Os nervos torácicos referem-se a um conjunto de doze pares de nervos espinhais que emergem da coluna vertebral no tórax. Eles descem lateralmente e para frente através dos músculos intercostais, fornecendo inervação sensorial e motor a esses músculos e à pele do tórax e abdômen. Além disso, os nervos torácicos inferiores também desempenham um papel importante na inervação dos órgãos internos do tórax e abdômen, como o coração, pulmões e sistema digestivo. Qualquer lesão ou compressão dos nervos torácicos pode resultar em sintomas, como dor, entumecimento, fraqueza e perda de reflexos na área inervada.

Em anatomia, a escápula, também conhecida como o omoplata, é um osso plano e triangular localizado na parte superior e posterior da cavidade torácica. Ela serve como um ponto de inserção para vários músculos importantes que auxiliam no movimento do braço e da parte superior do tronco.

A escápula é formada por três processos (espinha, acrômio e coracoide) e uma superfície glenoidal, que se articula com a cabeça do úmero no ombro. A face posterior da escápula apresenta uma grande concavidade chamada fossa supraespinhosa, enquanto a face anterior possui a fossa infraspinhosa e a pequena fossa subescapular.

Lesões ou dores na escápula podem ser sintomas de várias condições médicas, como tendinite, bursite, fraturas ou disfunções musculoesqueléticas. Tratamento dessas condições pode envolver fisioterapia, terapia ocupacional, medicamentos e, em casos graves, cirurgia.

As síndromes de compressão nervosa são condições em que um nervo ou grupos de nervos estão sendo comprimidos, resultando em sinais e sintomas variados dependendo do local e da gravidade da compressão. Isso pode ocorrer devido a diversas causas, como tumores, edema, herniação de disco intervertebral, espessamento de ligamentos ou tendões, fratura óssea ou até mesmo por estilo de vida sedentário e posturas incorretas durante períodos prolongados.

A síndrome do túnel carpiano é um exemplo bem conhecido dessa condição, onde o nervo mediano é comprimido no pulso. Outras síndromes de compressão nervosa incluem a neuralgia occipital (compressão do nervo grande occipital), a radiculopatia cervical (compressão dos nervos raquidianos na região do pescoço) e a meralgia parestésica (compressão do nervo cutâneo femoral lateral no quadril).

Os sintomas mais comuns incluem dor, formigamento, entumecimento, fraqueza muscular e diminuição da sensibilidade na área inervada pelo nervo comprimido. O tratamento pode variar desde mudanças no estilo de vida e fisioterapia até medicamentos, injeções de corticosteroides ou cirurgia, dependendo da causa subjacente e da gravidade dos sintomas.

Ombro é a articulação entre a escápula (omoplata) e o úmero (osso do braço), que permite a movimentação do membro superior no espaço. Ela é composta por duas articulações principais: a glenoumeral, onde o úmero se articula com a cavidade glenoides da escápula, e a acromioclavicular, entre a clavícula (clavículas) e a apófise acromion da escápula.

A articulação glenoumeral é uma articulação sinovial, que possui uma cavidade articular revestida por cartilagem hialina em ambos os ossos. Ela é mantida estável por meio de ligamentos, músculos e a capsula articular, mas permite um amplo range de movimentos graças à sua forma côncava-convexa.

A articulação acromioclavicular, por outro lado, é uma articulação sinovial plana, com uma pequena cavidade articular e revestida por cartilagem hialina. Ela é responsável pela ligação entre a clavícula e a escápula, permitindo o movimento do membro superior na horizontal.

A combinação destas duas articulações permite uma grande variedade de movimentos no ombro, como flexão, extensão, abdução, adução, rotação interna e externa, e circundação. No entanto, essa mobilidade vem acompanhada de uma menor estabilidade, o que torna o ombro suscetível a lesões e doenças, como luxações, distensões, tendinite, bursite e artrose.

'Enciclopedias as a Subject' não é uma definição médica em si, mas sim um tema ou assunto relacionado ao campo das enciclopédias e referências gerais. No entanto, em um sentido mais amplo, podemos dizer que esta área se concentra no estudo e catalogação de conhecimento geral contido em diferentes enciclopédias, cobrindo uma variedade de tópicos, incluindo ciências médicas e saúde.

Uma definição médica relevante para este assunto seria 'Medical Encyclopedias', que se referem a enciclopédias especializadas no campo da medicina e saúde. Essas obras de referência contêm artigos detalhados sobre diferentes aspectos da medicina, como doenças, procedimentos diagnósticos, tratamentos, termos médicos, anatomia humana, história da medicina, e biografias de profissionais médicos importantes. Algumas enciclopédias médicas são direcionadas a um público especializado, como médicos e estudantes de medicina, enquanto outras são destinadas ao grande público leigo interessado em conhecimentos sobre saúde e cuidados médicos.

Exemplos notáveis de enciclopédias médicas incluem a 'Encyclopedia of Medical Devices and Instrumentation', 'The Merck Manual of Diagnosis and Therapy', ' tabulae anatomicae' de Vesalius, e a 'Gray's Anatomy'. Essas obras desempenharam um papel importante no avanço do conhecimento médico, fornecendo uma base sólida para o estudo e prática da medicina.

O Plexo Braquial é a rede complexa de nervos que originam a partir dos troncos superior, médio e inferior dos nervos espinhais cervicais (C5-T1) na região do pescoço. Esses nervos se entrecruzam e formam cordões nervosos que irrigam diferentes áreas anatômicas. O Plexo Braquial é responsável por fornecer inervação aos músculos da parte superior do braço, antebraço, ombro, escápula e peitoral, além de fornecer sensibilidade à pele destas regiões. Lesões no Plexo Braquial podem resultar em déficits neurológicos, como paralisia ou perda de sensibilidade nos membros superiores.

Em um contexto médico, "manutenção" geralmente se refere às ações ou procedimentos destinados a manter ou sustentar a integridade estrutural ou funcional de um órgão, tecido ou sistema corporal. Isso pode incluir medidas preventivas, como exercícios e dieta saudável, ou intervenções terapêuticas, como fisioterapia ou medicamentos, para manter a saúde e prevenir doenças ou desabilidades adicionais.

No contexto da assistência à vida, "manutenção" pode se referir ao processo de manter as funções vitais de uma pessoa, como fornecer oxigênio, nutrição e hidratação, especialmente em indivíduos que estão em coma ou em outro estado de inconsciência.

Em suma, a manutenção é um termo geral que se refere às ações tomadas para preservar ou sustentar a saúde e as funções corporais, e pode incluir uma variedade de abordagens preventivas e terapêuticas.

A vesícula biliar é um órgão em forma de saco localizado justamente abaixo do fígado, no quadrante superior direito do abdômen. Sua função primária é armazenar e concentrar a bile, um líquido produzido pelo fígado que auxilia na digestão de gorduras.

Quando ocorre a ingestão de alimentos, especialmente aqueles ricos em gordura, hormônios são liberados no corpo, o que leva ao relaxamento da musculatura lisa da vesícula biliar e à contração, resultando na liberação da bile concentrada no duodeno (a primeira parte do intestino delgado). Lá, a bile se mistura com os alimentos parcialmente digeridos, facilitando a digestão adicional dos lípidos (gorduras) e sua absorção.

A vesícula biliar é um órgão pequeno, geralmente medindo cerca de 7-10 centímetros de comprimento e 3 centímetros de diâmetro em adultos saudáveis. Embora não seja essencial para a vida, a vesícula biliar desempenha um papel importante no processo digestivo, particularmente na absorção de gorduras solúveis em lípidos e vitaminas lipossolúveis (como as vitaminas A, D, E e K).

Doenças relacionadas à vesícula biliar incluem colelitíase (pedras na vesícula), colecistite (inflamação da vesícula biliar) e doença de Crohn. O tratamento para essas condições pode variar desde mudanças no estilo de vida e dieta até a cirurgia, dependendo da gravidade e dos sintomas associados.

O nervo isquiático é o nervo espinhal mais longo e largo no corpo humano. Ele é formado pela união dos ramos anteriores dos nervos lombares L4 a S3 na região inferior da coluna vertebral. O nervo isquiático sai da coluna vertebral através do forame isquiático, localizado na parte inferior da pelve.

Ele é responsável por fornecer inervação motora aos músculos flexores da perna e dos pés, além de inervar sensorialmente a pele da parte posterior da coxa, toda a perna e o pé. O nervo isquiático pode ser afetado por compressões ou lesões, o que pode resultar em sintomas como dor, formigamento, entumecimento ou fraqueza nos músculos inervados por ele. A síndrome do nervo isquiático é um exemplo de uma condição que pode afetar esse nervo.

Brachial plexopathy, ou neuropathias do plexo braquial, refere-se a um grupo de condições que afetam o plexo braquial, uma rede complexa de nervos que fornece movimento e sensação para o membro superior. O plexo braquial é formado por nervos que se originam na medula espinhal na região do pescoço e descem pelo tórax até o membro superior.

A causa mais comum de brachial plexopathy é trauma, como lesões por acidentes de trânsito ou esforços excessivos durante o nascimento (paralisia do braço do bebê). Outras causas incluem compressão nervosa, inflamação, infecções, tumores e doenças sistêmicas como diabetes.

Os sintomas de brachial plexopathy podem variar dependendo da gravidade e localização da lesão. Eles podem incluir fraqueza ou paralisia dos músculos do braço, ombro ou mão, diminuição ou perda de sensibilidade na região do membro superior afetado, dor neuropática (que pode ser descrita como ardente, pulsátil ou elétrica) e formigueiro. Em casos graves, a plexopatia braquial pode causar atrofia muscular e perda funcional do membro superior.

O diagnóstico de brachial plexopathy geralmente é baseado em exames físicos, história clínica do paciente e estudos imagiológicos como ressonância magnética (RM) ou tomografia computadorizada (TC). Também podem ser realizados estudos eletromiográficos (EMG) e testes de condução nervosa (TCN) para avaliar a função dos nervos afetados. O tratamento depende da causa subjacente e pode incluir fisioterapia, medicamentos para alívio da dor e cirurgia em casos graves ou quando há compressão nervosa.

Os nervos periféricos referem-se a um sistema complexo e extenso de estruturas nervosas que se originam a partir da medula espinhal e do tronco encefálico e se estendem para fora do sistema nervoso central (SNC) até todos os tecidos e órgãos periféricos do corpo. Eles transmitem informações sensoriais, como toque, dor, temperatura e posição, dos órgãos periféricos para o SNC, e também conduzem as respostas motoras e autonomicas do SNC para os músculos e glândulas periféricas.

Os nervos periféricos são geralmente agrupados em dois tipos: nervos aferentes (sensitivos) e nervos eferentes (motores). Os nervos aferentes transmitem informações sensoriais dos órgãos periféricos para o SNC, enquanto os nervos eferentes conduzem as respostas motoras do SNC para os músculos esqueléticos e glândulas.

Os nervos periféricos são vulneráveis a várias condições patológicas, como neuropatias diabéticas, compressões nervosas, intoxicações e infecções, que podem causar sintomas variados, como dor, formigueiro, fraqueza muscular e perda de sensibilidade.