• atividade
  • A frente de onda que circula por este trajeto, pode apresentar rotação horária, ou seja, descendo pelo septo interatrial, assoalho atrial, subindo pela crista terminallis e fechando o circuito no teto do átrio direito, causando assim o surgimento de uma atividade elétrica atrial contínua no eletrocardiograma, denominada ondas F, com polaridade positiva. (wikipedia.org)
  • Na pediatria, geralmente, a PCR é resultado de uma progressiva deterioração das funções orgânicas com hipoxemia e acidose com o ritmo final em assistolia ou atividade elétrica sem pulso e habitualmente a eficácia da RCP é baixa. (scribd.com)
  • horas
  • Este estudo comparou a cardioversão química com a elétrica para fibrilação atrial com até 48 horas de duração em pronto-socorro para descobrir qual das duas opções é mais efetiva. (medicinanet.com.br)
  • Contudo, ainda existe muita controvérsia a respeito de qual seria a melhor estratégia de cardioversão para pacientes estáveis que se apresentam no pronto-socorro com fibrilação atrial (FA) aguda (duração de até 48 horas). (medicinanet.com.br)
  • Claro que o estudo tem limitações, pois não é cegado e o seguimento foi de curto prazo, mas os resultados trazem à tona a possibilidade de se utilizar a estratégia de cardioversão para pacientes com FA com menos de 48 horas de apresentação como forma de diminuir o tempo de permanência no pronto-socorro e até mesmo diminuindo hospitalizações, mesmo para pacientes estáveis. (medicinanet.com.br)
  • Caso seja uma fibrilação atrial com menos de 48 horas de dura ção, pode-se realizar cardioversão química ou elétrica com baixo risco de embolização sistêmica. (ebah.com.br)
  • O protocolo da UOPS durava 8 horas e consistia de controle da freqüência cardíaca (com um bloqueador de canal de cálcio ou beta-bloqueador ), monitorização cardíaca, reavaliação após 6 horas e cardioversão elétrica se a FA persistisse com 2 horas adicionais de observação. (medicinanet.com.br)
  • aguda
  • Este estudo demonstrou que a cardioversão elétrica é a medida mais custo-efetiva para pacientes com FA aguda que chegam ao pronto-socorro, inclusive reduzindo o tempo de permanência destes. (medicinanet.com.br)
  • A conclusão dos autores é que o manejo da FA aguda com um protocolo que inclui cardioversão elétrica no PS é uma alternativa factível ao manejo tradicional de internação hospitalar, e resulta num tempo de permanência hospitalar significativamente mais curto. (medicinanet.com.br)