Bacteriófago T4: Bacteriófago virulento (representante do gênero de Fagos semelhantes ao T4, família MYOVIRIDAE) que infecta E. coli, sendo o fago T mais conhecido. Seu virion contém DNA linear, bicatenário, com terminação redundante e permuta circular.Bacteriófagos: Vírus cujos hospedeiros são células bacterianas.Bacteriófago T7: Bacteriófago (família PODOVIRIDAE) virulento e representante do gênero fagos similares ao T7 que infecta E. coli. Consiste em DNA linear, bicatenário, com terminação redundante e não permutado.Fagos T: Série de 7 fagos virulentos que infectam E. coli. Os fagos T-pares, T2, T4 (BACTERIÓFAGO T4), T6 e o fago T5 são chamados de "virulentos autônomos" pois param todo o metabolismo bacteriano mediante infecção. Os fagos T1, T3 (BACTERIÓFAGO T3) e T7 (BACTERIÓFAGO T7) são chamados de "virulentos dependentes" pois dependem da continuidade do metabolismo bacteriano durante o ciclo lítico. Os fagos T-pares contêm 5-hidroximetilcitosina no lugar da citosina (comum em seu DNA).Colífagos: Vírus cujo hospedeiro é a Escherichia coli.Bacteriófago T3: Bacteriófago do gênero fagos similares ao T7 (família PODOVIRIDAE), estreitamente relacionado com o BACTERIÓFAGO T7.Escherichia coli: Espécie de bactérias Gram-negativas, facultativamente anaeróbicas, em forma de bastão (BACILOS GRAM-NEGATIVOS ANAERÓBIOS FACULTATIVOS) comumente encontrada na parte mais baixa do intestino de animais de sangue quente. Geralmente não é patogênica, embora algumas linhagens sejam conhecidas por produzir DIARREIA e infecções piogênicas. As linhagens patogênicas (virotipos) são classificadas pelos seus mecanismos patogênicos específicos como toxinas (ESCHERICHIA COLI ENTEROTOXIGÊNICA), etc.Proteínas Virais: Proteínas encontradas em quaisquer espécies de vírus.Bacteriófago lambda: Fago (família SIPHOVIRIDAE) temperado, induzível e representante do gênero de virus similares ao vírus lambda. Seu hospedeiro natural é E. coli K12 e seu VIRION contém DNA linear, bicatenário, com extremidades 5' coesivas formadas por 12 bases monocatenárias. O DNA se torna circular na infecção.DNA Viral: Ácido desoxirribonucléico que forma o material genético dos vírus.Vírus de DNA: Vírus cujo ácido nucleico é o DNA.Lisogenia: Fenômeno pelo qual um fago temperado se incorpora no DNA de um hospedeiro bacteriano estabelecendo um tipo de relação simbiótica entre o PRÓFAGO e a bactéria, resultando na perpetuação do prófago em todos os descendentes da bactéria. Sob indução (ATIVAÇÃO VIRAL) por vários agentes, como radiação ultravioleta, o fago é liberado e, então, se torna virulento e lisa a bactéria.Genes Virais: Unidades hereditárias funcionais dos VÍRUS.Bacteriófago mu: Colífago (gênero de vírus semelhantes ao mu, família MYOVIRIDAE) temperado, composto por molécula de DNA linear, bicatenário, capaz de se inserir aleatoriamente em qualquer ponto do cromossomo hospedeiro. Frequentemente causa mutação, pois interrompe a continuidade do OPERON bacteriano no local de inserção.Mutação: Qualquer mudança detectável e hereditária que ocorre no material genético causando uma alteração no GENÓTIPO e transmitida às células filhas e às gerações sucessivas.Replicação do DNA: Processo pelo qual se duplica a molécula de DNA.Sequência de Bases: Sequência de PURINAS e PIRIMIDINAS em ácidos nucleicos e polinucleotídeos. É chamada também de sequência nucleotídica.Bacteriófago phi X 174: Espécie típica do gênero MICROVIRUS. Protótipo de pequenos colífagos virulentos de DNA, é composto de fita única de DNA circular "supercoiled" (superenrolada), que na infecção é convertida em forma replicativa de dupla fita por uma enzima do hospedeiro.Bacteriófago phi 6: Bacteriófago virulento e único membro do gênero Cystovirus, que infecta espécies de Pseudomonas. O virion apresenta genoma segmentado que consiste em três peças de DNA em dupla fita, e também de uma membrana lipídica única.RNA Polimerases Dirigidas por DNA: Grupo de enzimas que catalisa a extensão dirigida pelo DNA molde, do terminal 3'de uma fita de RNA, um nucleotídeo de cada vez. Podem iniciar uma cadeia de novo. Em eucariotos, três formas da enzima foram identificadas de acordo com a sensibilidade à alfa-amanitina e o tipo de RNA sintetizado. (Tradução livre do original: Enzyme Nomenclature, 1992).Dados de Sequência Molecular: Descrições de sequências específicas de aminoácidos, carboidratos ou nucleotídeos que apareceram na literatura publicada e/ou são depositadas e mantidas por bancos de dados como o GENBANK, European Molecular Biology Laboratory (EMBL), National Biomedical Research Foundation (NBRF) ou outros repositórios de sequências.DNA Primase: RNA polimerase de fita simples, dependente de DNA, que funciona para iniciar, ou começar a síntese de DNA, sintetizando primers de oligorribonucleotídeos. EC 2.7.7.