PUVA é um tipo de terapia fotodinâmica que combina a administração de psoralens, um tipo de fármaco que aumenta a sensibilidade da pele à luz ultravioleta (UV), com a exposição controlada à luz UV de comprimento de onda específico. A palavra "PUVA" é derivada das iniciais dos componentes do tratamento: Psoralens + UVA (UltraVioleta A).

A terapia PUVA geralmente é usada para tratar condições da pele, como psoríase, vitiligo, eczema e micoses fungoide. O tratamento envolve a ingestão oral ou aplicação tópica de psoralens, seguida pela exposição controlada à luz UVA em uma cabine especialmente equipada para este fim. A exposição à luz é gradualmente aumentada ao longo do tempo, conforme o paciente tolera o tratamento.

A terapia PUVA pode causar efeitos colaterais, como vermelhidão, coceira, queimaduras solares e sensibilização da pele à luz solar. Além disso, o uso prolongado de psoralens aumenta o risco de desenvolver câncer de pele, especialmente se a exposição à luz UVA for excessiva ou inadequadamente controlada. Por isso, a terapia PUVA é geralmente recomendada apenas para casos graves e resistentes a outros tratamentos, e deve ser administrada sob a supervisão cuidadosa de um médico especialista em dermatologia.

A fotoferese é um procedimento terapêutico que envolve a exposição de sangue do paciente a luz de determinadas longitudes de onda, com o objetivo de alterar sua composição e propriedades. Geralmente, essa técnica é utilizada no tratamento de certas condições, como por exemplo, a eritropoiese extravascular acelerada em pacientes com doença hemolítica do recém-nascido ou deficiência de G6PD (glucose-6-fosfato desidrogenase).

Durante o processo, o sangue do paciente é retirado e passa por um aparelho especializado que contém uma câmara com diodos emissores de luz. A luz atua sobre os componentes do sangue, principalmente as hemácias (glóbulos vermelhos), levando à alteração de suas propriedades e/ou destruição dos elementos indesejados. O sangue tratado é então reinfundido ao paciente.

Existem diferentes tipos de fotoferese, como a fotoferese por extracorpórea de hemácias (EHC, do inglês Erythrocyte Hemagglutination Photopheresis) e a fotoferese por extracorpórea de leucócitos (ELH, do inglês Extracorporeal Photochemotherapy), que variam na sua abordagem e indicação terapêutica.

Em resumo, a fotoferese é um método médico especializado para tratar certas condições, envolvendo a exposição de sangue a luz com o objetivo de modificar sua composição e propriedades.

Metoxaleno é um composto que foi amplamente utilizado em medicina humana e veterinária como agente desintoxicante para intoxicação por barbitúricos. No entanto, seu uso clínico foi descontinuado devido aos efeitos colaterais graves, incluindo danos hepáticos e aumento do risco de câncer.

Em termos médicos, o metoxaleno pode ser definido como um derivado do benzaldeído com propriedades hipoglicemiantes e diuréticas. Foi usado no tratamento da diabetes insulino-dependente e da hipercalciúria, mas seu uso clínico foi descontinuado devido aos riscos associados.

É importante ressaltar que o metoxaleno não deve ser utilizado sem a supervisão médica adequada, devido aos seus efeitos colaterais graves e potencialmente perigosos.

A fotoquimioterapia é um tratamento médico combinado que envista a administração de drogas fotosensibilizantes, seguida da exposição à luz artificial. Esse tipo de terapia é frequentemente usada no tratamento de doenças dermatológicas, como o psoríase e o câncer de pele.

Quando a droga fotosensibilizante é absorvida pelas células cancerosas ou danificadas, ela se torna ativa quando exposta à luz específica. A luz ativa a reação química entre a droga e as células, levando à destruição das células danificadas ou cancerosas.

Existem dois tipos principais de fotoquimioterapia: a terapia PUVA e a terapia a laser. A terapia PUVA envolve o uso de psoralens, uma classe de drogas fotosensibilizantes, combinada com a exposição à luz UVA. Já a terapia a laser utiliza um feixe de luz laser para ativar a droga fotosensibilizante e destruir as células danificadas ou cancerosas.

