Anabolic steroids, also known as anabolic-androgenic steroids (AAS), are synthetic derivatives of the male hormone testosterone. They are often used in medical situations to help promote muscle growth and appetite, induce puberty in boys who have delayed onset of puberty, or treat certain types of anemia and wasting diseases.

However, anabolic steroids are also illegally used as performance-enhancing drugs by athletes, bodybuilders, and others looking to build muscle mass and improve physical performance. These uses are not approved by the Food and Drug Administration (FDA) and can have serious negative health consequences.

Anabolic steroids work by binding to specific receptors in muscle cells, leading to an increase in protein synthesis and a decrease in protein breakdown. This results in an increase in muscle size and strength. However, long-term use of anabolic steroids can lead to a variety of negative health effects, including:

* Liver damage or liver cancer
* High blood pressure and cholesterol levels
* Increased risk of heart attack and stroke
* Acne and oily skin
* Hair loss and abnormal hair growth
* Aggressive behavior and mood swings
* Development of male breasts (gynecomastia) in men
* Irregular menstrual cycles and infertility in women
* Stunted growth in adolescents

It's important to note that anabolic steroids are controlled substances, and it is illegal to possess or distribute them without a valid prescription. Additionally, using anabolic steroids for non-medical purposes can result in serious legal consequences.

Zeranol é um fármaco não esteroidal usado na medicina veterinária como promotor de crescimento em gado bovino. É um derivado sintético do resveratrol, um composto natural encontrado em alguns tipos de plantas.

Zeranol funciona como um estrogênio sintético, o que significa que ele se comporta de maneira semelhante a hormônios femininos naturais no corpo. Ele é capaz de se ligar a receptores de estrogênio e ativá-los, o que pode levar ao crescimento acelerado dos tecidos alvo, como músculo e gordura.

No entanto, é importante notar que o uso de zeranol e outros promotores de crescimento hormonal em gado bovino tem sido objeto de controvérsia devido a preocupações sobre possíveis efeitos adversos na saúde humana. Alguns estudos têm sugerido que o consumo de carne de animais tratados com zeranol pode estar associado a um risco aumentado de certos tipos de câncer, embora as evidências ainda sejam inconclusivas e a maioria das autoridades reguladoras considera o uso de zeranol em gado bovino como seguro quando utilizado conforme as orientações.

Hexestrol é um composto químico sintético que pertence à classe dos estrógenos, hormônios sexuais femininos. Ele tem sido usado em medicina humana e veterinária para tratar uma variedade de condições relacionadas à deficiência de estrogênio, como osteoporose e menopausa. No entanto, seu uso clínico foi significativamente reduzido devido ao risco aumentado de câncer de mama e outros cânceres associados ao seu uso prolongado.

Em humanos, o hexestrol nunca foi aprovado para uso como medicamento, mas foi usado em pesquisas clínicas e estudos experimentais. Em animais, especialmente em gado bovino, o hexestrol foi usado como um agente growth promoter (AGP), para promover o crescimento e a ganho de peso dos animais. No entanto, devido a preocupações com a segurança alimentar e os efeitos adversos em saúde humana, o uso de hexestrol e outros estrógenos sintéticos como AGPs foi banido em muitos países, incluindo os Estados Unidos e a União Europeia.

O acetato de trembolona é um esteroide anabolizante sintético, derivado do hormônio natural de testosterona. É classificado como um agente anabólico androgênico, o que significa que ele promove o crescimento e a manutenção dos tecidos musculares, além de possuir propriedades virilizantes.

A trembolona é conhecida por sua potente atividade anabólica, sendo aproximadamente duas vezes mais forte do que a testosterona. Ela age aumentando a síntese de proteínas no corpo, o que resulta em um ganho de massa muscular e força. Além disso, a trembolona tem propriedades anti-catabólicas, o que significa que ela ajuda a prevenir a perda de tecido muscular durante períodos de estresse físico ou dieta hipocalórica.

No entanto, devido à sua forte atividade androgênica, o acetato de trembolona pode causar efeitos colaterais indesejáveis, como acne, calvície, aumento da agressividade, alterações no humor, disfunção erétil e outros. Seu uso é restrito a fins terapêuticos específicos e está proibido em muitos esportes por ser considerado um agente dopante.

