Medula Espinal: Coluna cilíndrica de tecido subjacente dentro do canal vertebral. É composto de SUBSTÂNCIA BRANCA e SUBSTÂNCIA CINZENTA.Anestesia Geral: Procedimento em que os pacientes são induzidos a um estado de inconsciência por meio do uso de vários medicamentos, a fim de que não sintam dor durante a cirurgia.Anestesia: Estado caracterizado pela perda dos sentidos ou sensações. Esta depressão da função nervosa geralmente é resultante de ação farmacológica e é induzida para permitir a execução de cirurgias ou outros procedimentos dolorosos.Raquianestesia: Procedimento em que um anestésico é injetado diretamente na medula espinal.Anestesia Local: Bloqueio da condução nervosa para uma área específica pela injeção de um agente anestésico.Traumatismos da Medula Espinal: Lesões penetrantes e não penetrantes da medula espinal resultantes de forças externas traumáticas (ex., FERIMENTOS POR ARMAS DE FOGO, TRAUMATISMOS EM CHICOTADAS, etc.).Anestesia Epidural: Procedimento em que um anestésico é injetado no espaço epidural.Anestesia por Inalação: Anestesia causada pela respiração de gases ou vapores anestésicos pela insuflação de gases ou vapores anestésicos no trato respiratório.Anestesia por Condução: Injecção de um anestésico nos nervos para inibir a transmissão nervosa em determinada parte do corpo.Anestesia Intravenosa: Administração de um anestésico por meio de injeção direta na corrente sanguínea.Anestesia Obstétrica: Variedade de métodos anestésicos, como a ANESTESIA EPIDURAL, usada para controlar as dores do parto.Período de Recuperação da Anestesia: Período crítico da anestesia geral, onde diferentes elementos da consciência retornam em proporções diferentes.Anestesia Dentária: Variedade de métodos usados para reduzir a dor e a ansiedade durante procedimentos odontológicos.Injeções Espinhais: Introdução de agentes terapêuticos na região espinal usando agulha e seringa.Anestésicos Inalatórios: São gases ou líquidos voláteis que, em diferentes graus, induzem anestesia, potência, [diferentes] graus de depressão (circulatória, respiratória, ou neuromuscular), além dos efeitos analgésicos. Os anestésicos inalatórios apresentam vantagens sobre os endovenosos, pois o grau de anestesia pode ser modificado rapidamente alterando-se a concentração do anestésico inalado. Devido a sua rápida eliminação, qualquer depressão respiratória pós-operatória tem duração relativamente curta.Anestésicos Intravenosos: São usados para induzir ação ultracurta. A perda de consciência é rápida e a indução é agradável, mas não há relaxamento muscular e, além disso, os reflexos frequentemente não são reduzidos adequadamente. A administração repetida resulta em acúmulo, prolongando o tempo necessário para recuperação. Como estes agentes apresentam pouca (quando apresentam) atividade analgésica, é raro serem usados isoladamente, exceto em rápidos procedimentos menores.Adjuvantes Anestésicos: Agentes administrados em associação com os anestésicos para aumentar sua eficiência, melhorar sua liberação, ou diminuir a dosagem necessária.Propofol: Anestésico intravenoso que possui a vantagem de ter um início muito rápido após infusão ou injeção de bolus, além de um período de recuperação muito curto (alguns minutos). (Tradução livre do original: Smith and Reynard, Textbook of Pharmacology, 1992, 1st ed, p206). O propofol tem sido utilizado como ANTICONVULSIVANTE e ANTIEMÉTICO.Anestésicos Locais: Fármacos que bloqueiam a condução nervosa quando aplicados localmente (no tecido nervoso) em concentrações adequadas. Atuam em qualquer parte do sistema nervoso e em todos os tipos de fibras nervosas. Em contato com um tronco nervoso, estes anestésicos podem causar paralisia sensitiva e motora na área inervada. Sua ação é totalmente reversível. (Tradução livre do original: Gilman AG, et. al., Goodman and Gilman's The Pharmacological Basis of Therapeutics, 8th ed). Quase todos os anestésicos locais atuam diminuindo a tendência para a ativação dos canais de sódio dependentes de voltagem.Nervos Espinhais: Os 31 pares de nervos periféricos formados pela união das raizes espinhais dorsal e ventral de cada segmento da medula espinhal. Os plexos nervosos espinhais e as raizes espinhais também estão incluídos nesta definição.Doenças da Medula Espinal: Afecções caracterizadas por disfunção ou danos a MEDULA ESPINAL, incluindo transtornos que envolvem as meninges e espaços perimeníngeos ao redor da medula espinal. Lesões traumáticas, doenças vasculares, infecções e processos inflamatórios/autoimunes podem afetar a medula espinal.Isoflurano: Anestésico inalante estável, não explosivo, relativamente livre de efeitos colaterais significantes.