser usadas para fazer inferências sobre a história evolutiva de organismos e características biológicas. Em resumo, filogenia é o estudo da genealogia dos organismos vivos e extintos.

Em medicina e biologia, um retículo é um tipo de organela presente em células que serve como um esqueleto intracelular. Ele fornece suporte estrutural à célula e desempenha um papel importante no transporte de proteínas e lipídios dentro da célula. O retículo endoplasmático (RE) e o retículo sarcoplasmático (RS) são os dois tipos principais de retículos encontrados em células eucarióticas. O RE está presente em todas as células eucarióticas, enquanto o RS é encontrado especificamente em células musculares. Ambos os retículos são compostos por uma rede de túneis membranosos que se estendem pela célula e estão conectados a outras organelas, como mitocôndrias e lisossomas. O RE é responsável pela síntese de proteínas e lipídios, enquanto o RS desempenha um papel importante na regulação da contração muscular.

A helmintíase animal é um tipo de infecção parasitária que afeta animais, causada por vermes parasitas conhecidos como helmintos. Esses parasitas podem ser divididos em três grupos principais: tremátodes (vermes achatados e planos, como a fita e o lesma), cestóides (tênias ou fitas) e nematóides (vermes redondos).

A infecção pode ocorrer quando um animal ingere ovos ou larvas de helmintos presentes no solo, na água ou em alimentos contaminados. Alguns helmintos podem também penetrar diretamente na pele do hospedeiro. Depois de entrarem no corpo do animal, as larvas e os ovos eclodem e se desenvolvem em adultos, que se fixam nos tecidos e começam a se reproduzir.

Os sintomas da helmintíase variam consoante o tipo de verme parasita e a localização no corpo do animal hospedeiro. Em geral, causam problemas digestivos, como diarreia, vômitos e perda de apetite, mas também podem levar a outros sintomas, como anemia, desnutrição, danos nos tecidos e, em casos graves, morte.

A prevenção da helmintíase animal inclui medidas sanitárias, como a desinfecção de água e alimentos, o tratamento de áreas contaminadas com fezes e a administração regular de medicamentos antiparasitários aos animais. O diagnóstico precoce e o tratamento adequado são importantes para controlar a disseminação da doença e minimizar os efeitos negativos na saúde dos animais afetados.

Hemostase é um termo médico que se refere ao processo complexo e bem regulado de parar o sangramento em resposta a lesões vasculares. Consiste em uma série de eventos que envolvem a interação entre as plaquetas, coagulação sanguínea, fibrinólise e mecanismos vasculares para manter a integridade vascular e prevenir a perda excessiva de sangue. A disfunção em qualquer etapa desse processo pode resultar em hemorragia ou trombose.

O termo "hemoncose" geralmente se refere a condições médicas que afetam esse processo hemostático, incluindo coagulopatias congênitas ou adquiridas (como hemofilia e deficiência de vitamina K, respectivamente), trombocitopenia (baixa contagem de plaquetas), trombocitose (alta contagem de plaquetas) e outras condições que afetam a hemostase. Essas condições podem aumentar o risco de sangramento ou trombose e, portanto, requerem tratamento e gerenciamento adequados para prevenir complicações graves.

Intoxicação por plantas, também conhecida como intoxicação fitofarmacológica ou fitotóxica, refere-se a uma condição médica resultante da exposição a substâncias tóxicas produzidas por plantas. Essas substâncias podem ser encontradas em todas as partes da planta, incluindo folhas, flores, frutos, sementes e raízes. A intoxicação ocorre quando uma pessoa ou animal ingere, inala ou entra em contato com a planta tóxica, causando uma variedade de sintomas e condições clínicas, dependendo da planta e da quantidade de exposição. Alguns exemplos de intoxicação por plantas incluem a ingestão de funcho (Datura stramonium), que pode causar alucinações, convulsões e ritmo cardíaco acelerado, e a intoxicação por folhas de batata verde (Solanum tuberosum), que pode resultar em problemas gastrointestinais, dores de cabeça e confusão.

