• A maioria das pessoas com epilepsia não tem crises enquanto tomam um anti-epiléptico. (wikipedia.org)
  • O avanço nas técnicas de neuroimagem tem permitido detectar alterações estruturais no cérebro de pessoas com epilepsia que antes passavam despercebidas", contou Fernando Cendes, professor da Unicamp e coordenador do BRAINN. (unicamp.br)
  • Ao todo, foram incluídos dados de 2.149 pessoas com epilepsia e 1.727 indivíduos controle (sem doença neurológica ou psiquiátrica). (unicamp.br)
  • Com a ajuda da Associação de Epilepsia da Nova Escócia (EANS) , Cassydi escolheu a cor roxa para representar a epilepsia, por achar que a flor de lavanda, frequentemente associada com a solidão, representava os sentimentos de isolamento que muitas pessoas com epilepsia sentem. (saude.gov.br)
  • O conselho é dado pela Associação de Pessoas com Epilepsia, no âmbito da semana de alerta para a doença. (publico.pt)
  • Para além de doente de epilepsia, Ana Maria é vice-presidente da Associação Portuguesa de Familiares, Amigos e Pessoas com Epilepsia (EPI-APFAPE), que funciona há cerca de um ano e tem pólos em Lisboa, Porto e Coimbra. (publico.pt)
  • Por outro lado, os medicamentos que são às vezes usados para tratar depressão ou epilepsia podem ser muito eficazes em algumas pessoas com dor neuropática. (cochrane.org)
  • É possível controlar as crises convulsivas em cerca de 70% das pessoas com epilepsia. (cochrane.org)
  • Atualmente no Reino Unido, as diretrizes do National Institute for Health and Care Excellence (NICE) recomendam a carbamazepina ou a lamotrigina como a primeira opção de tratamento para adultos e crianças com diagnóstico recente de crises parciais, e valproato de sódio para as pessoas com diagnóstico recente de crise tônico-clônica generalizada. (cochrane.org)
  • Os resultados desta revisão também apoiam a utilização do valproato de sódio como tratamento de primeira linha para as pessoas com crises tônico-clônicas generalizadas. (cochrane.org)
  • Outra inovação da Convenção foi incluir o conceito de deficiência psicossocial: Destacamos as pessoas com transtornos mentais crônicos como as pessoas com transtorno bipolar, esquizofrenia, ansiedade generalizada, transtorno obsessivo compulsivo, depressão grave e epilepsia. (catho.com.br)
  • A grande divisão entre as pessoas com epilepsia é entre aqueles que podem ser controlados por medicamentos e aqueles que não", diz o médico. (abril.com.br)
  • Contudo, cerca de 30% das pessoas com epilepsia não têm o controle das crises mesmo com os melhores medicamentos disponíveis. (blogspot.com)
  • Estima-se que o número de pessoas com epilepsia no mundo pode ser superior a cinquenta milhões de indivíduos. (cienciasecognicao.org)
  • Muitas pessoas com epilepsia não têm esse tipo de crise. (cienciasecognicao.org)
  • Portanto, convulsões podem acontecer em pessoas que não têm epilepsia e pessoas com epilepsia nem sempre têm convulsões. (cienciasecognicao.org)
  • Ainda de acordo com o especialista, 70% das pessoas com epilepsia ficam livres de crises com um medicamento. (hcor.com.br)
  • As crises focais (ou parciais) são divididas em parciais simples, parciais complexas e aquelas que evoluem para crises generalizadas secundárias. (minhavida.com.br)
  • Crises parciais podem agravar para crises generalizadas, que afetam todo o cérebro. (wikipedia.org)
  • O Levetiracetam é indicado como monoterapia para o tratamento de crises parciais, com ou sem generalização secundária, em pacientes a partir dos 16 anos, com diagnóstico recente de epilepsia. (anvisa.gov.br)
  • As convulsões parciais podem ocorrer se você tiver epilepsia , condição que causa crises repetidas. (opas.org.br)
