Acetilesterase é uma enzima que catalisa a hidrólise dos ésteres do ácido acético, produzindo ácido acético e um alcool. A reação é a seguinte:

éster de ácido acético + H2O → ácido acético + álcool

Esta enzima desempenha um papel importante na biodegradação de compostos orgânicos, especialmente em ambientes aquáticos. Além disso, a acetilesterase também está envolvida no metabolismo de drogas e xenobióticos, pois é capaz de hidrolisar os ésteres de ácido acético presentes nessas moléculas.

A acetilesterase é produzida por vários organismos, incluindo plantas, fungos, bactérias e mamíferos. A atividade da enzima pode ser medida em termos de unidade de acetilesterase (U), que é definida como a quantidade de enzima capaz de hidrolisar 1 micromol de éster de ácido acético por minuto, sob condições específicas.

A deficiência ou ausência de acetilesterase pode estar associada a várias doenças e distúrbios, como a doença de Alzheimer e outras formas de demência. Portanto, o estudo da acetilesterase e sua regulação é uma área ativa de pesquisa em biologia e medicina.

Esterases são um grupo de enzimas (EC 3.1.1) que catalisam a hidrólise de ésteres, produzindo álcoois e ácidos carboxílicos. Essas enzimas desempenham funções importantes em diversos processos biológicos, como o metabolismo de lipídios e drogas, sinalização celular e resposta imune.

Existem diferentes tipos de esterases, incluindo:

1. Quimotripsina: é uma serina protease com atividade esterásica que catalisa a hidrólise de ésteres de acila em posições carboxil-terminais.
2. Lipases: são enzimas especializadas no metabolismo de lipídios, como triglicérides e ésteres de colesterol. Eles exibem atividade esterásica ao hidrolisar ésteres em condições específicas, como a presença de uma interface água-óleo.
3. Fosfolipases: são enzimas que catalisam a hidrólise de ésteres em fosfolipídios, produzindo lisofosfolipídios e ácidos graxos. Existem diferentes tipos de fosfolipases, dependendo da posição do éster que elas hidrolisam.
4. Esterase ácido: é uma enzima que catalisa a hidrólise de ésteres em condições ácidas e pode ser encontrada em vários tecidos animais e vegetais.
5. Esterase butírico: é uma enzima que hidrolisa ésteres de butírico, um tipo de ácido graxo de cadeia curta.

Em geral, as esterases são ubíquas em todos os domínios da vida e desempenham papéis importantes no metabolismo e na regulação de diversos processos biológicos.

De acordo com a maioria dos referenciais médicos confiáveis, como o National Center for Biotechnology Information (NCBI) e a World Health Organization (WHO), Influenzavirus C é um tipo de vírus da gripe que causa infecções respiratórias leves a moderadas em humanos. Acompanhe uma definição médica detalhada:

Nome do agente infeccioso: Influenzavirus C

Classificação taxonômica:

- Reino: Orthomyxoviridae
- Gênero: Alphainfluenzavirus
- Espécie: Influenzavirus C

Descrição: O Influenzavirus C é um vírus envolto com genoma de ARN monocatenário de sentido negativo. É um dos três tipos conhecidos de vírus da gripe (juntamente com os tipos A e B) que podem causar infecções respiratórias em humanos. Embora o Influenzavirus C seja menos prevalente do que os outros dois tipos, pode ainda causar sintomas gripais leves a moderados, como febre, tosse, congestão nasal e dor de garganta. O vírus é transmitido por gotículas infecciosas liberadas ao tossir ou espirrar e geralmente afeta crianças mais do que adultos. A infecção com o Influenzavirus C geralmente confere imunidade duradoura contra reinfeições subsequentes pelo mesmo subtipo do vírus.

Os sintomas da gripe causada pelo Influenzavirus C podem ser semelhantes aos de outras infecções respiratórias virais e geralmente desaparecem em uma semana ou duas. O tratamento é principalmente de suporte, com descanso, hidratação e medicação para alívio dos sintomas. A profilaxia e o tratamento específicos do vírus não estão geralmente disponíveis, mas os antivirais podem ser prescritos em casos graves ou em indivíduos de alto risco.

A prevenção da infecção pelo Influenzavirus C inclui as mesmas práticas recomendadas para outras infecções respiratórias virais, como o lavado regular das mãos, cobrir a boca e nariz ao tossir ou espirrar, evitar o contato próximo com pessoas doentes e manter superfícies limpas. A vacinação anual contra a gripe geralmente não inclui proteção contra o Influenzavirus C, mas as boas práticas de higiene podem ajudar a reduzir a propagação do vírus.