Abertura na íris através da qual a luz passa.
Afecções que acometem a estrutura ou função da pupila do olho, incluindo transtornos de inervação dos músculos dilatador ou constritor pupilar, e transtornos dos reflexos pupilares.
Anormalidade pupilar caracterizada por uma reação pupilar fraca à luz, redução na acomodação, paralisia do setor da íris, resposta pupilar aumentada para alcançar os mesmos resultados em uma constrição "tônica" prolongada, e redilatação pupilar lenta. Esta afecção está associada com lesão na enervação parassimpática pós-ganglionar da pupila. (Tradução livre do original: Miller et al., Clinical Neuro-Ophthalmology, 4th ed, pp492-500)
Contração da pupila em resposta à estimulação luminosa da retina. Refere-se também a qualquer reflexo envolvendo a íris, com resultante alteração do diâmetro da pupila.
Agentes que dilatam a pupila. Podem ser simpatomiméticos ou parassimpatolíticos.
Um dos ANTAGONISTAS MUSCARÍNICOS com ação farmacológica similar à ATROPINA e utilizada principalmente como parassimpatolítico ou midriático oftálmico.
Dilatação das pupilas maior que 6 mm combinada com falência das pupilas em contrair quando estimuladas com luz. Este estado pode ocorrer em virtude de lesão das fibras pupilares no nervo oculomotor, em glaucoma de ângulo fechado agudo e na SÍNDROME DE ADIE.
A câmara mais anterior da túnica média, separando a câmara anterior da posterior. Consiste de duas camadas - o estroma e o epitélio pigmentado. A cor da íris depende da quantidade de melanina no estroma e da reflexão do epitélio pigmentado.
Tamanho de pupila desigual que pode representar uma variante fisiológica benigna ou uma manifestação de doença. Anisocoria patológica reflete uma anormalidade na musculatura da íris (DOENÇAS DA ÍRIS) ou nas vias simpáticas ou parassimpáticas que enervam a pupila. Anisocoria fisiológica se refere à assimetria do diâmetro da pupila, normalmente menor que 2 mm, não estando associado com doença.
Constrição pupilar. Pode resultar da ausência congênita do músculo pupilar dilatador, enervação simpática deficiente ou irritação da CONJUNTIVA ou CÓRNEA.
Ajuste dióptrico do OLHO (para obter, de um objeto observado, a nitidez máxima da imagem na retina) em relação à capacidade, ao mecanismo ou ao processo. É a obtenção de alterações refrativas através de mudanças na forma do CRISTALINO. Refere-se vagamente ao ajuste ocular da VISÃO OCULAR a várias distâncias. (Tradução livre do original: Cline et al., Dictionary of Visual Science, 4th ed.)
Síndrome caracterizada por uma PUPILA TÔNICA ocorrendo em combinação com diminuição dos reflexos das extremidades inferiores. A pupila afetada responde mais vigorosamente à acomodação que à luz (dissociação luz-proximidade) e é supersensível à diluição com gotas oculares de pilocarpina, que induzem a constrição pupilar. Os sinais patológicos incluem degeneração do gânglio ciliar e das fibras parassimpáticas pós-ganglionares, que enervam o músculo constritor pupilar.
Efeito de refração da LUZ por meio do OLHO.
Uso do aberrômetro para medir as imperfeições do tecido ocular ou anormalidades baseadas na forma como a luz passa através do olho, o que afeta a habilidade do olho de focalizar adequadamente.
Instituições educacionais.
Cor da íris.
Anticolinérgico parassimpatolítico utilizado exclusivamente para obtenção de midríase ou cicloplegia.
Desvios da média ou dos índices padrões de refração do olho através de seu aparelho refrativo ou dióptrico.
Medida da curvatura e forma da superfície anterior da córnea usando-se técnicas como ceratometria, ceratoscopia, fotoceratoscopia, perfil fotográfico, processamento de imagem assistido por computador e videoceratografia. Esta medida é frequentemente feita para adaptação de lentes de contato e para diagnóstico de doenças corneanas ou de alterações corneanas inclusive ceratocone que ocorre após ceratotomia e ceratoplastia.
Parte do espectro eletromagnético nas faixas visível, ultravioleta e infravermelha.
Clareza ou nitidez da VISÃO OCULAR ou a habilidade dos olhos de enxergar detalhes finos. A acuidade visual depende das funções da RETINA, da transmissão nervosa e da habilidade interpretativa do encéfalo. A acuidade visual normal (humana) é expressa como 20/20, que indica que uma pessoa pode enxergar a 20 pés (aproximadamente 6,1 m) o que normalmente deve ser visto a esta distância. A acuidade visual também pode ser influenciada por brilho, cor e contraste.
Indivíduos matriculados em uma escola ou programa educacional formal.
Campo especializado da física e da engenharia que estuda o comportamento e as propriedades da luz e a tecnologia de análise da geração, transmissão e manipulação da RADIAÇÃO ELETROMAGNÉTICA na escala visível, infravermelha e ultravioleta.
Luz relativamente brilhante ou a sensação de ofuscamento por uma luz relativamente brilhante, que produz desagrado ou desconforto, ou que interfere sobre a VISÃO OCULAR. (Tradução livre do original: Cline et al., Dictionary of Visual Science, 4th ed)
Diminuição normal da elasticidade do cristalino que leva à perda da acomodação.
