Qual o melhor exercício para quem tem hérnia de disco lombar?


Gostaria de saber se quem tem hérnia de disco lombar pode fazer exercícios naquele aparelho de ginástica mega fitness, que é o mesmo que uma caminhada porém sem impacto?
----------

Relevância epidemiológica

Admite-se que 80% da população mundial adulta têm ou terão lombalgia, 30 a 40% desta população apresentam de forma assintomática hérnia de disco lombar (Ortiz, 2000) e 2 a 3% já estão acometidos pelo sintoma desta patologia, cuja prevalência acima dos 35 anos é de 4,8% no universo masculino e 2,5% no feminino. A idade média para o aparecimento da primeira crise de dor é de aproximadamente 37 anos, sendo que em 76% dos casos há antecedente de dor lombar uma década atrás (Negrelli, 2001).

No Brasil, a repercussão econômica destes dados fez com que as lombalgias se tornassem a 1ª causa de pagamento de auxílio doença e a 3ª causa de aposentadoria por invalidez (Fernandes, 2000). Embora os dados epidemiológicos atinjam indiscriminadamente as diversas camadas sociais, poucos têm acesso aos tratamentos cirúrgico-evasivos ou minimamente evasivos.

Já o tratamento conservador, além do baixo custo, tem obtido os melhores resultados. Quando um indivíduo que adquiriu hérnia de disco lombar minimiza seu quadro clínico de dor, através da atividade física, ele está sendo grandemente beneficiado: primeiramente, pelo fato de não correr os riscos pertinentes de toda cirurgia de coluna, além de não apenas tratar o disco enfermo, mas também aprimorar a flexibilidade, melhorar a condição cardio-respiratória e, talvez, abrandar crises recidivas. Mas, quando a dor não apresentar retrocesso após quatro a seis semanas deste tratamento, recomenda-se intervenção cirúrgica, o quê significa menos de 10% dos casos (Ortiz, 2000).

Este artigo tem por objetivo realizar uma revisão sobre as definições mais recentes sobre hérnia de disco lombar, procura resumir as pesquisas de maior relevância que optaram por utilizar o tratamento conservador, aborda a questão do comportamento sedentário para o crescimento desta enfermidade e mostra a importância da atividade física para a recuperação nestes indivíduos sintomáticos. Acredita-se também, que seja de fundamental importância descrever quais foram às investigações que obtiveram reabsorção do núcleo pulposo através do tratamento conservador.


Material e Métodos

Foram referendados 30 artigos pertinentes ao tema proposto das seguintes bases de dados: Medline, Bireme, Lilacs e os periódicos da Capes, principalmente a revista Spine. O idioma pesquisado foi o português, espanhol e o inglês.

Os artigos mais antigos foram citados por se tratarem de clássicos da anatomia e biomecânica. Posteriormente eles tiveram suas comprovações validadas, a partir de outras investigações com exames de imagem do tipo: Tomografia Computadorizada (TC) e Imagem de Ressonância Magnética (IRM). Tais procedimentos nos encorajam à realização de futuras pesquisas com indicativos de exames clínicos, uma vez que no Brasil o acesso ao diagnóstico por imagem ainda é bastante restrito para algumas camadas sociais.

De acordo com Pereira, 1997, os métodos utilizados nas bibliografias publicadas com tratamento conservador, foram: Coortes de dez anos (Weber,1983 e Fraser,1997), Ensaio Clínico Randomizado (Mcilveen,1998/ Landridg,1988/ Smit,1991/ Pecar,2003/ Saal,1990/ Onel,1989 e Kawaji,2001) e um Estudo Transversal de Fahrmi,1975. A amostra na maioria dos estudos foi de conveniência e o grau de confiança da técnica empregada estava dentro do padrão estatístico aceitável.


Homo eretus X Homo "sentadus"

Desde a primeira descoberta reconhecida de registro fóssil humano, na África há 50 milênios, o DNA mitocondrial de grupos étnicos diversos indicam que a constituição genética de mulheres e homens quase não mudou, apesar das enormes mudanças de sociedade associadas à agricultura e industrialização (Vigilant, 1991 e Wilson, 1992).

