"Juniperus" é um género botânico que inclui várias espécies de arbustos e árvores perenes, conhecidas como zimbros. A resina e os frutos (galhos lenhosos) de algumas destas espécies são utilizados em medicina fitoterápica para tratar diversas condições de saúde.

Os óleos essenciais extraídos dos ramos e galhos do zimbro-comum (Juniperus communis) têm propriedades antissépticas, anti-inflamatórias e diuréticas. São utilizados no tratamento de infecções urinárias, reumatismo, artrite e outras inflamações.

Além disso, o zimbro-da-virgínia (Juniperus virginiana) é usado na medicina tradicional para tratar problemas respiratórios, doenças de pele e problemas digestivos. No entanto, é importante ressaltar que o uso excessivo ou inadequado dos óleos essenciais de zimbro pode ser tóxico e provocar danos renais e hepáticos.

Por isso, antes de utilizar qualquer remédio fitoterápico baseado em zimbro, é aconselhável consultar um profissional de saúde qualificado para obter orientação sobre a dose adequada e as possíveis interações com outros medicamentos.

Coniferophyta é um termo taxonômico que historicamente era usado para se referir a uma divisão ou phylum de plantas que inclui as coníferas modernas, como pinheiros, abetos e ciprestes. No entanto, este grupo tem sido reclassificado com base em estudos filogenéticos recentes e atualmente é considerado parte da classe Pinopsida, no clado das pinófitas (Pinophyta), dentro do reino Plantae.

As coníferas são gimnospérmicas, ou seja, plantas vasculares que possuem sementes nuas, sem envoltório protetor. Elas são predominantemente árvores perenes com folhas simples e alongadas, chamadas agulhas, embora algumas espécies tenham folhas achatadas e escamosas. As coníferas produzem cones como órgãos reprodutivos, nos quais se encontram as sementes.

Apesar de não ser mais um termo taxonômico amplamente utilizado, Coniferophyta ainda pode ser encontrado em algumas literaturas e fontes didáticas mais antigas como uma maneira simplificada de se referir às coníferas.