Professores e membros do corpo administrativo com grau acadêmico em instituição de ensino.
Curvatura desigual das superfícies refrativas do olho; por isso, um ponto de luz não pode ser trazido a um foco puntiforme na retina, mas é espalhado por uma área mais ou menos difusa. Isto resulta de o raio de curvatura em um plano ser mais longo ou mais curto que o rádio perpendicular a ele.
Métodos e procedimentos para o diagnóstico de doenças do olho ou distúrbios da visão.
Prótese feita em série ou sob medida, de vidro ou plástico, com a forma e cor para assemelhar-se à porção anterior de um olho normal e inserida por razões cosméticas na órbita de um olho enucleado ou eviscerado. (Dorland, 28a ed)
Trabalhos que contêm artigos de informação em assuntos em todo campo de conhecimento, normalmente organizado em ordem alfabética, ou um trabalho semelhante limitado a um campo especial ou assunto.
Túnica vascular pigmentada do globo ocular, constituída por COROIDE, CORPO CILIAR e ÍRIS, que são contínuas entre si. (Tradução livre do original: Cline et al., Dictionary of Visual Science, 4th ed).
Corpo de histórias, cujas origens podem ser desconhecidas ou esquecidas, que servem para explicar práticas, convicções, instituições ou fenômenos naturais. Mitologia inclui lendas e contos do povo. Pode se referir à mitologia clássica ou a um corpo de pensamento moderno e vida moderna.
Órgão da visão consistindo de um par de órgãos globulares compostos por uma estrutura relativamente esférica de três camadas especializado em receber e responder à informação luminosa.
NEUROSSÍFILIS parenquimatosa caracteriza-se por degeneração lenta e progressiva das colunas e raizes posteriores e gânglios da coluna vertebral. A afecção tende a se apresentar 15 a 20 anos após a infecção inicial e caracterizada por dores com sensação de leveza nas extremidades inferiores, INCONTINÊNCIA URINÁRIA, ATAXIA, prejuízo da propriocepção e da sensação vibratória, marcha anormal (v. TRANSTORNOS NEUROLÓGICOS DA MARCHA), ATROFIA ÓPTICA, pupilas de Argyll-Robertson, hipotonia, hiper-reflexia e degeneração atrófica das articulações (articulação de Charcot, ver ARTROPATIA NEUROGENICA). (Tradução livre do original : Adams et al., Principles of Neurology, 6th ed, p726)
Gênero de plantas da família PINACEAE, ordem Pinales, classe Pinopsida, divisão Coniferophyta. São árvores coníferas, perenes, com agulhas longas, achatadas e espiralmente distribuídas que crescem diretamente a partir dos galhos.
Nome vulgar de peixes (ordem Anguilliformes) teleósteos vorazes e alongados (forma de serpente).
Cavidade ou recesso formado por uma prega do peritônio.
Doença contagiosa venérea causada pela espiroqueta TREPONEMA PALLIDUM.
Gênero (família Apiaceae) de planta cujas sementes são utilizadas como condimento.
Gênero de plantas (família Passifloraceae, ordem Violales, subclasse Dilleniidae, classe Magnoliopsida) trepadeiras com flores ornamentais e frutos comestíveis.
Lesão metastática do UMBIGO associado com neoplasias intra-abdominais especialmente do TRATO GASTROINTESTINAL ou do OVÁRIO.
Depressão no centro da PAREDE ABDOMINAL, marcando o ponto onde o CORDÃO UMBILICAL entrava no feto.
Grupo de nove ilhas e várias ilhotas pertencentes a Portugal no Oceano Atlântico afastadas da costa de Portugal. As ilhas foram assim denominadas devido aos açores (Accipiter gentilis) que vivem lá em abundância. (Tradução livre do original: Webster's New Geographical Dictionary, 1988, p102 & Room, Brewer's Dictionary of Names, 1992, p42)
Subordem de CARNÍVOROS aquáticos composta por MORSAS; OTÁRIAS; LEÕES MARINHOS; e FOCAS VERDADEIRAS. Apresentam um corpo fusiforme com cauda curta e são encontradas em todas as costas marinhas. Os filhotes nascem em terra.
População excluída da força de trabalho, geralmente por causa da idade, incapacidade ou por opção própria. (Tradução livre do original: Popline, 2002)
Ingestão de quantidade excessiva de alimento em um curto intervalo de tempo, como se observa no transtorno da BULIMIA NERVOSA. É causado por um desejo anormal por alimento ou fome insaciável, também conhecida como "fome de touro" (ox hunger).
Jogo praticado por dois ou quatro jogadores com raquetes e uma bola elástica em uma quadra de nível dividida por uma rede baixa.
Afecção caracterizada por dor em ou próxima ao epicôndilo umeral lateral ou na massa do músculo extensor do antebraço como resultado de um esforço não usual. Ela ocorre em jogadores de tênis assim como em donas de casa, artesãos e violinistas.
Ocasiões em que se comemora um evento ou que são criadas com um propósito específico.
Jogo no qual uma bola inflável arredondada é avançada por chutes ou é propelida com qualquer parte do corpo, exceto mãos ou braços. O objetivo do jogo é colocar a bola no gol oposto.