Heteropolissacarídeos que contêm uma hexosamina N-acetilada numa característica repetitiva unidade dissacarídica. A estrutura repetitiva de cada dissacarídeo envolve ligações alternadas do tipo 1,4- e 1,3 consistindo tanto em N-acetilglucosamina ou N-acetilgalactosamina.
Derivados de condroitina que possuem uma molécula de sulfato esterificada a uma molécula de galactosamina do condroitina. O A-sulfato de condroitina, ou 4-Sulfato de condroitina, e o C-Sulfato de condroitina, ou 6-Sulfato de condroitina, possuem o sulfato esterificado nas posições 4- e 6-, respectivamente. O B-Sulfato de condroitina (beta heparina; DERMATAN SULFATO) é uma nomenclatura errônea e este composto não é um sulfato de condroitina verdadeiro.
Glicosaminoglicana que ocorre na natureza mais frequentemente encontrada na pele e tecido conjuntivo. Difere do SULFATO DE CONDROITINA A (veja SULFATOS DE CONDROITINA) por conter ÁCIDO IDURÔNICO no lugar do ácido glucurônico, seu epímero, no átomo de carbono 5. (Tradução livre do original: Merck, 12th ed)
Heteropolissacarídeo cuja estrutura é semelhante a HEPARINA. Acumula em indivíduos que têm mucopolissacaridose.
Mucopolissacarídeo altamente ácido formado por partes iguais de D-glucosamina sulfatada e ácido D-glucurônico com pontes sulfamínicas. O peso molecular varia entre 6 a 20 mil. A heparina é encontrada e obtida do fígado, pulmões, mastócitos, etc., de vertebrados. Sua função é desconhecida, mas é utilizada para impedir a coagulação do sangue in vivo e in vitro sob a forma de muitos sais diferentes.
Constituinte mucopolissacarídeo da condrina.
Mucopolissacarídeo natural de alta viscosidade com ligações alternantes beta (1-3) glucuronídeo e beta (1-4) glucosaminídicas. Encontrado no CORDÃO UMBILICAL, CORPO VÍTREO e no LÍQUIDO SINOVIAL. Níveis elevados na urina são encontrados na PROGERIA.
Sais inorgânicos do ácido sulfúrico.
Grupo de doenças do armazenamento lisossômico, sendo cada uma causada pela deficiência hereditária de uma enzima envolvida na degradação de glicosaminoglicanas (mucopolissacarídeos). As doenças são progressivas e geralmente apresentam um amplo espectro de severidade clínica a partir da deficiência de uma enzima.
Glicoproteínas que possuem alto conteúdo polissacarídico.
Mucopolissacarídeo sulfatado inicialmente isolado a partir da córnea bovina. Pelo menos dois grupos deles são atualmente conhecidos. O tipo I, mais frequentemente encontrado na córnea, contém D-galactose e D-glucosamina-6-O-sulfato como unidades repetitivas; e o tipo II, encontrado no tecido esquelético contém D-galactose e D-galactosamina-6-O-sulfato como unidade repetitiva.
Enzimas que catalisam a eliminação de resíduos de glucuronato do A-, B- e C-condroitina, ou que catalisam a hidrólise de grupos sulfato das unidades de 2-acetamido-2-desoxi-D-galactose 6-sulfato do sulfato de condroitina. EC 4.2.2.-.
Enzima da classe das isomerases, que catalisa a clivagem eliminativa de polissacarídeos contendo resíduos de D-glucuronato ou L-iduronato ligados em 1,4 e resíduos de 2-sulfoamino-2-desoxi-6-sulfo-D-glucose em ligações 1,4-alfa, para dar oligossacarídeos com grupos terminais de 4-desoxi-alfa-D-gluc-4-enuronosil, nos seus terminais não redutores. EC 4.2.2.7.
Eletroforese na qual o acetato de celulose é o meio de difusão.
Ácidos derivados de monossacarídeos por oxidação do grupo álcool primário (-CH2OH) removido do grupo carbonil em um grupo carboxila (-COOH); p. ex., ácido glicurônico. (Stedman, 25a ed)
Doença de armazenamento lisossomal sistêmica causada por deficiência da alfa-L-iduronidase (IDURONIDASE) e caracterizada por deterioração física progressiva, com excreção urinária de DERMATAN SULFATO e HEPARAN SULFATO. Há três fenótipos reconhecidos, representando um espectro de gravidade clínica de grave até moderada: síndromes de Hurler, de Hurler-Scheie e de Scheie (anteriormente denominada mucopolissacaridose V). Entre os sintomas estão NANISMO, hepatoesplenomegalia, fácies semelhante a gárgulas com ponte nasal baixa, embaçamento da córnea, complicações cardíacas e respiração ruidosa.
Oligossacarídeos contendo duas unidades monossacarídicas ligadas por uma ligação glicosídica.
Enzimas que catalisam a eliminação de resíduos de delta-4,5-D-glucuronato de polissacarídeos contendo ligações 1,4-beta-hexosaminil e 1,3-beta-D-glucuronosil ou 1,3-alfa-L-iduronosil, realizando assim a despolimerização. EC 4.2.2.4. age sobre o A-sulfato de condroitina e C-sulfato de condroitina, bem como sobre sulfato de dermatana e lentamente sobre o hialuronato. EC 4.2.2.5. age sobre A-sulfato de condroitina e C-sulfato de condroitina.
Enzima que catalisa a hidrólise aleatória de ligações 1,4 entre os resíduos de N-acetil-beta-D-glucosamina e D-glucuronato no hialuronato. (Tradução livre do original: Enzyme Nomenclature, 1992). Enzimas desta natureza têm sido usadas como ANTINEOPLÁSICOS para limitar a METÁSTASE NEOPLÁSICA.
Grupo de carbono-oxigênio liases. Estas enzimas catalisam a quebra de uma ligação carbono-oxigênio nos polissacarídeos, levando a um produto insaturado e à eliminação de um álcool. EC 4.2.2.
Enzima que catalisa a degradação eliminativa de polissacarídeos contendo as ligações 1,4-beta-D-hexosaminil e 1,3-beta-D-glucuronosil ou 1,3-alfa-L-iduronosil a dissacarídeos que contêm grupos de 4-desoxi-beta-D-gluc-4-enuronosil. (Tradução livre do original: Enzyme Nomenclature, 1992)
Componente do sulfato de dermatana. Difere em configuração do ácido glucurônico somente na posição C-5.
Proteína plasmática sulfatada com peso molecular de aproximadamente 66 kDa que se assemelha à ANTITROMBINA III. A proteína é um inibidor da trombina no plasma e é ativada pelo sulfato de dermatana ou heparina. É um membro da superfamília serpina.
Macromoléculas onipresentes associadas à superfície celular e matriz extracelular de uma ampla variedade de células de tecidos de vertebrados e invertebrados. São cofatores essenciais nos processos de adesão da célula à matriz, nos sistemas de reconhecimento de célula-célula, bem como nas interações entre fatores de crescimento e seus receptores.
Ácido nitroso (HNO2). Um ácido fraco que existe somente em solução. Pode formar nitritos hidrossolúveis e ésteres estáveis.
Doença sistêmica do armazenamento lisossômico caracterizada pela deterioração física progressiva e causada pela deficiência da enzima L-sulfoiduronato sulfatase. Esta doença difere da MUCOPOLISSACARIDOSE I por progressão mais lenta, falta de embaçamento corneano, e herança prioritariamente ligada ao -X que autossômica recessiva. A forma leve produz inteligência quase normal e muitos anos de vida. A forma severa normalmente causa morte por volta dos 15 anos de idade.
Corante de cobre usado como agente para deixar os lubrificantes na forma de gel, para corar as bactérias e para a coloração de histiócitos e fibroblastos in vivo.
Substância, semelhante a uma malha, encontrada dentro do espaço extracelular em associação com a membrana basal da superfície celular. Promove a proliferação celular e fornece uma estrutura de sustentação para células ou lisados de células em placas de cultura de adesão.
Sais inorgânicos do ácido clórico que contêm o íon ClO3-.
Isótopos de enxofre instáveis que se decompõem ou desintegram espontaneamente emitindo radiação. S 29-31, 35, 37 e 38 são radioisótopos de enxofre.
Defeitos genéticos nas funções de transporte seletivo ou não seletivo dos TÚBULOS RENAIS.
Arilsulfatase que catalisa a hidrólise de grupos 4-sulfato das unidades de N-acetil-D-galactosamina 4-sulfato do sulfato de condroitina e dermatan sulfato. Deficiência desta enzima é responsável por uma doença lisossomal herdada, a síndrome de Maroteax-Lamy (MUCOPOLISSACARIDOSE VI). EC 3.1.6.12.
Derivados inorgânicos e orgânicos do ácido sulfúrico (H2SO4). Os sais e ésteres do ácido sulfúrico são conhecidos por SULFATOS e ÉSTERES DO ÁCIDO SULFÚRICO, respectivamente.
Forma não vascularizada de tecido conjuntivo composta de CONDRÓCITOS inseridos numa matriz de COLÁGENO tipo II e SULFATOS DE CONDROITINA. É dividida em três tipos: CARTILAGEM HIALINA, FIBROCARTILAGEM e CARTILAGEM ELÁSTICA.
Enzima que catalisa a oxidação de UDPglucose a UDPglucuronato na presença de NAD+. EC 1.1.1.22.
Transtorno genético do metabolismo de mucopolissacarídeos, caracterizado por anormalidades esqueléticas, instabilidades das articulações, desenvolvimento de mielopatia cervical e sulfato de ceratano excessivo na urina. Há duas formas distintas bioquimicamente, cada uma devido à deficiência de uma enzima diferente.
Enzima que hidrolisa a ligação glicosídica na qual reside a função redutora do ácido glucurônico. Encontra-se em todos os tecidos animais, principalmente no fígado e no baço. Intervém na degradação do ácido hialurônico. A enzima glucuronidase beta hidrolisa seletivamente as ligações beta-glucosidurônicos e os grupos aril, acil ou álcool. (Tradução livre do original: Diccionario terminológico de ciencias médicas, Masson, 13a ed.)
Cromatografia em géis não iônicos sem levar em consideração o mecanismo de discriminação do soluto.
Zona rica de carboidratos presente na superfície celular. Esta zona pode ser visualizada tanto por uma variedade de corantes como pela sua afinidade por lectinas. Embora a maioria dos carboidratos esteja presa a moléculas intrínsecas da membrana plasmática, o glicocálix normalmente também contém glicoproteínas e proteoglicanas que são secretados no espaço extracelular e que são então absorvidos pela superfície da célula.
Substância polipeptídica composta por aproximadamente um terço da proteína total do organismo de mamíferos. É o principal constituinte da PELE, TECIDO CONJUNTIVO e a substância orgânica de ossos (OSSO e OSSOS) e dentes (DENTE).
Enzimas que transferem grupos sulfato de várias moléculas aceptoras. Estão envolvidas na sulfatação proteica pós-tradução, e na conjugação do sulfato de compostos químicos exógenos e ácidos biliares. EC 2.8.2.
Enzima que hidrolisa ligações iduronosídicas na dermatana dissulfatada. Deficiência desta enzima produz a síndrome de Hurler. EC 3.2.1.76.
Camada protectora de cartilagem firme e flexível por cima das extremidades das articulações dos ossos. Provê uma superfície lisa que permite o movimento articular e protege as extremidades dos ossos longos contra o desgaste nos pontos de contato.
Animais bovinos domesticados (do gênero Bos) geralmente são mantidos em fazendas ou ranchos e utilizados para produção de carne, derivados do leite ou para trabalho pesado.
