Antagonistas Purinérgicos: Drogas que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS e bloqueiam sua ativação.Suramina: Composto polianiônico com um mecanismo de ação desconhecido. É utilizado parenteralmente no tratamento da tripanossomíase africana e tem sido usada clinicamente com a dietilcarbazina para matar a Onchocerca adulta. (Tradução livre do original: AMA Drug Evaluations Annual, 1992, p1643) Demonstrou-se também possuir propriedades antineoplásicas potentes.Trifosfato de Adenosina: Nucleotídeo de adenina contendo três grupos fosfatos esterificados à porção de açúcar. Além dos seus papéis críticos no metabolismo, o trifosfato de adenosina é um neurotransmissor.Receptores Purinérgicos: Proteínas de superfície celular que se ligam com alta afinidade às PURINAS e desencadeiam alterações intracelulares que influenciam o comportamento celular. As classes mais bem caracterizadas de receptores purinérgicos em mamíferos são os receptores P1, que preferem a ADENOSINA, e os receptores P2, que preferem ATP ou ADP.Receptores Purinérgicos P2: Classe de receptores de superfície celular para PURINAS, que preferem ATP ou ADP ao invés da ADENOSINA. Os receptores purinérgicos P2 encontram-se amplamente dispersos na periferia e no sistema nervoso central e periférico.Agonistas Purinérgicos: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS e os ativam.Receptores Purinérgicos P2X: Subclasse de receptores purinérgicos P2 que sinalizam por meio de um canal iônico disparado por ligante. São compostos por três subunidades P2X que podem ser idênticas (forma homotrimérica) ou diferentes (forma heterotrimérica).Receptores Purinérgicos P2X7: Receptor purinérgico P2X de neurotransmissor que tem papel na sinalização da sensação de dor e regulação de processos inflamatórios.Receptores Purinérgicos P2Y2: Subclasse de receptores purinérgicos P2Y que possuem preferência por ATP e UTP. O receptor P2Y2 ativado age por meio de um FOSFATIDILINOSITOL acoplado a uma PROTEÍNA G e uma via intracelular de SINALIZAÇÃO DO CÁLCIO.Receptores Purinérgicos P2Y1: Subclasse de receptores purinérgicos P2Y que possuem preferência por ATP e ADP. O receptor P2Y1 ativado sinaliza através da ativação acoplada à PROTEÍNA G da FOSFOLIPASE C e a mobilização intracelular de CÁLCIO.Antagonistas do Receptor Purinérgico P2X: Compostos que se ligam seletivamente a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2X e bloqueiam sua estimulação. Sob este descritor estão incluídos os antagonistas dos subtipos específicos do receptor P2X.Antagonistas do Receptor Purinérgico P2: Compostos que se ligam seletivamente a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2 e bloqueiam sua estimulação.Receptores Purinérgicos P2X3: Receptor purinérgico P2X de neurotransmissores envolvido em sinalização sensorial da PERCEPÇÃO GUSTATIVA, quimiorrecepção, distensão visceral e DOR NEUROPÁTICA. O receptor possui três subunidades P2X3. As subunidades P2X3 também estão associadas com as subunidades de RECEPTOR P2X2 em uma variante heterotrimérica do receptor.Agonistas do Receptor Purinérgico P2: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2 e os estimulam.Receptores Purinérgicos P2X4: Subtipo de receptor purinérgico P2X amplamente distribuído que desempenha papel na sensação de dor. Os receptores P2X4 encontrados em células da MICROGLIA também podem participar da mediação da DOR NEUROPÁTICA relacionada com alodinia.Agonistas do Receptor Purinérgico P2X: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2X e os estimulam. Estão incluídos sob este descritor os agonistas dos subtipos específicos do receptor P2X.Receptores Purinérgicos P2Y: Subclasse de receptores purinérgicos P2 cuja sinalização é acoplada por meio de um mecanismo de sinalização de PROTEÍNAS DE LIGAÇÃO AO GTP.Receptores Purinérgicos P2X2: Receptor purinérgico P2X de neurotransmissores envolvido em sinalização sensorial da PERCEPÇÃO GUSTATIVA, quimiorrecepção, distensão visceral e DOR NEUROPÁTICA. O receptor possui três subunidades P2X2. As subunidades P2X2 também estão associadas com as subunidades de RECEPTOR P2X3 em uma variante heterotrimérica do receptor.Agonistas do Receptor Purinérgico P2Y: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2Y e os estimulam. Estão incluídos sob este descritor os agonistas dos subtipos específicos do receptor P2Y.Receptores Purinérgicos P2X5: Receptor purinérgico P2X de neurotransmissores encontrado em altos níveis no ENCÉFALO e no SISTEMA IMUNOLÓGICO.Uridina Trifosfato: Uridina 5'-(tetra-hidrogênio trifosfato). Nucleotídeo uracil contendo três grupos fosfatos esterificados à molécula de açúcar.Fosfato de Piridoxal: Esta é a forma ativa da VITAMINA B6 servindo como coenzima para a síntese de aminoácidos, neurotransmissores (serotonina, norepinefrina), esfingolipídeos e ácido aminolevulínico. Durante a transaminação de aminoácidos, o fosfato de piridoxal é transitoriamente convertido em fosfato de piridoxamina (PIRIDOXAMINA).Receptores Purinérgicos P1: Classe de receptores de superfície celular que preferem ADENOSINA às outras PURINAS endógenas. Os receptores purinérgicos P1 encontram-se dispersos pelo corpo, incluindo os sistemas cardiovascular, respiratório, imunológico e nervoso. Existem pelo menos dois tipos farmacologicamente distintos (A1 e A2, ou Ri e Ra).Apirase: Enzima ativada por cálcio que catalisa a hidrólise de ATP, originando AMP e ortofosfato. Também pode agir sobre o ADP e outros trifosfatos e difosfatos de nucleosídeos. EC 3.6.1.5.Receptores Purinérgicos P2X1: Receptor purinérgico P2X de neurotransmissores encontrado no MÚSCULO LISO que é inervado por via simpática. Pode desempenhar um papel funcional regulando o sistema justaglomerular dos RINS.Purinérgicos: Compostos que agem nos RECEPTORES PURINÉRGICOS ou influenciam a síntese, o armazenamento, a captação, o metabolismo ou a liberação de transmissores purinérgicos.Antagonistas de Receptores Purinérgicos P1: Compostos que se ligam a RECEPTORES PURINÉRGICOS P1 e bloqueiam a sua estimulação.Antagonistas de Hormônios: Substâncias químicas que inibem a função das glândulas endócrinas, a biossíntese dos seus hormônios secretados, ou a ação dos hormônios nos seus sítios específicos.Receptores Purinérgicos P2Y12: Subclasse de receptores purinérgicos P2Y que possuem preferência por ligação ao ADP e são acoplados a SUBUNIDADES ALFA GI-GO DE PROTEÍNAS DE LIGAÇÃO AO GTP. Os receptores P2Y12 são encontrados nas PLAQUETAS, onde desempenham papel importante na regulação da ATIVAÇÃO PLAQUETÁRIA.Antagonistas de Aminoácidos Excitatórios: Drogas que se ligam a receptores de aminoácidos excitatórios, bloqueando assim a ação de agonistas sem ativar aqueles receptores.Ratos Sprague-Dawley: Linhagem de ratos albinos amplamente utilizada para propósitos experimentais por sua tranquilidade e facilidade de manipulação. Foi desenvolvida pela Companhia de Animais Sprague-Dawley.Antagonistas de Dopamina: Drogas que se ligam, mas não ativam os RECEPTORES DA DOPAMINA, bloqueando assim as ações da dopamina ou de agonistas exógenos. Muitas drogas usadas no tratamento de transtornos psicóticos (AGENTES ANTIPSICÓTICOS) são antagonistas da dopamina, embora seus efeitos terapêuticos possam ser devido a ajustes encefálicos a longo prazo do que a efeitos agudos do bloqueio dos receptores da dopamina. Os antagonistas da dopamina têm sido usados para vários outros objetivos clínicos, inclusive como ANTIEMÉTICOS, no tratamento da síndrome de Tourette, e para soluço. O bloqueio do receptor da dopamina está associado com a SÍNDROME MALIGNA NEUROLÉPTICA.Antagonistas do Receptor Purinérgico P2Y: Compostos que se ligam seletivamente a RECEPTORES PURINÉRGICOS P2Y e bloqueiam sua estimulação. Sob este descritor estão incluídos os antagonistas dos subtipos específicos do receptor P2Y.Antagonistas do Receptor de Neuroquinina-1: Compostos que inibem ou bloqueiam a atividade de RECEPTORES DE NEUROCININA-1.Relação Dose-Resposta a Droga: Relação entre a quantidade (dose) de uma droga administrada e a resposta do organismo à droga.Antagonistas Muscarínicos: Drogas que se ligam a RECEPTORES MUSCARÍNICOS, bloqueando assim a ação da ACETILCOLINA endógena ou de agonistas exógenos. Os antagonistas muscarínicos apresentam amplo leque de efeitos, incluindo ações sobre a íris e músculos ciliares do olho, vasos do coração e sanguíneos, secreções do trato respiratório, sistema gastrointestinal, glândulas salivares, motilidade gastrointestinal, tônus da bexiga urinária e sistema nervoso central.Antagonistas de Entorpecentes: Agentes que inibem o efeito dos narcóticos sobre o sistema nervoso central.Antagonistas dos Receptores Histamínicos H2: Fármacos que se ligam seletivamente aos receptores H2 da histamina, porém sem ativá-los, bloqueando assim a ação da histamina. Sua ação clínica mais importante é a inibição da secreção de ácido no tratamento das úlceras gastrintestinais. O músculo liso também pode ser afetado. Alguns fármacos desta classe apresentam um forte efeito no sistema nervoso central, mas estas ações [ainda] não são bem compreendidas.