Ritmo Teta: Ondas encefálicas caracterizadas por frequência entre 4 e 7 Hz, geralmente observadas nos lobos temporais quando o indivíduo está acordado, mas em estado de relaxamento e sonolência.Ritmo Circadiano: Recorrência regular, em ciclos de aproximadamente 24 horas, de processos ou atividades biológicas tais como sensibilidade a drogas e estímulos, secreção de hormônios, sono, alimentação.Septo do Cérebro: Estruturas de SUBSTÂNCIA CINZENTA do telencéfalo e SISTEMA LÍMBICO do cérebro, mas que apresentam muitas definições variadas entre os autores. Inclui a área septal cortical, os NÚCLEOS SEPTAIS subcorticais e o SEPTO PELÚCIDO.Hipocampo: Elevação curva da SUBSTÂNCIA CINZENTA, que se estende ao longo de todo o assoalho no LOBO TEMPORAL do VENTRÍCULOS LATERAIS (ver também LOBO TEMPORAL). O hipocampo, subículo e GIRO DENTEADO constituem a formação hipocampal. Algumas vezes, os autores incluem o CÓRTEX ENTORRINAL na formação hipocampal.Hipotálamo Posterior: Parte do hipotálamo, posterior à região mediana que consiste de vários núcleos incluindo os maxilares, os mamilares e o hipotalâmico posterior (área hipotalâmica posterior). A área posterior hipotalâmica está relacionada com o controle de respostas simpáticas e é sensível a condições de queda de temperatura e controla os mecanismos de conservação e aumento na produção de calor.Uretana: Antineoplásico também utilizado como anestésico veterinário. Também tem sido usado como substância intermediária na síntese orgânica. Acredita-se que a uretana é um carcinógeno.Eletroencefalografia: Registro de correntes elétricas produzidas no cérebro, pela medida de eletrodos adaptados ao couro cabeludo, na superfície do cérebro, ou colocados no cérebro.Ritmo alfa: Ondas encefálicas caracterizadas por uma voltagem ou amplitude relativamente alta e uma frequência de 8-13 Hz. Constituem a maioria das ondas registradas por EEG que estiver rastreando a atividade do EEG dos lobos parietal e occipital quando o indivíduo estiver acordado, mas relaxado com olhos fechados.Córtex Entorrinal: Região do córtex cerebral no aspecto mediano do GIRO PARA-HIPOCAMPAL imediatamente caudal ao CÓRTEX OLFATÓRIO do úncus. O córtex entorrinal é a origem da maioria das fibras nervosas do sistema aferente à formação hipocampal (ver HIPOCAMPO), a assim chamada VIA PERFURANTE.Núcleos Septais: Núcleos neurais localizados na região septal. Apresentam conexões colinérgicas aferentes e eferentes com uma variedade de áreas do PROSENCÉFALO e TRONCO ENCEFÁLICO incluindo o HIPOCAMPO, a REGIÃO HIPOTALÂMICA LATERAL, o tegmento e a TONSILA DO CEREBELO. Compreende os núcleos septais dorsal, lateral, medial e triangular, núcleo septofimbrial, núcleo da banda diagonal, núcleo da comissura anterior e núcleo estriado terminal.Relógios Biológicos: Mecanismos fisiológicos que regem a ocorrência rítmica de certos fenômenos bioquímicos, fisiológicos e comportamentais.Ratos Long-Evans: Linhagem exogâmica de ratos desenvolvida em 1915 pelo cruzamento de diversas fêmeas brancas do Wistar Institute com machos cinzentos selvagens. Linhagens endogâmicas foram derivadas desta linhagem originalmente exogâmica, incluindo os ratos Long-Evans cor-de-canela (RATOS ENDONGÂMICOS LEC) e ratos Otsuka-Long-Evans-Tokushima gordos (RATOS ENDOGÂMICOS OLETF), que são respectivamente modelos para a doença de Wilson e para diabetes mellitus não insulina dependente.Septo Pelúcido: Membrana dupla triangular que separa os cornos anteriores dos VENTRÍCULOS LATERAIS do encéfalo. Está situado no plano mediano e circunscrito pelo CORPO CALOSO e o corpo e colunas do FÓRNICE.Amnésia Anterógrada: Perda da habilidade de formar novas memórias a partir de um determinado ponto no tempo. Esta afecção pode ser de origem orgânica ou psicogênica. A amnésia anterógrada organicamente induzida pode ocorrer seguida a um TRAUMATISMOS CRANIOCEREBRAIS, CONVULSÕES, ANÓXIA e outras afecções adversas que acometem as estruturas neuronais associadas com a formação de memória (ex., o HIPOCAMPO, FÓRNICE, CORPOS MAMILARES e NÚCLEOS ANTERIORES DO TÁLAMO).Periodicidade: Tendência de