Células propagadas in vitro em meio especial apropriado ao seu crescimento. Células cultivadas são utilizadas no estudo de processos de desenvolvimento, processos morfológicos, metabólicos, fisiológicos e genéticos, entre outros.
Técnica de separação na qual a fase estacionária consiste de resinas de troca iônica. As resinas contém pequenos íons livres que facilmente trocam de lugar com outros íons pequenos de igual carga, presentes na solução que banha a resina.
Proteoglicanas que consistem de proteínas ligadas a uma ou mais cadeias de oligossacarídeos contendo SULFATOS DE CONDROITINA.
Estudo sistemático da estrutura e função do conjunto completo de glicanos (o glicoma) produzidos em um único organismo e a identificação de todos os genes que codificam glicoproteínas.
Qualquer composto que contém uma molécula carboidrato (açúcar), no qual o grupo hidroxila ligado ao primeiro carbono é substituído por um grupo alcoólico, fenólico ou outro. Recebem seu nome especificamente em relação ao açúcar contido, como glucosídeo (glucose), pentosídeo (pentose), frutosídeo (frutose) etc. A hidrólise [de glicosídeos] forma um componente açúcar e um componente não açúcar (aglicona).
Carboidratos formados por dois (DISSACARÍDEOS) a dez MONOSSACARÍDEOS ligados entre si por uma ligação alfa- ou beta-glicosídica. São encontrados em toda a natureza tanto sob a forma livre como complexada.
Processo pelo qual substâncias endógenas ou exógenas ligam-se a proteínas, peptídeos, enzimas, precursores proteicos ou compostos relacionados. Medidas específicas de ligantes de proteínas são usadas frequentemente como ensaios em avaliações diagnósticas.
Processo eletroquímico no qual macromoléculas ou partículas coloidais com uma rede elétrica carregada migram em uma solução sob a influência de uma corrente elétrica.
LINHAGEM CELULAR derivada do ovário do hamster Chinês, Cricetulus griseus (CRICETULUS). Esta espécie é a favorita para estudos citogenéticos por causa de seu pequeno número de cromossomos. Esta linhagem celular tem fornecido modelos para o estudo de alterações genéticas em células cultivadas de mamíferos.
Subfamília (família MURIDAE) que compreende os hamsters. Quatro gêneros mais comuns são: Cricetus, CRICETULUS, MESOCRICETUS e PHODOPUS.
Sequência de carboidratos dentro de POLISSACARÍDEOS, GLICOPROTEÍNAS, e GLICOLIPÍDEOS.
Transtorno recessivo ligado ao sexo afetando múltiplos sistemas, incluindo o OLHO, SISTEMA NERVOSO e RIM. Entre as características clínicas estão CATARATA congênita, RETARDO MENTAL e disfunção tubular renal (SÍNDROME DE FANCONI, ACIDOSE TUBULAR RENAL, hipofosfatemia ligada ao cromossomo X ou raquitismo resistente à vitamina D) e ESCOLIOSE. Essa afecção se dá pela deficiência de fosfatidilinositol 4,5-bifosfato-5-fosfatase que leva a defeitos no metabolismo do FOSFATIDILINOSITOL e na via de sinalização do INOSITOL. (Tradução livre do original: Menkes, Textbook of Child Neurology, 5th ed, p60; Am J Hum Genet 1997 Jun;60(6):1384-8)
Mucopolissacaridose caracterizada por níveis excessivos de sulfatos de dermatana e heparan na urina e sinais tipo Hurler. É causada pela deficiência enzimática de beta-glucuronidase.
Enzima que cliva especificamente o éster sulfato do ácido idurônico. Sua deficiência foi demonstrada na síndrome de Hunter, que é caracterizada por um excesso de sulfato de dermatana e heparan sulfato. EC 3.1.6.13.
Mucopolissacaridose com níveis excessivos de CONDROITIM SULFATO B na urina, caracterizada por nanismo e surdez. É causada pela deficiência de N-ACETILGALACTOSAMINA-4-SULFATASE (arilsulfatase B).
Compostos orgânicos macromoleculares que contêm carbono, hidrogênio, oxigênio, nitrogênio e, geralmente, enxofre. Essas macromoléculas (proteínas) formam uma malha intrincada reticulada na qual as células se inserem para construir os tecidos. Variações nos tipos relativos de macromoléculas e sua organização determina o tipo de matriz extracelular, cada uma adaptada para os requisitos funcionais do tecido. As duas principais classes de macromoléculas que formam a matriz extracelular são: as glicosaminoglicanas, geralmente ligadas a proteínas (proteoglicanas) e proteínas fibrosas (ex., COLÁGENO, ELASTINA, FRIBRONECTINAS e LAMININA).
Partes de uma macromolécula que participam diretamente em sua combinação específica com outra molécula.
Compostos de prata e proteína utilizados como agentes anti-infectivos.
Taxa dinâmica em sistemas químicos ou físicos.
Forma característica tridimensional de um carboidrato.
Células do tecido conjuntivo que secretam uma matriz extracelular rica em colágeno e outras macromoléculas.
Técnica biodirigida na qual biomoléculas capazes de se ligarem a analíticos ou ligantes específicos, são primeiro imobilizadas de um lado de um filme metálico. A luz é então focada no lado oposto do filme para excitar o plasmônio de superfície. O índice refrativo da luz refletida dessa superfície é medido. Quando as biomoléculas imobilizadas são ligadas por seus ligantes, é criada uma alteração no plasmônio de superfície no lado oposto do filme que é diretamente proporcional à massa ligada ou absorvida. A ligação é medida pelas alterações no índice refrativo. A técnica é utilizada para estudo das interações biomoleculares, tais como ligação antígeno-anticorpo.
Técnica analítica para a separação de uma mistura química em seus componentes. Os componentes são separados sobre um papel adsorvente (fase estacionária) segundo seus respectivos graus de solubilidade/mobilidade no solvente (fase móvel).
Açúcares simples, carboidrato que não pode ser decomposto por hidrólise. Os monossacarídeos são substâncias cristalinas incolores com gosto doce e têm a mesma fórmula geral CnH2nOn. São classificados de acordo com o número de átomos de carbono na cadeia em dioses (C2H4O2), trioses (C3H6O3), etc., e são adicionalmente classificados como aldoses ou cetoses. (Dorland, 28a ed)
Mucopolissacaridose caracterizada por sulfato de heparitina na urina, retardo mental progressivo, nanismo leve e outros transtornos esqueléticos. Há quatro formas, indistinguíveis clinicamente, porém distintas bioquimicamente, cada uma devida à deficiência de uma enzima diferente.
Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
Descrições de sequências específicas de aminoácidos, carboidratos ou nucleotídeos que apareceram na literatura publicada e/ou são depositadas e mantidas por bancos de dados como o GENBANK, European Molecular Biology Laboratory (EMBL), National Biomedical Research Foundation (NBRF) ou outros repositórios de sequências.
Determinadas culturas de células que têm o potencial de se propagarem indefinidamente.
Técnica cromatográfica que utiliza a habilidade das moléculas biológicas de se ligarem a certos ligantes especificamente e reversivelmente. É utilizada em bioquímica de proteínas.
Compostos conjugados proteína-carboidrato que incluem mucinas, mucoides e glicoproteínas amiloides.
Proteoglicanos contendo hialuronatos grandes encontrados na CARTILAGEM ARTICULAR. Formam agregados que fornecem tecidos com a capacidade de resistir a forças de alta compressão e tensão.
Derivado cumarínico que possui propriedades como espasmolítico, colerético (isto é, aumenta a secreção biliar) e agente fotoprotetor. Também é utilizada em TÉCNICAS DE QUÍMICA ANALÍTICA na determinação de ÁCIDO NÍTRICO.