  • Você pode experimentar convulsões parciais e generalizadas ao mesmo tempo, ou uma pode preceder a outra. (opas.org.br)
  • Trileptal é usado para tratar crises parciais (convulsões simples, complexas e secundariamente generalizadas) e generalizadas tônico-clônicas. (consultaremedios.com.br)
  • As crises parciais envolvem uma área limitada do cérebro (isto é, origem focal), mas podem se espalhar para todo o cérebro e podem causar uma crise tônico-clônica secundariamente generalizada. (consultaremedios.com.br)
  • A lamotrigina é uma droga antiepilética (DAE), usada no tratamento decrises convulsivas parciais e crises generalizadas. (consultaremedios.com.br)
  • É indicado em casos de epilepsia: crises parciais complexas ou simples (com ou sem perda da consciência) com ou sem generalização secundária. (ultrafarma.com.br)
  • Os autores desta revisão avaliaram dois tipos de crises epilépticas: crises parciais (que se iniciam numa área do cérebro), e crises tônico-clônicas generalizadas (que se iniciam nos dois hemisférios cerebrais simultaneamente). (cochrane.org)
  • Não foram conduzidos estudos clínicos para Monoterapia no tratamento de crises parciais, com ou sem generalização secundária em pacientes com menos de 16 anos e diagnóstico recente de epilepsia. (panvel.com)
  • Tratamento das crises convulsivas parciais com sintomatologia simples ou complexa, crises convulsivas tônico-clônicas generalizadas (grande mal), crises convulsivas mistas. (med.br)
  • Este medicamento é usado para tratar crises parciais (convulsões simples, complexas e secundariamente generalizadas) e generalizadas tônico-clônicas. (onofre.com.br)
  • Valpakine é destinado ao tratamento das epilepsias generalizadas ou parciais. (drogasil.com.br)
  • As crises podem ser parciais ou generalizadas em diferentes níveis, por isso, alguns apresentam sintomas mais ou menos evidentes - o que não significa que o problema tenha importância menor se a crise for menos aparente. (abril.com.br)
  • Existem diversos tipos de crises, como parciais, parciais e completas, generalizadas e t nico-cl nicas. (forumespirita.net)
  • A Classificação Internacional das Crises Epilépticas de 1981 considera três tipos principais de crises: crises parciais, crises generalizadas e crises inclassificadas. (cienciasecognicao.org)
  • Além disso, nas crises generalizadas, a primeira manifestação é a perda da consciência, enquanto que nas crises parciais a manifestação inicial depende da região do cérebro onde está o foco epiléptico. (cienciasecognicao.org)
  • A epilepsia é uma doença em que se verificam descargas eléctricas anormais no cérebro, de forma localizada ou difusa, dando origem a crises parciais ou generalizadas (se atingirem os dois hemisférios cerebrais), que provoca uma convulsão repentina, com ou sem perda de consciência. (ruadireita.com)
  • Segundo a ag ncia, o remédio é indicado como monoterapia para o tratamento de crises parciais, com ou sem generaliza o secund ria, em pacientes a partir dos 16 anos com diagn stico recente de epilepsia. (aquidauananews.com)
  • Em cerca de dois terços dos pacientes com epilepsia parcial, convulsões as crises podem ser controladas com medicamentos. (minhavida.com.br)
  • Convulsões podem ser causadas por diversos distúrbios intracranianos, extracranianos e também por epilepsia. (infoescola.com)
  • As causas da epilepsia podem ser desde uma les o na cabe a como um parto f rceps. (forumespirita.net)
  • Algumas definições de epilepsia dizem que as convulsões podem ser recorrentes, mas outras afirmam que apenas um único ataque combinado com alterações cerebrais pode aumentar a chance de crises futuras. (blogspot.com)