A febre Q, também conhecida como Coxiella burnetii ou fiebre Q aguda, é uma infecção bacteriana que pode afetar humanos e animais. É causada pela bactéria Coxiella burnetii e geralmente se transmite por meio de inalação de pó contaminado com fezes, leite ou urina de animais infectados, especialmente de ruminantes como ovelhas, cabras e vacas. A doença é geralmente leve em humanos, mas pode ser grave ou fatal em casos graves, particularmente em pessoas com sistema imunológico enfraquecido. Os sintomas da febre Q aguda podem incluir febre alta, dor de cabeça, dores musculares e articulares, tosse seca e fadiga. Em casos crônicos, a febre Q pode causar complicações graves, como endocardite (inflamação do revestimento interno do coração) e pneumonia. O tratamento geralmente consiste em antibióticos, como a doxiciclina, por um período de pelo menos duas semanas. A prevenção inclui medidas de higiene adequadas ao manusear animais infectados ou seus produtos, como leite e urina, e o controle da infecção em animais.

Em termos médicos, a fermentação refere-se a um processo metabólico natural em que microorganismos, como bactérias e leveduras, convertem carboidratos em álcoois ou ácidos, geralmente em condições anaeróbicas (sem oxigênio). Esse processo é fundamental para a produção de vários alimentos e bebidas fermentadas, como pão, iogurte, vinho e cerveja. No contexto médico, o termo "fermentação" pode ser usado em discussões sobre a decomposição de tecidos corporais por microrganismos, um processo que pode levar ao desenvolvimento de infecções e doenças.

Em termos médicos, "aborto animal" geralmente se refere ao aborto espontâneo ou induzido de um feto animal dentro do útero da mãe. Isso pode ocorrer devido a vários fatores, incluindo problemas genéticos, infecções, doenças maternas, exposição a toxinas ou estressores ambientais, e interrupção intencional da gravidez por meios farmacológicos ou cirúrgicos.

O aborto espontâneo é relativamente comum em animais domésticos, como cães e gatos, assim como em gado e outros animais de granja. Em alguns casos, o aborto pode ser a causa de morte do feto ou pode levar à parto prematuro de um filhote natimorto ou frágil. Em outras situações, o aborto pode ser uma resposta natural do corpo da mãe para proteger seu próprio bem-estar em caso de problemas graves com a gravidez.

O aborto induzido, por outro lado, é geralmente realizado por profissionais veterinários como uma forma de controle de natalidade ou para interromper uma gravidez indesejada ou de risco para a mãe ou o filhote. Isso pode ser feito por meio de medicamentos que induzem o trabalho ou por procedimentos cirúrgicos, dependendo da espécie do animal e das circunstâncias específicas.

Poaceae, anteriormente conhecida como Gramineae, é a família botânica que inclui as gramíneas ou graminóides. Essa é uma grande e diversificada família de plantas monocotiledôneas, com distribuição cosmopolita, sendo encontradas em praticamente todos os habitats terrestres. A família Poaceae compreende cerca de 12 000 espécies agrupadas em aproximadamente 780 gêneros.

As plantas da família Poaceae apresentam uma variedade de hábitos, incluindo ervas, arbustos e árvores. No entanto, a maioria das espécies são ervas perenes ou anuais, com caules cilíndricos e alongados, geralmente não ramificados, chamados de culmos. As folhas são simples, alternadas, dispostas em duas fileiras ao longo do culmo, e apresentam uma lígula na junção do limbo com o pseudo-pecíolo (ou sheath).

A família Poaceae é economicamente muito importante para os seres humanos, pois inclui diversas espécies cultivadas como cereais, forragens e pastagens. Alguns exemplos de cereais incluem: trigo (*Triticum aestivum*), arroz (*Oryza sativa*), milho (*Zea mays*), aveia (*Avena sativa*), cevada (*Hordeum vulgare*) e centeio (*Secale cereale*). Além disso, diversas espécies de Poaceae são utilizadas como ornamentais em jardins e paisagismo, como as capim-santas (*Stipa spp.*), *Pennisetum setaceum* e *Miscanthus sinensis*.

