Eu tenho "Nefrite"e vou fazer um exame para ver se eu ainda estou com "Nefrite".Será que vai dar bom?


Eu espero que sim!!!
Depois que você fizer o exame diga p/ a gente...
Boa sorte, abraços.  (+ info)

Se você é lúpica e já engravidou, me conte como foi sua gravidez, deve muito problema?


Desculpe, não me expressei bem, lúpico, são os portadores de lúpus, uma doença imunológica que atinge vários órgãos, não só os rins, como também vasos sanguíneos, coração, pulmão, fígado e pele....
Só queria mais informação de lúpicas que engravidaram.... ok!!!
----------

Não sou lúpica, mas vou esclarecer a quem não conhece o problema.

Nefrite Lúpica (ou glomerulonefrite lúpica) é o termo médico para a doença dos rins que ocorre no lúpus eritematoso sistêmico, lúpicos têm anomalias nos seus sistemas imunológicos que os predispõe ao desenvolvimento de infecções.  (+ info)

por favor me ajude?quem tem nefrite lupica e qual sao os sintomas?


Síndrome Nefrítica Rapidamente Progressiva

A síndrome nefrítica rapidamente progressiva (glomerulonefrite rapidamente progressiva) é um distúrbio incomum no qual a maioria dos glomérulos é parcialmente destruída, resultando em uma insuficiência renal grave com a presença de proteínas, sangue e aglomerados de eritrócitos (cilindros) na urina.
A síndrome nefrítica rapidamente progressiva faz parte de um distúrbio que, além dos rins, também afeta outros órgãos em aproximadamente 40% dos casos. Dentre os 60% de casos nos quais os rins são os principais órgãos afetados, aproximadamente um terço parece ser causado por anticorpos que atacam os glomérulos, aproximadamente metade é de causa desconhecida e o restante é causado por depósitos de anticorpos e antígenos produzidos em outros locais do corpo (doenças de complexos imunes).
Desconhece-se o que faz com que o organismo produza anticorpos contra seus próprios glomérulos. A produção desses anticorpos nocivos pode estar relacionada a infecções virais ou a distúrbios autoimunes (p.ex., lúpus eritematoso sistêmico). Em alguns indivíduos que produzem anticorpos contra seus glomérulos, os anticorpos também reagem contra os alvéolos (pequenos sacos aéreos pulmonares), acarretando a síndrome de Goodpasture, um distúrbio no qual os pulmões e os rins são lesados. Os hidrocarbonetos (p.ex., etileno glicol, tetracloreto de carbono, clorofórmio e tolueno) podem lesar os glomérulos, mas eles não desencadeiam uma reação imune nem a produção de anticorpos.

Sintomas e Diagnóstico

A fraqueza, a fadiga e a febre são os sintomas iniciais mais evidentes. A náusea, a inapetência, o vômito, as dores articulares e a dor abdominal também são comuns. Aproximadamente 50% dos indivíduos apresentaram um quadro semelhante a uma gripe no mês anterior ao início da insuficiência renal. Esses indivíduos apresentam edema causado pela retenção líquida e, normalmente, produzem muito pouca urina. A hipertensão arterial é incomum e, quando ocorre, ela raramente é grave. Quando os pulmões são afetados (síndrome de Goodpasture), o indivíduo apresenta uma tosse com expectoração sanguinolenta e dificuldade respiratória.
O sangue é freqüentemente visível na urina e aglomerados de eritrócitos sempre são visíveis ao microscópio. Os exames de sangue detectam anemia, algumas vezes grave, e, normalmente, detectam uma quantidade normalmente elevada de leucócitos. Os exames de sangue que avaliam a função renal detectam algum acúmulo de produtos tóxicos da degradação metabólica.
Inicialmente, a ultra-sonografia ou as radiografias podem revelar rins aumentados de volume. No entanto, eles atrofiam gradualmente. Freqüentemente, é realizada uma biópsia renal (coleta de uma amostra de tecido renal para exame microscópico com o auxílio de uma agulha) para a confirmação do diagnóstico e para a certificação de que o indivíduo não apresenta qualquer outra condição que poderia ser tratada.