um fenômeno a se repetir em intervalos de tempo regulares. Em sistemas biológicos a repetição de certas atividades (inclusive hormonais, celulares, neurais) pode ser anual, sazonal, mensal, diária ou até com maior frequência (ultradiana).Corpos Mamilares: Par de nucleos e a substância cinzenta associada localizados na fossa interpeduncular de frente para a substância perfurada posterior no hipotálamo posterior.Feixe Diagonal de Broca: Feixe de fibras colinérgicas localizado posteriormente à substância perfurada anterior. Interconecta o giro paraterminal na área septal com o hipocampo e área olfatória lateral.Memória: Função mental complexa que tem quatro fases distintas: (1) memorização ou aprendizagem, (2) retenção, (3) rememoração e (4) reconhecimento. Clinicamente, a memória é, em geral, subdividida em imediata, recente, e remota.Potenciais de Ação: Mudanças abruptas no potencial de membrana, que percorrem a MEMBRANA CELULAR de células excitáveis em resposta a estímulos excitatórios.Vias Neurais: Tratos neurais que conectam partes distintas do sistema nervoso.Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO.Interneurônios: Geralmente quaisquer NEURÔNIOS não motores ou sensitivos. Interneurônios podem também se referir aos neurônios cujos AXÔNIOS permanecem em uma região particular do cérebro em contraste aos neurônios de projeção que apresentam axônios que projetam para outras regiões cerebrais.Vigília: Estado no qual há um potencial elevado de sensibilidade e uma receptividade eficiente aos estímulos externos.Células Piramidais: Projeções neuronais localizadas no CÓRTEX CEREBRAL e no HIPOCAMPO. As células piramidais apresentam corpo celular em formato piramidal com o ápice e um dendrito apical dirigido à superfície pial, e outros dendritos e um axônio emergindo da base. Os axônios podem apresentar ramos colaterais locais, mas também projetam para fora suas regiões corticais.Sono REM: Fase do sono caracterizada por movimentos rápidos do olho e EEG de padrão rápido e baixa voltagem. É geralmente associada aos sonhos.Comportamento Espacial: Reações de um indivíduo, ou grupo de indivíduos, com relação ao ambiente circundante imediato, incluindo os objetos animados e inanimados nele presentes.Região CA1 Hipocampal: Uma das quatro subseções do hipocampo descritas por Lorente de No localizada mais distalmente do GIRO DENTEADO.Percepção Espacial: O reconhecimento das propriedades espaciais do objeto; inclui espaço físico.Fibras Colinérgicas: Fibras nervosas que liberam acetilcolina na sinapse após um impulso.Agonistas Colinérgicos: Drogas que se ligam a receptores colinérgicos ativando-os.Modelos Neurológicos: Representações teóricas que simulam o comportamento ou a atividade dos sistemas, processos ou fenômenos neurológicos; inclui o uso de equações matemáticas, computadores, e outros equipamentos eletrônicos.Ratos Sprague-Dawley: Linhagem de ratos albinos amplamente utilizada para propósitos experimentais por sua tranquilidade e facilidade de manipulação. Foi desenvolvida pela Companhia de Animais Sprague-Dawley.Anestesia: Estado caracterizado pela perda dos sentidos ou sensações. Esta depressão da função nervosa geralmente é resultante de ação farmacológica e é induzida para permitir a execução de cirurgias ou outros procedimentos dolorosos.Rede Nervosa: Estrutura emaranhada composta de células nervosas que se interconectam. Estas células podem estar separadas na fenda sináptica ou juntas a outras células pelos processos citoplasmáticos. Em invertebrados, por exemplo, a rede nervosa permite que os impulsos nervosos se espalhem sobre uma área ampla da rede uma vez que as sinapses podem passar informação em qualquer direção.Procaína: Anestésico local do tipo éster que apresenta uma ação de lento início e lenta duração. É principalmente utilizado para anestesias de infiltração, bloqueio do sistema nervoso periférico e bloqueio espinal. (Tradução livre do original: Martindale, The Extra Pharmacopoeia, 30th ed, p1016).Comportamento Animal: A resposta observável de um animal diante de qualquer situação.Potenciais Evocados: Respostas elétricas registradas a partir do nervo, músculo, RECEPTORES SENSITIVOS ou área do SISTEMA NERVOSO CENTRAL seguida à estimulação. Sua intensidade varia de menos de um microvolt a vários microvolts. Os potenciais evocados podem ser auditivos (POTENCIAIS EVOCADOS AUDITIVOS), POTENCIAIS SOMATOSSENSORIAIS EVOCADOS ou POTENCIAIS EVOCADOS VISUAIS, ou POTENCIAIS EVOCADOS MOTORES, ou outras modalidades tenham sido descritas.Inibição Neural: Função de se opor ou impedir a excitação de neurônios ou suas células alvo excitáveis.Aprendizagem em Labirinto: A aprendizagem do caminho correto através de um labirinto para obtenção de reforço. É utilizado para populações humanas ou animais.Anestésicos Intravenosos: São usados para induzir ação ultracurta. A perda de consciência é rápida e a indução é agradável, mas não há relaxamento muscular e, além disso, os reflexos frequentemente não são reduzidos adequadamente. A administração repetida resulta em acúmulo, prolongando o tempo necessário para recuperação. Como estes agentes apresentam pouca (quando apresentam) atividade analgésica, é raro serem usados isoladamente, exceto em rápidos procedimentos menores.Giro Denteado: SUBSTÂNCIA CINZENTA situada acima do GIRO PARA-HIPOCAMPAL. É composta por três camadas. A camada molecular é contínua com o HIPOCAMPO na fissura hipocampal. A camada granulosa consiste de neurônios esféricos ou ovais organizados próximos uns aos outros, chamados de células granulosas, cujos AXÔNIOS passam através da camada polimórfica terminando nos DENDRITOS das CÉLULAS PIRAMIDAIS no hipocampo.Ácido gama-Aminobutírico: O neurotransmissor inibitório mais comum no sistema nervoso central.Núcleo Supraquiasmático: Coleção, de formato ovoide, densamente carregada de pequenas células no hipotálamo anterior situada próximo à linha média em uma impressão rasa do QUIASMA ÓPTICO.Eletrofisiologia: Estudo do comportamento e da geração de cargas elétricas nos organismos vivos, particularmente no sistema nervoso, e dos efeitos da eletricidade nos organismos vivos.Análise Espectral: Medida da amplitude dos componentes de um perfil de onda complexo ao longo do alcance da frequência do perfil de onda. (Tradução livre do original: McGraw-Hill Dictionary of Scientific and Technical Terms, 6th ed)Proteínas Circadianas Period: Proteínas de sinalização do ritmo circadiano que influenciam o relógio circadiano por meio da interação com outras proteínas circadianas reguladoras e do seu transporte para dentro do NÚCLEO CELULAR.Potenciação de Longa Duração: Aumento duradouro da eficácia sináptica, geralmente induzido por ativação adequada das mesmas sinapses. As propriedades fenomenológicas da potenciação de longo prazo sugerem que este seja um mecanismo celular de aprendizado e de memória.Peptídeos e Proteínas de Sinalização do Ritmo Circadiano: Ampla categoria de proteínas que regulam o RITMO CIRCADIANO de um organismo. Estão incluídas as proteínas que transmitem sinais intra- e intercelulares de maneira cronológica junto com proteínas que percebem ondas luminosas e alterações no ambiente dependentes de horário, tais como o FOTOPERÍODO.Redes Neurais (Computação): Arquiteturas de computador, implementáveis em "hardware" ou "software", e modeladas segundo as cadeias neurais biológicas. Como no sistema biológico, em que a capacidade de processamento é o resultado das forças de interconexão entre matrizes dos nodos de processamento não linear, as cadeias neurais computadorizadas, frequentemente chamadas "perceptrons" ou modelos conexionistas de multicamada, são constituídas de unidades semelhantes a neurônios. Um grupo homogêneo de unidades forma uma camada. Estas cadeias são boas para reconhecimento de padrões. São adaptáveis na realização de tarefas por imitação de exemplos e, assim, são melhores para tomada de decisões do que as máquinas que aprendem de forma linear ou de análise de grupos. Não exigem programação explícita.Fatores de Tempo: Elementos de intervalos de tempo limitados, contribuindo para resultados ou situações particulares.Transmissão Sináptica: Comunicação de um NEURÔNIO com um alvo (músculo, neurônio ou célula secretora) através de uma SINAPSE. Na transmissão sináptica química, o neurônio pré-sináptico libera um NEUROTRANSMISSOR que se difunde através da fenda sináptica e se liga a receptores sinápticos específicos, ativando-os. Os receptores ativados modulam canais iônicos específicos e/ou sistemas de segundos mensageiros, influenciando a célula pós-sináptica. Na transmissão sináptica elétrica, os sinais elétricos estão comunicados como um fluxo de corrente iônico através de SINAPSES ELÉTRICAS.Ritmo Delta: Ondas encefálicas observadas no EEG caracterizadas por alta amplitude e uma frequência de até 4 Hz. São consideradas as "ondas do sono profundo", observadas durante estados de sono sem sonhos, na infância e em alguns transtornos encefálicos.Ciclos de Atividade: Turnos de irritabilidade física ou de movimento alternado com períodos de quiescência. Inclui atividade bioquímica e hormonal, que pode ser celular. [A duração] destes ciclos é menor que 24 horas, incluindo os ciclos de sono-vigília e a ativação periódica do sistema digestório.Transtornos do Sono do Ritmo Circadiano: Dissonias associadas com interrupção do ciclo normal de sono-vigília de 24 horas, secundárias a viagens (ex., SÍNDROME DE JET LAG), trabalho pesado ou outras causas.Fotoperíodo: Tempo de exposição diária à luz natural ou artificial a que um organismo está sujeito. Acredita-se que as respostas fotoperiódicas podem afetar o controle do equilíbrio energético e da termorregulação.Ratos Wistar: Linhagem de ratos albinos desenvolvida no Instituto Wistar e que se espalhou amplamente para outras instituições. Este fato diluiu marcadamente a linhagem original.Estimulação Elétrica: Uso de correntes ou potenciais elétricos para obter respostas biológicas.Córtex Cerebral: Camada delgada de SUBSTÂNCIA CINZENTA localizada na superfície dos hemisférios cerebrais (ver CÉREBRO) que se desenvolve a partir do TELENCÉFALO e se molda em giros e sulcos. Alcança seu maior desenvolvimento no ser humano, sendo responsável pelas faculdades intelectuais e funções mentais superiores.Relógios Circadianos: Mecanismo biológico que controla o RITMO CIRCADIANO. O relógio circadiano existe na forma mais simples em Cianobactérias e em sistemas mais complexos nos fungos, plantas e animais. Em humanos, o sistema inclui as CÉLULAS GANGLIONARES DA RETINA e o NÚCLEO SUPRAQUIASMÁTICO que age como o oscilador (marca-passo) central.Sinapses: Junções especializadas, nas quais um neurônio se comunica com uma célula alvo. Nas sinapses clássicas, a terminação pré-sináptica de um neurônio libera um transmissor químico armazenado em vesículas sinápticas que se difunde através de uma fenda sináptica estreita, ativando receptores na membrana pós-sináptica da célula alvo. O alvo pode ser um dendrito, corpo celular ou axônio de outro neurônio, ou ainda uma região especializada de um músculo ou célula secretora. Os neurônios também podem se comunicar através de acoplamento elétrico direto com SINAPSES ELÉTRICAS. Vários outros processos não sinápticos de transmissão de sinal elétrico ou químico ocorrem via interações mediadas extracelulares.Proteínas CLOCK: Proteínas que apresentam o domínio hélice-loop-hélice básico (bHLH), contêm atividade de HISTONA ACETILTRANSFERASE intrínseca e desenvolvem papéis importantes na regulação do RITMO CIRCADIANO. As proteínas CLOCK combinam-se com proteínas ARNTL, formando fatores de transcrição heterodiméricos específicos para ELEMENTOS E-BOX e que estimulam a transcrição de vários genes E-box envolvidos na regulação cíclica. Esta ativação transcricional também desencadeia um loop de retroalimentação dependente do horário que, por sua vez, regula negativamente a expressão de proteínas CLOCK.Fibrilação Atrial: Ritmo cardíaco anormal caracterizado por descargas de impulsos elétricos descoordenados e rápidos, nas câmaras superiores do coração (ÁTRIOS DO CORAÇÃO). Em tal caso, o sangue não pode ser eficazmente bombeado nas câmaras inferiores do coração (VENTRÍCULOS DO CORAÇÃO). É causado por geração de impulso anormal.