Em resumo, o acetato de trembolona é um poderoso esteroide anabolizante sintético com potenciais benefícios para o crescimento muscular e a força, mas também com riscos significativos de efeitos colaterais indesejáveis. Seu uso deve ser supervisionado por um profissional médico qualificado e é geralmente reservado para fins terapêuticos específicos.

Oxandrolona é um esteroide anabólico sintético, frequentemente prescrito para promover o ganho de massa muscular em indivíduos com deficiência proteica causada por doenças catabólicas, como HIV/AIDS, ou após cirurgias prolongadas e graves queimaduras. Também é usado no tratamento de mulheres com osteoporose.

Químicamente, a oxandrolona é derivada da dihidrotestosterona (DHT) e possui um átomo de oxigênio no lugar do carbono em sua estrutura química, o que lhe confere propriedades anabólicas mais fortes do que androgênicas. Isto significa que a oxandrolona tem menos efeitos virilizantes do que outros esteroides anabolizantes, tornando-a uma opção popular entre as mulheres para o tratamento da osteoporose e para aumentar a massa muscular magra.

Entre os efeitos colaterais da oxandrolona estão: alterações no ciclo menstrual, aumento do crescimento de pelos faciais em mulheres, diminuição do tamanho dos testículos e infertilidade em homens, aumento do colesterol LDL ("mau colesterol") e diminuição do colesterol HDL ("bom colesterol"), além de possíveis danos ao fígado. O uso prolongado ou indevido deste medicamento pode resultar em efeitos adversos graves, portanto, sua prescrição e uso devem ser rigorosamente monitorados por um profissional de saúde qualificado.

Teriparatide é um medicamento prescrito para tratar a osteoporose em adultos com risco elevado de fraturas ósseas. É uma forma sintética do hormônio parathormone relacionado ao receptor (PTHrP), que desempenha um papel importante na regulação do metabolismo ósseo.

Teriparatide funciona aumentando a formação de novo tecido ósseo e reduzindo a resorção óssea, o que leva a um osso mais denso e forte. É administrado por injeção subcutânea diária em uma dose de 20 microgramos ou 56,5 unidades.

A teriparatida está indicada principalmente para pessoas com osteoporose grave que não responderam a outros tratamentos e apresentam um histórico recente de fraturas devido à doença óssea. Também pode ser considerado em indivíduos com osteoporose induzida por glucocorticoides, que estão tomando doses altas de corticosteroides há um ano ou mais.

Alguns efeitos colaterais comuns da teriparatida incluem dor no local da injeção, náuseas, diarréia, cefaleias e aumento do apetite. Em casos raros, pode ocorrer um aumento do risco de desenvolver osteosarcoma, um tipo raro de câncer ósseo. No entanto, este risco é considerado baixo e ainda está sendo estudado.

Como qualquer medicamento, a teriparatida deve ser usada sob a supervisão de um médico e o paciente deve ser monitorado regularmente para garantir sua segurança e eficácia contínuas.

A osteoporose é uma doença óssea sistêmica caracterizada por uma diminuição da massa óssea e alterações na microarquitetura do tecido ósseo, resultando em uma maior fragilidade óssea e risco aumentado de fraturas. Em indivíduos com osteoporose, os ossos tornam-se mais frágeis e propensos a se fracturar mesmo com traumas ou esforços mínimos. As fraturas associadas à osteoporose geralmente ocorrem em regiões como colo do fémur, vértebras e wrists. A osteoporose é frequentemente considerada uma "doença silenciosa", pois muitas vezes não apresenta sintomas claros ou evidentes até que uma fratura ocorra.

A perda óssea associada à osteoporose pode ser resultado de vários fatores, incluindo idade avançada, falta de hormônios sexuais (como estrogênio em mulheres e testosterona em homens), deficiência de vitamina D e/ou calcio, tabagismo, consumo excessivo de álcool, uso prolongado de corticosteroides e outros medicamentos, e falta de exercício físico. Além disso, determinados fatores genéticos e história familiar também podem contribuir para o risco de desenvolver a doença.

A prevenção e o tratamento da osteoporose geralmente envolvem medidas como suplementação de calcio e vitamina D, exercícios regulares para fortalecer os músculos e os ossos, estilo de vida saudável (como parar de fumar e limitar o consumo de álcool), e, quando necessário, medicamentos específicos para tratar a doença. Esses medicamentos podem incluir bisfosfonatos, denosumab, teriparatida, e outros. É importante consultar um médico para avaliar os riscos e benefícios de cada opção de tratamento e determinar o melhor plano de cuidado individualizado.

Os osteoblastos são células responsáveis pela formação e mineralização do osso. Eles sintetizam e secretam matriz orgânica do osso, que é uma substância semelhante a um gel formada por colágeno e proteoglicanos. Posteriormente, essa matriz é mineralizada pela deposição de cristais de fosfato de cálcio, processo no qual os osteoblastos também desempenham um papel importante.

Após a formação do tecido ósseo, alguns osteoblastos se tornam osteócitos, que são células mantenedoras do osso e responsáveis por sua manutenção e remodelação contínua. Outros osteoblastos podem sofrer apoptose (morte celular programada) ou se transformar em células chamadas osteoclastos, que são as células responsáveis pela resorção óssea.

Em resumo, os osteoblastos desempenham um papel fundamental no crescimento, desenvolvimento e manutenção do tecido ósseo saudável.

O hormônio paratireóide, também conhecido como hormona parathyroidoid (PTH), é um hormônio peptídico produzido e secretado pelas glândulas paratiroides, que estão localizadas na parte posterior da glândula tireoide no pescoço. O PTH desempenha um papel crucial na regulação do equilíbrio de cálcio e fósforo no sangue.

A função principal do hormônio paratireóideo é manter os níveis normais de cálcio no sangue, aumentando a reabsorção óssea de cálcio e reduzindo a excreção renal de cálcio. Além disso, o PTH também estimula a formação de calcitriol (a forma ativa da vitamina D) nos rins, o que por sua vez aumenta a absorção intestinal de cálcio.

Quando os níveis séricos de cálcio estão baixos, as glândulas paratiroides secretam mais PTH para restaurar os níveis normais de cálcio no sangue. Por outro lado, quando os níveis de cálcio estão altos, a secreção de PTH é suprimida.

Doenças associadas ao hormônio paratireóideo incluem hiperparatireoidismo (excesso de secreção de PTH), hipoparatireoidismo (deficiência de secreção de PTH) e pseudo-hipoparatireoidismo (resistência aos efeitos do PTH).

Em termos médicos, a remodelação óssea refere-se ao processo contínuo e natural de renovação e reparação do tecido ósseo que ocorre ao longo da vida de um indivíduo. Este processo é mediado por duas populações celulares chaves: os osteoclastos, responsáveis pela resorção ou quebra do tecido ósseo velho ou danificado; e os osteoblastos, que são responsáveis pela formação de novo tecido ósseo.

A remodelação óssea desempenha um papel crucial na manutenção da integridade estrutural do esqueleto, permitindo que o corpo se adapte a diferentes demandas mecânicas e metabólicas ao longo do tempo. No entanto, com a idade ou em condições patológicas, como a osteoporose, este processo pode ficar desequilibrado, resultando em uma perda excessiva de tecido ósseo e aumento do risco de fraturas.

Em resumo, a remodelação óssea é um mecanismo complexo e fundamental para a saúde óssea, envolvendo o equilíbrio entre a resorção e formação ósseas contínuas.

Em medicina, "conservadores da densidade óssea" referem-se a tratamentos e medidas preventivas que não envolvem cirurgia ou intervenções invasivas para ajudar a preservar a densidade mineral óssea (DMO) e prevenir a perda óssea relacionada à osteoporose. Esses tratamentos geralmente incluem:

1. Alteração do estilo de vida: Exercícios regulares, especialmente os que exercem pressão sobre os ossos (como caminhadas, corrida e ioga), ajudam a manter a força óssea. Parar de fumar e limitar o consumo de álcool também são recomendados.

2. Dieta: Consuma alimentos ricos em cálcio e vitamina D, como leite desnatado, queijo, iogurte, salmão, atum, brócolos e repolho. Suplementos de cálcio e vitamina D também podem ser recomendados se a ingestão dietética for inadequada.

3. Medicação: Se houver risco elevado de fraturas ou história prévia de fraturas devido à osteoporose, medicamentos como bisfosfonatos, denosumab, teriparatida e raloxifeno podem ser prescritos. No entanto, esses medicamentos geralmente são considerados tratamentos sistêmicos e não conservadores da densidade óssea.

4. Abordagem individualizada: O tratamento é frequentemente personalizado com base na avaliação do risco de fraturas e na história clínica do indivíduo. Fatores como idade, sexo, histórico familiar, estilo de vida, história de tabagismo, consumo de álcool e outros fatores de saúde são considerados ao desenvolver um plano de tratamento conservador da densidade óssea.

Em anatomia e medicina, "ossos" referem-se aos tecidos vivos e firmes, especializados em fornecer suporte estrutural e formar o esqueleto do corpo humano. Os ossos são classificados como tecido conjuntivo altamente especializado e são compostos principalmente por matriz mineral (cristais de fosfato de cálcio e carbonato de cálcio) e matriz orgânica (colágeno, proteoglicanos, lipídios e glicoproteínas).

Existem diferentes tipos de ossos no corpo humano, incluindo:

1. Ossos longos: esses ossos têm uma forma alongada e cilíndrica, como os ossos dos braços (úmero), pernas (fêmur e tíbia) e dedos. Eles são compostos por uma diáfise (corpo principal do osso) e epífises (extremidades do osso).

2. Ossos curtos: esses ossos têm formato cubóide ou irregular, como os ossos das mãos (carpais), punhos e vértebras. Eles são compactos e densos, com pouco tecido esponjoso em seu interior.

3. Ossos planos: esses ossos têm forma achatada e larga, como os ossos do crânio (frontal, parietal, temporal e occipital), esterno e costelas. Eles são relativamente finos e contêm muitos poros para permitir a passagem de vasos sanguíneos e nervos.

4. Ossos irregulares: esses ossos têm formato complexo e não se encaixam em nenhuma das categorias anteriores, como os ossos do crânio (etmoide e esfenoide), sacro e coxígeo.

Os ossos desempenham várias funções importantes no corpo humano, incluindo:

* Fornecer suporte estrutural aos órgãos e tecidos moles do corpo;
* Proteger órgãos vitais, como o cérebro, coração e pulmões;
* Fornecer pontos de inserção para músculos e tendões, permitindo que os músculos se movam e funcionem adequadamente;
* Armazenar minerais importantes, como cálcio e fósforo;
* Produzirem células sanguíneas, especialmente no caso dos ossos do crânio e da medula óssea.

Dietilestilbestrol (DES) é um tipo de estrógeno sintético que foi amplamente utilizado em medicina, especialmente entre as décadas de 1940 e 1970. Foi originalmente prescrito para prevenir complicações durante a gravidez, como abortos espontâneos e partos prematurees. No entanto, foi posteriormente descoberto que o uso de DES durante a gravidez estava associado a uma série de problemas de saúde graves em filhos expostos ao fármaco, incluindo um aumento no risco de câncer e anormalidades genitais.

Atualmente, o uso clínico de DES é muito limitado e geralmente restrito a situações especiais, como o tratamento de alguns tipos de câncer de mama em pós-menopausa. O medicamento está disponível apenas por prescrição médica e sua utilização deve ser rigorosamente monitorada por um profissional de saúde qualificado devido aos seus potenciais efeitos adversos.

A osteogênese é um processo biológico complexo e contínuo que resulta na formação e remodelação óssea. Consiste no crescimento e desenvolvimento dos tecidos ósseos, envolvendo a proliferação e diferenciação de células progenitoras mesenquimais em osteoblastos, as células responsáveis pela síntese e secreção da matriz óssea. A matriz mineraliza gradualmente ao longo do tempo, resultando no depósito de cristais de hidroxiapatita, que conferem às estruturas ósseas sua rigidez e resistência mecânica características.

A osteogênese pode ser dividida em três fases principais: a formação da condróstoa (tecido cartilaginoso), a substituição da condróstoa pelo osso primário ou tecido ósseo esponjoso, e a remodelação do osso primário em osso secundário ou laminar.

A osteogênese desempenha um papel fundamental no crescimento e desenvolvimento dos indivíduos, bem como na manutenção da integridade estrutural e função dos órgãos ósseos ao longo da vida. Distúrbios neste processo podem resultar em diversas patologias ósseas, como osteoporose, osteogênese imperfeita, e outras doenças metabólicas e genéticas que afetam a estrutura e função dos tecidos ósseos.

Densidade óssea refere-se à quantidade de tecido mineral ósseo presente em um determinado volume de ossos. É essencialmente uma medida da rigidez e robustez dos ossos, sendo expressa em unidades de gramas por centímetro cúbico (g/cm³). A densidade óssea varia naturalmente entre indivíduos e é influenciada por diversos fatores, como idade, sexo, genética, dieta e nível de atividade física.

