Proteínas, que geralmente emergem a partir dos cílios do neurônio receptor olfatório, que ligam especificamente moléculas odoríferas e desencadeiam respostas nos neurônios. O grande número de diferentes receptores odoríferos parece ter origem principalmente em diversas famílias ou subfamílias de gene do que em rearranjos do DNA.
Parte volátil das substâncias perceptível pelo sentido do olfato.
A habilidade de detectar aromas ou odores, como a função dos NEURÔNIOS RECEPTORES OLFATÓRIOS.
Neurônios localizados no epitélio olfatório contendo proteínas (RECEPTORES ODORANTES) que se ligam às substâncias odoríferas detectando então os odores. Esses neurônios enviam seus DENTRITOS para a superfície do epitélio com seus neurônios receptores olfatórios localizados nos cílios apicais imóveis. Seus AXÔNIOS não mielinizados fazem sinapse no BULBO OLFATÓRIO no CÉREBRO.
Porção da mucosa nasal (com as terminações nervosas sensitivas do OLFATO), localizada na cúpula de cada CAVIDADE NASAL. O epitélio olfatório (castanho amarelado) é constituído por NEURÔNIOS RECEPTORES OLFATÓRIOS, células em escova (brush cells), CÉLULAS-TRONCO e glândulas olfatórias associadas.
Conjunto de fibras nervosas que conduzem impulsos desde os receptores olfatórios até o córtex cerebral. Inclui o NERVO OLFATÓRIO, o BULBO OLFATÓRIO, o trato olfatório, o TUBÉRCULO OLFATÓRIO, a substância perfurada anterior e o CÓRTEX OLFATÓRIO.
Corpo ovoide localizado sobre a placa cribriforme do osso etmoide, onde termina o NERVO OLFATÓRIO. O bulbo olfatório contém vários tipos de células nervosas que incluem as células mitrais em cujos DENDRITOS o nervo olfatório faz as sinapses, formando o glomérulo olfatório. O bulbo olfatório acessório, que recebe a projeção do ÓRGÃO VOMERONASAL através do nervo vomeronasal, também se inclui aqui.
Processo pelo qual a natureza e o significado dos estímulos olfatórios, como odores, são reconhecidos e interpretados pelo cérebro.
Par de órgãos sensoriais conectados aos segmentos anteriores dos ARTRÓPODES que os ajudam na navegação pelo ambiente.
Formas isômeras e derivados do pentanol (C5H11OH).
Nome coletivo para um grupo de MECANORRECEPTORES externos e quimiorreceptores que se assemelham a estruturas sensoriais nos ARTRÓPODOS. Incluem projeções cuticulares (tufos ciliares, pelos e cerdas), poros e fendas.
Composto constituído por 10 carbonos geralmente formado pela via do mevalonato a partir da combinação do 3,3-dimetilalil pirofosfato e isopentenil pirofosfato. Sofrem ciclização e oxidação em diversas vias. Devido ao baixo peso molecular muitos deles existem na forma de óleos essenciais (ÓLEOS VOLÁTEIS).
Proteína citoplasmática ubíqua encontrada em NEURÔNIOS RECEPTORES OLFATÓRIOS maduros de todos os VERTEBRADOS. É um modulador das VIAS DE TRANSDUÇÃO DE SINAL olfatória.
Receptores de superfície celular que respondem aos FEROMÔNIOS.
O primeiro nervo craniano. O nervo olfatório transporta a sensação olfatória. É formado pelos axônios dos NEURÔNIOS RECEPTORES OLFATÓRIOS que projetam do epitélio olfatório (no epitélio nasal) para o BULBO OLFATÓRIO.
Feromônios que despertam atração sexual ou comportamento reprodutor, geralmente nos membros do sexo oposto da mesma espécie.
Formas isômeras e derivados do hexanol (C6H11OH).
Cinamato derivado da via do shikamato encontrado em ÓLEO DE CRAVO e outras PLANTAS.
Porção proximal das passagens respiratórias em cada lado do SEPTO NASAL. As cavidades nasais, estendendo-se das narinas até a NASOFARINGE, são revestidas por uma MUCOSA NASAL ciliada.
Substâncias energeticamente instáveis que podem gerar uma expansão súbita de material, denominada explosão, acompanhada de calor, pressão e ruído. Outras coisas que foram descritas como explosivas e que não foram incluídas aqui são o aquecimento da ação do laser, o comportamento humano, surtos epidêmicos súbitos ou rápido crescimento celular.
Espécie (gênero Anopheles) de mosquito, principal vetor da MALÁRIA na África.
Substâncias que fazem com que os insetos se afastem delas ou as rejeitem como alimento.
Hidrocarbonetos alicíclicos com seis carbonos contendo uma ou mais ligações duplas no anel. Os cicloexadienos não são aromáticos, em contraste com as BENZOQUINONAS que são denominadas, algumas vezes, de 2,5-cicloexadieno-1,4-dionas.
Aumento em algum parâmetro mensurável de um PROCESSO FISIOLÓGICO, inclusive celular, microbiano, e vegetal, e os processos imunológicos, cardiovasculares, respiratórios, reprodutivos, urinários, digestivos, nervosos, musculoesqueléticos, oculares e dermatológicos, ou PROCESSOS METABÓLICOS, inclusive os processos enzimáticos ou outros processos farmacológicos, por um medicamento ou outro composto químico.
Proteínas encontradas em quaisquer espécies de inseto.
Órgãos especializados adaptados para a recepção de estímulos pelo SISTEMA NERVOSO.
Fase de transição do estado líquido para o estado gasoso, que está afetado pela lei de Raoult. Pode ser realizada pela destilação parcial.
Compostos orgânicos contendo o grupo carbonil sob a forma -CHO.
Formas isômeras e derivados do octanol (C8H17OH).
Neurônios aferentes especializados capazes de transduzir estímulos sensoriais em IMPULSOS NERVOSOS que são transmitidos ao SISTEMA NERVOSO CENTRAL. Algumas vezes os receptores sensoriais para os estímulos externos são chamados exteroceptores; para estímulos internos, são chamados interoceptores e proprioceptores.
Substâncias químicas excretadas por um organismo no ambiente e que induzem respostas fisiológicas ou comportamentais em outros organismos da mesma espécie. A percepção destes sinais químicos pode ser olfatória ou por contato.
Gênero de plantas (família SANTALACEAE) fonte do óleo de sândalo.
Composto utilizado topicamente como repelente de insetos. Pode causar irritação aos olhos e mucosas, mas não à pele. Ver também: http://www.anvisa.gov.br/cosmeticos/informa/parecer_deet.htm.
Substância, extrato ou preparação [usados] para difundir ou propiciar um odor agradável ou atrativo; particularmente um líquido contendo óleos naturais com fragrâncias extraídas de flores, madeiras, etc., ou os óleos sintéticos correspondentes.
A quantidade mínima necessária de energia do estímulo para que ele elicie uma resposta sensorial.
Classe de canais iônicos receptores disparados por ligante que possui especificidade para o GLUTAMATO. São distintos dos RECEPTORES DE GLUTAMATO METABOTRÓPICO, que agem por meio de um mecanismo de acoplamento a proteína G.
Revestimento mucoso da CAVIDADE NASAL, inclusive das narinas (vestíbulo) e da MUCOSA OLFATÓRIA. Constituída por células ciliadas, CÉLULAS CALICIFORMES, células em escova, granulares pequenas, CÉLULAS-TRONCO e por glândulas que contêm células mucosas e serosas.
Espécie de mosca de fruta bastante utilizada em genética devido ao grande tamanho de seus cromossomos.
Grupo de compostos que são derivados do metoxibenzeno e que contém a fórmula geral R-C7H7O.
Perda ou deficiência da habilidade de cheirar. Pode ser causada por DOENÇAS DO NERVO OLFATÓRIO, DOENÇAS DO SEIO PARANASAL, INFECÇÕES DO TRATO RESPIRATÓRIO, TRAUMA CRANIOCEREBRAL, CIGARRO e outras afecções.
Família de bagres norte-americanos de água doce, composta por quatro gêneros (Ameiurus, Ictalurus, Noturus, Pylodictis) e várias espécies, duas das quais não possuem olhos.
Classe de compostos com unidades repetidas de 5 carbonos de HEMITERPENOS.
Conjunto de genes originados por duplicação e variação de algum gene ancestral. Estes genes podem estar reunidos nos mesmo cromossomo ou dispersos em cromossomos diferentes. São exemplos de famílias multigênicas as que codificam as hemoglobinas, imunoglobulinas, antígenos de histocompatibilidades, actinas, tubulinas, queratinas, colágenos, proteínas de choque térmico, proteínas adesivas salivares, proteínas coriônicas, proteínas de cutícula, proteínas vitelínicas, e faseolinas, bem como as histonas, RNA ribossômico, e genes de RNA de transferência. Os últimos três são exemplos de genes repetidos, onde centenas de genes idênticos estão presentes e ordenados em fila.
Respostas diferenciadas para diferentes estímulos.
Agente antimicrobiano, antisséptico e desinfetante utilizado também como essência aromática e conservante em farmácia e perfumaria.
Lipocalina que foi originalmente caracterizada das LÁGRIMAS de humanos. É expressada principalmente na GLÂNDULA LACRIMAL e nas GLÂNDULAS DE VON EBNER. A lipocalina 1 pode desempenhar um papel na transdução olfatória por concentração e liberação de odorantes a RECEPTORES ODORANTES.
2,4,6-trinitrotolueno, explosivo químico que pode causar irritação cutânea e outras consequências tóxicas.
Descrições de sequências específicas de aminoácidos, carboidratos ou nucleotídeos que apareceram na literatura publicada e/ou são depositadas e mantidas por bancos de dados como o GENBANK, European Molecular Biology Laboratory (EMBL), National Biomedical Research Foundation (NBRF) ou outros repositórios de sequências.
Células especializadas na detecção de substâncias químicas e na retransmissão destas informações centralmente no sistema nervoso. Células quimiorreceptores podem monitorar estímulos externos, como na GUSTAÇÃO e OLFAÇÃO, ou estímulos internos, tais como as concentrações de OXIGÊNIO e DIÓXIDO DE CARBONO no sangue.
Relacionamentos entre grupos de organismos em função de sua composição genética.
Unidades hereditárias funcionais dos INSETOS.
Ésteres orgânicos do ácido tioglicólico (HS-CH2COOH).
Solvente industrial que causa degeneração do sistema nervoso. O MBC (MBK) é um acrônimo frequentemente utilizado para se referir a ele.
A resposta observável de um animal diante de qualquer situação.
Desaparecimento de correspondência para uma estimulação repetida. Não inclui hábitos a drogas.
Misturas de muitos componentes em proporções não exatas, geralmente naturais, como EXTRATOS DE PLANTAS, VENENOS e ADUBOS. Estes se diferenciam de COMBINAÇÃO DE MEDICAMENTOS que tem só uns poucos componentes em proporções definidas.
Estudo do comportamento e da geração de cargas elétricas nos organismos vivos, particularmente no sistema nervoso, e dos efeitos da eletricidade nos organismos vivos.
Órgão acessório quimiorreceptor separado da MUCOSA OLFATÓRIA principal. Está situada na base do septo nasal, próximo ao VÔMER e dos OSSOS NASAIS. Transmite sinais químicos (como FEROMÔNIOS) ao SISTEMA NERVOSO CENTRAL, influenciando, assim, o comportamento reprodutivo e social. Em humanos, a maior parte de suas estruturas regride após o nascimento, com exceção do ducto vomeronasal.
Fibras nervosas capazes de conduzir impulsos rapidamente para fora do corpo da célula nervosa.
Movimentação de correntes de ar.
Populações de processos móveis e delgados que são encontrados revestindo a superfície dos ciliados (CILIÓFOROS) ou a superfície livre das células e que constroem o EPITÉLIO ciliado. Cada cílio nasce de um grânulo básico na camada superficial do CITOPLASMA. O movimento dos cílios propele os ciliados através do líquido no qual vivem. O movimento dos cílios em um epitélio ciliado serve para propelir uma camada superficial de muco ou fluido.
Derivados monoidroxilados dos cicloexanos que contêm a fórmula geral R-C6H11O. Apresentam odor parecido à cânfora e são utilizados na fabricação de sabões, inseticidas, germicidas, na lavagem à seco e como plastificantes.
Densa e intrincada rede de fibras nervosas amielínicas composta de processos gliais, fibrilas, terminais sinápticos, axônios e dendritos dispersos entre as células nervosas da substância cinzenta no sistema nervoso central.
Insetos da subordem Heteróceros da ordem dos LEPIDÓPTEROS.
Subunidades de proteínas heterotriméricas ligadas a GTP contendo GTPase. Quando se dissociam do complexo heterotrimérico, estas subunidades interagem com diversos sistemas de mensageiros secundários. A hidrólise do GTP, mediante a atividade GTPase da subunidade, faz com que reverta a sua forma (heterotrimérica) inativa. As subunidades alfa da proteína de ligação a GTP se agrupam em famílias conforme o tipo de ação que têm sobre os sistemas mensageiros secundários.
