Celulose: Polissacarídeo com unidades de glucose ligadas como em CELOBIOSE. É o constituinte principal de fibras de plantas, sendo o algodão, forma natural mais pura desta substância. Como matéria-prima, forma a base de muitos derivados utilizados em cromatografia, material de troca iônica, manufatura de explosivos e preparações farmacêuticas.Celulose 1,4-beta-Celobiosidase: Exocelulase com especificidade para a hidrólise de ligações 1,4-beta-D-glucosídica na CELULOSE e celotetraose. Cataliza a hidrólise dos extremos terminais não redutores do terminal dos beta-D-glucosídeos com liberação de CELOBIOSE.Celulose Oxidada: Celulose com conteúdo variado de carboxilas que detêm a estrutura fibrosa. É comumente usada como hemostático local e como matriz para a coagulação sanguínea normal.Celulase: Endocelulase com especificidade para a hidrólise de ligações 1,4-beta-glucosídicas na CELULOSE, liquenina e beta-glucanos de cereais.Gluconacetobacter xylinus: Espécie de bactéria acetato-oxidante, anteriormente conhecida como Acetobacter xylinum.Eletroforese em Acetato de Celulose: Eletroforese na qual o acetato de celulose é o meio de difusão.Carboximetilcelulose Sódica: Derivado da celulose que é um polímero de beta-(1,4)-D-glucopiranose. Usada como laxante formador de volume e como emulsificante e espessante em cosméticos e preparados farmacêuticos e também como estabilizante para reagentes.Celulases: Família de glicosidases que hidrolizam a CELULOSE cristalina em moléculas de açúcar solúvel. Nesta família há uma variedade de subtipos de enzimas com diferentes especificidades de substrato que devem trabalhar juntas para provocar a hidrólise completa da celulose. São encontradas em estruturas chamadas CELULOSSOMAS.Celobiose: Dissacarídeo constituído de duas unidades de glucose nas ligações glicosídicas beta (1-4). Obtido a partir da hidrólise parcial da celulose.Glucosiltransferases: Enzimas que catalisam a transferência de glucose de um nucleosídeo difosfato glucose a uma molécula aceptora que é frequentemente um outro carboidrato. EC 2.4.1.-.Trichoderma: Gênero de fungos mitospóricos (cujo teleomorfo é HYPOCREA), frequentemente encontrados no solo e na madeira. Às vezes são utilizados no controle de fungos patogênicos.Microfibrilas: Componentes da matriz extracelular consistindo primariamente de fibrilina. São essenciais para a integridade das fibras elásticas.Pectinas: Polissacarídeos de alta massa molecular presentes na parede celular de todas as plantas. As pectinas unem as paredes celulares. São usadas como emulsificantes e estabilizantes na indústria alimentícia. Têm sido testadas para uma variedade de usos terapêuticos, inclusive como agentes antidiarreicos (em que geralmente não são mais consideradas efetivas), e no tratamento da hipercolesterolemia.Xilanos: Polissacarídeos constituídos de unidades de xilose.Lignina: Polímero orgânico aromático natural mais abundante em todas as plantas vasculares. A lignina junto com a celulose e a hemicelulose são os principais componentes da parede celular das fibras de todas as madeiras e espécies de gramas. A lignina é composta por coniferil, p-comaril e álcoois sinapil em diferentes proporções em diversas espécies de plantas. (Tradução livre do original: Merck Index, 11th ed)Metilcelulose: Metiléster da celulose. É utilizada como emulsificante e agente de suspensão em cosméticos, na indústria química e farmacêutica. Também é utilizada terapeuticamente como laxativo.Parede Celular: Camada mais externa de uma célula na maioria das PLANTAS, BACTÉRIAS, FUNGOS e ALGAS. Geralmente é uma estrutura rígida externa à MEMBRANA CELULAR, e oferece uma barreira protetora contra agentes físicos e químicos.Acetobacter: Espécie de bactéria Gram-negativa, da família ACETOBACTERACEAE, encontrada em FLORES e FRUTAS. As células possuem formato variando de elipsoidal a bastonete e reto ou ligeiramente curvo.Clostridium thermocellum: Espécie de bactérias (família Clostridaceae) Gram-positivas, celulolíticas e termofílicas, que degradam e fermentam CELOBIOSE e CELULOSE a ETANOL no CELULOSSOMA.Fibras na Dieta: Resíduos de paredes celulares e tecidos de sustentação de vegetais. Desempenham funções importantes no organismo, relacionadas ao metabolismo de lipídios e carboidratos e na fisiologia do trato gastrintestinal, além de assegurar absorção mais lenta dos nutrientes e promover sensação de saciedade. (POURCHET-CAMPOS 1998)beta-Glucosidase: Exocelulase com especificidade para uma variedade de substratos beta-D-glucosídeos. Catalisa a hidrólise de resíduos terminais não redutores nos beta-D-glucosídeos com liberação de GLUCOSE. EC 3.2.1.21.Excipientes: Substâncias geralmente inertes adicionadas a uma prescrição para garantir uma consistência satisfatória para a formulação. Estas incluem aglutinantes, matrizes, bases ou diluentes usados em pílulas, comprimidos, cremes, pomadas, etc.Clostridium: Gênero de bactérias (família Clostridiaceae) Gram-positivas, móveis ou imóveis, com várias espécies identificadas, sendo algumas patogênicas. Ocorrem na água, solo e trato intestinal de humanos e de animais inferiores.Celulossomas: Estruturas extracelulares encontradas em uma variedade de micro-organismos. Contêm CELULASES e desempenham um importante papel na digestão de CELULOSE.Glicosídeo Hidrolases: Glicosídeo hidrolases (também chamadas glicosidases) catalisam a hidrólise da ligação glicosídica para gerar dois açúcares menores. Elas são enzimas extremamente comuns com funções na natureza incluindo degradação da biomassa, como celulose e hemicelulose, em estratégias de defesa antibacteriana (por exemplo, lisozima), em mecanismos de patogênese (por exemplo, neuraminidases virais), e no funcionamento celular normal (por exemplo, aparando as manosidases envolvidas na biossíntese de glicoproteínas ligadas a N). Juntamente com as glicosiltransferases, as glicosidases constituem a principal maquinaria catalisadora para a síntese e a quebra de ligações glicosídicas.Glucanas: Polissacarídeos compostos de unidades repetidas de glicose. Podem consistir em cadeias ramificadas ou não ramificadas em quaisquer ligações.DextrinasClostridium cellulolyticum: Espécie de bactéria (família Clostridiaceae) Gram-positiva, celulolítica e mesofílica, isolada de GRAMA em decomposição.Fermentação: Degradação anaeróbica da GLUCOSE (ou de outros nutrientes orgânicos), que fornece energia em forma de ATP. Os produtos finais variam, dependendo dos organismos, substratos e das vias enzimáticas. Entre os produtos comuns de fermentação estão o ETANOL e o ÁCIDO LÁTICO.Clostridium cellulovorans: Espécie de bactérias (família Clostridiaceae) Gram-positivas, celulolíticas e produtoras de CELULOSSOMAS (envolvidos na degradação da PAREDE CELULAR de vegetais).Comprimidos: Forma sólida de administração, de peso variável, tamanho e formato, que pode ser moldada ou comprimida, e que contém uma substância medicinal em forma pura ou diluída. (Dorland, 28a ed)Peptococcaceae: Família de bactérias encontradas na boca e nos tratos intestinal e respiratório do homem e outros animais, assim como no trato urogenital feminino humano. Seus organismos são também encontrados no solo e em grãos de cereais.Hidrólise: Processo de clivar um composto químico pela adição de uma molécula de água.Psyllium: Sementes secas e maduras de PLANTAGO psyllium, P. indica, e de P. ovata. As sementes incham na água, sendo usadas como emolientes e como laxativos.PolissacarídeosMadeira: Produto duro do xilema secundário (composto por CELULOSE, hemicelulose e LIGNANAS) que está sob a casca das árvores e arbustos. É usado na construção, como fonte de CARVÃO VEGETAL e muitos outros produtos.Glucana 1,4-beta-Glucosidase: Exocelulase com especificidade para a hidrólise de ligações 1,4-beta-glucosídicas das 1,4-beta-D-glucanas, resultando na remoção sucessiva de unidades de GLUCOSE.Xilosidases: Grupo de enzimas que catalisa a hidrólise de ligações alfa ou beta-xilosídicas. EC 3.2.1.8 catalisa a endo-hidrólise de ligações 1,4-beta-D-xilosídicas; EC 3.2.1.32 catalisa a endo-hidrólise de ligações 1,3-beta-D-xilosídicas; EC 3.2.1.37 catalisa a exo-hidrólise de ligações 1,4-beta-D dos terminais não redutores dos xilanos; e a EC 3.2.1.72 catalisa a exo-hidrólise de ligações 1,3-beta-D dos terminais não redutores dos xilanos. Foram identificadas outras xilosidases que catalisam a hidrólise de ligações alfa-xilosídicas.Química Farmacêutica: Química que estuda a composição e preparação de agentes usados em AÇÕES FARMACOLÓGICAS ou uso diagnóstico.Polyporaceae: Família de fungos basidiomicetos (ordem POLYPORALES) que vivem na matéria vegetal em decomposição e madeira.Dados de Sequência Molecular: Descrições de sequências específicas de aminoácidos, carboidratos ou nucleotídeos que apareceram na literatura publicada e/ou são depositadas e mantidas por bancos de dados como o GENBANK, European Molecular Biology Laboratory (EMBL), National Biomedical Research Foundation (NBRF) ou outros repositórios de sequências.Gossypium: Gênero de plantas (família MALVACEAE) fonte da FIBRA DO ALGODÃO, ÓLEO DE SEMENTE DE ALGODÃO, usado para cozinhar e GOSSIPOL. A colheita do algodão, economicamente importante, é a principal usuária dos PRAGUICIDAS agrícolas.Xilano Endo-1,3-beta-Xilosidase: Xilosidase que catalisa a hidrólise aleatória das ligações 1,3-beta-D-xilosídicos em 1,3-beta-D-xilanos.Ruminococcus: Gênero de bactérias (família Lachospiraceae) Gram-positivas que habitam o RÚMEN, INTESTINO GROSSO e CECO de MAMÍFEROS.Fibrobacter: Gênero de bactérias anaeróbias Gram-negativas, da família Fibrobacteraceae, isolada do TRATO GASTROINTESTINAL humano.Pós: Substâncias feitas de uma agregação de pequenas partículas, como as obtidas pela moagem ou trituração de uma substância sólida. (Dorland, 28a ed)Fungos Mitospóricos: Grande e heterogêneo grupo de fungos cuja característica em comum é a ausência de estado sexual. Muitos dos fungos patogênicos para humanos pertencem a este grupo.Proteínas de Arabidopsis: Proteínas que se originam de espécies de plantas do gênero ARABIDOPSIS. A espécie de Arabidopsis mais intensamente estudada é a Arabidopsis thaliana, comumente utilizada como modelo experimental.Endo-1,4-beta-Xilanases: Enzimas que catalisam a endo-hidrólise das ligações 1,4-beta-D-xilosídicas em XILANOS.Caules de Planta: Partes de plantas que geralmente crescem verticalmente para cima, em direção à luz, e que dão suporte às folhas, às células germinativas e às estruturas reprodutivas.Membranas Artificiais: Membranas produzidas artificialmente, como as membranas semipermeáveis usadas na DIÁLISE RENAL artificial, membranas monomoleculares e bimoleculares usadas como modelos para simular MEMBRANAS CELULARES biológicas. Estas membranas também são usadas no processo da REGENERAÇÃO TECIDUAL GUIADA.Microscopia Eletrônica de Varredura: Microscopia em que o objeto é examinado diretamente por uma varredura de feixe de elétrons na amostra ponto-a-ponto. A imagem é construída por detecção de produtos de interação da amostra que são projetados acima do seu plano como elétrons dispersos no plano oposto. Embora a MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO também varra ponto-a-ponto a amostra com o feixe de elétrons, a imagem é construída pela detecção de elétrons, ou de seus produtos de interação que são transmitidos através do plano da amostra, formando desta maneira, a MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO.Solubilidade: Habilidade de uma substância ser dissolvida, isto é, de formar uma solução com outra substância. (Tradução livre do original: McGraw-Hill Dictionary of Scientific and Technical Terms, 6th ed)Hipocótilo: Região do caule abaixo dos pedúnculos das folhas de sementes (cotilédones), diretamente acima da jovem raiz da planta embrionária. Cresce rapidamente em mudas apresentando germinação epígea, e levanta os cotilédones acima da superfície do solo. Nesta região (a zona de transição), o arranjo de feixes vasculares da raiz muda para o arranjo do caule.Fibra de Algodão: Fibras TÊXTEIS obtidas do arilo (exterior das SEMENTES) das sementes do algodoeiro (GOSSYPIUM). A inalação do pó da fibra do algodão por um periodo prolongado pode resultar em BISSINOSE.Biocombustíveis: Subprodutos ricos em hidrocarbonetos advindos da BIOMASSSA não fossilizada que são queimados para gerar energia, diferentemente dos depósitos de hidrocarbonetos fossilizados (COMBUSTÍVEIS FÓSSEIS).Arabidopsis: Gênero de plantas (família BRASSICACEAE) contendo PROTEÍNAS DE ARABIDOPSIS e PROTEÍNAS DE DOMÍNIO MADS. A espécie 'A. thaliana' é utilizada em experimentos em genética vegetal clássica, bem como em estudos de genética molecular em fisiologia, bioquímica e desenvolvimento de plantas.Adsorção: Adesão de gases, líquidos ou substâncias dissolvidas em superfícies. Inclui fenômenos adsortivos de bactérias e vírus a superfícies. A ABSORÇÃO da substância pode se seguir, mas não necessariamente.Composição de Medicamentos: Preparação, dosagem e montagem de uma droga.Concentração de Íons de Hidrogênio: Normalidade de uma solução com relação a íons de HIDROGÊNIO, H+. Está relacionada com medições de acidez na maioria dos casos por pH = log 1/2[1/(H+)], onde (H+) é a concentração do íon hidrogênio em equivalentes-grama por litro de solução. (Tradução livre do original: McGraw-Hill Dictionary of Scientific and Technical Terms, 6th ed)Rúmen: O primeiro estômago dos ruminantes. Localiza-se no lado esquerdo do corpo, ocupando totalmente o lado esquerdo do abdome e até mesmo estendendo-se até o lado direito cruzando o plano mediano do corpo. É amplo, divide-se em um saco superior e um inferior, cada um apresentando um saco cego em sua extremidade posterior. O rúmen encontra-se revestido por uma mucosa que não contém glândulas digestórias, mas glândulas secretoras de muco estão presentes em grande número. O alimento mastigado parcial e grosseiramente é armazenado e agitado no rúmen até o animal encontrar circunstâncias convenientes para a ruminação. Quando isto ocorre, pequenas bolas de alimento são regurgitadas para dentro da boca através do esôfago, são submetidas a uma segunda mastigação mais completa, são engolidas, e passam para as outras partes do estômago composto.Uridina Difosfato Glucose: Intermediário crucial do metabolismo de carboidratos. Serve como precursor de glicogênio, pode ser metabolizado em UDPgalactose e ácido UDPglucurônico, que podem ser incorporados aos polissacarídeos como galactose e ácido glucurônico. Também serve como precursor de lipopolissacarídeos e glicoesfingolipídeos.Tetroses