  • Particularidades sobre a epilepsia são necessárias a todos os profissionais de saúde, uma vez que esse usuário pode vir a usar todos os dispositivos da rede e pequenas intervenções podem ser cuidados essenciais para essas pessoas. (pebmed.com.br)
  • O termo epilepsia abrange um conjunto de desordens neurológicas cujo traço comum é a alteração temporária do funcionamento cerebral sem uma causa aparente, como febre alta ou uso de psicoativos. (unicamp.br)
  • É também o subtipo de epilepsia refratária ao tratamento mais comum no adulto. (unicamp.br)
  • De acordo com a Sociedade Beneficente Israelita Brasileira Albert Einstein , a epilepsia é uma condição neurológica bastante comum, acometendo aproximadamente uma em cada 100 pessoas. (anvisa.gov.br)
  • Forma mais comum de epilepsia idiopática na infância. (unicamp.br)
  • Uma forma comum de convulsão generalizada produz cãibras musculares generalizadas antes do início das convulsões, com movimentos súbitos em que as pernas e braços se agitam e se torcem bruscamente. (ada.com)
  • A epilepsia é um distúrbio neurológico bastante comum que afeta 65 milhões de pessoas em todo o mundo. (opas.org.br)
  • Qualquer pessoa pode desenvolver epilepsia, mas é mais comum em crianças pequenas e adultos mais velhos. (opas.org.br)
  • Além da convulsão generalizada também existe a focal, que também é muito comum. (uol.com.br)
  • A epilepsia é um problema neurológico comum no qual descargas elétricas anormais no cérebro levam a pessoa a ter convulsões recorrentes. (cochrane.org)
  • Epilepsia idiopática é mais comum em cães, é assumida quando nenhuma causa de base é identificada, porém, observa-se uma predisposição familiar. (infoescola.com)
  • O diagnóstico da epilepsia idiopática é clínico e se dá pela exclusão de outras causas de epilepsia e idade comum de acometimento. (infoescola.com)
  • A epilepsia é a doença neurológica mais comum na população em geral. (psicologiamsn.com)
  • A epilepsia se torna mais comum com a idade. (blogspot.com)
  • A epilepsia é uma doença bastante comum. (cienciasecognicao.org)
  • A epilepsia é formada por um conjunto heterogêneo de doenças que têm em comum a vontade no cérebro para gerar convulsões. (institutocarrefour.org.br)
  • Por isso, algumas pessoas podem ter sintomas mais ou menos evidentes de epilepsia, não significando que o problema tenha menos importância se a crise for menos aparente. (anvisa.gov.br)
  • Uma convulsão generalizada pode produzir uma série de sintomas diferentes. (ada.com)
  • Quais são os sintomas da epilepsia? (opas.org.br)
  • Convulsões e ataques epiléticos são os principais sintomas da epilepsia . (opas.org.br)
  • A epilepsia porém, deve ser conceituada atualmente, como uma síndrome com um conjunto de sinais e sintomas decorrentes desta disritmia cerebral paroxística. (psicologiamsn.com)
  • Mas, naqueles anos 1930, todos estavam convencidos da existência de um antagonis-mo biológico entre a epilepsia e a esquizofre-nia, e von Meduna chegou à idéia de que, se em um esquizofrênico conseguia-se provo-car crises epilépticas, seria possível agir fa-voravelmente sobre os sintomas esquizofrê-nicos. (redepsi.com.br)
  • Isso geralmente acontece em decorrência de uma crise convulsiva generalizada, que toma todo o cérebro e surge ao longo das horas de sono. (abril.com.br)
  • Também deve ser lembrado que há outras causas de convulsões além da epilepsia (citadas acima). (wikipedia.org)
  • Isso pode ser devido a uma condição que provoca convulsões recorrentes (epilepsia), mas há muitas outras causas. (ada.com)
  • Existem muitas causas de convulsões, mas em muitos casos a causa permanece desconhecida ou é parte da condição que provoca convulsões recorrentes (epilepsia). (ada.com)
