There was an error running the query [insert into queries_portuguese (query) values ('adenosina-5'-(n-etilcarboxamida)') on duplicate key update repetitions=repetitions+1, last=now() - You have an error in your SQL syntax; check the manual that corresponds to your MySQL server version for the right syntax to use near '') on duplicate key update repetitions=repetitions+1, last=now()' at line 1]Adenosina-5'-(N-etilcarboxamida). Pesquisa médica. Definições


Adenosina-5'-(N-etilcarboxamida): Agonista estável dos receptores A1 e A2 da adenosina. Experimentalmente, inibe a atividade fosfodiesterase contra o AMPc e o GMPc.Misturas Anfolíticas: Misturas de eletrólitos ou tampões anfotéricos que em um campo elétrico apresentam uma faixa de pH contínua; usadas para separar proteínas pelos respectivos pontos isoelétricos, i. é, por focalização isoelétrica.Adenosina: Nucleosídeo composto de ADENINA e D-ribose (ver RIBOSE). A adenosina ou derivados da adenosina desempenham muitos papéis biológicos importantes além de serem componentes do DNA e do RNA. A própria adenosina é um neurotransmissor.Fosfatos de Dinucleosídeos: Grupo de compostos que consistem de uma molécula de nucleotídeo à qual um nucleosídeo adicional é ligado através da(s) molécula(s) de fosfato. O nucleotídeo pode conter qualquer número de fosfatos.Trifosfato de Adenosina: Nucleotídeo de adenina contendo três grupos fosfatos esterificados à porção de açúcar. Além dos seus papéis críticos no metabolismo, o trifosfato de adenosina é um neurotransmissor.Adenosina Fosfossulfato: Ácido 5'-adenílico, monoanidrido com ácido sulfúrico. O composto inicial formado pela ação da ATP sulfurilase sobre os íons sulfato após a captação. Sinônimos: adenosina sulfatofosfato; APS.Nucleotídeos de AdeninaSulfato Adenililtransferase: Enzima que catalisa a ativação de íons sulfato pelo ATP para formar adenosina-5'-fosfossulfato e pirofosfato. Esta reação constitui o primeiro passo enzimático na utilização de sulfato após a captação de sulfato. EC 2.7.7.4.Receptor A3 de Adenosina: Subtipo de RECEPTORES DA ADENOSINA que se encontram expressos em vários locais, incluindo o ENCÉFALO e os tecidos endócrinos. Geralmente, considera-se o receptor estar acoplado a PROTEÍNA-G INIBIDORA GI que causa a baixa regulação do AMP CÍCLICO.Monofosfato de Adenosina: Nucleotídeo de adenina que contém um grupo fosfato esterificado a uma molécula de açúcar nas posições 2'-,3'- ou 5'-.Receptores Purinérgicos P1: Classe de receptores de superfície celular que preferem ADENOSINA às outras PURINAS endógenas. Os receptores purinérgicos P1 encontram-se dispersos pelo corpo, incluindo os sistemas cardiovascular, respiratório, imunológico e nervoso. Existem pelo menos dois tipos farmacologicamente distintos (A1 e A2, ou Ri e Ra).Oxirredutases atuantes sobre Doadores de Grupo Enxofre: Oxidoredutases específicas para oxidação ou redução de COMPOSTOS DE ENXOFRE.Agonistas de Receptores Purinérgico P1: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS P1 e os estimulam.Tionucleotídeos: Nucleotídeos nos quais a molécula base é substituída com um ou mais átomos de enxofre.AMP Cíclico: Nucleotídeo de adenina contendo um grupo fosfato esterificado para ambas posições 3' e 5' da metade do açúcar. É um mensageiro secundário e um regulador intracelular chave que funciona como mediador da atividade de vários hormônios, incluindo epinefrina, glucagon e ACTH.Receptores Purinérgicos P2Y1: Subclasse de receptores purinérgicos P2Y que possuem preferência por ATP e ADP. O receptor P2Y1 ativado sinaliza através da ativação acoplada à PROTEÍNA G da FOSFOLIPASE C e a mobilização intracelular de CÁLCIO.Lupinus: Gênero de plantas (família FABACEAE) que são fonte de ESPARTEÍNA, lupanina e outros alcaloides lupínicos.Difosfato de Adenosina: 5'-(trihidrogênio difosfato) adenosina. Nucleotídeo de adenina que contém dois grupos fosfato esterificados a uma molécula de açúcar na posição 5'.Antagonistas Purinérgicos: Drogas que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS e bloqueiam sua ativação.Receptores Purinérgicos: Proteínas de superfície celular que se ligam com alta afinidade às PURINAS e desencadeiam alterações intracelulares que influenciam o comportamento celular. As classes mais bem caracterizadas de receptores purinérgicos em mamíferos são os receptores P1, que preferem a ADENOSINA, e os receptores P2, que preferem ATP ou ADP.Agonistas do Receptor Purinérgico P2: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2 e os estimulam.Receptores Purinérgicos P2: Classe de receptores de superfície celular para PURINAS, que preferem ATP ou ADP ao invés da ADENOSINA. Os receptores purinérgicos P2 encontram-se amplamente dispersos na periferia e no sistema nervoso central e periférico.Extravasamento de Materiais Terapêuticos e Diagnósticos: Vazamento de materiais diagnósticos e terapêuticos do vaso onde foram introduzidos, para o tecido ou cavidade do corpo subjacente.Antagonistas de Receptores Purinérgicos P1: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS P1 e bloqueiam a sua estimulação.Xantinas: Bases púricas encontradas nos tecidos e líquidos do corpo e em algumas plantas.Thiothrix: Gênero de bactérias filamentosas, incolores, forma de bastonete da família THIOTRICHACEAE. Contêm glóbulos de enxofre. As espécies de thiothrix são encontradas como componentes de BIOFILMES em sistemas de irrigação e em plantas utilizadas para tratamento de esgoto e em ambientes marinhos como endossimbiontes.Agonistas do Receptor Purinérgico P2X: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2X e os estimulam. Estão incluídos sob este descritor os agonistas dos subtipos específicos do receptor P2X.Apirase: Enzima ativada por cálcio que catalisa a hidrólise de ATP, originando AMP e ortofosfato. Também pode agir sobre o ADP e outros trifosfatos e difosfatos de nucleosídeos. EC 3.6.1.5.Antagonistas do Receptor Purinérgico P2X: Compostos que se ligam seletivamente a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2X e bloqueiam sua estimulação. Sob este descritor estão incluídos os antagonistas dos subtipos específicos do receptor P2X.Agonistas do Receptor A3 de Adenosina: Drogas que seletivamente se ligam a RECEPTORES A3 DE ADENOSINA e os ativam.Carbenoxolona: Agente derivado da raiz do alcaçuz. É utilizada no tratamento de úlceras no trato digestório, especialmente no estômago. Efeitos colaterais antidiuréticos são frequentes, mas por outro lado, a droga apresenta baixa toxicidade.CME-Carbodi-ImidaFenetilaminas: Grupo de compostos derivados da beta-amino-etil benzeno que são estrutural e farmacologicamente relacionados à anfetamina.Fosfotransferases: Grupo um tanto grande de enzimas, compreendendo não apenas aquelas que transferem fosfato, mas também difosfato, resíduos de nucleotídeos e outros. Também têm sido subdivididas de acordo com o grupo aceptor. EC 2.7.Nucleotídeos: Unidades monoméricas das quais se constroem os polímeros de DNA ou RNA. Consistem de uma base purina ou pirimidina, um açúcar pentose e um grupo fosfato.Antagonistas do Receptor Purinérgico P2: Compostos que se ligam seletivamente a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2 e bloqueiam sua estimulação.Receptor A1 de Adenosina: Subtipo de RECEPTORES DE ADENOSINA que se encontra expresso em vários tecidos, incluindo o ENCÉFALO e os NEURÔNIOS DO CORNO POSTERIOR. Acredita-se, em geral, que o receptor esteja acoplado à PROTEÍNA-G INIBIDORA GI que regula o AMP CÍCLICO para menos.Cinética: Taxa dinâmica em sistemas químicos ou físicos.Fosfoadenosina Fosfossulfato: 3'-Fosfoadenosina-5'-fosfosulfato. Intermediário crucial na formação de ésteres sulfatados de fenóis, álcoois, esteroides, polissacarídeos sulfatados e ésteres simples, tais como o sulfato de colina, por células vivas. É formada a partir do íon sulfato e ATP num processo de dois passos. Este composto também é parte importante no processo de fixação de enxofre em plantas e micro-organismos.Sulfatos: Sais inorgânicos do ácido sulfúrico.Teofilina: Derivado da metil xantina obtida do chá, com atividades relaxante diurética e muscular lisa, dilatação brônquica e estimuladora cardíaca e do sistema nervoso central. A teofilina inibe a 3',5'-NUCLEOTÍDEO CÍCLICO FOSFODIESTERASE que degrada o AMP CÍCLICO potencializando, assim, as ações dos agentes que atuam através de ADENILIL CICLASES e do AMP cíclico.Receptor A2B de Adenosina: Subclasse de receptores A2 de adenosina encontrados no CECO, COLO, BEXIGA e em vários outros tecidos. Geralmente é considerado um receptor de baixa afinidade para ADENOSINA que acopla à PROTEÍNA-G ESTIMULADORA GS.Adenilato Quinase: Enzima que catalisa a fosforilação do AMP a ADP na presença de ATP ou trifosfato inorgânico. EC 2.7.4.3.Uridina Trifosfato: Uridina 5'-(tetra-hidrogênio trifosfato). Nucleotídeo uracil contendo três grupos fosfatos esterificados à molécula de açúcar.5'-Nucleotidase: Enzima glicoproteica presente em vários órgãos e em muitas células. A enzima catalisa a hidrólise de um 5'-ribonucleotídeo a ribonucleosídeo e ortofosfato na presença de água. É dependente de cálcio e existe na forma ligada à membrana e solúvel. EC 3.1.3.5.Suramina: Composto polianiônico com um mecanismo de ação desconhecido. É utilizado parenteralmente no tratamento da tripanossomíase africana e tem sido usada clinicamente com a dietilcarbazina para matar a Onchocerca adulta. (Tradução livre do original: AMA Drug Evaluations Annual, 1992, p1643) Demonstrou-se também possuir propriedades antineoplásicas potentes.Clorfeniramina: Antagonista do receptor H1 da histamina usado em reações alérgicas, febre do feno, rinite, urticária e asma. Também tem sido usado em aplicações veterinárias. Um dos anti-histamínicos clássicos mais amplamente usados, geralmente causa menos sonolência e sedação que a PROMETAZINA.Magnésio: Elemento metálico que possui o símbolo atômico Mg, número atômico 12 e massa atômica 24,31. É importante para a atividade de muitas enzimas, especialmente aquelas que se ocupam com a FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA.Agonistas do Receptor A2 de Adenosina: Compostos que se ligam seletivamente a RECEPTORES DE ADENOSINA A2 e os ativam.Metiamida: Antagonista histaminérgico dos receptores H2 utilizado como agente antiulceroso.Adenina: Base purínica e unidade fundamental de NUCLEOTÍDEOS DE ADENINA.