Éteres Metílicos: Grupo de compostos que contêm a fórmula geral R-OCH3.Anestesiologia: Especialidade voltada para o estudo dos anestésicos e da anestesia.Anestésicos Combinados: Dois ou mais compostos químicos usados simultânea ou sequencialmente para induzir anestesia. Essas drogas não precisam estar na mesma forma de dosagem.Raízes Nervosas Espinhais: Feixes pareados das FIBRAS NERVOSAS que penetram e partem de cada segmento da MEDULA ESPINAL. As raízes nervosas ventrais e dorsais unem-se para formar os nervos espinais mistos dos segmentos. As raízes dorsais são geralmente aferentes, formadas pelas projeções centrais das células sensitivas dos gânglios espinais (raiz dorsal), enquanto que as raízes ventrais são eferentes, compreendendo os axônios dos neurônios motores espinhais e FIBRAS AUTÔNOMAS PRÉ-GANGLIONARES.Monitorização Intraoperatória: Verificação constante do estado ou condição de um paciente durante o curso de uma cirurgia (por exemplo, verificação dos sinais vitais).Neoplasias da Medula Espinal: Neoplasias malignas e benignas que ocorrem dentro da substância da medula espinal (neoplasias intramedulares) ou no espaço entre a dura e a medula espinal (neoplasias extramedulares intradurais). A maioria dos tumores intramedulares é neoplasia primária do SNC, incluindo ASTROCITOMA, EPENDIMOMA e LIPOMA. As neoplasias intramedulares são muitas vezes associadas com SIRINGOMIELIA. Os tipos histológicos de tumores intradurais e extramedulares mais frequentes são MENINGIOMA e NEUROFIBROMA.Canal Vertebral: Cavidade dentro da COLUNA VERTEBRAL pela qual a MEDULA ESPINAL passa.Óxido Nitroso: Óxido de nitrogênio (N2O). Gás incolor e inodoro utilizado como anestésico e analgésico. Altas concentrações causam efeitos narcóticos e podem deslocar o oxigênio, levando a óbito por asfixia. É também utilizado como aerossol alimentar na preparação do creme "chantilly".Doenças da Coluna VertebralCompressão da Medula Espinal: Afecções agudas e crônicas caracterizadas por compressão mecânica externa da MEDULA ESPINAL devido à neoplasia extramedular, ABSCESSO EPIDURAL, FRATURAS DA COLUNA VERTEBRAL, deformidades ósseas dos corpos vertebrais e outras afecções. As manifestações clínicas variam de acordo com o local anatômico da lesão e podem incluir dor localizada, fraqueza, perda sensorial, incontinência e impotência.Anestésicos: Agentes capazes de induzir perda total ou parcial da sensação , especialmente das sensações tátil e dor. Eles podem induzir ANESTESIA geral, na qual se atinge um estado de inconsciência, ou agir localmente induzindo entorpecimento ou falta de sensibilidade em um local escolhido.Neoplasias da Coluna Vertebral: Tumores e neoplasias localizados na coluna vertebral.Lidocaína: Anestésico local e depressor cardíaco utilizado como antiarrítmico. Suas ações são mais intensas e seus efeitos mais prolongados em relação à PROCAÍNA, mas a duração de sua ação é menor do que a da BUPIVACAÍNA ou PRILOCAÍNA.Halotano: Anestésico hidrocarboneto, não inflamável, halogenado, que produz uma indução relativamente rápida com pouco ou nenhuma excitação.Estenose Espinal: O estreitamento do canal espinhal.Bupivacaína: Anestésico local utilizado amplamente.Fusão Vertebral: Imobilização ou ancilose operatória de duas ou mais vértebras, por fusão dos corpos vertebrais com um curto enxerto ósseo ou muitas vezes com discectomia ou laminectomia.Fentanila: Potente analgésico narcótico que leva ao hábito ou vício. É principalmente um agonista do receptor opioide mu. A fentanila é também usada como adjunto na anestesia geral e como anestésico para indução e manutenção. (Tradução livre do original: Martindale, The Extra Pharmacopoeia, 30th ed, p1078)Anestesia com Circuito Fechado: Anestesia por inalação, onde os gases exalados pelo paciente são reinalados, enquanto certa quantidade de dióxido de carbono é removida simultaneamente e o gás anestésico e o oxigênio são adicionados até que nenhum anestésico escape para a sala. A anestesia com circuito fechado é utilizada especialmente com anestésicos explosivos, para prevenir explosões já que é possível que partam faíscas elétricas dos instrumentos.Bloqueio Nervoso: Interrupção da CONDUÇÃO NERVOSA pelos nervos periféricos ou pelos troncos nervosos por meio de injeção local de substâncias anestésicas (ex.: LIDOCAÍNA, FENOL, TOXINAS BOTULÍNICAS) para controlar ou tratar a dor.Anestésicos Gerais: Agentes que induzem vários graus de analgesia, depressão da consciência, da circulação, e da respiração, relaxamento da musculatura esquelética, redução da atividade reflexa e amnésia. Há dois tipos de anestésicos gerais: inalatórios e intravenosos. Com qualquer um dos dois, a concentração arterial da droga necessária para induzir a anestesia varia com a condição do paciente, com o grau desejado de anestesia e com o uso concomitante de outras drogas. (Tradução livre do original: AMA Drug Evaluations Annual, 1994, p.173)Ketamina: Derivado cicloexanona utilizado para a indução de anestesia. Seu mecanismo de ação não foi completamente elucidado, porém a ketamina pode bloquear os receptores NMDA (RECEPTORES DE N-METIL-D-ASPARTATO) e pode interagir com os receptores sigma.Procedimentos Cirúrgicos Ambulatórios: Cirurgia feita em paciente externo. Pode ser feita num hospital, consultório ou centro cirúrgico.Medicação Pré-Anestésica: Drogas administradas antes da anestesia para diminuir a ansiedade do paciente e controla os efeitos do próprio anestésico.Traumatismos da Coluna Vertebral: Traumatismos envolvendo a coluna vertebral.Tiopental: Barbiturato administrado intravenosamente para a indução de anestesia geral ou para a produção de anestesia completa de curta duração.Anestesia Caudal: Anestesia epidural administrada através do canal sacral.Atrofia Muscular Espinal: Grupo de transtornos caracterizados por degeneração progressiva dos neurônios motores da medula espinhal resultando em fraqueza e atrofia muscular, normalmente sem evidência de lesão aos tratos corticospinais. Entre as doenças desta categoria estão a doença de Werdnig-Hoffman e ATROFIAS MUSCULARES ESPINAIS DA INFÂNCIA de início tardio, sendo a maioria destas, hereditárias. (Tradução livre do original: Adams et al., Principles of Neurology, 6th ed, p1089)Isquemia do Cordão Espinal: Fluxo sanguíneo diminuído na medula espinal, a qual é nutrida pela artéria espinal anterior e pelas artérias espinais posteriores. Esta afecção pode estar associada com ARTERIOSCLEROSE, trauma, êmbolos, doenças da aorta e outros transtornos. A isquemia prolongada pode levar a INFARTO do tecido da medula espinal.Pentobarbital: Barbiturato de curta ação eficaz como agente sedativo e hipnótico (mas não como agente ansiolítico) e geralmente administrado por via oral. É prescrito mais frequentemente para indução do sono do que para sedação, mas como agentes similares, pode perder sua eficácia na segunda semana de administração contínua. (Tradução livre do original: AMA Drug Evaluations Annual, 1994, p236)Anestésicos Dissociativos: Anestésicos endovenosos que induzem um estado de sedação, imobilidade, amnésia, e marcante analgesia. Os indivíduos podem sentir-se fortemente dissociados do ambiente. Embora causada pela administração de uma única droga, o estado resultante é semelhante ao da NEUROLEPTANALGESIA. (Tradução livre do original: Gilman et al., Goodman and Gilman's The Pharmacological Basis of Therapeutics, 8th ed)Gânglios Espinais: Gânglios sensitivos localizados nas raizes espinhais dorsais no interior da coluna vertebral. As células ganglionares espinhais são pseudounipolares. O ramo primário se bifurca enviando um processo periférico que transporta informação sensorial da periferia e um ramo central que funciona como um relé das informações que são enviadas para a medula espinhal ou cérebro.Enflurano: Anestésico inalante extremamente estável que permite ajustes rápidos da profundidade de anestesia com pouca alteração no pulso ou da frequência respiratória.Xilazina: Agonista alfa-2 adrenérgico usado como sedativo, analgésico e relaxante muscular de ação central em MEDICINA VETERINÁRIA.Complicações Intraoperatórias: Complicações que afetam pacientes durante a cirurgia. Podem estar ou não associadas à doença para a qual a cirurgia é realizada ou, dentro do mesmo procedimento cirúrgico.Intubação Intratraqueal: Procedimento que envolve a colocação de um tubo na traqueia através da boca ou do nariz a fim de proporcionar oxigénio e anestesia ao paciente.Dor Pós-Operatória: Dor durante o período após a cirurgia.Sedação Consciente: Depressão da consciência induzida por droga durante a qual pacientes respondem propositadamente a comandos verbais, ou só ou acompanhados por estimulação de luz tátil. Nenhuma intervenção é exigida para manter uma via aérea patente (Tradução livre do original: American Society of Anesthesiologists Practice Guidelines).Serviço Hospitalar de Anestesia: Departamento hospitalar responsável pela administração de funções e atividades pertencentes à entrega de anestésicos.Medição da Dor: Escalas, questionários, testes e outros métodos utilizados para avaliar a severidade e duração da dor em pacientes ou animais experimentais, com o objetivo de ajudar no diagnóstico, terapêutica e estudos fisiológicos.Vértebras Torácicas: Grupo de doze vértebras conectadas às costelas que sustentam a região superior do tronco.Coluna Vertebral: Coluna vertebral ou espinal.Neurônios Motores: Neurônios que ativam CÉLULAS MUSCULARES.Cesárea: Extração do FETO por meio de HISTEROTOMIA abdominal.Anestesia IntratraquealParaplegia: Perda grave ou completa da função motora nas extremidades inferiores e porções inferiores do tronco. Esta afecção é mais frequentemente associada com DOENÇAS DA MEDULA ESPINHAL, embora DOENÇAS CEREBRAIS, DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO, DOENÇAS NEUROMUSCULARES e DOENÇAS MUSCULARES possam também causar fraqueza bilateral das pernas.Período Intraoperatório: Período durante uma operação cirúrgica.Laminectomia: Procedimento cirúrgico que recorre à remoção total (laminectomia) ou parcial (laminotomia) da lâmina vertebral selecionada para aliviar a pressão na MEDULA ESPINAL e/ou RAÍZES NERVOSAS ESPINHAIS. A lâmina vertebral é a parede posterior achatada e fina do arco vertebral que forma o forame vertebral através do qual passa a medula espinal e raizes nervosas.Ratos Sprague-Dawley: Linhagem de ratos albinos amplamente utilizada para propósitos experimentais por sua tranquilidade e facilidade de manipulação. Foi desenvolvida pela Companhia de Animais Sprague-Dawley.Fatores de Tempo: Elementos de intervalos de tempo limitados, contribuindo para resultados ou situações particulares.Tuberculose da Coluna Vertebral: A osteíte ou cárie da vértebra frequentemente ocorrendo como uma complicação da tuberculose pulmonar.Região Lombossacral: Região das costas que inclui as VÉRTEBRAS LOMBARES, o SACRO e estruturas adjacentes.Prilocaína: Anestésico local farmacologicamente similar à LIDOCAÍNA. Atualmente é utilizado com maior frequência na anestesia de infiltração em odontologia.Dor: Sensação desagradável induzida por estímulos nocivos que são detectados por TERMINAÇÕES NERVOSAS de NOCICEPTORES.Anestesia e Analgesia: Métodos de medicina para aliviar a dor causada por uma afecção específica ou para remover a sensação de dor durante uma cirurgia ou outro procedimento médico.Hematoma Epidural Espinal: Raro hematoma epidural no espaço epidural espinal, geralmente devido a uma malformação vascular (MALFORMAÇÕES VASCULARES DO SISTEMA NERVOSO CENTRAL) ou TRAUMA. O hematoma epidural espinal espontâneo é uma emergência neurológica devido a sua rápida evolução a uma MIELOPATIA compressiva.Metoexital: Anestésico intravenoso de curta duração que pode ser usado na indução anestésica.Analgésicos Opioides: Compostos com atividade semelhante as dos ALCALOIDES OPIÁCEOS, atuando como RECEPTORES OPIOIDES. Entre as propriedades estão ANALGESIA ou ESTUPOR.Curvaturas da Coluna Vertebral: Deformidades da COLUNA VERTEBRAL caracterizadas por curvatura ou flexura na coluna vertebral. Elas podem estar curvadas para frente (CIFOSE), para trás (LORDOSE) ou lateralmente (ESCOLIOSE).Vértebras Lombares: Vértebras na região inferior do DORSO abaixo da VÉRTEBRA TORÁCICA e acima da VÉRTEBRA SACRAL.Células do Corno Posterior: Neurônios do CORNO DORSAL DA MEDULA ESPINAL cujos corpos celulares e processos estão confinados inteiramente no SISTEMA NERVOSO CENTRAL. Recebem terminações diretas ou colaterais de fibras da raiz dorsal. Enviam seus axônios tanto diretamente para a CÉLULAS DO CORNO ANTERIOR como para fibras longitudinais ascendentes e descendentes da SUBSTÂNCIA BRANCA.Vértebras Cervicais: As primeiras sete vértebras da COLUNA VERTEBRAL, correspondendo às vértebras do PESCOÇO.Eletroencefalografia: Registro de correntes elétricas produzidas no cérebro, pela medida de eletrodos adaptados ao couro cabeludo, na superfície do cérebro, ou colocados no cérebro.Estudos Prospectivos: Estudos planejados para a observação de eventos que ainda não ocorreram.Mepivacaína: Anestésico local quimicamente relacionado à BUPIVACAÍNA, mas farmacologicamente relacionado à LIDOCAÍNA. É indicado para infiltração, bloqueio nervoso e anestesia epidural. A mepivacaína é eficaz topicamente apenas em doses elevadas e por isso não deve ser usada por esta via.Alfentanil: Opioide anestésico e analgésico de curta duração, derivado do FENTANIL. Produz um pico inicial de efeito analgésico e rápida recuperação da consciência. Alfentanil é eficaz como anestésico durante a cirurgia, para suplementação da analgesia durante procedimentos cirúrgicos e como analgésico para pacientes criticamente enfermos.Hipnóticos e Sedativos: Drogas usadas para induzir sonolência, sono ou ainda para reduzir a excitação ou ansiedade psicológicas.Estado de Consciência: Conhecimento de si mesmo e do ambiente.Complicações Pós-Operatórias: Processos patológicos que afetam pacientes após um procedimento cirúrgico. Podem ou não estar relacionados à doença pela qual a cirurgia foi realizada, podendo ser ou não resultado direto da cirurgia.Procedimentos Cirúrgicos Menores: Cirurgia restrita ao tratamento de problemas e lesões menores; procedimento cirúrgico de extensão relativamente pequena e não prejudicial à vida por si só. (Dorland, 28a ed; Stedman, 25a ed)Atrofias Musculares Espinais da Infância: Grupo de doenças recessivamente hereditárias, caracterizadas por atrofia muscular progressiva e hipotonia. São classificadas como tipo I (doença de Werdnig-Hoffman), tipo II (forma intermediária) e tipo III (doença de Kugelberg-Welander). O tipo I é fatal na infância; o tipo II apresenta início infantil tardio e está associado com sobrevivência até a segunda ou terceira década de vida. O tipo III se inicia na infância e é lentamente progressivo.Midazolam: Droga hipnótico-sedativa com efeito de curta duração, com propriedades ansiolítica e amnésica. É usada para sedação em odontologia, cirurgia cardíaca, procedimentos endoscópicos, como medicação pré-anestésica e como adjunto para anestesia local. Devido a sua curta duração e estabilidade cardiorrespiratória torna-se útil em pacientes de risco, idosos e cardíacos. É hidrossolúvel em pH menor que 4 e lipossolúvel em pH fisiológico.Náusea e Vômito Pós-Operatório: A emese e náusea ocorrendo após a anestesia.Hemodinâmica: Movimento e forças envolvidos no movimento do sangue através do SISTEMA CARDIOVASCULAR.Xenônio: Gás nobre com símbolo atômico Xe, número atômico 54 e peso atômico 131,30. É encontrado na atmosfera terrestre e é utilizado como anestésico.Sufentanil: Analgésico opioide utilizado como adjunto em anestesia, anestesia equilibrada e como anestésico principal.Método Duplo-Cego: Método de estudo sobre uma droga ou procedimento no qual ambos, grupos estudados e investigador, desconhecem quem está recebendo o fator em questão. (Tradução livre do original: Last, 2001)Reflexo: Movimento involuntário, ou exercício de função, de determinada região estimulada, em resposta ao estímulo aplicado na periferia e transmitido ao cérebro ou medula.Fraturas da Coluna Vertebral: Ossos quebrados na coluna vertebral.Analgesia: Métodos de alívio da DOR que podem ser usados com/ou no lugar de ANALGÉSICOS.Fármacos Neuromusculares não Despolarizantes: Fármacos que interrompem a transmissão [do impulso nervoso] na junção neuromuscular esquelética sem causar depolarização da placa motora terminal. Impedem que a acetilcolina deflagre a contração muscular, sendo também usados como relaxantes musculares nos tratamentos com eletrochoque, em estados convulsivos e como adjuvantes anestésicos.