-.Proteínas da Cauda Viral: Proteínas encontradas nas caudas de vírus DNA e vírus RNA. Acredita-se que essas proteínas desempenham um papel importante no direcionamento do dobramento e montagens das cadeias polipeptídicas.Bacteriófago M13: Bacteriófago temperado do gênero INOVIRUS que infecta enterobactérias, especialmente E. coli. É um fago filamentoso que consiste de DNA de fita única e é circularmente permutado.DNA Polimerase Dirigida por DNA: DNA polimerases dependentes de DNA, encontradas em células bacterianas, animais e vegetais. Durante o processo de replicação, estas enzimas catalisam a adição de resíduos de desoxirribonucleotídeos até a extremidade de uma fita de DNA na presença de DNA como molde-iniciador. Também possuem atividade de exonuclease e por isso funcionam no reparo de DNA.Bacteriófago P2: Espécie de bacteriófagos temperados (gênero de Virus semelhante ao P2, família MYOVIRIDAE) que infecta E. coli. Consistem em DNA linear, bicatenário, com extremidades ligadas de 19 bases.Genes: Categoria de sequências de ácidos nucleicos que agem como unidades da hereditariedade e que codificam as instruções básicas para o desenvolvimento, reprodução e manutenção dos organismos.DNA de Cadeia Simples: Cadeia única de desoxirribonucleotídeos que se encontra em algumas bactérias e vírus. Geralmente existe como um círculo fechado covalentemente.Genética Microbiana: Subdisciplina da genética que se ocupa com os mecanismos e processos genéticos dos microrganismos.Siphoviridae: Família de BACTERIÓFAGOS e vírus do reino Archea (VÍRUS ARCHAEAL) caracterizados por caudas longas e não contráteis.Bacteriólise: Ruptura de células bacterianas devido à força mecânica, ação química ou crescimento lítico de BACTERIÓFAGOS.Tipagem de Bacteriófagos: Técnica de tipagem bacteriana que faz uma diferenciação entre bactérias ou tipos de bactérias por sua susceptibilidade a um ou mais bacteriófagos.Plasmídeos: Moléculas extracromossômicas, geralmente de DNA CIRCULAR, que são autorreplicantes e transferíveis de um organismo a outro. Encontram-se em uma variedade de bactérias, Archaea, fungos, algas e espécies de plantas. São usadas na ENGENHARIA GENÉTICA como VETORES DE CLONAGEM.Bacteriófago P1: Espécie de bacteriófagos temperados (gênero de Virus semelhantes ao P1, família MYOVIRIDAE) que infecta E. coli. É o maior dos COLÍFAGOS e consiste em DNA bicatenário, com terminação redundante e permuta circular.Recombinação Genética: Produção de novos arranjos de DNA por vários mecanismos, como agrupamento e segregação, INTERCÂMBIO, CONVERSÃO GÊNICA, TRANSFORMAÇÃO GENÉTICA, CONJUGAÇÃO GENÉTICA, TRADUÇÃO GENÉTICA ou infecção de vírus mistos.Polinucleotídeo Ligases: Catalisam a união de ribonucleotídeos ou desoxirribonucleotídeos pré-formados, em ligação fosfodiéster, durante os processos genéticos. EC 6.5.1.DNA Helicases: Proteínas que catalisam o desenrolamento do DNA de fita dupla durante a replicação, ligando-se cooperativamente a regiões do DNA de fita única ou as regiões curtas de DNA de fita dupla que estão sofrendo uma abertura transitória. Além disso, as DNA helicases são ATPases dependentes de DNA que utilizam a energia livre da hidrólise do ATP para translocar as fitas de DNA.Empacotamento do DNA: O dobramento de uma molécula de DNA de um micro-organismo em uma estrutura compacta e ordenada que cabe no espaço limitado de uma CÉLULA ou de uma PARTÍCULA VIRAL.Desoxirribonucleases: Enzimas que catalisam a hidrólise de ligações éster no interior do DNA.Fagos de Salmonella: Vírus cujo hospedeiro é Salmonella. Um fago de Salmonella frequentemente encontrado é o BACTERIÓFAGO P22.Replicação Viral: Processo de multiplicação viral intracelular que consiste em síntese de PROTEÍNAS, ÁCIDOS NUCLEICOS, e às vezes LIPÍDEOS, e sua reunião em uma nova partícula infecciosa.Sequência de Aminoácidos: Ordem dos aminoácidos conforme ocorrem na cadeia polipeptídica. Isto é chamado de estrutura primária das proteínas. É de importância fundamental para determinar a CONFORMAÇÃO DA PROTEÍNA.Centrifugação com Gradiente de Concentração: Separação de partículas de acordo com a densidade, por empregar um gradiente de densidades variadas. No equilíbrio, cada partícula estabelece no gradiente, um ponto igual a sua densidade.Fagos RNA: Bacteriófagos cujo material genético é o RNA, fita única em todos os fagos, exceto no fago Pseudomonas Phi 6 (BACTERIÓFAGO PHI 6). Todos os fagos RNA infectam a bactéria hospedeira através da superfície pilosa da célula hospedeira. Alguns fagos RNA frequentemente encontrados são: BF23, F2, R17, fr, PhiCb5, PhiCb12r, PhiCb8r, PhiCb23r, 7s, PP7, fago Q beta, fago MS2 e o BACTERIÓFAGO PHI 6.Adsorção: Adesão de gases, líquidos ou substâncias dissolvidas em superfícies. Inclui fenômenos adsortivos de bactérias e vírus a superfícies. A ABSORÇÃO da substância pode se seguir, mas não necessariamente.Conformação de Ácido Nucleico: Arranjo espacial dos átomos de um ácido nucleico (ou de um polinucleotídeo) que resulta em sua forma tridimensional característica.Cloranfenicol: Antibiótico primeiramente isolado a partir de culturas do Streptomyces venequelae em 1947 e agora produzido sinteticamente. Possui uma estrutura relativamente simples e foi o primeiro antibiótico de amplo espectro a ser descoberto. Atua interferindo com a síntese proteica das bactérias e é principalmente bacteriostático.Bacteriófago PRD1: Bacteriófago e espécie típica do gênero Tectivirus (família TECTIVIRIDAE) específicos para bactérias Gram-negativas.Fagos de Pseudomonas: Vírus cujo hospedeiro é Pseudomonas. Um fago de Pseudomonas frequentemente encontrado é o BACTERIÓFAGO PHI 6.Enzimas de Restrição do DNA: Enzimas que são parte dos sistemas de restrição-modificação. Catalisam a clivagem endonucleolítica de sequências de DNA que não possuem o padrão de metilação da espécie no DNA da célula hospedeira. A clivagem produz fragmentos ao acaso, ou específicos de fita dupla, com 5'-fosfatos terminais. A função das enzimas de restrição é destruir qualquer DNA estranho que invada a célula hospedeira. A maioria tem sido estudada em sistemas bacterianos, mas poucos foram encontradas em organismos eucariotos. Também são usadas como ferramentas na dissecção sistemática e no mapeamento dos cromossomos, na determinação da sequência de bases do DNA, e tornaram possível cortar e recombinar genes de um organismo no genoma de outro. EC 3.21.1.Fagos de Staphylococcus: Vírus cujo hospedeiro é Staphylococcus.Moldes Genéticos: Moldes macromoleculares para a síntese de macromoléculas complementares, como REPLICAÇÃO DO DNA, TRANSCRIÇÃO GENÉTICA do DNA para RNA e na TRADUÇÃO GENÉTICA do RNA nos POLIPEPTÍDEOS.RNA Nucleotidiltransferases: Enzimas que catalisam a incorporação dirigida por molde dos ribonucleotídeos a uma cadeia de RNA. EC 2.7.7.