A fisiologia da obtenção de energia e o seu dispêndio continuam sendo o mesmo desde a idade da pedra. Porém, o equilíbrio desta relação vem sendo dissociado das tarefas diárias, ou seja, o dispêndio de energia através da atividade física, para a maioria dos indivíduos, tornou-se uma atividade extraordinariamente separada do cotidiano, engajando-se especificamente ao aprimoramento de resistência, força e flexibilidade, em contraste com o esforço físico diário que nossos antepassados suportavam para que houvesse a perpetuação da nossa espécie (Cordain, 1998).

Verdadeiramente, o homem dependia de suas habilidades psico-motoras para sua sobrevivência alimentar. Hoje ele alcança tais objetivos através de atitudes que requerem uma capacidade cognitiva bem superior às suas destrezas motoras primitivas, priorizando cada vez mais comportamentos estáticos e sedentários. Basta que observemos os trabalhadores de escritório dos dias de hoje: eles permanecem em média 6 horas diárias sentados (com pequenas pausas), numa jornada de 40 horas semanais. Isso significa que, ao final de 35 anos de trabalho, é como se eles estivessem 6 anos ininterruptos sentados sobre uma cadeira, quase que inertes do ponto de vista mot  (+ info)

Coca-cola realmente pode causar gastrite ou úlcera?


É verdade ou mito? Porque eu adoro esse refri.
----------

O refrigerante em si não causa gastrite, algumas pessoas podem ja ter a doença e associar o fato ao refri, mas tb tem aquelas que passam mal apos ingerir coca ou outro refri qualquer.
Ai vai as causas da gastrite:

A gastrite pode ser causada por diversos fatores diferentes.

• Helicobacter pylori: essa bactéria tem a capacidade de viver dentro da camada de muco protetor do estômago. A prevalência da infecção por esse microorganismo é extremamente alta, sendo adquirida comumente na infância e permanecendo para o resto da vida a não ser que o indivíduo seja tratado. A transmissão pode ocorrer por duas vias: oral-oral ou fecal-oral. A gastrite não é causada pela bactéria em si, mas pelas substâncias que ela produz e que agridem a mucosa gástrica, podendo levar a gastrite, úlcera péptica e, a longo prazo, ao câncer de estômago.

• Aspirina: o uso de aspirina e de outros antiinflamatórios não-esteróides podem causar gastrite porque levam à redução da proteção gástrica. Importante ressaltar que esses medicamentos só levam a esses problemas quando usados regularmente por um longo período. O uso de corticóide por longo período também pode levar a gastrite.

• Álcool: pode levar à inflamação e dano gástrico quando consumido em grandes quantidades e por longos períodos.

• Gastrite auto-imune: em situações normais, o nosso organismo produz anticorpos para combater fatores agressores externos. Em algumas situações, entretanto, pode haver produção de anticorpos contra as próprias células do organismo, levando a vários tipos de doenças (por exemplo, lúpus eritematoso sistêmico, artrite reumatóide, diabetes mellitus tipo 1). Na gastrite auto-imune, os anticorpos levam à destruição de células da parede do estômago, reduzindo a produção de várias substâncias importantes. O câncer de estômago também pode ocorrer a longo prazo.

• Outras infecções: a gastrite infecciosa pode ser causada por outras bactérias que não o H. pylori, como por exemplo a bactéria da tuberculose e a da sífilis; pode também ser causada por vírus, fungos e outros parasitas.

• Formas incomuns: são causas mais raras. Temos as gastrites linfocítica e eosinofílica; a gastrite granulomatosa isolada; e a gastrite associada a outras doenças como a sarcoidose e a doença de Crohn
O consumo de café e outras bebidas que contém cafeína (caca-cola) não é contra-indicado se o paciente tolera bem essas bebidas.  (+ info)

Destilados e cerveja elevam o ácido úrico e glicose ou é apenas carne vermelha, como reduzir sem halopatia?


