O termo "queixo" refere-se a parte inferior da face humana, mais especificamente à estrutura óssea móvel que forma a articulação da mandíbula. O nome científico para o osso do queixo é "mandíbula", que é o único osso do crânio que pode se movimentar livremente.

O osso do queixo é composto por duas metades simétricas unidas no centro na sínfise mentual. Cada metade contém um corpo e dois ramos, com uma cavidade em forma de "U" chamada fossa mandibular, onde se encontra a dentição inferior.

O movimento do queixo permite a abertura e fechamento da boca, além de outros movimentos necessários para mastigação, fala e deglutição. Algumas condições médicas podem afetar o osso do queixo, como fraturas, tumores ou doenças degenerativas, o que pode causar dor, inchaço ou limitação do movimento.

Em anatomia, a mandíbula, também conhecida como maxilar inferior, refere-se à parte móvel da boca dos humanos e outros animais. É o único osso do crânio que é móvel e forma a mandíbula alongada e curva. A mandíbula contém dentes e ajuda na função de mastigação, falar e respiração. Em medicina, condições que afetam a mandíbula podem incluir doenças periodontais, tumores, fraturas e outras formas de trauma.

Na medicina, um "creme para a pele" geralmente se refere a uma emulsão cosmética ou dermatológica topical que contém uma mistura de ingredientes ativos e inativos, projetados para melhorar a aparência e a saúde da pele. Os cremes para a pele podem conter uma variedade de substâncias, como humectantes, emolientes, ceramidas, antioxidantes, agentes anti-inflamatórios e filtros solares. Eles são formulados para fornecer propriedades hidratantes, suavizar a textura da pele, reduzir a irritação e proteger contra os danos causados pelos raios UV. Alguns cremes para a pele podem ser prescritos por médicos ou especialistas em dermatologia para tratar condições específicas, como dermatite, psoríase ou acne. No entanto, é importante notar que os cremes para a pele de venta livre variam amplamente em termos de qualidade e eficácia, portanto, é sempre uma boa ideia consultar um profissional médico antes de usar quaisquer produtos para a pele, especialmente se você tiver uma condição cutânea existente ou sensibilidade à pele.

"Assimetria Facial" é um termo médico usado para descrever uma diferença na forma, tamanho ou posição de características faciais entre os lados direito e esquerdo do rosto. Essa discrepância pode ser resultado de uma variedade de condições, incluindo paralisia facial, trauma, doenças genéticas ou outras anomalias congênitas. A assimetria facial pode variar em grau de leve a severo e pode afetar qualquer parte do rosto, como os olhos, o nariz, as bochechas ou a mandíbula. Em alguns casos, a assimetria facial pode ser apenas estética e não causar outros sintomas ou problemas de saúde, mas em outras situações, ela pode estar associada a disfunção ou desconforto. Tratamento para a assimetria facial depende da causa subjacente e pode incluir terapia fisica, cirurgia reconstrutiva ou outros procedimentos médicos.

Os Procedimentos Cirúrgicos Ortognáticos (PCO) são um tipo de cirurgia maxilofacial que visam corrigir deformidades e alterações na estrutura óssea do crânio, face e mandíbula. Essas irregularidades podem ser congênitas ou adquiridas, e geralmente afetam a função masticatória, respiratória e/ou fala do indivíduo, além de poderem causar problemas estéticos.

Existem três tipos básicos de PCO: o maxilar superior (cirurgia de Le Fort I, II ou III), a mandíbula (osteotomia sagital bilateral) e a genioplastia (cirurgia do mentão). Esses procedimentos podem ser realizados isoladamente ou em combinação, dependendo da natureza e extensão das deformidades.

Antes da cirurgia, o paciente geralmente precisa passar por exames como radiografias, tomografias computadorizadas e modelos em gesso da face e dos dentes, a fim de avaliar a anatomia óssea e planificar adequadamente a intervenção. Além disso, é comum que seja necessário um tratamento pré-operatório com Ortodontia para alinhar os dentes e preparar a maxila e a mandíbula para a cirurgia.

Após o procedimento, geralmente é recomendado um período de recuperação que varia de alguns dias a algumas semanas, durante o qual o paciente pode precisar seguir uma dieta macia e realizar exercícios de fisioterapia facial para ajudar na cicatrização e no retorno à função normal. Em alguns casos, também pode ser necessário um tratamento pós-operatório com Ortodontia para finalizar o alinhamento dos dentes e obter os melhores resultados estéticos e funcionais.