  • Existem várias causas para a epilepsia, pois muitos fatores podem lesar os neurônios (células nervosas) ou o modo como estes se comunicam entre si. (blogspot.com)
  • As principais causas de crises epilépticas ocasionais (aquelas que não significam necessariamente que a pessoa tem epilepsia), também chamadas "crises sintomáticas agudas", são diferentes em crianças, adultos e idosos. (cienciasecognicao.org)
  • São apontadas muitas causas possíveis para a epilepsia, que englobam lesões cerebrais (decorrentes de um acidente ou um AVC, por exemplo), tumor, infecção, meningite, traumatismo de parto e, com menor frequência, o factor genético. (ruadireita.com)
  • A epilepsia é muitas vezes genética, ocorrendo em vários membros da família. (ada.com)
  • O diagnóstico de uma convulsão generalizada muitas vezes se baseia numa descrição do evento. (ada.com)
  • Aproximadamente 30% dos diagnosticados com epilepsia não respondem bem à medicação - para controlar a condição, muitas vezes, eles precisam passar por cirurgias. (abril.com.br)
  • É importante saber que existe não só um tipo de epilepsia, mas que as epilepsias são muitas e é importante fazer o diagnóstico correto, porque o tratamento não é o mesmo para todos os tipos de epilepsia", explica. (usp.br)
  • Depois de ter convulsões tônico-clônicas generalizadas, o paciente pode sentir-se sonolento ou confuso por muitas horas antes de se recuperar completamente. (exenin.com)
  • Basicamente, existem duas grandes categorias de convulsões: focal (ou parcial) e generalizada. (medicinanet.com.br)
  • Dá-se o nome de epilepsia à síndrome médica na qual existem convulsões recorrentes e involuntárias, embora possam ocorrer convulsões em pessoas que não sofrem desta condição médica. (wikipedia.org)
  • O relato do Evangelho confirma a existência de quadros epilépticos secundários à ação de obsessores desencarnados e a fala dos espíritos na obra de Kardec esclarece que existem quadros de epilepsia não secundários à interferência espiritual e ainda, na segunda parte do mesmo livro, Kardec fala da postura cármica das doenças. (ippb.org.br)
  • Existem duas classes principais de crises epilépticas, generalizada e parcial. (consultaremedios.com.br)
  • Atualmente existem 27 hospitais habilitados como Unidade de Assistência ou Centro de Referência de Alta Complexidade em Neurologia/Neurocirurgia, e no Serviço de Investigação e Cirurgia da Epilepsia, no Brasil. (saude.gov.br)
  • As crises de epilepsia que existem e que a medicina descreveu até agora são variadas. (melhorcomsaude.com.br)
  • Quanto à epilepsia do lobo temporal, há uma relação controversa baseada em estudos retrospectivos, mostrando que até 40% destes casos têm antecedentes de prolongadas crises febris complicadas. (medicinanet.com.br)
  • Nos casos de epilepsia, é obrigatório o estudo de estruturas temporais, com cortes finos, perpendiculares ao eixo maior do hipocampo, incluindo a técnica de FLAIR (inversão da recuperação com atenuação de fluidos). (medicinanet.com.br)
  • Existe ligação entre os casos de epilepsia e os processos obsessivos? (ippb.org.br)
  • Costumava-se fazer generaliza es a partir das formas severas para todos os casos, enquanto as formas leves n o eram reconhecidas como tal ou s o mantidas em segredo pela fam lia do paciente. (med.br)
  • O tratamento de escolha para casos de estado de mal epilético generalizado convulsivo é a administração intravenosa de diazepam, 10 mg, ou lorazepam, 4 mg, seguida por 15 a 18 mg/kg de fenitoína. (medicinanet.com.br)