Os medicamentos halopáticos me causam alergia, meus lábios e face incham em minutos após ingerir.
----------

Estou com um pouco de folga momentânea a vejo que o alcool em sí já está prejudicando a saúde do amigo e daqui para a frente a coisa tende a piorar sensivelmente. Vou tentar ser o mais suscinto com relação a sua pergunta e como o amigo é suficientemente inteligente para entender espero que leia e observe a todo o exposto.
A gota(Ácido Úrico elevado) é um tipo de artrite inflamatória causada pela deposição de cristais de urato no líquido sinovial que banha as articulações, e em outros tecidos.
Está associada a níveis elevados de ácido úrico no sangue. Quando esses níveis são iguais ou maiores do que 6,8 mg por decilitro, dizemos que existe hiperuricemia, condição causada pela dificuldade do rim em excretar urato ou pela produção exagerada dessa substância.
A hiperuricemia é condição necessária para a instalação da gota, mas não suficiente. Um estudo com grande número de pacientes com níveis de ácido úrico superiores a 9,0 mg/dL revelou que apenas 22% desenvolveram gota num período de cinco anos.
A gota tem duas fases.
Na primeira, as crises são intermitentes, duram de 7 a 10 dias, regridem, e são seguidas por um período sem sintomas. O primeiro ataque costuma ocorrer de madrugada, com uma dor tão aguda no primeiro dedo do pé que a pessoa tem a impressão de que foi picada por um bicho. A partir desse momento, o simples contato com o lençol faz o dedo doer.
A segunda fase surge como consequência do controle inadequado da hiperuricemia. Ela se manifesta sob a forma de inchaços crônicos que deformam as articulações, causados pelo processo inflamatório associado à deposição dos cristais. Ao contrário da primeira fase, os sintomas agora persistem entre as crises.
A prevalência aumenta com a idade. A doença agride o sexo masculino na proporção de cada três ou quatro homens para cada mulher, mas, à medida que as mulheres chegam à menopausa, o risco aumenta.
O risco é mais alto entre aqueles que fazem uso de determinados medicamentos: diuréticos, aspirina em baixas doses (< 1 grama/dia) ou ciclosporina para evitar rejeição de transplante.
Os principais fatores que favorecem o aparecimento de hiperuricemia e gota são: obesidade, síndrome metabólica, insuficiência renal, hipertensão arterial, insuficiência cardíaca, transplante de órgão e algumas condições genéticas que interferem com o metabolismo dos uratos. Diabetes reduz o risco porque os níveis mais altos de glicose na circulação colaboram para aumentar a excreção de ácido úrico.
O risco é mais alto naqueles que ingerem dietas muito ricas em purinas (particularmente carne vermelha e frutos do mar), bebidas alcoólicas (principalmente cerveja e destilados),DEU PARA O AMIGO ENTENDER AQUI???????? refrigerantes e frutose. É mais baixo nos que consomem leite e derivados, café e vitamina C (que ajuda a baixar os níveis de urato).
O tratamento da gota aguda tem como objetivo controlar a dor forte causada pela inflamação. São receitados anti-inflamatórios comuns, colchicina e alguns derivados da cortisona. A duração do tratamento dependerá da resposta clínica.
Os especialistas recomendam que os portadores de gota carreguem o anti-inflamatório no bolso, para tomá-lo assim que surgir o primeiro sintoma.
A aplicação de gelo no local é medida muito útil, por causa da atividade anti-inflamatória. Quando a crise atinge apenas uma das juntas há possibilidade de injetar corticosteroides no local.
Além dessas medidas para diminuir o sofrimento na fase aguda, é fundamental controlar a hiperuricemia para reduzir o risco de novas crises e o aparecimento das deformidades articulares.
Os consensos recomendam introduzir medicamentos com essa finalidade nos casos de pelo menos dois ataques por ano ou assim que aparecerem os primeiros sinais de deformações. O objetivo é manter os níveis de ácido úrico abaixo de 6,0 mg/dL. A droga mais utilizada é o alopurinol, na dose de 300 mg por dia, que pode ser aumentada conforme a necessidade.
Evitar álcool(OLHA AI JOSÉ!!!!!!), refrigerantes e manter dietas pobres em carnes(OLHA AI JOSÉ!!!!) e frutos do mar ajuda um pouco. Tomar 500 mg de vitamina C por dia durante dois meses diminui os níveis de ácido úrico (em média 0,5 mg/dL). Tomar leite reduz 10% durante 3 horas.
Mas, o que faz diferença é tomar os medicamentos, perder peso e beber muita água.
Sem halopatia sómente é muito dificil a diminuição de Ácido Úrico.
Faça um exame especifico para saber qual medicação o colega é menos alergico para poder-mos atacar a sua Hiperuricemia. Consulte seu Médico !!!!
Espero ter ajudado apesar de muito atacado pelo amigo ultimamente. Mas sem problemas vc já está no 3ºgrau de sua doença e o seu temperamento e agressividade faz parte do estágio semi-final do alcoolismo.
Abraço!!!!  (+ info)