A circunferência craniana é a medida da circunferência da cabeça, geralmente na parte mais larga da testa, acima das sobrancelhas e atrás dos ouvidos. Em bebês e crianças, essa medição é usada como um indicador do crescimento e desenvolvimento saudável do cérebro e do crânio. Em adultos, a circunferência craniana pode ser usada em diagnósticos médicos, especialmente em neurologia, para avaliar certas condições médicas, como hidrocefalia ou outras doenças que afetam o cérebro e o crânio. A medição da circunferência craniana é geralmente realizada com um flexímetro ou fita métrica precisa.

Sim, posso fornecer uma definição médica para você.

Prognatismo é um termo usado em odontologia e antropologia para descrever a situação em que o maxilar inferior (mandíbula) está alinhado à frente do maxilar superior (maxila), resultando em uma overbite ou mordida aberta. Essa condição geralmente é causada por um desenvolvimento anormal dos ossos faciais ou dentição, e pode ser hereditária ou resultar de hábitos como sucção do lábio ou dedo em crianças. Em casos graves, o prognatismo pode afetar a fala, a mastigação e a respiração, e pode ser corrigido por meio de tratamentos ortodônticos ou cirúrgicos.

A dermatite irritante é um tipo de reação cutânea adversa localizada que ocorre em resposta ao contato direto com um agente irritante. Esses agentes podem ser químicos, fisicos ou biológicos que causam danos à barreira cutânea, resultando em sinais e sintomas inflamatórios, como vermelhidão, inchaço, bolhas, vescículas, descamação e dor na pele. A gravidade da reação depende da natureza do irritante, da duração do contato e da sensibilidade individual da pessoa. Algumas vezes, essa reação pode ser confundida com outras condições da pele, como dermatite alérgica, por isso é importante procurar um médico ou dermatologista para um diagnóstico adequado e tratamento apropriado.

A hipestesia é um termo médico que se refere à diminuição da sensibilidade ao calor. É um tipo de disestesia, ou seja, uma alteração na percepção dos estímulos sensitivos, neste caso, especificamente relacionada à temperatura. Pode ser causada por várias condições, como lesões nervosas, diabetes, doenças vasculares cerebrais e outras neuropatias. Em alguns casos, a hipestesia pode ser um sintoma temporário ou permanente, dependendo da causa subjacente.

Desonide é um glucocorticoide sintético de potência moderada, usado principalmente como um anti-inflamatório tópico para tratar doenças da pele e membranas mucosas. É frequentemente empregado no tratamento de dermatites, como a dermatite atópica e a dermatite seborreica, assim como outras condições inflamatórias da pele. A ação anti-inflamatória do desonide ocorre através da inibição da síntese de mediadores pro-inflamatórios, como as prostaglandinas e leucotrienos.

Embora o desonide seja geralmente seguro e bem tolerado quando aplicado localmente em concentrações adequadas, pode ocasionar efeitos adversos sistêmicos em alguns indivíduos, especialmente com o uso prolongado ou em grandes áreas da pele. Esses efeitos adversos podem incluir: supressão adrenal, corticismo induzido, retardo do crescimento em crianças, cataratas, glaucoma e outras alterações oculares, bem como a possibilidade de desenvolver síndrome de Cushing ou síndrome de hipercortisolismo.

Como com qualquer medicamento, é importante seguir as orientações do médico e/ou farmacêutico em relação ao uso adequado, dosagem e duração do tratamento com desonide para minimizar os riscos associados ao seu uso.

A "Má Oclusão de Angle Classe III" é um termo usado em Ortodontia (um ramo da Odontologia) para descrever uma condição em que há uma má relação entre os dentes superiores e inferiores, especificamente no ângulo entre as arcadas dentárias. Nesta classe de má oclusão, o maxilar inferior (mandíbula) está mais avançado em relação ao maxilar superior (maxila), resultando em uma sobrejetição anterior dos dentes inferiores em relação aos superiores. Isso pode causar problemas estéticos e funcionais, como desgaste prematuro dos dentes, dificuldades na mastigação e no encerramento da boca (que é conhecido como fechamento adequado da boca). O tratamento geralmente inclui a utilização de diferentes tipos de aparelhos ortodônticos e, em alguns casos mais graves, pode ser necessária a cirurgia ortognática.

