como acontece as lesoes na articulação esternoclavicular?


sinto dores na articulaçao da entre a clavicula e o esterno será que vai passar com analgesicos?
----------

- Os homens – especialmente aqueles jovens - possuem uma maior incidência de traumas na articulação esternoclavicular. Entretanto, a subluxação anterior recorrente atraumática da articulação esternoclavicular é mais comum em mulheres jovens e costuma estar associada a uma flacidez articular generalizada.

- A maior parte dos traumas na articulação esternoclavicular decorrem de acidentes automobilísticos, as a alteração também pode estar associada a lesões atléticas, quedas e processos congênitos, degenerativos e inflamatórios.


Acima de tudo, procure um médico para te examinar.
Renato Biancchi.  (+ info)

Doença de Friedrich, o que é? quais os sintomas? e como fazer um tratamento conservador?


sinto dores no esternoclavicular e houvi dessa doença, gostaria de informaçoes sobre a mesma, a antes que me respondam isso eu vou procurar um medico.
----------

De etiologia incerta e raridade comprovada, a afecção geralmente se manifesta com dor na articulação esternoclavicular e aumento de volume da extremidade esternal da clavícula, que progridem para insidiosa limitação de função do ombro(3). A maioria dos pacientes apresenta remissão dos sintomas com o tratamento conservador, ficando a artroplastia de ressecção da articulação esternoclavicular reservada para os casos rebeldes(4).
Os autores relatam o caso de paciente do sexo masculino com doença de Friedrich, comprovada por exame histológico, que foi submetido a tratamento cirúrgico por meio da artroplastia de ressecção da articulação esternoclavicular.  (+ info)

Quais são as funções dos ligamentos da cintura escapular?


Ligamento costoclavicular.
Ligamento esternoclavicular.
Ligamento interclavicular.
Ligamento coracoclavicular(conóide e trapezóide).
Ligamento acromioclavicular.
Ligamento coracoacromial.

Para o dia 01/06,urgente
Eu quero a função e não onde se encontra
----------

Ligamentos da cintura escapular:

São cordões fibrosos que mantém a relação de contigüidade, proximidade, entre duas estruturas. São responsáveis pela estabilidade da articulação. Abaixo estão listados alguns dos ligamentos da cintura escapular:

- Ligamento Esternocostal Radiado - entre o extremo medial da cartilagem costal com a face anterior do esterno.

- Ligamento esternoclavicular anterior – é largo, inserido acima na face ântero-superior da extremidade esternal da clavícula e passa ínfero-medialmente para a parte superior da face anterior do manúbrio, estendendo-se até a primeira cartilagem costal.

- Ligamento esternoclavicular posterior – uma faixa mais fraca, posterior à articulação, desce ínfero-medialmente a partir do dorso da extremidade esternal da clavícula até o dorso da parte superior do manúbrio.

- Ligamento interclavicular – une as faces superiores das extremidades esternais de ambas as clavículas.

- Ligamento costoclavicular – inserido na face superior da primeira costela e cartilagem costal subindo para as margens de uma impressão na face inferior da clavícula, na sua extremidade medial.

- Ligamento acromioclavicular – quadrilátero estende-se entre as faces superior da extremidade acromial da clavícula e o acrômio adjacente

- Ligamento coracoclavicular – une a clavícula ao processo coracóide da escápula.
Movimentos Articulares da cintura escapular:

Função da Cintura Escapular

1) Ritmo escapuloumeral

O movimento da escápula, em sincronia com os movimentos do úmero, permite 150 a 180 graus de amplitude de movimento no ombro para flexão ou abdução com elevação. A mobilidade varia consideravelmente entre indivíduos normais, mas geralmente se aceita que seja de 2:1 (2 graus de movimento gleno-umeral para 1 grau de movimento escapular). O movimento sincronizado da escápula permite que os músculos que movem o úmero mantenham uma boa relação comprimento/tensão ao longo da atividade.

Os músculos que fazem a rotação para cima da escápula são o trapézio superior e inferior e o serrátil anterior. Fraqueza ou paralisia completa desses músculos leva a rotação para baixo da escápula pelo deltóide e supra-espinhoso contralaterais quando se tenta a abdução ou flexão.

A fraqueza ou má sincronização dos músculos que fazem a rotação para cima pode alterar a relação do úmero no espaço supra-umeral à medida que o braço é abduzido, levando a microtraumas dentro da articulação nos tecidos moles do espaço supra-umeral.

2) Elevação clavicular e rotação com movimento do úmero

Inicialmente, com rotação para cima da escápula, ocorrem 30 graus de elevação da clavícula na articulação EC. Então, à medida que o ligamento coracoclavicular se torna tenso, a clavícula roda 38 a 50 graus sobre seu eixo longitudinal, o que eleva a sua extremidade acromiana (porque é em formato de manivela). A escápula então roda mais 30 graus na articulação AC. A perda de qualquer um desses componentes funcionais irá diminuir a quantidade de rotação escapular e assim a amplitude de movimento do membro superior.

3) Rotação externa do úmero com elevação completa através da abdução

Para que o tubérculo maior do úmero libere o arco coracoclavicular, o úmero precisa rodar externamente à medida que é elevado além da linha horizontal. Uma rotação externa fraca ou inadequada resultará em compressão dos tecidos moles no espaço supra-umeral, provocando dor, inflamação, e eventual perda de função.

4) Rotação interna do úmero com elevação completa através da flexão

A rotação medial começa em torno dos 50 graus de flexão passiva do ombro quando todas as estruturas estão intactas. Com a amplitude completa de flexão e elevação do ombro, o úmero roda medialmente 90 graus.

A maioria dos músculos flexores do ombro são rotadores mediais do úmero. À medida que o braço se eleva acima da horizontal no plano sagital, a cápsula anterior e os ligamentos tornam-se tensos, levando o úmero a rodar medialmente.

A configuração óssea da face posterior da cavidade glenóide contribui para o movimento de rotação interna do úmero à medida que o ombro flexiona.

5) Deltóide – mecanismo da bainha rotadora curta e supra-espinhal

A maior parte da força do músculo deltóide provoca translação para cima do úmero; se não houver oposição ocorre colisão da cabeça do úmero com o arco coracoacromiano. O efeito combinado dos músculos rotadores curtos (infra-espinhal, redondo menor e subescapular) causa compressão e translação para baixo do úmero.

A ação do deltóide e dos rotadores curtos resulta em força dupla, o que provoca um giro da cabeça do úmero e abdução do úmero. O músculo supra-espinhal tem um efeito compressivo com leve translação para cima no úmero. Esses efeitos, combinados com o efeito da gravidade, levam a abdução do braço. A interrupção ou má coordenação de qualquer um desses músculos pode levar a mircrotraumas e eventual disfunção na região do ombro.  (+ info)

Clavicula deslocada , ajuda akiie!!!?


Bom , começei a musculação e 2 meses , e desde então venho percebendo que eu tenho a clavicula direita bem mais alta que a esquerda , não é o lado perto do ombro não , é o lado perto do pescoço o esternoclavicular , ta muito alto e quando malho peito , tipo ''desloca'' na hora do exercicio , fia indo pra frente e pra traz , alguem sabe se tem como voltar ela pro lugar ?????
----------

Se deslocou mesmo, você tem que colocar o osso no lugar na hora, depois que demorar vai ter que fazer cirurgia, já desloquei o braço.  (+ info)

  Fazer uma pergunta: