O irídio é um elemento químico metálico, representado pelo símbolo "Ir" e número atômico 77. Na medicina, o uso do irídio é raro, mas às vezes é encontrado em alguns dispositivos médicos, como por exemplo, em alguns tipos de termopares usados em equipamentos médicos devido à sua alta temperatura de fusão e resistência à corrosão. No entanto, a exposição ao pó ou vapores de irídio pode causar irritação nos pulmões e olhos. Além disso, o irídio não tem um papel direto no tratamento ou diagnóstico médico.

Radioisótopos de Irídio referem-se a variantes isotópicas do irídio, um elemento químico com o símbolo "Ir" e número atômico 77. Enquanto que o irídio natural é composto por quatro isótopos estáveis, os radioisótopos de irídio são formados artificialmente através do processo de fissão nuclear ou por meio da exposição a radiação ionizante em um ciclotron ou reator nuclear.

Esses radioisótopos exibem diferentes números de massa, o que significa que possuem diferentes número de neutrons em seus núcleos. Alguns exemplos comuns incluem o Ir-192 e o Ir-194. Devido à sua alta densidade e estabilidade química, os radioisótopos de irídio são frequentemente utilizados em aplicações médicas, como no tratamento de câncer e na imagiologia médica.

No entanto, é importante ressaltar que o uso desses materiais radioativos requer cuidados especiais e treinamento adequado, visto que sua exposição pode resultar em danos à saúde humana, incluindo radiação ionizante que pode causar mutações genéticas, câncer ou outros efeitos adversos à saúde.

Hidrogenação é um processo em que gás hidrogênio (H2) é adicionado a uma substância, geralmente um óleo ou gordura insaturada, na presença de um catalisador, como níquel, platina ou paládio. Isso resulta na saturação dos dois carbonos da dupla ligação, convertendo-os em ligações simples e aumentando a ponto de fusão do produto final.

No contexto médico, a hidrogenação é frequentemente mencionada em relação às gorduras trans. As gorduras insaturadas naturais presentes em óleos vegetais possuem geralmente configurações cis nas suas ligações duplas. No entanto, quando esses óleos são hidrogenados parcialmente para aumentar sua estabilidade e ponto de fervura, as ligações duplas podem ser convertidas em configurações trans indesejáveis. Essas gorduras trans têm sido associadas a um risco aumentado de doenças cardiovasculares e outras condições de saúde. Portanto, a hidrogenação parcial de óleos vegetais é frequentemente evitada em dietas saudáveis.

Compostos alílicos referem-se a um tipo específico de estrutura química encontrada em alguns compostos orgânicos. Eles são definidos como compostos que contêm um carbono sp³ hibridizado ligado a três outros átomos, geralmente dois átomos de carbono e um hidrogénio, formando um arranjo linear. Essa configuração é frequentemente encontrada em alcenos insaturados, como o alilbenzeno, e em alguns tipos de terpenos e compostos relacionados.

Os compostos alílicos são importantes em química orgânica devido à sua reatividade relativamente elevada em relação a outros grupos funcionais orgânicos. Eles desempenham um papel importante em muitas reações químicas, incluindo reações de hidrogenação, oxidação e reações catalisadas por metais de transição.

No contexto médico, os compostos alílicos podem ser encontrados em alguns medicamentos e compostos naturais com atividade farmacológica. Por exemplo, o álcool alílico, um composto alílico simples, é conhecido por sua atividade antibacteriana e antifúngica. Alguns terpenos e flavonoides, que contêm estruturas alílicas, também têm propriedades medicinais benéficas, como atividade anti-inflamatória, antioxidante e anticancerígena.

Na química, um complexo de coordenação é um tipo de composto formado quando uma molécula ou íon metálico (centro metálico) se liga a outras moléculas ou ions, chamados ligantes, por meio de interações de coordenação. Nessas interações, os elétrons do orbital d do metal formam pares de elétrons compartilhados com os orbitais moleculares dos ligantes. Isso resulta em uma estrutura molecular estável com uma geometria específica em torno do centro metálico.

A formulação geral de um complexo de coordenação é: M(ligandos)n, em que M representa o metal e n indica a quantidade de ligantes unidos ao metal central. A natureza e a geometria dos complexos de coordenação dependem do tamanho do íon metálico, da carga do metal, da natureza e número de ligantes, e das forças envolvidas no processo de formação do complexo.

Os complexos de coordenação desempenham um papel importante em diversas áreas da química, biologia e medicina, incluindo catálise enzimática, transporte de gases, química supramolecular e terapêuticas farmacológicas.

Em termos de astronomia e astrofísica, "planetas menores" é um termo genérico que se refere a objetos celestes que não se encaixam nas definições de planetas, mas que também não são considerados cometas ou asteroides. Esses corpos podem incluir objectos transneptunianos (como plutinos e twotinos), centauros, troianos e outros objetos que orbitam o Sol em caminhos mais distantes e excêntricos do que os planetas clássicos.

A União Astronômica Internacional (UAI) ainda não definiu um critério formal para classificar um objeto como "planeta menor", mas geralmente se refere a esses objetos com base em suas características orbitais e físicas. Por exemplo, os planetas menores tendem a ter órbitas mais irregulares e excêntricas do que os planetas maiores, e geralmente têm diâmetros menores do que aproximadamente 1000 km.

Embora sejam frequentemente referidos como "planetas menores", é importante notar que esses objetos podem variar amplamente em tamanho, composição e origem. Alguns deles podem ser grandes e rochosos, enquanto outros são pequenos e gelados. Além disso, alguns planetas menores podem ter satélites naturais ou anéis, o que os torna ainda mais semelhantes aos planetas maiores.

Em resumo, "planetas menores" é um termo genérico usado para se referir a uma variedade de objetos celestes que orbitam o Sol em trajetórias distantes e excêntricas, mas que não se encaixam nas definições de planetas ou asteroides.

Meteoroids são pequenos corpos sólidos que se originam no sistema solar. Eles variam em tamanho, desde partículas muito pequenas a fragmentos de rocha com cerca de 10 metros de diâmetro. Geralmente, eles são restos de asteroides ou cometas que circulam pelo espaço interestelar. Quando um meteoróide entra na atmosfera terrestre a velocidades elevadas (normalmente > 65.000 km/h), a fricção entre o ar e o objeto causa sua aquecimento rápido, produzindo uma trilha brilhante no céu conhecida como meteoro ou "estrela cadente". Se um meteoróide é grande o suficiente para sobreviver à passagem pela atmosfera e atingir a superfície terrestre, então ele é chamado de meteorito.

Em resumo, os meteoroides são pequenos objetos sólidos que orbitam o sol, e quando eles entram em contato com a atmosfera da Terra, eles se transformam em meteoros ou "estrelas cadentes".

As fosfinas, também conhecidas como fosfinas, são compostos organofosforados que contêm um átomo de fósforo com ligações simples a três grupos orgânicos ou à hidrogênio. Em outras palavras, as fosfinas apresentam a estrutura geral R3P (em que R representa um grupo orgânico, como um radical alquila ou arila) ou PHR3.

As fosfinas são análogas a aminas, com fósforo substituindo o nitrogênio. No entanto, diferentemente das aminas, as fosfinas apresentam propriedades fisico-químicas distintas e podem ser sintetizadas por meio de diversos métodos laboratoriais e industriais.

As fosfinas têm uma variedade de aplicações, incluindo sua utilização como ligantes em catálise homogênea, intermediários em síntese orgânica e reagentes em análises químicas. Além disso, as fosfinas também são encontradas naturalmente em alguns sistemas biológicos.

É importante ressaltar que algumas fosfinas apresentam toxicidade elevada e podem ser perigosas para a saúde humana e o ambiente. Por isso, é necessário manipulá-las com cuidado e seguir recomendações de segurança adequadas durante sua utilização em laboratórios ou indústrias.

Em termos médicos, "álcoois" se refere a um tipo específico de composto químico que contém um grupo funcional hidroxila (-OH) unido a um carbono saturado em uma cadeia de átomos de carbono. O mais simples e conhecido desses compostos é o etanol, que é o tipo de álcool encontrado em bebidas alcoólicas e é frequentemente referido apenas como "álcool".

No contexto dos efeitos sobre a saúde, o termo "álcool" geralmente se refere ao etanol consumido por meio de bebidas alcoólicas. O consumo excessivo de álcool pode levar a diversos problemas de saúde, incluindo dependência alcoólica, danos ao fígado, pancreatite, doenças cardiovasculares, transtornos mentais e neurológicos, e aumento do risco de acidentes e lesões.

É importante notar que o consumo de álcool deve ser feito com moderação e respeitando as recomendações de saúde pública, especialmente para grupos vulneráveis como mulheres grávidas, indivíduos com histórico de dependência alcoólica ou outras condições médicas pré-existentes.

Ródio é um elemento químico metálico, símbolo "Rh", número atômico 45 e massa atómica 102,90550. Pertence ao grupo do platina no período periódico. É um metal branco, lustre, duro, durável e resistente à corrosão, encontrado em minérios de platina.

No campo da medicina, o composto de ródio radioactivo, Rh-105, tem sido usado em pequenas quantidades como um marcador radiológico para estudar a circulação sanguínea e diagnóstico de doenças cardiovasculares. No entanto, o uso clínico desse composto é raro e limitado devido aos riscos associados à exposição à radiação.