-.Clonagem Molecular: Inserção de moléculas de DNA recombinante de origem procariótica e/ou eucariótica em um veículo replicante, tal como um plasmídeo ou vírus vetores, e a introdução das moléculas híbridas resultantes em células receptoras, sem alterar a viabilidade dessas células.Genoma Viral: Complemento genético completo contido em uma molécula de DNA ou RNA de um vírus.Transcrição Genética: Biossíntese de RNA realizada a partir de um molde de DNA. A biossíntese de DNA a partir de um molde de RNA é chamada de TRANSCRIÇÃO REVERSA.Fagos Bacilares: Vírus cujo hospedeiro é Bacillus. Fagos bacilares frequentemente encontrados incluem o bacteriófago phi 29 e o bacteriófago phi 105.Podoviridae: Família de bacteriófagos que são caracterizados por caudas curtas e não contráteis.Capsídeo: Carapaça externa (proteica) de um vírus, que protege seu ácido nucleico.Nucleotídeos de Timina: Fosfato ésteres de TIMINA em ligação N-glicosídica com ribose ou desoxirribose, tal como ocorre no ácido nucleico.Fagos de Streptococcus: Vírus cujo hospedeiro é Streptococcus.Cinética: Taxa dinâmica em sistemas químicos ou físicos.RNA Viral: Ácido ribonucleico que constitui o material genético de vírus.Teste de Complementação Genética: Teste utilizado para determinar se ocorrerá ou não complementação (compensação na forma de dominância) em uma célula com um dado fenótipo mutante e quando outro genoma mutante, que codifica o mesmo fenótipo mutante, é introduzido naquela célula.Exonucleases: Enzimas que catalizam a liberação de mononucleotídeos pela hidrólise da ligação terminal das cadeias de desoxirribonucleotídeos ou ribonucleotídeos.Isótopos de Fósforo: Átomos de fósforo estáveis que possuem o mesmo número atômico que o elemento fósforo, porém diferem em relação ao peso atômico. P-31 é um isótopo de fósforo estável.TrítioDNA Bacteriano: Ácido desoxirribonucléico que forma o material genético de bactérias.Temperatura Ambiente: Propriedade de objetos que determina a direção do fluxo de calor quando eles são posicionados em contato térmico direto. A temperatura é a energia dos movimentos microscópicos (translacionais e de vibração) das partículas dos átomos.Microscopia Eletrônica: Microscopia que utiliza um feixe de elétrons, em vez de luz, para visualizar a amostra, permitindo assim uma grande amplificação. As interações dos ELÉTRONS com as amostras são usadas para fornecer informação sobre a estrutura fina da amostra. Na MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE TRANSMISSÃO, as reações dos elétrons transmitidas através da amostra são transformadas em imagem. Na MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA, um feixe de elétrons incide em um ângulo não normal sobre a amostra e a imagem é formada a partir de reações que ocorrem acima do plano da amostra.Desnaturação de Ácido Nucleico: Desorganização da estrutura secundária dos ácidos nucleicos por calor, pH ou tratamento químico. A dupla fita de DNA é desnaturada por quebra das ligações de hidrogênio e interações hidrofóbicas. O DNA desnaturado parece ser uma estrutura flexível de fita simples. Os efeitos da desnaturação sobre o RNA são semelhantes, entretanto menos pronunciado e facilmente reversível.Proflavina: Antisséptico tópico usado principalmente em curativos de ferimentos.Muramidase: Enzima básica que está presente na saliva, lágrimas, clara de ovo e muitos fluidos animais. Funciona como agente antibacteriano. A enzima catalisa a hidrólise de ligações 1,4-beta entre os resíduos de ácido N-acetilmurâmico e a N-acetil-D-glucosamina na peptidoglicana, e entre resíduos de N-acetil-D-glucosamina na quitodextrina. EC 3.2.1.17.RNA Ligase (ATP): Enzima que catalisa a conversão do RNA linear a uma forma circular pela transferência de 5'-fosfato para o terminal 3'-hidroxilado. Também catalisa a ligação covalente de dois polirribonucleotídeos em ligação fosfodiéster. EC 6.5.1.3.Endodesoxirribonucleases: Grupo de enzimas que catalisam a clivagem endonucleolítica do DNA. Incluem membros de EC 3.1.21.-, EC 3.1.22.-, EC 3.1.23.- (ENZIMAS DE RESTRIÇÃO DO DNA), EC 3.1.24.- (ENZIMAS DE RESTRIÇÃO DO DNA), e EC 3.1.25.-.Efeitos de Radiação: Efeitos de radiação ionizante e não ionizante sobre os organismos vivos, órgãos, tecidos e seus constituintes, e sobre os processos fisiológicos. Inclui os efeitos da radiação sobre comidas, medicamentos e compostos químicos.Levivirus: Gênero de bacteriófagos (família LEVIVIRIDAE) cujos vírus contêm a versão curta do genoma e possuem um gene separado para lise celular.Peso Molecular: Soma do peso de todos os átomos em uma molécula.Mapeamento Cromossômico: Qualquer método utilizado para determinar a localização das distâncias relativas entre genes em um cromossomo.Raios Ultravioleta: Parte do espectro da [radiação] eletromagnética imediatamente abaixo da faixa visível, e se estendendo para as frequências dos raios X. Os comprimentos de onda maiores (raios UV próximos, ou bióticos, ou vitais) são necessários à síntese endógena da vitamina D, sendo ainda chamados raios antirraquíticos; os comprimentos de onda menores, ionizantes (raios UV distantes, ou abióticos, ou incompatíveis com a vida) são viricidas, bactericidas, mutagênicos e carcinogênicos, sendo usados como desinfetantes.Oligorribonucleotídeos: Grupo de ribonucleotídeos (até 12) no qual os resíduos fosfato de cada ribonucleotídeo atuam como pontes na formação das ligações diéster entre as porções de ribose.DNA Nucleotidiltransferases: Enzimas que catalisam a incorporação de desoxirribonucleotídeos em uma cadeia de DNA. EC 2.7.7.DNA: Polímero desoxirribonucleotídeo que é material genético primário de todas as células. Organismos eucariotos e procariotos normalmente contém DNA num estado de dupla fita, ainda que diversos processos biológicos importantes envolvam transitoriamente regiões de fita simples. O DNA, cuja espinha dorsal é constituída de fosfatos poliaçucarados possuindo projeções de purinas (adenina ou guanina) e pirimidinas (timina e citosina), forma uma dupla hélice que é mantida por pontes de hidrogênio entre as purinas e as pirimidinas (adenina com timina e guanina com citosina).TimidinaProteínas do Capsídeo: Proteínas que formam o CAPSÍDEO de VÍRUS.Nucleotídeos de CitosinaEnsaio de Placa Viral: Método para medida da infectividade viral e multiplicação em CÉLULAS CULTIVADAS. Áreas claramente lisadas ou placas desenvolvidas como partículas virais são liberadas das células infectadas durante a incubação. Com alguns VÍRUS, as células são mortas por efeito citopático; com outros, as células infectadas não são mortas, mas podem ser detectadas por sua habilidade de hemadsorção. Algumas vezes as placas de células contêm ANTÍGENOS VIRAIS que podem ser medidos por IMUNOFLUORESCÊNCIA.DNA Metiltransferases Sítio Específica (Adenina-Específica): Enzima responsável pela produção do padrão de metilação característico da espécie nos resíduos de adenina, numa sequência de bases curta específica no DNA da célula hospedeira. A enzima catalisa a metilação da adenina do DNA na presença de S-adenosil-L-metionina para formar DNA contendo 6-metilaminopurina e S-adenosil-L-homocisteína. EC 2.1.1.72.Proteínas de Bactérias: Proteínas encontradas em qualquer espécie de bactéria.Sítios de Ligação: Partes de uma macromolécula que participam diretamente em sua combinação específica com outra molécula.Eletroforese em Gel de Poliacrilamida: Eletroforese na qual um gel de poliacrilamida é utilizado como meio de difusão.Proteínas Estruturais Virais: Proteínas virais componentes das PARTÍCULAS VIRAIS montadas maduras. Podem incluir proteínas centrais do nucleocapsídeoo (proteínas gag), enzimas contidas dentro das partículas virais (proteínas pol) e componentes de membrana (proteínas env). Não estão incluídas as proteínas codificadas pelo GENOMA VIRAL produzidas nas células infectadas, mas que não estão empacotadas nas partículas virais maduras, isto é, as denominadas PROTEÍNAS VIRAIS NÃO ESTRUTURAIS.Modelos Moleculares: Modelos usados experimentalmente ou teoricamente para estudar a forma das moléculas, suas propriedades eletrônicas ou interações [com outras moléculas]; inclui moléculas análogas, gráficos gerados por computador e estruturas mecânicas.Prófagos: Genomas de BACTERIÓFAGOS temperados, integrados ao DNA de sua célula bacteriana hospedeira. Os prófagos podem ser duplicados por várias gerações celulares até que algum estímulo induza sua ativação e virulência.TiminaEletroforese em Gel de Ágar: Eletroforese na qual um gel de ágar ou agarose é usado como meio de difusão.Transdução Genética: Transferência de DNA bacteriano por fagos de uma bactéria infectada para outra bactéria. Isto também se refere à transferência de genes em células eucarióticas por vírus. Este processo que ocorre naturalmente é rotineiramente usado como TÉCNICAS DE TRANSFERÊNCIA DE GENES.Inovirus: Gênero de bacteriófagos (família INOVIRIDAE) filamentosos, que infectam enterobactérias, PSEUDOMONAS, VIBRIÃO e XANTHOMONAS.Endonucleases: Enzimas que catalisam a hidrólise de ligações internas e com isso formam polinucleotídeos ou oligonucleotídeos a partir das cadeias de ribo ou desoxirribonucleotídeos.Hibridização de Ácido Nucleico: Técnica amplamente usada que explora a capacidade de sequências complementares de DNAs ou RNAs de fita simples para parear entre si formando uma dupla hélice. A hibridização pode ocorrer entre duas sequências complementares de DNA, entre DNA de fita simples e um RNA complementar, ou entre duas sequências de RNA. A técnica é usada para detectar e isolar sequências específicas, medir homologia, ou definir outras características de uma ou ambas as cadeias. (Tradução livre do original: Kendrew, Encyclopedia of Molecular Biology, 1994, p503)Desoxirribonucleotídeos: Bases purina ou pirimidina unidas à DESOXIRRIBOSE contendo uma ligação com o grupo fosfato.Supressão Genética: Processo mutagênico que restaura o FENÓTIPO selvagem em um organismo que apresenta um GENÓTIPO alterado por mutação. A segunda mutação "supressora" pode ser em um gene diferente ou no mesmo gene, porém localizada distante do sítio da mutação primária, ou em genes extracromossômicos (HERANÇA EXTRACROMOSSÔMICA).Código Genético: Significado atribuído à SEQUÊNCIA DE BASES, com respeito a como é traduzido na SEQUÊNCIA DE AMINOÁCIDOS. O início, término e ordem dos aminoácidos de uma