Displasia do Colo do Útero: Desenvolvimento anormal das CÉLULAS EPITELIAIS escamosas imaturas do colo do útero, termo usado para descrever alterações citológicas pré-malignas no EPITÉLIO cervical. Estas células atípicas não penetram a MEMBRANA BASAL epitelial.Neoplasias do Colo do Útero: Tumores ou câncer do COLO DO ÚTERO.Esfregaço Vaginal: Coleta de secreções do fórnix vaginal posterior para avaliação citológica.Neoplasia Intraepitelial Cervical: Tumor maligno originado no epitélio cervical uterino e confinado a ele, representando um contínuo de mudanças histológicas que vão desde CIN 1 bem diferenciada (originariamente, displasia leve) a displasia/carcinoma in situ grave, CIN 3. A lesão origina-se na junção celular escamocolunar na zona de transformação do canal endocervical, com uma tendência variável de desenvolver carcinoma epidermoide invasivo, tendência esta que é potencializada pela infecção concomitante do papilomavírus humano.Teste de Papanicolaou: Preparação citológica de células coletadas da superfície de uma mucosa e coradas com coloração de Papanicolaou.Papillomaviridae: Família de pequenos vírus de DNA sem envelope que infectam aves e a maioria dos mamíferos, especialmente humanos. São agrupados em vários gêneros, mas os vírus são altamente espécie-específicos de seus hospedeiros e restritos aos tecidos. Comumente são divididos em centenas de "tipos" de papilomavírus, cada um com uma função e regiões de controle gênico específicos, apesar da homologia de suas sequências. Os papilomavírus humanos são encontrados nos gêneros ALPHAPAPILLOMAVIRUS, BETAPAPILLOMAVIRUS, GAMMAPAPILLOMAVIRUS e MUPAPILLOMAVIRUS.Infecções por Papillomavirus: Neoplasias da pele e mucosas causadas por papilomavírus. Geralmente são benignos, mas alguns possuem alto risco para progressão de malignidade.Infecções Tumorais por Vírus: As infecções produzidas por vírus oncogênicos. As infecções causadas por vírus DNA são menos numerosas, mas são mais diversas que aquelas causadas pelos vírus oncogênicos RNA.Colposcopia: Exame, terapia ou cirurgia do cérvix e vagina por meio de um endoscópio projetado especialmente para ser introduzido na vagina.Papillomavirus Humano 16: Tipo de ALPHAPAPILLOMAVIRUS especialmente associado com tumores malignos da CÉRVIX e MUCOSA RESPIRATÓRIA.Colo do Útero: Porção compreendendo o pescoço do ÚTERO (entre o istmo inferior e a VAGINA), que forma o canal cervical.Eletrocirurgia: Divisão de tecidos por corrente de alta frequência aplicada localmente com um instrumento metálico ou agulha. (Stedman, 25a ed)Papillomavirus Humano 18: Tipo de papilomavírus humano associado especialmente a tumores malignos da MUCOSA RESPIRATÓRIA e da genital.Megaloblastos: Precursores de células sanguíneas vermelhas, correspondendo aos ERITROBLASTOS. São maiores que o normal e geralmente resultam de DEFICIÊNCIA DE ÁCIDO FÓLICO ou de VITAMINA B12.Displasia Fibrosa Óssea: Doença do osso marcada por adelgaçamento do córtex e substituição da medula óssea por tecido fibroso arenoso contendo espículas ósseas, produzindo dor, incapacidade, e deformidade que aumenta gradualmente. Pode comprometer apenas um osso (DISPLASIA FIBROSA MONOSTÓTICA) ou vários (DISPLASIA FIBROSA POLIOSTÓTICA).Displasia Ectodérmica: Grupo de transtornos hereditários envolvendo os tecidos e estruturas derivadas da ectoderme embriogênica. São caracterizados pela presença de anormalidades no nascimento e envolvimento tanto da epiderme, como dos apêndices cutâneos. Geralmente são não progressivos e difusos. Existem várias formas, incluindo displasias hidróticas e não hidróticas, HIPOPLASIA DÉRMICA FOCAL e aplasia cutânea congênita.Proteínas E7 de Papillomavirus: PROTEÍNAS ONCOGÊNICAS do papillomavirus que descontrolam o CICLO CELULAR das células infectadas e leva à TRANSFORMAÇÃO CELULAR NEOPLÁSICA . As proteínas E7 de papillomavirus interagem com vários reguladores do ciclo celular incluindo a PROTEÍNA DO RETINOBLASTOMA e alguns inibidores de quinases dependentes de ciclina.Doenças do Colo do Útero: Processos patológicos do COLO DO ÚTERO.Alphapapillomavirus: Gênero de vírus DNA da família PAPILLOMAVIRIDAE. Infectam preferencialmente a mucosa oral e anogenital de humanos e primatas, causando neoplasias tanto malignas como benignas. São também observadas lesões cutâneas.Displasia Broncopulmonar: Doença pulmonar crônica desenvolvida após OXIGENOTERAPIA ou VENTILAÇÃO MECÂNICA em certas crianças prematuras (PREMATUROS) ou recém-nascidos com síndrome do desconforto respiratório (SÍNDROME DO DESCONFORTO RESPIRATÓRIO DO RECÉM-NASCIDO). É caracterizada histologicamente por anormalidades incomuns dos bronquíolos, como a METAPLASIA, número reduzido de alvéolos e formação de CISTOS.Proteínas Oncogênicas Virais: Produtos de oncogenes virais, mais comumente oncogenes retrovirais. Elas geralmente possuem atividades transformadora e frequentemente de proteína quinase.Carcinoma in Situ: Lesão com características citológicas associadas com carcinoma invasivo, mas as células tumorais estão confinadas ao epitélio original, sem invasão da membrana basal.Doenças do Desenvolvimento ÓsseoLesões Pré-Cancerosas: Relativo a um processo patológico que tende a tornar-se maligno. (Dorland, 28a ed)DNA Viral: Ácido desoxirribonucléico que forma o material genético dos vírus.Biópsia: Remoção e avaliação patológica de amostras, na forma de pequenos fragmentos de tecido do corpo vivo.Carcinoma de Células Escamosas: Carcinoma derivado de células epiteliais escamosas (ver CÉLULAS EPITELIAIS). Também pode ocorrer em áreas em que o epitélio glandular ou colunar estejam normalmente presentes. (Tradução livre do original: Stedman, 25a ed)Vacinas contra Papillomavirus: Vacinas ou candidatos a vacinas utilizados para impedir as INFECÇÕES POR PAPILLOMAVIRUS. O objetivo das vacinas humanas é reduzir a incidência de NEOPLASIAS DO COLO DO ÚTERO, de modo que, às vezes, são consideradas um tipo de VACINA ANTI-CÂNCER. Com frequência, são compostas por PROTEÍNAS DO CAPSÍDEO, em particular a proteína L1, de diversos tipos de ALFAPAPILLOMAVIRUS.Carotenoides: Nome genérico para um grupo de pigmentos lipossolúveis encontrados em vegetais verdes, amarelos e folhosos, e em frutas amarelas. São carboidratos alifáticos formados por um eixo de poliisopreno.Displasia Fibromuscular: Doença não ateromatosa, segmentar, idiopática da musculatura das paredes arteriais, levando a ESTENOSE de artérias de pequeno e médio calibre. Há uma verdadeira proliferação das CÉLULAS DE MÚSCULO LISO e tecido fibroso. As lesões da displasia fibromuscular são estenose lisa, e ocorrem mais frequentemente nas artérias carótidas e renais. Podem também ocorrer em outras artérias periféricas das extremidades.Reação em Cadeia da Polimerase: Método in vitro para produção de grandes quantidades de DNA específico ou fragmentos de RNA de comprimento definido de pequenas quantidades de oligonucleotídeos curtos de sequências flanqueantes (iniciadores ou "primers"). O passo essencial inclui desnaturação térmica de moléculas alvo da dupla fita, reassociação dos primers a suas sequências complementares e extensão do iniciador reassociado pela síntese enzimática com DNA polimerase. A reação é eficiente, específica e extremamente sensível. A utilização da reação inclui diagnóstico de doenças, detecção de patógenos difíceis de se isolar, análise de mutações, teste genético, sequenciamento de DNA e análise das relações evolutivas.Osteocondrodisplasias: Desenvolvimento anormal da cartilagem e do osso.Displasia Fibrosa Monostótica: DISPLASIA FIBROSA DOS OSSOS envolvendo apenas um osso.Estudos de Casos e Controles: Estudos epidemiológicos observacionais nos quais grupos de indivíduos com determinada doença ou agravo (casos) são comparados com grupos de indivíduos sadios (controles) em relação ao histórico de exposição a um possível fator causal ou de risco. (Tradução livre do original: Last, 2001)Displasia Fibrosa Poliostótica: DISPLASIA FIBROSA ÓSSEA que afeta vários ossos. Quando também estão associadas a pigmentação melanótica (MANCHAS CAFÉ COM LEITE) e a hiperfunção endócrina múltipla denominada síndrome de Albright.