Gostaria de saber o que significa: anisocitose, microcitose, hipocromia e dupla população hematica?


ANISOCITOSE: Anisocitose é uma variação no tamanho das hemáceas (glóbulos vermelhos do sangue), que fica maior que o normal. Quando discreta pode não ter nenhum significado clínico, mas pode também acompanhar a maioria das anemias em seu início.

MICROCITOSE:Microcitose é a diminuição do tamanho dos eritrócitos. Os micrócitos são notados na distensão sangüínea quando o diâmetro dos eritrócitos é inferior a 7 - 7,2mm. O núcleo do linfócito pequeno, com diâmetro de aproximadamente 8,5mm, é um guia útil na avaliação do tamanho dos eritrócitos. A microcitose poderá ser geral ou existir em parte da população de eritrócitos. Quando todos ou a maioria dos eritrócitos são pequenos há uma redução significativa no VCM. Os eritrócitos de crianças sadias são menores que os de adultos: o tamanho eritrocitário deve ser portanto, interpretado conforme a idade do indivíduo. Os negros, como um grupo, possuem eritrócitos menores que os dos brancos: é provável que isto se deva à alta prevalência do traço da a-talassemia , traço da hemoglobina C e outras hemoglobinopatias associadas à microcitose.

HIPOCROMIA: Hipocromia é a redução da coloração do eritrócitos (aumento da palidez central das hemácias) devido à deficiência de Hb. A hipocromia pode ser geral ou ocorrer em uma parte da população de hemácias. A hipocromia severa poderá refletir-se em uma redução do CHCM. Qualquer uma das condições que leva à microcitose pode causar hipocromia. Os eritrócitos das crianças sadias são freqüentemente hipocrômicos quando comparados com os dos adultos.

DUPLA POPULAÇÃO HEMÁTICA: Isso tem outro nome, um mais simples...  (+ info)

se a clamídia só é transmitida pela relação sexual ou se pode ser adquirida de outra forma?


Li a respeito da doença, mas fiquei em dúvida, essa doença pode ser adquirida sem ser pelo ato sexual, ou seja se eu não tive relação com ninguém eu posso contraí-la? E como faço pra falar com o médico, tem como ele saber se faço o preventivo todo ano? Desde já agradeço pela atenção.
----------

Clamídia é a doença sexualmente transmissível (DST) de maior prevalência no mundo. Ela é causada pela bactéria Chlamydia trachomatis, que pode infectar homens e mulheres e ser transmitida da mãe para o feto na passagem pelo canal do parto.

A infecção atinge especialmente a uretra e órgãos genitais, mas pode acometer a região anal, a faringe e ser responsável por doenças pulmonares.

A clamídia é uma das causas da infertilidade masculina e feminina.

