A proteína de ligação a androgênios, frequentemente abreviada como ABP (do inglês Androgen Binding Protein), refere-se a uma proteína que se liga especificamente aos androgênios, tais como a testosterona e o di-hidrotestosterona. Estas hormonas sexuais masculinas desempenham um papel importante no desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos. A proteína de ligação a androgênios é secretada principalmente pelos túbulos seminíferos no testículo e tem como função transportar e modular a atividade dos androgênios no organismo.

A ligação da testosterona e do di-hidrotestosterona à proteína de ligação a androgênios impede que essas hormonas sejam rapidamente metabolizadas e eliminadas, prolongando assim seu tempo de ação no corpo. Além disso, a forma ligada dos androgênios pode ser transportada para outras partes do corpo, onde é liberada e exerce seus efeitos biológicos.

A pesquisa sobre as proteínas de ligação a androgênios continua a ser um campo ativo de estudo, com potencial para contribuir para uma melhor compreensão dos mecanismos hormonais envolvidos no desenvolvimento e na progressão de várias condições clínicas, incluindo o câncer de próstata.

Dihidrotestosterona (DHT) é uma androgeno hormonal que é produzido a partir de testosterona pela ação da enzima 5-alfa-redutase. Embora a DHT seja sexualmente inativa, ela desempenha um papel importante no desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos.

A DHT é particularmente importante durante o desenvolvimento fetal, onde ela desempenha um papel crucial no desenvolvimento dos órgãos genitais masculinos. Em adultos, a DHT é responsável pelo crescimento e manutenção da barba e do cabelo corporal, além de contribuir para o desenvolvimento da massa muscular e da densidade óssea.

No entanto, um excesso de DHT pode levar a problemas de saúde, como a calvície masculina e a hiperplasia prostática benigna (HPB). A DHT também tem sido associada ao câncer de próstata, embora sua relação exata com a doença ainda não seja completamente compreendida.

Em resumo, a dihidrotestosterona é um androgeno importante que desempenha um papel crucial no desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos, mas um excesso de DHT pode levar a problemas de saúde.

As células de Sertoli, também conhecidas como células nupeais ou células sustentaculares de Sertoli, são um tipo especializado de células presentes nos túbulos seminíferos dos testículos de mamíferos. Elas desempenham um papel crucial na formação e manutenção do ambiente pró-spermatogênico no interior dos testículos, fornecendo suporte físico e nutricional aos espermatogônios (células germinativas masculinas) durante o processo de espermatogênese (a formação de espermatozoides).

Algumas das funções importantes das células de Sertoli incluem:

1. Formar a barreira hemato-testicular: As células de Sertoli formam uma barreira semipermeável entre o sangue e os túbulos seminíferos, impedindo que antígenos do sistema imune entrem em contato com as células germinativas e causem danos a elas.
2. Fornecer suporte físico e nutricional: As células de Sertoli envolvem e sustentam os espermatogônios, fornecendo-lhes nutrientes essenciais e ajudando na sua proteção contra estressores ambientais.
3. Secreção de hormônios e fatores de crescimento: As células de Sertoli secretam diversos hormônios e fatores de crescimento, como a inhibina, a activina e o androgênio-bindente, que desempenham papéis importantes no controle da espermatogênese, da diferenciação sexual e do desenvolvimento dos caracteres sexuais secundários.
4. Fagocitose de células mortas: As células de Sertoli também são responsáveis pela fagocitose de células germinativas mortas ou danificadas durante o processo de espermatogênese, ajudando a manter um ambiente saudável no testículo.
5. Participação no processo de meiose: As células de Sertula desempenham um papel importante na regulação do processo de meiose dos espermatogônios, garantindo a formação correta dos gametas masculinos.

O epidídimo é um órgão sexualmente reproduzivo em homens que está localizado na parte superior e traseira do testículo. Ele tem a forma e tamanho aproximado de um tubo fino, com cerca de seis metros de comprimento, mas enrolado em uma estrutura compacta. O epidídimo é responsável por armazenar e maturar os espermatozoides produzidos nos testículos antes que eles sejam liberados durante a ejaculação.

A função principal do epidídimo é receber os espermatozoides imaturos dos túbulos seminíferos dos testículos e fornecer um ambiente adequado para sua maturação e motilidade. Durante esse processo, os espermatozoides são transportados ao longo do epidídimo por meio de batimentos de cílios e musculatura lisa, o que leva cerca de uma semana. Ao final desse processo, os espermatozoides estão totalmente desenvolvidos e aptos para a fertilização.

Além disso, o epidídimo também produz e secreta fluidos que compõem o líquido seminal, o qual protege e nutre os espermatozoides durante sua jornada através do trato reprodutivo feminino. Lesões ou infecções no epidídimo podem causar dor, inflamação (epididimite) e infertilidade em homens.

Testículo: É um órgão par, alongado e ovoide localizado no escroto nos homens e nos mamíferos machos. Cada testículo mede aproximadamente 4-5 cm de comprimento, 2,5 cm de largura e 3 cm de espessura. Eles descem do abdômen para o escroto durante o desenvolvimento fetal.

Os testículos têm duas funções principais:

1. Produzirem espermatozoides, os quais são células reprodutivas masculinas necessárias para a fertilização do óvulo feminino.
2. Secretarem hormônios sexuais masculinos, como a testosterona e outros andrógenos, que desempenham um papel crucial no desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos, como o crescimento do pênis e escroto, a queda da voz, o crescimento de pelos faciais e corporais, e o aumento da massa muscular.

Os testículos são revestidos por uma membrana fibrosa chamada túnica albugínea e contêm lobulos separados por septos conectivos. Cada lobulo contém de 1 a 4 túbulos seminíferos, onde os espermatozoides são produzidos através do processo de espermatogênese. Entre os túbulos seminíferos há tecido intersticial que contém células de Leydig, as quais secretam hormônios androgénicos.

Além disso, os testículos são sensíveis à temperatura e funcionam idealmente a aproximadamente 2-4 graus Celsius abaixo da temperatura corporal central. Para manter essa temperatura ideal, o escroto fornece um ambiente termorregulado através do músculo cremaster e da dartos, que ajudam a manter os testículos em contato com o ar fresco ou para retraí-los mais perto do corpo quando estiver frio.

A globulina de ligação a hormônio sexual (SHBG) é uma proteína plasmática produzida principalmente no fígado. Sua função primária é regular a disponibilidade e transporte dos hormônios sexuais, como testosterona e estradiol, no corpo. A SHBG se liga de forma reversível a esses hormônios, reduzindo sua biodisponibilidade e influenciando assim sua atividade biológica. O nível de SHBG pode ser medido em sangue e sua variação pode indicar diferentes condições clínicas, como desequilíbrios hormonais ou doenças hepáticas.

De acordo com a literatura médica e zoológica, "Phodopus" é um gênero de roedores da família Cricetidae, que inclui os hamsters siberianos e hamsters Campbell. Esses hamsters são originários das regiões da Sibéria e do norte da China. Eles são pequenos em tamanho, com um comprimento corporal de aproximadamente 8 a 10 centímetros e pesando entre 20 a 40 gramas.

Os hamsters Phodopus são animais noturnos, passando a maior parte do dia em suas tocas subterrâneas e saindo à noite para se alimentar. Eles têm uma dieta onívora, comendo uma variedade de sementes, frutas, vegetais e insetos.

Em termos de comportamento, os hamsters Phodopus são solitários e territoriais, marcando seu território com urina e secreções glandulares. Eles podem ser agressivos uns com os outros se colocados em uma mesma gaiola, especialmente entre machos.

Na medicina veterinária, é importante conhecer as características do gênero Phodopus, pois eles são frequentemente mantidos como animais de estimação e podem desenvolver várias condições de saúde, incluindo infecções respiratórias, problemas dentários e tumores. Além disso, é essencial fornecer um ambiente adequado para eles, com uma gaiola suficientemente grande, rochas para esconder e rastejar, e uma dieta equilibrada.

Espermatogénese é um processo complexo e fundamental na reprodução humana que ocorre nos tubuli séminiferos dos testículos. Ele refere-se à formação e maturação de espermatozoides, as células reprodutivas masculinas ou os gametas haplóides.

Este processo começa com as espermatogônias, que são células indiferenciadas alongadas presentes na camada basal do tubulo seminífero. Essas células sofrem mitose e se dividem em duas categorias: as espermatogônias A, que continuam a se dividir e formam um reservatório de células-tronco, e as espermatogônias B, que iniciam o processo de espermatogénese propriamente dito.

As espermatogônias B sofrem uma divisão meiótica em dois estágios: a primeira divisão meiótica (meiose I) e a segunda divisão meiótica (meiose II). Durante a meiose I, ocorre um processo chamado crossing-over, no qual os cromossomos homólogos trocam material genético, resultando em recombinação genética. Isso gera variação genética entre os espermatozoides e aumenta a diversidade genética da espécie. Após a meiose I, cada célula resultante, chamada de espermatócito I, contém metade do número original de cromossomos (23 no total).

Na segunda divisão meiótica (meiose II), os espermatócitos I sofrem outra divisão celular, gerando quatro células haplóides chamadas de espermatídeos. Cada espermatídeo contém apenas 23 cromossomos e é geneticamente único devido à recombinação genética ocorrida durante a meiose I.

Os espermatídeos sofrem uma série de modificações citoplasmáticas, incluindo a formação do flagelo, que é essencial para a mobilidade dos espermatozoides. Essas células modificadas são chamadas de espermatozoides e são as células reprodutivas masculinas maduras. Eles são transportados pelos ductos do sistema reprodutivo masculino até o local da fecundação, onde podem se unir a um óvulo para formar um zigoto e iniciar o desenvolvimento embrionário.

Em resumo, a espermatogênese é o processo complexo de produção dos espermatozoides, envolvendo mitose, meiose e modificações citoplasmáticas. A meiose desempenha um papel fundamental nesse processo, pois gera células geneticamente únicas com metade do número normal de cromossomos, aumentando a diversidade genética da espécie.

Testosterona é uma hormona esteroide androgênica produzida principalmente no corpo de homens nos testículos, mas também em pequenas quantidades nas ovários e glândulas suprarrenais das mulheres. É considerada a hormona sexual mais importante em homens e desempenha um papel crucial no desenvolvimento dos órgãos reprodutivos masculinos e secundárias sexuais, como crescimento de barba, voz profunda e massa muscular aumentada.

A testosterona também tem funções importantes na regulação do desejo sexual, produção de esperma, densidade óssea, distribuição de gordura corporal, humor e estado de alerta mental. Em mulheres, a testosterona contribui para o libido, estado de humor, força muscular e densidade óssea.

A produção de testosterona é controlada pelo eixo hipotálamo-hipófise-gonadal. O hipotálamo libera hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH), que estimula a glândula pituitária a libertar hormônio luteinizante (LH) e hormônio folículo-estimulante (FSH). O LH atua sobre os testículos para produzir e libertar testosterona. Os níveis de testosterona são mantidos em equilíbrio por um mecanismo de retroalimentação negativa, no qual a elevada concentração de testosterona no sangue suprime a libertação do GnRH e LH.

Os baixos níveis de testosterona podem causar sintomas como diminuição da libido, disfunção erétil, osteoporose, depressão e alterações na massa muscular e gordura corporal em homens. Em mulheres, os baixos níveis de testosterona podem causar sintomas como diminuição do libido, disfunção sexual e osteoporose. Os altos níveis de testosterona em mulheres podem causar hirsutismo, acne e alterações menstruais.

Androgênio é um termo usado em medicina e biologia para se referir a hormônios esteroides sexuais que estimulam ou controlam o desenvolvimento e manutenção das características masculinas. O mais conhecido e importante androgênio é a testosterona, que é produzida principalmente nos testículos de homens, mas também em menores quantidades nas ovários e glândulas suprarrenais de mulheres.

Os androgênios desempenham um papel crucial no desenvolvimento dos órgãos reprodutivos masculinos durante a embriogênese e na puberdade, incluindo o crescimento do pênis, escroto e testículos, bem como a mudança da voz, crescimento de pelos faciais e corporais, e aumento da massa muscular. Além disso, os androgênios também desempenham um papel importante na libido, função sexual e saúde óssea em homens e mulheres.

Em certas condições médicas, como o câncer de próstata avançado ou a hiperplasia prostática benigna, os androgênios podem ser bloqueados ou reduzidos para aliviar os sintomas e controlar a doença. No entanto, é importante notar que um nível adequado de androgênios é necessário para manter a saúde e o bem-estar em ambos os sexos.

O hormônio foliculoestimulante (FSH) é um tipo de hormônio gonadotrofina produzido e liberado pelas glândulas da hipófise anterior na glândula pituitária no cérebro. Ele desempenha um papel importante na regulação do sistema reprodutivo, especialmente no desenvolvimento e maturação dos óvulos nas mulheres e dos espermatozoides nos homens.

Na mulher, o FSH estimula o crescimento e a maturação de folículos ovarianos contendo óvulos imaturos em preparação para a ovulação. Além disso, o FSH também desempenha um papel na produção de estrogênio pelos folículos ovarianos maduros.

No homem, o FSH estimula a produção de espermatozoides nos testículos e também ajuda a manter a saúde dos testículos.

O nível de FSH pode ser medido por meio de um exame de sangue e pode ser usado como um marcador para ajudar a diagnosticar problemas de fertilidade ou outras condições relacionadas ao sistema reprodutivo.

Uma sequência de aminoácidos refere-se à ordem exata em que aminoácidos específicos estão ligados por ligações peptídicas para formar uma cadeia polipeptídica ou proteína. Existem 20 aminoácidos diferentes que podem ocorrer naturalmente nas sequências de proteínas, cada um com sua própria propriedade química distinta. A sequência exata dos aminoácidos em uma proteína é geneticamente determinada e desempenha um papel crucial na estrutura tridimensional, função e atividade biológica da proteína. Alterações na sequência de aminoácidos podem resultar em proteínas anormais ou não funcionais, o que pode contribuir para doenças humanas.

"Dados de sequência molecular" referem-se a informações sobre a ordem ou seqüência dos constituintes moleculares em uma molécula biológica específica, particularmente ácidos nucléicos (como DNA ou RNA) e proteínas. Esses dados são obtidos através de técnicas experimentais, como sequenciamento de DNA ou proteínas, e fornecem informações fundamentais sobre a estrutura, função e evolução das moléculas biológicas. A análise desses dados pode revelar padrões e características importantes, tais como genes, sítios de ligação regulatórios, domínios proteicos e motivos estruturais, que podem ser usados para fins de pesquisa científica, diagnóstico clínico ou desenvolvimento de biotecnologia.

A Síndrome de Resistência a Andrógenos (SRA) é um distúrbio hormonal bastante raro que ocorre principalmente em mulheres. Nesta síndrome, as células do corpo não respondem adequadamente aos andrógenos, hormônios sexuais masculinos que também estão presentes em menores quantidades no organismo feminino.

Esta resistência resulta em níveis elevados de andrógenos no sangue, o que pode levar a sintomas como hirsutismo (crescimento excessivo de pelos faciais e corporais), acne grave, queda de cabelo (calvície de padrão masculino) e irregularidades menstruais ou infertilidade. Em alguns casos, as mulheres com SRA podem também apresentar características masculinizadas adicionais, como uma voz mais grossa ou um aumento do músculo esquelético.