Família de glicoproteínas transmembrana que possuem um domínio citoplasmático curto, um único domínio que atravessa a membrana e um domínio extracelular com cadeias de sulfato de heparina e de SULFATOS DE CONDROITINA. As sindecanas interagem com vários PEPTÍDEOS E PROTEÍNAS DE SINALIZAÇÃO INTERCELULAR que se ligam à heparina e podem desempenhar algum papel na modulação da sinalização celular durante o DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO, tumorigênese e angiogênese.
Soma do peso de todos os átomos em uma molécula.
Técnicas usadas para separar misturas de substâncias baseando-se nas diferenças das afinidades relativas das substâncias nas fases móvel e estacionária. A fase móvel (líquido ou gás) passa direto por uma coluna contendo uma fase estacionária de sólido poroso ou líquido revestindo um suporte sólido. O tratamento é tanto analítico para quantidades pequenas como preparatório para quantidades grandes.
Proteínas preparadas através da tecnologia de DNA recombinante.
Porção anterior (transparente) da túnica fibrosa que reveste o olho, composta por cinco camadas: EPITÉLIO DA CÓRNEA (estratificado escamoso) LÂMINA LIMITANTE ANTERIOR, ESTROMA CORNEAL, LÂMINA LIMITANTE POSTERIOR e ENDOTÉLIO DA CÓRNEA (mesenquimal). Serve como primeiro meio de refração do olho. Estruturalmente, continua-se com a ESCLERA, é avascular, e recebe os nutrientes por permeação através de espaços entre as lamelas. É inervada pela divisão oftálmica do NERVO TRIGÊMEO (via nervos ciliares) e pelos da conjuntiva ao redor que, juntos, formam plexos. (Tradução livre do original: Cline et al., Dictionary of Visual Science, 4th ed)
Enzima proteolítica obtida de Streptomyces griseus.
Enzimas que catalisam a hidrólise de um fenol sulfato para dar um fenol e sulfato. Arilsulfatases A, B, e C foram separadas. Deficiência de arilsulfatases é uma das causas da leucodistrofia metacromática (LEUCODISTROFIA METACROMÁTICA). EC 3.1.6.1.
Tipo de CARTILAGEM cuja matriz contém grandes feixes de COLÁGENO TIPO I. A fibrocartilagem é tipicamente encontrada no DISCO INTERVERTEBRAL, SÍNFISE PÚBICA, MENISCO TIBIAL e nos discos articulares das ARTICULAÇÕES sinoviais. (Tradução livre do original: Ross et al, Histology, p. 132,136)
Ordem dos aminoácidos conforme ocorrem na cadeia polipeptídica. Isto é chamado de estrutura primária das proteínas. É de importância fundamental para determinar a CONFORMAÇÃO DA PROTEÍNA.
Pequeno proteoglicano rico em leucina encontrado em uma variedade de tecidos incluindo ENDOTÉLIO VASCULAR, MÚSCULO ESQUELÉTICO, CARTILAGEM, OSSOS e TENDÕES. A proteína contém duas cadeias de glicosaminoglicanos e é estruturalmente semelhante à DECORINA.
Polissacarídeo pentosil sulfatado com propriedades semelhantes às da heparina.
Pequeno proteoglicano rico em leucina que interage com COLÁGENOS FIBRILARES e modifica a estrutura da MATRIZ EXTRACELULAR de TECIDO CONJUNTIVO. Também se demonstrou que a decorina desempenha papéis acessórios na regulação de respostas celulares a FATORES DE CRESCIMENTO. A proteína contém uma única cadeia de glicosaminoglicano e é estruturalmente semelhante ao BIGLICANO.
Derivados do ÁCIDO GLUCURÔNICO. Sob este descritor está uma ampla variedade de formas de ácidos, sais, ésteres e amidas que contêm a estrutura de glicose com carboxila no carbono 6.
Glicoproteínas encontradas na superfície de células, particularmente em estruturas fibrilares. As proteínas são perdidas ou reduzidas quando essas células sofrem transformação viral ou química. São altamente susceptíveis à proteólise e são substratos para o fator VIII ativado da coagulação sanguínea. As formas presentes no plasma são chamadas globulinas insolúveis a frio.
Protuberâncias carnosas e avermelhadas do tecido da pele encontradas no topo da cabeça e unidas nas laterais da cabeça que ficam suspensas na mandíbula de aves como perus e galinhas.
Glicosídeo hidrolases (também chamadas glicosidases) catalisam a hidrólise da ligação glicosídica para gerar dois açúcares menores. Elas são enzimas extremamente comuns com funções na natureza incluindo degradação da biomassa, como celulose e hemicelulose, em estratégias de defesa antibacteriana (por exemplo, lisozima), em mecanismos de patogênese (por exemplo, neuraminidases virais), e no funcionamento celular normal (por exemplo, aparando as manosidases envolvidas na biossíntese de glicoproteínas ligadas a N). Juntamente com as glicosiltransferases, as glicosidases constituem a principal maquinaria catalisadora para a síntese e a quebra de ligações glicosídicas.
Sindecana ubiquamente expressada em todos os estágios do desenvolvimento embrionário e na maioria dos tecidos adultos. A sindecana-4 é encontrada nos locais de adesão focal, nas células nas quais a fibronectina se adere e pode desempenhar um papel nos processos de MIGRAÇÃO CELULAR e PROLIFERAÇÃO CELULAR.
Ligação de partículas virais a receptores na superfície celular do hospedeiro. No caso dos vírus com envelope, o ligante do virion é geralmente uma glicoproteína de superfície, assim como o receptor celular. Para os vírus sem envelope, o CAPSÍDEO viral serve como ligante.
Derivado N-acetil da galactosamina.
Átomos de enxofre estáveis que possuem o mesmo número atômico que o elemento enxofre, porém diferem em relação ao peso atômico. S-33, 34 e 36 são isótopos de enxofre estáveis.
Espécie Oryctolagus cuniculus (família Leporidae, ordem LAGOMORPHA) nascem nas tocas, sem pelos e com os olhos e orelhas fechados. Em contraste com as LEBRES, os coelhos têm 22 pares de cromossomos.
Microscopia que utiliza um feixe de elétrons, em vez de luz, para visualizar a amostra, permitindo assim uma grande amplificação. As interações dos ELÉTRONS com as amostras são usadas para fornecer informação sobre a estrutura fina da amostra. Na MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO, as reações dos elétrons transmitidas através da amostra são transformadas em imagem. Na MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA, um feixe de elétrons incide em um ângulo não normal sobre a amostra e a imagem é formada a partir de reações que ocorrem acima do plano da amostra.
A divisão que separa as duas CAVIDADES NASAIS no plano medial. É formada pela CARTILAGEM DO SEPTO NASAL, de partes dos ossos do crânio (OSSO ETMOIDE e VÔMER) e partes membranosas.
Sindecana que interage com as PROTEÍNAS DA MATRIZ EXTRACELULAR e desempenha um papel na PROLIFERAÇÃO CELULAR e MIGRAÇÃO CELULAR.
Forma hidrolixada do aminoácido prolina. Uma deficiência em ÁCIDO ASCÓRBICO pode resultar em deficiência na formação da hidroxiprolina.
Tecido que sustenta e conecta outros tecidos. Consiste de CÉLULAS DO TECIDO CONJUNTIVO inseridas em uma grande quantidade de MATRIZ EXTRACELULAR.
Derivados da heparina. O termo tem sido utilizado imprecisamente, incluindo os polissacarídeos altamente sulfatados naturais e sintéticos de estrutura similar. As preparações heparinoides têm sido utilizadas em um amplo espectro de aplicações, incluindo-se como anticoagulantes e anti-inflamatórios, sendo-lhes atribuídas propriedades hipolipidêmicas.
Grupo de transtornos determinados geneticamente, caracterizados por bolhas de pele e mucosas. Há quatro tipos principais: adquirido, simples, juncional e distrófico. Cada um dos últimos três tipos possui diversas variedades.
