Sistema Calicreína-Cinina: Sistema de interações metabólicas por meio de produtos formados no néfron distal do RIM. Entre estes produtos estão CALICREÍNA, CININAS, QUININASE I, QUININASE II e ENCEFALINASE. Este sistema participa no controle das funções renais. Interage com o sistema RENINA-ANGIOTENSINA-ALDOSTERONA para regular a PRESSÃO ARTERIAL, produção de PROSTAGLANDINAS, liberação de VASOPRESSINAS e EQUILÍBRIO HIDRO-ELETROLÍTICO.Cininas: Termo genérico utilizado para descrever um grupo de polipeptídeos com propriedade farmacológicas e estruturas químicas relacionadas que se encontram amplamente distribuídas na natureza. Esses peptídeos são AUTACOIDES que atuam localmente na produção da dor, vasodilatação, aumento da permeabilidade vascular e síntese de prostaglandinas. Além disso, compreendem um subgrupo de numerosos mediadores que contribuem para a resposta inflamatória.Calicreínas: Enzimas proteolíticas da família das serina endopeptidases encontradas no sangue e urina normais. Especificamente, as calicreínas são vasodilatadores e hipotensores potentes que aumentam a permeabilidade vascular afetando a musculatura lisa. Atuam como agentes de infertilidade nos homens. São reconhecidas três formas, a CALICREÍNA PLASMÁTICA (EC 3.4.21.34), CALICREÍNAS TECIDUAIS (EC 3.4.21.35) e ANTÍGENO PROSTÁTICO ESPECÍFICO (EC 3.4.21.77)Receptor B2 da Bradicinina: Subtipo de receptor de bradicinina constitutivamente expresso que pode desempenhar um papel na fase aguda da resposta inflamatória e dolorosa. Tem alta especificidade para as formas intactas de BRADICININA e CALIDINA. O receptor está acoplado a proteínas sinalizadoras para PROTEÍNA-G GQ FAMÍLIA ALFA e a PROTEÍNA-G GI-GO FAMÍLIA ALFA.Calidina: Decapeptídeo homólogo da bradicinina produzido pela ação das calicreínas sobre o cininogênio. É um estimulante do músculo liso e agente hipotensor que atua por meio da vasodilatação.Cininogênios: Peptídeos endógenos presentes em muitos líquidos do corpo. Certas enzimas o convertem em CININAS ativas que estão envolvidas na inflamação, formação de coágulo, reações do complemento, etc. Os cininogênios pertencem à superfamília das cistatinas. São inibidores da cisteína proteinase. O CININOGÊNIO DE ALTO PESO MOLECLAR (CAPM-HMWK) é fracionado pela calicreína plasmática para produzir a BRADICININA. O CININOGÊNIO DE BAIXO PESO MOLECULAR (CBPM-LMWK) é fracionado pela calicreína tecidual para produzir a CALIDINA.Cininogênio de Baixo Peso Molecular: Proteína de peso molecular 50 kD encontrada em vários tecidos normais. Sob clivagem por CALICREÍNAS, forma CALIDINA. A calidina, por sua vez, é convertida em BRADICININA. (Tradução livre do original: Stedman, 25th ed)Bradicinina: Mensageiro não peptídico produzido enzimaticamente a partir da CALIDINA no sangue, onde é um potente (porém de meia-vida curta) agente de dilatação arteriolar e de aumento da permeabilidade capilar. A bradicinina também é liberada pelos MASTÓCITOS durante os ataques asmáticos, parede do intestino como vasodilatador gastrointestinal, por tecidos lesados como sinal de dor e pode ser um neurotransmissor.Receptores da Bradicinina: Receptores de superfície celular que se ligam a BRADICININA e CININAS relacionadas com alta afinidade e desencadeiam alterações intracelulares que influenciam o comportamento das células. Os tipos de receptores identificados (B-1 e B-2, ou BK-1 e BK-2) reconhecem as CALIDINAS endógenas, t-cininas e certos fragmentos de bradicinina bem como a bradicinina em si.Cininogênio de Alto Peso Molecular: Proteína plasmática de peso molecular 110 kD, que normalmente existe no plasma em um complexo 1:1 com a PRÉ-CALICREÍNA. HMWK é fragmentado pela calicreína plasmática para produzir a BRADICININA. O complexo é um cofator na ativação do fator de coagulação XII. O produto desta reação, XIIa, por sua vez, ativa a pré-calicreína em CALICREÍNAS. (Tradução livre do original: Stedman, 26th ed)Lisina Carboxipeptidase: Metalocarboxipeptidase que remove o aminoácido básico C-terminal dos peptídeos e proteínas, com demonstrada preferência para lisina sob arginina. É uma enzima plasmática dependente de zinco que inativa a bradicinina e as anafilatoxinas.Calicreínas Teciduais: Família de SERINA ENDOPEPTIDASES semelhante à tripsina que são expressas em vários tipos celulares, incluindo células epiteliais da próstata humana. São formadas a partir da pró-calicreína tecidual pela ação com TRIPSINA. São muito semelhantes ao ANTÍGENO PROSTÁTICO ESPECÍFICO.Aprotinina: Polipeptídeo de cadeia única, derivado de tecidos bovinos, constituído por 58 resíduos de aminoácidos. É inibidor de enzimas proteolíticas, entre elas, QUIMIOTRIPSINA, CALICREÍNA, PLASMINA e TRIPSINA. É usada no tratamento de HEMORRAGIA associada com elevadas concentrações plasmáticas de plasmina. Também é usada para reduzir perda de sangue e necessidade de transfusão em pacientes com alto risco de perda importante de sangue durante e depois de cirurgia cardíaca com CIRCULAÇÃO EXTRACORPÓREA. (Tradução livre do original: Reynolds JEF(Ed): Martindale: The Extra Pharmacopoeia (electronic version). Micromedex, Inc, Englewood, CO, 1995)Receptor B1 da Bradicinina: Subtipo de RECEPTORES DA BRADICININA induzido em resposta a INFLAMAÇÃO. Pode desempenhar um papel na inflamação crônica e possui uma elevada especificidade para CININAS que carecem de ARGININA C-terminal, como a des-Arg(10)-calidina e a des-Arg(9)-bradicinina. O receptor está acoplado a PROTEÍNAS DE LIGAÇÃO AO GTP, SUBUNIDADES ALFA GQ-G11 DE PROTEÍNAS DE LIGAÇÃO AO GTP e SUBUNIDADES ALFA GI-GO DE PROTEÍNAS DE LIGAÇÃO AO GTP.Pré-Calicreína: Proteína plasmática precursora da calicreína. Descobriu-se que o plasma deficiente em pré-calicreína é anormal na formação de tromboplastina, na geração de cinina, na evolução de uma globulina de permeabilidade, e na formação de plasmina. A ausência da pré-calicreína no plasma leva à deficiência do fator de Fletcher, uma doença congênita.Queratina-1: Queratina tipo II encontrada associada com a QUERATINA-10 na terminação diferenciada das células epidérmicas, como aquelas que formam o estrato córneo. As mutações no gene da queratina-1 estão associadas com a HIPERCERATOSE EPIDERMOLÍTICA.Queratina-9: Queratina tipo II expressada predominantemente nas terminações diferenciadas da EPIDERME de palmas e solas. As mutações no gene da queratina 9 estão associadas com a CERATODERMIA PALMAR E PLANTAR EPIDERMOLÍTICA.Fator XII: Fator de coagulação sanguínea estável ativado pelo contato com a superfície subendotelial de um vaso sanguíneo lesado. Junto com a pré-calicreína, serve como o fator de contato que inicia a via intrínseca da coagulação sanguínea. A calicreína ativa o fator XII em XIIa. A deficiência do fator XII, também chamada de trato Hageman, leva à incidência elevada de distúrbios tromboembólicos. Mutações no gene que codifica o fator XII que parecem aumentar a atividade amidolítica do fator XII estão associadas com o ANGIOEDEMA HEREDITÁRIO TIPO III.Peptidil Dipeptidase A: Peptidil-dipeptidase que catalisa a liberação de um dipeptídeo C-terminal, -Xaa-*-Xbb-Xcc, em que nem Xaa nem Xbb é prolina. É uma glicoproteína com zinco, dependente de Cl(-), que geralmente está ligada à membrana e é ativa em pH neutro. Pode também ter atividade endopeptidase sobre alguns substratos. (Tradução livre do original: From Enzyme Nomenclature, 1992) EC 3.4.15.1.Captopril: Potente e específico inibidor da PEPTIDIL DIPEPTIDASE A. Bloqueia a conversão da ANGIOTENSINA I em ANGIOTENSINA II, um vasoconstritor e importante regulador da pressão arterial. O captopril atua suprimindo o SISTEMA RENINA-ANGIOTENSINA e inibe respostas pressóricas à angiotensina exógena.Rim: Órgão do corpo que filtra o sangue, secreta URINA e regula a concentração dos íons.Sistema Renina-Angiotensina: Sistema que regula a PRESSÃO SANGUÍNEA constituído pela RENINA, ANGIOTENSINOGÊNIO, enzima conversora da angiotensina (ver PEPTIDIL DIPEPTIDASE A), ANGIOTENSINA I e ANGIOTENSINA II e angiotensinase. A renina, uma enzima produzida no rim, atua sobre o angiotensinogênio, uma alfa-2 globulina produzida pelo fígado, formando a ANGIOTENSINA I. A enzima conversora da angiotensina contida no pulmão atua sobre a angiotensina I no plasma convertendo-a em ANGIOTENSINA II, um vasoconstritor potente. A angiotensina II causa a contração do MÚSCULO LISO VASCULAR renal e das arteríolas, levando à retenção de sal e água no RIM e aumento da pressão arterial. Além disso, a angiotensina II estimula a liberação de ALDOSTERONA do CÓRTEX SUPRARRENAL, que por sua vez também aumenta a retenção de sal e água no rim. A enzima conversora da angiotensina quebra também a BRADICININA, um vasodilatador potente e componente do SISTEMA CALICREÍNA-CININA.Pressão Sanguínea: PRESSÃO do SANGUE nas ARTÉRIAS e de outros VASOS SANGUÍNEOS.Inibidores da Enzima Conversora de Angiotensina: Classe de drogas cujas principais indicações são o tratamento da hipertensão e da insuficiência cardíaca. Exercem seu efeito hemodinâmico principalmente inibindo o sistema renina-angiotensina. Também modulam a atividade do sistema nervoso simpático e aumentam a síntese de prostaglandinas. Provocam principalmente vasodilatação e natriurese leve, sem afetar a velocidade e a contratibilidade cardíaca.Permeabilidade Capilar: Propriedade dos capilares sanguíneos do ENDOTÉLIO que permite a troca seletiva de substâncias entre o sangue e os tecidos circunscritos e através de barreiras membranosas, como as BARREIRA SANGUE-AR, BARREIRA HEMATOAQUOSA, BARREIRA HEMATOENCEFÁLICA, BARREIRA HEMATONEURAL, BARREIRA HEMATO-RETINIANA e BARREIRA HEMATOTESTICULAR. Moléculas lipossolúveis pequenas, como o dióxido de carbono e oxigênio deslocam-se livremente por difusão. A água e as moléculas hidrossolúveis não podem passar através das paredes do endotélio e dependem de poros microscópicos. Estes poros mostram áreas estreitas (JUNÇÕES ESTREITAS) que podem limitar o movimento de moléculas grandes.