Margem externa do ABDOME que se estende da cavidade torácica osteocartilaginosa até a PELVE. Embora sua maior parte seja muscular, a parede abdominal consiste em pelo menos sete camadas: PELE, gordura subcutânea, FASCIA profunda; MÚSCULOS ABDOMINAIS, fascia transversa, gordura extraperitoneal e o PERITÔNIO parietal.
Músculos que formam a PAREDE ABDOMINAL; entre eles: RETO DO ABDOME, músculos oblíquos (externo e interno), abdominal transverso e quadrado do abdome. (Tradução livre do original: Stedman, 25a ed)
Protusão de estruturas abdominais através da PAREDE ABDOMINAL. Envolve duas partes: uma abertura na parede abdominal e uma bolsa constituído por PERITÔNIO e conteúdos abdominais. Entre as hérnias abdominais estão hérnias da virilha (HÉRNIA FEMORAL, HÉRNIA INGUINAL) e HÉRNIA VENTRAL.
HÉRNIA devida ao fechamento imperfeito ou fraqueza do anel umbilical. Aparece como uma protrusão coberta de pele no UMBIGO durante o choro, tosse ou fazendo esforço. A hérnia geralmente consiste de OMENTO ou INTESTINO DELGADO. A grande maioria das hérnias umbilicais é congênita, mas podem ser adquiridas com uma intensa distensão abdominal.
Hérnia causada por fraqueza da PAREDE ABDOMINAL anterior devido a defeitos da linha média, incisões prévias ou aumento da pressão intra-abdominal. As hérnias ventrais incluem a HÉRNIA UMBILICAL e as hérnias incisional, epigástrica e spigeliana.
Qualquer material tecido ou tricotado de textura aberta usado em cirurgia para reparo, reconstituição ou substituição de tecido. A tela é usualmente um tecido sintético feito de vários polímeros. É ocasionalmente feita de metal.
Camada mais externa de uma célula na maioria das PLANTAS, BACTÉRIAS, FUNGOS e ALGAS. Geralmente é uma estrutura rígida externa à MEMBRANA CELULAR, e oferece uma barreira protetora contra agentes físicos e químicos.
Defeito congênito com uma grande fissura na PAREDE ABDOMINAL lateral ao (porém não no) UMBIGO. Isto resulta em extrusão das VÍSCERAS. Diferentemente da onfalocele, as estruturas com hérnia na gastrosquise não são recobertas por um saco ou pelo PERITÔNIO.
Polímeros de propileno ou propeno. Termoplásticos que podem ser prensados em fibras, filmes ou formas sólidas. São utilizados como copolímeros em plásticos, especialmente o polietileno. As fibras são utilizadas em tecidos, filtros e suturas cirúrgicas.
TECIDO CONJUNTIVO do compartimento anterior das COXAS, que tem suas origens na face anterior da crista ilíaca e na espinha ilíaca ântero-superior, e seu ponto de inserção sobre o trato iliotibial. Desempenha um papel na rotação medial das COXAS, firmando o tronco, e na extensão do JOELHO.
Músculo longo e fino que se estende ao longo de toda a extensão de ambos os lados do abdome. Sua função é flexionar a coluna vertebral, principalmente a região lombar. Também tensiona a parede abdominal anterior e auxilia na compressão do conteúdo abdominal. Frequentemente é região de hematomas. Em cirurgias reconstrutivas este músculo é utilizado para a criação de retalhos miocutâneos.
Métodos para reparar rupturas em tecidos abdominais causados por trauma ou para fechar incisões cirúrgicas durante cirurgias abdominais.
Incisão lateral no abdome entre as costelas e a pelve.
Depressão no centro da PAREDE ABDOMINAL, marcando o ponto onde o CORDÃO UMBILICAL entrava no feto.
Traumatismos gerais ou não específicos envolvendo órgãos da cavidade abdominal.
Procedimentos cirúrgicos realizados para consertar aberturas anormais por meio das quais tecidos ou partes de órgãos podem protruir ou já estão protruídas.
Processo patológico constituído por ruptura completa ou parcial das camadas de uma ferida cirúrgica.
Procedimentos utilizados para reconstruir, restaurar ou melhorar estruturas defeituosas, danificadas ou perdidas.
Materiais usados no fechamento de uma ferida cirúrgica ou traumática com pontos. (Dorland, 28a ed)
Remoção cirúrgica do excesso de gordura e de pele abdominal e sustentação da PAREDE ABDOMINAL. A abdominoplastia pode incluir LIPECTOMIA de GORDURA INTRA-ABDOMINAL, firmeza dos MÚSCULOS ABDOMINAIS e recriação do UMBIGO.
Processos patológicos constituídos pela união das superfícies opostas de uma ferida.
As artérias epigástricas inferior e externa nascem da artéria ilíaca externa, superficial à femoral e superiormente à torácica interna. Irrigam os músculos abdominais, diafragma, região ilíaca e virilha. A artéria epigástrica inferior é usada em construção de desvio da artéria coronária e revascularização do miocárdio.
Pedaços de pele e tecido subcutâneo, às vezes incluindo músculos retirados de partes subjacentes, porém frequentemente ainda presas a uma extremidade. Eles retêm a própria microvasculatura que também é transferida para o novo local. São utilizados em cirurgias plásticas para reparar um defeito em região vizinha.
Introdução intencional de ar na cavidade peritoneal.
Réplica infantil de tumores desmoides abdominais, caracterizada por firmes nódulos subcutâneos que crescem rapidamente em qualquer parte do corpo, mas que não metastatizam. (Stedman, 25a ed)
Poliéster usado para suturas absorvíveis e malhas cirúrgicas, especialmente nas cirurgias oftálmicas. O polímero 2-hidroxi-ácido propanoico com ácido hidroxiacético polimerizado forma o polímero 3,6-dimetil-1,4-dioxano-diona com o copolímero 1,4-dioxano-2,5-diona de peso molecular de aproximadamente 80.000 daltons (80 kDa).
Camadas de tecido conjuntivo de espessuras variáveis. A fáscia superficial encontra-se imediatamente abaixo da pele, enquanto que a fáscia profunda envolve MÚSCULOS, nervos e outros órgãos.
Protrusão de tecido, estrutura ou parte de um órgão através do osso, tecido muscular ou da membrana na qual normalmente é inserida. A hérnia pode envolver tecidos, como PAREDE ABDOMINAL ou DIAFRAGMA respiratório. As hérnias podem ser internas, externas, congênitas ou adquiridas.
Tensão máxima de estiramento que um material pode suportar sem se romper (tear).
Técnicas para juntar as bordas de uma ferida com alças de fio ou materiais semelhantes (SUTURAS).
Processos patológicos envolvendo o PERITÔNIO.
Inflamação da fáscia. Há três tipos principais: 1) fasciite eosinofílica, uma reação inflamatória com eosinofilia, produzindo uma pele espessa e dura com uma configuração de casca de laranja, sugestiva de escleroderma e considerada por alguns, como uma variante de escleroderma; 2) FASCIITE NECROSANTE, uma séria infecção fulminante (normalmente causada por estreptococo beta hemolítico) causando necrose extensa da fáscia superficial; 3) Fasciite proliferativa/pseudossarcomatosa/nodular, caracterizada por um crescimento rápido de fibroblastos com células inflamatórias mononucleares e proliferação capilar em tecidos moles, geralmente do antebraço; não é maligna, mas, às vezes, é confundida com fibrossarcoma.
Procedimento em que um laparoscópio (LAPAROSCÓPIOS) é inserido através de uma pequena incisão próxima ao umbigo para examinar os órgãos abdominais e pélvicos na CAVIDADE PERITONEAL Se necessário, pode ser realizado biópsia ou cirurgia durante a laparoscopia.
Região juncional externa localizada entre a parte mais baixa do abdome e a coxa.
Região do corpo que se localiza entre o TÓRAX e a PELVE.
Passagem anatômica anormal entre o INTESTINO e qualquer segmento do intestino ou outro órgão. A fístula intestinal externa está conectada à PELE (fístula enterocutânea). A fístula intestinal interna pode estar conectada a vários órgãos, como ESTÔMAGO (fístula gastrocólica), TRATO BILIAR (fístula colecistoduodenal) ou BEXIGA URINÁRIA do TRATO URINÁRIO (fístula colovesical). Entre os fatores de risco estão os processos inflamatórios, câncer, tratamento por radiação e acidentes cirúrgicos (ERROS MÉDICOS).
Materiais sintéticos ou naturais (exceto as drogas), usados para substituir ou reparar qualquer tecido ou função do corpo.
Tecido fibroso que substitui o tecido normal durante o processo de CICATRIZAÇÃO de feridas.
Restauração da integridade a tecido traumatizado.
Hérnia abdominal com uma saliência externa na região da VIRILHA. Pode ser classificada de acordo com a localização da herniação. As hérnias inguinais indiretas ocorrem através do anel inguinal interno. As hérnias inguinais diretas ocorrem através de defeitos na PAREDE ABDOMINAL (fáscia transversal) no triângulo de Hesselbach. O primeiro tipo, normalmente é observado em crianças e adultos jovens, o segundo em adultos.
Parede externa do tórax contendo PELE, FASCIA profunda, VÉRTEBRAS TORÁCICAS, COSTELAS, ESTERNO e MÚSCULOS.
Passagem ou comunicação anormal entre um órgão interno e a superfície do corpo.
As infecções que ocorrem no local da incisão cirúrgica.
Camada de CÉLULAS EPITELIAIS escamosas (células mesoteliais), cobertas pelas MICROVILOSIDADES apicais, que permitem a rápida absorção de líquidos e partículas da CAVIDADE PERITONEAL. O peritônio é dividido nos componentes parietal e visceral. O peritônio parietal reveste o interior da PAREDE ABDOMINAL e o visceral reveste os órgãos intraperitoneais. O peritônio em dupla camada forma o MESENTÉRIO, que suspende estes órgãos da parede abdominal.
Sensação de desconforto, mal estar ou agonia na região abdominal.
Implantação local de células tumorais por contaminação de instrumentos e equipamento cirúrgico durante ou depois da ressecção cirúrgica, resultando no crescimento local de células e formação de tumor.
Processos patológicos que afetam pacientes após um procedimento cirúrgico. Podem ou não estar relacionados à doença pela qual a cirurgia foi realizada, podendo ser ou não resultado direto da cirurgia.
Material de sutura absorvível, também usado como clipes ligantes, pinos para fixação interna de ossos quebrados e como reforço no tratamento cirúrgico de lesão de ligamento. Suas características promissoras são a elasticidade, a completa biodegradabilidade e a ausência de efeitos colaterais, como as infecções.
Abscesso localizado na cavidade abdominal, i. é, a cavidade separada pelo diafragma da cavidade torácica acima, e pelo plano do estreito pélvico superior da cavidade pélvica abaixo, e revestida por uma membrana serosa, o peritônio. (Dorland, 28a ed)
Defeito congênito em que a BEXIGA URINÁRIA é malformada, exposta de dentro para fora e protruída através da PAREDE ABDOMINAL. É causado por defeitos no fechamento envolvendo a superfície anterossuperior da bexiga, bem como a parede abdominal inferior, PELE, MÚSCULOS e o osso púbico.
Procedimento pelo qual o corpo é estimulado a produzir tecido mole extra por meio da aplicação de forças de estiramento que estimulam novo crescimento de tecido que, durante certo tempo, resulta em uma expansão bidimensional do tecido. O procedimento é usado em cirurgia reconstrutiva para lesões causadas por trauma, queimaduras ou cirurgias ablativas. Vários tipos de DISPOSITIVOS PARA EXPANSÃO DE TECIDOS foram desenvolvidos a mostrar forças de estiramento.
Defeito congênito devido à malformação da URETRA em que a abertura uretral encontra-se acima da localização normal. Nos homens, a malformação da uretra geralmente se abre acima ou abaixo do PÊNIS, porém a uretra também pode ser aberta por todo o comprimento do pênis. Nas mulheres, a abertura da malformação uretral frequentemente ocorre entre o CLITÓRIS e os lábios, ou ainda, no ABDOME.
Homopolímero de tetrafluoretileno. Tubos ou fitas de plástico inerte, não inflamáveis, rígidos; usados para revestir recipientes, isolar, proteger e lubrificar equipamentos; também usados como membranas filtrantes, revestimento de implantes cirúrgicos, ou como material protético. Sinônimos: Fluoroflex; Fluoroplast; Ftoroplast; Halon; Polifeno; PTFE; Tetron.
Afecção na qual o tecido endometrial funcional está presente exteriormente ao ÚTERO. Frequentemente está restrito a PELVE envolvendo OVÁRIO, ligamentos, fundo-de-saco e o peritônio útero-vesical.
ENDOSCÓPIO para examinar os órgãos pélvico e abdominal na cavidade peritoneal.
Ferimentos causados por impacto com um objeto cego, em que não há penetração da pele.
Afecções em que o aumento de pressão dentro de um espaço limitado compromete a CIRCULAÇÃO SANGUÍNEA e a função do tecido dentro daquele espaço. Algumas das causas de aumento de pressão são o TRAUMA, vestimentas apertadas, HEMORRAGIA e exercício. Entre as sequelas estão a compressão do nervo (SÍNDROME DE COMPRESSÃO NERVOSA), PARALISIA e CONTRATURA ISQUÊMICA.
Dor que emana de sob as COSTELAS e sobre o ÍLIO.