"Alouatta" é um género taxonómico que inclui várias espécies de primatas conhecidos como "macacos-aranha". Estes primatas são nativos da América Central e do Sul e são caracterizados por sua coloração vibrante, longos membros e a capacidade de produzir uma variedade de vocalizações fortes e distintivas. Eles têm um regime alimentar folívoro, ou seja, subsistem principalmente de folhas, mas também comem frutas, flores, brotos e outros materiais vegetais. Alouatta é o único gênero de primatas na América que contém espécies verdadeiramente quadrupedal, o que significa que eles se movem principalmente no solo em todos os quatro membros.

Cebidae é uma família de primatas do Novo Mundo que inclui capuchinhos, macacos-pregos e micos. Eles são encontrados principalmente nas florestas da América Central e do Sul. A maioria das espécies tem caudas longas e não prehensis, exceto algumas do gênero Ateles (macacos-aranha), que têm caudas pré-hensis. Cebidae é dividido em duas subfamílias: Cebinae (que inclui capuchinhos e macacos-pregos) e Atelinae (que inclui macacos-aranha, muriquis e outros). Esses primatas são onívoros, com uma dieta que varia de frutas, folhas, insetos e pequenos vertebrados. Alguns deles também são conhecidos por sua inteligência e habilidade manual.

Hiperplasia Epitelial Focal (HEF) é um termo usado em patologia para descrever um crescimento anormalmente aumentado e alongamento das células epiteliais em uma área específica do tecido. Isso geralmente ocorre como uma resposta a algum tipo de irritação ou lesão contínua no local. A HEF é caracterizada por nódulos distintos de células epiteliais, que são altamente proliferativas e podem ser observadas em vários tecidos, incluindo a pele, mucosa gastrointestinal e outros órgãos.

Embora a hiperplasia em si não seja considerada cancerosa, há um risco aumentado de que essa condição possa evoluir para neoplasias benignas ou mesmo malignas, especialmente se a causa subjacente da irritação continuar. Por isso, é importante que a HEF seja monitorada e tratada adequadamente para prevenir complicações futuras.

Em resumo, a hiperplasia epitelial focal é uma condição em que ocorre um crescimento excessivo de células epiteliais em uma área específica do tecido, geralmente como resultado de irritação ou lesão contínua. Embora não seja cancerosa em si, há um risco aumentado de que possa evoluir para condições neoplásicas.

Platirrino é um termo utilizado em anatomia e antropologia para se referir a primatas com nariz achatado e largo, onde as narinas estão voltadas lateralmente em vez de para frente. O termo "platyrrhini" significa "nariz largo" ou "nariz plano", derivado das palavras gregas "platys" (largo) e "rhis" (nariz).

Este grupo inclui todos os macacos do Novo Mundo, como capuchinhos, micos, sagüis, entre outros. A maioria dos platirrinos habita florestas tropicais úmidas da América Central e do Sul. Sua dieta é onívora, mas a maior parte dela consiste em frutos, folhas, sementes e insetos.

A característica morfológica distintiva dos platirrinos é sua face plana com narinas laterais, que são separadas por uma pele nu e grossa chamada septo nasal. Além disso, eles possuem um número diferente de cromossomos em comparação aos primatas do Velho Mundo (catarrinos), como macacos, gorilas e humanos.

Em resumo, platirrinos é um termo médico que refere-se a um grupo específico de primatas com nariz largo e achatado, onde as narinas estão voltadas para os lados em vez de para frente, característica distintiva da maioria dos macacos do Novo Mundo.

A expressão "Doenças dos Macacos" não é um termo médico estabelecido. No entanto, às vezes é usado para se referir a doenças zoonóticas que podem ser transmitidas entre primatas, incluindo humanos e macacos. Algumas dessas doenças incluem o vírus da imunodeficiência simiana (SIV), que é semelhante ao HIV humano, e a varíola dos macacos, uma forma menos severa de varíola humana.

Também existe a preocupação com a transmissão de doenças da vida selvagem para os humanos, especialmente em áreas onde há um contato crescente entre esses dois grupos, como resultado da destruição de habitats e da caça ilegal. Isso é por vezes referido como "doenças emergentes". Exemplos incluem o vírus Ebola e a COVID-19, que se acredita ter originado em morcegos e transmitido a humanos através de outros animais hospedeiros intermédios.

Portanto, é importante manter boas práticas de higiene e tomar medidas para prevenir a transmissão de doenças entre espécies, especialmente em áreas onde há um contato próximo entre humanos e animais selvagens.