Embora a causa exata da SRA seja desconhecida, acredita-se que ela possa ser resultado de mutações genéticas herdadas. Geralmente, o diagnóstico é baseado em sinais e sintomas clínicos, bem como em exames laboratoriais para medir os níveis hormonais no sangue. O tratamento geralmente inclui terapias que visam reduzir os níveis de andrógenos ou bloquear seus efeitos no corpo.

Receptores androgénicos referem-se a proteínas específicas localizadas na membrana celular ou no citoplasma das células que se ligam a hormônios androgénicos, tais como a testosterona e di-hidrotestosterona (DHT). Essa ligação desencadeia uma cascata de eventos que resultam em alterações na expressão gênica e no metabolismo celular. Eles desempenham um papel crucial no desenvolvimento e manutenção dos caracteres sexuais secundários masculinos, como a barba, o crescimento do bigode, a voz profunda e a musculatura esquelética aumentada. Além disso, os receptores androgénicos estão envolvidos no processo de diferenciação sexual durante o desenvolvimento fetal. Distúrbios na atividade desses receptores podem levar a diversas condições clínicas, como a hiperplasia prostática benigna e o câncer de próstata no homem adulto.

'Enciclopedias as a Subject' não é uma definição médica em si, mas sim um tema ou assunto relacionado ao campo das enciclopédias e referências gerais. No entanto, em um sentido mais amplo, podemos dizer que esta área se concentra no estudo e catalogação de conhecimento geral contido em diferentes enciclopédias, cobrindo uma variedade de tópicos, incluindo ciências médicas e saúde.

Uma definição médica relevante para este assunto seria 'Medical Encyclopedias', que se referem a enciclopédias especializadas no campo da medicina e saúde. Essas obras de referência contêm artigos detalhados sobre diferentes aspectos da medicina, como doenças, procedimentos diagnósticos, tratamentos, termos médicos, anatomia humana, história da medicina, e biografias de profissionais médicos importantes. Algumas enciclopédias médicas são direcionadas a um público especializado, como médicos e estudantes de medicina, enquanto outras são destinadas ao grande público leigo interessado em conhecimentos sobre saúde e cuidados médicos.

Exemplos notáveis de enciclopédias médicas incluem a 'Encyclopedia of Medical Devices and Instrumentation', 'The Merck Manual of Diagnosis and Therapy', ' tabulae anatomicae' de Vesalius, e a 'Gray's Anatomy'. Essas obras desempenharam um papel importante no avanço do conhecimento médico, fornecendo uma base sólida para o estudo e prática da medicina.

Em termos médicos, a genitália masculina refere-se ao conjunto de órgãos reprodutivos e sexuais que constituem o sistema reprodutivo masculino. A genitália masculina inclui:

1. Pênis: É o órgão externo responsável pela micção (excreção de urina) e atua como um conduto para a ejaculação do sêmen durante o ato sexual. O pênis é composto por tecidos eréteis que se enchem de sangue, permitindo que ele aumente de tamanho e endureça durante a excitação sexual.

2. Escroto: É a bolsa de pele localizada abaixo do pênis, que abriga os testículos (órgãos responsáveis pela produção de esperma e hormônios sexuais masculinos). O escroto regula a temperatura dos testículos, mantendo-os ligeiramente aquecidos em relação à temperatura corporal interna.

3. Testículos: São os órgãos responsáveis pela produção de esperma e hormônios sexuais masculinos, como a testosterona. Cada testículo contém centenas de túbulos seminíferos, onde ocorre a formação dos espermatozoides.

4. Glândulas Accessórias: Incluem as glândulas bulbouretrais (glândulas de Cowper), próstata e vesículas seminais. Essas glândulas produzem líquidos que, juntamente com o esperma dos testículos, formam o sêmen. A glândula prostática é particularmente importante, pois produz um fluido alcalino que neutraliza a acidez da uretra e do meio ambiente vaginal, protegendo assim os espermatozoides durante a ejaculação.

5. Conceito de Genitália Masculina Interna: Além dos órgãos genitais externos mencionados acima, existem também órgãos genitais internos que desempenham um papel importante no sistema reprodutivo masculino. Esses órgãos incluem os epidídimos, dutos deferentes e vesículas seminais. O epidídimo é um longo tubo enrolado onde os espermatozoides são armazenados e amadurecem após sua produção nos túbulos seminíferos dos testículos. Os dutos deferentes conectam o epidídimo à uretra, transportando os espermatozoides durante a ejaculação. As vesículas seminais são glândulas que se localizam acima e atrás da bexiga urinária e secretam um líquido alcalino rico em proteínas que é misturado com o esperma para formar o sêmen.

Em resumo, a genitália masculina inclui os órgãos externos (pênis, escroto e testículos) e internos (epidídimos, dutos deferentes e vesículas seminais) que desempenham um papel fundamental no sistema reprodutivo masculino. Esses órgãos trabalham em conjunto para produzirem, armazenarem e transportarem os espermatozoides até a fêmea durante o ato sexual, além de secretar fluidos que compõem o sêmen necessário à reprodução.

Répteis são um grupo diversificado de vertebrados amniotas, o que significa que eles colocam ovos com cascas ou dão à luz filhotes vivos, dependendo da espécie. Eles são caracterizados por sua pele seca e coberta de escamas, que contém queratina, e por terem pulmões para respirar ar. Além disso, a maioria dos répteis é ectotérmica, o que significa que eles regulam sua temperatura corporal através do ambiente externo em vez de produzirem calor metabólico internamente.

Existem mais de 10.000 espécies de répteis conhecidas, incluindo tartarugas, crocodilos, tuataras, lagartos e serpentes. Embora sejam frequentemente associados a climas quentes, há répteis que vivem em uma variedade de habitats, desde desertos áridos até florestas úmidas e ambientes aquáticos.

Répteis desempenham um papel importante nos ecossistemas em todo o mundo, servindo como predadores e presas para outras espécies. Alguns répteis também têm importância econômica para os seres humanos, seja por sua pele, carne ou produtos derivados deles, como couros e óleos. No entanto, muitas espécies de répteis estão ameaçadas de extinção devido à perda de habitat, poluição, caça ilegal e mudanças climáticas.

Inibidores da Transcriptase Reversa (IDRs) são um tipo de medicamento antirretroviral usado no tratamento da infecção pelo vírus HIV. Eles funcionam impedindo que o vírus HIV transcrieba seu RNA em DNA, uma etapa essencial para a replicação do vírus dentro das células hospedeiras. Isso é feito através da inibição da enzima transcriptase reversa do HIV. A transcriptase reversa é responsável pela síntese de DNA a partir de RNA, um processo chamado reverse transcription.

Existem dois tipos principais de IDRs: os inibidores da non-nucleosídea da transcriptase reversa (INNTRs) e os inibidores da nucleosídea/nucleotídica da transcriptase reversa (INTIs). Os INNTRs se ligam à enzima transcriptase reversa em um sítio alostérico, o que causa alterações conformacionais na enzima e impede sua atividade. Já os INTIs competem com os substratos naturais da transcriptase reversa, incorporando-se ao DNA em crescimento e causando a terminação prematura da síntese de DNA.

Ao inibir a replicação do HIV, os IDRs ajudam a reduzir a carga viral no corpo, o que pode atrasar ou prevenir a progressão da infecção em AIDS. No entanto, eles geralmente não conseguem eliminar completamente o vírus do corpo e geralmente são usados em combinação com outros medicamentos antirretrovirais como parte de um regime de terapia antirretroviral altamente ativo (TARHA).