Coativador 3 de Receptor Nuclear: Coativador de receptor nuclear com especificidade para RECEPTORES ESTROGÊNICOS e RECEPTORES DE PROGESTERONA. Contêm atividade de histona acetiltransferase que pode desempenhar algum papel no REMODELAMENTO DA CROMATINA durante o processo de transcrição iniduzida por receptor. O coativador encontra-se em níveis elevados em certas NEOPLASIAS HORMÔNIO-DEPENDENTES, tais como as encontradas em CÂNCER DE MAMA.Coativador 2 de Receptor Nuclear: Fator de transcrição que atua em parceria com o ligante unido aos RECEPTORES DE GLUCOCORTICOIDES e os RECEPTORES ESTROGÊNICOS para estimular a TRANSCRIÇÃO GENÉTICA. Desempenha um importante papel na FERTILIDADE, como no METABOLISMO dos LIPÍDEOS.Coativador 1 de Receptor Nuclear: Coativador de receptor nuclear com especificidade para RECEPTORES ESTROGÊNICOS, RECEPTORES DE PROGESTERONA e RECEPTORES DOS HORMÔNIOS TIREÓIDEOS. Contém atividade de histona acetiltransferase que pode ter papel na ativação transcricional de regiões da cromatina.Coativadores de Receptor Nuclear: Proteínas que aumentam a expressão gênica quando associadas com RECEPTORES NUCLEARES ativados pela união de ligantes. Os coativadores podem agir por meio de processos enzimáticos que afetam a taxa de transcrição ou a estrutura da cromatina. Alternativamente, os coativadores de receptores nucleares podem funcionar como proteínas adaptadoras que levam os receptores nucleares a uma estreita proximidade de complexos transcricionais.Receptores Citoplasmáticos e Nucleares: Receptores intracelulares que podem ser encontrados no citoplasma ou no núcleo. Ligam-se a moléculas de sinalização extracelular que migram ou são transportadas através da MEMBRANA CELULAR. Muitos membros desta classe de receptores ocorrem no citoplasma e são transportados para o NÚCLEO CELULAR mediante ligação com o ligante, onde sinalizam via ligação ao DNA e regulação da transcrição. Nesta categoria também estão incluídos os receptores encontrados em MEMBRANAS INTRACELULARES que agem via mecanismos semelhantes aos dos RECEPTORES DE SUPERFÍCIE CELULAR.Histona Acetiltransferases: Enzimas que catalisam a transferência do grupo acil da ACETIL-CoA para HISTONAS formando CoA e acetil-histonas.Fatores de Transcrição: Substâncias endógenas, usualmente proteínas, que são efetivas na iniciação, estimulação ou terminação do processo de transcrição genética.Subunidade 1 do Complexo Mediador: Subunidade do complexo mediador que se acredita desempenhar um papel crucial na coativação da transcrição ativada por receptor pelo complexo mediador. Interage com uma ampla variedade de receptores nucleares que incluem os RECEPTORES DO ÁCIDO RETINOICO, RECEPTORES DOS HORMÔNIOS TIREÓIDEOS, RECEPTORES DE VITAMINA D, RECEPTORES ATIVADOS POR PROLIFERADOR DE PEROXISSOMO, RECEPTORES DE ESTRÓGENO e RECEPTORES DE GLUCOCORTICOIDES.Proteína de Ligação a CREB: Membro da família dos fatores de transcrição p300-CBP que foi inicialmente identificada como um auxiliar ligante para as proteínas de ligação do elemento responsivo a cAMP. Mutações na proteína de ligação a CREB são associadas com a SÍNDROME RUBINSTEIN-TAYBI.Transativadores: Produtos gênicos difusíveis que atuam em moléculas homólogas ou heterólogas de vírus ou DNA celular para regular a expressão de proteínas.Proteína-Arginina N-Metiltransferases: Enzimas que catalisam a metilação de resíduos de arginina das proteínas, originando N-mono- e N,N-dimetilarginina. Esta enzima é encontrada em muitos órgãos, principalmente cérebro e baço.Ativação Transcricional: Processos que estimulam a TRANSCRIÇÃO GENÉTICA de um gene ou conjunto de genes.Proteínas Nucleares: Proteínas encontradas no núcleo de uma célula. Não se deve confundir com NUCLEOPROTEÍNAS, que são proteínas conjugadas com ácidos nucleicos, que não estão necessariamente no núcleo.Técnicas do Sistema de Duplo-Híbrido: Primeiras técnicas de blindagem desenvolvidas em leveduras para identificar genes que codificam proteínas de interação. As variações são usadas para avaliar interações entre proteínas e outras moléculas. Técnicas de dois híbridos referem-se à análise de interações de proteína-proteína, e as de um e três híbridos, referem-se à análise de interações DNA-proteína e RNA-proteína (ou interações baseadas em ligantes), respectivamente. Técnicas reversas de n híbridos referem-se à análise de mutações ou outras moléculas pequenas que dissociam interações conhecidas.Receptor alfa de Estrogênio: Um dos RECEPTORES DE ESTROGÊNIO que tem grande afinidade pelo ESTRADIOL. Sua expressão e função diferem e, de certa forma, são opostos às do RECEPTOR BETA DE ESTROGÊNIO.Receptores de Esteroides: Proteínas encontradas usualmente no citoplasma ou