Gênero da família Muridae que compreende onze espécies. C. migratorius, o hamster cinza ou armênio, e C. griseus, o hamster chinês, são as duas espécies utilizadas em pesquisa biomédica.
Polímero de glucose de cadeia longa contendo 17-20 por cento de enxofre. Tem sido utilizado como anticoagulante, e tem sido mostrado para inibir a ligação HIV-1 a LINFÓCITOS T CD4-POSITIVOS. Normalmente é utilizado tanto como reagente experimental quanto em laboratório clínico. Tem-se investigado seu papel para uso como um agente antiviral, no tratamento da hipolipidemia e para a prevenção de danos por radicais livres, entre outras aplicações.
Células polimórficas que formam a cartilagem.
Substituição terapêutica ou suplementação de enzima defeituosa ou ausente para suavizar os efeitos da deficiência da enzima (ex.: substituição de GLUCOSILCERAMIDASE para a DOENÇA DE GAUCHER).
Qualquer animal da família Suidae, compreendendo mamíferos onívoros, robustos, de pernas curtas, pele espessa (geralmente coberta com cerdas grossas), focinho longo e móvel, e cauda pequena. Compreendem os gêneros Babyrousa, Phacochoerus (javalis africanos) e o Sus, que abrange o porco doméstico (ver SUS SCROFA)
Grupo de enzimas que catalisam a hidrólise de várias ligações sulfato do sulfato de condroitina. EC 3.1.6.-.
Aderência de células a superfícies ou a outras células.
Membro da família de proteínas serpina encontrado no plasma e urina. É dependente da heparina e capaz de inibir a PROTEÍNA C ativada, TROMBINA, CALICREÍNA e outras SERINA ENDOPEPTIDASES.
Ésteres orgânicos do ácido sulfúrico.
Compostos químicos ou substâncias que dão cor incluindo tinturas solúveis e pigmentos insolúveis. São usados em TINTAS, PINTURAS e como INDICADORES E REAGENTES.
Proteoglicanas que contêm ÁCIDO HIALURÔNICO encontradas na MATRIZ EXTRACELULAR de uma variedade de tecidos e órgãos. Várias isoformas de versicanas existem devido ao PROCESSAMENTO ALTERNATIVO múltiplo do RNA MENSAGEIRO.
Eletroforese na qual um gel de ágar ou agarose é usado como meio de difusão.
Gênero de bactérias em bastonetes que são Gram-negativas e aeróbias, amplamente distribuídas no SOLO e na ÁGUA. Seus organismos também são encontrados em carnes cruas, LEITE e outros ALIMENTOS, ambientes hospitalares e amostras clínicas de humanos. Algumas espécies são patogênicas em humanos.
Agente antiviral usado como seu hidrocloreto. É o primeiro composto sintético reconhecido, de baixo peso molecular, um indutor ativo de interferon por via oral e também citado por suas ações antineoplásica e anti-inflamatória.
Glicoproteína alfa 2 plasmática responsável pela maior parte da atividade antitrombina no plasma normal e que também inibe várias outras enzimas. É membro da família das serpinas.
Técnica de cromatografia líquida que se caracteriza por alta pressão de passagem, alta sensibilidade e alta velocidade.
Classe de partículas citoplasmáticas morfologicamente heterogêneas encontradas em tecidos animais e vegetais, caracterizadas por seu conteúdo de enzimas hidrolíticas e pela latência relacionada à estrutura destas enzimas. As funções intracelulares dos lisossomos dependem de seu potencial lítico. A única unidade de membrana do lisossomo atua como uma barreira entre as enzimas encerradas no lisossomo e o substrato externo. A atividade das enzimas contidas no lisossomos é limitada ou nula, a não ser que a vesícula na qual estas enzimas encontram-se seja rompida. Supõem-se que tal ruptura esteja sob controle metabólico (hormonal).
Estudo da distribuição intracelular de substâncias químicas, sítios de reação, enzimas etc., por meio de reações coradas, captação de isótopo radioativo, distribuição seletiva de metais em microscopia eletrônica ou outros métodos.