Em termos de anatomia e medicina, a "dimensão vertical" geralmente se refere à medida da distância entre dois pontos ou estruturas ao longo de um eixo vertical, geralmente em pé ou em posição ereta. Isto pode ser usado para descrever várias coisas, tais como a altura de uma pessoa, a distância entre duas vértebras na coluna vertebral, ou a profundidade de um orifício ou cavidade no corpo.

Em outras palavras, é a medida da extensão de algo ao longo do eixo que vai do topo para a base, perpendicular ao chão. Por exemplo, em odontologia, a dimensão vertical pode referir-se à distância entre o maxilar superior e inferior quando os dentes estão em contato ou quando a boca está completamente fechada.

Em termos médicos, "face" refere-se à parte anterior e inferior da cabeça, geralmente correspondendo à região compreendida entre a linha capilar e o queixo. A face é composta por uma complexa estrutura de tecidos moles, incluindo a pele, músculos, gorduras, vasos sanguíneos e nervos, assim como por vários órgãos dos sentidos, tais como os olhos, nariz, boca e orelhas. Além disso, a face também abriga importantes estruturas relacionadas à respiração, mastigação e fala. Devido à sua exposição e importância em nossas interações sociais, a face desempenha um papel crucial na identificação pessoal, comunicação facial e expressões emocionais.

A Medicina Tradicional do Leste Asiático (MTLA) é um termo geral que abrange vários sistemas médicos tradicionais originários da China, Japão, Coreia e outros países do Leste Asiático. O componente mais conhecido e estudado da MTLA é a Medicina Tradicional Chinesa (MTC), mas também inclui a medicina coreana, a medicina japonesa e outras práticas tradicionais da região.

A MTLA baseia-se em conceitos filosóficos e teóricos que diferem significativamente dos modelos médicos ocidentais convencionais. Ela enfatiza o equilíbrio e a harmonia do corpo, mente e espírito, e considera fatores como o fluxo de energia (chamado de "Qi" na MTC), a interação dos órgãos internos e as relações entre o homem e o ambiente natural.

Algumas das práticas comuns da MTLA incluem a acupuntura, a fitoterapia (uso de plantas medicinais), a moxibustão (queimar artigos vegetais sobre pontos específicos do corpo), o tui na (massagem e manipulação corporal), a dieta terapêutica, o exercício físico (como o Tai Chi e o Qigong) e a meditação.

Embora a MTLA tenha sido praticada há séculos e seja amplamente utilizada em muitas partes do mundo, é importante ressaltar que sua eficácia e segurança ainda são objeto de debate e pesquisa científica. Alguns tratamentos da MTLA podem interagir com medicamentos convencionais ou ter efeitos adversos, portanto, é sempre recomendável consultar um profissional de saúde qualificado antes de iniciar quaisquer tratamentos.

O côndilo mandibular refere-se a uma proeminência oval e lisa na extremidade posterior da mandíbula (osso maxilar inferior), que se articula com a fossa glenoidal do osso temporal para formar a articulação temporomandibular (ATM). Essa articulação permite o movimento de abertura e fechamento da boca, alongado lateralmente e adiante-atrás. O côndilo mandibular desempenha um papel fundamental no processo de mastigação, fala e outras funções relacionadas às atividades da vida diária. Qualquer alteração ou disfunção no côndilo mandibular pode resultar em problemas como dor, rigidez articular e limitação do movimento na ATM.

Micrognathia é uma condição em que o maxilar ou mandíbula inferior é menor do que o normal, resultando em uma face e/ou mentão pequena. Pode ser isolada ou associada a outras anormalidades craniofaciales ou sistêmicas, como síndrome de Pierre Robin, síndrome de Down e displasia cleidocraniana. A gravidade do micrognathia pode variar desde uma forma leve com apenas um pequeno impacto estético até uma forma grave que pode causar problemas na alimentação, respiração e fala. Em casos graves, o tratamento pode incluir cirurgia ortognática para reposicionar o maxilar ou mandíbula. Também é comumente observado em recém-nascidos prematuros.

Os Transtornos de Alimentação na Infância (TAI) referem-se a um grupo de condições em que há um padrão persistente e disruptivo de interações com alimentos que impactam negativamente a saúde física e/ou psicológica da criança. Esses transtornos geralmente se manifestam na primeira infância ou na pré-escola e podem persistir até à adolescência e à idade adulta se não forem tratados adequadamente. Existem vários tipos de TAI, incluindo:

1. **Transtorno de Evitamento/Restrição da Ingestão de Alimentos (TERIA)**: É caracterizado por uma relutância em provar novos alimentos ou em comer certos grupos de alimentos devido a texturas, cores, cheiros ou outras características sensoriais. Isso pode levar a restrição alimentar e podem ocorrer problemas de nutrição.

2. **Pica**: Consiste na ingestão persistente e compulsiva de substâncias não nutritivas, como areia, argila ou tinta, que podem ser prejudiciais à saúde.

3. **Transtorno do Comer Compulsivo (TCC)**: Caracteriza-se por episódios recorrentes de consumo excessivo de alimentos, muitas vezes em um curto período de tempo, acompanhados de sentimentos de perda de controle durante a ingestão e culpa ou vergonha após o episódio.

4. **Transtorno da Ingestão Pediátrica Acidentada (TIPA)**: Refere-se à ingestão intencional ou acidental de objetos não alimentares, como peças de brinquedo, que podem causar obstrução ou lesões no sistema digestivo.

5. **Ruminação**: Consiste em regurgitar e mascarar novamente os alimentos parcial ou totalmente digeridos, geralmente sem sensação de náusea ou desconforto físico associado.

Estes transtornos podem ocorrer em indivíduos de qualquer idade, mas são mais comuns em crianças e adolescentes. É importante procurar avaliação e tratamento especializados para garantir um diagnóstico preciso e um plano de tratamento adequado.

Desenvolvimento maxilofacial é um termo usado em medicina e odontologia para se referir ao crescimento e desenvolvimento dos maxilares (maxilar e mandíbula) e das estruturas faciales relacionadas, incluindo os dentes, músculos, tecidos moles e outros tecidos conjuntivos.

Este processo começa na vida fetal e continua até a adolescência ou mesmo além disso, em alguns casos. O desenvolvimento maxilofacial é influenciado por fatores genéticos, hormonais e ambientais, e pode ser afetado por vários fatores, como doenças, traumatismos ou má oclusão (mordida incorreta).

A avaliação do desenvolvimento maxilofacial é importante em odontologia e medicina, pois permite identificar possíveis problemas e tratá-los a tempo. Além disso, o conhecimento do desenvolvimento maxilofacial é essencial para planejar tratamentos ortodônticos e cirúrgicos corretivos em casos de má oclusão, disfunções temporomandibulares (DTM) ou outras condições que afetam a estrutura facial.

Os Aparelhos Ortodônticos Funcionais são dispositivos utilizados em Ortodontia que aproveitam os movimentos musculares naturais da boca e face durante a deglutição, mastigação e fala para corrigir problemas dentários e maxilofaciais. Eles trabalham alongando e equilibrando os músculos da face, alinhando os dentes e promovendo uma melhor relação entre o maxilar superior e inferior.

Existem diferentes tipos de aparelhos funcionais, como placa de expansão palatal, activador de Anderson, Twin Block e outros. Cada um deles tem um mecanismo específico para atingir os objetivos desejados, mas todos eles visam a promover o crescimento e desenvolvimento harmônico dos maxilares e dos dentes, além de contribuir para uma melhor função e estética facial.

A indicação para o uso de aparelhos funcionais depende da análise do profissional odontológico, levando em consideração a idade do paciente, a gravidade dos problemas e as necessidades individuais. Geralmente, eles são indicados em crianças e adolescentes com problemas de mordida cruzada, mordida profunda, dentes desalinhados ou maxilares desproporcionais. O uso correto e constante dos aparelhos funcionais pode levar a melhores resultados ortodônticos e à prevenção de problemas mais graves no futuro.

De acordo com a medicina, o lábio refere-se às duas proeminentes estruturas móveis no rosto que delimitam a abertura da boca. O lábio superior e inferior são compostos por tecido muscular, tecido conjuntivo, glândulas salivares menores e vasos sanguíneos. Eles desempenham um papel importante na função de alimentação, como morder, mastigar e swallowing, além de ser instrumental para a comunicação humana, expressões faciais e fala. O lábio também é sensível ao toque, temperatura e dor, graças à presença de receptores nervosos na pele.

Os aparelhos de tração extrabucal são dispositivos ortodônticos usados para aplicar força e movimentar os dentes ou o maxilar em uma direção específica, geralmente para corrigir problemas de alinhamento dentário ou maxilofacial. A tração extrabucal é realizada fora da boca, geralmente por meio de um arco metálico que se conecta a um dispositivo fixado no dente ou no osso do maxilar e é prendido a uma fita ou cabo que passa por trás da cabeça e é preso a um contrapeso ou à parede. Esses aparelhos são frequentemente usados em conjunto com outros dispositivos ortodônticos, como aparelhos fixos ou invisalign, para obter os melhores resultados possíveis. Eles podem ser usados ​​para tratar uma variedade de problemas, incluindo mordidas profundas, mordidas abertas, dentes desalinhados e maxilares deslocados.

Os aparelhos ortodônticos removíveis são dispositivos protéticos utilizados em Ortodontia, a especialidade da Odontologia que se ocupa do diagnóstico, prevenção e tratamento das alterações dento-maxilares e faciales. Esses aparelhos podem ser retirados pela própria pessoa tratada, diferentemente dos aparelhos fixos, que são aderidos aos dentes por um período prolongado.

Os principais tipos de aparelhos ortodônticos removíveis incluem:

1. Alinhadores transparentes (também conhecidos como invisalign): São dispositivos feitos de materiais termoplastos e quase invisíveis, que se encaixam sobre os dentes e são modificados a cada determinado período para movimentar gradualmente os dentes até a posição desejada.

2. Placas funcionais: São aparelhos utilizados principalmente no tratamento de discrepâncias entre o maxilar e a mandíbula, como no caso do prognatismo ou retrognatismo. Elas são compostas por duas placas acrílicas, uma para cada arcada dentária, unidas por um mecanismo articulado que permite ajustar a relação entre as placas e corrigir a discrepância.

3. Disjuntor: É um aparelho utilizado no tratamento de pacientes com problemas de desenvolvimento dos maxilares, como ocorre na doença de Frêne. O disjuntor é colocado sobre os dentes e mantido em posição por meio de arcos metálicos ou bandagens. Ele promove a separação dos maxilares para permitir um crescimento harmônico.

4. Retenedores: São aparelhos utilizados após o tratamento ortodôntico final, com o objetivo de manter os dentes na posição alcançada. Eles podem ser fixos ou removíveis e são geralmente indicados para uso por um período prolongado, variando entre alguns meses a alguns anos.

5. Aparelhos extraorais: São aparelhos utilizados no tratamento de problemas graves de desenvolvimento dos maxilares ou da relação entre eles. Eles são prescritos em casos específicos e são usados por períodos prolongados, geralmente associados a outros tipos de tratamento ortodôntico.

6. Aparatos removíveis: São aparelhos utilizados no tratamento de problemas mais simples, como ocorre na correção de diastemas ou malposições dentárias leves. Eles são feitos com base em impressões dos dentes e podem ser ajustados ao longo do tratamento conforme as necessidades do paciente.

7. Aparatos fixos: São aparelhos utilizados no tratamento de problemas mais graves ou complexos, como ocorre na correção de maloclusões severas ou na ortodontia interceptiva. Eles são prescritos em casos específicos e são usados por períodos prolongados, geralmente associados a outros tipos de tratamento ortodôntico.

8. Aparatos funcionais: São aparelhos utilizados no tratamento de problemas relacionados à função dos dentes e dos músculos da boca. Eles são indicados para uso em casos específicos, como ocorre na correção de problemas de sucção ou deglutição anômalas.

9. Aparatos ortopédicos: São aparelhos utilizados no tratamento de problemas relacionados ao desenvolvimento dos maxilares. Eles são indicados para uso em casos específicos, como ocorre na correção de problemas de crescimento ou posicionamento anômalos dos maxilares.

10. Aparatos invisíveis: São aparelhos utilizados no tratamento de problemas estéticos relacionados às maloclusões. Eles são indicados para uso em casos específicos, como ocorre na correção de diastemas ou dentes desalinhados.

Em resumo, existem diversos tipos de aparelhos ortodônticos disponíveis no mercado atual, cada um com suas próprias características e indicados para uso em casos específicos. É importante que o paciente consulte um especialista em ortodontia para obter uma avaliação adequada e determinar qual é o melhor tipo de aparelho para seu caso particular.

A definição médica de "beleza" pode variar, mas geralmente é vista como uma combinação estética e harmoniosa de características físicas que são agradáveis à vista. No entanto, é importante notar que a percepção de beleza é altamente subjetiva e pode ser influenciada por fatores culturais, individuais e sociais.

Além disso, alguns estudos recentes sugerem que a beleza também pode estar relacionada à saúde e à simetria facial, uma vez que essas características podem ser indicativas de boa genética e baixo nível de exposição a doenças. No entanto, é importante lembrar que a beleza não deve ser confundida com saúde e que a aparência física não é o único fator que determina a saúde de uma pessoa.

Em resumo, a definição médica de "beleza" pode ser vista como uma combinação harmoniosa de características físicas que são agradáveis à vista, mas é importante lembrar que a percepção de beleza é altamente subjetiva e pode ser influenciada por muitos fatores diferentes.

Em Odontologia, a expressão "extrusão ortodôntica" refere-se a um tipo específico de movimento dentário realizado durante o tratamento ortodôntico. Consiste em deslocar um dente ou grupos de dentes para fora da linha de mordida, aumentando sua exposição no ambiente oral e promovendo alterações na relação interoclusal (entre maxila e mandíbula).

Esse processo é geralmente empregado em situações clínicas como:

1. Correção de dentes superiores ou inferiores excessivamente impactados ou inclinados;
2. Tratamento de diastemas (espaços entre dentes);
3. Melhoria da estética facial alterando a posição dos dentes;
4. Ajuste da relação interoclusal em casos de sobremordidas ou submordidas.

A extrusão ortodôntica pode ser realizada com diferentes tipos de aparelhos, tais como alinhadores transparentes (como Invisalign), dispositivos fixos (como brackets e arcos) ou acessórios removíveis. O processo envolve aplicação gradual de forças sobre o dente deslocado, estimulando o osso alveolar a se remodelar e permitindo que o dente se mova na direção desejada.

Embora a extrusão ortodôntica seja um procedimento seguro quando realizado por profissionais qualificados, é importante lembrar que cada caso clínico é único e requer uma avaliação cuidadosa antes do início do tratamento. Possíveis complicações incluem alterações na sensibilidade dentária, desequilíbrios no periodonto (tecido de suporte do dente) ou no sorriso, e mudanças na função masticatória. Portanto, é fundamental que o paciente seja informado sobre os benefícios e riscos associados ao procedimento antes de tomar uma decisão.

'Enciclopedias as a Subject' não é uma definição médica em si, mas sim um tema ou assunto relacionado ao campo das enciclopédias e referências gerais. No entanto, em um sentido mais amplo, podemos dizer que esta área se concentra no estudo e catalogação de conhecimento geral contido em diferentes enciclopédias, cobrindo uma variedade de tópicos, incluindo ciências médicas e saúde.

Uma definição médica relevante para este assunto seria 'Medical Encyclopedias', que se referem a enciclopédias especializadas no campo da medicina e saúde. Essas obras de referência contêm artigos detalhados sobre diferentes aspectos da medicina, como doenças, procedimentos diagnósticos, tratamentos, termos médicos, anatomia humana, história da medicina, e biografias de profissionais médicos importantes. Algumas enciclopédias médicas são direcionadas a um público especializado, como médicos e estudantes de medicina, enquanto outras são destinadas ao grande público leigo interessado em conhecimentos sobre saúde e cuidados médicos.

Exemplos notáveis de enciclopédias médicas incluem a 'Encyclopedia of Medical Devices and Instrumentation', 'The Merck Manual of Diagnosis and Therapy', ' tabulae anatomicae' de Vesalius, e a 'Gray's Anatomy'. Essas obras desempenharam um papel importante no avanço do conhecimento médico, fornecendo uma base sólida para o estudo e prática da medicina.

MedlinePlus é um serviço de informações de saúde online oferecido gratuitamente pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos. Ele fornece informações confiáveis e imparciais sobre condições de saúde, sintomas, diagnósticos, tratamentos, ensaios clínicos, intervenções de saúde, medicamentos, produtos naturais e suplementos, novidades em saúde, assuntos relacionados a saúde da criança, saúde do idoso, saúde das mulheres e outros tópicos relevantes.

MedlinePlus é uma fonte confiável de informação sobre saúde porque seus conteúdos são revisados por especialistas em saúde e baseados em evidências científicas sólidas. Além disso, o serviço está disponível em vários idiomas, incluindo inglês e espanhol, e pode ser acessado gratuitamente via internet ou por meio de dispositivos móveis.

MedlinePlus também fornece acesso a recursos adicionais, como enciclopédias médicas, dicionários de termos médicos, gráficos anatômicos, vídeos educacionais e ferramentas interativas para ajudar os usuários a entender melhor sua saúde e tomar decisões informadas sobre seu cuidado.

A arcada osso-dentária refere-se à estrutura óssea que sustenta os dentes no maxilar superior e mandíbula. Consiste em uma série de processos alveolares, que são projeções da maxila e mandíbula, contendo sockets ou alvéolos dos dentes. Cada socket é revestido por tecido conjuntivo e gengiva, e dentro deles estão inseridos os dentes através de suas raízes.

A arcada osso-dentária é uma parte importante do sistema masticatório humano, pois permite a mastigação e a fala adequadas. Além disso, ela também desempenha um papel essencial na estética facial, pois ajuda a manter a forma e o contorno dos lábios e da face.

A perda de dentes pode resultar em uma alteração na arcada osso-dentária, com a reabsorção do osso alveolar e a remodelação do maxilar ou mandíbula. Isso pode afetar negativamente a função masticatória, a fala e a estética facial. Portanto, é importante manter uma boa saúde bucal e procurar tratamento odontológico oportuno para prevenir a perda de dentes e preservar a arcada osso-dentária.

As "Doenças Labiais" geralmente se referem a condições médicas que afetam as pequenas dobras de tecido (labias menores) e/ou as maiores (labias maiores) que protegem a abertura da vagina. Existem várias doenças e condições que podem afetar essa região, incluindo:

1. Vaginite: inflamação da vagina que pode se espalhar para as labias. Pode ser causada por infecções (como candidíase ou bacteriana), reações alérgicas ou irritantes, ou falta de estrógeno (atrofia vulvar).

2. Vulvite: inflamação da região externa dos genitais femininos, incluindo as labias. Pode ser causada por infecções, má higiene, reações alérgicas ou irritantes, ou diabetes não controlada.

3. Dermatoses: condições da pele que podem afetar as labias, como psoríase, eczema, liquen sclerosus ou lichen planus.

4. Doenças sexualmente transmissíveis (DSTs): algumas DSTs, como a clamídia, gonorreia ou herpes genital, podem causar lesões ou inflamação nas labias.

5. Câncer: é relativamente raro, mas o câncer vulvar pode se manifestar em forma de lesões ou úlceras nas labias.

6. Outras condições: outras doenças e condições, como a doença inflamatória pélvica (PID), endometriose ou quistos vulvares, também podem apresentar sintomas nas labias.

É importante consultar um profissional de saúde se houver qualquer sinal ou sintoma de doença nos genitais, como dor, coceira, vermelhidão, inchaço, lesões, secreção ou sangramento anormal. A maioria das condições é tratável e muitas podem ser prevenidas com cuidados adequados da saúde sexual e reprodutiva.

A Informação de Saúde ao Consumidor (Consumer Health Information, em inglês) refere-se a comunicações de saúde claras, confiáveis e baseadas em evidências, que estão disponíveis e acessíveis ao público em geral. Ela é projetada para ajudar as pessoas a tomar decisões informadas sobre sua saúde e cuidados de saúde, através do fornecimento de conteúdo educacional e informativo sobre uma variedade de tópicos relacionados à saúde.

A informação de saúde ao consumidor pode incluir dados sobre doenças e condições de saúde, estilos de vida saudáveis, opções de tratamento, cuidados preventivos, serviços de saúde e outras questões relacionadas à saúde. Ela pode ser fornecida em diferentes formatos e mídias, como folhetos, livretos, sites da web, aplicativos móveis, cartazes, programas de rádio e televisão, entre outros.

É importante que a informação de saúde ao consumidor seja credível, objetiva, clara e culturalmente adequada, para garantir que ela seja compreendida e utilizada adequadamente pelos indivíduos. Além disso, é recomendável que a informação se baseie em evidências científicas sólidas e seja revisada por especialistas em saúde antes de ser divulgada ao público.