núcleo que ligam especificamente hormônios esteroides e desencadeiam alterações influenciando o comportamento celular. O complexo hormônio esteroide e receptor esteroide regula a transcrição de genes específicos.Ligação Proteica: Processo pelo qual substâncias endógenas ou exógenas ligam-se a proteínas, peptídeos, enzimas, precursores proteicos ou compostos relacionados. Medidas específicas de ligantes de proteínas são usadas frequentemente como ensaios em avaliações diagnósticas.Transcrição Genética: Biossíntese de RNA realizada a partir de um molde de DNA. A biossíntese de DNA a partir de um molde de RNA é chamada de TRANSCRIÇÃO REVERSA.Estrutura Terciária de Proteína: Nível de estrutura proteica em que estruturas das proteínas secundárias (alfa hélices, folhas beta, regiões de alça e motivos) se combinam dando origem a formas dobradas denominadas domínios. Pontes dissulfetos entre cisteínas em duas partes diferentes da cadeia polipeptídica juntamente com outras interações entre as cadeias desempenham um papel na formação e estabilização da estrutura terciária. As proteínas pequenas, geralmente são constituídas de um único domínio, porém as proteínas maiores podem conter vários domínios conectados por segmentos da cadeia polipeptídica que perdeu uma estrutura secundária regular.Células COS: Linhagens de células derivadas da linhagem CV-1 por transformação com um VÍRUS SV40 mutante de replicação incompleta que codifica vários antígenos T grandes (ANTÍGENOS TRANSFORMADORES DE POLIOMAVÍRUS) para o tipo selvagem. São usadas para transfecção e clonagem. (A linhagem CV-1 foi derivada do rim de um macaco verde africado macho adulto (CERCOPITHECUS AETHIOPS)).Regiões Promotoras Genéticas: Sequências de DNA reconhecidas (direta ou indiretamente) e ligadas por uma RNA polimerase dependente de DNA durante a iniciação da transcrição. Sequências altamente conservadas dentro do promotor incluem a caixa de Pribnow nem bactérias e o TATA BOX em eucariotos.Membro 1 do Grupo A da Subfamília 4 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão estreitamente relacionado com membros da família do gene do receptor de esteroide da tireoide. Foi originalmente identificado em NEURÔNIOS e pode desempenhar papel na mediação da DIFERENCIAÇÃO CELULAR induzida por FATOR DE CRESCIMENTO NEURAL. Entretanto, várias outras funções têm sido atribuídas a esta proteína, incluindo regulação positiva e negativa da APOPTOSE.Receptores dos Hormônios Tireóideos: Proteínas ligantes de alta afinidade específicas para os HORMÔNIOS TIREÓIDEOS das células-alvo. Frequentemente são encontrados no núcleo e regulam a transcrição do DNA. Estes receptores são ativados por hormônios que levam a transcrição, diferenciação celular e supressão do crescimento. Os receptores do hormônio da tireoide são codificados por dois genes (GENES ERBA): erbA-alfa e erbA-beta para os hormônios tireóideos alfa e beta, respectivamente.Dados de Sequência Molecular: Descrições de sequências específicas de aminoácidos, carboidratos ou nucleotídeos que apareceram na literatura publicada e/ou são depositadas e mantidas por bancos de dados como o GENBANK, European Molecular Biology Laboratory (EMBL), National Biomedical Research Foundation (NBRF) ou outros repositórios de sequências.Transfecção: Captação de DNA simples ou purificado por CÉLULAS, geralmente representativo do processo da forma como ocorre nas células eucarióticas. É análogo à TRANSFORMAÇÃO BACTERIANA e ambos são rotineiramente usados em TÉCNICAS DE TRANSFERÊNCIA DE GENES.Correpressor 1 de Receptor Nuclear: Proteína nuclear que regula a expressão de genes envolvidos em uma amplitude de processos relacionados com metabolismo e reprodução. A proteína contém três domínios de interação com o receptor nuclear e três domínios repressores e está intimamente relacionada em estrutura ao CORREPRESSOR 2 DE RECEPTOR NUCLEAR.Proteínas Recombinantes de Fusão: Proteínas recombinantes produzidas pela TRADUÇÃO GENÉTICA de genes fundidos formados pela combinação de SEQUÊNCIAS REGULADORAS DE ÁCIDOS NUCLEICOS de um ou mais genes com as sequências codificadoras da proteína de um ou mais genes.Peptídeos e Proteínas de Sinalização Intracelular: Proteínas e peptídeos envolvidos na TRANSDUÇÃO DE SINAL na célula. Estão incluídos os peptídeos e proteínas que regulam a atividade dos FATORES DE TRANSCRIÇÃO e os processos celulares em resposta aos sinais dos RECEPTORES DA SUPERFÍCIE CELULAR. Os peptídeos e proteínas de sinalização intracelular podem fazer parte de uma cascata de sinalização enzimática ou atuar ligando-se a outros fatores de sinalização, modificando seus efeitos.Receptores do Ácido Retinoico: Proteínas no núcleo ou citoplasma que ligam especificamente o ÁCIDO RETINOICO ou retinol e desencadeiam alterações no comportamento celular. Os receptores de ácido retinoico, assim como os receptores esteroides, são reguladores de transcrição ativados pelo ligante. Diversos tipos foram reconhecidos.Fatores de Transcrição de p300-CBP: Família de acetiltransferases de histonas estruturalmente relacionadas a PROTEÍNA DE LIGAÇÃO A CREB e a PROTEÍNA P300 ASSOCIADA A E1A. Atuam como coativadoras transcripcionais por comunicação entre os FATORES DE TRANSCRIÇÃO ligados ao DNA e a maquinaria basal de transcrição. Também modificam os fatores de transcrição e a CROMATINA através da ACETILAÇÃO.Linhagem Celular Tumoral: Linhagem celular derivada de células tumorais cultivadas.Sequência de Aminoácidos: Ordem dos aminoácidos conforme ocorrem na cadeia polipeptídica. Isto é chamado de estrutura primária das proteínas. É de importância fundamental para determinar a CONFORMAÇÃO DA PROTEÍNA.Membro 2 do Grupo A da Subfamília 4 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão encontrado em altos níveis no tecido do ENCÉFALO. Acredita-se que a proteína tenha um papel no desenvolvimento e na manutenção de NEURÔNIOS, particularmente neurônios dopaminérgicos.Proteínas de Transporte: Proteínas de transporte que carreiam substâncias específicas no sangue ou através das membranas.Receptores Nucleares Órfãos: Categoria ampla de proteínas semelhantes a receptores que podem ter papel na regulação transcricional no NÚCLEO CELULAR. Muitas destas proteínas são semelhantes em estrutura a RECEPTORES NUCLEARES conhecidos, mas parecem não ter um domínio de ligação funcional, enquanto que em outros casos, os ligantes específicos ainda não foram identificados.Receptores X Retinoide: Subtipo de RECEPTORES DO ÁCIDO RETINOICO específico para o ácido retinoico 9-cis que atuam como FATORES DE TRANSCRIÇÃO nuclear, regulando múltiplas vias de sinalização.Proteínas Correpressoras: Subclasse de proteínas repressoras que não se ligam diretamente a DNA. Ao contrário, os correpressores geralmente agem por meio de sua interação com PROTEÍNAS LIGANTES DE DNA, tais como FATORES DE SILENCIAMENTO TRANSCRICIONAL ou RECEPTORES NUCLEARES.Receptores Estrogênicos: proteínas citoplasmáticas que ligam estrógenos e migram para o núcleo onde elas regulam a transcrição de DNA. A avaliação do estado do receptor de estrogênio em pacientes com câncer de mama tem-se tornado clinicamente importante.Ligantes: Moléculas que se ligam a outras moléculas. O termo é usado especialmente para designar uma pequena molécula que se liga especificamente a uma molécula maior, e.g., um antígeno que se liga a um anticorpo, um hormônio ou neurotransmissor que se liga a um receptor, ou um substrato ou efetor alostérico que se liga a uma enzima. Ligantes são também moléculas que doam ou aceitam um par de elétrons, formando uma ligação covalente coordenada com o átomo metálico central de um complexo de coordenação. (Dorland, 28a ed)Proteína p300 Associada a E1A: Membro dos fatores de transcrição de p300-CBP que foi identificada originalmente como parceira de ligação para PROTEÍNAS E1A DE ADENOVIRUS.Proteínas de Ligação a DNA: Proteínas que se ligam ao DNA. A família inclui proteínas que se ligam às fitas dupla e simples do DNA e também inclui proteínas de ligação específica ao DNA no soro, as quais podem ser utilizadas como marcadores de doenças malignas.Membro 1 do Grupo F da Subfamília 1 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão ligante de DNA que regula positivamente a expressão de FATORES DE TRANSCRIÇÃO ARNTL e componente regulador do sistema do relógio circadiano. A proteína também desempenha um papel na sobrevivência e diferenciação de neurônios, já que mutações que causam a perda de função do gene resultam no fenótipo murino conhecido por CAMUNDONGOS MUTANTES NEUROLÓGICOS.Elementos de Resposta: Sequências de nucleotídeos, geralmente no início da cadeia, que são reconhecidas por fatores de transcrição reguladores específicos e que promovem resposta gênica a vários agentes reguladores. Estes elementos podem ser encontrados tanto nas regiões promotoras como nas facilitadoras.Membro 1 do Grupo D da Subfamília 1 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão que se liga ao DNA e regula negativamente a expressão de FATORES DE TRANSCRIÇÃO ARNTL e desempenha papel como componente regulador do sistema do relógio circadiano. A expressão do receptor nuclear Nr1d1 é ciclicamente regulada por um loop de retroalimentação envolvendo sua regulação positiva pela PROTEÍNA CLOCK e heterodímeros de PROTEÍNA BMAL1, e sua regulação negativa pelo CITOCROMO e por PROTEÍNAS PERIOD.Correpressor 2 de Receptor Nuclear: Proteína