A medição da densidade óssea pode ser útil no diagnóstico e acompanhamento de condições ósseas, especialmente na osteoporose, uma doença que causa osso frágil e aumenta o risco de fraturas. A densidade óssea diminui naturalmente com a idade, mas em pessoas com osteoporose, essa perda é acelerada e mais severa, resultando em ossos mais propensos a fraturar-se mesmo com pequenos traumatismos.

Existem vários métodos para medir a densidade óssea, sendo os mais comuns a absorciometria de raios X de energia dupla (DXA) e a tomografia computadorizada quantitativa (QCT). Estas técnicas permitem avaliar a densidade em diferentes partes do esqueleto, geralmente na coluna vertebral, quadril ou punho. A interpretação dos resultados leva em consideração os valores de referência para cada idade, sexo e etnia, facilitando assim a identificação de indivíduos com risco aumentado de osteoporose e fraturas ósseas.

Adenoma hepático é um tumor benigno do fígado composto por células hepaticas. Geralmente afeta mulheres jovens, especialmente aquelas que usam contraceptivos orais. O crescimento deste tumor pode levar a complicações como sangramento e ruptura do fígado, portanto, o tratamento geralmente é recomendado. A remoção cirúrgica do adenoma hepático é o tratamento mais comum e eficaz. O diagnóstico pode ser feito por exames de imagem como ultrassonografia ou tomografia computadorizada, mas a confirmação só é possível através de uma biópsia do tumor.

Sim, vou estar feliz em fornecer a definição médica de "adenoma".

Um adenoma é um tipo de tumor benigno (não canceroso) que se desenvolve nas glândulas. Ele ocorre quando as células glandulares crescem e se multiplicam, formando um tumor. Adenomas podem ser encontrados em diversas partes do corpo, incluindo o trato digestivo (como no fígado, pâncreas ou intestino delgado), glândulas suprarrenais e glândulas tiroides.

Embora adenomas sejam geralmente benignos, eles ainda podem causar problemas de saúde dependendo da sua localização e tamanho. Em alguns casos, um adenoma pode crescer e comprimir tecidos adjacentes, o que pode resultar em sintomas como dor, sangramento ou obstrução. Além disso, em algumas circunstâncias raras, um adenoma pode se transformar em um tumor maligno (câncer).

Em resumo, um adenoma é um tipo de tumor benigno que se desenvolve nas glândulas e pode causar problemas de saúde dependendo da sua localização e tamanho.

'Enciclopedias as a Subject' não é uma definição médica em si, mas sim um tema ou assunto relacionado ao campo das enciclopédias e referências gerais. No entanto, em um sentido mais amplo, podemos dizer que esta área se concentra no estudo e catalogação de conhecimento geral contido em diferentes enciclopédias, cobrindo uma variedade de tópicos, incluindo ciências médicas e saúde.

Uma definição médica relevante para este assunto seria 'Medical Encyclopedias', que se referem a enciclopédias especializadas no campo da medicina e saúde. Essas obras de referência contêm artigos detalhados sobre diferentes aspectos da medicina, como doenças, procedimentos diagnósticos, tratamentos, termos médicos, anatomia humana, história da medicina, e biografias de profissionais médicos importantes. Algumas enciclopédias médicas são direcionadas a um público especializado, como médicos e estudantes de medicina, enquanto outras são destinadas ao grande público leigo interessado em conhecimentos sobre saúde e cuidados médicos.

Exemplos notáveis de enciclopédias médicas incluem a 'Encyclopedia of Medical Devices and Instrumentation', 'The Merck Manual of Diagnosis and Therapy', ' tabulae anatomicae' de Vesalius, e a 'Gray's Anatomy'. Essas obras desempenharam um papel importante no avanço do conhecimento médico, fornecendo uma base sólida para o estudo e prática da medicina.

Doenças da vesícula biliar referem-se a um conjunto de condições que afetam a vesícula biliar, um pequeno saco localizado no fígado que armazena a bile, líquido produzido pelo fígado para ajudar na digestão dos alimentos. As doenças mais comuns da vesícula biliar incluem:

1. Colelitíase: É a formação de pedras na vesícula biliar. As pedras podem ser pequenas e causar poucos sintomas ou grandes o suficiente para bloquear os ductos que levam à vesícula biliar, causando dor abdominal intensa, náuseas e vômitos.

2. Colesterolose: É a acumulação de colesterol na parede da vesícula biliar, resultando em sacos pequenos chamados divertículos. A colesterolose não causa sintomas, mas pode aumentar o risco de colelitíase.

3. Colangite: É a inflamação dos ductos biliares que conectam o fígado e a vesícula biliar. Pode ser causada por infecções bacterianas ou por pedras na vesícula biliar que bloqueiam os ductos.

4. Infecção da vesícula biliar: A vesícula biliar pode se infectar devido à presença de pedras ou à obstrução dos ductos biliares. Os sintomas incluem dor abdominal, febre e aumento do batimento cardíaco.

5. Cirrose da vesícula biliar: É uma condição rara em que a parede da vesícula biliar se engrossa e endurece, levando à formação de pedras e infecções recorrentes.

6. Câncer de vesícula biliar: É um tipo raro de câncer que afeta a vesícula biliar. Os sintomas incluem dor abdominal, perda de peso e icterícia. O tratamento geralmente inclui cirurgia para remover a vesícula biliar e quimioterapia.

Os anticoncepcionais orais, também conhecidos como "pílulas contraceptivas" ou simplesmente "a pílula", são medicamentos que contêm hormônios femininos sintéticos (etinilestradiol e/ou progestágenos) usados para previnir a gravidez. Eles funcionam principalmente inibindo a ovulação, ou seja, impedem a liberação do óvulo do ovário. Além disso, os anticoncepcionais orais também podem alterar as características do moco cervical, tornando-o menos propício à penetração dos espermatozoides, e modificar o revestimento uterino, dificultando a nidação do óvulo fertilizado.

Existem diferentes tipos de pílulas anticoncepcionais orais, geralmente classificadas em duas categorias principais:

1. Pílulas combinadas (ou combinadas): contêm ambos os hormônios, etinilestradiol e um progestágeno. Elas são normalmente tomadas continuamente por 21 ou 24 dias, seguidos de uma pausa de 7 dias, durante a qual ocorre o sangramento menstrual induzido (conhecido como "sangramento de privação").
2. Pílulas de progestágeno só (ou mini-pílulas): contêm apenas um progestágeno em doses mais baixas do que as pílulas combinadas. Elas são geralmente tomadas continuamente, diariamente, sem interrupção.

Os anticoncepcionais orais oferecem vários benefícios além da prevenção da gravidez, como a redução do risco de câncer de ovário e útero, diminuição da dor menstrual e regulagem do ciclo menstrual. No entanto, eles também podem apresentar alguns riscos e efeitos colaterais, como trombose venosa profunda (coágulos sanguíneos), aumento de peso, alterações no humor e disfunção sexual.

Antes de iniciar o uso de anticoncepcionais orais, é recomendável consultar um médico para avaliar os riscos e benefícios individuais e escolher a opção mais adequada ao seu perfil de saúde.

A Doença de Depósito de Glicogênio Tipo I, também conhecida como Doença de Von Gierke, é uma doença genética rara que afeta o metabolismo do glicogênio. Ela é causada por uma deficiência da enzima glucose-6-phosphatase, que é necessária para a conversão final de glicogênio em glicose na liberação de glicose no fígado e rins.

Isso resulta em níveis elevados de glicogênio nos tecidos, especialmente no fígado e músculos, assim como níveis elevados de lipídios no sangue. Os sintomas mais comuns incluem crescimento e desenvolvimento lentos, baixo nível de açúcar no sangue, aumento do apetite, distensão abdominal, tendência para infeções e hepatoesplenomegalia (aumento do tamanho do fígado e baço).

A Doença de Depósito de Glicogênio Tipo I é uma doença hereditária autossômica recessiva, o que significa que um indivíduo precisa herdar duas cópias defeituosas do gene (uma de cada pai) para desenvolver a doença. O diagnóstico geralmente é confirmado por meio de testes genéticos e análises enzimáticas. O tratamento geralmente inclui uma dieta rica em carboidratos e restrita em proteínas e lipídios, além de suplementação com cornstarch para manter os níveis de açúcar no sangue durante a noite e entre as refeições. Em alguns casos, um transplante de fígado pode ser considerado como uma opção de tratamento.