Nos homens, a bactéria pode causar inflamações nos epidídimos (epididimite) e nos testículos (orquite), capazes de promover obstruções que impedem a passagem dos espermatozoides. Nas mulheres, o risco é a bactéria atravessar o colo uterino, atingir as trompas provocar a doença inflamatória pélvica (DIP).

Esse processo infeccioso pode ser responsável pela obstrução das trompas e impedir o encontro do óvulo com o espermatozoide, ou então dar origem à gravidez tubária (ectópica), se o ovo fecundado não conseguir alcançar o útero.

Mulher infectada pela Chlamyda trachomatis durante a gestação está mais sujeita a partos prematuros e a abortos. Nos casos de transmissão vertical na hora do parto, o recém-nascido corre o risco de desenvolver um tipo de conjuntivite (oftalmia neonatal) e pneumonia.

Sintomas

O período de incubação é de aproximadamente 15 dias, fase em que é possível o contágio.

A infecção pode ser assintomática. Quando os sintomas aparecem, são parecidos nos dois sexos: dor ou ardor ao urinar, aumento do número de micções, presença de secreção fluida. As mulheres podem apresentar, ainda, perda de sangue nos intervalos do período menstrual e dor no baixo ventre.

Diagnóstico

Os sinais e sintomas da clamídia podem ser isolados e pouco aparentes o que dificulta o diagnóstico precoce. Em geral, as pessoas procuram o médico, quando surgem as complicações. O exame de urina, da secreção uretral e do material obtido por esfregaço na uretra (nas mulheres, também o material colhido no colo do útero) e o exame para detectar os anticorpos anticlamídia (IgM) são de extrema importância.

Prevenção e tratamento

Não existe vacina contra a clamídia. A única forma de prevenir a transmissão da bactéria é o sexo seguro com o uso de preservativos.

Uma vez instalada a infecção, o tratamento consiste no uso antibióticos específicos (azitromicina, doxiciclina, eritromicina, minociclina, por exemplo) e deve incluir o/a parceiro/a para evitar a reinfecção. É recomendável suspender as relações sexuais nesse período.

Recomendações

* Pratique sexo seguro;

* Procure o médico, assim que manifestar algum sintoma que possa sugerir uma doença sexualmente transmissível. Clamídia e gonorreia são infecções que, com frequência, estão associadas;

* Evite o contato sexual com múltiplos parceiros;

* Siga criteriosamente a orientação do médico sobre a duração do tratamento e as doses dos medicamentos. Abraço.  (+ info)

Alguém pode me mandar um site ou um texto sobre Perda Parcial Lateral da Visão?


Eu pesquise em todos os lugares da internet e não achei nada sobre o assunto, porfavor me ajudem
----------

oi acho melhor vc entrar no site da saude do seu estado aqui nesse texto abaixo espero que vc consigua alguma informação
Outros - Glaucoma é considerado doença traiçoeira, que afeta cerca de 90 milhões no mundo

Doença ocular que afeta homens e mulheres na mesma proporção, o glaucoma é considerado um dos distúrbios mais traiçoeiros da oftalmologia, por afetar a visão lentamente, muitas vezes sem que as pessoas se dêem conta disso. Caracterizado pelo aumento da pressão intra-ocular, pode ser causado por outros fatores, mas muitos dos sintomas não são previamente detectados pelo paciente, o que o obriga a procurar um oftalmologista.

Atualmente, cerca de 90 milhões de pessoas no mundo sofrem com o aumento da pressão intra-ocular, sendo esta a maior causa de perda da visão, ficando atrás apenas da catarata.

Segundo o oftalmologista Ricardo Guimarães, diretor do Hospital de Olhos, a doença afeta, geralmente, pessoas acima de 35 anos e a prevalência é de 1% a 3% da população mundial. Segundo a Sociedade Nacional de Prevenção da Cegueira dos Estados Unidos, uma em cada 50 pessoas com mais de 35 anos e três em cada 100 com mais de 65 anos têm glaucoma. “As pessoas que têm maior risco de sofrer do distúrbio são as diabéticas e as com familiares portadores de glaucoma. Essas pessoas devem fazer exame ocular com regularidade”, alerta.