nuclear correpressora que possui especificidade para RECEPTORES DO ÁCIDO RETINOICO e RECEPTORES DOS HORMÔNIOS TIREÓIDEOS. A dissociação deste correpressor dos receptores nucleares é geralmente dependente do ligante, mas também pode ocorrer por meio de sua fosforilação por membros do SISTEMA DE SINALIZAÇÃO DAS MAP QUINASE. A proteína contém dois domínios de interação com o receptor nuclear e quatro domínios de repressão, e está intimamente relacionada, em termos estruturais, ao CORREPRESSOR 1 DE RECEPTOR NUCLEAR.Receptores Androgênicos: Proteínas, geralmente encontradas no CITOPLASMA, que se ligam especificamente a ANDRÓGENOS e medeiam suas ações celulares. O complexo formado pelo andrógeno e o receptor migra para o NÚCLEO CELULAR, onde induz a transcrição de segmentos específicos de DNA.Acetiltransferases: Enzimas que catalisam a transferência de um grupo acetil, geralmente da acetil coenzima A, para outro composto. EC 2.3.1.Regulação da Expressão Gênica: Qualquer dos processos pelos quais os fatores nucleares, citoplasmáticos ou intercelulares influenciam o controle diferencial (indução ou repressão) da ação gênica ao nível da transcrição ou da tradução.Receptores beta dos Hormônios Tireóideos: Receptores de alta afinidade para os HORMÔNIOS TIREÓIDEOS, em particular a TRI-IODOTIRONINA. Estes receptores são geralmente encontrados no núcleo, onde regulam a transcrição do DNA. São codificados pelos genes THRB (também conhecidos como genes NR1A1, NR1A1, THRB1 ou ERBA2) em várias isoformas produzidas por processamento alternativo. Mutações no gene THRB causam a SÍNDROME DA RESISTÊNCIA AOS HORMÔNIOS TIREÓIDEOS.Membro 2 do Grupo C da Subfamília 2 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão com especificidade para elementos responsivos a hormônios encontrados nos promotores de genes alvo. Liga-se ao DNA tanto como homodímero como formando um heterodímero com o receptor nuclear órfão, intimamente relacionado, MEMBRO 1 DO GRUPO C DA SUBFAMÍLIA 2 DE RECEPTORES NUCLEARES. A proteína foi originalmente identificada como sendo específica de TESTÍCULO e está envolvida na regulação de uma ampla variedade de processos, incluindo DIFERENCIAÇÃO CELULAR, PROLIFERAÇÃO CELULAR e APOPTOSE.Núcleo Celular: Corpo, limitado por uma membrana, localizado no interior das células eucarióticas. Contém cromossomos e um ou mais nucléolos (NUCLÉOLO CELULAR). A membrana nuclear consiste de uma membrana dupla que se apresenta perfurada por certo número de poros; e a membrana mais externa continua-se com o RETÍCULO ENDOPLÁSMICO. Uma célula pode conter mais que um núcleo.Linhagem Celular: Determinadas culturas de células que têm o potencial de se propagarem indefinidamente.Receptor Nuclear Órfão DAX-1: Receptor nuclear órfão envolvido na regulação de vias esteroidogênicas. É diferente da maioria dos receptores nucleares órfãos porque parecem não possuir um domínio essencial de ligação ao DNA e, ao contrário, agem como um correpressor transcricional. Mutações no gene Dax-1 causam hipoplasia congênita da adrenal.Membro 1 do Grupo C da Subfamília 2 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão ligante de DNA que possui especificidade para sequências AGGTCA repetidas diretamente (DR). Liga-se ao DNA tanto como homodímero como formando um heterodímero com o receptor nuclear órfão, intimamente relacionado, MEMBRO 2 DO GRUPO C DA SUBFAMÍLIA 2 DE RECEPTORES NUCLEARES. A proteína foi originalmente identificada como sendo específica da PRÓSTATA e está envolvida na regulação de uma variedade de processos celulares, incluindo DIFERENCIAÇÃO CELULAR, PROLIFERAÇÃO CELULAR e APOPTOSE.Membro 2 do Grupo F da Subfamília 1 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão altamente expresso em tecidos neuronais, RETINA, EPIDÍDIMO e DUCTO DEFERENTE. Acredita-se que o receptor tenha papel na regulação de uma variedade de funções, incluindo o processamento da informação sensorial, a diferenciação de CÉLULAS FOTORRECEPTORAS e o RITMO CIRCADIANO.Sítios de Ligação: Partes de uma macromolécula que participam diretamente em sua combinação específica com outra molécula.Motivos de Aminoácidos: Componentes estruturais de proteínas comumente observados, formados por combinações simples de estruturas secundárias adjacentes. Uma estrutura comumente observada pode ser composta por uma SEQUÊNCIA CONSERVADA que pode ser representada por uma SEQUÊNCIA CONSENSO.Genes Reporter: Genes cuja expressão é facilmente detectável, sendo usados no estudo da atividade promotora em muitas posições de um genoma alvo. Na tecnologia do DNA recombinante estes genes podem ser ligados a uma região promotora de interesse.Células HeLa: A primeira LINHAGEM CELULAR humana maligna continuamente cultivada, derivada do carcinoma cervical de Henrietta Lacks. Estas células são utilizadas para a CULTURA DE VÍRUS e em ensaios de mapeamento de drogas antitumorais.Proteínas Repressoras: Proteínas que mantêm a dormência transcricional de GENES ou ÓPERONS específicos. As proteínas repressoras clássicas são as proteínas ligantes de DNA que estão normalmente ligadas à REGIÃO OPERADORA de um óperon, ou os ELEMENTOS FACILITADORES de um gene até que ocorra algum sinal que ocasione seu desprendimento.Transdução de Sinal: Transferência intracelular de informação (ativação/inibição biológica) através de uma via de sinalização. Em cada sistema de transdução de sinal, um sinal de ativação/inibição proveniente de uma molécula biologicamente ativa (hormônio, neurotransmissor) é mediado, via acoplamento de um receptor/enzima, a um sistema de segundo mensageiro ou a um canal iônico. A transdução de sinais desempenha um papel importante na ativação de funções celulares, bem como de diferenciação e proliferação das mesmas. São exemplos de sistemas de transdução de sinal: o sistema do receptor pós-sináptico do canal de cálcio ÁCIDO GAMA-AMINOBUTÍRICO, a via de ativação da célula T mediada pelo receptor e a ativação de fosfolipases mediada por receptor. Estes sistemas acoplados à despolarização da membrana ou liberação de cálcio intracelular incluem a ativação mediada pelo receptor das funções citotóxicas dos granulócitos e a potencialização sináptica da ativação da proteína quinase. Algumas vias de transdução de sinal podem ser parte de um sistema de transdução muito maior, como por exemplo, a ativação da proteína quinase faz parte da via de sinalização da ativação plaquetária.Fator Esteroidogênico 1: Fator de transcrição e membro da família receptores NR5 nucleares que é expressa em todos os eixos reprodutivo e da adrenal durante o desenvolvimento. Desempenha um papel importante na diferenciação sexual, na formação de tecidos esteroidogênicos primários e sua funções no pós-natal e na vida adulta. Regula a expressão de enzimas esteroidogênicas cruciais.Receptores de Glucocorticoides: Proteínas citoplasmáticas que ligam especificamente glucocorticoides e medeiam seus efeitos celulares. O complexo receptor glucocorticoide-glucocorticoide atua no núcleo induzindo a transcrição do DNA. Os glucocorticoides são nomeados pelos seus efeitos sobre a concentração de glucose sanguínea, mas eles possuem efeitos igualmente importantes sobre o metabolismo de proteína e gordura. O cortisol é o exemplo mais importante.Estrogênios: Compostos que interagem com RECEPTORES ESTROGÊNICOS em tecidos alvos para provocar os efeitos semelhantes aos do ESTRADIOL. Os estrogênios estimulam os órgãos reprodutivos femininos, e o desenvolvimento das CARACTERÍSTICAS SEXUAIS femininas. Os compostos químicos estrogênicos incluem os naturais, sintéticos, esteroides, ou não esteroides.Receptores de Calcitriol: Proteínas geralmente encontradas no citoplasma que ligam especificamente calcitriol, migram para o núcleo e regulam a transcrição de segmentos específicos de DNA, com a participação das proteínas que interagem com o receptor D (denominadas DRIP). A vitamina D é convertida no fígado e rim em calcitriol e finalmente atua através desses receptores.Receptores de Progesterona: Proteínas específicas encontradas dentro ou em células de tecido alvo de progesterona que se ligam especificamente com progesterona. O complexo receptor e progesterona do citosol associa-se com ácidos nucleicos para dar início à síntese proteica. Existem dois tipos de receptores de progesterona, os tipos A e B. Ambos são induzidos pelo estrógeno e possuem meia-vida curta.RNA Mensageiro: Sequências de RNA que servem como modelo para a síntese proteica. RNAm bacterianos são geralmente transcritos primários pelo fato de não requererem processamento pós-transcricional. O RNAm eucariótico é sintetizado no núcleo e necessita ser transportado para o citoplasma para a tradução. A maior parte dos RNAm eucarióticos têm uma sequência de ácido poliadenílico na extremidade 3', denominada de cauda poli(A). Não se conhece com certeza a função dessa cauda, mas ela pode desempenhar um papel na exportação de RNAm maduro a partir do núcleo, tanto quanto em auxiliar na estabilização de algumas moléculas de RNAm retardando a sua degradação no citoplasma.Sequência de Bases: Sequência de PURINAS e PIRIMIDINAS em ácidos nucleicos e polinucleotídeos. É chamada também de sequência nucleotídica.Receptor beta de Estrogênio: Um dos RECEPTORES DE ESTROGÊNIO que tem maior afinidade pelas ISOFLAVONAS do que o RECEPTOR ALFA DE ESTROGÊNIO. Há uma grande homologia na sequência com o ER alfa no domínio de ligação do DNA, porém não nos domínios de ligação do ligante e de articulação.Imunoprecipitação da Cromatina: Técnica para identificar sequências específicas de DNA, que estiverem ligadas, in vivo, a proteínas de interesse. Envolve a fixação da CROMATINA por formaldeído por meio de ligações covalentes entre as PROTEÍNAS DE LIGAÇÃO A DNA e o DNA. Após a quebra do DNA em fragmentos menores, os complexos proteína-DNA específicos são isolados por imunoprecipitação com ANTICORPOS específicos da proteína. Em seguida, o DNA isolado do complexo pode ser identificado por amplificação e sequenciamento por PCR.Cercopithecus aethiops: Espécie de CERCOPITHECUS composta por três subespécies (C. tantalus, C. pygerythrus e C. sabeus) encontrada em florestas e savanas da África. O macaco-tota-verde (C. pygerythrus) é o hospedeiro natural do Vírus da Imunodeficiência em Símios e é usado em pesquisas sobre AIDS.Camundongos Knockout: Linhagens de camundongos nos quais certos GENES dos GENOMAS foram desabilitados (knocked-out). Para produzir "knockouts", usando a tecnologia do DNA RECOMBINANTE, a sequência do DNA normal no gene em estudo é alterada para impedir a síntese de um produto gênico normal. Células clonadas, nas quais esta alteração no DNA foi bem sucedida, são então injetadas em embriões (EMBRIÃO) de camundongo, produzindo camundongos quiméricos. Em seguida, estes camundongos são criados para gerar uma linhagem em que todas as células do camundongo contêm o gene desabilitado. Camundongos knock-out são usados como modelos de animal experimental para [estudar] doenças (MODELOS ANIMAIS DE DOENÇAS) e para elucidar as funções dos genes.Proteínas Oncogênicas: Proteínas codificadas por oncogenes. Incluem-se proteínas resultantes da fusão de um oncogene com outro gene (PROTEÍNAS DE FUSÃO ONCOGÊNICA).Luciferases: Enzimas que oxidam certas SUBSTÂNCIAS LUMINESCENTES para emitir luz (LUMINESCÊNCIA). As luciferases de organismos distintos apresentam estruturas e substratos diferentes, pois evoluíram diferentemente.Fatores de Transcrição Fushi Tarazu: Fatores de transcrição fushi tarazu foram originalmente identificados em DROSOPHILA. São encontrados nos ARTRÓPODES e desempenham papéis importantes na segmentação e desenvolvimento do SISTEMA NERVOSO CENTRAL.Dimerização: Processo pelo qual duas moléculas da mesma composição química formam um produto de condensação ou polímero.RNA Interferente Pequeno: RNAs pequenos, de cadeia dupla, de codificação não proteica (21-31 nucleotídeos) envolvidos nas funções de INATIVAÇÃO GÊNICA, especialmente o RNA DE INTERFERÊNCIA (RNAi). Os siRNAs são endogenamente gerados a partir de dsRNAs (RNA DE CADEIA DUPLA) pela mesma ribonuclease, Dicer, que gera miRNAs (MICRORNAS). O pareamento perfeito das cadeias de siRNAs' antissenso com seus RNAs alvos medeia a clivagem do RNAi guiado por siRNA. Os siRNAs caem em diferentes classes, inclusive siRNA de atuação trans (tasiRNA), RNA com repetições associadas (rasiRNA), RNA de varredura pequena (scnRNA), e RNA de interação com a proteína Piwi (piRNA) e têm funções diferentes de inativação gênica específica.Fator 4 Nuclear de Hepatócito: Subfamília de receptores nucleares que regulam a TRANSCRIÇÃO GENÉTICA de vários grupos de GENES envolvidos na síntese dos FATORES DE COAGULAÇÃO SANGUÍNEA e no metabolismo da GLUCOSE, COLESTEROL e ÁCIDOS GRAXOS.Receptor X Retinoide alfa: Fator de transcrição nuclear. A heterodimerização com a PPAR GAMA é importante na regulação do metabolismo da GLUCOSE e PROCESSOS DE CRESCIMENTO CELULAR.Neoplasias da Mama: Tumores ou câncer da MAMA humana.Glutationa Transferase: Transferase que catalisa a adição de RADICAIS LIVRES (alifáticos, aromáticos ou heterocíclicos), bem como EPÓXIDOS e óxidos de areno (hidrocarboneto aromático), para a GLUTATIONA. A adição ocorre no átomo de ENXOFRE. Também catalisa a redução (pela glutationa) de nitrato de poliol (composto químico contendo vários grupos hidroxila) a poliol e nitrito. EC 2.5.1.18.Membro 1 do Grupo A da Subfamília 6 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão expresso principalmente nas CÉLULAS GERMINATIVAS das GÔNADAS. Funciona como fator de transcrição que se liga a uma repetição direta da sequência AGGTCA e pode ter papel na regulação da EMBRIOGÊNESE e na diferenciação da célula germinativa.Western Blotting: Identificação por transferência de mancha (em um gel) contendo proteínas ou peptídeos (separados eletroforeticamente) para tiras de uma membrana de nitrocelulose, seguida por marcação com sondas de anticorpos.Proteínas com Domínio LIM: Grande classe de proteínas estruturalmente relacionadas que contêm um ou mais domínios de dedos de zinco LIM. Muitas das proteínas desta classe estão envolvidas em processos de sinalização intracelular e medeiam seus efeitos por meio dos domínios das interações proteína-proteína. O nome LIM é derivado das três proteínas em que o motivo foi encontrado pela primeira vez: LIN-11, Isl1 e Mec-3.Androgênios: Compostos que interagem com RECEPTORES ANDROGÊNICOS nos tecidos alvos para haver efeitos similares àqueles da TESTOSTERONA. Dependendo dos tecidos alvos, os efeitos androgênicos podem ser na DIFERENCIAÇÃO SEXUAL, órgãos reprodutivos masculinos, ESPERMATOGÊNESE, CARACTERES SEXUAIS masculinos secundários, LIBIDO, desenvolvimento de massa muscular, força e potência.Células Tumorais Cultivadas: Células provenientes de tecido neoplásico cultivadas in vitro. Se for possível estabelecer estas células como LINHAGEM CELULAR TUMORAL, elas podem se propagar indefinidamente em cultura de células.PPAR gama: Fator de transcrição nuclear. A heterodimerização com o RECEPTOR X RETINOIDE ALFA é importante para a regulação do metabolismo da GLUCOSE e para os PROCESSOS DE CRESCIMENTO CELULAR. É o alvo de TIAZOLIDINEDIONAS para o controle do DIABETES MELLITUS.Reação em Cadeia da Polimerase Via Transcriptase Reversa: Variação da técnica de PCR na qual o cDNA é construído do RNA através de uma transcrição reversa. O cDNA resultante é então amplificado utililizando protocolos padrões de PCR.Estradiol: Isômero 17-beta do estradiol, um esteroide C18 aromatizado com grupo hidroxila na posição 3-beta e 17-beta. O estradiol-17-beta é a forma mais potente de esteroide estrogênico de mamíferos.Regulação Neoplásica da Expressão Gênica: Qualquer dos processos pelos quais fatores nucleares, citoplasmáticos ou intercelulares influem no controle diferencial da ação gênica no tecido neoplásico.Homologia de Sequência de Aminoácidos: Grau de similaridade entre sequências de aminoácidos. Esta informação é útil para analisar a relação genética de proteínas e espécies.Modelos Biológicos: Representações teóricas que simulam o comportamento ou a actividade de processos biológicos ou doenças. Para modelos de doença em animais vivos, MODELOS ANIMAIS DE DOENÇAS está disponível. Modelos biológicos incluem o uso de equações matemáticas, computadores e outros equipamentos eletrônicos.Receptores Ativados por Proliferador de Peroxissomo: FATORES DE TRANSCRIÇÃO que são ativados por ligantes e se heterodimerizam com RECEPTORES X RETINOIDE. Ligam-se aos elementos de resposta proliferativa do peroxissomo nas regiões promotoras dos genes alvo.Células Cultivadas: Células propagadas in vitro em meio especial apropriado ao seu crescimento. Células cultivadas são utilizadas no estudo de processos de desenvolvimento, processos morfológicos, metabólicos, fisiológicos e genéticos, entre outros.DNA Complementar: DNA complementar de fita única sintetizado a partir de um molde de RNA pela ação da DNA polimerase dependente de RNA. O DNAc (DNA complementar, não DNA circular, não C-DNA) é utilizado numa variedade de experimentos de clonagem molecular assim como servem como uma sonda de hibridização específica.Tamoxifeno: Um dos MODULADORES SELETIVOS DE RECEPTOR ESTROGÊNICO com atividades específicas para o tecido. O tamoxifeno atua como um antiestrogênio (agente inibidor) no tecido mamário, mas como um estrogênio (agente estimulador) no metabolismo do colesterol, densidade óssea e proliferação celular no ENDOMÉTRIO.Primers do DNA: Sequências curtas (geralmente em torno de 10 pares de bases) de DNA que são complementares à sequência do RNA mensageiro e permite a transcriptase reversa, copiando as sequências adjacentes de RNAm. Os primers são utilizados largamente em técnicas de biologia molecular e genética.Membro 3 do Grupo F da Subfamília 1 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão encontrado no TIMO, onde possui papel na regulação do desenvolvimento e maturação de timócitos. Uma isoforma desta proteína, denominada de RORgamaT, é produzida por RNAm transcrito alternativamente (SPLICING ALTERNATIVO).PPAR alfa: Fator de transcrição nuclear. A heterodimerização com o RECEPTOR X RETINOIDE GAMA é importante para o metabolismo de LIPÍDEOS. É o alvo dos FIBRATOS para controlar a HIPERLIPIDEMIA.Proliferação de Células: Todos os processos envolvidos em aumentar o NÚMERO DE CÉLULAS. Estes processos incluem mais que a DIVISÃO CELULAR, parte do CICLO CELULAR.Plasmídeos: Moléculas extracromossômicas, geralmente de DNA CIRCULAR, que são autorreplicantes e transferíveis de um organismo a outro. Encontram-se em uma variedade de bactérias, Archaea, fungos, algas e espécies de plantas. São usadas na ENGENHARIA GENÉTICA como VETORES DE CLONAGEM.Fator II de Transcrição COUP: Fator de transcrição COUP que regula negativamente a TRANSCRIÇÃO GÊNICA e compete com outros receptores de hormônios pelo elemento de resposta AGGTCA, que é comum. Pode também estimular a transcrição de genes envolvidos no metabolismo da GLICOSE e do COLESTEROL.Neoplasias da Próstata: Tumores ou câncer de PRÓSTATA.Clonagem Molecular: Inserção de moléculas de DNA recombinante de origem procariótica e/ou eucariótica em um veículo replicante, tal como um plasmídeo ou vírus vetores, e a introdução das moléculas híbridas resultantes em células receptoras, sem alterar a viabilidade dessas células.Tretinoína: Importante regulador da EXPRESSÃO GÊNICA durante o crescimento e desenvolvimento e em NEOPLASIAS. Tretinoína, também conhecida como ácido retinoico derivado da VITAMINA A materna, é essencial para o CRESCIMENTO normal e DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO. O excesso de tretinoína pode ser teratogênico. É também utilizada no tratamento da PSORÍASE, ACNE VULGAR e várias outras DERMATOPATIAS. Também foi aprovada para uso na leucemia promielocítica (LEUCEMIA PROMIELOCÍTICA AGUDA).Fosforilação: Introdução de um grupo fosfato em um composto [respeitadas as valências de seus átomos] através da formação de uma ligação éster entre o composto e um grupo fosfato.Complexo Mediador: Grande complexo proteico que aje como proteina adaptadora de sinalização que permite a comunicação entre os vários componentes regulatórios e funcionais da TRANSCRIÇÃO GENÉTICA, incluindo a DNA POLIMERASE II, os FATORES GENÉRICOS DE TRANSCRIÇÃO e os FATORES DE TRANSCRIÇÃO que estão ligados a ELEMENTOS FACILITADORES GENÉTICOS localizados a jusante (do gene). O complexo mediador foi originalmente estudado em LEVEDURAS, em que pelo menos 21 subunidades foram identificadas. Muitas das subunidades presentes nas leveduras são homólogas a proteínas de organismos superiores encontradas em associação com receptores nucleares específicos como os RECEPTORES DOS HORMÔNIOS TIREÓIDEOS e os RECEPTORES DE VITAMINA D.Tri-Iodotironina: Hormônio tireóideo T3 normalmente sintetizado e secretado pela glândula tireoide em quantidades menores que a tiroxina (T4). A maior parte do T3 é derivada da monodesiodação periférica do T4 na posição 5' do anel externo do núcleo iodotironina. O hormônio, principalmente o T3 é finalmente levado e utilizado pelos tecidos.Fator I de Transcrição COUP: Fator de transcrição COUP que originalmente foi identificado como um homodímero que se liga a um elemento regulador repetitivo no promotor gênico da albumina de galinhas. É um fator de transcrição que desempenha papel importante no DESENVOLVIMENTO EMBRIONÁRIO do SISTEMA NERVOSO CENTRAL.Fígado: Grande órgão glandular lobulado no abdomen de vertebrados responsável pela desintoxicação, metabolismo, síntese e armazenamento de várias substâncias.Ecdisona: Hormônio esteroide que regula os processos de MUDA ou ecdise em insetos.Acetilação: Formação de um derivado acetil. (Stedman, 25a ed)Hepatócitos: O principal componente estrutural do FÍGADO. São CÉLULAS EPITELIAIS especializadas, organizadas em pratos interconectados chamadas lóbulos.Xenobióticos: Substâncias químicas estranhas ao sistema biológico. Compreendem compostos de ocorrência natural, drogas, agentes ambientais, carcinógenos, inseticidas, etc.Membro 3 do Grupo A da Subfamília 4 de Receptores Nucleares: Receptor nuclear órfão estreitamente relacionado com membros da família do receptor de esteroide da tireoide. Foi originalmente identificado em NEURÔNIOS, mas pode, entretanto, desempenhar papéis reguladores em uma variedade de outros tecidos.Mutação: Qualquer mudança detectável e hereditária que ocorre no material genético causando uma alteração no GENÓTIPO e transmitida às células filhas e às gerações sucessivas.DNA: Polímero desoxirribonucleotídeo que é material genético primário de todas as células. Organismos eucariotos e procariotos normalmente contém DNA num estado de dupla fita, ainda que diversos processos biológicos importantes envolvam transitoriamente regiões de fita simples. O DNA, cuja espinha dorsal é constituída de fosfatos poliaçucarados possuindo projeções de purinas (adenina ou guanina) e pirimidinas (timina e citosina), forma uma dupla hélice que é mantida por pontes de hidrogênio entre as purinas e as pirimidinas (adenina com timina e guanina com citosina).Histona Desacetilases: Desacetilases que removem grupos N-acetil das cadeias amínicas laterais dos aminoácidos das HISTONAS. A família das enzimas pode ser divida em pelo menos três subclasses estruturalmente definidas. As desacetilases das classes I e II usam um mecanismo dependente de zinco. As sirtuínas são histona desacetilases pertencentes à classe III e são enzimas dependentes de NAD.