Carlavirus é um gênero de vírus RNA simples, sem envelope, que infectam plantas. Os carlavírus têm um genoma monopartido e são transmitidos por insetos, como afídeos e pulgões. O nome "carlavirus" vem da abreviação do nome da planta hospedeira Carlonia baccatum (pimenta-do-jardim), na qual o primeiro membro desse gênero de vírus foi isolado.

Os carlavírus causam uma variedade de sintomas em plantas, incluindo manchas foliares, enrolamento e distorção das folhas, necrose e morte da planta. Alguns exemplos de doenças causadas por carlavírus são a doença dos brotos inchados do tabaco, a doença da mancha amarela da batata e a doença da mancha anular do tomateiro.

Os carlavírus pertencem à família Betaflexiviridae e são classificados com base em sua sequência de genoma e propriedades antigênicas. Eles têm um diâmetro de cerca de 12-15 nanômetros e uma forma alongada, geralmente com comprimento entre 600 e 800 nanômetros.

Embora os carlavírus não sejam considerados zoonóticos (capazes de infectar humanos ou animais), eles podem causar sérios danos às culturas agrícolas e às florestas, o que pode resultar em perdas econômicas significativas. Portanto, é importante entender a biologia dos carlavírus e desenvolver estratégias de controle adequadas para minimizar seus impactos negativos nas plantas.

"Dados de sequência molecular" referem-se a informações sobre a ordem ou seqüência dos constituintes moleculares em uma molécula biológica específica, particularmente ácidos nucléicos (como DNA ou RNA) e proteínas. Esses dados são obtidos através de técnicas experimentais, como sequenciamento de DNA ou proteínas, e fornecem informações fundamentais sobre a estrutura, função e evolução das moléculas biológicas. A análise desses dados pode revelar padrões e características importantes, tais como genes, sítios de ligação regulatórios, domínios proteicos e motivos estruturais, que podem ser usados para fins de pesquisa científica, diagnóstico clínico ou desenvolvimento de biotecnologia.