ÉteresPunção Espinal: Drenagem do líquido do espaço subaracnoídeo na região lombar, geralmente entre a terceira e a quarta vértebras lombares.Frequência Cardíaca: Número de vezes que os VENTRÍCULOS CARDÍACOS se contraem por unidade de tempo, geralmente por minuto.Espaço Epidural: Espaço entre a dura-máter e as paredes do canal vertebral.Procedimentos Cirúrgicos Operatórios: Operações conduzidas para correção de deformidades e defeitos, reparos de lesões e diagnóstico e cura de certas doenças.Cloralose: Derivado do HIDRATO DE CLORAL que foi utilizado como sedativo porém foi logo substituído por drogas mais seguras e mais eficazes. Seu principal uso é como anestésico geral em experimentos envolvendo animais.Regeneração da Medula Espinal: Reparo da função nervosa lesada após TRAUMATISMOS DA MEDULA ESPINAL ou DOENÇAS DA MEDULA ESPINAL.Morfina: Principal alcaloide do ópio e protótipo de opiato analgésico e narcótico. A morfina tem efeitos variados no sistema nervoso central e na musculatura lisa.Pressão Sanguínea: PRESSÃO do SANGUE nas ARTÉRIAS e de outros VASOS SANGUÍNEOS.Éter: Líquido móvel, muito volátil, altamente inflamável, utilizado como anestésico inalante e como solvente para ceras, gorduras, óleos, perfumes, alcaloides e gomas. É levemente irritante para a pele e mucosas.Estimulação Elétrica: Uso de correntes ou potenciais elétricos para obter respostas biológicas.Relação Dose-Resposta a Droga: Relação entre a quantidade (dose) de uma droga administrada e a resposta do organismo à droga.Medetomidina: Agonista de RECEPTORES ADRENÉRGICOS ALFA-2, que é usado em Medicina Veterinária por suas propriedades analgésicas e sedativas. É o racemato de DEXMEDETOMIDINA.Hiperalgesia: Sensação aumentada de dor ou desconforto produzida por estímulos minimamente danosos devido à lesões em tecidos moles contendo NOCICEPTORES ou lesão a um nervo periférico.Piperidinas: Família de hexa-hidropiridinas.Analgésicos: Compostos que aliviam dor sem a perda de ESTADO DE CONSCIÊNCIA.Resultado do Tratamento: Estudos conduzidos com o fito de avaliar as consequências da gestão e dos procedimentos utilizados no combate à doença de forma a determinar a eficácia, efetividade, segurança, exequibilidade dessas intervenções.Gatos: Família carnívora FELIDAE (Felis catus, gato doméstico), composta por mais de 30 raças diferentes. O gato doméstico descende primariamente do gato selvagem da África e do extremo sudoeste da Ásia. Embora provavelmente estivessem presentes em cidades da Palestina há 7.000 anos, a domesticação em si ocorreu no Egito aproximadamente há 4.000 anos . (Tradução livre do original: Walker's Mammals of the World, 6th ed, p801)Efedrina: Fenetilamina encontrada em EPHEDRA SÍNICA. A PSEUDOEFEDRINA é um isômero. É um agonista alfa e beta-adrenérgico que pode também aumentar a liberação de norepinefrina. Foi utilizada no tratamento de muitas patologias, inclusive asma, insuficiência cardíaca, rinite, incontinência urinária, e por seus efeitos estimulantes no sistema nervoso central. Foi utilizada no tratamento da narcolepsia e depressão. Foi se tornando menos utilizada com o aparecimento de agonistas mais seletivos.Quadriplegia: Perda grave ou completa da função motora em todos os quatro membros podendo resultar de DOENÇAS CEREBRAIS, DOENÇAS DA MEDULA ESPINHAL, DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO, DOENÇAS NEUROMUSCULARES ou, raramente, DOENÇAS MUSCULARES. A síndrome "trancada" é caracterizada por quadriplegia em combinação com paralisia do músculo craniano. A consciência é poupada e a única atividade motora voluntária que permanece está limitada ao movimento dos olhos. Esta afecção normalmente é causada por uma lesão no TRONCO ENCEFÁLICO superior que lesa os tratos córtico-espinhal e córtico-bulbar.Eletromiografia: Registro das alterações no potencial elétrico do músculo por meio de eletrodos de superfície ou agulhas.Carticaína: Anestésico local que contém tiofeno, farmacologicamente similar à MEPIVACAÍNA.Monitores de Consciência: Dispositivos usados para avaliar o nível de consciência, especialmente durante a anestesia. Medem a atividade cerebral baseada no eletroencefalograma.Hipotensão: PRESSÃO ARTERIAL anormalmente baixa que pode resultar em fluxo de sangue inadequado para o encéfalo e outros órgãos vitais. O sintoma comum é a VERTIGEM, mas impactos negativos maiores no corpo ocorrem quando há depravação prolongada de oxigênio e nutrientes.Máscaras Laríngeas: Tipo de via respiratória orofaríngea que dá uma alternativa à intubação endotraqueal e anestesia padrão com máscara em certos pacientes. É introduzida na hipofaringe formando um selo em volta da laringe, permitindo então ventilação por pressão espontânea ou positiva sem penetração da laringe ou esôfago. É utilizada no lugar de máscara facial em anestesia de rotina. A vantagem sobre máscaras de anestesia padrão é melhor controle das vias respiratórias, mínimo vazamento de gás anestésico, via respiratória segura durante transporte do paciente à área de recuperação e mínimos problemas pós-operatórios.Bloqueadores Neuromusculares: Drogas que interrompem a transmissão dos impulsos nervosos na junção neuromuscular esquelética. Elas podem ser de dois tipos: bloqueadores estabilizantes competitivos (AGENTES NÃO DESPOLARIZANTES NEUROMUSCULARES) ou agentes despolarizantes não competitivos (DESPOLARIZANTES NEUROMUSCULARES). Esses dois tipos de drogas impedem que a acetilcolina dispare a contração muscular sendo usados como adjuvantes anestésicos, como relaxantes durante o eletrochoque, em estados convulsivos, etc.Núcleo Espinal do Trigêmeo: Núcleo do trato espinal do nervo trigêmeo. Está dividido citoarquitetonicamente em três partes: oral, caudal (NÚCLEO INFERIOR CAUDAL DO NERVO TRIGÊMEO) e interpolar.Locomoção: Movimento ou capacidade para se deslocar de um lugar a outro. Pode se referir a humanos, vertebrados ou invertebrados, e microrganismos.Manipulação da Coluna: Ajustamento e manipulação da coluna vertebral.Recuperação de Função Fisiológica: Retorno parcial (ou completo) ao normal (ou a atividade fisiológica adequada) de um órgão (ou parte) após doença ou trauma.Bloqueio Neuromuscular: Interrupção intencional da transmissão na JUNÇÃO NEUROMUSCULAR, (por agentes externos) geralmente por agentes de bloqueio neuromuscular. Difere do BLOQUEIO NERVOSO, no qual a CONDUÇÃO NERVOSA é interrompida, ao invés da transmissão neuromuscular. O bloqueio neuromuscular é geralmente usado para produzir RELAXAMENTO MUSCULAR como um adjuvante da anestesia durante cirurgia e outros procedimentos médicos. Frequentemente também é usado em manipulador experimental em pesquisa básica. Não é um anestésico estritamente falando, mas está agrupado aqui com as técnicas anestésicas. A deficiência da transmissão neuromuscular como resultado de processos patológicos não é incluída aqui.Consciência no Peroperatório: Situação em que um paciente fica consciente durante um procedimento realizado sob ANESTESIA GERAL e posteriormente lembra dos eventos sucedidos durante tal ocorrência. (Tradução livre do original: Anesthesiology 2006, 104(4): 847-64.)Modelos Animais de Doenças: Doenças animais ocorrendo de maneira natural ou são induzidas experimentalmente com processos patológicos suficientemente semelhantes àqueles de doenças humanas. São utilizados como modelos para o estudo de doenças humanas.Cuidados Intraoperatórios: Procedimentos de cuidados ao paciente feitos durante a operação, que são auxiliares à cirurgia efetiva. Abrange monitorização, terapia líquida, medicação, transfusão, anestesia, radiografia e testes de laboratório.Plexo Braquial: A maior rede de fibras nervosas que inervam a extremidade superior. O plexo braquial estende-se do pescoço até a axila. Em humanos, os nervos deste plexo usualmente se originam dos segmentos inferior cervical e primeiro torácico da medula espinhal (C5-C8 e T1), porém variações não são incomuns.Succinilcolina: Relaxante da musculatura esquelética quaternário geralmente utilizado na forma de brometos, cloretos e iodetos. É um relaxante despolarizante, atuando em aproximadamente 30 segundos e com uma duração de seus efeitos de 3 a minutos. Succinilcolina é utilizada em procedimentos cirúrgicos, anestésicos, entre outros, onde um curto período de relaxamento muscular se faz necessário.Laringoscopia: Exame endoscópico, terapia ou cirurgia do interior da laringe, feito com um endoscópio especialmente projetado.Procedimentos Ortopédicos: Procedimentos utilizados para tratar e corrigir deformidades, doenças e lesões do SISTEMA MUSCULOSQUELÉTICO, articulações e estruturas associadas.Paralisia: Termo geral normalmente usado para descrever a perda grave ou completa da força muscular devido à doença do sistema motor desde o nível do córtex cerebral até a fibra muscular. Este termo também pode ocasionalmente se referir à perda da função sensorial. (Tradução livre do original: Adams et al., Principles of Neurology, 6th ed, p45)Manuais como Assunto: Livros destinados a dar informação ou instruções factuais.Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO.Hipotensão Controlada: Procedimento em que a pressão sanguínea arterial é intencionalmente reduzida para controlar a perda de sangue durante cirurgia. Este procedimento é realizado quer farmacologicamente ou por remoção pré-cirúrgica de sangue.Respiração: Ato de respirar com os PULMÕES, consistindo em INALAÇÃO ou captação do ar ambiente para os pulmões e na EXPIRAÇÃO ou expulsão do ar modificado, que contém mais DIÓXIDO DE CARBONO que o ar inalado. (Tradução livre do original: Blakiston's Gould Medical Dictionary, 4th ed.). Não está incluída a respiração tissular (= CONSUMO DE OXIGÊNIO) ou RESPIRAÇÃO CELULAR.Sedação Profunda: Depressão de consciência induzida por medicamento durante a qual os pacientes não podem ser facilmente despertados, mas respondem propositadamente a repetidas estimulações dolorosas. A capacidade para manter a função respiratória independente pode ser prejudicada. (Tradução livre do original: From: American Society of Anesthesiologists Practice Guidelines).Células do Corno Anterior: NEURÔNIOS MOTORES no corno anterior (ventral) da MEDULA ESPINAL que se projetam para os MÚSCULOS ESQUELÉTICOS.Neuralgia: Dor intensa ou sofrível que ocorre ao longo do curso ou distribuição de um nervo craniano ou periférico.Axônios: Fibras nervosas capazes de conduzir impulsos rapidamente para fora do corpo da célula nervosa.Androstanóis: Androstanos e derivados de androstano que são substituídos em qualquer posição com um ou mais grupos hidroxilas.Tremor por Sensação de Frio: Contração involuntária ou estremecimento dos músculos. É um método fisiológico de produção