Transtornos neoplásicos distintos de histiócitos. Estão incluídas as neoplasias malignas de MACRÓFAGOS e CÉLULAS DENDRÍTICAS.
Gênero de plantas (família CLUSIACEAE) cujos membros contêm XANTONAS.
Família de plantas (ordem Myrtales, subclasse Rosidae, classe Magnoliopsida) principalmente árvores e arbustos. Muitos de seus membros contêm mucilagem e CUMARÍNICOS.
Moléculas biologicamente ativas que estão covalentemente ligadas às enzimas ou às proteínas ligantes, que normalmente agem sobre eles. A ligação ocorre devido à ativação do marcador por luz ultravioleta. Estes marcadores são usados principalmente para identificar sítios de ligação em proteínas.
Experimentos planejados para determinar o potencial de efeitos tóxicos de uma exposição prolongada a um ou mais compostos químicos.
Família do mangostim (ordem THEALES, subclasse Dilleniidae, classe Magnoliopsida), às vezes, classificada como Guttiferae, também conhecida como Hypericaceae. Inclui árvores e arbustos com seiva resinosa e pegajosa, geralmente com folhas grandes, oblongas e duras, com uma veia central e as flores possuem vários estames.
Gênero de plantas (família MYRTACEAE) que geram frutas comestíveis que contêm guavinas B e glicosídeos de quercetinas.
OXIDIAZÓIS suportando um oxigênio na posição 5. São mesoiônicas com cargas positiva e negativa deslocadas.
Fármacos farmacologicamente inativos, porém, quando expostos à radiação ultravioleta ou à luz solar, são convertidos em seus metabólitos ativos; isso produz uma reação que beneficia o tecido doente. Esses compostos podem ser administrados tópica ou sistemicamente, sendo usados no tratamento da psoríase e de vários tipos de neoplasias.
Compostos baseados na acridona, com três anéis planos, e o anel central contendo um nitrogênio e um oxigênio cetônico opostos entre si. Muitos deles ocorrem naturalmente em alcaloides.
Testes para medir experimentalmente a produção de tumor/câncer e o poder de produção celular de um agente pela administração do agente (por exemplo, benzantracenos) e observação da quantidade de tumores ou a transformação celular desenvolvida em um determinado período de tempo. O valor de carcinogenicidade é usualmente medido como miligramas do agente administrado por tumor desenvolvido. Ainda que este teste difira da substituição de DNA e TESTES DE MUTAGENICIDADE de microssomas bacterianos, pesquisadores tentam com frequência, correlacionar os achados de valores de carcinogenicidade e valores de mutagenicidade.
Qualquer composto que contém uma molécula carboidrato (açúcar), no qual o grupo hidroxila ligado ao primeiro carbono é substituído por um grupo alcoólico, fenólico ou outro. Recebem seu nome especificamente em relação ao açúcar contido, como glucosídeo (glucose), pentosídeo (pentose), frutosídeo (frutose) etc. A hidrólise [de glicosídeos] forma um componente açúcar e um componente não açúcar (aglicona).
Enzimas que catalisam a união de duas moléculas através da formação de uma ligação carbono-carbono. São as enzimas carboxilantes e na maioria, biotinil-proteínas. EC 6.4.
Localização dos átomos, grupos ou íons, em relação um ao outro, em uma molécula, bem como o número, tipo e localização das ligações covalentes.
Gênero de plantas perenes, da família CLUSIACEAE (às vezes classificada como Hypericaceae). Preparações herbais e homeopáticas são usadas para depressão, neuralgia e uma variedade de outras afecções. Contém FLAVONOIDES, GLICOSÍDEOS, mucilagem, TANINOS e ÓLEOS ESSENCIAIS.
Dibenzo(a, h)antraceno de 20 carbonos que pode ser visto como um naftaleno unido a um fenaleno ou como dinaftaleno. É usado como sonda lipídica fluorescente na citoquímica de membranas, e é um hidrocarbono policíclico contaminante de solo e água. Os derivados podem ser carcinogênicos.
Derivado de trinitrobenzeno com propriedades antiespasmódicas utilizado principalmente como reagente em laboratório.
Gênero de plantas (família BIGNONIACEAE) que são fonte de lapachóis.
Anomalia do desenvolvimento na qual o esterno inferior está deslocado posteriormente e deformado de forma côncava, resultando num tórax em forma de funil.
Preparações farmacêuticas concentradas de plantas obtidas pela remoção dos constituintes ativos com um solvente adequado (que é eliminado por evaporação) e ajuste do resíduo [seco] a um padrão prescrito.
Parede externa do tórax contendo PELE, FASCIA profunda, VÉRTEBRAS TORÁCICAS, COSTELAS, ESTERNO e MÚSCULOS.
Insetos da superfamília Apoidea encontradas em praticamente todo lugar, particularmente sobre flores. Por volta de 3500 espécies ocorrem na América do Norte. Diferem da maioria das VESPAS pelo fato de que suas crias são alimentadas com mel e pólen, ao invés de alimento de origem animal.