Embora a fotoquimioterapia seja geralmente segura, ela pode causar efeitos colaterais, como vermelhidão, inchaço, coceira e sensibilidade à luz na pele. Em alguns casos, ela também pode aumentar o risco de desenvolver câncer de pele. Portanto, é importante que a fotoquimioterapia seja administrada por um médico qualificado e que as precauções adequadas sejam tomadas para minimizar os riscos associados ao tratamento.

Antralina é um medicamento antifúngico e anti-inflamatorio que se utiliza no tratamento de psoríase, uma doença da pele que causa lesões vermelhas e descamação. A antralina age reduzindo a proliferação de células da pele e modulando o sistema imunológico.

A forma mais comum de antralina é um pó que é misturado com vaselina ou creme para formar uma pasta, que é então aplicada diretamente sobre as lesões de psoríase. A dose e a duração do tratamento são geralmente individualizadas, dependendo da localização e gravidade das lesões.

Embora a antralina seja eficaz no tratamento de psoríase, ela pode causar irritação e manchas na pele, especialmente em concentrações mais altas ou com uso prolongado. Portanto, é importante seguir as instruções do médico cuidadosamente ao usar antralina.

Circulação Extracorpórea (CE) é um procedimento em que o sangue do paciente é direcionado para fora do corpo e passa por uma máquina de suporte cardiopulmonar (MSCP), que assume as funções de bombeamento cardíaco e troca gasosa pulmonar. Em seguida, o sangue oxigenado e adequadamente filtrado é devolvido ao corpo do paciente.

A CE é frequentemente usada durante cirurgias cardiovasculares complexas, como a substituição ou reparo de válvulas cardíacas, cirurgia à coração aberto e transplantes cardíacos. Também pode ser empregada em situações de parada cardiorrespiratória, quando é necessário manter a circulação sanguínea e a oxigenação dos tecidos enquanto se tentam corrigir as causas subjacentes da parada.

A máquina de suporte cardiopulmonar consiste em um oxigenador, que realiza a troca gasosa entre o sangue e o gás fresco; um sistema de bombeamento, que impulsiona o sangue através do circuito extracorpóreo; e um filtro, que remove qualquer coágulo ou detritos celulares presentes no sangue. Além disso, a temperatura do sangue pode ser controlada para fins terapêuticos, como na hipotermia terapêutica durante a cirurgia cardíaca.

Embora a CE seja um procedimento seguro e bem estabelecido, existem riscos associados, incluindo coagulação sanguínea, lesões nos tecidos e órgãos, reações alérgicas a componentes da máquina e complicações relacionadas à anestesia geral. No entanto, os benefícios da CE geralmente superam esses riscos em situações clínicas adequadas.

A terapia ultravioleta (UV) é um tratamento médico que utiliza luz ultravioleta para tratar uma variedade de condições de saúde. Existem dois tipos principais de terapia UV: a UVA e a UVB. A UVA tem uma comprimento de onda mais longo, enquanto a UVB tem uma comprimento de onda mais curto.

Na terapia UV, o paciente é exposto à luz ultravioleta em um ambiente controlado, geralmente em uma cabine especialmente equipada para este fim. A exposição à luz UV pode ajudar a reduzir a inflamação e a melhorar a capacidade do sistema imunológico de combater certas condições da pele, como a psoríase e a dermatite.

A terapia UV também é utilizada no tratamento de certainos tipos de icterícia em recém-nascidos, bem como no tratamento de doenças que afetam o sistema imunológico, como o lúpus eritematoso sistêmico.

É importante notar que a exposição excessiva à luz ultravioleta pode ser prejudicial e aumentar o risco de câncer de pele e outros problemas de saúde. Portanto, a terapia UV deve ser administrada sob a supervisão de um profissional de saúde qualificado que possa avaliar os benefícios e os riscos do tratamento e ajustar a dose de acordo com as necessidades individuais do paciente.