de calor no homem e outros mamíferos.Mielografia: Visualização da medula através de raio x, após injeção de um meio de contraste no espaço aracnóideo espinhal.Espaço Subaracnóideo: Espaço entre a membrana aracnóide e a PIA MATER, preenchido por LÍQUIDO CEFALORRAQUÍDEO. Contém vasos sanguíneos grandes que irrigam o ENCÉFALO e a MEDULA ESPINAL.Nociceptores: Neurônios aferentes periféricos que são sensíveis a lesões ou dor, geralmente causados pela exposição térmica extrema, forças mecânicas ou outros estímulos nocivos. Seus corpos celulares residem nos GÂNGLIOS DA RAIZ DORSAL. Suas terminações periféricas (TERMINAÇÕES NERVOSAS) inervam alvos nos tecidos e transduzem estímulos nocivos via axônios para o SISTEMA NERVOSO CENTRAL.Estimulação Física: Ato de desencadear uma resposta de uma pessoa ou organismo através de contato físico.Etomidato: Anestésico e hipnótico derivado do imidazol com pouco efeito sobre os gases sanguíneos, ventilação ou sistema cardiovascular. Tem sido indicado na indução anestésica.Vias Aferentes: Estruturas nervosas através das quais os impulsos são conduzidos da parte periférica em direção ao centro do sistema nervoso.Imagem por Ressonância Magnética: Método não invasivo de demonstração da anatomia interna baseado no princípio de que os núcleos atômicos em um campo magnético forte absorvem pulsos de energia de radiofrequência e as emitem como ondas de rádio que podem ser reconstruídas nas imagens computadorizadas. O conceito inclui técnicas tomográficas do spin do próton.Sensação: Processo no qual CÉLULAS RECEPTORAS SENSORIAIS transduzem estímulos periféricos (físicos ou químicos) em IMPULSOS NERVOSOS que são, então, transmitidos para os vários centros sensoriais no SISTEMA NERVOSO CENTRAL.Dióxido de Carbono: Gás incolor, inodoro, não venenoso, componente do ar ambiental, também chamado de dióxido de carbono. É um produto normal da combustão de materiais orgânicos e da respiração. Tem um importante papel na vida dos animais e das plantas.Período Pós-Operatório: Período que se segue a uma operação cirúrgica.Potenciais Somatossensoriais Evocados: Resposta elétrica evocada no CÓRTEX CEREBRAL, por estimulação [de qualquer ponto] das VIAS AFERENTES desde os NERVOS PERIFÉRICOS até o CÉREBRO.Uretana: Antineoplásico também utilizado como anestésico veterinário. Também tem sido usado como substância intermediária na síntese orgânica. Acredita-se que a uretana é um carcinógeno.Salas Cirúrgicas: Instalações equipadas para executar procedimentos cirúrgicos.Escoliose: Desvio lateral apreciável na linha vertical normalmente reta da espinha. (Dorland, 28a ed)Cordotomia: Qualquer operação na medula espinhal. (Stedman, 25a ed)Cães: O cão doméstico (Canis familiaris) compreende por volta de 400 raças (família carnívora CANIDAE). Estão distribuídos por todo o mundo e vivem em associação com as pessoas (Tradução livre do original: Walker's Mammals of the World, 5th ed, p1065).Procedimentos Cirúrgicos Oftalmológicos: Cirurgia feita no olho ou qualquer de suas partes.Hérnia Inguinal: Hérnia abdominal com uma saliência externa na região da VIRILHA. Pode ser classificada de acordo com a localização da herniação. As hérnias inguinais indiretas ocorrem através do anel inguinal interno. As hérnias inguinais diretas ocorrem através de defeitos na PAREDE ABDOMINAL (fáscia transversal) no triângulo de Hesselbach. O primeiro tipo, normalmente é observado em crianças e adultos jovens, o segundo em adultos.Droperidol: Butirofenona com propriedades gerais semelhantes àquelas do HALOPERIDOL. É utilizado em conjunto com um analgésico opioide, como o FENTANIL para manter o paciente em um estado calmo de neuroleptanalgesia com indiferença ao ambiente, mas ainda capaz de cooperar com o cirurgião. É também utilizado como um pré-medicamento, como antiemético e para o controle de agitação nas psicoses agudas. (Tradução livre do original de: Martindale, The Extra Pharmacopoeia, 29th ed, p593)Gasometria: Medida de oxigênio e dióxido de carbono no sangue.Neurônios Aferentes: Neurônios que transportam IMPULSOS NERVOSOS ao SISTEMA NERVOSO CENTRAL.Descompressão Cirúrgica: Operação cirúrgica para aliviar a pressão em um compartimento do corpo. (Dorland, 28a ed)Tetracaína: Anestésico local potente do tipo éster utilizado em anestesias superficiais e espinhais.Agulhas: Instrumentos afiados usados para puncionar ou suturar.Membro Posterior: Cada uma das duas extremidades traseiras de animais terrestres não primatas, que apresentam quatro membros. Geralmente é constituído por FÊMUR, TÍBIA, FÍBULA, OSSOS DO TARSO, OSSOS DO METATARSO e DEDOS DO PÉ. (Tradução livre do original: Storer et al., General Zoology, 6th ed, p 73)Estudos Retrospectivos: Estudos nos quais os dados coletados se referem a eventos do passado.Epinefrina: Hormônio simpatomimético ativo da MEDULA SUPRARRENAL. Estimula os sistemas alfa- e beta-adrenérgicos, causa VASOCONSTRIÇÃO sistêmica e relaxamento gastrointestinal, estimula o CORAÇÃO e dilata os BRÔNQUIOS e os vasos cerebrais. É utilizado na ASMA e na FALÊNCIA CARDÍACA e para retardar a absorção de ANESTÉSICOS locais.Regeneração Nervosa: Renovação ou reparo fisiológico de um tecido nervoso lesado.Temperatura Corporal: Medida do nível de calor de um animal, incluindo o ser humano.Amidas: Compostos orgânicos que contêm o radical -CO-NH2. As