• celular
  • A análise imunofenotípica, utilizando um painel de anticorpos monoclonais, é capaz de definir a linhagem celular, subpopulação e estágio de diferenciação da população neoplásica, contribuindo para a confirmação do diagnóstico. (docplayer.com.br)
  • tecido adiposo
  • Métodos: Culturas de MSC obtidas de tecido adiposo de ratos jovens da linhagem Lewis transgênicos para proteína verde fluorescente (GFP) foram submetidos a três diferentes meios de diferenciação cardiogênica: Planat-Bérnard, 5-azacitidina e meio Planat-Bérnard + 5-azacitidina e observadas quanto a expressão de marcadores celulares cardíacos. (docplayer.com.br)
  • sistema
  • 13 - Imunofenotipagem - Processo de classificação de células do sistema imune baseado nas diferenças estruturais e funcionais. (docplayer.com.br)
  • 2 Introdução O potencial de renovação e proliferação dos cardiomiócitos, in vivo, é pequeno, e por isso, o músculo apresenta limitada capacidade de repor as células perdidas mediante as lesões hipóxico-isquêmicas 1 e por lesões que acometem o sistema de condução do coração 2,3. (docplayer.com.br)
  • Sistema imunológico são células e proteínas que defendem o corpo contra infecções. (docplayer.com.br)
  • nuclear
  • Resultados: Nos três protolocos utilizados observou-se formação da proteína alfa-actinina sarcomérica no citoesqueleto das células submetidas à diferenciação, expressão de conexina 43 na membrana nuclear e citoplasmática e formação de gap junctions, necessárias para a propagação do impulso elétrico no miocárdio, contudo, em nenhum protocolo foi observada contração espontânea das células submetidas à diferenciação cardiogênica. (docplayer.com.br)
  • maduros
  • O comprometimento da linhagem pode ser reconhecido pela expressão adicional do CD38, juntamente com CD71 para linhagem eritroide, CD33 para a mileoide, CD10 para a linfoide B e CD7/CD5 para a linfoide T. Leucócitos maduros passam a apresentar CD45. (ufg.br)
  • capacidade
  • Universidade de Vila Velha 3, Vila Velha, ES, Brasil Resumo Fundamento: O potencial de renovação e proliferação dos cardiomiócitos, in vivo, é pequeno, e por isso, o músculo cardíaco apresenta limitada capacidade de repor células perdidas. (docplayer.com.br)