Por isso, o especialista ressalta que o paciente, ao se dirigir ao oftalmologista, deve solicitar a medida da pressão intra-ocular e o exame do fundo de olho para se detectarem alterações da papila ou cabeça do nervo óptico. “Pacientes submetidos à cirurgia refrativa corneana devem ser examinados com um aparelho especial, pois, como a córnea teve a espessura modificada, a medida feita pelo aparelho convencional vai ser sempre uma medida mais baixa que o normal e o diagnóstico pode não ser feito.”

Geralmente, não há sinais para o glaucoma. Na maioria dos casos, desenvolve-se em meses ou até em anos, sem ocasionar nenhum sintoma. O dano pode progredir tão lentamente que a pessoa não se dá conta da perda gradual da visão. “Em geral, a visão vai piorando até que finalmente começa a afetar o próprio centro do campo visual e se estabelece a cegueira permanente”, acrescenta Ricardo Guimarães.

Alguns pacientes podem experimentar sintomas vagos, que são importantes avisos de que é necessário um exame ocular completo. Esses sintomas podem envolver a necessidade de trocar com freqüência a graduação dos óculos, dificuldade para se adaptar à obscuridade, perda da visão lateral e visão embaçada. Se houver um grande aumento da pressão, pode haver outros sintomas como o aparecimento de halos ou arco-íris ao redor das luzes e cefaléias ou dor ocular intensa.

Quanto à recuperação, embora não haja cura, o glaucoma pode ser controlado se houver tratamento apropriado. É preciso ressaltar que o paciente deve ficar em observação e tratamento contínuos para manter controlada a pressão intra-ocular e ajudar assim a evitar a perda da visão. Caso o paciente não seja tratado adequadamente, é possível que ele sofra de cegueira total.

Definição

Distúrbio em que a pressão do líquido que preenche o globo ocular está anormalmente aumentada, além do que o olho pode tolerar por tempo prolongado. O aumento de pressão é causado por um acúmulo de líquido – humor aquoso – que circula no interior do olho. Esse acúmulo se produz mais comumente pela obstrução do conduto pelo qual normalmente esse líquido sai do olho através do trabeculado. Nesse caso, a pressão intra-ocular vai aumentando progressivamente.

Pressão intra-ocular

A média da pressão intra-ocular é 16 milímetros de mercúrio (mmHg), embora a faixa de normalidade seja entre 10 e 21 mmHg. No entanto, outros fatores são observados pelo médico para atestar o glaucoma.

Conseqüências

O aumento de pressão dificulta a irrigação das células nervosas e leva à sua morte. A pressão intra-ocular aumentada pode comprimir os vasos sangüíneos que nutrem as sensíveis estruturas visuais do fundo de olho. Devido à falta de irrigação sangüínea, as células nervosas vão morrendo, provocando perda progressiva da visão e estreitamento do campo visual. Se o processo não for controlado, pode levar à cegueira.

Tratamentos

Medicamentoso

Nem sempre são aparentes, já que além de os colírios serem muito caros, causam efeitos colaterais, gerando uma não adesão ao tratamento de 30% a 40% dos pacientes

Seletivo a laser (TSL)

É um tratamento a laser e também é chamado de trabeculoplastia seletiva. O procedimento consiste na limpeza do trabeculado (canal por onde é escoado o líquido interno do olho), amenizando a pressão intra-ocular. Entre as vantagens estão a rapidez do procedimento (cerca de 5 minutos) e o baixo custo, se comparado ao uso de colírios  (+ info)

Oi alguem conhece alguma pessoa que tem sindrome de ehlers-danlos?


Preciso trocar algumas informações, principalmente com mulheres, pois gostaria muito de ter filhos mas tenho esta sindrome, e queria saber com outras mulheres se tiveram muitas complicações e algumas outras coisas. Obrigada...
----------

Olá minha filha é portadora, a sindrome pode trazer compliccações na gestação sim, pois a SED compromete todo o tecido conjutivo.
Antes de engravidar procure um médico de confiança e converse com ele.