amidas são derivadas de ácidos pela substituição dos grupos -OH por grupos -NH2 ou então a partir da amônia, pela substituição do H por um grupo acila.Oxigênio: Elemento com símbolo atômico O, número atômico 8 e peso atômico [15.99903; 15.99977]. É o elemento mais abundante da Terra e essencial à respiração.Nervo Isquiático: Nervo que se origina nas regiões lombar e sacral da medula espinhal (entre L4 e S3) e fornece inervação motora e sensitiva para a extremidade inferior. O nervo ciático, que é a principal continuação do plexo sacral, é o maior nervo do corpo. Apresenta dois ramos principais, o NERVO TIBIAL e o NERVO PERONEAL.Dexmedetomidina: Derivado de imidazol que é um agonista dos RECEPTORES ADRENÉRGICOS ALFA-2. É estreitamente relacionado com MEDETOMIDINA, que é a forma racêmica deste composto.Plexo Cervical: Rede de fibras nervosas que se origina dos quatro segmentos superiores da MEDULA CERVICAL. O plexo cervical distribui nervos cutâneos para partes do pescoço, ombros e região posterior da cabeça. Também distribui fibras motoras para músculos da COLUNA VERTEBRAL, músculos infra-hióideos e DIAFRAGMA.Encéfalo: A parte do SISTEMA NERVOSO CENTRAL contida no CRÂNIO. O encéfalo embrionário surge do TUBO NEURAL, sendo composto de três partes principais, incluindo o PROSENCÉFALO (cérebro anterior), o MESENCÉFALO (cérebro médio) e o ROMBENCÉFALO (cérebro posterior). O encéfalo desenvolvido consiste em CÉREBRO, CEREBELO e outras estruturas do TRONCO ENCEFÁLICO (MeSH). Conjunto de órgãos do sistema nervoso central que compreende o cérebro, o cerebelo, a protuberância anular (ou ponte de Varólio) e a medula oblonga, estando todos contidos na caixa craniana e protegidos pela meninges e pelo líquido cefalorraquidiano. É a maior massa de tecido nervoso do organismo e contém bilhões de células nervosas. Seu peso médio, em um adulto, é da ordem de 1.360 g, nos homens e 1.250 g nas mulheres. Embriologicamente, corresponde ao conjunto de prosencéfalo, mesencéfalo e rombencéfalo. Seu crescimento é rápido entre o quinto ano de vida e os vinte anos. Na velhice diminui de peso. Inglês: encephalon, brain. (Rey, L. 1999. Dicionário de Termos Técnicos de Medicina e Saúde, 2a. ed. Editora Guanabara Koogan S.A. Rio de Janeiro)Hipotermia: Temperatura corporal mais baixa que o normal, especialmente em animais de sangue quente.Procedimentos Cirúrgicos Eletivos: Cirurgia que poderia ser adiada ou não ser realizada sem perigo ao paciente. A cirurgia eletiva inclui procedimentos para corrigir problemas médicos que não ameaçam a vida e também para aliviar afecções causadoras de estresse psicológico ou outro risco potencial a pacientes, por exemplo, cirurgia estética ou contraceptiva.Gravidez: Estado durante o qual os mamíferos fêmeas carregam seus filhotes em desenvolvimento (EMBRIÃO ou FETO) no útero (antes de nascer) começando da FERTILIZAÇÃO ao NASCIMENTO.Analgesia Epidural: Alívio da dor sem perda da consciência através da introdução de um agente analgésico no espaço epidural do canal vertebral. É diferente de ANESTESIA EPIDURAL que se refere ao estado de insensibilidade à sensação.Mielite: Inflamação da medula espinal. Etiologias relativamente comuns incluem infecções, DOENÇAS AUTOIMUNES, MEDULA ESPINAL e isquemia (ver também DOENÇAS VASCULARES DA MEDULA ESPINAL). As características clínicas gerais incluem fraqueza, perda sensorial, dor localizada, incontinência e outros sinais de disfunção autônoma.Estimulação da Medula Espinal: Aplicação da corrente elétrica na coluna vertebral para o tratamento de uma variedade de afecções que envolvem inervação da medula espinal.Laringismo: Distúrbio em que os músculos adutores das PREGAS VOCAIS apresentam atividade aumentada, o que leva a espasmo laringeo. O laringismo causa o fechamento das PREGAS VOCAIS e a obstrução do ar durante a inspiração.Acepromazina: Fenotiazina usada no tratamento de TRANSTORNOS PSICÓTICOS.Nervo Mandibular: Ramo do nervo trigêmeo (V nervo craniano). O nervo mandibular transporta fibras motoras para os músculos da mastigação e fibras sensitivas para os dentes e gengiva, região mandibular da face e partes da dura-máter.Clonidina: Agente simpatolítico do tipo imidazolina que estimula os RECEPTORES ALFA-2 ADRENÉRGICOS e os RECEPTORES DE IMIDAZOLINA centrais. É comumente usado no controle da HIPERTENSÃO.Relaxantes Musculares Centrais: Grupo heterogêneo de fármacos usados para produzir relaxamento muscular, exceto os agentes bloqueadores neuromusculares. São usados na clínica e na terapêutica, basicamente para o tratamento de espasmo muscular e da imobilidade associados com distensões, entorses, lesões das costas e, em menor grau, lesões no pescoço. Também tem sido usado para o tratamento de várias situações clínicas que têm em comum somente a hiperatividade muscular esquelética, por exemplo, os espasmos musculares que podem ocorrer na ESCLEROSE MÚLTIPLA (Tradução livre do original: Smith and Reynard, Textbook of Pharmacology, 1991, p358).Dura-Máter: A mais externa das três MENINGES, uma membrana fibrosa de tecido conjuntivo que cobre o encéfalo e cordão espinhal.Enfermeiras Anestesistas: Enfermeiras profissionais com pós-graduação em anestesia e que trabalham sob a responsabilidade de um cirurgião.Injeções: Introdução de uma substância no corpo usando-se uma agulha e uma seringa.