Prognóstico

O prognóstico depende da gravidade dos sintomas, os quais variam muito. Como os sintomas iniciais são sutis, muitos indivíduos com a doença não percebem que estão doentes e somente procuram um médico quando a insuficiência renal é grave. Os indivíduos que apresentam insuficiência renal morrem em poucas semanas, exceto quando são submetidos à diálise.
O prognóstico também depende da causa e da idade do indivíduo afetado. Quando a causa é uma doença auto-imune, na qual o organismo produz anticorpos contra suas próprias células, o tratamento geralmente não melhora a situação. O prognóstico é pior quando a causa é des-conhecida ou o indivíduo é idoso. A maioria dos indivíduos não tratados apresenta insuficiência renal em 2 anos.

Tratamento

Quando o médico suspeita de uma síndrome nefrítica rapidamente progressiva, uma biópsia renal é realizada o mais breve possível, a qual permite o estabelecimento do diagnóstico, a estimativa do prognóstico e o planejamento do tratamento. Além disso, são realizados exames de sangue que visam detectar os níveis de anticorpos e infecções.
Quando os resultados da biópsia revelam uma doença glomerular grave, o médico institui imediatamente o tratamento medicamentoso para que sua eficácia seja máxima. Normalmente, são administradas altas doses de corticosteróides pela via intravenosa durante aproximadamente uma semana. Em seguida, os corticosteróides são administrados pela via oral. A ciclofosfamida ou a azatioprina, medicamentos que suprimem o sistema imune, também podem ser administradas. Além disso, o paciente pode ser submetido à plasmaferese, na qual o sangue é removido do corpo do indivíduo, é filtrado por uma aparelho que remove os anticorpos e é retornado ao corpo.
Quando a doença evolui para um estágio mais avançado, o único tratamento útil pode ser a diálise. A alternativa é o transplante renal, embora a doença original possa afetar o rim transplantado.

(Extraído do Manual Merck de Saúde da Família)


Inflamação no rim (nefrite) ocorre em cerca de 50% dos casos de Lúpus Eritematoso Sistêmico. Esta manifestação deve ser tratada precoce e adequadamente para se evitar a perda da função renal (insuficiência renal). A gravidade deste comprometimento é variável e quando os exames clínicos e laboratoriais não permitem a adequada avaliação do caso, necessita-se fazer a biópsia renal.

(Extraído do portal da Sociedade Brasileira de Reumatologia)  (+ info)

minha filha tem lupus,e afetou os rins na biopsia deu nefrite lupica proliferativa difusa tem que transplantar?


esta marcado um transplante para ela, e qual é o risco de rejeição que ela pode ter por causa do lupus ela tem 19 anos.
----------

não faço a menor ideia, mas boa sorte pra ela !  (+ info)

O que é uma Vasculite Lúpica Cerebral, é sério?


Não sei.

Mas pode ser. Trata-se de uma consequência da doença auto-imune LES (Lúpus Eritematoso Sistêmico), doença reumática crônica, incurável, porém, que pode ser controlável.

Vasculite é inflamação de vasos (não sei quais) do cérebro.

O Lúpus é uma doença séria sim, na medida em que não tem cura.
Haverá necessidade PERMANENTE de controlá-la.
Quem cuida bem desta doença são os médicos reumatologistas.

Boa sorte.  (+ info)

Como q nefrite pode levar a uremia?


duvida, eu ate agura n entendi
----------

Infelizmente não sei como te ajudar...
Tente pesquisar no google.

Boa sorte....  (+ info)

nefrite crônica tem cura?


meu pai tem nefrite crônica, e eu nao sei se isso tem cura.
eu sei que a nefrite aguda pode ser curada, mas se ela evolir pode virar crônica, por isso estou querendo saber se a fase crônica dessa doença tem cura
obrigado
----------

  (+ info)

o que é nefrite e como se trata?


Nifrite consiste na inflamação dos rins, responsável por metade dos problemas renais.

Resulta de processo de inflamação disseminado nos glomérulos (estrutura renal em forma de novelo e responsável pelo trabalho de filtração neste órgão), e tem por base uma reação imunológica ou outra infecção (como na pielonefrite)

O tratamento varia consoante a causa primária. Nas infecções bacterianas das nefrites agudas, são suficientes o repouso e controle do excesso de água e sal, ou a ministração de antibióticos, se a infecção persiste.

Terminada a fase aguda, deve-se tratar a inflamação e visa a redução da formação do complexo antítgeno-anticorpo por meio de anti-inflamatórios.

Na fase crônica o tratamento objetiva a manutenção do estado presente, impedindo o aumento das lesões.

Em todos os casos, o médico é quem irá determinar o melhor tratamento.  (+ info)

1  2  3  4  

  Fazer uma pergunta: