Hipotálamo: Parte ventral do DIENCÉFALO que se estende da região do QUIASMA ÓPTICO à borda caudal dos CORPOS MAMILARES, formando as paredes lateral e inferior do TERCEIRO VENTRÍCULO.Hipotálamo Anterior: Porção frontal do HIPOTÁLAMO, dividida em regiões pré-óptica e supraóptica. A região pré-óptica é constituída pela SUBSTÂNCIA CINZENTA periventricular da porção rostral do TERCEIRO VENTRÍCULO e contém os núcleos pré-ópticos ventricular e medial. A região supraóptica contém o NÚCLEO HIPOTALÂMICO PARAVENTRICULAR, o NÚCLEO SUPRAÓPTICO, o NÚCLEO HIPOTALÂMICO ANTERIOR e o NÚCLEO SUPRAQUIASMÁTICO.Hipotálamo Médio: Porção média do hipotálamo que contém os núcleos arqueados (dorsomedial e ventromedial), o TÚBER CINÉREO e a HIPÓFISE.Hipotálamo Posterior: Parte do hipotálamo, posterior à região mediana que consiste de vários núcleos incluindo os maxilares, os mamilares e o hipotalâmico posterior (área hipotalâmica posterior). A área posterior hipotalâmica está relacionada com o controle de respostas simpáticas e é sensível a condições de queda de temperatura e controla os mecanismos de conservação e aumento na produção de calor.Núcleo Hipotalâmico Ventromedial: Núcleo do hipotálamo médio, o maior grupo de células da região tuberal com células variando de pequenas a médias.Núcleo Hipotalâmico Paraventricular: Núcleo localizado na parte anterior do HIPOTÁLAMO.Região Hipotalâmica Lateral: Área no hipotálamo limitada medialmente pelo trato mamilotalâmico e pela coluna anterior do FÓRNICE (CÉREBRO). A borda medial da CÁPSULA INTERNA e a região subtalâmica formam seus limites laterais. Contém o núcleo hipotalâmico lateral, o núcleo túbero-mamilar, os núcleos tuberais laterais e as fibras do FEIXE PROSENCEFÁLICO MEDIANO.Núcleo Arqueado: Núcleo localizado no hipotálamo médio na parte mais ventral do terceiro ventrículo próximo à entrada do recesso infundibular. Suas células pequenas estão em íntimo contato com o epêndima.Área Pré-Óptica: Região do hipotálamo entre a comissura anterior do hipotálamo (ver HIPOTÁLAMO ANTERIOR) e o QUIASMA ÓPTICO.Núcleo Hipotalâmico Dorsomedial: Agregação celular no hipotálamo médio localizado dorsalmente ao núcleo ventromedial limitando o TERCEIRO VENTRÍCULO.Eminência Mediana: Área elevada na região infundibular do HIPOTÁLAMO, localizada no soalho do CÉREBRO (ventralmente ao TERCEIRO VENTRÍCULO e adjacente ao NÚCLEO ARQUEADO DO HIPOTÁLAMO). É composta pela porção terminal dos neurônios hipotalâmicos e pela rede capilar do sistema portal-hipofisário e atua como conexão neuroendócrina entre o cérebro e a HIPÓFISE.Pró-Opiomelanocortina: Proteína de 30 kDa sintetizada principalmente na ADENO-HIPÓFISE e no HIPOTÁLAMO. É também encontrada na pele e outros tecidos periféricos. Dependendo da espécie e dos tecidos, o POMC é clivado pelos PRÓ-HORMÔNIO CONVERTASES dando origem a vários peptídeos ativos, incluindo ACTH, BETA-LIPOTROPINA, ENDORFINAS, HORMÔNIOS ESTIMULADORES DE MELANÓCITOS, entre outros (GAMA-LPH, PEPTÍDEO DA PARTE INTERMÉDIA DA ADENO-HIPÓFISE SEMELHANTE À CORTICOTROPINA, peptídeo N-terminal do POMC ou NPP).Neuropeptídeos: Peptídeos liberados por NEURÔNIOS como mensageiros intracelulares. Muitos neuropeptídeos também são hormônios liberados por células não neuronais.Hormônios Hipotalâmicos: Hormônios peptídicos produzidos por NEURÔNIOS de várias regiões do HIPOTÁLAMO. São liberados para a circulação portal hipofisária para estimular ou inibir as funções da HIPÓFISE. Embora a VASOPRESSINA e a OCITOCINA sejam produzidas no hipotálamo, elas não estão aqui incluídas porque são transportadas pelos AXÔNIOS até o LOBO POSTERIOR DA HIPÓFISE antes de serem liberadas para a circulação portal.Neuropeptídeo Y: Peptídeo de 36 aminoácidos presente em diversos órgãos e neurônios noradrenérgicos simpáticos. Tem atividade vasoconstritora e natridiurética, regula o fluxo sanguíneo local, a secreção glandular e atividade do músculo liso. O peptídeo também estimula o comportamento de ingestão de líquidos e sólidos e influencia a secreção de hormônios pituitários.Neurônios: Unidades celulares básicas do tecido nervoso. Cada neurônio é formado por corpo, axônio e dendritos. Sua função é receber, conduzir e transmitir impulsos no SISTEMA NERVOSO.Hipófise: Glândula pequena, ímpar, situada na SELA TÚRCICA. Conecta-se ao HIPOTÁLAMO por um pedúnculo curto denominado HIPÓFISE.Ratos Sprague-Dawley: Linhagem de ratos albinos amplamente utilizada para propósitos experimentais por sua tranquilidade e facilidade de manipulação. Foi desenvolvida pela Companhia de Animais Sprague-Dawley.Encéfalo: A parte do SISTEMA NERVOSO CENTRAL contida no CRÂNIO. O encéfalo embrionário surge do TUBO NEURAL, sendo composto de três partes principais, incluindo o PROSENCÉFALO (cérebro anterior), o MESENCÉFALO (cérebro médio) e o ROMBENCÉFALO (cérebro posterior). O encéfalo desenvolvido consiste em CÉREBRO, CEREBELO e outras estruturas do TRONCO ENCEFÁLICO (MeSH). Conjunto de órgãos do sistema nervoso central que compreende o cérebro, o cerebelo, a protuberância anular (ou ponte de Varólio) e a medula oblonga, estando todos contidos na caixa craniana e protegidos pela meninges e pelo líquido cefalorraquidiano. É a maior massa de tecido nervoso do organismo e contém bilhões de células nervosas. Seu peso médio, em um adulto, é da ordem de 1.360 g, nos homens e 1.250 g nas mulheres. Embriologicamente, corresponde ao conjunto de prosencéfalo, mesencéfalo e rombencéfalo. Seu crescimento é rápido entre o quinto ano de vida e os vinte anos. Na velhice diminui de peso. Inglês: encephalon, brain. (Rey, L. 1999. Dicionário de Termos Técnicos de Medicina e Saúde, 2a. ed. Editora Guanabara Koogan S.A. Rio de Janeiro)Hormônio Liberador da Corticotropina: Peptídeo de aproximadamente 41 aminoácidos que estimula a liberação de HORMÔNIO ADRENOCORTICOTRÓPICO. O CRH é sintetizado por neurônios nos núcleos paraventriculares do HIPOTÁLAMO sendo após liberado na circulação portal hipofisária. O CRH estimula a liberação de ACTH da HIPÓFISE. O CRH também pode ser sintetizado em outros tecidos, como PLACENTA, MEDULA SUPRARRENAL e TESTÍCULO.Sistema Hipotálamo-Hipofisário: Grupo de NEURÔNIOS, trato de FIBRAS NERVOSAS, tecido endócrino e vasos sanguíneos no HIPOTÁLAMO e na HIPÓFISE. Esta circulação portal hipotalâmica- hipofisária fornece o mecanismo para a regulação neuroendócrina hipotalâmica (HORMÔNIOS HIPOTALÂMICOS) da função hipofisária e a liberação de vários HORMÔNIOS HIPOFISÁRIOS na circulação sistêmica para manutenção da HEMOSTASIA.Injeções Intraventriculares: Injeções nos ventrículos cerebrais.Núcleo Supraóptico: Núcleo hipotalâmico localizado sobre o início do TRATO ÓPTICO.Leptina: Hormônio peptídico de 16 kDa secretado por ADIPÓCITOS BRANCOS. A leptina serve como um sinal de retroalimentação de células adiposas ao SISTEMA NERVOSO CENTRAL que regula a ingestão alimentar, equilíbrio energético, e armazenamento de gordura.Hormônio Liberador de Gonadotropina: Decapeptídeo que estimula a síntese e secreção de ambas gonadotropinas hipofisárias, HORMÔNIO LUTEINIZANTE e HORMÔNIO FOLÍCULO ESTIMULANTE. O GnRH é produzido por neurônios no septo da ÁREA PRÉ-ÓPTICA do HIPOTÁLAMO e liberado no sangue portal hipofisário, levando a estimulação dos GONADOTROFOS na ADENO-HIPÓFISE.Ocitocina: Hormônio nonapeptídeo liberado da NEURO-HIPÓFISE. Difere da VASOPRESSINA por dois aminoácidos nos resíduos 3 e 8. A ocitocina atua nas CÉLULAS DE MÚSCULO LISO, causando CONTRAÇÃO UTERINA e EJEÇÃO LÁCTEA.Sistemas Neurossecretores: Sistema de NEURÔNIOS especializados na produção e secreção de HORMÔNIOS, constituindo, em sua totalidade ou em parte, um SISTEMA ENDÓCRINO ou órgão endócrino respectivamente.Ingestão de Alimentos: Consumo de substâncias comestíveis.Hormônios Hipofisários: Hormônios secretados pela HIPÓFISE, entre eles, aqueles provenientes do lobo anterior (adeno-hipófise), lobo posterior (neuro-hipófise) e lobo intermediário mal definido. Estruturalmente são os pequenos peptídeos, proteínas e glicoproteínas. Estão sob a regulação dos sinais neurais (NEUROTRANSMISSORES) ou sinais neuroendócrinos (HORMÔNIOS HIPOTALÂMICOS) provenientes do hipotálamo, bem como, da retroalimentação a partir de seus alvos, como CORTICOSTEROIDES, ANDROGÊNIOS e ESTROGÊNIOS.Regulação do Apetite: Os mecanismos fisiológicos que regulam (ou controlam) o apetite e a ingestão de alimentos.Proteína Relacionada com Agouti: Proteína secretada de aproximadamente 131 aminoácidos relacionanada com a PROTEÍNA AGOUTI SINALIZADORA e também é uma antagonista da atividade do RECEPTOR DE MELANOCORTINA. É expressa principalmente no HIPOTÁLAMO e na GLÂNDULA SUPRARRENAL. Como uma molécula de sinalização parácrina, AGRP também é conhecida para regular a ingestão alimentar e o peso corpóreo. A AGRP elevada tem sido associada com OBESIDADE.Proteínas Proto-Oncogênicas c-fos: Proteínas celulares ligadoras de DNA encodificadas pelo gene c-fos (GENES, FOS). Estão envolvidas no controle transcripcional relacionado ao crescimento. A c-fos juntamente com a cjun (PROTEÍNAS PROTO-ONCOGÊNICAS C-JUN) forma um heterodímero c-fos/-jun (FATOR DE TRANSCRIÇÃO AP-1) que se liga ao TRE (elemento responsivo ao TPA) em promotores de certos genes.Receptores para Leptina: Receptores da superfície celular para fator de obesidade (LEPTINA), um hormônio secretado pelos ADIPÓCITOS BRANCOS. Na interação receptor-leptina, o sinal é mediado através da via JAK2/STAT3 para regular a ingestão de alimentos, equilíbrio energético e armazenamento de gordura.Diencéfalo: Partes pareadas caudais do PROSENCÉFALO, das quais derivam o TÁLAMO, o HIPOTÁLAMO, o EPITÁLAMO e o SUBTÁLAMO.Comportamento Alimentar: Respostas comportamentais ou sequenciais associadas ao ato de alimentar-se, maneira ou modos de se alimentar, padrões rítmicos da alimentação (intervalos de tempo - hora de comer, duração da alimentação).Receptores de Neuropeptídeos: Receptores de superfície celular que se ligam especificamente a neuropeptídeos específicos com alta afinidade e desencadeiam alterações intracelulares influenciando o comportamento celular. Muitos neuropeptídeos também são hormônios fora do sistema nervoso.Núcleo Supraquiasmático: Coleção, de formato ovoide, densamente carregada de pequenas células no hipotálamo anterior situada próximo à linha média em uma impressão rasa do QUIASMA ÓPTICO.Receptores de Orexina: RECEPTORES DE NEUROPEPTÍDEOS acoplados a proteína G que possuem especificidade para OREXINAS e desempenham um papel no controle do apetite e nos ciclos de sono-vigília. Dois receptores existem, cada um tendo especificidade para os subtipos de peptídeos OREXINA A ou OREXINA B.Anorexia: Diminuição ou perda de APETITE acompanhada por uma aversão à comida e incapacidade para comer. É a característica definida para o transtorno denominado ANOREXIA NERVOSA.RNA Mensageiro: Sequências de RNA que servem como modelo para a síntese proteica. RNAm bacterianos são geralmente transcritos primários pelo fato de não requererem processamento pós-transcricional. O RNAm eucariótico é sintetizado no núcleo e necessita ser transportado para o citoplasma para a tradução. A maior parte dos RNAm eucarióticos têm uma sequência de ácido poliadenílico na extremidade 3', denominada de cauda poli(A). Não se conhece com certeza a função dessa cauda, mas ela pode desempenhar um papel na exportação de RNAm maduro a partir do núcleo, tanto quanto em auxiliar na estabilização de algumas moléculas de RNAm retardando a sua degradação no citoplasma.Doenças Hipotalâmicas: Doenças do hipotálamo, neoplásicas, inflamatórias, infecciosas e outras. Entre as manifestações clínicas estão transtornos do apetite, DOENÇAS DO SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO, TRANSTORNOS DO SONO, sintomas comportamentais relacionados à disfunção do SISTEMA LÍMBICO e transtornos neuroendócrinos.Ratos Wistar: Linhagem de ratos albinos desenvolvida no Instituto Wistar e que se espalhou amplamente para outras instituições. Este fato diluiu marcadamente a linhagem original.Microinjeções: Injeção de quantidades muito pequenas de líquido, frequentemente com o auxílio de um microscópio e microsseringas.Química Encefálica: Alterações nas quantidades de vários compostos químicos (neurotransmissores, receptores, enzimas e outros metabólitos) específicos da área do sistema nervoso central contido dentro da cabeça. São monitoradas ao longo do tempo, durante a estimulação sensorial, ou em diferentes estágios de doenças.Corticosterona: Esteroide adrenocortical que tem modesta, mas significante atividade como mineralocorticoide e glucocorticoide.Kisspeptinas: Peptídeos de sinalização intercelular originalmente caracterizados por sua habilidade de eliminar METÁSTASE NEOPLÁSICA. Desde então, descobriu-se que as kisspeptinas desempenham um papel importante na regulação neuroendócrina da REPRODUÇÃO.beta-Endorfina: Peptídeo de 31 aminoácidos que é um fragmento C-terminal da BETA- LIPOTROPINA. Atua nos RECEPTORES OPIOIDES e é um analgésico. Os quatro primeiros aminoácidos no N-terminal são idênticos à sequência tetrapeptídica da ENCEFALINA METIONINA e ENCEFALINA LEUCINA.Hormônio Liberador de Tireotropina: Tripeptídeo que estimula a liberação de TIREOTROPINA e PROLACTINA. É sintetizado pelos neurônios no núcleo paraventricular do HIPOTÁLAMO. Após, sendo liberado na circulação portal hipofisária, o TRH (foi denominado TRF) estimula a liberação de TSH e PRL a partir da ADENO-HIPÓFISE.Regulação da Temperatura Corporal: Os processos de aquecimento e resfriamento que um organismo utiliza para controlar sua temperatura.Vias Neurais: Tratos neurais que conectam partes distintas do sistema nervoso.Sistema Hipófise-Suprarrenal: Interações entre a adeno-hipófise e as glândulas suprarrenais. O hormônio adrenocorticotrófico (ACTH) estimula o córtex da suprarrenal, enquanto que os hormônios produzidos por esta suprimem a produção de ACTH pela adenoipófise.Temperatura Corporal: Medida do nível de calor de um animal, incluindo o ser humano.Tronco Encefálico: Parte do encéfalo que conecta os hemisférios cerebrais (ver CÉREBRO) à MEDULA ESPINAL. É formado por MESENCÉFALO, PONTE e BULBO.Hormônio Adrenocorticotrópico: Hormônio da adeno-hipófise que estimula o CÓRTEX SUPRARRENAL e sua produção de CORTICOSTEROIDES. O ACTH é um polipeptídeo de 39 aminoácidos, dos quais o segmento N-terminal, de 24 aminoácidos, é idêntico em todas as espécies e contém a atividade adrenocorticotrópica. No processamento posterior específico do tecido, o ACTH pode produzir o ALFA-MSH e o peptídeo do lobo intermediário semelhante à corticotropina (CLIP).Tonsila do Cerebelo: Grupo de núcleos basais, em forma de amêndoa, anteriores ao corno inferior do ventrículo lateral do LOBO TEMPORAL. A amigdala é parte do sistema límbico.Vasopressinas: Hormônios antidiuréticos liberados pela NEUROIPÓFISE de todos os vertebrados (a estrutura varia com a espécie) para regular o equilíbrio hídrico e a osmolaridade. Geralmente a vasopressina é um nonapeptídeo, consistindo em um anel de seis aminoácidos com uma ponte dissulfeto entre as cisteínas 1 e 6, ou um octapeptídeo contendo uma CISTINA. Todos mamíferos têm arginina-vasopressina, exceto o porco, que apresenta uma lisina na posição 8. A vasopressina é um vasoconstritor que atua nos ductos coletores renais, aumentando a reabsorção de água, o volume e a pressão sanguínea.Hiperfagia: Ingestão de uma quantidade de comida maior que a considerada ótima.Neuro-Hipófise: Tecido nervoso da hipófise, também conhecido como HIPÓFISE POSTERIOR. Consiste em AXÔNIOS distais de neurônios que produzem VASOPRESSINA e OCITOCINA no NÚCLEO SUPRAÓPTICO e no NÚCLEO PARAVENTRICULAR. Estes axônios descem através da EMINÊNCIA MEDIANA, o infundíbulo hipotalâmico do PEDÍCULO PITUITÁRIO, até o lobo posterior da hipófise.alfa-MSH: Peptídeo de 13 aminoácidos, derivado da clivagem proteolítica do HORMÔNIO ADRENOCORTICOTRÓPICO, e segmento N-terminal do ACTH. O ACTH (1-13) é amidado na extremidade C-terminal formando o ACTH (1-13)NH2, que por sua vez é acetilado formando o alfa-MSH nos grânulos secretórios. O alfa-MSH estimula a síntese e a distribuição de MELANINA nos MELANÓCITOS de mamíferos e nos MELANÓFOROS de vertebrados inferiores.Ritmo Circadiano: Recorrência regular, em ciclos de aproximadamente 24 horas, de processos ou atividades biológicas tais como sensibilidade a drogas e estímulos, secreção de hormônios, sono, alimentação.Hibridização In Situ: Técnica que localiza sequências específicas de ácidos nucleicos em cromossomos intactos, células eucarióticas ou células bacterianas através do uso de sondas específicas de ácidos nucleicos marcados.Ratos Endogâmicos: Indivíduos geneticamente idênticos desenvolvidos de cruzamentos entre animais da mesma ninhada que vêm ocorrendo por vinte ou mais gerações ou por cruzamento entre progenitores e ninhada, com algumas restrições. Também inclui animais com longa história de procriação em colônia fechada.Metabolismo Energético: Reações químicas envolvidas na produção e utilização de várias formas de energia nas células.Arginina Vasopressina: Forma predominante do hormônio antidiurético em mamíferos. É um nonapeptídeo contendo ARGININA na posição 8 e duas cisteínas ligadas por ponte dissulfeto nas posições 1 e 6. A Arg-vasopressina é usada para tratar DIABETES INSÍPIDO ou corrigir o tônus vasomotor e a PRESSÃO ARTERIAL.Norepinefrina: Precursor da epinefrina, secretado pela medula da adrenal. É um neurotransmissor muito difundido no sistema nervoso central e autonômico. A norepinefrina é o principal transmissor da maioria das fibras simpáticas pós-ganglionares e do sistema de projeção cerebral difusa originária do locus ceruleous. É também encontrada nas plantas e é utilizada farmacologicamente como um simpatomimético.Estradiol: Isômero 17-beta do estradiol, um esteroide C18 aromatizado com grupo hidroxila na posição 3-beta e 17-beta. O estradiol-17-beta é a forma mais potente de esteroide estrogênico de mamíferos.Receptor Tipo 4 de Melanocortina: Subtipo de receptor de melanocortina encontrado principalmente no ENCÉFALO. Mostra especificidade para ALFA-MSH, BETA-MSH e HORMÔNIO ADRENOCORTICOTRÓPICO.Hormônio Luteinizante: Principal gonadotropina secretada pela ADENO-HIPÓFISE. O hormônio luteinizante regula a produção de esteroides pelas células intersticiais do TESTÍCULO e OVÁRIO. O HORMÔNIO LUTEINIZANTE pré-ovulatório aparece em fêmeas induzindo a OVULAÇÃO e subsequente LUTEINIZAÇÃO do folículo. O HORMÔNIO LUTEINIZANTE consiste em duas subunidades ligadas não covalentemente, uma alfa e outra beta. Dentro de uma espécie, a subunidade alfa é comum nos três hormônios glicoproteicos hipofisários (TSH, LH e FSH), porém a subunidade beta é única e confere sua especificidade biológica.Imuno-Histoquímica: Localização histoquímica de substâncias imunorreativas utilizando anticorpos marcados como reagentes.Neoplasias Hipotalâmicas: Tumores malignos e benignos do HIPOTÁLAMO. Astrocitomas pilocíticos e hamartomas são tipos histológicos relativamente frequentes. As neoplasias do hipotálamo frequentemente originam-se de estruturas adjacentes, incluindo o QUIASMA ÓPTICO, nervo óptico (ver NEOPLASIA DO NERVO ÓPTICO) e glândula pituitária (ver NEOPLASIAS HIPOFISÁRIAS). As manifestações clínicas relativamente frequentes incluem perda visual, retardo do desenvolvimento, macrocefalia e puberdade precoce. (Tradução livre do original: DeVita et al., Cancer: Principles and Practice of Oncology, 5th ed, p2051).Galanina: Dependendo da espécie é um neuropeptídeo de 29-30 aminoácidos. A galanina está extensamente distribuída ao longo do ENCÉFALO, MEDULA ESPINAL, e INTESTINOS. Há vários subtipos de RECEPTORES DE GALANINA que implicam papéis de galanina na regulação da INGESTÃO DE ALIMENTOS, percepção da dor, memória, e outras funções neuroendócrinas.Ovariectomia: Remoção cirúrgica de um ou ambos os ovários.Melaninas: Polímeros insolúveis de derivados de TIROSINA (encontrados na pele), causadores do escurecimento da pele (PIGMENTAÇÃO DA PELE), cabelo e penas, e trazem proteção contra QUEIMADURA SOLAR induzida pela LUZ SOLAR. Os CAROTENOS contribuem com as cores amarela e vermelha.Prosencéfalo: A anterior das três vesículas cerebrais primitivas do encéfalo embrionário que surge do TUBO NEURAL. Subdivide-se formando o DIENCÉFALO e o TELENCÉFALO (Tradução livre do original: Stedmans Medical Dictionary, 27th ed).Peso Corporal: Massa ou quantidade de peso de um indivíduo, expresso em unidades de quilogramas ou libras.Núcleo Hipotalâmico Anterior: Coleção livre e heterogênea de células no hipotálamo anterior, continua-se rostralmente com a ÁREA PRÉ-ÓPTICA lateral e a medial e caudalmente com o TÚBER CINÉREO.Apetite: Desejo recorrente natural por comida. Alterações podem ser induzidas por DEPRESSORES DO APETITE ou ESTIMULANTES DO APETITE.Peptídeos e Proteínas de Sinalização Intracelular: Proteínas e peptídeos envolvidos na TRANSDUÇÃO DE SINAL na célula. Estão incluídos os peptídeos e proteínas que regulam a atividade dos FATORES DE TRANSCRIÇÃO e os processos celulares em resposta aos sinais dos RECEPTORES DA SUPERFÍCIE CELULAR. Os peptídeos e proteínas de sinalização intracelular podem fazer parte de uma cascata de sinalização enzimática ou atuar ligando-se a outros fatores de sinalização, modificando seus efeitos.Adeno-Hipófise: Lobo glandular anterior da hipófise, também conhecido como ADENO-HIPÓFISE. Secreta os HORMÔNIOS ADENO-HIPOFISÁRIOS que regulam funções vitais como CRESCIMENTO, METABOLISMO e REPRODUÇÃO.Vias Autônomas: Nervos e plexos do sistema nervoso autônomo. As estruturas do sistema nervoso central que regulam o sistema nervoso autônomo não estão incluídas.Serotonina: Mensageiro bioquímico e regulador, sintetizado a partir do aminoácido essencial L-TRIPTOFANO. Em humanos é geralmente encontrada no sistema nervoso central, no trato gastrointestinal e nas plaquetas sanguíneas. A serotonina está envolvida em importantes funções fisiológicas, incluindo neurotransmissão, motilidade gastrointestinal, homeostase e integridade cardiovascular. Múltiplas famílias de receptores (RECEPTORES DE SEROTONINA) explicam o amplo espectro de ações fisiológicas e distribuição deste mediador bioquímico.Comportamento Sexual Animal: Atividades sexuais dos animais.Melanocortinas: Peptídeos derivados da pró-opiomelanocortina (POMC) que podem estimular os MELANÓCITOS ou CORTICOTROFOS. Entre as melanocortinas estão o ACTH, ALFA-MSH e outros peptídeos como o BETA-MSH e GAMA-MSH, derivados de outros fragmentos do POMC. Esses peptídeos atuam através de uma variedade de RECEPTORES DE MELANOCORTINAS para controlar diferentes funções, incluindo esteroidogênese, homeostase energética e pigmentação da pele.Restrição Física: Uso de um dispositivo para controlar o movimento do indivíduo ou de partes do seu corpo. Talas e moldes são usados para FIXAÇÃO DE FRATURA.Regulação da Expressão Gênica: Qualquer dos processos pelos quais os fatores nucleares, citoplasmáticos ou intercelulares influenciam o controle diferencial (indução ou repressão) da ação gênica ao nível da transcrição ou da tradução.Fotoperíodo: Tempo de exposição diária à luz natural ou artificial a que um organismo está sujeito. Acredita-se que as respostas fotoperiódicas podem afetar o controle do equilíbrio energético e da termorregulação.Ponte: Parte frontal do ROMBENCÉFALO que fica entre a MEDULA OBLONGA e o MESENCÉFALO, ventralmente ao CEREBELO. É composta de duas partes, dorsal e ventral. A ponte serve como uma estação de retransmissão para importantes vias nervosas entre o CEREBELO e o CÉREBRO.Camundongos Endogâmicos C57BLComportamento Animal: A resposta observável de um animal diante de qualquer situação.Distribuição Tecidual: Acúmulo de uma droga ou substância em vários órgãos (inclusive naqueles não relevantes para sua ação farmacológica ou terapêutica). Essa distribuição depende do fluxo sanguíneo ou da taxa de perfusão do órgão, da capacidade de a droga permear membranas de órgãos, da especificidade do tecido, da ligação a proteínas. A distribuição geralmente é expressa como razão tecido / plasma.Hormônios Estimuladores de Melanócitos: Peptídeos com a capacidade de estimular as células pigmentadas MELANÓCITOS em mamíferos e os MELANÓFOROS nos vertebrados inferiores. Ao estimular a síntese e distribuição da MELANINA nestas células pigmentadas, eles aumentam a coloração da pele e de outros tecidos. Os MSHs, provenientes da pró-opiomelanocortina (POMC), são produzidos pelos MELANOTROFOS na ADENO-HIPÓFISE PARTE INTERMÉDIA, CORTICOTROFOS na parte anterior da hipófise e nos neurônios hipotalâmicos no NÚCLEO ARQUEADO DO HIPOTÁLAMO.Privação de Alimentos: Suspensão da alimentação em uma situação experimental estruturada.Estilbamidinas: ESTILBENOS com AMIDINAS unidas.Estresse Fisiológico: Efeito desfavorável de fatores ambientais (estressores) sobre as funções fisiológicas de um organismo. O estresse fisiológico não resolvido e prolongado pode afetar a HOMEOSTASE do organismo, levando a perdas ou afecções.Bulbo: Porção inferior do TRONCO ENCEFÁLICO. É inferior à PONTE e anterior ao CEREBELO. A medula oblonga serve como estação de retransmissão entre o encéfalo e o cordão espinhal, e contém centros que regulam as atividades respiratória, vasomotora, cardíaca e reflexa.Obesidade: Estado no qual o PESO CORPORAL está grosseiramente acima do peso aceitável ou ideal, geralmente devido a acúmulo excessivo de GORDURAS no corpo. Os padrões podem variar com a idade, sexo, fatores genéticos ou culturais. Em relação ao ÍNDICE DE MASSA CORPORAL, um IMC maior que 30,0 kg/m2 é considerado obeso e um IMC acima de 40,0 kg/m2 é considerado morbidamente obeso (OBESIDADE MÓRBIDA).Endorfinas: Um dos três principais grupos de peptídeos opioides endógenos. São grandes peptídeos derivados do precursor PRÓ-OPIOMELANOCORTINA. Os membros conhecidos desse grupo são as endorfinas alfa, beta e gama. O termo endorfina também se usa, às vezes, para se referir a todos os peptídeos opioides, mas aqui se usa no sentido mais restrito; PEPTÍDEOS OPIOIDES é utilizado para um grupo mais amplo.Dopamina: Uma das catecolaminas NEUROTRANSMISSORAS do encéfalo. É derivada da TIROSINA e precursora da NOREPINEFRINA e da EPINEFRINA. A dopamina é a principal transmissora no sistema extrapiramidal do encéfalo e importante na regulação dos movimentos. Sua ação é mediada por uma família de receptores (RECEPTORES DOPAMINÉRGICOS).Proteínas Oncogênicas v-fos: Proteínas transformadoras codificadas por oncogenes fos. Estas proteínas têm sido encontradas nos vírus do sarcoma murino Finkel-Biskis-Jinkins (FBJ-MSV) e Finkel-Biskis-Reilly (FBR-MSV), os quais induzem sarcomas osteogênicos em camundongos. O gene FBJ-MSV v-fos codifica uma proteína p55-kDa e o gene FBR-MSV codifica uma proteína de fusão p75-kDa.Ventrículos Cerebrais: Quatro cavidades preenchidas com LÍQUIDO CEFALORRAQUIDIANO dentro dos hemisférios cerebrais (VENTRÍCULOS LATERAIS) na linha mediana (TERCEIRO VENTRÍCULO) e dentro da PONTE e o BULBO (QUARTO VENTRÍCULO).Radioimunoensaio: Clássico ensaio quantitativo para detecção de reações antígeno-anticorpo utilizando uma substância radioativamente ligada (radioligante) diretamente ou indiretamente, pela medida de ligação da substância não ligada a um anticorpo específico ou outro sistema receptor. Substâncias não imunogênicas (por exemplo, haptenos) podem ser medidas se acopladas a grandes proteínas carreadoras (por exemplo, gama-globulina bovina ou soro de albumina humana) capazes de induzir a formação de anticorpos.Prolactina: Hormônio lactogênico secretado pela ADENO-HIPÓFISE. É um polipeptídio com peso molecular de aproximadamente 23 kDa. Além de sua ação principal na lactação, em algumas espécies a prolactina exerce efeitos sobre a reprodução, comportamento materno, metabolismo lipídico, imunomodulação e osmorregulação. Os receptores de prolactina estão presentes nas glândulas mamárias, hipotálamo, fígado, ovário, testículo e próstata.Sistema Límbico: Conjunto de estruturas do prosencéfalo (comum a todos os mamíferos), definido funcionalmente e anatomicamente. Está relacionado tanto com a integração superior de informações (visceral, olfatória e somática) como com as respostas homeostáticas, que incluem os comportamentos fundamentais de sobrevivência (alimentação, acasalamento, emoção). Para a maioria dos autores, este sistema inclui a AMÍGDALA, o EPITÁLAMO, o GIRO DO CÍNGULO, a formação hipocampal (ver HIPOCAMPO), o HIPOTÁLAMO, o GIRO PARA-HIPOCAMPAL, os NÚCLEOS SEPTAIS, o grupo dos núcleos anteriores do tálamo e porções dos gânglios da base. (Tradução livre de: Parent, Carpenter's Human Neuroanatomy, 9th ed, p 744; NeuroNames, http://rprcsgi.rprc.washington.edu/neuronames/index.html (2 set, 1998)).Núcleos Septais: Núcleos neurais localizados na região septal. Apresentam conexões colinérgicas aferentes e eferentes com uma variedade de áreas do PROSENCÉFALO e TRONCO ENCEFÁLICO incluindo o HIPOCAMPO, a REGIÃO HIPOTALÂMICA LATERAL, o tegmento e a TONSILA DO CEREBELO. Compreende os núcleos septais dorsal, lateral, medial e triangular, núcleo septofimbrial, núcleo da banda diagonal, núcleo da comissura anterior e núcleo estriado terminal.Mesencéfalo: O meio das três vesículas cerebrais primitivas no encéfalo embrionário. Sem outra subdivisão, o mesencéfalo se desenvolve em uma porção curta e estreita, unindo a PONTE e o DIENCÉFALO. O mesencéfalo contém duas partes principais: TETO DO MESENCÉFALO dorsal e TEGMENTO MESENCEFÁLICO ventral, que alojam componentes dos sistemas auditivo, visual e de outros sistemas sensório-motores.Hormônios Neuro-Hipofisários: Hormônios liberados da NEUROIPÓFISE. São vários peptídeos formados nos NEURÔNIOS no HIPOTÁLAMO, ligados às NEUROFISINAS e armazenados nas terminações das células nervosas na neuroipófise. Com a estimulação, estes peptídeos são liberados para a circulação portal hipofisária.Depressores do Apetite: Agentes usados para diminuir o apetite.Caracteres Sexuais: Características que distinguem um SEXO do outro. As características sexuais primárias são OVÁRIOS e TESTÍCULOS e os hormônios relacionados. As características sexuais secundárias são as masculinas ou femininas, mas não estão diretamente relacionadas com a reprodução.Animais Recém-Nascidos: Refere-se a animais no período logo após o nascimento.Receptores Acoplados a Proteínas-G: Maior família de receptores de superfície celular envolvidos na TRANSDUÇÃO DE SINAL. Compartilham um sinal e uma estrutura comum através das PROTEÍNAS G HETEROTRIMÉRICAS.Telencéfalo: Subdivisão anterior do prosencéfalo embrionário, ou parte correspondente ao prosencéfalo adulto, incluindo o cérebro e estruturas associadas.Proteínas do Tecido NervosoÁcido gama-Aminobutírico: O neurotransmissor inibitório mais comum no sistema nervoso central.Grelina: Peptídeo orexigênico acilado, com 28 aminoácidos, que é um ligante para os RECEPTORES SECRETAGOGOS DO HORMÔNIO DO CRESCIMENTO. A grelina é amplamente expressada, principalmente no estômago de adultos. Atua centralmente, estimulando a secreção do hormônio de crescimento e a ingestão alimentar, e perifericamente, regulando a homeostase energética. Sua grande proteína precursora, conhecida como hormônio regulador do apetite (ou peptídeo relacionado com a motilina) contém grelina e obestatina.Resposta de Saciedade: Resposta comportamental associada à obtenção de satisfação.Ratos Long-Evans: Linhagem exogâmica de ratos desenvolvida em 1915 pelo cruzamento de diversas fêmeas brancas do Wistar Institute com machos cinzentos selvagens. Linhagens endogâmicas foram derivadas desta linhagem originalmente exogâmica, incluindo os ratos Long-Evans cor-de-canela (RATOS ENDONGÂMICOS LEC) e ratos Otsuka-Long-Evans-Tokushima gordos (RATOS ENDOGÂMICOS OLETF), que são respectivamente modelos para a doença de Wilson e para diabetes mellitus não insulina dependente.Terceiro Ventrículo: Fenda estreita localizada inferiormente ao CORPO CALOSO, dentro do DIENCÉFALO, entre os tálamos pareados. Seu assoalho é formado pelo HIPOTÁLAMO, sua parede anterior, pela lâmina terminal, e seu teto, pela EPÊNDIMA. Comunica-se com o QUARTO VENTRÍCULO pelo AQUEDUTO DO MESENCÉFALO, e com os VENTRÍCULOS LATERAIS, pelos forâmenes interventriculares.Receptores de Hormônio Liberador da Corticotropina: Proteínas de superfície celular que se ligam ao hormônio liberador de corticotropina com alta afinidade e desencadeiam alterações intracelulares que influenciam o comportamento celular. Os receptores de hormônio liberador de corticotropina de células da adeno-hipófise medeiam a estimulação da liberação de corticotropina pelo fator de liberação de corticotropina hipotalâmico. A consequência fisiológica da ativação de receptores de hormônio liberador de corticotropina hipotalâmico no sistema nervoso central ainda não é bem conhecida.Somatostatina: Peptídeo com 14 aminoácidos denominado por sua capacidade para inibir a liberação de HORMÔNIO DO CRESCIMENTO hipofisário, também denominado fator inibidor da liberação de somatotropina. É expressa nos sistemas nervosos central e periférico, no intestino e em outros órgãos. O SRIF também pode inibir a liberação de hormônio estimulante da tireoide, PROLACTINA, INSULINA e GLUCAGON, além de atuar como neurotransmissor e neuromodulador. Em várias espécies, entre elas a humana, há uma forma adicional de somatostatina, SRIF-28, com uma extensão de 14 aminoácidos na extremidade N-terminal.Núcleos da Linha Média do Tálamo: Células nervosas pequenas e não específicas dispersas na SUBSTÂNCIA CINZENTA periventricular, separando a parte medial do tálamo do EPÊNDIMA do TERCEIRO VENTRÍCULO. Este grupamento inclui o núcleo paraventricular, o núcleo paratenial, o núcleo reuniens, o núcleo romboide e o núcleo subfascicular.Febre: Elevação anormal da temperatura corporal, geralmente como resultado de um processo patológico.Encefalinas: Uma das três principais famílias de peptídeos opioides endógenos. As encefalinas são pentapeptídeos que se encontram amplamente distribuídos nos sistemas nervosos central e periférico e na medula da adrenal.Substância Cinzenta Periaquedutal: Massa cinzenta central que envolve o AQUEDUTO DO MESENCÉFALO (no MESENCÉFALO). Em termos fisiológicos, está provavelmente envolvida nas reações de FÚRIA, no reflexo de lordose, nas respostas de ALIMENTAÇÃO, no tônus da bexiga e na dor.Infusões Intraventriculares: Liberação de uma droga em uma cavidade encefálica preenchida com líquido.Somatostatina-28: Peptídeo com 28 aminoácidos e com as mesmas atividades biológicas da somatostatina-14, mas com uma extensão de 14 aminoácidos na posição N-terminal. A SRIF-28 é a forma principal da somatostatina no TRATO GASTROINTESTINAL.Homeostase: Processo por meio do qual o meio ambiente interno tende a permanecer estável e equilibrado.Reprodução: O processo total pelo qual organismos geram a prole. (Stedman, 25a ed)Castração: Remoção cirúrgica ou destruição artificial das gônadas.Núcleo Solitário: SUBSTÂNCIA CINZENTA localizada na parte dorsomedial do BULBO associada com o trato solitário. Recebe aferências da maioria dos órgãos do sistema, incluindo as terminações dos nervos facial, glossofaríngeo e vago. É um coordenador importante da regulação do SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO, dos aspectos cardiovascular, respiratório, gustatório, gastrointestinal e quimiorreceptor relacionados com a HOMEOSTASE. O núcleo solitário é notável por apresentar um grande número de NEUROTRANSMISSORES lá.Fatores de Tempo: Elementos de intervalos de tempo limitados, contribuindo para resultados ou situações particulares.Monoaminas Biogênicas: Aminas biogênicas que possuem uma única parte amina. Incluídos neste grupo estão todas as monoaminas naturais formadas pela descarboxilação enzimática de aminoácidos naturais.Microdiálise: Técnica para medida das concentrações extracelulares de substâncias em tecidos, geralmente in vivo, por meio de uma pequena sonda equipada com uma membrana semipermeável. As substâncias também são introduzidas no espaço extracelular através da membrana.Receptores de Galanina: Família de receptores acoplados a proteína G, específica para a GALANINA e peptídeos de galanina. Geralmente são considerados como acoplados a PROTEÍNA-G INIBIDORA GI para mediar os efeitos neurológicos da galanina. Vários subtipos de receptores de galanina ocorrem com distintas especificidades para a molécula completa de galanina, fragmentos peptídicos de galanina e o peptídeo semelhante a GALANINA.Análise de Variância: Técnica estatística que isola e avalia a contribuição dos fatores incondicionais para a variação na média de uma variável dependente contínua.Especificidade de Órgãos: Característica restrita a um órgão em particular do corpo, como tipo de célula, resposta metabólica ou expressão de uma proteína ou antígeno em particular.Catecolaminas: Classe geral de orto-di-hidroxifenilalquilaminas derivadas da tirosina.Ciclo Estral: Período de alterações fisiológicas e comportamentais cíclicas em fêmeas de mamíferos não primatas que apresentam ESTRO. O ciclo estral geralmente consiste em 4 ou 5 períodos distintos correspondentes ao estado endócrino (PROESTRO; ESTRO; METESTRO; DIESTRO e ANESTRO).Muscimol: Isoxazol neurotóxico isolado de espécies de AMANITA. É obtido por descarboxilação do ÁCIDO IBOTÊNICO. O muscimol é um agonista potente de RECEPTORES DE GABA-A e é usado principalmente como uma ferramenta experimental em estudos em animais e tecidos.Estimulantes do Apetite: Agentes usados para estimular o apetite. Estas drogas são usadas frequentemente para tratar a anorexia associada com câncer e AIDS.Pirogênios: Substâncias capazes de aumentar a TEMPERATURA CORPORAL causando FEBRE e que podem ser usados na TERAPIA POR FEBRE. Podem ser de origem microbiana, frequentemente POLISSACARÍDEOS e podem contaminar a água destilada.Injeções: Introdução de uma substância no corpo usando-se uma agulha e uma seringa.Expressão Gênica: Manifestação fenotípica de um gene (ou genes) pelos processos de TRANSCRIÇÃO GENÉTICA e TRADUÇÃO GENÉTICA.BenzoxazóisTirosina 3-Mono-Oxigenase: Enzima que catalisa a conversão de L-tirosina, tetraidrobiopterina e oxigênio a 3,4-di-hidroxi-L-fenilalanina, di-hidrobiopterina e água. EC 1.14.16.2.Autoestimulação: Estimulação do cérebro que é autoaplicada. A estimulação pode resultar em reforço positivo ou negativo.Ovinos: Qualquer mamífero ruminante com chifres curvados (gênero Ovis, família Bovodae) que possuem sulco lacrimal e glândulas interdigitais (ausentes nas CABRAS).Relação Dose-Resposta a Droga: Relação entre a quantidade (dose) de uma droga administrada e a resposta do organismo à droga.Vias Eferentes: Estruturas nervosas através das quais os impulsos são conduzidos do centro nervoso para um sítio periférico. Estes impulsos são conduzidos por NEURÔNIOS EFERENTES, como os NEURÔNIOS MOTORES, neurônios autonômicos e hipofisários.Maturidade Sexual: Realização da capacidade sexual plena em animais e humanos.Transdução de Sinal: Transferência intracelular de informação (ativação/inibição biológica) através de uma via de sinalização. Em cada sistema de transdução de sinal, um sinal de ativação/inibição proveniente de uma molécula biologicamente ativa (hormônio, neurotransmissor) é mediado, via acoplamento de um receptor/enzima, a um sistema de segundo mensageiro ou a um canal iônico. A transdução de sinais desempenha um papel importante na ativação de funções celulares, bem como de diferenciação e proliferação das mesmas. São exemplos de sistemas de transdução de sinal: o sistema do receptor pós-sináptico do canal de cálcio ÁCIDO GAMA-AMINOBUTÍRICO, a via de ativação da célula T mediada pelo receptor e a ativação de fosfolipases mediada por receptor. Estes sistemas acoplados à despolarização da membrana ou liberação de cálcio intracelular incluem a ativação mediada pelo receptor das funções citotóxicas dos granulócitos e a potencialização sináptica da ativação da proteína quinase. Algumas vias de transdução de sinal podem ser parte de um sistema de transdução muito maior, como por exemplo, a ativação da proteína quinase faz parte da via de sinalização da ativação plaquetária.Córtex Cerebral: Camada delgada de SUBSTÂNCIA CINZENTA localizada na superfície dos hemisférios cerebrais (ver CÉREBRO) que se desenvolve a partir do TELENCÉFALO e se molda em giros e sulcos. Alcança seu maior desenvolvimento no ser humano, sendo responsável pelas faculdades intelectuais e funções mentais superiores.Vigília: Estado no qual há um potencial elevado de sensibilidade e uma receptividade eficiente aos estímulos externos.Camundongos Transgênicos: Camundongos de laboratório que foram produzidos de um OVO ou EMBRIÃO DE MAMÍFEROS, manipulados geneticamente.Bicuculina: Alcaloide de isoquinolina obtido de Dicentra cucullaria e outras plantas. É um antagonista competitivo por receptores de GABA-A.Camundongos Knockout: Linhagens de camundongos nos quais certos GENES dos GENOMAS foram desabilitados (knocked-out). Para produzir "knockouts", usando a tecnologia do DNA RECOMBINANTE, a sequência do DNA normal no gene em estudo é alterada para impedir a síntese de um produto gênico normal. Células clonadas, nas quais esta alteração no DNA foi bem sucedida, são então injetadas em embriões (EMBRIÃO) de camundongo, produzindo camundongos quiméricos. Em seguida, estes camundongos são criados para gerar uma linhagem em que todas as células do camundongo contêm o gene desabilitado. Camundongos knock-out são usados como modelos de animal experimental para [estudar] doenças (MODELOS ANIMAIS DE DOENÇAS) e para elucidar as funções dos genes.Cataplexia: Afecção caracterizada por fraqueza transitória ou paralisia da musculatura somática desencadeada por um estímulo emocional ou exercício físico. A cataplexia frequentemente é associada com NARCOLEPSIA. Durante um ataque catapléctico, há uma redução acentuada no tônus muscular semelhante à hipotonia fisiológica normal que acompanha o sono dos movimentos rápidos dos olhos (SONO REM). (Tradução livre do original: Adams et al., Principles of Neurology, 6th ed, p396)Melatonina: Amina biogênica encontrada em animais e plantas. Em mamíferos, a melatonina é produzida pela GLÂNDULA PINEAL. Sua secreção aumenta no escuro e diminui durante a exposição luminosa. A melatonina está envolvida na regulação do SONO, humor e REPRODUÇÃO. A melatonina também é um antioxidante eficaz.Precursores de ProteínasSistema Nervoso Simpático: Divisão toracolombar do sistema nervoso autônomo. Fibras pré-ganglionares simpáticas se originam nos neurônios da coluna intermediolateral da medula espinhal e projetam para os gânglios paravertebrais e pré-vertebrais, que por sua vez projetam para os órgãos alvo. O sistema nervoso simpático medeia a resposta do corpo em situações estressantes, por exemplo, nas reações de luta e fuga. Frequentemente atua de forma recíproca ao sistema parassimpático.Hormônios Peptídicos: Hormônios sintetizados a partir de aminoácidos. Diferenciam-se de PEPTÍDEOS E PROTEÍNAS DE SINALIZAÇÃO INTERCELULAR por sua ação sistêmica.Testosterona: Esteroide androgênico potente e produto principal secretado pelas CÉLULAS DE LEYDIG do TESTÍCULO. Sua produção é estimulada por HORMÔNIO LUTEINIZANTE da HIPÓFISE. Por sua vez, a testosterona exerce controle de retroalimentação na secreção do LH e FSH da hipófise. Dependendo dos tecidos, a testosterona pode ser convertida a DIIDROTESTOSTERONA ou ESTRADIOL.Autorradiografia: A execução de uma radiografia de um objeto ou tecido registrando-se em uma placa fotográfica a radiação emitida pelo material radioativo dentro do objeto, tal como ao estudar a síntese e a localização do DNA dentro das células usando-se isótopos radioativos que foram incorporados no DNA. (Dorland, 28a ed)Ácido Pirrolidonocarboxílico: Derivado ciclizado do ÁCIDO GLUTÂMICO L. Níveis elevados de sangue podem estar associados com problemas de GLUTAMINA ou metabolismo de GLUTATIONA.Sistema Nervoso Central: Principais órgãos processadores de informação do sistema nervoso, compreendendo encéfalo, medula espinal e meninges.Neurotensina: Tridecapeptídeo biologicamente ativo, isolado de hipotálamo. Tem-se demonstrado que ela induz hipotensão no rato, estimula a contração do íleo de porquinho-da-índia e do útero de ratas, e relaxamento do duodeno de ratos. Também existem evidências de que ele atua como neurotransmissor do sistema nervoso central e do periférico.Receptores de Neuropeptídeo Y: Proteínas de superfície celular que ligam o neuropeptídeo Y com alta afinidade e desencadeiam alterações intracelulares que influenciam o comportamento celular.Atividade Motora: Atividade física de um humano ou de um animal como um fenômeno comportamental.Reação em Cadeia da Polimerase Via Transcriptase Reversa: Variação da técnica de PCR na qual o cDNA é construído do RNA através de uma transcrição reversa. O cDNA resultante é então amplificado utililizando protocolos padrões de PCR.Dinorfinas: Classe de peptídeos opioides incluindo a dinorfina A, dinorfina B e pequenos fragmentos desses peptídeos. As dinorfinas preferem os receptores kapa-opioides (RECEPTORES KAPA OPIOIDES) e parecem desempenhar papel de neurotransmissor no sistema nervoso.Glândulas Suprarrenais: Par de glândulas localizadas no polo cranial de cada RIM. Cada glândula adrenal é composta por dois tecidos endócrinos distintos (de origem embrionária diferente); o CÓRTEX ADRENAL produz ESTEROIDES e a MEDULA ADRENAL produz NEUROTRANSMISSORES.Hormônio Liberador de Hormônio do Crescimento: Peptídeo de 44 aminoácidos na maioria das espécies. Estimula a liberação e síntese do HORMÔNIO DO CRESCIMENTO. O GHRF (ou GRF) é sintetizado por neurônios no NÚCLEO ARQUEADO do HIPOTÁLAMO. Após sua liberação na circulação portal hipofisária, o GHRF estimula a liberação de GH pelos SOMATOTROFOS na HIPÓFISE.Ejeção Láctea: Expulsão de leite a partir do lúmen alveolar mamário, que é rodeado por uma camada de CÉLULAS EPITELIAIS secretoras de leite e uma rede de células mioepiteliais. A contração das células mioepiteliais é regulada por sinais neuroendócrinos.Saciação: Gratificação plena de uma necessidade ou desejo seguida de um estado de relativa insensibilidade àquela necessidade ou desejo particular.Gravidez: Estado durante o qual os mamíferos fêmeas carregam seus filhotes em desenvolvimento (EMBRIÃO ou FETO) no útero (antes de nascer) começando da FERTILIZAÇÃO ao NASCIMENTO.Receptores de Melanocortina: Família de receptores acoplados à proteína-G, que tem especificidade para os HORMÔNIOS ESTIMULADORES DE MELANÓCITOS e o HORMÔNIO ADRENOCORTICOTRÓPICO. Há vários subtipos de receptores de melanocortina, cada um tendo diferente perfil de especificidade de ligante e diferente localização tissular.Antagonistas GABAérgicos: Fármacos que se ligam aos receptores de ÁCIDO GAMA-AMINOBUTÍRICO, mas não os ativam, bloqueando, assim, as ações endógenas do ÁCIDO GAMA-AMINOBUTÍRICO e de agonistas dos receptores de GABA.Jejum: Abster-se de todo alimento.Neurotransmissores: Substâncias usadas por suas ações farmacológicas em qualquer aspecto dos sistemas de neurotransmissores. O grupo de agentes neurotransmissores inclui agonistas, antagonistas, inibidores da degradação, inibidores da recaptação, substâncias que esgotam (depleters) estoques [ou reservas de outras substâncias], precursores, e moduladores da função dos receptores.Glândula Pineal: Órgão neuroendócrino sensível à luz, ligado ao teto do TERCEIRO VENTRÍCULO cerebral. A glândula pineal secreta MELATONINA, outras AMINAS BIOGÊNICAS e neuropeptídeos.Tálamo: Corpos pareados que contêm principalmente SUBSTÂNCIA CINZENTA e que formam uma parte da parede lateral do TERCEIRO VENTRÍCULO do cérebro.Estimulação Elétrica: Uso de correntes ou potenciais elétricos para obter respostas biológicas.Insulina: Hormônio pancreático de 51 aminoácidos que desempenha um papel fundamental no metabolismo da glucose, suprimindo diretamente a produção endógena de glucose (GLICOGENÓLISE, GLUCONEOGÊNESE) e indiretamente a secreção de GLUCAGON e a LIPÓLISE. A insulina nativa é uma proteína globular composta por um hexâmero coordenado de zinco. Cada monômero de insulina contém duas cadeias, A (21 resíduos) e B (30 resíduos), ligadas entre si por duas pontes dissulfeto. A insulina é usada para controlar o DIABETES MELLITUS TIPO 1.Temperatura Baixa: [Sensação de] ausência de [uma fonte de energia que transmita] calor, [decorrente da exposição prolongada a ambiente cuja] temperatura está muito abaixo de uma norma usual.Alilglicina: Inibidor da glutamato descarboxilase e um antagonista do ÁCIDO GAMA-AMINOBUTÍRICO. É utilizado para induzir convulsões em animais experimentais.Narcolepsia: Afecção caracterizada por episódios recidivantes de sonolência durante o dia e lapsos de consciência (microssonias) que podem estar associados com comportamentos automáticos e AMNÉSIA. CATAPLEXIA, PARALISIA DO SONO e ALUCINAÇÕES hipnagógicas frequentemente acompanham a narcolepsia. A fisiologia deste transtorno inclui os movimentos rápidos dos olhos (REM) no início do sono, o que normalmente ocorre seguido aos estágios III ou IV do sono. (Tradução livre do original: Neurology 1998 Feb; 50 (2 Suppl 1): S2-S7)Agressão: Comportamento que pode ser manifestado por ações destrutivas e de ataque, verbais ou físicas, por atitudes dissimuladas de hostilidade ou por obstrucionismo.Sono: Suspensão prontamente reversível da interação sensorio-motor com o ambiente, geralmente associada à posição reclinada e à imobilidade.Neurocinina B: Neuropeptídeo de 10 aminoácidos encontrado em mamíferos, o qual pertence à família da taquicinina. A ação e estrutura da neurocinina B são semelhantes às da SUBSTÂNCIA P e NEUROCININA A, sendo capaz de excitar neurônios, dilatar os vasos sanguíneos e contrair os músculos lisos, como os da BEXIGA e ÚTERO.Receptores de Grelina: Proteínas transmembranas que reconhecem e se ligam a GRELINA, um potente estimulante da secreção do HORMÔNIO DO CRESCIMENTO e da ingestão de alimentos em mamíferos. Os receptores de grelina são encontrados na hipófise e HIPOTÁLAMO. Pertencem à família dos RECEPTORES ACOPLADOS A PROTEÍNA-G.Hormônio do Crescimento: Polipeptídeo secretado pela ADENO-HIPÓFISE. O hormônio do crescimento, também conhecido como somatotropina, estimula a mitose, diferenciação e o crescimento celular. Hormônios do crescimento espécie-específicos têm sido sintetizados.Vias Aferentes: Estruturas nervosas através das quais os impulsos são conduzidos da parte periférica em direção ao centro do sistema nervoso.Gatos: Família carnívora FELIDAE (Felis catus, gato doméstico), composta por mais de 30 raças diferentes. O gato doméstico descende primariamente do gato selvagem da África e do extremo sudoeste da Ásia. Embora provavelmente estivessem presentes em cidades da Palestina há 7.000 anos, a domesticação em si ocorreu no Egito aproximadamente há 4.000 anos . (Tradução livre do original: Walker's Mammals of the World, 6th ed, p801)Feixe Prosencefálico Mediano: Grupo complexo de fibras que nascem da região olfatória basal, da região periamigdaloide e dos núcleos septais, e chegam ao hipotálamo lateral. Algumas fibras continuam até o tegmento do mesencéfalo.Sono REM: Fase do sono caracterizada por movimentos rápidos do olho e EEG de padrão rápido e baixa voltagem. É geralmente associada aos sonhos.Camundongos Obesos: Camundongos mutantes que exibem marcada obesidade associada à hiperingestão, hiperglicemia, hiperinsulinemia, resistência marcada à insulina e infertilidade quando em estado de homozigose. Podem ser endogâmicos ou híbridos.