proteína são especificados por tripletes consecutivos de nucleotídeos denominados códons (CÓDON).Proteínas de Escherichia coli: Proteínas obtidas de ESCHERICHIA COLI.Proteínas de Ligação a DNA: Proteínas que se ligam ao DNA. A família inclui proteínas que se ligam às fitas dupla e simples do DNA e também inclui proteínas de ligação específica ao DNA no soro, as quais podem ser utilizadas como marcadores de doenças malignas.Sítios de Ligação Microbiológicos: Loci específicos [existentes], tanto nas moléculas de DNA de bactérias (attB) como nas de fagos (attP), que delineiam os locais onde ocorre a recombinação entre eles, quando o DNA do fago é integrado (inserido) no DNA bacteriano durante a LISOGENIA.Sistema Livre de Células: Extrato celular fracionado que preserva uma função biológica. Uma fração subcelular isolada por ultracentrifugação ou outras técnicas de separação deve primeiramente ser isolada para que um processo possa ser estudado livre de todas as reações colaterais complexas que ocorrem em uma célula. Por esta razão, o sistema livre de células é amplamente utilizado em biologia celular.Ligação Proteica: Processo pelo qual substâncias endógenas ou exógenas ligam-se a proteínas, peptídeos, enzimas, precursores proteicos ou compostos relacionados. Medidas específicas de ligantes de proteínas são usadas frequentemente como ensaios em avaliações diagnósticas.DNA Recombinante: DNA biologicamente ativo que tenha sido formado por ligações de segmentos de DNA de diferentes fontes in vitro. Isso inclui a recombinação de uma junta ou bordo de uma região heterodupla onde duas moléculas de DNA recombinante estão conectadas.UracilaMicroscopia Crioeletrônica: Microscopia eletrônica envolvendo o congelamento rápido de amostras. A imagem das moléculas e organelas congeladas permite uma melhor resolução, o mais próximo possível do estado vivo, livre de corantes ou fixadores químicos.Especificidade por Substrato: Aspecto característico [(dependência)] da atividade enzimática em relação ao tipo de substrato com o qual a enzima (ou molécula catalítica) reage.Óperon: Em bactérias, um grupo de genes metabolicamente relacionados com um promotor comum, cuja transcrição em um único RNA MENSAGEIRO policistrônico está sob controle de uma REGIÃO OPERADORA.Regiões Promotoras Genéticas: Sequências de DNA reconhecidas (direta ou indiretamente) e ligadas por uma RNA polimerase dependente de DNA durante a iniciação da transcrição. Sequências altamente conservadas dentro do promotor incluem a caixa de Pribnow nem bactérias e o TATA BOX em eucariotos.Mapeamento por Restrição: Uso de endonucleases de restrição para analisar e gerar um mapa físico de genomas, genes ou outros segmentos de DNA.Fator F: Plasmídeo, cuja presença na célula, tanto extracromossômica ou integrada ao CROMOSSOMO BACTERIANO, determina o "sexo" da bactéria, a mobilização do cromossomo hospedeiro, a transferência de material genético via conjugação (CONJUGAÇÃO GENÉTICA) e a formação de PILI SEXUAL.Biossíntese de Proteínas: Biossíntese de PEPTÍDEOS e PROTEÍNAS que ocorre nos RIBOSSOMOS, dirigida pelo RNA MENSAGEIRO, via RNA DE TRANSFERÊNCIA, que é carregado com AMINOÁCIDOS proteinogênicos padrão.Bacillus subtilis: Espécie de bactéria Gram-positiva que é um saprófita comum do solo e da água.2-Aminopurina: Purina isômera da ADENINA (6-aminopurina).Nucleotídeos: Unidades monoméricas das quais se constroem os polímeros de DNA ou RNA. Consistem de uma base purina ou pirimidina, um açúcar pentose e um grupo fosfato.Nucleotídeos de Desoxiguanina: Nucleotídeos guanina que contêm desoxirribose como molécula de açúcar.Polinucleotídeo 5'-Hidroxiquinase: Enzima que catalisa a transferência de um grupo fosfato para os grupos hidroxila 5'-terminais do DNA e RNA. EC 2.7.1.78.Genes Bacterianos: Unidades hereditárias funcionais das BACTERIAS.Interferência Viral: Fenômeno em que a infecção por um primeiro vírus resulta na resistência de células ou tecidos a infecção por um segundo vírus não aparentado [com o primeiro].DNA Circular: Qualquer uma das moléculas de DNA fechado covalentemente encontrado em bactérias, diversos vírus, mitocôndria, plastídios e plasmídeos. Os DNAs pequenos, circulares polidispersos também têm sido observados numa variedade de organismos eucariotos e que supostamente possuem homologia com DNA cromossômico e a capacidade de ser inserido e retirado do DNA cromossômico. É um fragmento do DNA formado por processo de looping e deleção, contendo uma região constante da cadeia pesada mu e a parte 3' da região virada mu. O DNA circular é um produto normal do rearranjo de segmentos do gene encodificando as regiões variáveis das cadeias leves e pesadas das imunoglobulinas, bem como as do receptor de célula T.Ribonucleases: Enzimas que catalisam a hidrólise de ligações éster dentro do RNA. EC 3.1.-.Conformação Proteica: Forma tridimensional característica de uma proteína, incluindo as estruturas secundária, supersecundária (motivos), terciária (domínios) e quaternária das cadeias peptídicas. A ESTRUTURA QUATERNÁRIA DE PROTEÍNA descreve a conformação assumida por proteínas multiméricas (agregados com mais de uma cadeia polipeptídica).Transferases: Transferases são enzimas que transferem um grupo, por exemplo, o grupo metil ou um grupo glicosil, de um composto (geralmente considerado como doador) para outro composto (geralmente considerado aceptor). A classificação está baseada no esquema "transferase de grupo doador:aceptor". EC 2.Regulação Viral da Expressão Gênica: Quaisquer dos processos pelos quais os fatores citoplasmáticos influenciam o controle diferencial da ação gênica nos vírus.Radioisótopos de Fósforo: Isótopos de fósforo instáveis que se decompõem ou desintegram emitindo radiação. Átomos de fósforo com pesos atômicos de 28-34, exceto 31, são radioisótopos de fósforo.Rifampina: Antibiótico semissintético produzido de Streptomyces mediterranei. Tem um amplo espectro antibacteriano, incluindo atividade contra várias formas de Mycobacterium. Em organismos suscetíveis, inibe a atividade da RNA polimerase dependente de DNA, formando um complexo estável com a enzima. Então, suprime a iniciação da síntese de RNA. A rifampina é bactericida, e age tanto em organismos intracelulares quanto extracelulares.Receptores Virais: Componentes moleculares específicos de células capazes de reconhecer e interagir com um vírus, os quais, após ligados à célula, são capazes de gerar sinais que iniciam uma cadeia de eventos desencadeando uma resposta biológica.Centrifugação Zonal: Centrifugação utilizando uma câmara rotatória de grande capacidade na qual se separam organelas celulares por centrifugação de densidade do gradiente.Reparo do DNA: Reconstrução de uma molécula contínua de DNA de fita dupla, sem incorreções, a partir de uma molécula contendo regiões lesadas. Os principais mecanismos de reparo são o reparo de excisão, em que as regiões defeituosas de uma fita são extirpadas e ressintetizadas, usando-se as informações de pareamento das bases complementares da fita intata; reparo de foto-reativação, em que os efeitos letais e mutagênicos da luz ultravioleta são eliminados; e reparo pós-replicação, em que as lesões primárias não são reparadas, mas as lacunas de uma dúplex filha são preenchidas por meio da incorporação de porções da outra dúplex filha (não danificada). Os reparos de excisão e de pós-replicação às vezes são chamados de "reparo escuro" porque não exigem luz.PolinucleotídeosCitosina: Base pirimídica que é uma unidade fundamental dos ácidos nucleicos.Exodesoxirribonucleases: Família de enzimas que catalisam a clivagem exonucleolítica de DNA. Inclui membros da classe EC 3.1.11 que formam 5'-fosfomonoésteres como produtos de clivagem.Cystoviridae: Família de bacteriófagos que contém um gênero (Cystovirus), com um membro (BACTERIÓFAGO PHI 6).Estrutura Terciária de Proteína: Nível de estrutura proteica em que estruturas das proteínas secundárias (alfa hélices, folhas beta, regiões de alça e motivos) se combinam dando origem a formas dobradas denominadas domínios. Pontes dissulfetos entre cisteínas em duas partes diferentes da cadeia polipeptídica juntamente com outras interações entre as cadeias desempenham um papel na formação e estabilização da estrutura terciária. As proteínas pequenas, geralmente são constituídas de um único domínio, porém as proteínas maiores podem conter vários domínios conectados por segmentos da cadeia polipeptídica que perdeu uma estrutura secundária regular.DNA Ligases: Poli(desoxirribonucleotídeo): poli(desoxirribonucleotídeo)ligases. Enzimas que catalisam a união de desoxirribonucleotídeos pré-formados em ligação fosfodiéster durante o reparo de uma quebra de fita simples no DNA de fita dupla. A classe inclui tanto EC 6.5.1.1.(ATP) quanto EC 6.5.1.2.(NAD).Montagem de Vírus: Conjunto de PROTEÍNAS ESTRUTURAIS VIRAIS e ácidos nucleicos (DNA VIRAL ou RNA VIRAL) para formar uma PARTÍCULA VIRAL.Bacteriófago Pf1: Espécie de fago Pseudomonas filamentoso (gênero INOVIRUS, família INOVIRIDAE).Sacarose: Dissacarídeo não redutor composto por GLUCOSE e FRUTOSE ligados por intermédio dos seus carbonos anoméricos. É obtido comercialmente da Cana-de-Açúcar, beterraba (BETA VULGARIS) e outras plantas. É amplamente utilizado como alimento e adoçante.DCMP Desaminase: Enzima que catalisa a desaminação hidrolítica de ácido desoxicitidílico a ácido desoxiuridílico e amônia. Exerce um papel importante na regulação do conjunto de desoxinucleotídeos em organismos superiores. A enzima também age sobre alguns ácidos desoxicitidílicos 5-substituídos. EC 3.5.4.12.Oligodesoxirribonucleotídeos: Grupo de desoxirribonucleotídeos (até 12) nos quais os resíduos de fosfato de cada desoxirribonucleotídeo agem como pontes na formação de ligações diéster entre as moléculas de desoxirribose.Fases de Leitura Aberta: Sequência de tripletes nucleotídicos sucessivos lidos como códons que especificam AMINOÁCIDOS e começam com um CÓDON DE INICIAÇÃO e terminam com um códon de parada (CÓDON DE TERMINAÇÃO).Oligonucleotídeos: Polímeros constituídos por poucos (2-20) nucleotídeos. Em genética molecular, referem-se a uma sequência curta sintetizada para se combinar a uma região onde sabidamente ocorre uma mutação e, que é então, usada como uma sonda (SONDA DE OLIGONUCLEOTÍDEO). (Dorland, 28a ed)Ribonucleosídeo Difosfato Redutase: Enzima da classe das oxidorredutases que catalisa a formação de 2'-desoxirribonucleotídeos a partir dos correspondentes ribonucleosídeo difosfatos usando NADPH como doador último de elétrons. Os desoxirribonucleosídeo-difosfatos são usados na síntese de DNA. (Dorland, 28a ed). EC 1.17.4.1.Nucleotídeos de Desoxicitosina: Nucleotídeos da citosina que contém desoxirribose como molécula de açúcar.RNA Bacteriano: Ácido ribonucleico das bactérias, que tem papéis regulatórios e catalíticos, tanto quanto envolvimento na síntese proteica.Hidrólise: Processo de clivar um composto químico pela adição de uma molécula de água.Caudovirales: Ordem composta por três famílias de bacteriófagos com cauda: MYOVIRIDAE, PODOVIRIDAE e SIPHOVIRIDAE.Cromossomos Bacterianos: Estruturas encontradas no interior do núcleo de células bacterianas que consistem de ou contêm DNA, o qual carrega informação genética essencial para a célula.Colicinas: Bacteriocinas elaboradas por sepas de Escherichia coli e espécies relacionadas. São proteínas ou complexos lipopolissacarídeos proteicos letais para outras cepas das mesmas espécies.Cruzamentos Genéticos: Reprodução deliberada de dois indivíduos diferentes, que resulta em descendentes que transportam parte do material genético de cada um dos pais. Os progenitores devem ser geneticamente compatíveis e podem ser de diferentes variedades ou de espécies estreitamente relacionadas.Tiorredoxinas: Proteínas doadoras de hidrogênio que participam de várias reações bioquímicas, inclusive a redução de ribonucleotídeo e PEROXIRREDOXINAS. A tiorredoxina é oxidada de um ditiol a um dissulfeto, quando atua como um cofator de redução. A forma dissulfeto é então reduzida pelo NADPH numa reação catalisada pela TIORREDOXINA REDUTASE.Exodesoxirribonuclease V: Exodesoxirribonuclease dependente de ATP que cliva tanto na direção 5'- a 3'- ou 3'- a 5'- para obter 5'-fosfo-oligonucleotídeos. Encontra-se principalmente em BACTÉRIAS.Primers do DNA: Sequências curtas (geralmente em torno de 10 pares de bases) de DNA que são complementares à sequência do RNA mensageiro e permite a transcriptase reversa, copiando as sequências adjacentes de RNAm. Os primers são utilizados largamente em técnicas de biologia molecular e genética.Adenosina Trifosfatases: Grupo de enzimas que catalisa a hidrólise de ATP. A reação de hidrólise é geralmente acoplada com outra função, como transporte de Ca(2+) através de uma membrana. Estas enzimas podem ser dependentes de Ca(2+), Mg(2+), ânions, H+ ou DNA.Aminacrina: Corante fluorescente altamente anti-infeccioso, usado clinicamente como um antisséptico tópico e experimentalmente como mutagênico, devido à sua interação com DNA. Também é usado como indicador do pH intracelular.Análise de Sequência de DNA: Processo de vários estágios que inclui clonagem, mapeamento físico, subclonagem, determinação da SEQUÊNCIA DE DNA e análise de informação.AcridinasTrifosfato de Adenosina: Nucleotídeo de adenina contendo três grupos fosfatos esterificados à porção de açúcar. Além dos seus papéis críticos no metabolismo, o trifosfato de adenosina é um neurotransmissor.Hidroxilaminas: Compostos orgânicos que contêm o radical (-NH2OH).RNA Mensageiro: Sequências de RNA que servem como modelo para a síntese proteica. RNAm bacterianos são geralmente transcritos primários pelo fato de não requererem processamento pós-transcricional. O RNAm eucariótico é sintetizado no núcleo e necessita ser transportado para o citoplasma para a tradução. A maior parte dos RNAm eucarióticos têm uma sequência de ácido poliadenílico na extremidade 3', denominada de cauda poli(A). Não se conhece com certeza a função dessa cauda, mas ela pode desempenhar um papel na exportação de RNAm maduro a partir do núcleo, tanto quanto em auxiliar na estabilização de algumas moléculas de RNAm retardando a sua degradação no citoplasma.Especificidade da Espécie: Restrição de um comportamento característico, estrutura anatômica ou sistema físico, como resposta imunológica, resposta metabólica ou gene ou variante gênico dos membros de uma espécie. Refere-se às propriedades que diferenciam uma espécie de outra, mas também se usa para níveis filogenéticos superiores ou inferiores ao nível de espécie.Magnésio: Elemento metálico que possui o símbolo atômico Mg, número atômico 12 e massa atômica 24,31. É importante para a atividade de muitas enzimas, especialmente aquelas que se ocupam com a FOSFORILAÇÃO OXIDATIVA.Substâncias Macromoleculares: Compostos e complexos moleculares que consistem de grandes quantidades de átomos e possuem geralmente tamanho superior a 500 kDa. Em sistemas biológicos, substâncias macromoleculares geralmente podem ser visualizadas através de MICROSCOPIA ELETRÔNICA e são diferenciadas de ORGANELAS pela ausência de uma estrutura de membrana.Genes Reguladores: Genes que regulam ou circunscrevem a atividade de outros genes, especificamente genes que codificam para PROTEÍNAS ou RNAs que têm funções da REGULAÇÃO DA EXPRESSÃO GÊNICA.Fator Rho: Proteína que executa a terminação da síntese de RNA durante o processo de transcrição gênica por meio da dissociação do complexo ternário de transcrição RNA - RNA polimerase - DNA, na extremidade de um gene.Cristalografia por Raios X: Estudo da estrutura dos cristais utilizando técnicas de DIFRAÇÃO POR RAIOS X.Homologia de Sequência de Aminoácidos: Grau de similaridade entre sequências de aminoácidos. Esta informação é útil para analisar a relação genética de proteínas e espécies.Desoxirribonuclease (Dímero de Pirimidina): Enzima que catalisa uma clivagem endonucleolítica próximo a DÍMEROS DE PIRIMIDINA, formando um produto fosfato na posição 5'. Esta enzima atua na cadeia de DNA danificada do lado 5' do sítio danificado.Homologia de Sequência do Ácido Nucleico: Correspondência sequencial de nucleotídeos em uma molécula de ácido nucleico com os de outras moléculas de ácido nucleico. A homologia de sequência é uma indicação da relação genética de organismos diferentes e a função gênica.Morfogênese: Desenvolvimento das estruturas anatômicas para gerar a forma de um organismo uni- ou multicelular. A morfogênese fornece alterações de forma de uma ou várias partes ou do organismo inteiro.Ribonucleotídeos: Nucleotídeo no qual a base purina ou pirimidina está combinada com ribose. (Dorland, 28a ed)Cromatografia DEAE-Celulose: Tipo de cromatografia de troca iônica que utiliza dietilaminoetil celulose (DEAE-CELULOSE) como uma resina positivamente carregada.Vírion: Sistema infectivo de um vírus, composto do genoma viral, proteínas nucleares e uma capa proteica, chamada capsídeo, que pode estar "nu" ou envolto por envelope lipoproteico, chamado peplos.Césio: Elemento químico membro dos metais alcalinos. Possui símbolo atômico Cs, número atômico 50 e peso atômico 132,91. O césio apresenta inumeras aplicações industriais, inclusive na construção de relógios atômicos baseados na sua frequência de vibração atômica.Mutagênese: Processo de gerar MUTAÇÃO genética. Pode ocorrer espontaneamente ou ser induzido por MUTÁGENOS.RNA de Transferência: Pequenas moléculas de RNA com 73-80 nucleotídeos que atuam durante a TRADUÇÃO GENÉTICA para alinhar os AMINOÁCIDOS nos RIBOSSOMOS em uma sequência determinada pelo RNA MENSAGEIRO. Há cerca de 30 RNAs de transferência diferentes. Cada um reconhece um grupo específico de CÓDON no RNAm através de seu ANTICÓDON e como RNA transportadores de aminoacil (RNA DE TRANSFERÊNCIA DE AMINOACIL), cada um transporta um aminoácido específico para o ribossomo para adicionar às cadeias peptídicas que estão se formando.Terapia Biológica: Tratamento de doença com material biológico (ou modificador de resposta biológica), p.ex., uso de GENES, CÉLULAS, TECIDOS, órgãos, SORO, VACINAS e agentes humorais.Resistência Microbiana a Medicamentos: Capacidade de micro-organismos (especialmente bactérias) em resistir ou tornar-se tolerante a agentes quimioterápicos, antimicrobianos ou a antibióticos. Essa resistência pode ser adquirida através de mutação gênica ou plasmídeos transmissíveis com DNA estranho (FATORES R).Especificidade de Hospedeiro: Propriedades de um patógeno que o tornam capaz de infectar um ou mais hospedeiros específicos. O patógeno pode incluir PARASITAS e VÍRUS, BACTÉRIAS, FUNGOS ou PLANTAS.Desoxicitidina Monofosfato: Desoxicitidina (fosfato dihidrogênio). Nucleotídeo de desoxicitosina contendo um grupo fosfato esterificado na molécula de desoxiribose nas posições 2' ou 5.Temperatura Alta: Presença de calor ou de uma temperatura notadamente maior do que a normal.Indução Enzimática: Aumento na taxa de síntese de uma enzima, devido à presença de um indutor que age desreprimindo o gene responsável pela síntese [dessa] enzima.Esgotos: Líquido ou matéria residual que corre nos esgotos.Relação Estrutura-Atividade: Relação entre a estrutura química de um composto e sua atividade biológica ou farmacológica. Os compostos são frequentemente classificados juntos por terem características estruturais em comum, incluindo forma, tamanho, arranjo estereoquímico e distribuição de grupos funcionais.Proteínas Recombinantes: Proteínas preparadas através da tecnologia de DNA recombinante.Myoviridae: Família de BACTERIÓFAGOS e vírus do reino Archea (VÍRUS ARQUEAIS), caracterizados por caudas contráteis complexas.Alinhamento de Sequência: Combinação de dois ou mais aminoácidos ou sequências de bases de um organismo ou organismos de tal forma a alinhar áreas das sequências de distribuição das propriedades comuns. O grau de correlação ou homologia entre as sequências é previsto computacionalmente ou estatisticamente, baseado nos pesos determinados dos elementos alinhados entre as sequências. Isto pode servir como um indicador potencial de correlação genética entre os organismos.Ribonucleotídeo RedutasesShigella sonnei: Bactéria fermentadora de lactose que causa disenteria.Proteínas Virais Reguladoras e Acessórias: Categoria ampla de proteínas virais que desempenham papéis indiretos nos processos biológicos e atividades de vírus. Incluem-se aqui as proteínas que regulam a expressão de genes virais ou as que estão envolvidas nas funções celulares do hospedeiro. Muitas proteínas desta categoria realizam várias funções.Dodecilsulfato de Sódio: Surfactante aniônico, geralmente um mistura de alquilsulfatos de sódio, principalmente o laurílico; apresenta baixa tensão superficial em soluções aquosas; usado como emulsificante de gorduras, umectante, detergente em cosmética, farmácia e cremes dentais; também como ferramenta experimental em bioquímica proteica.Ácido Fosfotúngstico: Hidróxido de tungstênio óxido fosfato. Um cristal branco ou levemente verde-amarelado, levemente fluorescente ou um pó cristalino. É usado como reagente para alcaloides e muitas outras bases nitrogenadas, para fenóis, albumina, peptona, aminoácidos, ácido úrico, ureia, sangue e carboidratos.Recombinases Rec A: Família de recombinases identificadas inicialmente em BACTÉRIAS. Catalisam a troca de fitas de DNA dirigida por ATP durante a RECOMBINAÇÃO GENÉTICA. O produto da reação consiste em um duplex e uma alça de fita simples deslocada, que tem a forma da letra D, razão pela qual é denominada estrutura em alça D.Micrococcus: Gênero de bactérias Gram-positivas esféricas que são encontradas no solo e na água doce, e frequentemente na pele do homem e outros animais.Composição de Bases: Quantidades relativas de PURINAS e PIRIMIDINAS em um ácido nucleico.Mutagênese Sítio-Dirigida: MUTAGÊNESE geneticamente construída em um ponto específico na molécula de DNA que introduz uma substituição, inserção ou deleção de uma base.