Em um contexto médico, é possível que se faça referência a Poaceae quando se discutem alergias ou reações adversas relacionadas à exposição a determinadas espécies desse grupo botânico. Por exemplo, alguns indivíduos podem apresentar sintomas alérgicos ao pólen de gramíneas (também conhecido como "febre do feno"), que inclui diversas espécies de Poaceae. Outras possíveis interações médicas com essa família botânica podem estar relacionadas à presença de compostos tóxicos ou irritantes em algumas espécies, como é o caso do sorgo-da-flor (*Sorghum halepense*), cujo consumo pode resultar em intoxicação por cumarinas.

"Dados de sequência molecular" referem-se a informações sobre a ordem ou seqüência dos constituintes moleculares em uma molécula biológica específica, particularmente ácidos nucléicos (como DNA ou RNA) e proteínas. Esses dados são obtidos através de técnicas experimentais, como sequenciamento de DNA ou proteínas, e fornecem informações fundamentais sobre a estrutura, função e evolução das moléculas biológicas. A análise desses dados pode revelar padrões e características importantes, tais como genes, sítios de ligação regulatórios, domínios proteicos e motivos estruturais, que podem ser usados para fins de pesquisa científica, diagnóstico clínico ou desenvolvimento de biotecnologia.

'Visna' é uma doença viral lentamente progressiva que afeta o sistema nervoso central em ovinos e caprinos. A causa exata da doença é um retrovírus chamado vírus Visna-Maedi (VMV). O período de incubação pode variar de alguns meses a vários anos, após o que os sintomas geralmente começam a aparecer.

Os primeiros sinais clínicos da doença podem incluir perda de peso e diminuição da produção de leite em ovinos. À medida que a doença progride, os animais afetados podem desenvolver problemas neurológicos, como ataxia (perda de coordenação muscular), tremores, paralisia e dificuldade em engolir. A morte geralmente ocorre dentro de alguns meses a dois anos após o início dos sintomas.

Visna é uma doença contagiosa que se propaga através do contato direto com animais infectados ou por meio de partículas virais presentes no ar exalado por animais infectados. Não há tratamento específico para a doença e os esforços de controle geralmente envolvem medidas de manejo, como testar e isolar animais infectados, reduzir a densidade de população e adotar programas de vacinação.

A Febre Catarral Maligna é uma doença infecciosa grave e rara causada pela bactéria Gram-negativa, Chlamydophila (Chlamydia) psittaci. A transmissão ocorre geralmente por meio de aerossóis ou pó contaminados com fezes de aves infectadas ou material respiratório. Os sintomas geralmente começam gradualmente, dentro de 5 a 14 dias após a exposição, e incluem febre alta (até 40°C), forte dores de cabeça, dor muscular e articulares, tosse seca, falta de ar e outros sintomas respiratórios. Em alguns casos, a doença pode evoluir para pneumonia, insuficiência orgânica e choque séptico, o que pode resultar em morte se não for tratada adequadamente. O diagnóstico geralmente é confirmado por meio de exames laboratoriais, como cultura ou PCR de amostras clínicas, e a terapia recomendada inclui antibióticos específicos, como macrólidos ou fluorquinolonas. A prevenção é baseada em medidas de controle de infecções, como higiene respiratória adequada e evitar o contato próximo com aves infectadas ou suas fezes.

A mastite é uma inflamação da glândula mamária, geralmente associada a uma infecção bacteriana, particularmente em mulheres que estão amamentando. A infecção pode ocorrer como resultado de bactérias entrando pelo pezão danificado ou através do sangue. Os sinais e sintomas da mastite podem incluir:

* Inchaço, vermelhidão, calor e dor em uma área específica da mama
* Sensação de doença geral (mal-estar)
* Febre e/ou aumento de temperatura corporal
* Fadiga
* Dor de cabeça

O tratamento geralmente consiste em antibióticos para combater a infecção, alívio da dor e repouso. Em casos graves ou recorrentes, pode ser necessária hospitalização e administração de antibióticos por via intravenosa. É importante continuar amamentando o bebê ou extraindo o leite da mama afetada para prevenir a obstrução do duto galactóforo e agravar a infecção. A mastite não tratada pode resultar em abscessos mamários, que podem exigir cirurgia para drenagem.

Ecthyma contagiosum é uma infecção bacteriana superficial e contagiosa da pele, geralmente causada pela bactéria Streptococcus pyogenes (streptococo beta-hemolítico do grupo A) ou menos frequentemente por outras espécies de streptococos e estafilococos. É clinicamente semelhante, mas geralmente mais grave do que a impetigo, outra infecção bacteriana da pele.

A lesão inicial começa como uma pequena vesícula ou pápula que se rompe rapidamente, formando uma úlcera superficial e dolorosa com bordas bem definidas e fundo amarelo-acastanhado ou cinzento. As lesões geralmente ocorrem em áreas expostas, como as mãos, os braços e as pernas, e podem se espalhar por contato direto com a pele infectada ou por objetos contaminados. A infecção também pode disseminar-se hematogênamente, levando a complicações sistêmicas graves, especialmente em indivíduos imunocomprometidos.

O ecthyma contagiosum é mais comumente visto em crianças, particularmente aquelas que vivem em condições de higiene precária ou sobrepovoamento. O tratamento geralmente consiste em antibióticos tópicos ou sistêmicos, dependendo da gravidade e extensão da infecção. A prevenção inclui a prática de boa higiene, o isolamento dos pacientes infectados e o tratamento adequado das feridas da pele.

"Coxiella burnetii" é um tipo de bactéria gram-negativa, intracelular facultativa que causa a doença Q fever em humanos e animais. A bactéria é capaz de sobreviver em ambientes hostis e possui uma forma resistente à dessecação chamada esporo-like, o que facilita sua disseminação pelo ar e contribui para sua capacidade de infectar hospedeiros amplamente.

A Coxiella burnetii é frequentemente encontrada em animais domésticos, como gado, ovinos e caprinos, e pode ser transmitida a humanos através do contato com animais infectados ou de seu ambiente, como leite não pasteurizado ou pó de partículas contaminadas pelo ar. A doença Q fever é geralmente adquirida por inalação de partículas contendo a bactéria e pode causar sintomas graves, como febre alta, dor de cabeça, tosse seca e dores musculares, entre outros. Em alguns casos, a infecção pode resultar em complicações crônicas, como endocardite.

Chlamydophila é um gênero de bactérias que causam doenças infecciosas em humanos e outros animais. A espécie mais conhecida, Chlamydophila trachomatis, é a causa mais comum de doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) em humanos, incluindo a uretrite não gonocócica, cervicite e linfogranuloma venéreo. Outras espécies de Chlamydophila podem causar pneumonia e infecções oculares em animais.

As bactérias do gênero Chlamydophila são obrigatóriamente intracelulares, o que significa que elas precisam infectar células hospedeiras para se reproduzirem. Elas têm um ciclo de vida complexo envolvendo duas formas distintas: os corpos basais e os corpos reticulados. Os corpos basais são as formas infecciosas que podem sobreviver fora das células hospedeiras por um tempo limitado, enquanto os corpos reticulados são as formas reprodutivas que se desenvolvem dentro das células hospedeiras.

As infecções por Chlamydophila geralmente podem ser tratadas com antibióticos, como azitromicina ou doxiciclina. No entanto, o diagnóstico precoce e o tratamento adequado são importantes para prevenir complicações, como a infertilidade feminina e a doença inflamatória pélvica. Além disso, é importante notar que as infecções por Chlamydophila podem não apresentar sintomas ou apresentar sintomas leves, o que pode dificultar o diagnóstico e aumentar o risco de transmissão.

De acordo com a Clínica Mayo, fezes (também conhecidas como "excrementos" ou "borracha") se referem a resíduos sólidos do sistema digestivo que são eliminados através da defecação. Elas consistem em água, fibras dietéticas não digeridas, bactérias intestinais e substâncias inorgânicas, como sais. A aparência, consistência e frequência das fezes podem fornecer informações importantes sobre a saúde geral de um indivíduo. Por exemplo, fezes duras e secas podem indicar constipação, enquanto fezes muito moles ou aquosas podem ser um sinal de diarreia. Alterações no odor, cor ou aparência das fezes também podem ser indicativas de problemas de saúde subjacentes e devem ser avaliadas por um profissional médico.