Uso médico de produtos de abelhas melíferas, tais como VENENO DE ABELHA, MEL, 'pólen' de abelha (mistura da saliva da abelha com pólen e néctar), PRÓPOLIS e geleia real.
Extensa ordem de insetos altamente especializados, incluindo abelhas, vespas e formigas.
Trabalhos que contêm artigos de informação em assuntos em todo campo de conhecimento, normalmente organizado em ordem alfabética, ou um trabalho semelhante limitado a um campo especial ou assunto.
Comida líquida e doce produzida nas bolsas de mel de várias abelhas a partir do néctar coletado das flores. O néctar é amadurecido em mel por inversão de seu açúcar de sacarose em frutose e glucose. É um pouco ácido e tem propriedades antissépticas moderadas e às vezes é usado no tratamento de queimaduras e lacerações.
Gênero de plantas (família FABACEAE) cujos membros produzem o EXTRATO DE SENA. Os membros contêm ANTRAQUINONAS que tem sido usados como ingredientes de laxantes (CATÁRTICOS). Várias espécies do gênero CASSIA foram reclassificadas para este gênero. Este arbusto não deve ser confundido com a árvore Cassia (CINNAMOMUM).
As ciências que estudam os processos observáveis na natureza.
Campo da ciência da informação preocupado com a análise e a disseminação de dados através da aplicação de computadores.
TECIDO CONJUNTIVO especializado, principal constituinte do ESQUELETO. O componente celular básico (principle) do osso é constituído por OSTEOBLASTOS, OSTEÓCITOS e OSTEOCLASTOS, enquanto COLÁGENOS FIBRILARES e cristais de hidroxiapatita formam a MATRIZ ÓSSEA.
Estudo dos aspectos de energia e matéria em termos de princípios e leis elementares. (Tradução livre do original: McGraw-Hill Dictionary of Scientific and Technical Terms, 6th ed)
Substâncias geralmente inertes adicionadas a uma prescrição para garantir uma consistência satisfatória para a formulação. Estas incluem aglutinantes, matrizes, bases ou diluentes usados em pílulas, comprimidos, cremes, pomadas, etc.
Indivíduos matriculados em uma escola ou programa educacional formal.
Silicato de magnésio hidratado em pó, extremamente fino e puro. É utilizado como pó para desempoar, tanto sozinho como em conjunto com o amido ou o ácido bórico, como produto de asseio e em preparações medicinais. É também um excipiente para pílulas e comprimidos, além de desempoar chapas de moldes.
O termo genérico para os sais derivados da sílica ou do ácido silícico. Contêm silício, oxigênio e um ou mais metais, além de poderem conter hidrogênio. (Tradução livre do original: McGraw-Hill Dictionary of Scientific and Technical Terms, 4th Ed)
Oligoelemento que constitui aproximadamente 27,6 por cento da crosta terrestre sob a forma de DIÓXIDO DE SILÍCIO. Não ocorre de forma livre na natureza. O silício possui símbolo atômico Si, número atômico 14 e peso atômico [28.084; 28.086].
Substâncias feitas de uma agregação de pequenas partículas, como as obtidas pela moagem ou trituração de uma substância sólida. (Dorland, 28a ed)
Sais e ésteres do ácido esteárico, ácido monocarboxílico saturado de dezoito carbonos.
Asbestos (amiantos). Minerais fibrosos, incombustíveis, compostos por magnésio e silicatos de cálcio, com ou sem outros elementos. São relativamente inertes quimicamente e utilizados no isolamento térmico e na proteção contra o fogo. Inalação de seu pó causa asbestose seguida por neoplasias pulmonares e gastrointestinais.
A produção de aderências entre a pleura parietal e a visceral. (Dorland, 28a ed)
Espécie de CORYNEBACTERIUM isolada de abscessos de animais homeotermos.
1) Períodos secos prolongados no ciclo climático natural. São fenômenos de estabelecimento demorado causado por deficiência de chuva, combinada com outros fatores de predisposição. (MeSH) 2) Níveis insuficientes de chuva que resultam em escassez da água afetando o bem estar econômico e físico de uma comunidade (REPIDISCA). 3) Ausência prolongada, deficiência acentuada ou fraca distribuição de precipitação. 4) Período de tempo seco, suficientemente prolongado, para que a falta de precipitação provoque grave desequilíbrio hidrológico (Ministério da Ação Social, Brasília, 1992). 5) Período de deficiência de umidade no solo, de tal forma que não existe a água necessária para plantas, animais e seres humanos.
Dispositivos individuais para proteção das orelhas contra ruídos de alta frequência e alta intensidade, água ou frio. Inclui tampões de orelhas.
Dispositivos destinados à proteção individual contra agressões a indivíduos expostos a riscos na indústria, esportes, aviação ou em suas atividades cotidianas.
Camada externa do corpo, que o protege do meio ambiente. Composta por DERME e EPIDERME.
Tumores ou câncer da PELE.