Receptor EphA2: Receptor da família Eph abundantemente encontrado nos tecidos de origem epitelial. É expresso em vários tipos de tecidos durante o desenvolvimento embrionário, sugerindo uma eventual função na embriogênese. No tecido adulto, altos níveis do receptor são expressos no PULMÃO, PELE, Intestino Delgado e OVÁRIO.Receptor EphA4: Receptor da família eph encontrado em vários tecidos, incluindo o ENCÉFALO. Durante a embriogênese, o receptor EphA4 apresenta padrões variados de expressão espacial e temporal, o que sugere seu papel em diversos processos de desenvolvimento.Receptor EphA7: Receptor da família eph amplamente expresso em tecidos embrionários, incluindo o SISTEMA NERVOSO. No CÉREBRO, níveis elevados da expressão de EphA7 ocorrem no tectum anterior, medula, ROMBENCÉFALO e ÓRGÃO SUBCOMISSURAL. Há várias isoformas da proteína devido à multiplicidade do processamento alternativo do RNAm do receptor EphA7.Receptor EphA5: Receptor da família eph encontrado principalmente nos tecidos neuronais diferenciados. Há várias isoformas do receptor EphA5 devido à multiplicidade do processamento alternativo do RNA. A proteína é proeminentemente expressa nos NEURÔNIOS do SISTEMA LÍMBICO durante o desenvolvimento e no decorrer da vida adulta, sugerindo seu papel na plasticidade da estrutura e função límbica.Receptor EphA1: Membro fundador da RECEPTORES DA FAMÍLIA EPH. Foi primeiramente clonado de uma linhagem celular de carcinoma hepatocelular humano produtora de eritropoetina, e é amplamente conservado entre muitas espécies de mamíferos. A superprodução de receptores EphA1 está associada com tumores e células tumorais de origem epitelial. Também é expresso em altos níveis no FÍGADO, PULMÃO e RIM, ao contrário de vários outros membros do receptor Eph que são encontrados principalmente em tecidos do sistema nervoso.Efrina-A1: Efrina originalmente identificada como o produto de um gene de resposta inicial induzido por FATORES DE NECROSE TUMORAL. Está ligada à MEMBRANA CELULAR por uma âncora de membrana de GLICOSILFOSFATIDILINOSITÓIS e se liga com alta afinidade ao RECEPTOR EPHA2. Altos níveis de efrina-2 são expressos no PULMÃO, RIM, GLÂNDULAS SALIVARES e INTESTINO durante a embriogênese.Efrina-A2: ÂNCORA DE MEMBRANA DE GLICOINOSITOL FOSFOLIPÍDEO contendo efrina com alta afinidade para o RECEPTOR EPHA3. No início da embriogênese é expresso em altos níveis no MESENCÉFALO, SOMITOS, arcos bronquiais e BOTÃO DE EXTREMIDADE.Efrina-A5: Âncora de Membrana de Glicoinositol Fosfolipídeo contendo efrina no tectum em desenvolvimento.Tem sido demonstrado que media o agrupamento de axônios corticais e repele o crescimento axonal dos axônios ganglionares da retina. É encontrada em vários tecidos adultos do ENCÉFALO, CORAÇÃO e RIM.Receptores da Família Eph: Grande família de receptores das proteínas tirosina quinases que são estruturalmente relacionadas. O nome desta família de proteínas provém da proteína original Eph (atualmente denominada RECEPTOR EPHA1), assim denominada em função da linhagem celular na qual foi descoberta: linhagem celular de carcinoma hepatocelular humana produtora de eritropoetina. Os membros desta família têm estado envolvidos na regulação das interações entre as células que participam da estruturação e do desenvolvimento do sistema nervoso.Efrina-A4: Âncora de Membrana de Glicoinositol Fosfolipídeo contendo efrina encontrada em vários tecidos adultos, como RIM, PULMÃO, COLO e OVÁRIO. Durante o desenvolvimento embrionário, a efrina-A4 é expressa no HIPOCAMPO e CÓRTEX ENCEFÁLICO. Se liga preferencialmente aos receptores ephA (RECEPTORES DA FAMÍLIA EPH), com exceção do RECEPTOR EPHA1.Efrinas: Proteínas sinalizadoras ligantes dos RECEPTORES DA FAMÍLIA EPH. São proteínas ligadas à MEMBRANA CELULAR seja por meio de uma Âncora de Membrana de Glicoinositol Fosfolipídeo ou por um domínio transmembrana. Muitas efrinas são consideradas moléculas de sinalização intracelular importantes para o controle das alterações morfogênicas durante a embriogênese.Efrina-A3: Âncora de Membrana de GlicoinositolL Fosfolipídeo contendo efrina com alta afinidade para o RECEPTOR EPHA3, RECEPTOR EPHA5, RECEPTOR EPHA6, RECEPTOR EPHA7 e RECEPTOR EPHA8. É encontrado principalmente no TECIDO NERVOSO.Efrina-B3: Domínio transmembrana contendo efrina. Embora originalmente considerada específica para o RECEPTOR EPHB3, verificou-se que ela se liga a vários RECEPTORES DA FAMÍLIA EPH. Durante a embriogênese, a efrina-B3 é expressa em altos níveis no tubo neural ventral. Nos tecidos adultos é encontrada principalmente no ENCÉFALO e CORAÇÃO.Receptor EphA6: Receptor da família eph encontrado em várias regiões dos neurônios do CÉREBRO. Ao contrário de outras proteínas desta classe, é expresso em maiores níveis nos tecidos adultos do que nos tecidos embrionários.Quimerina 1: Proteína ativadora de GTPase que é específica para PROTEÍNAS RAC DE LIGAÇÃO AO GTP. É principalmente expressa no encéfalo e pode estar envolvida na transdução de sinal. O splicing alternativo da QUIMERINA 1 (quimerina alfa 2) contém um domínio de homologia src adicional e é expressa no encéfalo e testículos.Efrina-B2: Domínio transmembrana contendo efrina que se liga com alta afinidade com o RECEPTOR EPHB1, RECEPTOR EPHB3 e RECEPTOR EPHB4. A expressão da efrina-B2 ocorre em vários tecidos adultos. Durante a embriogênese, altos níveis de efrina-B2 são observados no PROSENCÉFALO, ROMBOENCÉFALO, SOMITOS em desenvolvimento, BOTÃO DE EXTREMIDADE e arcos bronquiais.Receptores Proteína Tirosina Quinases: Classe de receptores celulares que tem uma atividade intrínseca de PROTEÍNA-TIROSINA QUINASE.Efrina-B1: Domínio transmembrana contendo efrina específica para o RECEPTOR EPHB1, RECEPTOR EPHB2 e RECEPTOR EPHB3. É amplamente expresso em vários tecidos em desenvolvimento e adulto.Proteínas Fetais: Proteínas que são preferencialmente expressas ou superexpressas durante o DESENVOLVIMENTO FETAL.