Várias complicações clínicas e obstétricas estão associadas à SED, porém a real incidência destas complicações é difícil de estimar, uma vez que na literatura encontramos, em sua grande maioria, relatos de casos. Muitos dos casos com desfechos mais graves ou mais leves não são sequer diagnosticados, o que faz com que haja grande variação das estatísticas de prevalência. Complicações obstétricas comuns, como rotura prematura de membranas, sangramentos, lacerações de canal de parto e roturas uterinas raramente levam à suspeita diagnóstica de SED pelo obstetra. Neste artigo, descrevemos um caso de SED e gravidez, e apresentamos breve revisão das principais complicações obstétricas associadas à SED.

Se quizer trocar informações.
Meu orkut e Facebook
Vanessa Colodron Masselli Faria
Comunidade do orkut
Sindrome de Ehlers Danlos
Site
www.sindromedeehlersdanlos.blogspot.com


Abraços  (+ info)

Quais sâo os tipos de alimentos qui sâo adequado para que faz musculaçâo?


eu queria saber quais alimentos pra ter mais resultados por eu nâo gostar de tomar anabolizantes.
----------

NUTRIÇÃO - Há muito sabemos que uma ingestão adequada de proteínas é fundamental para o crescimento muscular, fazendo alimentos como carnes, ovos, leite e derivados, ganharem destaque no meio de praticantes de musculação e fisiculturistas. No entanto, o leite de vaca, mesmo apresentando ótimos teores de proteínas de alta qualidade, possui muita polêmica em torno de seu consumo. Alguns o defendem como ótimo alimento, enquanto outros observam uma maior dificuldade no processo de definição muscular quando incluem este alimento na dieta, sendo que muitos atletas evitam seu consumo às vésperas de uma competição. Este artigo visa elucidar essas dúvidas, demonstrando os prós e os contras do consumo deste alimento.

Define-se leite como o líquido nutritivo produzido pelas glândulas mamárias das fêmeas dos mamíferos. O leite é a principal fonte de nutrição para os recém-nascidos até que eles sejam capazes de digerir alimentos mais diversificados. No entanto, se quisermos obedecer às leis naturais, deveríamos parar de tomar leite assim que nascem os dentes. A esta altura, o leite, mesmo humano, deixa de ser um alimento completo. É o que acontece com os demais mamíferos, que mudam sua dieta logo que nascem os dentes. Os seres humanos são os únicos animais que continuam a se alimentar de leite – obviamente de outros animais – durante toda a vida.

Os adeptos da alimentação natural com base macrobiótica afirmam que o leite de cada mamífero é adequado para cada espécie. A estrutura do leite de vaca é própria para bezerros, mas não exatamente adequada para os homens, visto que o bezerro cresce cerca de dez vezes mais rapidamente que os humanos nos primeiros meses de vida. Além disso, os anticorpos gerados pelo organismo da vaca para a defesa imunológica do bezerro tornam-se antígenos para os seres humanos e podem desencadear distúrbios alérgicos de várias proporções. Os níveis de caseína contidos no leite de vaca também são bem diferentes dos níveis contidos no leite humano, não sendo adequados para o nosso organismo. A caseína é um dos principais componentes alérgicos presentes no leite de vaca. Ela possui a propriedade de ativar células mastóides, sendo que quando esta ativação se dá nas células mastóides presentes no intestino, ocorre a liberação de histamina (resposta alérgica).

Já a whey protein – conhecida como a proteína do soro do leite, constitui-se da porção aquosa do leite produzida durante o processo de fabricação do queijo, quando ocorre coagulação. No entanto, apenas 0,6% desta porção é proteína, o que significa que são necessários 229 litros de leite para produzir 1 kg de whey protein de baixa qualidade. Ou seja, obter bons níveis de whey protein por meio do consumo de leite de vaca in natura é impossível. Neste caso, a suplementação é a melhor medida.