HematoPorphyrins são um tipo específico de porfirinas, que são moleculas complexas compostas por quatro unidades de pirroles unidas por ligações covalentes. As hematoporfirinas são encontradas naturalmente no corpo humano, particularmente no hemoglobina, a proteína responsável pelo transporte de oxigênio nos glóbulos vermelhos.

A hemoglobina contém quatro grupos hematoporfirina, cada um deles ligado a um átomo de ferro. Esses grupos hematoporfirina são responsáveis pela ligação e transporte do oxigênio nos pulmões para as células em todo o corpo. Além disso, as hematoporfirinas também desempenham um papel importante na fotossíntese artificial e no tratamento de alguns tipos de câncer através da fotodinâmica, um processo em que as células cancerosas são destruídas usando luz e substâncias químicas.

Fototerapia é um tratamento médico que utiliza luz artificial para tratar certas condições de saúde. A luz utilizada geralmente é uma luz branca com comprimento de onda específico, próximo a luz do sol, e normalmente entre 400-700 nanômetros.

Existem vários tipos de fototerapia, incluindo:

1. Fototerapia UV (ultravioleta): É usada principalmente para tratar doenças da pele, como psoríase e vitiligo. Ela utiliza raios ultravioleta A (UVA) ou B (UVB) para afetar as células da pele e modular o sistema imunológico.

2. Fototerapia de luz intensiva (ILP): Também conhecida como terapia de luz pulsada à ampla largura de banda (PLPB), é usada principalmente para tratar a psoríase moderada a grave. Ela utiliza raios UVA combinados com um medicamento fotossensibilizante, que torna a pele mais susceptível à luz.

3. Luminoterapia ou terapia da luz do dia: É usada principalmente para tratar distúrbios do humor sazonal (DHS) e depressão. Ela utiliza uma caixa de luz especial que emite luz branca com um comprimento de onda específico, semelhante à luz do sol, para afetar o ritmo circadiano e melhorar a produção de hormônios como a serotonina e a melatonina.

4. Fotodinâmica: É usada principalmente para tratar certos tipos de câncer de pele, como carcinomas basocelulares e espinocelulares. Ela utiliza uma substância fotossensibilizante que é aplicada na pele e, em seguida, ativada por luz laser ou luz LED para destruir as células cancerosas.

5. Terapia de baixa intensidade de laser (LILT): É usada principalmente para tratar dores musculoesqueléticas, feridas e inflamações. Ela utiliza um laser de baixa potência para estimular a produção de ATP e melhorar a circulação sanguínea, o que pode ajudar no processo de cura.

Em resumo, a terapia com luz é uma forma segura e eficaz de tratar várias condições de saúde, desde distúrbios do humor até câncer de pele. Existem diferentes tipos de terapias com luz, cada uma com seus próprios benefícios e indicações específicas. É importante consultar um profissional de saúde qualificado antes de iniciar qualquer tipo de tratamento com luz.

'Ficusina' não é um termo médico amplamente reconhecido ou utilizado em medicina humana ou veterinária. Parece ser uma palavra de origem latina que significa "pertencente a Fício" (um antigo escritor romano). Em um contexto microbiológico, 'Ficusina' pode referir-se a um gênero de bactérias que pertence à família Sinobacteraceae. No entanto, é uma área especializada e não se encontra entre os termos médicos mais comuns ou amplamente conhecidos.

Linfoma cutâneo de células T (LCTC) é um tipo raro de câncer que afeta os linfócitos T, um tipo de glóbulos brancos importantes para o sistema imunológico. Ele se desenvolve predominantemente na pele e geralmente ocorre em pessoas idosas, com uma média de idade de diagnósto em torno de 60 anos.

Existem dois subtipos principais de LCTC: linfoma cutâneo de células T do tipo centrofolicular (LCT-CF) e linfoma cutâneo de células T do tipo pleomórfico periférico (LCT-PP). O primeiro é o mais comum e geralmente tem um curso clínico indolente, enquanto o segundo é menos frequente e costuma ser mais agressivo.

Os sintomas do LCTC incluem lesões na pele, que podem aparecer como vermelhidão, inchaço, escoriações ou úlceras. Essas lesões geralmente afetam áreas expostas ao sol, como a face, o pescoço e as mãos. Além disso, os pacientes com LCTC podem apresentar sintomas sistêmicos, como febre, suores noturnos e perda de peso involuntária.

O diagnóstico do LCTC geralmente é estabelecido por meio de biópsia da lesão cutânea e análise imunofenotípica das células tumorais. O tratamento pode incluir radioterapia, quimioterapia, terapia dirigida ou combinações dessas abordagens, dependendo do subtipo de LCTC, da extensão da doença e da condição geral do paciente.

A psoríase é uma condição crónica da pele que provoca inflamação e a produção excesiva de células cutâneas. Isso resulta em patches vermelhas e escamosas, chamadas lesões, que podem ser desconfortáveis ou dolorosas. Também podem apresentar-se com coceira. A psoríase geralmente ocorre nas genitais, couro cabeludo, cotovelos, joelhos e costas, mas pode afetar outras partes do corpo.

Existem diferentes tipos de psoríase, incluindo a psoríase em placas (a forma mais comum), a psoríase gotosa (com lesões menores que surgem e desaparecem rapidamente), a psoríase inversa (que afeta as áreas do corpo onde a pele se toca ou fica frouxa, como as axilas, o baixo ventre e os lados da virilha) e a eritrodermia psoriática (uma forma rara e grave que causa vermelhidão generalizada e descamação da pele em grande escala).

A causa exata da psoríase é desconhecida, mas acredita-se que seja devido a uma combinação de fatores genéticos e ambientais. A doença tende a afetar homens e mulheres por igual. Embora não exista cura para a psoríase, há tratamentos disponíveis que podem ajudar a aliviar os sintomas e controlar a doença. Estes incluem cremes e unguentos tópicos, terapia de luz, medicamentos orais e injeções. É importante consultar um médico para obter o diagnóstico e tratamento adequados.

Os fármacos fotossensibilizantes são medicamentos que, quando absorvidos e expostos à luz, aumentam a sensibilidade da pele ou dos olhos à luz, podendo causar reações adversas como vermelhidão, coceira, formação de bolhas ou danos nos tecidos. Isso ocorre porque esses fáarmacos podem absorver energia da luz e transferi-la para moléculas de oxigênio, gerando espécies reativas de oxigênio que causam dano celular. Alguns exemplos comuns de fármacos fotossensibilizantes incluem antibióticos tetraciclinas, anti-inflamatórios não esteroides (AINEs) e alguns antidepressivos tricíclicos. É importante evitar a exposição ao sol ou à luz artificial intensa enquanto se estiver utilizando esses medicamentos e consultar um médico em caso de quaisquer sinais ou sintomas de fotossensibilidade.

A doença do enxerto contra hospedeiro (DEH) é um tipo de complicação que pode ocorrer após um transplante de órgão, tecido ou células. É uma resposta do sistema imunológico do receptor (hospedeiro) contra o tecido do enxerto (doador). A DEH pode causar danos aos tecidos do enxerto e, em casos graves, pode levar à perda do órgão transplantado.

Os sinais e sintomas da DEH podem incluir febre, rejeição do enxerto, aumento dos níveis de creatinina no sangue (um indicador de função renal), aumento dos níveis de enzimas hepáticas no sangue, diarreia, vômitos e dor abdominal. O tratamento da DEH geralmente inclui medicamentos imunossupressores para ajudar a suprimir a resposta do sistema imunológico do receptor contra o enxerto. Em casos graves, pode ser necessário realizar outro transplante.

A DEH é uma complicação importante a ser considerada em todo processo de transplante, e os médicos trabalham diligentemente para minimizar o risco dela ocorrer através do uso de medicamentos imunossupressores, seleção cuidadosa de doadores e receptores compatíveis, e monitoramento cuidadoso dos pacientes após o transplante.