Moléculas que se ligam a outras moléculas. O termo é usado especialmente para designar uma pequena molécula que se liga especificamente a uma molécula maior, e.g., um antígeno que se liga a um anticorpo, um hormônio ou neurotransmissor que se liga a um receptor, ou um substrato ou efetor alostérico que se liga a uma enzima. Ligantes são também moléculas que doam ou aceitam um par de elétrons, formando uma ligação covalente coordenada com o átomo metálico central de um complexo de coordenação. (Dorland, 28a ed)
Proteínas que se originam a partir de espécies de insetos pertencendo ao gênero DROSOPHILA. As proteínas da espécie de Drosophila mais intensamente estudadas, a DROSOPHILA MELANOGASTER, são objeto de muito interesse na área da MORFOGÊNESE e desenvolvimento.
Glândulas exócrinas em animais, as quais secretam aromas que repelem ou atraem outros animais, como por exemplo, as glândulas perianais do gambá, as glândulas anais da doninha, as glândulas de almíscar das raposas, as glândulas ventrais dos ratos de madeira e as glândulas ventrais dos pecaris.
Insetos da superfamília Apoidea encontradas em praticamente todo lugar, particularmente sobre flores. Por volta de 3500 espécies ocorrem na América do Norte. Diferem da maioria das VESPAS pelo fato de que suas crias são alimentadas com mel e pólen, ao invés de alimento de origem animal.
Processo de deposição ou eliminação de ovos totalmente desenvolvidos, a partir do corpo da fêmea. O termo geralmente é usado para certos INSETOS ou PEIXES que possuem um órgão denominado ovipositor, no qual os ovos são armazenados ou dispostos antes de serem expulsos do corpo.
Formas isômeras e derivadas do butanol (C4H9OH).
Gênero de plantas (família SOLANACEAE) cujos membros contêm glicosídeos esteroides.
Neurônios que transportam IMPULSOS NERVOSOS ao SISTEMA NERVOSO CENTRAL.
Parte componente do trato respiratório superior. Contém o órgão do OLFATO. O termo inclui o nariz externo, a cavidade nasal, e os SEIOS PARANASAIS.
Compostos orgânicos que possuem uma PRESSÃO DE VAPOR relativamente alta à temperatura ambiente.
Substâncias que compõem toda a matéria. Cada elemento é formado de átomos que são idênticos em número de elétrons, prótons e carga nuclear, mas podem ser diferentes em massa ou número de nêutrons.
Álcool obtido de vários óleos de menta ou preparado sinteticamente.
Tipo específico de aprendizagem que se caracteriza pela ocorrência precoce na vida, pela rapidez de aquisição e por não ser suscetível ao esquecimento ou à extinção. Fixação instintiva inclui a maioria (ou todos) os comportamentos chamados instintivos, mas é utilizado de modo puramente descritivo.
Hidrocarboneto linear de quatro carbonos que possui um radical hidroxila na posição 1.
Diagnóstico de estados de doença pelo registro da atividade elétrica espontânea de tecidos ou órgãos ou pela resposta à estimulação de um tecido eletricamente excitável.
Nome vulgar dado à ordem Siluriformes que tem muitas famílias e mais de 2.000 espécies (inclusive espécies venenosas). Os gêneros Heteropneustes e Plotosus apresentam ferrões perigosos e são agressivos, porém na maioria das espécies seu uso é defensivo.
Aprendizagem que se manifesta pela capacidade de responder diferencialmente a estímulos variados.
Técnica que localiza sequências específicas de ácidos nucleicos em cromossomos intactos, células eucarióticas ou células bacterianas através do uso de sondas específicas de ácidos nucleicos marcados.
Subgrupo de CANAIS IÔNICOS regulados por nucleotídeos cíclicos dentro da superfamília de canais de cátion com poro em alça. São expressados nos cílios do NERVO OLFATÓRIO, em CÉLULAS FOTORRECEPTORAS e em algumas PLANTAS.
Gênero de mariposas esfinge ou falcão da família Sphingidae. Esses insetos são utilizados em estudos de biologia molecular durante todas as fases de seu ciclo de vida.
Ordem dos aminoácidos conforme ocorrem na cadeia polipeptídica. Isto é chamado de estrutura primária das proteínas. É de importância fundamental para determinar a CONFORMAÇÃO DA PROTEÍNA.
Fluxo de água nos corpos hídricos ambientais, como rios, oceanos, fontes, aquários, etc. O termo inclui correntes, marés e ondas.
Compostos contendo dibenzeno-1,4 tiazina. Algumas delas são neuroativas.
Animais cujo GENOMA foi alterado pela técnica da ENGENHARIA GENÉTICA.