Outro fator a ser considerado é conhecido como intolerância à lactose – carboidrato presente em grande concentração no leite. A hidrólise da lactose ocorre por ação da lactase presente nas microvilosidades intestinais, sendo convertida em galactose e glicose. A intolerância à lactose é muito freqüente em escala mundial, podendo atingir, em alguns casos, 90% da população. A deficiência da lactase é comum entre populações asiáticas (98% nos tailandeses, 97% nos chineses, 99% nos japoneses e 67% nos indianos). Entre os caucasianos a prevalência de intolerância à lactose é cerca de 15%. Acomete também negros africanos (72%), norte-americanos (70%) e índios. A deficiência ocorre também com o envelhecimento pela atrofia da mucosa do intestino delgado.

Nesta intolerância se inclui tanto as pessoas com intolerância total, como as com intolerância parcial. Este último grupo consegue digerir grandes quantidades de lactose de uma só vez, mas não tem problemas em administrá-la de forma fracionada, sendo que normalmente toleram bem alimentos com menores teores de lactose, tais como iogurtes e queijos.

A lactose não digerida permanece no intestino onde sofre ação de bactérias fermentativas, ocasionando a formação de ácido lático e outros ácidos, causando: náuseas, gases, cãibras, distensão e cólica abdominal, flatulência e diarréia, que se manifestam entre 30 minutos e 2 horas após a ingestão de alimentos que contenham lactose. Em alguns casos, pode ocorrer – inclusive – má absorção dos nutrientes ingeridos. A maioria dos intolerantes à lactose desenvolve o quadro com o passar do tempo e muitos deles convivem com a deficiência enzimática e só observam os sintomas após muitos anos.

O leite de vaca não possui apenas aspectos negativos, pois o mesmo apresenta bons teores protéicos e de alguns micronutrientes, tais como o cálcio, o fósforo e as vitaminas B1 e B2. No entanto, podemos sem dúvida, obter tais nutrientes advindos de outras fontes alimentares.

Agora, convenhamos que diversas preparações a base de leite são bem saborosas, fazendo com que a retirada completa deste alimento da dieta torne-se bem sacrificante. Costumo mencionar que se alguém decidir tornar sua alimentação totalmente adequada e salutar, este terá de evitar o consumo de praticamente todos alimentos que o rodeiam, pois nossa alimentação está repleta de aditivos, agrotóxicos, hormônios, conservantes, alimentos com propriedades alérgicas e demais substâncias relacionadas a efeitos adversos à nossa saúde. Somente indivíduos vivendo em condições naturais conseguiriam este feito.

Analisando-se deste modo, em se tratando de praticantes de atividade física sem ambição competitiva, defendo o uso moderado do leite de vaca dando preferência a seus derivados, tais como queijos e iogurtes, devido à presença de menores teores de lactose. Um outro substituto muito interessante para o leite de vaca seria o extrato solúvel de soja. Esta bebida, conhecida popularmente e erroneamente como “leite de soja”, possui boas propriedades nutricionais, e ainda, as isoflavonas contidas na soja têm demonstrado serem efetivas na prevenção da osteoporose.

Já no caso de fisiculturistas de alto nível em período pre contest, a restrição deveria ser maior. Todos atletas sob minha supervisão retiram o leite e seus derivados por completo da dieta no período pre contest. Nesta fase, qualquer detalhe fará muita diferença, sendo que o ideal é trabalhar com a menor variedade de alimentos possível, o que facilitará qualquer ajuste se necessário. No período off-season, uma moderação no consumo destes alimentos já seria suficiente.

Na verdade tudo irá depender de fatores individuais, tais como: objetivo, grau de intolerância, histórico patológico, hábitos alimentares, etc. A individualidade biológica deve sempre ser respeitada. Portanto, um acompanhamento individualizado com um profissional devidamente habilitado sempre se faz necessário.

*nutricionista esportivo  (+ info)

1  2  3  4  5  6  

  Fazer uma pergunta: