Em termos médicos, o termo "irrigação agrícola" não é amplamente utilizado. No entanto, em um contexto mais amplo, a irrigação agrícola refere-se ao processo de fornecer deliberadamente ou artificialmente água adicional às plantas cultivadas em terrenos agrícolas além da água que elas recebem naturalmente através da chuva.

Este processo é geralmente implementado para apoiar a agricultura em regiões com baixas precipitações pluviais ou em épocas do ano em que as chuvas são insuficientes para atender às necessidades de água das culturas. A irrigação agrícola pode ser realizada por meio de diferentes métodos, tais como aspergido, gotejamento, inundação e micro-irrigação, dependendo das características do solo, da topografia e dos recursos hídricos disponíveis.

A prática da irrigação agrícola pode trazer benefícios significativos à produção agrícola, aumentando o rendimento e a fiabilidade dos cultivos, permitindo a diversificação das culturas e estendendo a temporada de crescimento. No entanto, também há desafios e impactos ambientais associados à irrigação agrícola, como o uso excessivo de água, a salinização do solo, a diminuição dos níveis de água subterrânea e a degradação da qualidade da água. Portanto, é importante gerenciar adequadamente os sistemas de irrigação agrícola para maximizar seus benefícios e minimizar seus impactos negativos.

Em termos médicos, "irrigação terapêutica" refere-se a um procedimento no qual uma solução estéril ou outro líquido é introduzida e fluída através de uma cavidade corporal ou canal natural, com o objetivo de promover a limpeza, aliviar a irritação ou estimular a cura de uma lesão ou infecção. A solução utilizada pode conter medicamentos, como antibióticos ou anestésicos, para proporcionar um efeito terapêutico adicional.

Existem diferentes tipos de irrigação terapêutica, dependendo da região do corpo em que é realizada. Por exemplo:

1. Irrigação nasal: Consiste em lavar as fossas nasais com uma solução salina isotônica para aliviar os sintomas de congestão nasal, alérgias ou infecções respiratórias superiores.
2. Irrigação ocular: É um procedimento no qual uma solução estéril é aplicada no olho para limpar e desinfetar a conjuntiva, geralmente indicado em casos de conjunctivitis ou outras infecções oculares.
3. Irrigação vesical: Consiste em introduzir uma solução estéril na bexiga através dum cateter para promover a limpeza e reduzir a possibilidade de infecção, especialmente após cirurgias urológicas ou quando há sintomas de infecções do trato urinário recorrentes.
4. Irrigação intestinal: Também conhecida como enteroclismas, é um procedimento no qual uma solução isotônica ou hipotônica é introduzida no reto através dum tubo flexível para promover a limpeza do intestino e facilitar o diagnóstico de doenças gastrointestinais.
5. Irrigação articular: É um procedimento no qual uma solução estéril é injetada em uma articulação inflamada para reduzir a dor, promover a mobilidade e ajudar no processo de cura.

Em geral, as irrigations são indicadas quando há necessidade de limpar ou desinfetar uma região específica do corpo, especialmente em casos de infecções ou inflamações. É importante seguir as orientações médicas antes e após a realização das irrigations para garantir sua eficácia e segurança.

Os irrigantes do canal radicular são soluções líquidas utilizadas na endodontia, que é a especialidade da odontologia que trata dos tecidos internos dos dentes. O objetivo principal dessas soluções é desinfetar e limpar o canal radicular durante os procedimentos de tratamento de canal, removendo tecidos necróticos, bactérias, detritos e outros materiais indesejados presentes no interior do dente.

Existem diferentes irrigantes radiculares disponíveis, mas os mais comuns são:

1. Clorexidina: É um antisséptico de amplo espectro que apresenta propriedades bactericidas e substantividade, o que significa que continua a ser eficaz contra microrganismos por um período prolongado. A clorexidina é frequentemente utilizada em concentrações entre 0,12% e 2%, dependendo da fase do tratamento.

2. Água oxigenada: É uma solução antisséptica e oxidante que age contra microrganismos e ajuda a dissolver tecidos orgânicos. A concentração usual de água oxigenada utilizada em endodontia é de 2,5% à 5,25%.

3. Ácido EDTA (ácido etilendiaminotetraacético): É um agente quelante que remove o cálcio dos depósitos minerais presentes no canal radicular, promovendo a desmineralização e facilitando a remoção do tecido dental necrótico. A concentração usual de ácido EDTA é de 15% à 17%.

4. Hipoclorito de sódio: É uma solução altamente bactericida, frequentemente utilizada em concentrações entre 2,5% e 5,25%. No entanto, seu uso excessivo pode causar danos ao tecido periapical e à raiz do dente.

5. Clorexidina: É um antisséptico de amplo espectro que inibe o crescimento bacteriano e é frequentemente utilizado em concentrações entre 0,12% e 2%. No entanto, seu uso em endodontia ainda não é bem estabelecido.

A combinação adequada desses irrigantes durante o tratamento endodôntico pode promover uma desinfecção mais eficaz do canal radicular, aumentando as chances de sucesso do tratamento.