  • Esta síndrome neurológica foi descrita pela primeira vez em 1949 por Vázquez y Turner para a Sociedade Argentina de Pediatria, com dez casos de uma "nova síndrome" que apresentavam crises nos lactentes, com alterações específicas no traçado eletroencefalográfico (EEG), estando associadas à deterioração mental, às quais propuseram chamar de Epilepsia em flexão. (portalsaofrancisco.com.br)
  • Há, ainda, a possibilidade de outras apresentações ou variantes destas contrações, cabendo um acurado diagnóstico diferencial com outros casos de epilepsia infantil. (portalsaofrancisco.com.br)
  • Formas mistas: VALPAKINE também é indicado nos distúrbios do comportamento ligados à epilepsia, no tratamento das convulsões febris na infância, em casos de alto risco e que já tenham apresentado convulsões. (drogasil.com.br)
  • O número de tais casos está a diminuir mas, atualmente, é ainda uma categoria importante, correspondendo a, pelo menos, 40% dos casos de epilepsia com início no adulto. (psicologiamsn.com)
  • Na maioria dos casos a epilepsia deve-se a uma lesão cerebral causada por traumatismo provocado por acidente físico, num tumor, numa infecção, no parasita cisticerco, num parto com complicações, meningite, embora em menor frequência pode ser genético, significando que, em poucos casos, a epilepsia pode ser transmitida aos filhos. (blogspot.com)
  • A Cada ano são detectados entre 12.400 e 22.000 novos casos da doença no nosso país e a SEN aposta por potencializar as unidades clínicas de epilepsia (UCE). (institutocarrefour.org.br)
  • Em inúmeros casos, sobretudo na infância e na adolescência, pior do que a epilepsia em si é o estigma social a que estão sujeitos estes pacientes. (ruadireita.com)
  • A Epilepsia Mioclônica Grave da Infância ou Síndrome de Dravet (SDr) e a Epilepsia Miclônico-Astática ou Síndrome de Doose (SDo) são epilepsias raras da infância, que cursam com crises epilépticas refratárias, nas quais há predomínio das mioclonias, e que podem levar à deterioração do desenvolvimento neuropsicomotor. (scribd.com)
  • Generalizadas primárias: pequeno mal, grande mal, epilepsias mioclônicas. (drogasil.com.br)
  • A carbamazepina (CBZ), vendida sob o nome comercial Tegretol, entre outros, é um dos principais medicamentos utilizados no tratamento da epilepsia e dor neuropática. (wikipedia.org)
  • Para os autores do estudo, a técnica de estimulação nervosa, que já é usada no tratamento da epilepsia e da depressão, desafia a convicção generalizada de que distúrbios da consciência que durem mais de um ano são irreversíveis. (publico.pt)
  • A Ag ncia Nacional de Vigil ncia Sanit ria (Anvisa) aprovou o registro de uma nova op o terap utica para o tratamento da epilepsia. (aquidauananews.com)
  • A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o registro de uma nova opção terapêutica para o tratamento da epilepsia. (jornaldepiracicaba.com.br)
  • No entanto, costuma ser usado principalmente no tratamento da epilepsia. (piauinoticias.com)
  • Dependendo da causa, convulsões generalizadas podem afetar pessoas de todas as idades, mas são mais comuns em crianças e adultos jovens. (ada.com)
  • Epilepsia com crises originadas no lobo occipital com calcificações cerebrais córtico-subcorticais envolvendo as regiões posteriores bilateralmente foram descritas em adultos e crianças 5-19 . (scielo.br)
  • O terceiro tipo de crise parcial é aquele que começa como uma crise focal e evolui para uma convulsão generalizada. (minhavida.com.br)
  • Epilepsia parcial, epilepsia focal ou crise jacksoniana é uma doença neurológica caracterizada por convulsões em uma área limitada menor que um hemisfério cerebral. (wikipedia.org)
  • Antiepiléptico na epilepsia focal. (wikipedia.org)
  • A epilepsia de lobo temporal é uma forma focal da doença, ou seja, atinge uma região específica do cérebro. (unicamp.br)
  • Uma convulsão focal pode evoluir ao longo de segundos para uma crise tônico-clônica bilateral, também referida como uma convulsão secundariamente generalizada. (medicinanet.com.br)
  • é a crise focal que evolui durante o episódio e passa de localizada para generalizada. (melhorcomsaude.com.br)
  • Onze pacientes submetidos à ENV foram estudados.Cinco possuíam epilepsia generalizada secundária (EGS) e 6 epilepsia focal (EF). (cukiert.com.br)
  • A displasia cortical focal (DCF) é uma malformação do desenvolvimento cortical e a principal manifestação clínica é a epilepsia de difícil controle medicamentoso. (fapesp.br)
  • José Nícolas passou por um tratamento severo para combater a West, mas adquiriu outra doença conhecida como epilepsia focal ou crise jacksoniana é uma doença neurológica caracterizada por convulsões em uma área limitada menor que um hemisfério cerebral. (diariodosertao.com.br)
  • Crises de epilepsia focal. (piauinoticias.com)
  • As convulsões generalizadas podem afetar pessoas de todas as idades, mas ocorrem com mais frequência em crianças. (ada.com)
  • Convulsões generalizadas ocorrem quando uma atividade eléctrica descontrolada no cérebro provoca um ataque que afeta todo o corpo. (ada.com)
  • Cerca de 50 milhões de pessoas no mundo sofrem de epilepsia, e quase 90% delas ocorrem em países em desenvolvimento. (blogspot.com)
  • Considera-se que a pessoa tem epilepsia apenas quando as crises ocorrem de maneira espontânea e se repetem ao longo do tempo. (cienciasecognicao.org)
  • No dia 24 de maio, comemora-se o Dia Nacional da Epilepsia , das doenças neurológicas que ocorrem com maior freqüência e que, de acordo com dados da Sociedade Portuguesa de Neurologia (SEN), afeta cerca de 400.000 pessoas. (institutocarrefour.org.br)
  • Etossuximida não é boa opção pois controla apenas as crises de ausência e geralmente estes pacientes também têm crises tônico-clônicas generalizadas. (unicamp.br)
  • Para tanto, foram investigadas duas condições, a saber, a epilepsia, comumente associada a dificuldades em matemática e as altas habilidades acadêmicas, geralmente associada ao sucesso em matemática. (bvsalud.org)
  • Animais com epilepsia idiopática geralmente manifestam convulsões generalizadas, contrações tônico-clônicas junto com perda da consciência. (infoescola.com)
  • A epilepsia é uma alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro, quando células cerebrais se comportam de maneira excessiva que se expressa por crises epiléticas que geralmente se repetem. (saude.gov.br)
  • que sofrem de epilepsia, cuja atividade cerebral estava sendo registrada com eletrodos para descobrir onde as convulsões haviam começado. (ceticismo.net)
  • Os pacientes que sofrem de epilepsia terão crises tônico-clônicas generalizadas durante a infância ou a adolescência. (exenin.com)
  • Qualquer um pode experimentar uma crise de epilepsia, na sequência de um choque eléctrico, uma insuficiência de oxigénio, um traumatismo craniano, uma descida do açúcar no sangue (hipoglicemia), privação do álcool, abuso de drogas ilícitas, etcétera. (ruadireita.com)
  • Von Meduna recorreu então a um derivado sintético, o metrazol, que utilizaria a partir de 1935 e que, por via intravenosa, desencadea-va em alguns segundos uma crise de epilepsia generalizada, com menos intercorrências do que os derivados canforados. (redepsi.com.br)
  • No entanto, é preciso ter em mente que nem toda perda de consciência, nem todo desmaio, nem toda câimbra é uma crise de epilepsia. (hcor.com.br)
  • A epilepsia é um distúrbio cerebral que leva as pessoas a ter recorrentes crises (ou convulsões). (consultaremedios.com.br)
  • Ele explica que a epilepsia é uma doença neurológica - e não mental - em que a pessoa sofre uma espécie de "curto-circuito" cerebral, que causa uma alteração no funcionamento do órgão e leva a pessoa a experimentar sensações estranhas, como distorções ou movimentos descontrolados, a depender da região cerebral que foi atingida. (abril.com.br)
  • Alguns estudiosos tais como Hipócrates (460 a 377 a.C.) e Galeno (131 d.C.), já tinham uma visão de que a epilepsia seria uma doença de origem cerebral. (psicologiamsn.com)
  • Segundo Ballone (2005) "o termo Epilepsia refere-se a uma condição crônica de ataques periódicos ou repetidos, causados por uma condição fisiopatológica da função cerebral, resultante da descarga espontânea e excessiva de neurônios corticais. (psicologiamsn.com)
  • Em resumo, podemos dizer que a epilepsia seria uma alteração temporária do funcionamento do cérebro (não obtidos através de droga, febre ou distúrbios metabólicos), que produz então manifestações motoras, sensitivas, sensoriais e psíquicas/neurovegetativas (disritimia cerebral paroxística). (psicologiamsn.com)
  • A epilepsia é uma doença cerebral crônica e é importante compreender que a doença é causada por diversas etiologias, sendo caracterizada por episódios de crises epiléticas, com diversas consequências, alterando funções cognitiva, neurobiológica, psíquicas e sociais e a qualidade de vida. (pebmed.com.br)
  • Além disso, uma convulsão pode acontecer em pessoas que não têm epilepsia, por exemplo, após um traumatismo craniano, uma infecção do sistema nervoso, um acidente vascular cerebral (na linguagem popular: "derrame") ou uso de drogas. (cienciasecognicao.org)
  • Von Meduna, como ex-assistente no Ins-tituto Neurológico de Budapeste, teve oca-sião de estudar a epilepsia com o professor Karl Schaffer, e pensou ter observado, no nível do córtex cerebral dos epilépticos, uma proliferação do tecido de sustentação neuro-glial, contrastando com a sua rarefação no cérebro dos esquizofrênicos. (redepsi.com.br)
  • De acordo com o neurologista da Faculdade de Medicina de Jundiaí (FMJ), Richard Montgomerry, a epilepsia pode ter como causa desde uma má formação cerebral congênita até um tumor ou infecção no cérebro. (jj.com.br)
  • As convulsões de pequeno mal são outro tipo de apreensão generalizada. (opas.org.br)
  • A professora fala também da importância de diagnosticar o tipo de epilepsia, pois nem todo tratamento deve ser igual. (usp.br)
  • Uma convulsão tônico-clônica generalizada ou uma convulsão do tipo grande mal pode ser uma emergência médica e o tratamento médico deve ser procurado imediatamente. (exenin.com)
  • Montgomerry afirma que não é possível definir um único tipo de tratamento para epilepsia pois, eles variam de acordo com a necessidade de cada paciente. (jj.com.br)
  • Epilepsia é a predisposição permanente do cérebro para gerar crises epilépticas, sendo, portanto, a convulsão um sintoma da epilepsia. (minhavida.com.br)
  • A gabapentina foi desenvolvida para tratar epilepsia, mas agora está sendo utilizada para tratar várias formas de dor crônica. (cochrane.org)
  • Antigamente se falava de epilepsia ou de ataque de epilepsia cada vez que um indiv duo perdia sua consci ncia de forma imprevista. (med.br)
  • À polícia ele alegou que teve um ataque de epilepsia que o levou a sofrer um apagão. (abril.com.br)
  • Pânico generalizado e 63 feridos numa escola após ataque de epilepsia Mais de 60 estudantes de uma escola de Formação de Professores na província em. (lusotimes.co.uk)
  • Processo patológico do sistema nervoso central, que tem por principal manifestação clínica convulsões periódicas e imprevisíveis, ou seja, o termo epilepsia se aplica a múltiplas convulsões em um longo tempo, porém, nem toda crise convulsiva está associada à epilepsia. (infoescola.com)
  • Além da variável que pode estar de acordo com cada pessoa, a epilepsia como doença tem expressões diferentes. (melhorcomsaude.com.br)
  • De acordo com o neurologista do HCor, cerca de 1% da população sofre com epilepsia e aproximadamente 70% dessas pessoas ficam livres de crises epilépticas caso façam o seu tratamento correto. (hcor.com.br)
  • Segundo informações do Portal da Liga Brasileira de Epilepsia (LBE) , a doença é caracterizada por uma alteração temporária e reversível do funcionamento do cérebro, que não tenha sido causada por febre, drogas ou distúrbios metabólicos. (anvisa.gov.br)
  • O programa Saúde Sem Complicações desta semana fala sobre epilepsia e os convidados são a professora aposentada Maria Carolina Doretto, da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e atual secretária executiva da Federação Brasileira de Epilepsia, e o biomédico Arthur Fernandes, que atualmente desenvolve pesquisa como pós-doutorando no Departamento de Genética da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP) da USP. (usp.br)
  • Se for uma crise generalizada você irá perceber grandes abalos musculares, movimentos convulsivos. (pebmed.com.br)
  • 1. Epilepsia idiopática - definida como uma epilepsia de origem predominante ou presumivelmente genética e nas quais não há grande anomalia neuroanatómica ou neuropatológica. (psicologiamsn.com)
  • Sua busca por "Transtorno de Ansiedade Generalizada" obteve 40 resultados. (medicinanet.com.br)
  • A crise é o maior problema encontrado pelas pessoas que possuem epilepsia, pois os fatores da doença interferem diretamente no processo de saúde-doença dos indivíduos, o que provoca complicações à vida, gerando outros transtornos como depressão, ansiedade e problemas de relacionamento interpessoal, amoroso, escolar. (pebmed.com.br)
  • ontrovérsias a respeito de as duas convulsões não provocadas serem ou não consideradas um evento único dentro de um período de tempo de 24 horas.29,30 O estudo Research Council Multicentre Study of Early Epilepsy and Single Seizures (MESS) apresenta evidências mais completas de vantagens e desvantagens do tratamento precoce.31 Pacientes com uma única convulsão ou com epilepsia precoce -, consider. (medicinanet.com.br)
  • Participaram deste estudo 24 centros, de diversos países, ligados ao subgrupo do consórcio que trata de epilepsia. (unicamp.br)
  • Algumas pessoas, sem o devido estudo, alegam que a epilepsia uma mediunidade que deve se desenvolver. (forumespirita.net)
  • Graças aos avanços que ocorreram, tanto no diagnóstico de uma doença como o arsenal farmacológico, o prognóstico dos pacientes melhorou muito", diz o doutor João Mercadé Cerdá , coordenador do Grupo de Estudo de Epilepsia da Sociedade Espanhola de Neurologia. (institutocarrefour.org.br)
  • A crise convulsiva é generalizada quando há movimentos de braços e pernas, desvio dos olhos e liberação dos esfínteres associada à perda da consciência . (wikipedia.org)
  • Nas crises generalizadas, as descargas elétricas envolvem o cérebro todo e a pessoa tem movimentos anormais no corpo inteiro. (cienciasecognicao.org)
  • Cerca de 3% das pessoas serão diagnosticadas com epilepsia em algum momento de suas vidas. (blogspot.com)
  • Para se ter ideia, estima-se que cerca de 0,5 a 1% de pessoas de uma população tenha epilepsia. (hcor.com.br)
  • A palavra epilepsia de origem grega, eplmen epi = em cima e lepsem = abater, significando significa fulminar, abater com surpresa, ser atacado, algo que vem de cima e abate o indiv duo. (med.br)